SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
Seguro
Definição: É o contrato entre Segurado e Segurador pelo qual o contratado obriga-se a
indenizar a outra parte em virtude de um prejuízo eventual.
Origem : O homem em sua evolução vêm sempre procurando algo que lhe possa
garantir o conforto e tranqüilidade. Seus métodos foram aperfeiçoados gradativamente . E
essa busca constante de garantir-se contra eventos que independente de sua tecnologia,
não podiam ser previstos ou antecipados, fez surgir o que conhecemos hoje como
“SEGURO”.
O Seguro no Brasil e no Exterior
Na era industrial trouxe o desenvolvimento de outras modalidades de seguro a partir do
século XIX
No Brasil a abertura dos portos por D. João VI, foi o fator determinante para o surgimento
dos seguros trazendo consigo a primeira seguradora “ Seguros Boa-Fé ”na Bahia.
Em 1850, são regulamentadas todas as operações de seguros marítimos.
Em 1855, é iniciada a comercialização do seguro de vida pela Companhia de Seguros
Tranqüilidade, do Rio de Janeiro
Em 1916, com a promulgação do Código Civil Brasileiro, são previstos e regulamentados
todos os ramos de seguros, Inclusive o de Vida.
Em 1937, o estabelecimento do chamado Estado Novo, consolida-se o princípio da
nacionalização do seguro; somente Companhias de Seguradoras com acionistas
brasileiros podem operar no Brasil.
Em 1939, o governo estabelece o monopólio do Resseguro, criando o Instituto de
Resseguros do Brasil (IRB).
Em 1940, com a nova reforma do regulamento das operações de seguros, é baixado o
Decreto-Lei nº 2.063, regulamentando sob novos moldes tais operações.
Em 1966, é consolidada a legislação do seguro através do Decreto-Lei nº 73 de
21/11/1966, criando-se o Sistema Nacional de Seguros Privados (SNSP), com objetivo de
promover a expansão do mercado de seguros.
Sistema Nacional de Seguros Privados (SNSP)
1
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
C N S P
I R BS U S E P
SEGURADORAS
SEGURADOS
MINISTÉRIO
DA FAZENDA
CORRETORAS
CMN Bacen
CONTRATO DE SEGURO
Definição: É um acordo pelo qual o segurado, mediante a pagamento de um prêmio ao
segurador, garante para si ou seus beneficiários, indenizações de eventuais prejuízos.
Obrigações : Observando as condições gerais e particulares do contrato de seguro.
Segurado Paga o Prêmio
Segurador Paga a Indenização
Condições Gerais : Dizem a respeito a todos os contratos de seguro.
Condições Particulares : Dizem a respeito a diferentes modalidades de cobertura,
denominadas condições especiais.
Características de um Contrato de Seguro
Bilateral Define as responsabilidades, direitos e obrigações para as
partes.
Oneroso Considerando as despesas que a ele estão afetas; Segurado
(Paga o prêmio) Segurador (Paga a Indenização)
Aleatório Resultado Imprevisível no momento da formalização.
Solene O que está previsto em Lei.
Instrumentos do Contrato
2
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
Proposta: é o documento cujo o conteúdo representa a vontade do segurado, contendo
assim as condições pretendidas.
Apólice: é o documento emitido pelo segurador, é instrumento do contrato de seguros,
constituindo-se de um documento escrito, datado e assinado pelo segurador ou seu
representado legal.
Deve ser declarado na apólice
• Os nomes e os domicílios do segurador e do segurado
• O objeto ou a pessoa segurada
• A Natureza dos riscos garantidos
• O prazo do seguro, indicando, quando for o caso, o início e o fim dos riscos por ano,
mês, dia e hora.
• O montante da garantia ou o valor segurado
• O prêmio
As apólices devem ser nominativas, à ordem ou ao portador.
Endosso: é o documento pelo qual altera o contrato.
Averbação: São anotações feitas na apólice e pela qual caracteriza-se a responsabilidade
do segurador, em certos e determinados seguros.
Bilhetes: É instrumento criado a partir da necessidade em atender o processo de
massificação dos negócios. Os ramos de Incêndio Residencial, DPVAT, Acidentes
Pessoais são alguns que utilizam este instrumento. Dispensa a proposta e substitui a
apólice.
Custos de Distribuição
É custo correspondente a Despesa de Comercialização do seguro, conhecidos como
gastos de gestão externo.
A Despesa de Comercialização são livremente convencionadas.
Tipos de Despesa de Comercialização
Corretagem
É a comissão paga a Corretores de Seguros, representados por pessoas físicas ou
jurídicas legalmente autorizados (SUSEP) pela intermediação entre o segurado e a
seguradora.
Ë obrigatório a figura de um corretor nas intermediações de contratos de seguro.(apólice)
É realizada o Diferimento da Despesa conforme vigência dos contratos, não excedendo a
12(doze) meses.
Pró-labore/Agenciamento
É a comissão paga estipulantes de seguro, quais são nomeados para promover a
angariação de contratos de seguro.
*Agenciamento : Tipo de Comercialização dos produtos de riscos decorridos, nota-se no
ramos de Vida em Grupo, Acidentes Pessoais e Seguro Saúde.
3
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
Essa despesa deve ser Diferida em (12) doze meses, pois considera-se comissão
antecipada.
Aspectos Técnicos
Cosseguro / Resseguro – Pulverização do Risco
O seguro é uma atividade coletiva, e baseia-se no princípio da solidariedade humana. O
princípio da pulverização do risco baseia-se na técnica de distribuição das
responsabilidades assumidas pela Seguradora nos contratos de seguros.
Cada segurador possui seu limite de responsabilidade, e a distribuição poderá ser
realizada através de um acordo comercial e/ou de um elevado valor que seguro possa
atingir.
1. Cosseguro
É a distribuição de responsabilidades relativas a um bem ou risco, entre duas ou mais
Seguradoras, que são conhecidas como Cosseguradoras.
Sempre que um negócio ultrapasse o limite técnico, torna-se necessário repassar parte do
risco a outra seguradora(Cosseguradora), sendo que essa operação deve ser de
conhecimento do segurado.
A Cosseguradora aceita um percentual do risco (Prêmio) , e quando ocorrer um sinistro a
mesma participará na indenização com o mesmo percentual.
Fluxo da Pulverização do Risco
Seguradora
(líder)
Cosseguradora
(Congênere)
Contratação
do Risco
Distribuição
do Risco
(repasse do
cosseguro)
Segurado
Participação
no Risco
Pagamento da
Indenização
ao Segurado
Exemplo : Supondo que Seguradora contratada repassou 20% do Risco:
4
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
Repasse do Prêmio
• Segurado Pedro da Silva
• Importância segurada R$ 28.000,00
• Prêmio Total R$ 2.000,00
• Comissão Total (10% x Pr.Tarifário) = R$ 200,00
• Prêmio de Cosseguro Cedido à Congêneres (2.000,00 x 20%) = R$ 400,00
• Prêmio Líder (R$2.000,00 - R$ 400,00) = R$1.600,00
Recuperação de Comissão
• Comissão de Corretagem R$ 200,00
• Comissão s/ Pr. de Cosseguro Cedido à Congêneres (400,00 x 10%) = R$ 40,00
• Comissão Líder (R$200,00 - R$ 40,00) = R$160,00
2. Resseguro
É a técnica de pulverização das Responsabilidades, na qual o segurador transfere ao
ressegurador os valores que exceder na sua capacidade econômica de indenizar.
Sendo o resseguro uma atividade complemente distinta do seguro, pois neste caso o
segurado desconhece a figura do ressegurador e não tem nenhum vínculo.
No Brasil obrigatoriamente ainda as operações com resseguro são feitas com o IRB-
Instituto de Resseguros de Brasil, que encontra-se em processo de privatização.
Planos de Resseguro
• Excedente de Responsabilidade – É aquele pelo qual a seguradora se obriga a dar ao
ressegurador e este aceitar a totalidade ou parte do que ultrapassar o limite de
retenção da seguradora. ( A proporção para repasse não é Fixa)
• Cota Parte – Ë aquela através da qual a seguradora transfere ao ressegurador cota
fixa das responsabilidades que assume.
• Excesso de Danos - Neste a perda máxima da sociedade seguradora, por evento, fica
limitada ao respectivo Limite Técnico, e os valores que excederem esse limite serão
recuperados do ressegurador.
• Catástrofe – Paga-se um percentual mínimo, estabelecendo taxas. No ramos que essa
modalidade é adotada, existem características particulares, tanto para definição e
manutenção de taxa como para os limites de recuperação das indenizações.
Retrocessão
É o Resseguro do Resseguro, pois é a operação que o ressegurador repassa ao mercado
segurador nacional os excessos de responsabilidade que ultrapassem os limites e sua
capacidade de indenizar.
5
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
IRB
Seguradora “A”
Resseguro
Cedido
Retrocessões
Seguradora “B” Seguradora “C”
Tributação das Operações com Seguros
Imposto sobre Operações Financeiras (IOF)
O IOF – Imposto sobre as operações financeiras foi instituído pela Lei nº5143 de
20/10/1966 tem a incidência sobre e qualquer operação financeira, inclusive sobre as
operações de seguros, exceto os seguros de crédito à Exportação e Transporte
Internacional Mercadorias e também ficam isentas as operações cosseguros, resseguros
e retrocessões.
Base de Cálculo: Prêmio Líquido(Tarifário) + Custo de Apólice
Imposto sobre Circulação de Mercadorias ( ICMS)
Instituído pelo Decreto-Lei nº5 de 15/03/1975 aplica-se em seguros, exclusivamente na
venda de salvados.
Imposto sobre serviços de qualquer natureza ( Iss)
Conforme o Código tributário municipal, incide sobre a remuneração paga aos corretores
habilitados.
Imposto sobre a renda ( IR)
Conforme regulamentado pelo RIR, sendo aplicado como nas demais empresas.
SOLVÊNCIA
É a capacidade da Seguradora em honrar seus compromissos futuros.
PROVISÕES TÉCNICAS
São constituídas com base na Resolução CNSP Nº36/2000.
A constituição das Provisões Técnica são obrigatórias para as sociedades seguradoras
para a garantia de cobertura de suas operações, independente de apuração de lucro ou
prejuízo.
Classificam-se em dois grupos:
6
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
1. Provisões Técnicas Comprometidas
São aquelas constituídas para a garantia do pagamento de indenizações de sinistros
avisados.
a) Sinistros à Liquidar
Sinistros avisados que encontram-se em fase de Regulação, ou seja sinistros avisados e
ainda não liquidados.(efetivamente pagos ao segurado)
b) Provisões de Seguros Vencidos
Sinistros avisados ocorridos durante a vigência de apólice que já encontram-se vencidos.
2 . Provisões Técnicas Não Comprometidas
São aquelas constituídas para garantir o pagamento de indenizações relativos a riscos já
decorridos, passíveis de sinistralidade, como também para diferir a receita de prêmios
relativos a riscos a decorrer até o vencimento da apólice.( Pró rata die) com base nas data
início e fim de vigência da apólice.
a) Provisão de Prêmios Não Ganhos (PPNG)
(Diferimento do Prêmio)
Refere-se a parcela do prêmio emitido que ainda não foram considerados como receita
efetiva em função do risco não ter expirado.
Cobre os riscos de contrato em vigor, corresponde à parcela do prêmio relativa do risco
ainda decorrido.
Cálculo da PPNG
PPNG = Prêmio Retido X Período de Risco a Decorrer
Período de
Cobertura(dias)
Exemplo:
Total dias de Contratação 15/01/2001 à 15/01/2002 - 365 dias(Período de Cobertura)
Emissão(início da Vig.) em 15/01/2001
Data Cálculo 31/01/2001
Data Início de Vig. – Data Cálc = 16 dias
365 dias – 16 dias = 349 Dias( Período de Risco à Decorrer)
b) Provisão de Insuficiência de Prêmios(PIP) – (Substituição a PRD – Prov. De
Riscos Decorridos)
PIP = { [ Sinistros Retidos + Desp.Administrativa ] – 1,05 x PPNG }
Prêmio Ganho – Desp de Comercial.
7
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
c) Provisão Matemática
Visa garantir os riscos do contrato em vigor, de acordo com a Nota Técnica Atuarial
Aprovada pela SUSEP.
d) Fundo de Garantia de Retrocessões
Decorrentes das Operações de retrocessões do IRB.
GARANTIA SUPLEMENTAR
Representada pela metade do Capital realizado, cuja finalidade é reforçar as provisões
técnicas, devendo seu valor ser coberto por aplicações específicas.
Cobertura Vinculada das Reservas Técnicas
As sociedades estão obrigadas a oferecer bens em garantia de suas provisões técnicas.
Deverá ser enviado mensalmente a SUSEP o mapa – resumo de cobertura de suas
provisões contendo o saldo, obedecendo aos limites determinados pelo Banco Central.
Resolução nº2286/96.
Divide-se em 3 Grupos:
a) Garantia Suplementar.
b) Reserva Comprometida
c) Reserva Não Comprometida
8
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
DIRETRIZES PARA COBERTURA DAS RESERVAS TÉCNICAS Conforme determinações da Resolução 2286/96 do BACEN
Art. 2º Art. 3º Art. 9º Descrição dos ativos passíveis de oferecimento em
garantia das reservas técnicas
3º Grupo
Reserva comprometida
2º Grupo
Reserva não
comprometida
Limitações Globais
Para os grupos 2 e 3
I §1º I §1º Título de emissão do Tesouro Nacional; Títulos de
emissão do BACEN
Até 100% do total do
grupo (80% deve Ter
vencimento igual ou
inferior a 12 meses)
Até 100% do total do
grupo (50% deve Ter
vencimento igual ou
inferior a 12 meses)
Não há limitações
II (a) §
2º
Títulos de emissão dos Tesouros Estaduais ou
Municipais
Não aceitável neste grupo Até 40% do total do
grupo
Limitado a 10% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por %stado ou
município
II (") I
(a)
Depó
sitos
a
prazo;
letras
de
câmbi
o;
letras
hipote
càrias
Até 60% do total do grupo Até 80% do total do grupo LiMitado a 20% do
somatório do grupo 2 +
grupo 3, por instit5içã/
financeira
I
(b)
II (a) Cédulas pignoratícias de dEbêntures Até 60% do tot!l do grupo Até 80% do total do
grupo
Limitado a 20% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por instituição
financeira
II (b) Letras imobiliárias, cédulas hipotecárias Não aceitável neste grupo Até 80% do total do
grupo
Limitado a 20% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por instituição
financeira
II (b) II (a) Notas promissórias de S/A,s destinadas a oferta pública Até 60% do total do grupo Até 80% do total do
grupo
Limitado a 20% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por instituição
financeira
II(b) Quotas e obrigações do FND; Tit. Desenvolvimento
Econômico TDE
Não aceitável neste grupo Até 80% do total do
grupo
1
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
II (b) Títulos de emissão ou coobrigação do BNDES Não aceitável neste grupo Até 80% do total do
grupo
II (b) §3º Títulos da Dívida Agrária – TDA,s; obrigações da
Eletrobras
Não aceitável neste grupo Até 10% do total do
grupo
II (b) Debêntures de emissão pública Não aceitável neste grupo Até 80% do total do
grupo
Limitado a 8% do somatório do
grupo 2, por instituição art 5º IV
II (c) §
4º
II (b) §
2º
Depósitos em conta poupança; ouro físico Até 15% do total do grupo
e 10% por modalidade
Até 15% do total do
grupo e 10% por
modalidade
Limitado a 20% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por instituição
financeira
II (c) §
5º
II (b)
§3º
Quotas e fundos de investimento no exterior Até 10% do total do grupo Até 10% do total do
grupo
II (c) II (b) Quotas e fundos de investimento financeiro (renda fixa) Até 60% do total do grupo Até 80% do total do
grupo
Limitado a 20% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por instituição
financeira
II (d) §
5º
Certificado de privatização Não aceitável neste grupo Até 10% do total do
grupo
III (a) III (a) Ações de companhias abertas (limitadas a 15% do
capital votante, conforme art 5º inciso III)
Até 50% do total do grupo Até 50% do total do
grupo
Limitado a 20% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por instituição
financeira
III(b) III (b) Quotas e fundos de investimento financeiro (renda
variável)
Até 50% do total do grupo
exclusive fundos de
investimentos de
empresas emergentes
Até 50% do total do
grupo
Limitado a 10% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por instituição
financeira
III (c) §
6º
Ações de companhias de capital fechado adquirido no
PND
Não aceitável neste grupo Até 10% do total do
grupo
IV § 5º §
único
Imóveis urbano ou direitos resultantes da venda destes Não aceitável neste grupo Até 30% do total do
grupo
O total do inciso IV não deverá ser
superior a 30%
IV § 7º Terrenos e direitos resultantes de sua venda Não aceitável neste grupo Até 10% do total do
grupo
IV Quotas e fundos de investimento imobiliário Não aceitável neste grupo Até 10% do total do
grupo
Limitado a 10% do somatório do
grupo 2 + grupo 3, por instituição
financeira
V Aplicável somente a EAPP,s Não aplicável a
seguradoras
Não aplicável a
seguradoras
VI Direitos creditórios resultantes do fracionamento de
prêmios
Não aceitável neste grupo Não há limitações Somente recebíveis a vencer
2
FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ
Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná
CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento
Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500
CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br
Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota
O limite global para instituições não financeiras é reduzido de 20% para 10%, por instituição. As limitações globais p/ aplicação em renda fixa,
conforme o inciso II dos art 2º e 3º são respectivamente 80% e 60%.
3
MARGEM DE SOLVÊNCIA
Base Legal:
Resolução CNSP nº 08 de 21/07/1989 - *607
Apresentação obrigatória
Deverão apresentar o cálculo quando do encerramento das demonstrações financeiras de
junho e dezembro de cada ano.
Siglas
MS = Margem de Solvência
AL = Ativo Líquido
LM = Limite de Margem
Critérios a serem observados
A Cia. deverá ter AL suficiente para cobrir a MS.
O LM-Limite de Margem é de 50% da MS- Margem de Solvência
Prazo para readequação do limite
Ocorrendo insuficiência do AL a empresa terá que propor “Plano de Recuperação” de
forma a suprir a MS no prazo máximo de 150 dias, contadas a partir da data do
encerramento das demonstrações financeiras.
Na hipótese de o AL ser insuficiente para cobrir o LM, o prazo para cobertura será de 90
dias.
**Forma de Cálculo da Margem de Solvência
Para efeito de cálculo de Margem de Solvência das Sociedades Seguradoras serão
computadas as operações de todos os ramos, com exceção de Vida Individual e
Previdência Privada.
I. Para se calcular a margem de solvência para a data base de dezembro, deve-se adotar
o seguinte procedimento:
I.1 - Multiplicar o valor dos somatórios dos prêmios retidos de janeiro a dezembro de
cada ano por 0,20 ;
I.2 - Multiplicar o somatório dos sinistros retidos ( menos salvados e ressarcimento )
dos últimos 36 meses por 0,33 , e dividir o resultado por 3 ;
I.3 - O maior entre os valores encontrados nos itens I.1 e I.2 será a Margem de
Solvência da Sociedade Seguradora.
II.Para se calcular a margem de solvência para a data base de junho, deve-se adotar o
seguinte procedimento:
II.1 - Multiplicar por 0,20 o valor do somatório dos prêmios retidos de janeiro a junho
do exercício corrente e de julho a dezembro do exercício anterior;
II.2 - Efetuar o somatório dos sinistros retidos ( menos salvados e ressarcimento )de
janeiro a junho do exercício corrente, os sinistros retidos de 2 exercícios anteriores e, dos
sinistros retidos de julho a dezembro do 3º ano anterior. Multiplicar o resultado por 0,33 e
dividir por 3;
II.3 - O maior entre os valores encontrados nos itens II.1 e II.2 será a Margem de
Solvência da Sociedade Seguradora.
Exercício
1) Calcule a Margem de Solvência, Limite Margem da Cia de Seguros Triângulo, e
comente qual a situação no momento.
Disciplina : Contabilidade de Seguros - Profª Regina Suota
Prêmios Retidos Sinistros Retidos Ativo Líquido
2001 186.992.454 142.816.010 25.834.796
2000 - 152.570.529 -
2000 - 112.371.119 -
RESTITUIÇÃO DE PRÊMIOS
É devolução de prêmio pago ao segurado, em virtude do cancelamento da apólice.
(Endosso de Restituição)
Em caso de cancelamento será retido os emolumentos(Custo de Apólice e IOF).
Tipos de Restituição de Prêmios
• À Pedido da Seguradora
• A Pedido do Segurado
Forma e Cálculo de Restituição
PEDIDO DA SEGURADORA
¹Valor Retido = (Prêmio Tarifário * % Tabela de Prazo Curto)
Valor de Restituição = (Prêmio Tarifário – Valor Retido¹)
Exemplo :
Cancelamento : 90 dias após a Vigência > Tab.Pzo Curto = 40%
Prêmio Tarifário : R$1.200,00
Valor Retido = (1.200,00 * 40% ) = 480,00
Valor de Restituição = (1200,00 – 480,00) = 720,00
PEDIDO DO SEGURADO
¹Valor Retido = (Prêmio Tarifário * % Proporcional ao tempo decorrido)
proporcional ao Tempo ( Dias Vigentes / Total da Vigência)
Valor de Restituição = (Prêmio Tarifário – Valor Retido¹)
Exemplo :
Cancelamento : 90 dias após a Vigência > Proporcional ao Tempo = 24,66%
proporcional ao Tempo ( 90 / 365)= 24,66%
Prêmio Tarifário : R$1.200,00
Valor Retido = (1.200,00 * 24,66% ) = 295,92
Valor de Restituição = (1200,00 – 295,92) = 904,08
Demonstrações Contábeis das Cia’s de Seguros
Disciplina : Contabilidade de Seguros - Profª Regina Suota
São Elaboradas de acordo com a Circular SUSEP 133/2000 e Resolução 19/2000 que
instituiu a nova estrutura do Plano de Contas.
Além de Obedecerem as Normas SUSEP, também estão sujeitas a Lei Nº 6404 de
15/12/1976
A Legislação Brasileira de Seguros exige a apresentação das Demonstrações Contábeis
semestrais.
A escrituração das Operações deverá obedecer o Regime de Competência, qual é um
dos denominados Princípios Fundamentais da Contabilidade em norma própria emanada
do Conselho Federal de Contabilidade e da Lei 6404/76.
Em Obediência a ele todas as receitas e despesas, operacionais ou não, serão
registradas no período a que efetivamente se referirem.
Livros e Registros de Contabilidade
Como nas demais atividades, em seguros também deverá utiliza-se Livros Contábeis e
Registros Auxiliares.
Livros Contábeis Obrigatórios - Livro Diário, Lalur
Livros Contábeis Facultativos – Razão, Caixa, Contas Correntes...
Registros Auxiliares (Oficiais) – São fontes de informações para as partidas contábeis
efetuadas pela seguradora, mensalmente.
• Registro Oficial de Apólices Emitidas
• Registro Oficial de Apólices Cobradas e Restituídas
• Registro Oficial de Sinistros Avisados
• Registro Oficial de Sinistros Liquidados(Pagos)
• Registro Oficial de Sinistros Avisados
• Registro Oficial de Comissões Emitidas
• Registro Oficial de Co-seguros Aceitos Emitidos e Cancelados
• Registro Oficial de Co-seguros Aceitos Cobrados e Restituídos
Disciplina : Contabilidade de Seguros - Profª Regina Suota
Programa da disciplina
1. INTRODUÇÃO E CONCEITO DE SEGUROS
1.1Sistema Nacional de Seguros Privados
1.1.1 Estrutura do SNSP
1.2Seguro
1.2.1 Introdução
1.2.2 Natureza Jurídica
1.2.3 Natureza Técnica
1.2.4 Instrumentos do Contrato
1.3Aspectos Técnicos
1.3.1 Operações de Seguros
1.3.2 Tributação das Operações de Seguros
1.4Solvência
1.4.1 Provisões Técnicas
1.4.2 Solvência
2. CONTABILIDADE DE SEGUROS
2.1Princípios Contábeis
2.2Demonstrações Contábeis
2.2.1 Balanço Patrimonial
2.2.2 Demonstração de Resultado
2.2.3 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos
2.2.4 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido
2.3Plano de Contas das Sociedades Seguradoras
2.4Livros e Registros de Contabilidade
2.5Registros das Operações com Seguros
2.5.1 Contabilização do Prêmio Emitido
2.5.2 Contabilização do Custo de Comercialização
2.5.3 Contabilização Provisões Técnicas – Não Comprometidas
2.5.4 Contabilização Provisões Técnicas – Comprometidas
2.5.5 Contabilização Salvados e Ressarcimentos
2.5.6 Contabilização de Pulverização de Riscos
2.5.6.1 Cosseguro
2.5.6.2 Resseguro
2.5.7 Contabilização de Despesas Administrativas
2.5.8 Contabilização de Tributos
3. INDICADORES ECONÔMICOS-FINANCEIROS
3.1OPERACIONAIS
3.1.1 Margem Operacional
3.1.2 Margem Líquida
3.1.3 Sinistralidade
3.1.4 Nível de Cancelamento
3.1.5 Custo de Comercialização
3.1.6 Custo Administrativo
Disciplina : Contabilidade de Seguros - Profª Regina Suota
3.1.7 Resultado Patrimonial
3.1.8 Índice Combinado (Combined Ratio)
3.1.9 Índice Combinado Ampliado
3.2PATRIMONIAIS
3.2.1 Indicadores de Liquidez
3.2.2 Indicadores de Endividamento
3.2.3 Indicadores de Imobilização
3.2.4 Indicadores de Solvência
3.2.5 Taxa de Retorno – Rentabilidade
BIBLIOGRAFIA
FIGUEIREDO, Sandra. Contabilidade de Seguros. Ed.Atlas
SILVA, Afonso. Contabilidade e Análise Econômico-Financeira de Seguradoras.
Ed.Atlas
LEGISLAÇÃO DE SEGUROS. Ed.Manuais Técnicos
SITE –
LEGISLAÇÃO DE SEGUROS
www.susep.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos do contrato de seguros
Conceitos do contrato de segurosConceitos do contrato de seguros
Conceitos do contrato de seguros
Universidade Federal Fluminense
 
Apostila noções basicas de seguros
Apostila   noções basicas de segurosApostila   noções basicas de seguros
Apostila noções basicas de seguros
Universidade Federal Fluminense
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Riscos financeiros
Riscos financeirosRiscos financeiros
Riscos financeiros
luzienne moraes
 
Arrendamento Mercantil
Arrendamento MercantilArrendamento Mercantil
Arrendamento Mercantil
Maciel "Massa"
 
Introdução à atuária
Introdução à atuáriaIntrodução à atuária
Introdução à atuária
Universidade Federal Fluminense
 
Matemática Financeira Básica
Matemática Financeira BásicaMatemática Financeira Básica
Matemática Financeira Básica
Marcus Santos
 
Alavancagem financeira
Alavancagem financeiraAlavancagem financeira
Alavancagem financeira
Thelma Lopes
 
Aula 05 (4)
Aula 05 (4)Aula 05 (4)
Aula 05 (4)
Dieni Keli
 
Presentation on Life Insurance Fund & Solvency Management
Presentation on Life Insurance Fund & Solvency ManagementPresentation on Life Insurance Fund & Solvency Management
Presentation on Life Insurance Fund & Solvency Management
eliashussain
 
Exercicio 28.10 resolvido
Exercicio 28.10 resolvidoExercicio 28.10 resolvido
Exercicio 28.10 resolvido
Claudio Parra
 
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geralO Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
Vivaldo Jose Breternitz
 
Aulas de Investimentos (payback)
Aulas de Investimentos (payback)Aulas de Investimentos (payback)
Aulas de Investimentos (payback)
Adriano Bruni
 
Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3
Augusto Junior
 
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeiraFórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
marioferreiraneto
 
Matemática Financeira - Empréstimos
Matemática Financeira - EmpréstimosMatemática Financeira - Empréstimos
Matemática Financeira - Empréstimos
guest20a5fb
 
Six Principles of Insurance
Six Principles of InsuranceSix Principles of Insurance
Six Principles of Insurance
DavidMarquez123
 
Juros simples e compostos
Juros simples e compostosJuros simples e compostos
Juros simples e compostos
Rodrigo Carvalho
 
Insurance risk
Insurance riskInsurance risk
Insurance risk
Akshay Virkar
 
Matemática
MatemáticaMatemática

Mais procurados (20)

Conceitos do contrato de seguros
Conceitos do contrato de segurosConceitos do contrato de seguros
Conceitos do contrato de seguros
 
Apostila noções basicas de seguros
Apostila   noções basicas de segurosApostila   noções basicas de seguros
Apostila noções basicas de seguros
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Riscos financeiros
Riscos financeirosRiscos financeiros
Riscos financeiros
 
Arrendamento Mercantil
Arrendamento MercantilArrendamento Mercantil
Arrendamento Mercantil
 
Introdução à atuária
Introdução à atuáriaIntrodução à atuária
Introdução à atuária
 
Matemática Financeira Básica
Matemática Financeira BásicaMatemática Financeira Básica
Matemática Financeira Básica
 
Alavancagem financeira
Alavancagem financeiraAlavancagem financeira
Alavancagem financeira
 
Aula 05 (4)
Aula 05 (4)Aula 05 (4)
Aula 05 (4)
 
Presentation on Life Insurance Fund & Solvency Management
Presentation on Life Insurance Fund & Solvency ManagementPresentation on Life Insurance Fund & Solvency Management
Presentation on Life Insurance Fund & Solvency Management
 
Exercicio 28.10 resolvido
Exercicio 28.10 resolvidoExercicio 28.10 resolvido
Exercicio 28.10 resolvido
 
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geralO Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
O Sistema Financeiro Nacional - uma visão geral
 
Aulas de Investimentos (payback)
Aulas de Investimentos (payback)Aulas de Investimentos (payback)
Aulas de Investimentos (payback)
 
Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3
 
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeiraFórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
 
Matemática Financeira - Empréstimos
Matemática Financeira - EmpréstimosMatemática Financeira - Empréstimos
Matemática Financeira - Empréstimos
 
Six Principles of Insurance
Six Principles of InsuranceSix Principles of Insurance
Six Principles of Insurance
 
Juros simples e compostos
Juros simples e compostosJuros simples e compostos
Juros simples e compostos
 
Insurance risk
Insurance riskInsurance risk
Insurance risk
 
Matemática
MatemáticaMatemática
Matemática
 

Semelhante a Contabilidade aplicada seguros-apostila

35926403 apostila-contabilidade-seguros
35926403 apostila-contabilidade-seguros35926403 apostila-contabilidade-seguros
35926403 apostila-contabilidade-seguros
Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ)
 
Contabilidade de seguros
Contabilidade de segurosContabilidade de seguros
Contabilidade de seguros
Universidade Federal Fluminense
 
Apresentação jacometo seguros
Apresentação jacometo segurosApresentação jacometo seguros
Apresentação jacometo seguros
Jacometo Corretora de Seguros Ltda
 
Microsoft word -_cond._gerais_acidentes_pessoais_contrat_individual_-_final_-...
Microsoft word -_cond._gerais_acidentes_pessoais_contrat_individual_-_final_-...Microsoft word -_cond._gerais_acidentes_pessoais_contrat_individual_-_final_-...
Microsoft word -_cond._gerais_acidentes_pessoais_contrat_individual_-_final_-...
Sirlei de Fatima Barreiro Jabali
 
Responsabilidade - Por Danilo Sobreira
Responsabilidade - Por Danilo SobreiraResponsabilidade - Por Danilo Sobreira
Responsabilidade - Por Danilo Sobreira
Sincor-ES
 
Engesegur seguros, resseguros e engenharia de segurança
Engesegur   seguros, resseguros e engenharia de segurançaEngesegur   seguros, resseguros e engenharia de segurança
Engesegur seguros, resseguros e engenharia de segurança
Universidade Federal Fluminense
 
2010.Rui Choupina
2010.Rui Choupina2010.Rui Choupina
2010.Rui Choupina
Rui Choupina
 
Opinião.Seg - Edição 8 - Agosto de 2014
Opinião.Seg - Edição 8 - Agosto de 2014Opinião.Seg - Edição 8 - Agosto de 2014
Opinião.Seg - Edição 8 - Agosto de 2014
Editora Roncarati
 
Pp promocao e eventos 112010
Pp promocao e eventos 112010Pp promocao e eventos 112010
Pp promocao e eventos 112010
Espaço Allianz
 
Clipping marketing de seguros
Clipping   marketing de segurosClipping   marketing de seguros
Clipping marketing de seguros
Patrícia Barros
 
Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV
ASSESSORDAPRESIDENCI
 
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 26-09.pptx
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 26-09.pptxCartilha Previdenciária IPREV - versão final - 26-09.pptx
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 26-09.pptx
ComunicaoIprev
 
2022_07_12_ Cartilha Previdenciária IPREV (1) (1).pdf
2022_07_12_ Cartilha Previdenciária IPREV (1) (1).pdf2022_07_12_ Cartilha Previdenciária IPREV (1) (1).pdf
2022_07_12_ Cartilha Previdenciária IPREV (1) (1).pdf
ComunicaoIprev
 
Revista Opinião.Seg - Edição 7 - Maio de 2014
Revista Opinião.Seg - Edição 7 - Maio de 2014Revista Opinião.Seg - Edição 7 - Maio de 2014
Revista Opinião.Seg - Edição 7 - Maio de 2014
Editora Roncarati
 
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Universidade Federal Fluminense
 
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Universidade Federal Fluminense
 
cartilhaprevidenciriaiprev-versofinal-20-07-220721183134-afb3cf3b (1).pptx
cartilhaprevidenciriaiprev-versofinal-20-07-220721183134-afb3cf3b (1).pptxcartilhaprevidenciriaiprev-versofinal-20-07-220721183134-afb3cf3b (1).pptx
cartilhaprevidenciriaiprev-versofinal-20-07-220721183134-afb3cf3b (1).pptx
ComunicaoIprev
 
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 20-07 (1).pptx
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 20-07 (1).pptxCartilha Previdenciária IPREV - versão final - 20-07 (1).pptx
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 20-07 (1).pptx
ComunicaoIprev
 
Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV
ASSESSORDAPRESIDENCI
 
Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV
ASSESSORDAPRESIDENCI
 

Semelhante a Contabilidade aplicada seguros-apostila (20)

35926403 apostila-contabilidade-seguros
35926403 apostila-contabilidade-seguros35926403 apostila-contabilidade-seguros
35926403 apostila-contabilidade-seguros
 
Contabilidade de seguros
Contabilidade de segurosContabilidade de seguros
Contabilidade de seguros
 
Apresentação jacometo seguros
Apresentação jacometo segurosApresentação jacometo seguros
Apresentação jacometo seguros
 
Microsoft word -_cond._gerais_acidentes_pessoais_contrat_individual_-_final_-...
Microsoft word -_cond._gerais_acidentes_pessoais_contrat_individual_-_final_-...Microsoft word -_cond._gerais_acidentes_pessoais_contrat_individual_-_final_-...
Microsoft word -_cond._gerais_acidentes_pessoais_contrat_individual_-_final_-...
 
Responsabilidade - Por Danilo Sobreira
Responsabilidade - Por Danilo SobreiraResponsabilidade - Por Danilo Sobreira
Responsabilidade - Por Danilo Sobreira
 
Engesegur seguros, resseguros e engenharia de segurança
Engesegur   seguros, resseguros e engenharia de segurançaEngesegur   seguros, resseguros e engenharia de segurança
Engesegur seguros, resseguros e engenharia de segurança
 
2010.Rui Choupina
2010.Rui Choupina2010.Rui Choupina
2010.Rui Choupina
 
Opinião.Seg - Edição 8 - Agosto de 2014
Opinião.Seg - Edição 8 - Agosto de 2014Opinião.Seg - Edição 8 - Agosto de 2014
Opinião.Seg - Edição 8 - Agosto de 2014
 
Pp promocao e eventos 112010
Pp promocao e eventos 112010Pp promocao e eventos 112010
Pp promocao e eventos 112010
 
Clipping marketing de seguros
Clipping   marketing de segurosClipping   marketing de seguros
Clipping marketing de seguros
 
Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV
 
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 26-09.pptx
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 26-09.pptxCartilha Previdenciária IPREV - versão final - 26-09.pptx
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 26-09.pptx
 
2022_07_12_ Cartilha Previdenciária IPREV (1) (1).pdf
2022_07_12_ Cartilha Previdenciária IPREV (1) (1).pdf2022_07_12_ Cartilha Previdenciária IPREV (1) (1).pdf
2022_07_12_ Cartilha Previdenciária IPREV (1) (1).pdf
 
Revista Opinião.Seg - Edição 7 - Maio de 2014
Revista Opinião.Seg - Edição 7 - Maio de 2014Revista Opinião.Seg - Edição 7 - Maio de 2014
Revista Opinião.Seg - Edição 7 - Maio de 2014
 
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
 
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
 
cartilhaprevidenciriaiprev-versofinal-20-07-220721183134-afb3cf3b (1).pptx
cartilhaprevidenciriaiprev-versofinal-20-07-220721183134-afb3cf3b (1).pptxcartilhaprevidenciriaiprev-versofinal-20-07-220721183134-afb3cf3b (1).pptx
cartilhaprevidenciriaiprev-versofinal-20-07-220721183134-afb3cf3b (1).pptx
 
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 20-07 (1).pptx
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 20-07 (1).pptxCartilha Previdenciária IPREV - versão final - 20-07 (1).pptx
Cartilha Previdenciária IPREV - versão final - 20-07 (1).pptx
 
Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV
 
Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV Cartilha Previdenciária IPREV
Cartilha Previdenciária IPREV
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Universidade Federal Fluminense
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Universidade Federal Fluminense
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Universidade Federal Fluminense
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Universidade Federal Fluminense
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Universidade Federal Fluminense
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
Universidade Federal Fluminense
 
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Universidade Federal Fluminense
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Universidade Federal Fluminense
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
Universidade Federal Fluminense
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Universidade Federal Fluminense
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Universidade Federal Fluminense
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Universidade Federal Fluminense
 

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
 
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 

Último

Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 

Último (20)

Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 

Contabilidade aplicada seguros-apostila

  • 1. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota Seguro Definição: É o contrato entre Segurado e Segurador pelo qual o contratado obriga-se a indenizar a outra parte em virtude de um prejuízo eventual. Origem : O homem em sua evolução vêm sempre procurando algo que lhe possa garantir o conforto e tranqüilidade. Seus métodos foram aperfeiçoados gradativamente . E essa busca constante de garantir-se contra eventos que independente de sua tecnologia, não podiam ser previstos ou antecipados, fez surgir o que conhecemos hoje como “SEGURO”. O Seguro no Brasil e no Exterior Na era industrial trouxe o desenvolvimento de outras modalidades de seguro a partir do século XIX No Brasil a abertura dos portos por D. João VI, foi o fator determinante para o surgimento dos seguros trazendo consigo a primeira seguradora “ Seguros Boa-Fé ”na Bahia. Em 1850, são regulamentadas todas as operações de seguros marítimos. Em 1855, é iniciada a comercialização do seguro de vida pela Companhia de Seguros Tranqüilidade, do Rio de Janeiro Em 1916, com a promulgação do Código Civil Brasileiro, são previstos e regulamentados todos os ramos de seguros, Inclusive o de Vida. Em 1937, o estabelecimento do chamado Estado Novo, consolida-se o princípio da nacionalização do seguro; somente Companhias de Seguradoras com acionistas brasileiros podem operar no Brasil. Em 1939, o governo estabelece o monopólio do Resseguro, criando o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB). Em 1940, com a nova reforma do regulamento das operações de seguros, é baixado o Decreto-Lei nº 2.063, regulamentando sob novos moldes tais operações. Em 1966, é consolidada a legislação do seguro através do Decreto-Lei nº 73 de 21/11/1966, criando-se o Sistema Nacional de Seguros Privados (SNSP), com objetivo de promover a expansão do mercado de seguros. Sistema Nacional de Seguros Privados (SNSP) 1
  • 2. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota C N S P I R BS U S E P SEGURADORAS SEGURADOS MINISTÉRIO DA FAZENDA CORRETORAS CMN Bacen CONTRATO DE SEGURO Definição: É um acordo pelo qual o segurado, mediante a pagamento de um prêmio ao segurador, garante para si ou seus beneficiários, indenizações de eventuais prejuízos. Obrigações : Observando as condições gerais e particulares do contrato de seguro. Segurado Paga o Prêmio Segurador Paga a Indenização Condições Gerais : Dizem a respeito a todos os contratos de seguro. Condições Particulares : Dizem a respeito a diferentes modalidades de cobertura, denominadas condições especiais. Características de um Contrato de Seguro Bilateral Define as responsabilidades, direitos e obrigações para as partes. Oneroso Considerando as despesas que a ele estão afetas; Segurado (Paga o prêmio) Segurador (Paga a Indenização) Aleatório Resultado Imprevisível no momento da formalização. Solene O que está previsto em Lei. Instrumentos do Contrato 2
  • 3. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota Proposta: é o documento cujo o conteúdo representa a vontade do segurado, contendo assim as condições pretendidas. Apólice: é o documento emitido pelo segurador, é instrumento do contrato de seguros, constituindo-se de um documento escrito, datado e assinado pelo segurador ou seu representado legal. Deve ser declarado na apólice • Os nomes e os domicílios do segurador e do segurado • O objeto ou a pessoa segurada • A Natureza dos riscos garantidos • O prazo do seguro, indicando, quando for o caso, o início e o fim dos riscos por ano, mês, dia e hora. • O montante da garantia ou o valor segurado • O prêmio As apólices devem ser nominativas, à ordem ou ao portador. Endosso: é o documento pelo qual altera o contrato. Averbação: São anotações feitas na apólice e pela qual caracteriza-se a responsabilidade do segurador, em certos e determinados seguros. Bilhetes: É instrumento criado a partir da necessidade em atender o processo de massificação dos negócios. Os ramos de Incêndio Residencial, DPVAT, Acidentes Pessoais são alguns que utilizam este instrumento. Dispensa a proposta e substitui a apólice. Custos de Distribuição É custo correspondente a Despesa de Comercialização do seguro, conhecidos como gastos de gestão externo. A Despesa de Comercialização são livremente convencionadas. Tipos de Despesa de Comercialização Corretagem É a comissão paga a Corretores de Seguros, representados por pessoas físicas ou jurídicas legalmente autorizados (SUSEP) pela intermediação entre o segurado e a seguradora. Ë obrigatório a figura de um corretor nas intermediações de contratos de seguro.(apólice) É realizada o Diferimento da Despesa conforme vigência dos contratos, não excedendo a 12(doze) meses. Pró-labore/Agenciamento É a comissão paga estipulantes de seguro, quais são nomeados para promover a angariação de contratos de seguro. *Agenciamento : Tipo de Comercialização dos produtos de riscos decorridos, nota-se no ramos de Vida em Grupo, Acidentes Pessoais e Seguro Saúde. 3
  • 4. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota Essa despesa deve ser Diferida em (12) doze meses, pois considera-se comissão antecipada. Aspectos Técnicos Cosseguro / Resseguro – Pulverização do Risco O seguro é uma atividade coletiva, e baseia-se no princípio da solidariedade humana. O princípio da pulverização do risco baseia-se na técnica de distribuição das responsabilidades assumidas pela Seguradora nos contratos de seguros. Cada segurador possui seu limite de responsabilidade, e a distribuição poderá ser realizada através de um acordo comercial e/ou de um elevado valor que seguro possa atingir. 1. Cosseguro É a distribuição de responsabilidades relativas a um bem ou risco, entre duas ou mais Seguradoras, que são conhecidas como Cosseguradoras. Sempre que um negócio ultrapasse o limite técnico, torna-se necessário repassar parte do risco a outra seguradora(Cosseguradora), sendo que essa operação deve ser de conhecimento do segurado. A Cosseguradora aceita um percentual do risco (Prêmio) , e quando ocorrer um sinistro a mesma participará na indenização com o mesmo percentual. Fluxo da Pulverização do Risco Seguradora (líder) Cosseguradora (Congênere) Contratação do Risco Distribuição do Risco (repasse do cosseguro) Segurado Participação no Risco Pagamento da Indenização ao Segurado Exemplo : Supondo que Seguradora contratada repassou 20% do Risco: 4
  • 5. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota Repasse do Prêmio • Segurado Pedro da Silva • Importância segurada R$ 28.000,00 • Prêmio Total R$ 2.000,00 • Comissão Total (10% x Pr.Tarifário) = R$ 200,00 • Prêmio de Cosseguro Cedido à Congêneres (2.000,00 x 20%) = R$ 400,00 • Prêmio Líder (R$2.000,00 - R$ 400,00) = R$1.600,00 Recuperação de Comissão • Comissão de Corretagem R$ 200,00 • Comissão s/ Pr. de Cosseguro Cedido à Congêneres (400,00 x 10%) = R$ 40,00 • Comissão Líder (R$200,00 - R$ 40,00) = R$160,00 2. Resseguro É a técnica de pulverização das Responsabilidades, na qual o segurador transfere ao ressegurador os valores que exceder na sua capacidade econômica de indenizar. Sendo o resseguro uma atividade complemente distinta do seguro, pois neste caso o segurado desconhece a figura do ressegurador e não tem nenhum vínculo. No Brasil obrigatoriamente ainda as operações com resseguro são feitas com o IRB- Instituto de Resseguros de Brasil, que encontra-se em processo de privatização. Planos de Resseguro • Excedente de Responsabilidade – É aquele pelo qual a seguradora se obriga a dar ao ressegurador e este aceitar a totalidade ou parte do que ultrapassar o limite de retenção da seguradora. ( A proporção para repasse não é Fixa) • Cota Parte – Ë aquela através da qual a seguradora transfere ao ressegurador cota fixa das responsabilidades que assume. • Excesso de Danos - Neste a perda máxima da sociedade seguradora, por evento, fica limitada ao respectivo Limite Técnico, e os valores que excederem esse limite serão recuperados do ressegurador. • Catástrofe – Paga-se um percentual mínimo, estabelecendo taxas. No ramos que essa modalidade é adotada, existem características particulares, tanto para definição e manutenção de taxa como para os limites de recuperação das indenizações. Retrocessão É o Resseguro do Resseguro, pois é a operação que o ressegurador repassa ao mercado segurador nacional os excessos de responsabilidade que ultrapassem os limites e sua capacidade de indenizar. 5
  • 6. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota IRB Seguradora “A” Resseguro Cedido Retrocessões Seguradora “B” Seguradora “C” Tributação das Operações com Seguros Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) O IOF – Imposto sobre as operações financeiras foi instituído pela Lei nº5143 de 20/10/1966 tem a incidência sobre e qualquer operação financeira, inclusive sobre as operações de seguros, exceto os seguros de crédito à Exportação e Transporte Internacional Mercadorias e também ficam isentas as operações cosseguros, resseguros e retrocessões. Base de Cálculo: Prêmio Líquido(Tarifário) + Custo de Apólice Imposto sobre Circulação de Mercadorias ( ICMS) Instituído pelo Decreto-Lei nº5 de 15/03/1975 aplica-se em seguros, exclusivamente na venda de salvados. Imposto sobre serviços de qualquer natureza ( Iss) Conforme o Código tributário municipal, incide sobre a remuneração paga aos corretores habilitados. Imposto sobre a renda ( IR) Conforme regulamentado pelo RIR, sendo aplicado como nas demais empresas. SOLVÊNCIA É a capacidade da Seguradora em honrar seus compromissos futuros. PROVISÕES TÉCNICAS São constituídas com base na Resolução CNSP Nº36/2000. A constituição das Provisões Técnica são obrigatórias para as sociedades seguradoras para a garantia de cobertura de suas operações, independente de apuração de lucro ou prejuízo. Classificam-se em dois grupos: 6
  • 7. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota 1. Provisões Técnicas Comprometidas São aquelas constituídas para a garantia do pagamento de indenizações de sinistros avisados. a) Sinistros à Liquidar Sinistros avisados que encontram-se em fase de Regulação, ou seja sinistros avisados e ainda não liquidados.(efetivamente pagos ao segurado) b) Provisões de Seguros Vencidos Sinistros avisados ocorridos durante a vigência de apólice que já encontram-se vencidos. 2 . Provisões Técnicas Não Comprometidas São aquelas constituídas para garantir o pagamento de indenizações relativos a riscos já decorridos, passíveis de sinistralidade, como também para diferir a receita de prêmios relativos a riscos a decorrer até o vencimento da apólice.( Pró rata die) com base nas data início e fim de vigência da apólice. a) Provisão de Prêmios Não Ganhos (PPNG) (Diferimento do Prêmio) Refere-se a parcela do prêmio emitido que ainda não foram considerados como receita efetiva em função do risco não ter expirado. Cobre os riscos de contrato em vigor, corresponde à parcela do prêmio relativa do risco ainda decorrido. Cálculo da PPNG PPNG = Prêmio Retido X Período de Risco a Decorrer Período de Cobertura(dias) Exemplo: Total dias de Contratação 15/01/2001 à 15/01/2002 - 365 dias(Período de Cobertura) Emissão(início da Vig.) em 15/01/2001 Data Cálculo 31/01/2001 Data Início de Vig. – Data Cálc = 16 dias 365 dias – 16 dias = 349 Dias( Período de Risco à Decorrer) b) Provisão de Insuficiência de Prêmios(PIP) – (Substituição a PRD – Prov. De Riscos Decorridos) PIP = { [ Sinistros Retidos + Desp.Administrativa ] – 1,05 x PPNG } Prêmio Ganho – Desp de Comercial. 7
  • 8. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota c) Provisão Matemática Visa garantir os riscos do contrato em vigor, de acordo com a Nota Técnica Atuarial Aprovada pela SUSEP. d) Fundo de Garantia de Retrocessões Decorrentes das Operações de retrocessões do IRB. GARANTIA SUPLEMENTAR Representada pela metade do Capital realizado, cuja finalidade é reforçar as provisões técnicas, devendo seu valor ser coberto por aplicações específicas. Cobertura Vinculada das Reservas Técnicas As sociedades estão obrigadas a oferecer bens em garantia de suas provisões técnicas. Deverá ser enviado mensalmente a SUSEP o mapa – resumo de cobertura de suas provisões contendo o saldo, obedecendo aos limites determinados pelo Banco Central. Resolução nº2286/96. Divide-se em 3 Grupos: a) Garantia Suplementar. b) Reserva Comprometida c) Reserva Não Comprometida 8
  • 9. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota DIRETRIZES PARA COBERTURA DAS RESERVAS TÉCNICAS Conforme determinações da Resolução 2286/96 do BACEN Art. 2º Art. 3º Art. 9º Descrição dos ativos passíveis de oferecimento em garantia das reservas técnicas 3º Grupo Reserva comprometida 2º Grupo Reserva não comprometida Limitações Globais Para os grupos 2 e 3 I §1º I §1º Título de emissão do Tesouro Nacional; Títulos de emissão do BACEN Até 100% do total do grupo (80% deve Ter vencimento igual ou inferior a 12 meses) Até 100% do total do grupo (50% deve Ter vencimento igual ou inferior a 12 meses) Não há limitações II (a) § 2º Títulos de emissão dos Tesouros Estaduais ou Municipais Não aceitável neste grupo Até 40% do total do grupo Limitado a 10% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por %stado ou município II (") I (a) Depó sitos a prazo; letras de câmbi o; letras hipote càrias Até 60% do total do grupo Até 80% do total do grupo LiMitado a 20% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instit5içã/ financeira I (b) II (a) Cédulas pignoratícias de dEbêntures Até 60% do tot!l do grupo Até 80% do total do grupo Limitado a 20% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instituição financeira II (b) Letras imobiliárias, cédulas hipotecárias Não aceitável neste grupo Até 80% do total do grupo Limitado a 20% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instituição financeira II (b) II (a) Notas promissórias de S/A,s destinadas a oferta pública Até 60% do total do grupo Até 80% do total do grupo Limitado a 20% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instituição financeira II(b) Quotas e obrigações do FND; Tit. Desenvolvimento Econômico TDE Não aceitável neste grupo Até 80% do total do grupo 1
  • 10. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota II (b) Títulos de emissão ou coobrigação do BNDES Não aceitável neste grupo Até 80% do total do grupo II (b) §3º Títulos da Dívida Agrária – TDA,s; obrigações da Eletrobras Não aceitável neste grupo Até 10% do total do grupo II (b) Debêntures de emissão pública Não aceitável neste grupo Até 80% do total do grupo Limitado a 8% do somatório do grupo 2, por instituição art 5º IV II (c) § 4º II (b) § 2º Depósitos em conta poupança; ouro físico Até 15% do total do grupo e 10% por modalidade Até 15% do total do grupo e 10% por modalidade Limitado a 20% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instituição financeira II (c) § 5º II (b) §3º Quotas e fundos de investimento no exterior Até 10% do total do grupo Até 10% do total do grupo II (c) II (b) Quotas e fundos de investimento financeiro (renda fixa) Até 60% do total do grupo Até 80% do total do grupo Limitado a 20% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instituição financeira II (d) § 5º Certificado de privatização Não aceitável neste grupo Até 10% do total do grupo III (a) III (a) Ações de companhias abertas (limitadas a 15% do capital votante, conforme art 5º inciso III) Até 50% do total do grupo Até 50% do total do grupo Limitado a 20% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instituição financeira III(b) III (b) Quotas e fundos de investimento financeiro (renda variável) Até 50% do total do grupo exclusive fundos de investimentos de empresas emergentes Até 50% do total do grupo Limitado a 10% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instituição financeira III (c) § 6º Ações de companhias de capital fechado adquirido no PND Não aceitável neste grupo Até 10% do total do grupo IV § 5º § único Imóveis urbano ou direitos resultantes da venda destes Não aceitável neste grupo Até 30% do total do grupo O total do inciso IV não deverá ser superior a 30% IV § 7º Terrenos e direitos resultantes de sua venda Não aceitável neste grupo Até 10% do total do grupo IV Quotas e fundos de investimento imobiliário Não aceitável neste grupo Até 10% do total do grupo Limitado a 10% do somatório do grupo 2 + grupo 3, por instituição financeira V Aplicável somente a EAPP,s Não aplicável a seguradoras Não aplicável a seguradoras VI Direitos creditórios resultantes do fracionamento de prêmios Não aceitável neste grupo Não há limitações Somente recebíveis a vencer 2
  • 11. FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 – Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140 – Curitiba - PR Internet: http://www.fesppr.br Disciplina : Contabilidade Aplicada - Profª Regina Suota O limite global para instituições não financeiras é reduzido de 20% para 10%, por instituição. As limitações globais p/ aplicação em renda fixa, conforme o inciso II dos art 2º e 3º são respectivamente 80% e 60%. 3
  • 12. MARGEM DE SOLVÊNCIA Base Legal: Resolução CNSP nº 08 de 21/07/1989 - *607 Apresentação obrigatória Deverão apresentar o cálculo quando do encerramento das demonstrações financeiras de junho e dezembro de cada ano. Siglas MS = Margem de Solvência AL = Ativo Líquido LM = Limite de Margem Critérios a serem observados A Cia. deverá ter AL suficiente para cobrir a MS. O LM-Limite de Margem é de 50% da MS- Margem de Solvência Prazo para readequação do limite Ocorrendo insuficiência do AL a empresa terá que propor “Plano de Recuperação” de forma a suprir a MS no prazo máximo de 150 dias, contadas a partir da data do encerramento das demonstrações financeiras. Na hipótese de o AL ser insuficiente para cobrir o LM, o prazo para cobertura será de 90 dias. **Forma de Cálculo da Margem de Solvência Para efeito de cálculo de Margem de Solvência das Sociedades Seguradoras serão computadas as operações de todos os ramos, com exceção de Vida Individual e Previdência Privada. I. Para se calcular a margem de solvência para a data base de dezembro, deve-se adotar o seguinte procedimento: I.1 - Multiplicar o valor dos somatórios dos prêmios retidos de janeiro a dezembro de cada ano por 0,20 ; I.2 - Multiplicar o somatório dos sinistros retidos ( menos salvados e ressarcimento ) dos últimos 36 meses por 0,33 , e dividir o resultado por 3 ; I.3 - O maior entre os valores encontrados nos itens I.1 e I.2 será a Margem de Solvência da Sociedade Seguradora. II.Para se calcular a margem de solvência para a data base de junho, deve-se adotar o seguinte procedimento: II.1 - Multiplicar por 0,20 o valor do somatório dos prêmios retidos de janeiro a junho do exercício corrente e de julho a dezembro do exercício anterior; II.2 - Efetuar o somatório dos sinistros retidos ( menos salvados e ressarcimento )de janeiro a junho do exercício corrente, os sinistros retidos de 2 exercícios anteriores e, dos sinistros retidos de julho a dezembro do 3º ano anterior. Multiplicar o resultado por 0,33 e dividir por 3; II.3 - O maior entre os valores encontrados nos itens II.1 e II.2 será a Margem de Solvência da Sociedade Seguradora. Exercício 1) Calcule a Margem de Solvência, Limite Margem da Cia de Seguros Triângulo, e comente qual a situação no momento.
  • 13. Disciplina : Contabilidade de Seguros - Profª Regina Suota Prêmios Retidos Sinistros Retidos Ativo Líquido 2001 186.992.454 142.816.010 25.834.796 2000 - 152.570.529 - 2000 - 112.371.119 - RESTITUIÇÃO DE PRÊMIOS É devolução de prêmio pago ao segurado, em virtude do cancelamento da apólice. (Endosso de Restituição) Em caso de cancelamento será retido os emolumentos(Custo de Apólice e IOF). Tipos de Restituição de Prêmios • À Pedido da Seguradora • A Pedido do Segurado Forma e Cálculo de Restituição PEDIDO DA SEGURADORA ¹Valor Retido = (Prêmio Tarifário * % Tabela de Prazo Curto) Valor de Restituição = (Prêmio Tarifário – Valor Retido¹) Exemplo : Cancelamento : 90 dias após a Vigência > Tab.Pzo Curto = 40% Prêmio Tarifário : R$1.200,00 Valor Retido = (1.200,00 * 40% ) = 480,00 Valor de Restituição = (1200,00 – 480,00) = 720,00 PEDIDO DO SEGURADO ¹Valor Retido = (Prêmio Tarifário * % Proporcional ao tempo decorrido) proporcional ao Tempo ( Dias Vigentes / Total da Vigência) Valor de Restituição = (Prêmio Tarifário – Valor Retido¹) Exemplo : Cancelamento : 90 dias após a Vigência > Proporcional ao Tempo = 24,66% proporcional ao Tempo ( 90 / 365)= 24,66% Prêmio Tarifário : R$1.200,00 Valor Retido = (1.200,00 * 24,66% ) = 295,92 Valor de Restituição = (1200,00 – 295,92) = 904,08 Demonstrações Contábeis das Cia’s de Seguros
  • 14. Disciplina : Contabilidade de Seguros - Profª Regina Suota São Elaboradas de acordo com a Circular SUSEP 133/2000 e Resolução 19/2000 que instituiu a nova estrutura do Plano de Contas. Além de Obedecerem as Normas SUSEP, também estão sujeitas a Lei Nº 6404 de 15/12/1976 A Legislação Brasileira de Seguros exige a apresentação das Demonstrações Contábeis semestrais. A escrituração das Operações deverá obedecer o Regime de Competência, qual é um dos denominados Princípios Fundamentais da Contabilidade em norma própria emanada do Conselho Federal de Contabilidade e da Lei 6404/76. Em Obediência a ele todas as receitas e despesas, operacionais ou não, serão registradas no período a que efetivamente se referirem. Livros e Registros de Contabilidade Como nas demais atividades, em seguros também deverá utiliza-se Livros Contábeis e Registros Auxiliares. Livros Contábeis Obrigatórios - Livro Diário, Lalur Livros Contábeis Facultativos – Razão, Caixa, Contas Correntes... Registros Auxiliares (Oficiais) – São fontes de informações para as partidas contábeis efetuadas pela seguradora, mensalmente. • Registro Oficial de Apólices Emitidas • Registro Oficial de Apólices Cobradas e Restituídas • Registro Oficial de Sinistros Avisados • Registro Oficial de Sinistros Liquidados(Pagos) • Registro Oficial de Sinistros Avisados • Registro Oficial de Comissões Emitidas • Registro Oficial de Co-seguros Aceitos Emitidos e Cancelados • Registro Oficial de Co-seguros Aceitos Cobrados e Restituídos
  • 15. Disciplina : Contabilidade de Seguros - Profª Regina Suota Programa da disciplina 1. INTRODUÇÃO E CONCEITO DE SEGUROS 1.1Sistema Nacional de Seguros Privados 1.1.1 Estrutura do SNSP 1.2Seguro 1.2.1 Introdução 1.2.2 Natureza Jurídica 1.2.3 Natureza Técnica 1.2.4 Instrumentos do Contrato 1.3Aspectos Técnicos 1.3.1 Operações de Seguros 1.3.2 Tributação das Operações de Seguros 1.4Solvência 1.4.1 Provisões Técnicas 1.4.2 Solvência 2. CONTABILIDADE DE SEGUROS 2.1Princípios Contábeis 2.2Demonstrações Contábeis 2.2.1 Balanço Patrimonial 2.2.2 Demonstração de Resultado 2.2.3 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2.2.4 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido 2.3Plano de Contas das Sociedades Seguradoras 2.4Livros e Registros de Contabilidade 2.5Registros das Operações com Seguros 2.5.1 Contabilização do Prêmio Emitido 2.5.2 Contabilização do Custo de Comercialização 2.5.3 Contabilização Provisões Técnicas – Não Comprometidas 2.5.4 Contabilização Provisões Técnicas – Comprometidas 2.5.5 Contabilização Salvados e Ressarcimentos 2.5.6 Contabilização de Pulverização de Riscos 2.5.6.1 Cosseguro 2.5.6.2 Resseguro 2.5.7 Contabilização de Despesas Administrativas 2.5.8 Contabilização de Tributos 3. INDICADORES ECONÔMICOS-FINANCEIROS 3.1OPERACIONAIS 3.1.1 Margem Operacional 3.1.2 Margem Líquida 3.1.3 Sinistralidade 3.1.4 Nível de Cancelamento 3.1.5 Custo de Comercialização 3.1.6 Custo Administrativo
  • 16. Disciplina : Contabilidade de Seguros - Profª Regina Suota 3.1.7 Resultado Patrimonial 3.1.8 Índice Combinado (Combined Ratio) 3.1.9 Índice Combinado Ampliado 3.2PATRIMONIAIS 3.2.1 Indicadores de Liquidez 3.2.2 Indicadores de Endividamento 3.2.3 Indicadores de Imobilização 3.2.4 Indicadores de Solvência 3.2.5 Taxa de Retorno – Rentabilidade BIBLIOGRAFIA FIGUEIREDO, Sandra. Contabilidade de Seguros. Ed.Atlas SILVA, Afonso. Contabilidade e Análise Econômico-Financeira de Seguradoras. Ed.Atlas LEGISLAÇÃO DE SEGUROS. Ed.Manuais Técnicos SITE – LEGISLAÇÃO DE SEGUROS www.susep.gov.br