SlideShare uma empresa Scribd logo
A nível federal, tratou-se a respeito
da saúde da criança quando foi
criado Departamento Nacional da
Criança, na década de 1940.
O primeiro programa de proteção à
maternidade, à infância e à adolescência de
que se
tem notícia foi instituído durante o Estado
Novo (1937/1945).
LEGENDA
DNRC: Departamento Nacional da Criança
CPMI: Coordenação de Proteção Materno-Infantil
DINSAMI: Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil
PAISMC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e
da Criança
PAISM: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher
PAISC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Criança
CORSAMI: Coordenação de Saúde Materno-Infantil
ATSCAM: Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento
O Departamento tinha como foco:
Programa Alimentar, Programa
Educativo, Programa de Formação de
Pessoal e Programa de Imunização.
Assim, o DNCr coordenou a assistência
materno-infantil no Brasil até o ano
de 1969.
Com a extinção do DNCr, em
1969, foi criada,
em 1970, a Coordenação de
Proteção Materno Infantil
(CPMI)
Em 1975, foi criado o Programa
Nacional de Saúde Materno-
Infantil, cujo propósito era
contribuir para a redução da
morbidade e da mortalidade da
mulher e da criança. Que em 1976,
passou a chamar-se Divisão
Nacional de
Saúde Materno-Infantil (DINSAMI).
Em 1983, o Ministério da Saúde,
por meio
da DINSAMI, elaborou o Programa
de Assistência Integral à Saúde da
Mulher e da
Criança (PAISMC).
Em 1998, as coordenações
foram substituídas pelas atuais
Áreas Técnicas de Saúde da
Mulher,
Saúde da Criança e Saúde do
Adolescente e do Jovem.
Nos últimos 75 anos, importantes leis e
portarias foram publicadas no país, a fim
de assegurar
o direito da criança brasileira de 0 a 9 anos
à saúde. Hoje, a legislação brasileira trata
de uma
série de temas, como imunização,
aleitamento materno, atenção à saúde do
recém-nascido,
nutrição, prevenção de acidentes e
violências e muitos outros.
Princípios norteadores do cuidado na saúde da
criança
Deve ser entendido como o direito de toda
criança receber assistência de saúde e a
responsabilidade da unidade de saúde em receber
todos os que procuram a unidade, propiciando
uma escuta de suas demandas ou problemas de
saúde e avaliação qualificada de cada situação.
O atendimento á criança engloba a
sequencia de ações ou medidas
preventivas direcionadas desde antes
do nascimento, até 5 anos de idade,
com o objetivo de evitar que ela
adoeça.
A equipe assume o paciente e
estabelece compromisso e
responsabilidade sobre todas as suas
necessidades de saúde. A consulta
médica não deve ser a única proposta
de abordagem da criança e toda a
equipe deve participar da assistência e
resolução do problema do usuário,
potencializando-se a capacidade de
resposta e intervenção.
.
É a ciência médica que se dedica ao estudo dos
cuidados com o ser humano em desenvolvimento,
mais especificamente com o acompanhamento
do infantil.
A puericultura, como subespecialidade da pediatria,
preocupa-se com o acompanhamento integral do
processo de desenvolvimento da criança. É de
fundamental importância, uma vez que é por meio
dela que o pediatra tem condições de detectar
precocemente os mais diferentes distúrbios das
áreas do crescimento estrutural, da nutrição e do
desenvolvimento neuropsicomotor.( É o aspecto
psicológico que desenvolve a coordenação motora).
Puericultura
Vacinação
Pode-se dizer, hoje, que a imensa maioria das crianças
brasileiras recebe regularmente vacinas contra quase todas as
doenças graves.
As vacinas foram criadas para ensinar o sistema imunológico
a reconhecer agentes agressores que podem provocar doenças,
assim como para ensiná-lo a reagir produzindo anticorpos
capazes de combatê-los. Na preparação das vacinas, pode ser
utilizado um componente do agente agressor, ou seja, o
próprio agente agressor numa forma atenuada, ou morto, ou
outro agente que seja semelhante ao causador da doença.
Consulta pediátrica
A assistência global à criança deve ser feita de maneira
evolutiva, para acompanhar o crescimento e o
desenvolvimento do paciente. Assim, em cada consulta, a
entrevista deve incluir dados de desenvolvimento,
possíveis queixas ou dificuldades, e o exame físico deve
comprovar os progressos do desenvolvimento e registrar
os parâmetros de crescimento. A prescrição deve incluir
alimentação, vacinação e orientação. Toda consulta
pediátrica, independente da queixa, deve incluir a
Puericultura.
Comida e nutrientes são as matérias-primas que nos
permitem formar os dentes, ossos, músculos e tecidos e
mantê-los saudáveis. Uma boa dieta alimentar também
pode proteger de várias doenças. A dieta de uma criança
necessita de um planejamento especial - as necessidades
de energia e nutrientes fundamentais são elevadas, mas o
apetite é reduzido e os hábitos alimentares inconstantes.
A alimentação das crianças deve ser constituída por
refeições pequenas e frequentes, desde que ricas em
nutrientes.
Nutrição
Assistências e Benefícios do programa da criança
O programa da criança, preocupa-se em
abordar aspectos fundamentais para a
proteção da saúde da criança, entre eles como
preparar o “ninho” para melhor recebê-la, em
visitá-la, oferecer suporte a seus pais ou
cuidadores, estimular o fortalecimento de
vínculos – que serão importantes para toda a
sua vida.
Desejo que todas as crianças possam ouvir, ver, falar, sorrir,
crescer e desenvolver toda a sua potencialidade para
conhecer o mundo e viver.
Os princípios mais importantes da atenção
básica no Brasil são: integralidade (definir o que
deve ser atendido), qualidade (usado para
garantir na prática a igualdade na assistência a
todos os cidadãos) e a participação social
(participação da população para definir as
prioridades no atendimento e fiscalizar o
funcionamento do serviço).
Número de crianças acompanhadas pelo UBS
Do município de Capim Grosso
De 0 a 11 meses
De 12 a 23 meses
Janeiro
2015
Fevereiro
2015
Março
2015
0 a 11 meses 286 321 354
12ª 23 meses 311 331 334
Equipes de saúde
UBS (Unidade Básica de Saúde)
Médico responsável.
Técnico de enfermagem e 6
agentes comunitários, dentista e
auxiliar.
Cada equipe atende de 3000 a
4500 pessoas ou de 1000 família
Por meio da definição do número de
pessoas a serem atendidas (tecnicamente
chamada de adstrição da população), as
Equipes Saúde da Família estabelecem
ligação (denominada de vínculo) com a
população, possibilitando o compromisso e
a responsabilidade destes profissionais
com os usuários e a comunidade.
Até qual idade a amamentação é
necessária?
O leite materno é um alimento completo. Isso
significa que até os seis meses o bebê não
precisa de nenhum outro alimento, a partir dos
seis meses a alimentação deve ser
complementado com outros alimentos. É bom
que o bebê continue sendo amamentado até
dois anos ou mais.
Entrevistada:
Luzinete Alves de Almeida
Técnica de enfermagem
Quais os maiores cuidados com o recém-
nascido?
O bebê nunca deve dormir de barriga para
baixo (de bruços) e recomenda-se que ele
durma de barriga para cima. Cuide para
que a boca e o nariz não fiquem cobertos e
para aquecer é preferível agasalha-lo com
mais roupas do que cobrir com muitas
cobertas.
Qual o benefício da vacinação?
A vacina é essencial para manter a
criança saudável. Para vacinar procure
o centro de saúde ou uma equipe de
saúde que cuide da sua família.
Qual a importância do dente de leite e o desenvolvimento
deles?
Os dentes de leite são importantes para guardar o espaço e
preparar o caminho dos dentes permanentes.
A perda dos dentes de leite antes do tempo certo pode
prejudicar a criança que estar aprendendo a falar, além disso,
a criança poderá se sentir diferente do restante do grupo de
sua faixa etária, podendo causar algum problema
emocional/social.
Tabela:
5 a 6 meses >> quando começa a aparecer os dentes de leite
10 a 12 meses >> aparecem os dentes de trás
3 a 6 anos >> já se conta total de 20 dentes
6 a 18 anos >> nesse período inicia-se a troca de dentes de
leite pelos dentes permanentes. Aos 18 anos tem-se em
torno 32 dentes.
Como identificar a desidratação? Quais os
sintomas?
Olhos fundos, muita sede, pouca saliva,
choro sem lágrima, pele seca e pouca urina
são os sinais de desidratação.
Se apresentar vômitos e as fezes estiverem
muitos liquidas, deve-se oferecer soro oral
após cada evacuação e vômito.
BRASIL. Decreto nº 66.623, de 22 de maio de 1970. Disponível em:
<http://www6.senado.gov.
br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=180519>. Acesso em: 12 jan. 2011.
BRASIL. Decreto-Lei nº 2.024, de 17 de fevereiro de 1940. Disponível em:
<http://www.ciespi.
org.br/base_legis/baselegis_view.php?id=148>. Acesso em: 12 jan. 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. Instrumento gerencial da saúde da mulher, da criança e
do adolescente. Brasília, DF, 1995. v. 1.
BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório anual de avaliação: PPA 2000–2003 – Exercício
2002.
Brasília, DF, [2003?].
BRASIL. Ministério da Saúde. Aleitamento materno e orientação alimentar para o
desmame.
Brasília, DF,1986.
BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório de avaliação do Projeto de Assistência integral
à Saú-
de da Mulher e da Criança: primeira parte. Brasília, DF, 1986.
BRASIL. Ministério da Saúde. Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil. Relatório de

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
Andreia Morais
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
Leticia Passos
 
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
Conceição Amorim
 
AULA 14 - Contextualização Histórica da Saúde da Criança e do Adolescente no ...
AULA 14 - Contextualização Histórica da Saúde da Criança e do Adolescente no ...AULA 14 - Contextualização Histórica da Saúde da Criança e do Adolescente no ...
AULA 14 - Contextualização Histórica da Saúde da Criança e do Adolescente no ...
AlefySantos2
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
Marcos Figueiredo
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
Ismael Costa
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
Anderson da Silva
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
Luanapqt
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
jorge luiz dos santos de souza
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Paisc
PaiscPaisc
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
Dessa Reis
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
Jose Roberto
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
Bianca Lazarini Forreque Poli
 

Mais procurados (20)

Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER – PAISM: entre as diretrizes n...
 
AULA 14 - Contextualização Histórica da Saúde da Criança e do Adolescente no ...
AULA 14 - Contextualização Histórica da Saúde da Criança e do Adolescente no ...AULA 14 - Contextualização Histórica da Saúde da Criança e do Adolescente no ...
AULA 14 - Contextualização Histórica da Saúde da Criança e do Adolescente no ...
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Paisc
PaiscPaisc
Paisc
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 

Destaque

atenção à saúde da criança
 atenção à saúde da criança atenção à saúde da criança
atenção à saúde da criança
charlesalannet
 
Política de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criançaPolítica de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criança
Josy Tosta
 
Trabalho Creche.
Trabalho Creche.Trabalho Creche.
Trabalho Creche.
Fernanda Amaro
 
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Leonardo Savassi
 
Saúde da Criança - UFMG
Saúde da Criança - UFMGSaúde da Criança - UFMG
Saúde da Criança - UFMG
Leonardo Savassi
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
Ricardo Alexandre
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
yolandasergia
 
Curso sebrae
Curso sebraeCurso sebrae
Curso sebrae
webexpertise
 
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Luciana Monteiro
 
Aprender e empreender
Aprender e empreenderAprender e empreender
Aprender e empreender
Leandro Silva
 
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacaoSaude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Ana Luz Francés
 
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da CriançaSeminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminário
Liene Campos
 
Vida historia do direito
Vida   historia do direitoVida   historia do direito
Vida historia do direito
Direito2012sl08
 
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
CARVALHO DA SILVA
 
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
Pelo Siro
 
Aprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o SebraeAprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o Sebrae
Óscar Curros
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criança
Camila Ferreira
 
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criançaFactores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
Inês Mendes
 
Apresentação Dra. Athene Maria Mauro e Equipe - Área Técnica Saúde da Criança...
Apresentação Dra. Athene Maria Mauro e Equipe - Área Técnica Saúde da Criança...Apresentação Dra. Athene Maria Mauro e Equipe - Área Técnica Saúde da Criança...
Apresentação Dra. Athene Maria Mauro e Equipe - Área Técnica Saúde da Criança...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 

Destaque (20)

atenção à saúde da criança
 atenção à saúde da criança atenção à saúde da criança
atenção à saúde da criança
 
Política de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criançaPolítica de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criança
 
Trabalho Creche.
Trabalho Creche.Trabalho Creche.
Trabalho Creche.
 
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
 
Saúde da Criança - UFMG
Saúde da Criança - UFMGSaúde da Criança - UFMG
Saúde da Criança - UFMG
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Curso sebrae
Curso sebraeCurso sebrae
Curso sebrae
 
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
 
Aprender e empreender
Aprender e empreenderAprender e empreender
Aprender e empreender
 
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacaoSaude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
 
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da CriançaSeminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminário
 
Vida historia do direito
Vida   historia do direitoVida   historia do direito
Vida historia do direito
 
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
 
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
 
Aprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o SebraeAprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o Sebrae
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criança
 
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criançaFactores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
 
Apresentação Dra. Athene Maria Mauro e Equipe - Área Técnica Saúde da Criança...
Apresentação Dra. Athene Maria Mauro e Equipe - Área Técnica Saúde da Criança...Apresentação Dra. Athene Maria Mauro e Equipe - Área Técnica Saúde da Criança...
Apresentação Dra. Athene Maria Mauro e Equipe - Área Técnica Saúde da Criança...
 

Semelhante a Programa de saúde da criança no brasil

Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Márcio Cristiano de Melo
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
bibliotecasaude
 
Projeto puericultura
Projeto  puericulturaProjeto  puericultura
Projeto puericultura
Ingrid Faria
 
Ciclo ii 02
Ciclo ii 02Ciclo ii 02
Ciclo ii 02
Rodrigo Abreu
 
programas de saude.pptx
programas de saude.pptxprogramas de saude.pptx
programas de saude.pptx
Alice Costa
 
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
bibliotecasaude
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra Geral
Laped Ufrn
 
INTRODUCAO.docx
INTRODUCAO.docxINTRODUCAO.docx
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
bibliotecasaude
 
Cartilha -conversando_com_a_gestante_-_ms
Cartilha  -conversando_com_a_gestante_-_msCartilha  -conversando_com_a_gestante_-_ms
Cartilha -conversando_com_a_gestante_-_ms
Alinebrauna Brauna
 
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criança
Camila Ferreira
 
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Waded Schabib Hany
 
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
bibliotecasaude
 
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da CriançaReunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesSMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODSWABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a Programa de saúde da criança no brasil (20)

Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
 
Projeto puericultura
Projeto  puericulturaProjeto  puericultura
Projeto puericultura
 
Ciclo ii 02
Ciclo ii 02Ciclo ii 02
Ciclo ii 02
 
programas de saude.pptx
programas de saude.pptxprogramas de saude.pptx
programas de saude.pptx
 
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
 
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra Geral
 
INTRODUCAO.docx
INTRODUCAO.docxINTRODUCAO.docx
INTRODUCAO.docx
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
 
Cartilha -conversando_com_a_gestante_-_ms
Cartilha  -conversando_com_a_gestante_-_msCartilha  -conversando_com_a_gestante_-_ms
Cartilha -conversando_com_a_gestante_-_ms
 
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criança
 
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
 
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
 
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da CriançaReunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
 
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesSMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
 
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODSWABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
 
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 

Programa de saúde da criança no brasil

  • 1.
  • 2. A nível federal, tratou-se a respeito da saúde da criança quando foi criado Departamento Nacional da Criança, na década de 1940. O primeiro programa de proteção à maternidade, à infância e à adolescência de que se tem notícia foi instituído durante o Estado Novo (1937/1945).
  • 3. LEGENDA DNRC: Departamento Nacional da Criança CPMI: Coordenação de Proteção Materno-Infantil DINSAMI: Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil PAISMC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e da Criança PAISM: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher PAISC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Criança CORSAMI: Coordenação de Saúde Materno-Infantil ATSCAM: Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento
  • 4. O Departamento tinha como foco: Programa Alimentar, Programa Educativo, Programa de Formação de Pessoal e Programa de Imunização. Assim, o DNCr coordenou a assistência materno-infantil no Brasil até o ano de 1969.
  • 5. Com a extinção do DNCr, em 1969, foi criada, em 1970, a Coordenação de Proteção Materno Infantil (CPMI)
  • 6. Em 1975, foi criado o Programa Nacional de Saúde Materno- Infantil, cujo propósito era contribuir para a redução da morbidade e da mortalidade da mulher e da criança. Que em 1976, passou a chamar-se Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil (DINSAMI).
  • 7. Em 1983, o Ministério da Saúde, por meio da DINSAMI, elaborou o Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e da Criança (PAISMC).
  • 8. Em 1998, as coordenações foram substituídas pelas atuais Áreas Técnicas de Saúde da Mulher, Saúde da Criança e Saúde do Adolescente e do Jovem.
  • 9. Nos últimos 75 anos, importantes leis e portarias foram publicadas no país, a fim de assegurar o direito da criança brasileira de 0 a 9 anos à saúde. Hoje, a legislação brasileira trata de uma série de temas, como imunização, aleitamento materno, atenção à saúde do recém-nascido, nutrição, prevenção de acidentes e violências e muitos outros.
  • 10. Princípios norteadores do cuidado na saúde da criança Deve ser entendido como o direito de toda criança receber assistência de saúde e a responsabilidade da unidade de saúde em receber todos os que procuram a unidade, propiciando uma escuta de suas demandas ou problemas de saúde e avaliação qualificada de cada situação.
  • 11. O atendimento á criança engloba a sequencia de ações ou medidas preventivas direcionadas desde antes do nascimento, até 5 anos de idade, com o objetivo de evitar que ela adoeça.
  • 12. A equipe assume o paciente e estabelece compromisso e responsabilidade sobre todas as suas necessidades de saúde. A consulta médica não deve ser a única proposta de abordagem da criança e toda a equipe deve participar da assistência e resolução do problema do usuário, potencializando-se a capacidade de resposta e intervenção.
  • 13. . É a ciência médica que se dedica ao estudo dos cuidados com o ser humano em desenvolvimento, mais especificamente com o acompanhamento do infantil. A puericultura, como subespecialidade da pediatria, preocupa-se com o acompanhamento integral do processo de desenvolvimento da criança. É de fundamental importância, uma vez que é por meio dela que o pediatra tem condições de detectar precocemente os mais diferentes distúrbios das áreas do crescimento estrutural, da nutrição e do desenvolvimento neuropsicomotor.( É o aspecto psicológico que desenvolve a coordenação motora). Puericultura
  • 14. Vacinação Pode-se dizer, hoje, que a imensa maioria das crianças brasileiras recebe regularmente vacinas contra quase todas as doenças graves. As vacinas foram criadas para ensinar o sistema imunológico a reconhecer agentes agressores que podem provocar doenças, assim como para ensiná-lo a reagir produzindo anticorpos capazes de combatê-los. Na preparação das vacinas, pode ser utilizado um componente do agente agressor, ou seja, o próprio agente agressor numa forma atenuada, ou morto, ou outro agente que seja semelhante ao causador da doença.
  • 15. Consulta pediátrica A assistência global à criança deve ser feita de maneira evolutiva, para acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do paciente. Assim, em cada consulta, a entrevista deve incluir dados de desenvolvimento, possíveis queixas ou dificuldades, e o exame físico deve comprovar os progressos do desenvolvimento e registrar os parâmetros de crescimento. A prescrição deve incluir alimentação, vacinação e orientação. Toda consulta pediátrica, independente da queixa, deve incluir a Puericultura.
  • 16. Comida e nutrientes são as matérias-primas que nos permitem formar os dentes, ossos, músculos e tecidos e mantê-los saudáveis. Uma boa dieta alimentar também pode proteger de várias doenças. A dieta de uma criança necessita de um planejamento especial - as necessidades de energia e nutrientes fundamentais são elevadas, mas o apetite é reduzido e os hábitos alimentares inconstantes. A alimentação das crianças deve ser constituída por refeições pequenas e frequentes, desde que ricas em nutrientes. Nutrição
  • 17. Assistências e Benefícios do programa da criança O programa da criança, preocupa-se em abordar aspectos fundamentais para a proteção da saúde da criança, entre eles como preparar o “ninho” para melhor recebê-la, em visitá-la, oferecer suporte a seus pais ou cuidadores, estimular o fortalecimento de vínculos – que serão importantes para toda a sua vida.
  • 18. Desejo que todas as crianças possam ouvir, ver, falar, sorrir, crescer e desenvolver toda a sua potencialidade para conhecer o mundo e viver. Os princípios mais importantes da atenção básica no Brasil são: integralidade (definir o que deve ser atendido), qualidade (usado para garantir na prática a igualdade na assistência a todos os cidadãos) e a participação social (participação da população para definir as prioridades no atendimento e fiscalizar o funcionamento do serviço).
  • 19. Número de crianças acompanhadas pelo UBS Do município de Capim Grosso De 0 a 11 meses De 12 a 23 meses Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 0 a 11 meses 286 321 354 12ª 23 meses 311 331 334
  • 20. Equipes de saúde UBS (Unidade Básica de Saúde) Médico responsável. Técnico de enfermagem e 6 agentes comunitários, dentista e auxiliar. Cada equipe atende de 3000 a 4500 pessoas ou de 1000 família
  • 21. Por meio da definição do número de pessoas a serem atendidas (tecnicamente chamada de adstrição da população), as Equipes Saúde da Família estabelecem ligação (denominada de vínculo) com a população, possibilitando o compromisso e a responsabilidade destes profissionais com os usuários e a comunidade.
  • 22. Até qual idade a amamentação é necessária? O leite materno é um alimento completo. Isso significa que até os seis meses o bebê não precisa de nenhum outro alimento, a partir dos seis meses a alimentação deve ser complementado com outros alimentos. É bom que o bebê continue sendo amamentado até dois anos ou mais. Entrevistada: Luzinete Alves de Almeida Técnica de enfermagem
  • 23. Quais os maiores cuidados com o recém- nascido? O bebê nunca deve dormir de barriga para baixo (de bruços) e recomenda-se que ele durma de barriga para cima. Cuide para que a boca e o nariz não fiquem cobertos e para aquecer é preferível agasalha-lo com mais roupas do que cobrir com muitas cobertas.
  • 24. Qual o benefício da vacinação? A vacina é essencial para manter a criança saudável. Para vacinar procure o centro de saúde ou uma equipe de saúde que cuide da sua família.
  • 25. Qual a importância do dente de leite e o desenvolvimento deles? Os dentes de leite são importantes para guardar o espaço e preparar o caminho dos dentes permanentes. A perda dos dentes de leite antes do tempo certo pode prejudicar a criança que estar aprendendo a falar, além disso, a criança poderá se sentir diferente do restante do grupo de sua faixa etária, podendo causar algum problema emocional/social. Tabela: 5 a 6 meses >> quando começa a aparecer os dentes de leite 10 a 12 meses >> aparecem os dentes de trás 3 a 6 anos >> já se conta total de 20 dentes 6 a 18 anos >> nesse período inicia-se a troca de dentes de leite pelos dentes permanentes. Aos 18 anos tem-se em torno 32 dentes.
  • 26. Como identificar a desidratação? Quais os sintomas? Olhos fundos, muita sede, pouca saliva, choro sem lágrima, pele seca e pouca urina são os sinais de desidratação. Se apresentar vômitos e as fezes estiverem muitos liquidas, deve-se oferecer soro oral após cada evacuação e vômito.
  • 27. BRASIL. Decreto nº 66.623, de 22 de maio de 1970. Disponível em: <http://www6.senado.gov. br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=180519>. Acesso em: 12 jan. 2011. BRASIL. Decreto-Lei nº 2.024, de 17 de fevereiro de 1940. Disponível em: <http://www.ciespi. org.br/base_legis/baselegis_view.php?id=148>. Acesso em: 12 jan. 2011. BRASIL. Ministério da Saúde. Instrumento gerencial da saúde da mulher, da criança e do adolescente. Brasília, DF, 1995. v. 1. BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório anual de avaliação: PPA 2000–2003 – Exercício 2002. Brasília, DF, [2003?]. BRASIL. Ministério da Saúde. Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame. Brasília, DF,1986. BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório de avaliação do Projeto de Assistência integral à Saú- de da Mulher e da Criança: primeira parte. Brasília, DF, 1986. BRASIL. Ministério da Saúde. Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil. Relatório de