Leitura Crítica de “Earth Song” (de Michael Jackson)
Por Adilson Motta, 10/10/2011
A música “Earth Song” ou Canção da Terr...
aparece a mesma imagem, podendo evocar o que foi citado, ou dizer que outras mãos,
ou melhor, outras gerações estarão agua...
Peixes motos envenenados.
Imagens extraídas do clip “Earth song” de M. Jakson
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Interpretação crítica da Música de Michael Jackson:  Earth Song
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Interpretação crítica da Música de Michael Jackson: Earth Song

1.709 visualizações

Publicada em

Interpretação crítica da Música de Michael Jackson: Earth Song

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.709
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Interpretação crítica da Música de Michael Jackson: Earth Song

  1. 1. Leitura Crítica de “Earth Song” (de Michael Jackson) Por Adilson Motta, 10/10/2011 A música “Earth Song” ou Canção da Terra, de Michael Jackson diz tudo sobre os problemas ambientais, que infelizmente são causados pelo homem e negligenciados pelos governos. O clip da música emociona ao mostrar imagens chocantes de nosso planeta Terra e da realidade humana numa conjuntura intrínseca. Na época do seu lançamento foi revolucionário para o movimento ambientalista. É, no entanto, um apelo desesperado em nome do planeta e seus habitantes. Ao verificar as imagens, percebe-se que o autor está falando mais do que simplesmente em meio ambiente, está colocando uma conjuntura que vai desde o ambiental, econômico ao social, e que tudo que é mostrado é produto de um sistema injusto ou criminoso que, visa pela ganância o lucro e o capital e esquece da vida, do humano, da solidariedade, da dignidade – elementos indispensáveis para a paz e a harmonia social no planeta. É como se estivesse também denunciando o modelo político concentrador de renda na imagem do corporativismo, a nova face do capitalismo que se erigiu na sombra do neoliberalismo que, ao mesmo tempo que gerava renda formando centenas de milionários, gerava também milhões de excluídos pelo mundo afora. Esta política difundida por Washington como estratégia se apossou da riqueza dos povos, no estado mínimo “doutrinado”. O que muito contribuiu para a concentração de renda e poder de grandes companhias internacionais, esvaziando a riqueza dos povos tendo como consequência toda conjuntura das imagens exibidas. A imagem do planeta sobre duas mãos pode provavelmente significar o livre arbítrio, ou fato de que está em nossas mãos o destino desse planeta, ou melhor, depende de nós. Não é o fatal destino que determina, e sim nossas ações. No final, novamente
  2. 2. aparece a mesma imagem, podendo evocar o que foi citado, ou dizer que outras mãos, ou melhor, outras gerações estarão aguardando este patrimônio dado por Deus a humanidade no futuro, e que eles merecem a dignidade de recebê-lo digno de viver e ser habitado no devido equilíbrio. Os problemas não se resolverão por si, e para serem resolvidos requerem ações planejadas, determinadas e conscientes que vai desde o indivíduo, do governo e de empresas. Não existe um único culpado e todos sofrerão as consequências em igual parcela. Desta forma, em igual parcela cabe a responsabilidade de ação e solução ao problema, que perpassa toda uma conjuntura que vai além do ambiental. A frase “Do not expect from them to change”, cuja tradução é: “Não espere deles a mudança”. Deles quem? Das alta potências que controlam a economia mundial ou corporativismo concentrador de renda? Ou dos governos de modo geral? A imagem com o macaco sofrendo sanção de pena de morte pode ser uma alusão a potência e prepotência americana acerca de sua omissão sobre o problema ambiental do planeta, o que corresponde decretar pena de morte às florestas, aos animais, ao meio ambiente, enfim, ao planeta. A mensagem final diz “Do not yuor ears and eyes... to this!!!”, cuja tradução é: Não feche seus ouvidos e olhos... para isto!!! É o que fazem as grandes potência, que dos países periféricos, o que interessa é o lucro, o que tem a ganhar, a retirar desses. A música finda com um “Huu... Huu... Huu... Huu...” – Como o arquejo da morte seguido de um silêncio, como do último suspiro que instiga a reflexão, indignação e o protesto.
  3. 3. Peixes motos envenenados.
  4. 4. Imagens extraídas do clip “Earth song” de M. Jakson

×