Trabalho, alienação e consumo - Capítulo 6 - Filosofando

23.340 visualizações

Publicada em

Considerações e principais conceitos a partir do capítulo 6 do livro Filosofando

Publicada em: Educação
1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.340
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.731
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
428
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho, alienação e consumo - Capítulo 6 - Filosofando

  1. 1. Considerações e principais conceitos a partir do capítulo 6 do livro Filosofando
  2. 2. O ser humano se faz por meio do trabalho, adquire experiência e desenvolve habilidades.
  3. 3. Afirma que uma das causas das desigualdades sociais, surgiram na história a partir do surgimento da propriedade privada.
  4. 4. O trabalhador perde mais do que ganha, já que produz para outro: a posse do produto lhe escapa.
  5. 5. Do latim, alienare, afastar; alienus, que pertence a um outro; alius, outro. Portanto, alienar, é tornar alheio, transferir para outrem o que é seu.
  6. 6. É o processo pelo qual a mercadoria, um ser inanimado, adquire "vida" porque os valores de troca tornam-se superiores aos valores de uso, e passam a determinar as relações humanas, ao contrário do que deveria acontecer.
  7. 7. É a transformação dos seres humanos em coisas. A "humanização" da mercadoria, leva à desumanização da pessoa, à sua coisificação, o indivíduo é transformado em mercadoria.
  8. 8. Fordismo Taylorismo Toyotismo
  9. 9. A técnica aplicada ao trabalho tem provocado a alienação do trabalhador e o esgotamento dos recursos naturais. A exaltação do progresso não tem respeitado o desenvolvimento sustentável.
  10. 10. O filósofo Max Horkheimer nos indica que a razão instrumental na modernidade possui, segundo suas palavras, uma doença: "A doença da razão está no fato de que ela nasceu da necessidade humana de dominar a natureza."
  11. 11. A perda da dimensão crítica, pela qual o trabalhador não percebe a exploração de que é vítima.

×