Sartre

14.468 visualizações

Publicada em

apresentação da filosofia existencialista de sartre.
O Existencialismo sartriano em power point (ppt ou pps)

0 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
841
Comentários
0
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sartre

  1. 1. O existencialismo de Sartre (RAÍZES:fenomenologia de Husserl e em 'Ser e Tempo' de Heidegger ) O existencialismo sartriano procura explicar os aspectos da experiência humana. Sistematizada em dois livros: "O ser e o nada" e "Crítica da razão dialética”.
  2. 2. <ul><li>VIDA É ENTENDIDA COMO UM PROJETO QUE SE REALIZA PELAS ESCOLHAS </li></ul>
  3. 4. <ul><li>O Em-si </li></ul><ul><li>(fenomenologia e o existencialismo) </li></ul><ul><li>O mundo é povoado de seres Em-si . </li></ul><ul><li>São objetos existente no mundo e que possui uma essência definida . </li></ul><ul><li>Uma caneta, por exemplo, é um objeto criado para suprir uma necessidade: a escrita. </li></ul>
  4. 6. Um ser Em-si não tem potencialidades nem consciência de si ou do mundo. Ele apenas é . Os objetos do mundo apresentam-se à consciência humana através das suas manifestações físicas ( fenómenos ).
  5. 8. O Para-si A consciência humana é um ser com forma diferente, possui conhecimento de si e do mundo. É o Para-si faz relações temporais e funcionais entre os seres Em-si e ao fazer isso constrói um sentido para o mundo em que vive.
  6. 10. O Para-si não tem uma essência definida. Ele não é resultado de uma idéia pré-existente . Diferente dos seres em-si que possuem essencia definida
  7. 11. O existencialismo sartriano é ateu, não admite a existência de um criador que tenha predeterminado a essência e os fins de cada pessoa.
  8. 13. Durante sua existência o Para-si define, a cada momento (escolha), o que é sua essência.
  9. 15. A CONDIÇÃO HUMANA “ CADA UM É DETERMINADO PELO AMBIENTE E PELAS CIRCUNSTANCIAS” “ ... Mas tenho liberdade de mudar minha vida deste momento em diante”.
  10. 17. Meu ser passado é um Em-si , possui uma essência conhecida, mas essa essência não foi predeterminada . “ Cada pessoa só tem como essência imutável, aquilo que já viveu”.
  11. 18. “A existência precede e governa a essência&quot; . Por esta mesma razão cada Para-si tem a liberdade de fazer de si o que quiser.
  12. 19. <ul><li>A liberdade </li></ul><ul><li>“ O ser humano está condenado à liberdade” . </li></ul><ul><li>Toda pessoa a cada momento escolhe o que fará de sua vida, não há um destino previamente concebido. </li></ul>
  13. 20. As escolhas de cada um são direcionadas por projetos . Projeto é aquilo que você faz de sua vida e não aquilo que gostaria de fazer.
  14. 21. <ul><li>Há vários tipos de projeto, escrever um livro, comprar uma casa, </li></ul><ul><li>“ Todas as pessoas são movidas por um projeto fundamental, o projeto de auto-realização, da transcendência ”. </li></ul>
  15. 22. <ul><li>Sonhamos em ser pessoas que realizaram todas as suas potencialidades, todos os projetos. Um ser que realizou tudo o que podia esgota suas potencialidades, tornar-se um Em-si. Isso irá acontecer quando morremos. </li></ul>
  16. 23. Quando a consciência deixa de existir, tornamos completo e acabado. Mas a morte é uma contingência, não podemos evitar e impede a concretização de nossos projetos. Não é a morte a transcendência desejada.
  17. 24. <ul><li>Sartre diz que o </li></ul><ul><li>projeto fundamental é tornar-se um ser que já realizou tudo, mas preservando sua consciência, um ser Em-si-Para-si . Tal ser corresponde à noção que temos de Deus, um ser completo, sem limitações e com todas as suas potencialidades já realizadas, mas ainda consciente de si e do mundo. “ O homem é um ser que projeta tornar-se Deus&quot;. </li></ul>
  18. 25. <ul><li>A liberdade é escolher o caminho mais curto em direção ao projeto fundamental. </li></ul><ul><li>Sempre sujeitos a limitações e contingências . </li></ul><ul><li>Ex.: Não posso voar, mas posso agir, apesar destas limitações. </li></ul><ul><li>Isso não diminui a liberdade. “ São as limitações que tornam a liberdade possível” , se realizássemos o que quiséssemos, tornaríamos um em sí. </li></ul>
  19. 26. <ul><li>A responsabilidade </li></ul><ul><li>Cada escolha carrega consigo uma responsabilidade . Se escolho ir a algum lugar, falar alguma coisa, escrever um artigo, tenho que ter consciência de que qualquer conseqüência desses atos terá sido resultado de minha própria escolha. </li></ul>
  20. 27. <ul><li>“ E cada escolha ao ser posta em ação provoca mudanças no mundo que não podem ser desfeitas”. </li></ul>Não posso,atribuir a responsabilidade por estes atos a nenhuma força externa, ao destino ou a Deus .
  21. 28. <ul><li>“ Cada escolha que faço, torno-me responsável não só por mim, mas por toda a humanidade”. </li></ul><ul><li>“ E faço isso por minha própria escolha, para que o mundo se torne mais como eu o projetei”. </li></ul><ul><li>Eis a essência da responsabilidade: </li></ul><ul><li>“ Eu, por minha vontade e escolha, ajo no mundo e afeto o mundo todo. Ser livre é ser responsável”. </li></ul>
  22. 29. <ul><li>As limitações me impõem escolhas. </li></ul><ul><li>Um preso tem a liberdade e escolhas a fazer. Esta é, para Sartre, a verdadeira liberdade que ninguem pode escapar: &quot;não é a liberdade de realização, mas a liberdade de eleição&quot;. </li></ul>
  23. 30. <ul><li>“ O importante não é o que o mundo faz de você, mas o que você faz com aquilo que o mundo fez de você”. </li></ul><ul><li>&quot; Uma vez que a liberdade explode no peito de um homem, contra este homem nada mais podem os deuses“ </li></ul>
  24. 31. <ul><li>A angústia </li></ul><ul><li>“ A responsabilidade é um fardo pesado”. </li></ul><ul><li>A angústia existencial decorre da consciência que “ as escolhas definem o que você é ou se tornará” . Estas escolhas podem afetar, de maneira irreparável, o próprio mundo . A &quot;angústia&quot; decorre da consciência da liberdade e do receio de usá-la de forma errada. </li></ul>
  25. 32. <ul><li>É mais fácil acreditar que existe um propósito no universo. </li></ul><ul><li>Que nossos atos são guiados por uma mão invisível em direção a esse propósito. </li></ul><ul><li>Neste caso, meus atos não seriam responsabilidade minha, mas apenas o meu papel em um roteiro maior. </li></ul>
  26. 33. <ul><li>Para Sartre Não há um propósito ou um destino universal. O homem diante desta constatação se desalenta. </li></ul><ul><li>O desalento é a constatação de que nada existe fora de nós que define nosso próprio futuro. Apenas nossa liberdade. </li></ul>
  27. 34. <ul><li>A má-fé </li></ul><ul><li>Segundo Sartre, a má-fé é uma defesa contra a angústia e o desalento , uma defesa equivocada. </li></ul><ul><li>Renunciamos à nossa liberdade escolhendo o que nos afastam do projeto fundamental, atribuindo conformadamente estas escolhas a fatores externos, ao destino , a Deus , aos astros , a um plano sobre humano . Sartre também considerava a idéia freudiana de inconsciente como um exemplo de má-fé. </li></ul>

×