O carnaval
na visão
espírita
As origens do carnaval
- Festas populares dos povos antigos,
algumas com sacrifício de pessoas

- Saturnalias e bacanálias...
Origem do termo
- Na Idade Média a festa adquiriu o conceito que
tem hoje, de que, uma vez por ano, é lícito
enlouquecer e...
Repercussão para a sociedade

Socioeconômica
Orçamento
doméstico

Aumento da
violência/
criminalidade

Acidentes
de trânsi...
Repercussão para a sociedade
Biopsicossociais
Gravidez
indesejada

Aborto

Aids e outras
DSTs

Psicopatologias
Repercussão para a sociedade

Espirituais

Obsessões

Endividamento
espiritual
“Sem dúvida, porém, a festa é o vestígio da
barbárie e do primitivismo ainda reinantes e
que um dia desaparecerão da Terra...
“Em face dos desconcertos emocionais que
os exageros festivos produzem nas criaturas
menos cautelosas, há uma verdadeira
i...
“Tais falanges influenciam, durante o
carnaval, os incaustos que se deixam
arrastar pelas paixões de Momo, impelindoos a e...
“- A população invisível ao olhar humanos era acentuadamente
maior que a dos encarnados.
- Disputavam entre si a vampiriza...
O Espiritismo nada proíbe,
apenas mostra os caminhos.
Cabe a cada um de nós as
escolhas, cientes das
consequências que cad...
Do mesmo modo como somos facilmente
dominados pelos maus espíritos, quando
sintonizamos na mesma frequência de
pensamento,...
“Tudo me é lícito, mas
nem tudo me convém”.
Apóstolo Paulo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O carnaval na visão espírita

2.419 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.419
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
407
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O carnaval na visão espírita

  1. 1. O carnaval na visão espírita
  2. 2. As origens do carnaval - Festas populares dos povos antigos, algumas com sacrifício de pessoas - Saturnalias e bacanálias, festas romanas e gregas em homenagem aos deuses do vinho
  3. 3. Origem do termo - Na Idade Média a festa adquiriu o conceito que tem hoje, de que, uma vez por ano, é lícito enlouquecer em homenagem aos falsos deuses do vinho, das orgias, dos desvarios e dos excessos. - CARne NAda VALe
  4. 4. Repercussão para a sociedade Socioeconômica Orçamento doméstico Aumento da violência/ criminalidade Acidentes de trânsito Mortalidade trágica
  5. 5. Repercussão para a sociedade Biopsicossociais Gravidez indesejada Aborto Aids e outras DSTs Psicopatologias
  6. 6. Repercussão para a sociedade Espirituais Obsessões Endividamento espiritual
  7. 7. “Sem dúvida, porém, a festa é o vestígio da barbárie e do primitivismo ainda reinantes e que um dia desaparecerão da Terra, quando a alegria pura, a jovialidade real substituírem as paixões do prazer violento e o homem houver despertado para a beleza, a arte, sem agressão nem promiscuidade”. Manoel Philomeno de Miranda/Divaldo Franco Livro: Fronteiras da Loucura
  8. 8. “Em face dos desconcertos emocionais que os exageros festivos produzem nas criaturas menos cautelosas, há uma verdadeira infestação espiritual perturbadora da sociedade terrestre, quando legiões de espíritos infelizes, ociosos e perversos, são atraídos e sincronizam com as mentes desarvoradas”. Manoel Philomeno de Miranda/Divaldo Franco Livro: Entre dois mundos
  9. 9. “Tais falanges influenciam, durante o carnaval, os incaustos que se deixam arrastar pelas paixões de Momo, impelindoos a excessos lamentáveis(...), através dos quais eles próprios se locupletam de todos os gozos e desmandos materiais, valendo-se, para tanto, das vibrações viciadas e contaminadas de impurezas dos mesmos adeptos de Momo, aos quais se agarram”. Yvonne Pereira Livro: Devassando o invisível
  10. 10. “- A população invisível ao olhar humanos era acentuadamente maior que a dos encarnados. - Disputavam entre si a vampirizarão das vítimas encarnadas, que eram telecomandadas. - Estimulavam a sensibilidade e as libações alcoólicas de que participavam. - Ingeriam drogas, utilizando-se dos comparsas no corpo físico. - Se interligavam a desmandos e orgias lamentáveis. - Davam início a processos nefandos de obsessão demorada. - Misturavam-se espíritos de aspecto bestial e lupino verdugos e técnicos de vampirizacão do tônus sexual, em promiscuidade alarmante com inúmeros desencarnados”. Manoel Philomeno de Miranda/Divaldo Franco Livro: Nas fronteiras da loucura
  11. 11. O Espiritismo nada proíbe, apenas mostra os caminhos. Cabe a cada um de nós as escolhas, cientes das consequências que cada uma delas nos trará.
  12. 12. Do mesmo modo como somos facilmente dominados pelos maus espíritos, quando sintonizamos na mesma frequência de pensamento, também obtemos pelo mesmo processo, a ajuda dos bons, aqueles que agem a nosso favor em nome de Jesus. Basta, para tanto, estarmos predispostos a suas orientações, atentos ao aviso de “orar e vigiar”.
  13. 13. “Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”. Apóstolo Paulo

×