HISTORIA DAS RELIGIOES
PROF SANDRO VALENTIN
Valentin.sandro@gmail.com
(31) 8353-9579 / 9581-6544
INDICE
 ATEISMO
 BUDISMO
 ESPIRITISMO
 HINDUISMO
 ISLAMISMO
 JUDAISMO
 MAÇONARIA
 SATANISMO
 TESTEMUNHAS DE JEOVA...
Ateísmo
 Ateísmo é a negação ou a falta da crença na existência de deus(es). O termo ateí
smo vem do prefixo grego “a”, s...
 Em 1994 estimava-
se que havia aproximadamente 240 milhões de ateus no mundo —
cerca de 4% do total —, incluindo aqueles...
O Escopo do Ateísmo
 Em tempos antigos, pessoas utilizavam ocasionalmente a palavra “ateísmo”
como uma ofensa às posições...
 Na sociedade ocidental o termo ateísmo foi utilizado mais especificamente
para designar a negação do teísmo, particularm...
 O
ateísmo “ativo” rejeita até os aspectos panteístas do hinduísmo, que igua
lam Deus ao Universo. Várias outras religiõe...
História
 No mundo intelectual do Ocidente o fenômeno da difusão da descrença em Deus possui
uma longa e distinta históri...
Motivos para Rejeitar Deus
 Críticas ao Teísmo
 Ateus justificam suas posições filosóficas de várias maneiras. Ateus “p
...
 O Problema do Mal
 Alguns ateus “ativos” adotam a posição de que a existência do mal torna
Deus algo improvável. Em par...
 Evidências Históricas
 Ateus também criticaram evidências históricas utilizadas para
sustentar as crenças das maiores r...
A Diversidade no Ateísmo
 Ateísmo é, primariamente, uma “reação à” ou uma “rejeição da” crença religio
sa, e portanto não...
 O ateísmo foi associado a sistemas
de pensamento que rejeitam autoridades, como o anarquismo —
teoria política que se op...
BUDISMO
HISTÓRICODA RELIGIÃO
• Siddharttha Gautama – Sec. VI a. C filho de Suddhodana e
Mayadevi (Norte da Índia – Nepal) também c...
DEUS
Considerado por muitos como uma religião
“não-teísta “, no budismo não existe o
conceito de Deus. Embora ensine que e...
CÉU E INFERNO:
No budismo, não há Céu e Inferno como
sistema de beneficio e punições (como no
cristianismo há). Pela visão...
Ou seja, o inferno seria caracterizado
pelo sofrimento do ser humano, mesmo
em vida, em qualquer um dos
“mundos“ budistas ...
DOUTRINA
NOBRES VERDADES
DOUTRINA
DOUTRINA
A verdade santa sobre o sofrimento
A causa do sofrimento
A suspensão; a cura do sofrimento
O caminho para cura do...
NOBRE CAMINHO
ÓCTUPLO
DOUTRINA
RITUAIS
P
R
E
C
E
S
RITUAIS
P
R
O
S
T
R
A
Ç
Ã
O
RITUAIS
O
F
E
R
E
N
D
A
S
RITUAIS
E
S
M
O
L
A
S
RITUAIS
P
E
R
A
N
B
U
L
A
Ç
Ã
O
RITUAIS
F
U
N
E
R
A
I
S
RITUAIS
NOIVADO
Votos do noivo: “Em frente à minha mulher
que acolho, aceito amá-la e respeitá-la, ser
amável, ser fiel, delegar a...
F
U
N
E
R
A
I
S
RITUAIS
Visão de mundo:
• Gênero ou espécie;
• Lei da dependência de causas e condições internas e externas;
• Seres incluídos na ...
Concepção da vida:
• O mundo é neutro – é a mente do homem que cria dificuldades no mundo.
• O sofrimento como experiência...
Concepção do homem e da mulher:
• Budismo nunca discriminou as mulheres.
• Possuem o mesmo potencial e ambos podem atingir...
Influência da mulher:
• Mahaprajapati Guatama - primeira monja budista;
• No Budismo Mahayana, as imagens da mulher vão al...
• A Soka Gakkai Internacional (SGI) é uma
associação que visa à promoção de valores
como a paz e o respeito humano.
• No â...
• A SGI promove intercâmbios culturais e busca desenvolver os valores comuns, tais como a
tolerância e a coexistência, que...
• Os programas da SGI são inspirados na
filosofia humanística do Budismo de Nitiren
Daishonin. Seus conceitos principais s...
• Os primeiros cristãos que levaram sua
fé para a china eram nestorianos em 635
• Uma segunda tentativa de evangelização
•...
CURIOSIDADESDA RELIGIÃO
CURIOSIDADESDA RELIGIÃO
1.1 Na Idade Média, o Buda foi
transformado em santo cristão,
através da "História de Barlaam e
Jo...
CURIOSIDADESDA RELIGIÃO
1.4 Alopen, missionário cristão nestoriano na
China Medieval, usou o termo budista
"Sunyata" (Vazi...
CURIOSIDADESDA RELIGIÃO
1.8 Diogo de Couto foi o primerio
cronista português a mencionar o
Buda, no século XVI, com o nome...
Vejamos o
Vídeo.
47
48
49
-
50
51
52
53
54
55
56
57
PRECURSORES IMEDIATOS
60
61
62
ALGUNS DELES OCORRERAM COM REPERCUSSÕES
QUE ULTRAPASSARAM OS LIMITES CONTINENTAIS
32KM DA
CIDADE
DE
ROCHESTER
E PRÓXIMO
DA...
64
65
67
70
72
Chamava-se Charles Rosnan, havia
sido assassinado naquela casa há 5
anos.
Indicou o local onde seu corpo
estava enterrado,...
74HYDESVILLE MEMORIAL PARK
75
76
77
Após os acontecimentos de Hydesville,
tornou-se “a coqueluche da sociedade
francesa”, aquilo que ficou conhecido
com o ...
78
79
80
Em Lion fez os seus
primeiros estudos,
seguindo depois para
Yverdon, na Suíça, a fim
de estudar no instituto
do célebre...
81
O instituto desse
abalizado mestre era um
dos mais famosos e
respeitados em toda a
Europa.
82
83
84
85
86
87
88
89
90
91
92
93
96
97
99
Fundou em
a Revista Espírita,
órgão mensal que deveria
assumir um papel
importantíssimo na
divulgação da Doutrina.
100
E em ele funda a
primeira sociedade espírita com o nome de
101
No dia lança O
Livro dos Médiuns, e depois,
sucessivamente, O Evangelho Segundo
o Espiritismo, O Céu e o Inferno, e A
...
VEJAMOS O VIDEO
O hinduísmo é uma tradição religiosa originária da península
indiana, em que os seus crentes são politeístas.
Professa trê...
Considerado a força criadora do universo
Responsável pela manutenção do universo.
Conhecido como o transformador ou o destruidor do universo
O Hinduísmo é uma das religiões mais antigas do mundo, se compõe de toda uma
intersecção de valores, filosofias e crenças,...
Na primeira fase do Hinduísmo, que recebe o nome de Hinduísmo
Védico, temos o culto aos deuses tribais.
Na segunda fase do...
Para o Hinduísmo, as pessoas possuem um espírito (atman),
que é uma força perene e indestrutível. A trajetória desse
espír...
A alimentação vegetariana é um dos pontos essenciais da
filosofia hindu. Isso porque é livre da impureza (morte /
sangue),...
Shiva, a divindade mais popular da Índia, representa o
princípio masculino. O princípio feminino da criação é
Shakti, que ...
Ganesha, o removedor de obstáculos, é representado como um
ser com corpo de homem e cabeça de elefante. De acordo com um
d...
Festividades
Grande parte das festividades indianas está relacionada com
aspectos religiosos. As principais festividades s...
Festival das Cores (de fevereiro à março)
Ganesha Festival (agosto e setembro)
Festival das Luzes (Diwali).
Sistema de Castas
O Sistema de Castas é divido em quatro partes, de
acordo com o corpo do super deus;.
•Os brâmanes (sacer...
Leis
1ª Lei - Lei do Karma - Lei da Interdependência
Nosso livro-caixa. Lá são lançados automaticamente todos os créditos ...
•VEJAMOS O
VIDEO
O
R
I
G
E
M
Sharia é o código de leis do islamismo. Em várias
sociedades islâmicas atuais, ao contrário da maioria
dos países ocidenta...
Alguns países, como a Arábia Saudita e o Irã, seguem a sharia
quase completamente ao pé da letra, com uma Constituição e
u...
Sharia
• É a lei religiosa do islamismo. Como o muçulmano não vê
distinção entre o aspecto religioso e o resto da sua conduta
pes...
Sharia é um termo árabe que significa “caminho”, mas, que
historicamente, dentro da religião islâmica, tem sido
continuame...
• Numa visão bem estrita do islamismo, a Sharia, como lei
revelada de Deus, perfeito e eterno, é obrigatória para os
indiv...
• A Sharia procura descrever em detalhes todos os possíveis atos
humanos, dividindo-os em “permitido” (halal) e “proibido”...
• Além disso, ela é responsável por regular os atos do governante de
determinado estado islâmico e suas relações com os nã...
• Na Arábia Saudita, por exemplo, vigora uma das mais
conservadoras versões da lei islâmica. O Afeganistão da época
da mil...
Cinco pilares
Cinco pilares
1. Pronunciar a declaração de fé intitulada "chahada":
"Não há outra divindade além de Deus e Mohammad é seu...
• Jejuar durante o mês sagrado do Ramadã, todos os anos. Nesse
período, todos os muçulmanos devem permanecer em jejum do
a...
Realizar a peregrinação a Meca, o "haj". Todos os muçulmanos
com saúde e condição financeira favorável deve realizar a
per...
Profeta Maomé
• Maomé nasceu em Meca, no ano de 570. Órfão de pai e mãe, foi criado pelo tio, membro da
tribo dos coraixitas. De acordo ...
Mesquitas
• As construções reservadas para as orações dos muçulmanos são chamadas
mesquitas, ou "masjids". Os prédios, contudo, não ...
Grupos
Sunitas ou Sunni
Sunitas ou sunni correspondem a quase 90% .
Sunitas são na sua maioria moderados mas vemos grandes exempl...
Sunitas ou Sunni
Os sunitas moderados como os que vivem na Síria convivem em
harmonia com os cristãos mas em várias partes...
Xiitas ou Shias
Os shias ou xiitas representam cerca de 8% no mundo.
A palavra shi'a significa algo como partido, seita ou...
Xiitas ou Shias
Um dos xiitas que propagam essa crenças é o presidente Iraniano
Mahmoud Ahmadnejad que espera a volta do I...
• Ahmadinejad acredita que ele ainda esteja por vir. Ele alega
que deva pessoalmente preparar o mundo para a vinda de
Mahd...
Sufismo
Os sufis ou sufismo seria por assim dizer o lado mais mistico do
Islam. Os sufis são como monges e vivem em isolad...
Alawis
Os alawi ou alaouitas são um grupo de muçulmanos xiitas sírios que
na época do império Otamano lutou pela independê...
Alawis
Os alawi são moderados e convivem em harmonia com os outros
grupos religiosos na Síria, em especial com os cristãos...
Oriente Médio
Arábia Saudita
95% de muçulmanos sunitas, 5% de muçulmanos xiitas
Berço do Islã, abriga as cidades sagradas ...
Oriente Médio
Irã
89% de muçulmanos xiitas, 10% de muçulmanos sunitas
O país se tornou uma República Islâmica depois da re...
Oriente Médio
Iraque
60% de muçulmanos xiitas, 32% de muçulmanos sunitas
No regime de Saddam Hussein (um sunita), o estado...
Oriente Médio
Egito
94% de muçulmanos sunitas
O governo e o sistema judicial são seculares, mas as leis familiares
são bas...
Oriente Médio
Territórios palestinos
90% de muçulmanos
A sociedade e a política palestinas têm fortes tradições seculares....
Oriente Médio
Líbano
41% de muçulmanos xiitas e 27% de muçulmanos sunitas
Com uma formação de governo que reflete a distri...
Oriente Médio
Jordânia
92% de muçulmanos sunitas
A família real está no poder desde a independência, em 1946 - e
sua aceit...
Europa
Turquia
99,8% de mulçumanos
Estado secular, a Turquia garante liberdade religiosa a
população. Na prática, porém, o...
Europa
Kosovo
92% de muçulmanos
Palco de uma violenta campanha de perseguição pelos sérvios,
o território foi ocupado pela...
Europa
Albânia
70% de muçulmanos
Chechenia
maioria de muçulmanos
Desde o fim da União Soviética, a república russa vem sen...
Europa
Uzbequistão
88% de muçulmanos
Estado secular, viu o islamismo ganhar forca nos anos 90.
Junto com esse crescimento,...
Estados Unidos
O palco do maior ato de terrorismo islâmico da Historia tem mais
de 6 milhões de muçulmanos e em torno de 2...
Brasil
Um dos maiores países católicos do mundo tem uma comunidade
islâmica relativamente grande - e seus números vem cres...
Acordem senhores congressistas, já que o governo não dá bola: terrorista
alicia homens pobres do interior do Brasil para f...
Festas e datas
As duas principais festividades do islamismo são:
1. Eid-Al-Adha, que coincide com a peregrinação anual a M...
2. Eid-al-Fith, quando se quebra o jejum do mês do Ramadã.
O mês sagrado, aliás, é o principal período do calendário islâm...
Conversão
Conversão
Não é preciso ter nascido muçulmano ou ser casado com um
praticante da religião.
Também não é necessário estudar...
Conversão
O processo de conversão extremamente simples é apontado como
um dos motivos para a rápida expansão do islamismo ...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Comportamento violento e atitudes.
Islamismo e cristianismo - há um “espírito”...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Quando Jesus enviou os Seus discípulos: “Eis que Eu vos envio
como cordeiros p...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Alá mandou seus discípulos como lobos para conquistar as cidades.
Jesus pediu ...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
“Portanto, quando vocês encontrarem os infiéis [numa batalha],
agarrem-nos pel...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Os muçulmanos não sentem vergonha de Maomé e os Califas terem
usado a espada p...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Alguns podem alegar que estas matanças aconteceram no tempo de
Maomé, mas que ...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
No dia 2 de janeiro de 1986, as autoridades egípcias prenderam oito
homens e m...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
No dia 2 de julho de 1986, o jornal Luz Islâmica, publicado pelo
partido Ahrar...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Quanto ao cristianismo, quando os líderes religiosos vieram prender
e matar Je...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Mas, Jesus lhe ordenou: “Embainha a tua espada, pois todos os que
lançam mão d...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Os muçulmanos não crêem que Deus é Espírito, por isso eles
pensam que o Espíri...
Cristianismo e o Islamismo
Dr Salim Almahdy
Até Alá se negou a responder à pergunta deles na Sura
17:85:
“Eles te pergunta...
Grade de comparação entre
cristianismo e doutrina islâmica
1)Termo: Vida após a morte
Cristianismo : Cristãos estarão com o Deus no céu (Filipenses 1:21-
24; 1 Coríntios 15:50-58). ...
2)Termo: Reconciliação
Cristianismo: O sacrifício de Cristo na cruz (1 Pedro 2:24) por meio
do Seu sangue torna-se o Sacri...
3)Termo: Bíblia
Cristianismo: Inspirada por Deus e formulada sem erros (2 Timóteo.
3:16).
Islamismo: Palavra respeitada do...
4)Termo: Crucificação
Cristianismo: O lugar onde o Jesus expiou pelos pecados do mundo.
Só por este sacrifício que qualque...
5) Termo: Deus
Cristianismo: Deus é uma trindade de pessoas: Pai, Filho, e Espírito
Santo. A Trindade não são três deuses ...
5) Termo: Deus
Islamismo: Deus é conhecido como Alá. Alá é uma pessoa, uma
unidade rígida. Não há nenhum outro Deus em exi...
6)Termo: Céu (Paraíso)
Cristianismo: O lugar onde Deus mora. Céu é a casa dos cristãos que
são salvos pela graça de Deus.
...
6)Termo: Céu (Paraíso)
Islamismo: Paraíso para muçulmanos, um lugar de alegrias
inimagináveis (32:17), um jardim com árvor...
7) Termo: Inferno
Cristianismo: Um lugar de tormento em fogo fora da presença de
Deus. Não há fuga do Inferno (Mateus 25:4...
8) Termo: Espírito Santo
Cristianismo: Terceira pessoa da Trindade. O Espírito Santo é
completamente Deus em natureza. (Jo...
8) Termo: Espírito Santo
Islamismo: O arcanjo Gabriel que entregou as palavras do Alcorão a
Maomé. Os eruditos muçulmanos ...
8) Termo: Espírito Santo
Islamismo: Para tentar dar consistência a seus argumentos os
apologistas islâmicos se apegam ao e...
9) Termo: Jesus
Cristianismo: Segunda pessoa da Trindade. Ele é a palavra que se
tornou carne (João 1:1, 14). Ele é Deus e...
10) Termo: Dia do julgamento
Cristianismo: Acontece no dia da ressurreição (João 12;48) onde
Deus julgará todas as pessoas...
11) Termo: Alcorão
Cristianismo: O trabalho de Maomé não é inspirado, nem é
considerado como escritura.
Não há nenhuma ver...
11) Termo: Alcorão
Islamismo: A revelação de Deus para todo gênero humano dado pelo
arcanjo o Gabriel para Maomé num perío...
12) Termo: Homem
Cristianismo: Feito à imagem de Deus (Gênesis 1:26). Isto não
significa que Deus tem um corpo, mas que o ...
13) Termo: Muhammad ou Maomé
Cristianismo: Um homem não inspirado nascido em 570 em Mecca
que começou a religião islâmica ...
14)Termo: Pecado original
Cristianismo: Este é um termo que descreve o efeito do pecado de
Adão nos seus descendentes (Rom...
15) Termo: Ressurreição
Cristianismo: Ressurreição de todas as pessoas, são ressuscitados os
não cristãos para condenação ...
16) Termo: Salvação
Cristianismo: Um dom gratuito de Deus (Efésios. 2:8-9) para a
pessoa que acredita em Cristo e no Seu s...
•VEJAMOS O VIDEO
O JUDAÍSMO
HISTÓRIA - SÍMBOLOS - RITOS –
COSTUMES
E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
HISTÓRIA DO JUDAÍSMO
Segundo a Bíblia, no capítulo 12 do livro de
Gênesis, Abrão recebeu uma promessa divina
para deixar a...
JUDAÍSMO
Deste encontro marcante, iniciou a história daqueles
que seriam por muito tempo, o povo de Deus, e que
até hoje a...
JUDAÍSMO
JUDAÍSMO
Abraão compreendeu que só havia um Deus
E que esse Deus regia tudo.
Assim os descendentes de Abraão deu
Origem ao...
JUDAÍSMO
Seu poder patriarcal passou a seu filho Isaac e deste
para Jacob que depois o passou para seus doze filhos.
Um de...
JUDAÍSMO
Governados por patriarcas, os hebreus viveram na palestina
durante três séculos. Os principais patriarcas hebreus...
JUDAÍSMO
Por volta de 1750 a.C. uma terrível seca atingiu a Palestina. Os
hebreus foram obrigados a deixar a região e busc...
JUDAÍSMO
Moisés, um desses meninos, jogado às águas do Nilo, foi salvo pela filha do
Faraó e educado na côrte do rei. Mais...
JUDAÍSMO
JUDAÍSMO
Ao pé do Monte Sinai, Moisés deu aos israelitas o Decálogo, ou seja,
os dez mandamentos, supremo código moral da ...
JUDAÍSMO
De volta à Palestina, sob a liderança de Josué, os hebreus tiveram de
lutar contra o povo cananeu e , posteriorme...
JUDAÍSMO
OS JUIZES
Josué foi sucedido pelos Juízes, entre os quais
Jefté, Sansão e a profetisa Débora.
O último dos juízes foi Samu...
OS JUIZES
OS REIS
O primeiro rei dos hebreus foi Saul (1010 a.C.). Depois veio o rei Davi (1006-966 a.C.).
Com a conquista de toda a...
OS REIS
pesados impostos
FIM DA MONARQUIA
Com a morte de Salomão, essas revoltas
provocaram a divisão religiosa e política das
tribos e o fim da mo...
OS REIS
A)- Reis de Israel:
Jeroboão; Nadabe; Baasa; Elá; Zimri; Omri; Acabe; Acazias; Jorão; Jeú; Jeoacaz; Joás;
Jeroboão...
FIM DA MONARQUIA
O reino foi dividido entre Roboão
e Jeroboão, seu adversário, tendo havido
entre eles uma luta constante.
FIM DA MONARQUIA
O CATIVEIRO
Em 722 a.C., os reinos de Israel foram
conquistados pelos assírios, comandados por
Sargão II. Grande parte dos...
O RETORNO
O rei persa Ciro II conquistou a Babilônia, e
puderam então retornar à Palestina, que se
tornara província do Im...
REVOLTA HASMONIANA
Os Macabeus encabeçaram a
revolta contra as forças Sírias de
Antioco IV e rededicou o Templo
a Jeová, p...
DIÁSPORA
No ano 70 da nossa era, o imperador romano Tito,
sufocou uma rebelião hebraica e destruiu o
segundo templo de Jer...
O IXÍLIO
O IXÍLIO
Ruínas da antiga sinagoga de Kfar
Bar'am, na Galileia.
A TORÁ
No final da época do Segundo Templo, os Sábios temeram que a
Torá Oral fosse esquecida.
Então, decidiram escrever t...
A MISHNÁA Mishná está dividida em 6 ordens.
I.ZERAIM "Sementes":
Acerca da agricultura, exceto o tratado Berachot, dedicad...
POVO ISRAELITA
Somente em 15 de maio de 1948, os judeus puderam
se reunir num Estado independente, com a
determinação da O...
POVO ISRAELITA
Os Judeus
chamam essa
terra de Israel
Os Árabes
chamam de
Palestina
O CONFLITO CONTINUA
Ambos querem
Jerusa...
ISRAEL X PALESTINA
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
O judaísmo é berço das mais importantes tradições
religiosas, do qual deu origem ao Islamismo
e...
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
A circuncisão é o principal sinal eterno de
comunhão entre os judeus e Deus.
Na aliança estabel...
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
Não abandonar a família, nem a sua descendência.
Nessa promessa há o comprometimento em não ter...
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
As manifestações religiosas cotidianas
A liturgia cotidiana do judeu compreende três orações:
a...
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
A ESPERANÇA
Para os judeus, crer na vinda do Messias
é esperar que virá um tempo chamado em heb...
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
O estudo da Torá é o primeiro de todos os mandamentos
e vem até antes da oração. São os pais qu...
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
A Mezuzá
A Mezuzá contém duas passagens
bíblicas que mencionam o mandamento Divino de afixá-la
...
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
SÍMBOLOS JUDAICOS
Numerosos símbolos e rituais são partes da vida
dos judeus religiosos. Eles devem ajudar a fazer
com que...
SÍMBOLOS JUDAICOS
O principal objetivo do culto de adoração na
sinagoga é o rolo de Torá.
SÍMBOLOS JUDAICOS
O símbolo sagrado do
judaísmo é o Menorá,
candelabro com sete braços.
A função da Menorá é a
de dar luz ...
SÍMBOLOS JUDAICOS
Como sinal de reconhecimento do judaísmo,
surgiu o símbolo de Davi.
RITUAIS JUDAICOS
O primeiro ritual importante na vida de um
homem judeu é a circuncisão.
É o sinal mais importante da alia...
RITUAIS JUDAICOS
Bar-mitzvah – Aos treze anos o menino judeu
está religiosamente maduro.
Bat-mitzvah – Aos doze anos as me...
RITUAIS JUDAICOS
Casamento – É desejado por todos os judeus.
Figura como a vontade de Deus. Os parceiros
devem encontrar a...
LUGARES SANTOS
Muro das Lamentações – Hoje ele é cultuado
como o recanto mais sagrado do Judaísmo,
pois é o último vestígi...
LUGARES SANTOS
Hebron e a caverna de Machpela – Cidade santa,
que fica no sul de Jerusalém, destino de
peregrinação para o...
LUGARES SANTOS
Tiberíades – centro de ensino da lei.
Após destruição de Jerusalém ali se formou
um local de refúgio e cent...
LUGARES SANTOS
Zefat – cidade do misticismo – ( Safed e Safad)
é uma pequena e pitoresca cidade da Galileia.
Os judeus des...
AS FESTAS RELIGIOSAS
O judaísmo tem muitos festas religiosas
e celebra-as geralmente por vários dias.
Seu calendário é lun...
AS FESTAS RELIGIOSAS
Rosh há-Schama - Ano novo – Dia do Julgamento – (Setembro)
Yom kipur – Dia da Reconciliação
Sukkot – ...
VEJAMOS O VIDEO
O que é Maçonaria:
 Maçonaria é uma sociedade discreta, onde suas ações
são reservadas e interessa apenas àqueles que del...
 Os maçons estruturam-se e reúnem-se em células
autônomas, designadas por oficinas, ateliers ou lojas, todas
iguais em di...
 Para ser membro da maçonaria não basta a
autoproclamação, é preciso um convite formal e é
obrigatório que o indivíduo se...
Origem da Maçonaria
 A maçonaria começou como uma sociedade secreta que surgiu
vinculada às ideias dolaicismo humanitário...
 No final do século XVIII já existiam 700 lojas em França,
compostas por grande quantidade de nobres e membros
da classe ...
VEJAMOS OS VIDEOS
Satanismo
Satã- Etimologia:
• Em hebraico o termo quer dizer “adversário”, “opositor”, “se opondo”, “aquele que
planeja contra outro...
As Origens Mitológicas de Satã
Satã na Bíblia:
• Em Gênesis (capítulo 3) Satã aparece
sob a forma de serpente, habitando
o...
As Origens Mitológicas de Satã
Satã na Bíblia:
• Em I Crônicas 21:1 aparece instigando
Davi a fazer um censo de Israel: “E...
As Origens Mitológicas de Satã
Satã na Bíblia:
• Em Apocalipse 12:9: “E foi precipitado o
grande dragão, a antiga serpente...
Satã e (é?) Lúcifer:
• Em latim, o nome Lucifer, “Portador de
Luz” era dado à Estrela d'Alva ou Estrela
da Manhã, o planet...
Satã e (é?) Lúcifer:
• Em Isaías cap. 14, aparece como
tradução do hebraico ‫הילל‬ (Hêlēl) que
também significa “Estrela d...
Satã e (é?) Lúcifer:
• Na Segunda Epístola de Pedro, 1:19,
traduz o grego Φωσφόρος, Phosphoros,
que tem exatamente o mesmo...
Satã e (é?) Lúcifer:
• A palavra Lucifer também aparece duas
vezes na versão da Vulgata do livro de
Jó, com outros sentido...
Satã e (é?) Lúcifer:
• A identificação com Satã aparece pela primeira vez na
Vida de Adão e Eva e no primeiro Livro de Eno...
Satã e (é?) Lúcifer:
• Várias traduções tradicionais e influentes da
Bíblia, inclusive a inglesa do Rei James,
mantiveram ...
As Origens Mitológicas de Satã
Prometeu
• Segundo a Mitologia Grega, o titã
Prometeu roubou o “fogo” dos deuses
para dar a...
As Origens Mitológicas de Satã
• Equivalente ao deus romano
Plutão, seu nome era usado
frequentemente para designar
tanto ...
As Origens Mitológicas de Satã
• O Deus Pã, também conhecido como
Fauno e Silvano era uma divindade
dos campos, bosques, p...
As Origens Mitológicas de Satã
Djinn
• Oriundos da Mitologia Árabe pré-islâmica,
os Djinn (Gênios) são tidos como entes
es...
As Origens Mitológicas de Satã
• Surgido no século VII a.C.,
através das pregações do profeta
Zarathustra (ou Zoroastro) n...
Satanás na Idade Média
• “Exercidas pelos representantes do cristianismo oficial, as
variadas práticas rituais de mediação com o sobrenatural
ref...
• “Entre os escritores dos primeiros séculos de cristianismo é evidente uma
generalizada crença nos atos mágicos. Entretan...
• “A partir de Agostinho, os teólogos vão
desenvolver dois princípios essenciais,
claramente refletidos nos cânones,
penit...
• “Irrealidade dos atos mágicos e ilusão demoníaca foram,
portanto, as idéias que nortearam a postura oficial da Igreja
fr...
• “Na passagem do século XII para o XIII,
novas idéias passaram a orientar a
abordagem eclesiástica sobre as
atividades má...
• “Tomás de Aquino, por exemplo, preocupado
com a participação dos demônios na vida dos
homens, denunciou, em inúmeras pas...
• “Satã, assim como Deus o era
para os agentes do bem, tornou-
se senhor de todos aqueles
indivíduos associados às crenças...
• “Os novos processos transformaram, paulatinamente, o perfil dos acusados: de indivíduos
isolados, dedicados a práticas d...
• “(...) submetidos ao julgamento eclesiástico, os atos mágicos, mesmo
aqueles voltados para o enfrentamento de problemas ...
Satanismo e Ocultismo/Misticismo:
• O movimento da Nova Era (do inglês New Age) possui muitas subdivisões, sendo
geralment...
Satanismo e Ocultismo/Misticismo:
• Porém, embora o Satanismo assumido aparente-se – ainda
que vagamente – com as diversas...
O Caminho Da Mão Esquerda:
• Empregando a terminologia do
ocultista Aleister Crowley, os
praticantes definem o Satanismo
c...
Satanismo Tradicional
• O Satanismo Tradicional ou Satanismo Teísta é uma forma de
Satanismo onde a crença primária é a de...
Satanismo Tradicional
• O Satanismo Gótico nada mais é que uma “anti-religião”. Em essência, é
um “Cristianismo ao contrár...
Satanismo Moderno
• Anton de LaVey fundou o Satanismo ao formar a Church Of Satan (Igreja de
Satã) em 1960, na Califórnia,...
Anton Szandor de LaVey (1930 - 1997)
Fundador da Igreja de Satã.
• Satã é uma imagem útil para
encorajar o individualismo no que
este se refere à “oposição” e “não-
conformidade”. “A razã...
• Magia, tal qual praticada no Satanismo LaVeyano, é definida como “a
mudança de situações ou eventos em acordância com a ...
• A Igreja de Satã difundiu-se como uma série de “pequenas comunidades
licenciadas” lideradas por pessoas que podiam demon...
• Após a morte de Anton LaVey, a
representação oficial da Igreja de Satã foi
assumida pelo Alto Sacerdote Peter Gilmore e
...
Primeira Igreja Satânica
• Uma outra grande organização ligada à
ideologia LaVeyana é a First Satanic
Church (Primeira Igr...
As Nove Declarações Satânicas:
1. Satã representa indulgência, ao invés de abstinência!
2. Satã representa a existência vi...
5. Satã representa vingança, ao invés de virar a outra face!
6. Satã representa responsabilidade para o responsável, ao in...
Templo de Set
• O Templo de Set é uma organização internacional que foi
estabelecida como uma Igreja sem fins lucrativos n...
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN

567 visualizações

Publicada em

ATEISMO
BUDISMO
ESPIRITISMO
HINDUISMO
ISLAMISMO
JUDAISMO
MAÇONARIA
SATANISMO
TESTEMUNHAS DE JEOVA
UMBANDA
WICCA
SIMBOLOGIA

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
567
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • o contrário da maioria dos países ocidentais, em várias sociedades islâmicas não há separação clara entre o Estado e a religião
    Carolina Cimenti, de Nova York, especial para o iG | 24/08/2011 21:05
    Notícia anterior Dez anos depois, poeira tóxica ainda mata pelo 11 de Setembro
    Próxima notícia Tive de proteger o país após o 11 de Setembro, disse Bush
    Texto:
    Sharia é o código de leis do islamismo. Em várias sociedades islâmicas atuais, ao contrário da maioria dos países ocidentais, não há uma separação clara entre a religião e o Estado ou entre a religião e a justiça. Todas as leis, ou a maioria delas, são religiosas e têm como base o Alcorão e as opiniões dos líderes religiosos. Existe, porém, uma imensa diferença na interpretação e implementação da lei islâmica nas sociedades muçulmanas.
    Leia também:
    Islamofobia é arma política pós-11 de Setembro
    Veja o especial 10 anos do 11 de Setembro
    Alguns países, como a Arábia Saudita e o Irã, seguem a sharia quase completamente ao pé da letra, com uma Constituição e uma polícia religiosa. É por isso que nesses países ainda valem as chamadas leis "olho por olho, dente por dente", e se corta a mão de quem rouba e se apedreja uma mulher que traiu seu marido, por exemplo.
    Países como Afeganistão, Sudão e Líbia também aplicam leis baseadas na sharia. Outros países muçulmanos, como a Indonésia, o Paquistão e Bangladesh, têm leis e Constituições separadas da religião, utilizando a sharia apenas para temas ligados ao direito familiar - ou seja, casamentos e heranças. A Turquia é um exemplo de país muçulmano com uma Constituição completamente secular, 100% independente do Alcorão ou das regras do islamismo.
  • É a lei religiosa do islamismo. Como o muçulmano não vê distinção entre o aspecto religioso e o resto da sua conduta pessoal, a lei islâmica não trata só de rituais e crenças, mas de todos os aspectos da vida cotidiana. Apesar de ter passado por um detalhado processo de formatação, a lei islâmica ainda é aplicada de formas variadas ao redor do mundo - os países adotam a sharia têm interpretações mais ou menos rigorosas dela.
    Sharia é um termo árabe que significa “caminho”, mas, que historicamente, dentro da religião islâmica, tem sido continuamente empregado para se referir ao conjunto de leis da fé, compreendida pelo Alcorão, a Suna (obra que narra a vida do profeta Maomé), além de sistemas de direito árabe mais antigos, tradições paralelas, e trabalho de estudiosos muçulmanos ao longo dos primeiros séculos do Islã. Em outras palavras, a Sharia é um sistema detalhado de leis religiosas desenvolvido por estudiosos muçulmanos e ainda em vigor entre os fundamentalistas hoje.
    Numa visão bem estrita do islamismo, a Sharia, como lei revelada de Deus, perfeito e eterno, é obrigatória para os indivíduos, da sociedade e do estado em todos os seus detalhes. Assim, qualquer crítica a esta é heresia. Os muçulmanos que negam sua validade são rotulados como infiéis ou apóstatas (aqueles que se convertem a outra religião) por tradicionalistas islâmicos. Como tal, eles enfrentam a ameaça de serem processados por apostasia, um crime que de acordo com a própria Sharia acarreta pena de morte.
    A Sharia procura descrever em detalhes todos os possíveis atos humanos, dividindo-os em “permitido” (halal) e “proibido” (haram). Em seguida, os mesmos atos humanos são classificados ainda em vários graus de bom ou mau, como obrigatório, recomendável, neutro, censurável ou proibido. Essa vasta coleção de regras regula todas as questões da vida devocional, adoração, pureza ritual, casamento e herança, infrações penais, comércio e conduta pessoal.
    Além disso, ela é responsável por regular os atos do governante de determinado estado islâmico e suas relações com os não-muçulmanos no interior do estado, bem como para os inimigos fora deste. A Sharia, mesmo que seguida apenas pelos mais fervorosos adeptos da religião, acaba por influenciar o comportamento e visão de mundo da maioria dos muçulmanos, mesmo em estados seculares onde ela não faz parte do conjunto de leis oficiais.
    Apesar disso, muitas partes da Sharia possuem pouca ou nenhuma importância na maioria das sociedades muçulmanas modernas, exceto naqueles que passaram por uma fase de islamização (caso de Sudão, Irã, Arábia Saudita). A Sharia permanece, porém, como lei pertinente em questões judiciais particulares, como o casamento, família e herança.
    As mudanças ocorridas no século XX, como o colapso do Império Otomano, e com ele, o último califado (autoridade religiosa islâmica), foram responsáveis por sérias reflexões sobre as tradicionais leis islâmicas. Além disso, os estados modernos que surgiram da fragmentação do império (a exemplo de Jordânia, Síria, Líbano e Iraque) ou a colonização por países europeus de cultura europeia e secular (Líbia, Argélia e Marrocos) foram decisivos para a ascensão de líderes e sociedades preocupadas em operar mudanças modernizadores em todo o mundo islâmico. Assim, o movimento modernista no islã começou a se opor à visão tradicional da Sharia, afirmando que a lei não pode ser alterada pelo homem, insistindo que ela deve ser aplicada à situação atual e novas idéias, entendendo que novas interpretações são permitidas.
    Bibliografia: JANSEN, Hans. What is Sharia?

    Na Arábia Saudita, por exemplo, vigora uma das mais conservadoras versões da lei islâmica. O Afeganistão da época da milícia Talibã teve a mais dura e radical aplicação da sharia nos tempos modernos - proibia música e outras expressões culturais e esportivas, restringia gravemente todos os direitos das mulheres e ordenava punições bárbaras. A sharia, porém, é adotada formalmente numa minoria de países com grandes populações islâmicas.
  • Pronunciar a declaração de fé intitulada "chahada": "Não há outra divindade além de Deus e Mohammad é seu Mensageiro".
    • Realizar as cinco orações obrigatórias durante cada dia, no ritual chamado "salat". As orações servem como uma ligação direta entre o muçulmano e Deus. Como não há autoridades hierárquicas, como padres ou pastores, um membro da comunidade com grande conhecimento do Corão dirige as orações. Os versos são recitados em árabe, e as súplicas pessoas são feitas no idioma de escolha do muçulmano. As orações são feitas no amanhecer, ao meio-dia, no meio da tarde, no cair da noite e à noite. Não é obrigatório orar na mesquita - o ritual pode ser cumprido em qualquer lugar.
    • Fazer o que puder para ajudar quem precisa, no chamado "zakat". A caridade é uma obrigação do muçulmano, mas deve ser voluntária e, de preferência, em segredo. O muçulmano deve doar uma parte de sua riqueza anualmente, uma forma de mostrar que a prosperidade não é da pessoa - a riqueza é originária de Deus e retorna para Deus.
    • Jejuar durante o mês sagrado do Ramadã, todos os anos. Nesse período, todos os muçulmanos devem permanecer em jejum do amanhecer ao anoitecer, abstendo-se também de bebida e sexo. As exceções são os doentes, idosos, mulheres grávidas ou pessoas com algum tipo de incapacidade física - eles podem fazer o jejum em outra época do ano ou alimentar uma pessoa necessitada para cada dia que o jejum foi quebrado. O muçulmano que cumpre o jejum se purifica ao vivenciar a experiência de quem passa fome. No fim do Ramadã, o muçulmano celebra o Eid-al-Fith, uma das duas principais festas do calendário islâmico.
    • Realizar a peregrinação a Meca, o "haj". Todos os muçulmanos com saúde e condição financeira favorável deve realizar a peregrinação pelo menos uma vez na vida. Todos os anos, cerca de 2 milhões de pessoas de todas as partes do mundo se reúnem em Meca, sempre com vestimentas simples - para eliminar as diferenças de classe e cultura. No fim da peregrinação, há o festival de Eid-Al-Adha, com orações e troca de presentes - a segunda festa mais importante.

  • Maomé nasceu em Meca, no ano de 570. Órfão de pai e mãe, foi criado pelo tio, membro da tribo dos coraixitas. De acordo com historiadores, tornou-se conhecido pela sabedoria e compreensão, tanto que servia de mediador em disputas tribais. Adepto da meditação, ele realizava um retiro quando afirmou ter recebido a primeira revelação de Deus através do anjo Gabriel. Na época, ele tinha 40 anos. As revelações prosseguiram pelos 23 anos restantes da vida do profeta.
    Contrário à guerra entre tribos na Arábia, Maomé foi alvo de terroristas e escapou de várias tentativas de assassinato. Enquanto conquistava fiéis, empregava as escrituras na tentativa de pacificar sua terra - tarefa que cumpriu antes de morrer, aos 63 anos, depois de retornar a Meca. Para os muçulmanos, Maomé é uma figura digna de extrema admiração e respeito, mas não é o alvo de sua adoração. Ele foi o último dos profetas a trazer a mensagem divina, mas só Deus é adorado.

  • As construções reservadas para as orações dos muçulmanos são chamadas mesquitas, ou "masjids". Os prédios, contudo, não precisam ser especialmente construídos com esse fim - qualquer local onde a comunidade muçulmana se reúne para orar é uma mesquita.
    Há dezenas de milhares de mesquitas no mundo, e elas vão desde as construções mais esplendorosas, com arquitetura riquíssima, às mais modestas, adaptadas dentro de outras estruturas.
    A mesquita de Caaba, em Meca, é uma das mais famosas, pois é o centro da peregrinação do "haj". A mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, também é um local muito visitado pelos muçulmanos de todo o mundo - ela abrigaria a pedra de onde Maomé "ascendeu ao céu".
  • Os sunitas formam o tronco principal da religião, ligado à interpretação mais aceita da história islâmica, e reúnem cerca de 90% dos muçulmanos no mundo. A diferença em relação ao Islã xiita é a aceitação à seqüência de califas da história islâmica. Sem características comuns entre si, os muçulmanos sunitas incluem praticantes da religião em todas as partes do mundo e de todas as tendências, dos mais conservadores até os moderados e seculares.
    Os xiitas, que reúnem cerca de 10% dos muçulmanos, surgiram como movimento político de apoio a Ali e acabaram formando uma ramificação da religião islâmica. A dissidência surgiu quando os xiitas se uniram para apoiar Ali, primo de Maomé, como o herdeiro legítimo do poder no Islã após a morte do profeta, com base na suposta declaração de que ele era seu sucessor ideal.
    A evolução para uma fórmula religiosa diferente teria começado com o martírio de Husain, o filho mais novo de ali, no ano de 680, em Karbala (no atual Iraque). Os clérigos xiitas são os mulás e mujtahids, mas o clero não tem uma hierarquia formal. Os xiitas foram os responsáveis pela revolução islâmica do Irã, em 1979, e têm graves divergências com setores do islamismo sunita.

  • Ahmadinejad acredita que ele ainda esteja por vir. Ele alega que deva pessoalmente preparar o mundo para a vinda de Mahdi. Para que possa ser salvo, o mundo deve estar em um estado de caos e de subjugação. Ahmadinejad afirma que ele foi “dirigido por Alá para preparar o caminho para o aparecimento glorioso do Mahdi". Esta diretriz apocalíptica inclui algumas proclamações muito assustadoras. - See more at: http://www.allaboutpopularissues.org/portuguese/o-12-ima.htm#sthash.GJ81oTQ3.dpuf
  • Reportagem e Fotos: Camila Pompeo
    Centro de Umbanda em São Miguel do Oeste - SC
    http://jornalistain-formacao.blogspot.com.br/2012/10/umbanda.html
    14/01/2013
    16:53
  • http://www.ceubrio.com.br
  • (União Espiritista de Umbanda do Brasil)
  • (União Espiritista de Umbanda do Brasil)
  • (9) Prandi, Reginaldo. Os candomblés de São Paulo
  • (9) Prandi, Reginaldo. Os candomblés de São Paulo
  • Os bantos (grafados ainda bantu)
    Estendem-se desde os Camarões até à África do Sul e ao oceano Índico, e pertencem à mesma família linguística, a das línguas bantas (a qual, por sua vez pertence à família linguística nígero-congolesa, e partilham em muitos casos costumes comuns. Em http://pt.wikipedia.org/wiki/Bantos


    Origem da palavra em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/umbanda/umbanda.php
  • – http://www.guia.heu.nom.br/origem_da_umbanda.htm , em 16/01/2013, 16h
  • Os chamados “amacis” nada mais são do que o uso de ervas, em que princípios astral magnético que as influenciam e que as ligam vibratoriamente com as energias dos quatro elementos planetários, do ar, da terra, do fogo e da água, são adotados para a complementação energética dos médiuns.
  • Fonte:
    http://www.guia.heu.nom.br/umbanda.htm

  • (União Espiritista de Umbanda do Brasil)
  • (União Espiritista de Umbanda do Brasil)
  • (União Espiritista de Umbanda do Brasil)
    http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/umbanda/umbanda.php
  • (União Espiritista de Umbanda do Brasil)
  • Foto: http://araman256.wordpress.com/2012/10/31/a-mecanica-de-incorporacao/
    W. W. da Mata e Silva (Mestre Yapacany)
  • Foto: http://umbandarealalmir.blogspot.com.br/2008/07/umbanda-na-luz-divina-centro-esprita-de.html
    "A Umbanda Esoterica e Iniciatica em Barbacena"
    Umbanda na Luz Divina Centro Espírita de Umbanda Obreiros de “Oxalá”.
  • Oxossy e São Sebastião
  • Historia das religioes - BACHAREL EM THEOLOGIA - SANDRO VALENTIN

    1. 1. HISTORIA DAS RELIGIOES
    2. 2. PROF SANDRO VALENTIN Valentin.sandro@gmail.com (31) 8353-9579 / 9581-6544
    3. 3. INDICE  ATEISMO  BUDISMO  ESPIRITISMO  HINDUISMO  ISLAMISMO  JUDAISMO  MAÇONARIA  SATANISMO  TESTEMUNHAS DE JEOVA  UMBANDA  WICCA  SIMBOLOGIA
    4. 4. Ateísmo  Ateísmo é a negação ou a falta da crença na existência de deus(es). O termo ateí smo vem do prefixo grego “a”, significando “ausência”, e da palavra grega theos, significando “divindade”. A negação da exi stência de Deus é conhecida como ateísmo “ativo” ou “forte”; a simples descrença é denominada ateísmo “passivo” ou “fraco ”. Apesar de o ateísmo ser frequentemente visto como algo distinto do agnosticismo — visão segundo a qual não podemos saber se uma divindade existe ou não, mante ndo uma posição neutra sobre o assunto — , ele é compatível com o ateísmo “passivo”.  O ateísmo possui uma vasta quantidade de implicações à condição humana. Co m a ausência da crença num deus, as questões éticas devem ser determinadas em função dos objetivos e preocupações humanas , cabendo a nós assumir responsabilidade total pelo nosso destino. A morte, nessa visão, marca o fim da existência de um indivíduo .
    5. 5.  Em 1994 estimava- se que havia aproximadamente 240 milhões de ateus no mundo — cerca de 4% do total —, incluindo aqueles que professam o ateísmo, o ceticismo, a descrença ou que opõe mse à religião. A porcentagem estimada aumentou significantemente, sendo atualmente algo em torno de 21% da popula ção mundial (se ateus “passivos” forem incluídos).
    6. 6. O Escopo do Ateísmo  Em tempos antigos, pessoas utilizavam ocasionalmente a palavra “ateísmo” como uma ofensa às posições religiosas de seus opositores. Os primeiros cristãos eram chamados de ateus porque negavam a existência das divindades romanas. Ao longo do tempo muitos mal- entendidos surgiram: que os ateus são imorais, que a moralidade não pode ser justificada sem a crença em um deus, que a vida não tem sentido sem um criador. Apesar dessa visão ser b astante difundida, não há evidências de que ateus são menos morais que os teístas. Muitos sistemas morais foram criados sem p ressupor a existência de um ser sobrenatural. O “sentido” da vida humana pode basear- se em objetivos terrenos, como melhoria da humanidade.
    7. 7.  Na sociedade ocidental o termo ateísmo foi utilizado mais especificamente para designar a negação do teísmo, particularmente o judaico- cristão, que afirma a existência de um Deus pessoal todopoderoso, todo- sabedoria e todobondade. Esse ser criou o Universo, preocupa- se ativamente com problemas humanos e guia sua criação através da revel ação divina. O ateísmo “ativo” rejeita esse Deus e as crenças a ele associadas, como a na vida pós- morte, na predestinação, nas origens sobrenaturais do Universo, nas almas imortais, na revelação da natureza divina através da Bíbl ia e do Corão e na fundamentação religiosa da moral.  O teísmo, entretanto, não é um componente de todas as religiões. Algumas rejeitam o teísmo, mas não são inteiramente ateias. Apesar do Bhagavad- Gita — escritos sagrados do hinduísmo — ser totalmente fundamentado em tradições teísticas, escritos hindus mais antigos — conhecidos como os Upanishads — ensinam que o Brahman (a realidade última) é algo impessoal.
    8. 8.  O ateísmo “ativo” rejeita até os aspectos panteístas do hinduísmo, que igua lam Deus ao Universo. Várias outras religiões orientais, incluindo o budismo theravada e o jainismo, são comumente vistas como crenças ateísticas, mas essa interpretação, a rigor, não é correta. Tais religiões rejeitam a ideia de um Deus criador do Universo c omo defendido pelo teísmo, mas admitem numerosos outros deuses inferiores. Na melhor das hipóteses, só podem ser considera das “ateísticas” no sentido de que não aceitam o teísmo.
    9. 9. História  No mundo intelectual do Ocidente o fenômeno da difusão da descrença em Deus possui uma longa e distinta história. Filósofos da antiguidade, como Lucrécio, eram descrentes. Mesmo na Idade Média (do V ao XV s éculo) havia correntes de pensamento que questionavam as assunções teístas, incluindo o ceticismo — doutrina que alega a impossibilidade de se alcançar o “verdadeiro conhecimento” — e o naturalismo — crença de que apenas forças naturais governam o mundo. Vários pensadores iluministas (1700- 1789) eram ateus militantes, incluindo o escritor dinamarquês Baron Holbach e o enciclop edista francês Denis Diderot. Expressões de descrença são também encontradas em clássicos da literatura oci dental, incluindo os escritos de poetas ingleses como Percy Shelley e Lord Byron; do novelista inglês Thomas Hardy; de filósofos fra nceses como Voltaire e JeanPaul Sartre; do autor russo Ivan Turgenev e de escritores americanos como Mark Twain e Upton Sinclair. Os ateus e críticos de religião mais articulados e conhecidos do século XIX são os filósofos alemães Ludwi g Feuerbach, Karl Marx, Arthur Schopenhauer e Friedrich Nietzsche. O filósofo britânico Bertrand Russel, o psicanalista aus tríaco Sigmund Freud e Sartre estão entre os ateus mais influentes do século XX.
    10. 10. Motivos para Rejeitar Deus  Críticas ao Teísmo  Ateus justificam suas posições filosóficas de várias maneiras. Ateus “p assivos” tentam fundamentar sua posição através da refutação dos argumentos em favor da existência de Deus, como o o ntológico, o da causa primeira, o do design inteligente e o da experiência religiosa. Outros argumentam que qualquer afirmaçã o sobre Deus é vazia, pois atributos como “onisciência” e “onipotência” são incompreensíveis à mente humana. Os que profess am o ateísmo “ativo”, em contrapartida, defendem sua posição argumentando que o conceito de Deus é inconsistente. Eles questionam, por exemplo, como um Deus “todosabedoria” pode ser ao mesmo tempo “todo- bondade” e como um Deus que não possui corpo físico pode ser “oni sciente”.
    11. 11.  O Problema do Mal  Alguns ateus “ativos” adotam a posição de que a existência do mal torna Deus algo improvável. Em particular, ateus afirmam que o teísmo não explica adequadamente o porquê da existência de um mal aparentemente sem sentido, como o sofrimento de uma criança inocente. Teístas comumente defendem a existência do mal argu mentando que Deus deseja que os humanos possuam liberdade de escolha entre o bem e o mal, ou que a função do mal é con struir o caráter humano, lhes proporcionando qualidades como a perseverança. Ateus “ativos” contra- argumentam que as justificativas para o mal dadas pelos teístas em termo s de livrearbítrio deixam de explicar por que, por exemplo, uma criança p ossui doenças genéticas ou sofre violências e abusos de adultos. Os argumentos de que Deus permite a dor e o sofrimento para construir o caráter humano falham, por sua vez, em explicar por que havia sofrimento entre os animais existentes antes que os human os evoluíssem e por que o caráter não pode ser desenvolvido com menos sofrimento. Para ateus, uma melhor explicação para a presença do mal no mundo é a inexistência de Deus.
    12. 12.  Evidências Históricas  Ateus também criticaram evidências históricas utilizadas para sustentar as crenças das maiores religiões teísticas. Por exempl o, argumentaram que a falta de evidências lança dúvidas sobr e importantes doutrinas do cristianismo, como a de que Jesus Cristo nasceu de uma virgem e a de que ressuscitou após ter sido cr ucificado. Devido a tais eventos representarem milagres, os at eus dizem que evidências extremamente fortes são necessárias p ara sustentar sua veracidade. As evidências disponíveis para respaldar os supostos milagres — de fontes bíblicas, pagãs e judaicas — , segundo os ateus, são fracas, e por isso devem ser rejeitadas.
    13. 13. A Diversidade no Ateísmo  Ateísmo é, primariamente, uma “reação à” ou uma “rejeição da” crença religio sa, e portanto não é possível determinar quaisquer outros pontos de vista filosóficos a partir dele. O ateísmo, às vezes, é associado à s correntes filosóficas materialistas, as quais defendem que apenas a matéria existe; com o comunismo, o qual afirma que a religião impede o progresso da humanidade; e com o racionalismo, que coloca a razão acima de outros métodos de in vestigação. Entretanto, não há qualquer conexão necessária entre o ateísmo e tais posições filosóficas. Alguns ateus opusera mse ao comunismo, outros rejeitaram o materialismo. Apesar de praticamente todos os materialistas contemporâneos s erem ateus, Epicuro — um materialista grego da Antiguidade — acreditava que os deuses eram feitos de matéria na forma de átomos. Raciona listas como o filósofo francês René Descartes acreditavam em Deus, enquanto Sartre não pode ser considerado u m racionalista.
    14. 14.  O ateísmo foi associado a sistemas de pensamento que rejeitam autoridades, como o anarquismo — teoria política que se opõe a qualquer tipo de governo — e o existencialismo — movimento filosófico que enfatiza absoluta liberdade de escolha que o s humanos possuem; também não há, contudo, qualquer relação necessária entre tais posições e o ateísmo. O filósofo britânico A. J. Ayer era um ateu que se opunha ao existencialismo; o filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard, por sua ve z, era um existencialista que aceitava Deus. Marx era um ateu que rejeitava o anarquismo, enquanto que o novelista Leo Tolst oy, um cristão, adotava o anarquismo. Devido ao ateísmo, estritamente falando, consistir meramente numa negação, ele não pode, por si próprio, proporcionar uma cosmovisão ao indivíduo; logo, é impossível deduzir quais outras concepções filosóficas serão adotadas
    15. 15. BUDISMO
    16. 16. HISTÓRICODA RELIGIÃO • Siddharttha Gautama – Sec. VI a. C filho de Suddhodana e Mayadevi (Norte da Índia – Nepal) também chamado Bhagava (o abençoado) e Shakyamuni (o iluminado do clã Shakya – local onde supostamente nascera) e também e mais conhecido, BUDA o iluminado. • Inquieto, deixa a sua vida de conforto e segurança (com 29 anos) para ir em busca de uma doutrina capaz de libertar o homem do sofrimento. • Aos 35 anos se torna Buda o Iluminado, quando embaixo de uma árvore (Bodhi), em plena meditação, alcança a perfeita iluminação e passa a ter seguidores. A partir daí começa sua missão, ensinando em diferentes lugares. • Ao longo do processo histórico se torna uma das maiores religiões do mundo.
    17. 17. DEUS Considerado por muitos como uma religião “não-teísta “, no budismo não existe o conceito de Deus. Embora ensine que existem “deuses” (Devas), seres que, apesar de “celestiais” diferem, em muito, do conceito de divindade oriental. Válido salientar, também, que o Buda não é um deus, é um homem que atingiu o mais elevado grau de Sabedoria, Compaixão e Serenidade que um ser humano possa alcançar. Esta religião, tem o homem como a única causa eficiente de sua própria evolução superior - ao contrário do cristianismo - acredita na “auto-redenção”, ou seja, o homem pode, sozinho, atingir o nirvana e se salvar por si próprio. CONCEPÇÃODE DEUS, CÉUE INFERNO
    18. 18. CÉU E INFERNO: No budismo, não há Céu e Inferno como sistema de beneficio e punições (como no cristianismo há). Pela visão budista, o “Céu e o Inferno” não são encontrados em nenhum local específico, mas sim dentro da vida de cada pessoa, pelo seu “estado de espírito”, como nós ocidentais costumamos dizer. CONCEPÇÃODE DEUS, CÉUE INFERNO
    19. 19. Ou seja, o inferno seria caracterizado pelo sofrimento do ser humano, mesmo em vida, em qualquer um dos “mundos“ budistas - de certo modo, todo o “Samsara” (o fluxo incessante de renascimentos através dos mundos) é um lugar de sofrimento já que, para o budismo, “a existência implica a dor“. E, o céu, seria o estado de nirvana (estado total de paz e plenitude), atingido por meio da disciplina mental e de uma forma correta de vida. CONCEPÇÃODE DEUS, CÉUE INFERNO
    20. 20. DOUTRINA
    21. 21. NOBRES VERDADES DOUTRINA
    22. 22. DOUTRINA A verdade santa sobre o sofrimento A causa do sofrimento A suspensão; a cura do sofrimento O caminho para cura do sofrimento
    23. 23. NOBRE CAMINHO ÓCTUPLO DOUTRINA
    24. 24. RITUAIS
    25. 25. P R E C E S RITUAIS
    26. 26. P R O S T R A Ç Ã O RITUAIS
    27. 27. O F E R E N D A S RITUAIS
    28. 28. E S M O L A S RITUAIS
    29. 29. P E R A N B U L A Ç Ã O RITUAIS
    30. 30. F U N E R A I S RITUAIS
    31. 31. NOIVADO Votos do noivo: “Em frente à minha mulher que acolho, aceito amá-la e respeitá-la, ser amável, ser fiel, delegar as tarefas domésticas e providenciar presentes para a satisfazer”. Votos da noiva: “Em frente ao meu marido que acolho, aceito realizar as tarefas domésticas eficazmente, ser hospitaleira para com os seus parentes e amigos, ser fiel, proteger os nossos ganhos, efetuar as minhas responsabilidades com amor e conscienciosamente”. RITUAIS
    32. 32. F U N E R A I S RITUAIS
    33. 33. Visão de mundo: • Gênero ou espécie; • Lei da dependência de causas e condições internas e externas; • Seres incluídos na lei do Dharma; • Negação da teoria da criação; • Negação da Teoria do acaso; • A visão realista do mundo. CONCEPÇÃODOMUNDO,DA VIDADOHOMEME DA MULHER.
    34. 34. Concepção da vida: • O mundo é neutro – é a mente do homem que cria dificuldades no mundo. • O sofrimento como experiência que leva ao despertar;. • Visão positiva da vida; • Não ensina a aniquilação completa com a morte; • Após a morte - Continuidade da consciência que está sujeita a um contínuo processo de vir a ser ou devir. CONCEPÇÃODOMUNDO,DA VIDADOHOMEME DA MULHER.
    35. 35. Concepção do homem e da mulher: • Budismo nunca discriminou as mulheres. • Possuem o mesmo potencial e ambos podem atingir o estado de Buda. • O papel e o estatuto dependiam e dependem das sociais vigentes. • Na sociedade indiana as mulheres não eram aceitas nas comunidades espirituais nem podiam tomar qualquer decisão por si. • Direção dos (mosteiros); • Atuação religiosa; • Maior liberdade no Tibete do que na Índia. • Realidades contraditórias; • Uma vez homens e noutras mulheres. CONCEPÇÃODOMUNDO,DA VIDADOHOMEME DA MULHER.
    36. 36. Influência da mulher: • Mahaprajapati Guatama - primeira monja budista; • No Budismo Mahayana, as imagens da mulher vão além do maternal. Podem representar a perfeição da sabedoria, a benção, a compaixão, a instrutora e a amiga que revela o mundo da verdade. • Salvação para as mulheres que se tornassem monjas. • Sutras mencionam mulheres de grande sabedoria, tanta quanto a de Buda, e mesmo meninas sábias; • O Buda Histórico, Xaquiamuni (Shakyamuni), fez várias predições de futuros Budas tanto para monges como para monjas; • A condição para que as mulheres se tornem Budas é a de que ocorra uma transformação sexual. CONCEPÇÃODOMUNDO,DA VIDADOHOMEME DA MULHER.
    37. 37. • A Soka Gakkai Internacional (SGI) é uma associação que visa à promoção de valores como a paz e o respeito humano. • No âmago do movimento da Soka Gakkai encontra-se o ideal da educação pela cidadania global. Por meio de uma ampla variedade de atividades, a SGI tem por meta a conscientização das responsabilidades para com a sociedade, com o meio ambiente e com o futuro do Planeta. Trata-se de educação no sentido mais amplo da palavra e não se limita às salas nem a um grupo em particular. A RELIGIÃOSE PREOCUPACOMA DIMENSÃOSOCIALDOS FIÉIS?
    38. 38. • A SGI promove intercâmbios culturais e busca desenvolver os valores comuns, tais como a tolerância e a coexistência, que estão presentes de formas diferentes em todas as culturas e tradições. Essas atividades têm por base a premissa de que o senso comum de humanismo está fortalecido por meio de interações diretas com pessoas de diferentes culturas, mesmo que suas experiências e convicções sejam totalmente opostas. • A Soka Gakkai Internacional está presente em quase 200 países e territórios. A RELIGIÃOSE PREOCUPACOMA DIMENSÃOSOCIALDOS FIÉIS?
    39. 39. • Os programas da SGI são inspirados na filosofia humanística do Budismo de Nitiren Daishonin. Seus conceitos principais são: a dignidade e a igualdade inerentes em todos os seres humanos; a unidade da vida e seu meio ambiente; o inter-relacionamento das pessoas que fazem do altruísmo o caminho viável para a felicidade pessoal; o potencial ilimitado de cada pessoa para a criatividade, e o direito fundamental de cultivar o auto- desenvolvimento por meio de um processo de reforma automotivada chamada "revolução humana". A RELIGIÃOSE PREOCUPACOMA DIMENSÃOSOCIALDOS FIÉIS?
    40. 40. • Os primeiros cristãos que levaram sua fé para a china eram nestorianos em 635 • Uma segunda tentativa de evangelização • Período de acomodação • As controvérsias • As diferenças são profundas • Definições importantes COMPARAÇÃOCOMO CRISTIANISMO
    41. 41. CURIOSIDADESDA RELIGIÃO
    42. 42. CURIOSIDADESDA RELIGIÃO 1.1 Na Idade Média, o Buda foi transformado em santo cristão, através da "História de Barlaam e Josaphat", uma versão cristianizada da vida do Buda. 1.2. No século XVII, na Europa, o Buda foi identificado com Hermes por alguns autores cristãos. 1.3 Os cristãos nestorianos na China Medieval, criaram um símbolo híbrido budista-cristão: uma cruz com um lótus no centro.
    43. 43. CURIOSIDADESDA RELIGIÃO 1.4 Alopen, missionário cristão nestoriano na China Medieval, usou o termo budista "Sunyata" (Vazio) para traduzir a idéia do Deus cristão, mostrando com o uso dessa palavra o caráter inefável do divino. 1.5 A biografia do Príncipe Regente Shotoku, difusor do budismo no Japão no século VI, sofreu, na sua elaboração, influências cristãs nestorianas: apelidado "Umayado-no-Miko" (Príncipe da Manjedoura), teria nascido numa manjedoura, tal como Jesus. 1.6 No Japão, a partir do século XVII, a divindade feminina da Compaixão, Kannon, foi sincretizada com a Maria Santíssima católica, dando origem a um culto híbrido, o de "Maria-Kannon". 1.7 A seita muçulmana dos Ismaelitas islamizou a figura do Buda, transformando-o num santo muçulmano cuja vida é narrada na "História de Bilawar e Budasaf".
    44. 44. CURIOSIDADESDA RELIGIÃO 1.8 Diogo de Couto foi o primerio cronista português a mencionar o Buda, no século XVI, com o nome de "Budão". 1.9.Em seu livro "Peregrinações", o aventureiro português Fernão Mendes (Sec. XVI) foi provavelmente o primeiro autor europeu a mencionar o Buda Amida, principal divindade do Budismo da Terra Pura. 2.0 O texto sagrado budista "As Questões do Rei Milinda" é o registro do primeiro diálogo filosófico Oriente-Ocidente, travado entre o rei grego Menandro, que reinou em Gandhara (região do Paquistão atual) e o monge budista Nagasena.
    45. 45. Vejamos o Vídeo.
    46. 46. 47
    47. 47. 48
    48. 48. 49 -
    49. 49. 50
    50. 50. 51
    51. 51. 52
    52. 52. 53
    53. 53. 54
    54. 54. 55
    55. 55. 56
    56. 56. 57 PRECURSORES IMEDIATOS
    57. 57. 60
    58. 58. 61
    59. 59. 62
    60. 60. ALGUNS DELES OCORRERAM COM REPERCUSSÕES QUE ULTRAPASSARAM OS LIMITES CONTINENTAIS 32KM DA CIDADE DE ROCHESTER E PRÓXIMO DA DIVISA COM O CANADÁ.
    61. 61. 64
    62. 62. 65
    63. 63. 67
    64. 64. 70
    65. 65. 72
    66. 66. Chamava-se Charles Rosnan, havia sido assassinado naquela casa há 5 anos. Indicou o local onde seu corpo estava enterrado, o que posteriormente foi confirmado.
    67. 67. 74HYDESVILLE MEMORIAL PARK
    68. 68. 75
    69. 69. 76
    70. 70. 77 Após os acontecimentos de Hydesville, tornou-se “a coqueluche da sociedade francesa”, aquilo que ficou conhecido com o nome de mesas girantes.
    71. 71. 78
    72. 72. 79
    73. 73. 80 Em Lion fez os seus primeiros estudos, seguindo depois para Yverdon, na Suíça, a fim de estudar no instituto do célebre professor Pestalozzi.
    74. 74. 81 O instituto desse abalizado mestre era um dos mais famosos e respeitados em toda a Europa.
    75. 75. 82
    76. 76. 83
    77. 77. 84
    78. 78. 85
    79. 79. 86
    80. 80. 87
    81. 81. 88
    82. 82. 89
    83. 83. 90
    84. 84. 91
    85. 85. 92
    86. 86. 93
    87. 87. 96
    88. 88. 97
    89. 89. 99 Fundou em a Revista Espírita, órgão mensal que deveria assumir um papel importantíssimo na divulgação da Doutrina.
    90. 90. 100 E em ele funda a primeira sociedade espírita com o nome de
    91. 91. 101 No dia lança O Livro dos Médiuns, e depois, sucessivamente, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno, e A Gênese.
    92. 92. VEJAMOS O VIDEO
    93. 93. O hinduísmo é uma tradição religiosa originária da península indiana, em que os seus crentes são politeístas. Professa três deuses principais
    94. 94. Considerado a força criadora do universo
    95. 95. Responsável pela manutenção do universo.
    96. 96. Conhecido como o transformador ou o destruidor do universo
    97. 97. O Hinduísmo é uma das religiões mais antigas do mundo, se compõe de toda uma intersecção de valores, filosofias e crenças, derivadas de diferentes povos e culturas. Para compreender o Hinduísmo, é fundamental situá-lo historicamente. Por volta de 3 000 a.C., a Índia era habitada por povos que cultuavam o Pai do Universo, numa espécie de fé monoteísta. Pouco depois, em 2 500 a.C., floresceu a civilização dravídica, no vale do rio Indo, região que hoje corresponde ao Paquistão e parte da Índia. Os drávidas eram adeptos de uma filosofia de louvor à natureza, de orientação matriarcal e baseada no princípio da não-violência. Porém, em 1 500 a.C., os arianos invadiram e dominaram aquela região, os antigos drávidas à condição de "párias" - espécie de sub-classe social, que até hoje permanece sendo a casta mais baixa da pirâmide social indiana.
    98. 98. Na primeira fase do Hinduísmo, que recebe o nome de Hinduísmo Védico, temos o culto aos deuses tribais. Na segunda fase do Hinduísmo, que recebe os nomes de Vedanta (fim dos Vedas) ou Hinduísmo Bramânico, ocorre a ascensão de Brahma, a divindade que simboliza a alma universal. Na terceira fase, no século 12, a Índia é invadida pelos muçulmanos, e grande parte de sua população é forçada à conversão. Aliás, o termo hindu designava qualquer pessoa nascida na Índia, mas a partir do século 13 este termo ganhou uma conotação religiosa, tornando-se sinônimo de "nativo não-convertido ao Islamismo.
    99. 99. Para o Hinduísmo, as pessoas possuem um espírito (atman), que é uma força perene e indestrutível. A trajetória desse espírito depende das nossas ações, pois a toda ação corresponde uma reação Enquanto não atingimos a libertação final - chama de moksha-, passamos continuamente por mortes e renascimentos. Este ciclo é denominado Roda de Samsara, da qual só saímos após atingirmos a Iluminação. Os rituais se compõem de dois elementos principais: Darshan, que é a meditação / contemplação da divindade, e o Puja que é a oferenda.
    100. 100. A alimentação vegetariana é um dos pontos essenciais da filosofia hindu. Isso porque é livre da impureza (morte / sangue), e como todo alimento deve ser antes oferecido aos deuses, não se poderia ofertar algo que fosse "sujo". As preces são entoadas como cânticos no idioma sânscrito, língua "morta" que deu origem ao hindi e a um grande número de dialetos praticados na Índia. Essas preces recebem o nome de mantras. Os mantras são dirigidos a diversas divindades, ou estimulam qualidades pessoais. Em geral, são entoados 108 vezes, e para sua contagem utiliza-se o japa- mala (colar de contas), uma espécie de "rosário", confeccionado em sândalo ou com sementes de rudraksha (árvores consideradas altamente auspiciosas pela tradição indiana).
    101. 101. Shiva, a divindade mais popular da Índia, representa o princípio masculino. O princípio feminino da criação é Shakti, que se manifesta como Parvati (a mãe), Durga (a deusa da beleza), Lakshmi (senhora da arte e da criatividade) e Kali (senhora da destruição). Todas elas são esposas de Shiva.
    102. 102. Ganesha, o removedor de obstáculos, é representado como um ser com corpo de homem e cabeça de elefante. De acordo com um dos mitos associados a esta divindade, Parvati tirou uma de suas próprias costelas e com ela fez um filho, a quem encarregou de guardar seus aposentos. Quando seu marido Shiva chegou e encontrou aquele homem nas proximidades o quarto da esposa, matou-o e arrancou-lhe a cabeça. Diante da tragédia, Parvati exigiu que o marido devolvesse a vida a Ganesha. Então, Shiva prometeu que colocaria em Ganesha a cabeça da primeira criatura viva que aparecesse em seu caminho - e foi justamente um elefante.
    103. 103. Festividades Grande parte das festividades indianas está relacionada com aspectos religiosos. As principais festividades são:
    104. 104. Festival das Cores (de fevereiro à março)
    105. 105. Ganesha Festival (agosto e setembro)
    106. 106. Festival das Luzes (Diwali).
    107. 107. Sistema de Castas O Sistema de Castas é divido em quatro partes, de acordo com o corpo do super deus;. •Os brâmanes (sacerdotes e letrados) nasceram da cabeça de Brahma); •Os xátrias (guerreiros) nasceram dos braços de Brahma); •Os vaixás (comerciantes) nasceram das pernas de Brahma) ; •Os sudras (servos: camponeses, artesãos e operários) nasceram dos pés de Brahma À margem dessa estrutura social havia os cordeiros, que vieram da poeira debaixo do pé de Brahma. Mais conhecidos como párias, sem casta, eram considerados os mais atraídos por todas as castas. Hoje são chamados deharidchens, haryens, dalit, ou intocaveis.
    108. 108. Leis 1ª Lei - Lei do Karma - Lei da Interdependência Nosso livro-caixa. Lá são lançados automaticamente todos os créditos e débitos e o saldo nos vem justamente de acordo com os lançamentos. 2ª Lei - Lei da Subordinação - Manas-Budhi Onde obedecer não é temer. É anuir com o sistema. Aceitar a disciplina e a Ordem; moral; ética; dignidade; lógica; justiça; dever; Ser parte irremovível do Sistema. 3ª Lei - Lei da Contraposição - Lei de Ahankara - Lei do Progresso A velha árvore morre, produz humus e dá vida a novas árvores produtoras. É a Lei do Movimento. Tudo que está sem função, morre. Não estagnar, produzir. 4ª Lei - Lei da Ponte - Lei de Antakharana - Comunicação Lei que utiliza os sentidos; avalia as mensagens; Dizer algo com franqueza brutal é uma qualidade da tramitação.
    109. 109. •VEJAMOS O VIDEO
    110. 110. O R I G E M
    111. 111. Sharia é o código de leis do islamismo. Em várias sociedades islâmicas atuais, ao contrário da maioria dos países ocidentais, não há uma separação clara entre a religião e o Estado ou entre a religião e a justiça. Todas as leis, ou a maioria delas, são religiosas e têm como base o Alcorão e as opiniões dos líderes religiosos. Existe, porém, uma imensa diferença na interpretação e implementação da lei islâmica nas sociedades muçulmanas.
    112. 112. Alguns países, como a Arábia Saudita e o Irã, seguem a sharia quase completamente ao pé da letra, com uma Constituição e uma polícia religiosa. É por isso que nesses países ainda valem as chamadas leis "olho por olho, dente por dente", e se corta a mão de quem rouba e se apedreja uma mulher que traiu seu marido, por exemplo. Países como Afeganistão, Sudão e Líbia também aplicam leis baseadas na sharia. Outros países muçulmanos, como a Indonésia, o Paquistão e Bangladesh, têm leis e Constituições separadas da religião, utilizando a sharia apenas para temas ligados ao direito familiar - ou seja, casamentos e heranças. A Turquia é um exemplo de país muçulmano com uma Constituição completamente secular, 100% independente do Alcorão ou das regras do islamismo.
    113. 113. Sharia
    114. 114. • É a lei religiosa do islamismo. Como o muçulmano não vê distinção entre o aspecto religioso e o resto da sua conduta pessoal, a lei islâmica não trata só de rituais e crenças, mas de todos os aspectos da vida cotidiana. Apesar de ter passado por um detalhado processo de formatação, a lei islâmica ainda é aplicada de formas variadas ao redor do mundo - os países adotam a sharia têm interpretações mais ou menos rigorosas dela.
    115. 115. Sharia é um termo árabe que significa “caminho”, mas, que historicamente, dentro da religião islâmica, tem sido continuamente empregado para se referir ao conjunto de leis da fé, compreendida pelo Alcorão, a Suna (obra que narra a vida do profeta Maomé), além de sistemas de direito árabe mais antigos, tradições paralelas, e trabalho de estudiosos muçulmanos ao longo dos primeiros séculos do Islã. Em outras palavras, a Sharia é um sistema detalhado de leis religiosas desenvolvido por estudiosos muçulmanos e ainda em vigor entre os fundamentalistas hoje.
    116. 116. • Numa visão bem estrita do islamismo, a Sharia, como lei revelada de Deus, perfeito e eterno, é obrigatória para os indivíduos, da sociedade e do estado em todos os seus detalhes. Assim, qualquer crítica a esta é heresia. Os muçulmanos que negam sua validade são rotulados como infiéis ou apóstatas (aqueles que se convertem a outra religião) por tradicionalistas islâmicos. Como tal, eles enfrentam a ameaça de serem processados por apostasia, um crime que de acordo com a própria Sharia acarreta pena de morte.
    117. 117. • A Sharia procura descrever em detalhes todos os possíveis atos humanos, dividindo-os em “permitido” (halal) e “proibido” (haram). Em seguida, os mesmos atos humanos são classificados ainda em vários graus de bom ou mau, como obrigatório, recomendável, neutro, censurável ou proibido. Essa vasta coleção de regras regula todas as questões da vida devocional, adoração, pureza ritual, casamento e herança, infrações penais, comércio e conduta pessoal.
    118. 118. • Além disso, ela é responsável por regular os atos do governante de determinado estado islâmico e suas relações com os não-muçulmanos no interior do estado, bem como para os inimigos fora deste. A Sharia, mesmo que seguida apenas pelos mais fervorosos adeptos da religião, acaba por influenciar o comportamento e visão de mundo da maioria dos muçulmanos, mesmo em estados seculares onde ela não faz parte do conjunto de leis oficiais. • Apesar disso, muitas partes da Sharia possuem pouca ou nenhuma importância na maioria das sociedades muçulmanas modernas, exceto naqueles que passaram por uma fase de islamização (caso de Sudão, Irã, Arábia Saudita). A Sharia permanece, porém, como lei pertinente em questões judiciais particulares, como o casamento, família e herança.
    119. 119. • Na Arábia Saudita, por exemplo, vigora uma das mais conservadoras versões da lei islâmica. O Afeganistão da época da milícia Talibã teve a mais dura e radical aplicação da sharia nos tempos modernos - proibia música e outras expressões culturais e esportivas, restringia gravemente todos os direitos das mulheres e ordenava punições bárbaras. A sharia, porém, é adotada formalmente numa minoria de países com grandes populações islâmicas.
    120. 120. Cinco pilares
    121. 121. Cinco pilares 1. Pronunciar a declaração de fé intitulada "chahada": "Não há outra divindade além de Deus e Mohammad é seu Mensageiro". 2. Realizar as cinco orações obrigatórias durante cada dia, no ritual chamado "salat". 3. Fazer o que puder para ajudar quem precisa, no chamado "zakat". 4. Jejuar durante o mês sagrado do Ramadã, todos os anos. 5. Realizar a peregrinação a Meca, o "haj".
    122. 122. • Jejuar durante o mês sagrado do Ramadã, todos os anos. Nesse período, todos os muçulmanos devem permanecer em jejum do amanhecer ao anoitecer, abstendo-se também de bebida e sexo. As exceções são os doentes, idosos, mulheres grávidas ou pessoas com algum tipo de incapacidade física - eles podem fazer o jejum em outra época do ano ou alimentar uma pessoa necessitada para cada dia que o jejum foi quebrado. O muçulmano que cumpre o jejum se purifica ao vivenciar a experiência de quem passa fome. No fim do Ramadã, o muçulmano celebra o Eid-al-Fith, uma das duas principais festas do calendário islâmico.
    123. 123. Realizar a peregrinação a Meca, o "haj". Todos os muçulmanos com saúde e condição financeira favorável deve realizar a peregrinação pelo menos uma vez na vida. Todos os anos, cerca de 2 milhões de pessoas de todas as partes do mundo se reúnem em Meca, sempre com vestimentas simples - para eliminar as diferenças de classe e cultura. No fim da peregrinação, há o festival de Eid-Al-Adha, com orações e troca de presentes - a segunda festa mais importante.
    124. 124. Profeta Maomé
    125. 125. • Maomé nasceu em Meca, no ano de 570. Órfão de pai e mãe, foi criado pelo tio, membro da tribo dos coraixitas. De acordo com historiadores, tornou-se conhecido pela sabedoria e compreensão, tanto que servia de mediador em disputas tribais. Adepto da meditação, ele realizava um retiro quando afirmou ter recebido a primeira revelação de Deus através do anjo Gabriel. Na época, ele tinha 40 anos. As revelações prosseguiram pelos 23 anos restantes da vida do profeta. • Contrário à guerra entre tribos na Arábia, Maomé foi alvo de terroristas e escapou de várias tentativas de assassinato. Enquanto conquistava fiéis, empregava as escrituras na tentativa de pacificar sua terra - tarefa que cumpriu antes de morrer, aos 63 anos, depois de retornar a Meca. Para os muçulmanos, Maomé é uma figura digna de extrema admiração e respeito, mas não é o alvo de sua adoração. Ele foi o último dos profetas a trazer a mensagem divina, mas só Deus é adorado.
    126. 126. Mesquitas
    127. 127. • As construções reservadas para as orações dos muçulmanos são chamadas mesquitas, ou "masjids". Os prédios, contudo, não precisam ser especialmente construídos com esse fim - qualquer local onde a comunidade muçulmana se reúne para orar é uma mesquita. • Há dezenas de milhares de mesquitas no mundo, e elas vão desde as construções mais esplendorosas, com arquitetura riquíssima, às mais modestas, adaptadas dentro de outras estruturas. • A mesquita de Caaba, em Meca, é uma das mais famosas, pois é o centro da peregrinação do "haj". A mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, também é um local muito visitado pelos muçulmanos de todo o mundo - ela abrigaria a pedra de onde Maomé "ascendeu ao céu".
    128. 128. Grupos
    129. 129. Sunitas ou Sunni Sunitas ou sunni correspondem a quase 90% . Sunitas são na sua maioria moderados mas vemos grandes exemplos de sunitas bem mais radicais do que deveriam ser !!! Sunni vem do termo sunna, os preceito baseados no Quran, então sunni significa os seguidores praticantes do ensinamentos do Profeta e dos Califas. Outros dizem que significa caminho moderado.
    130. 130. Sunitas ou Sunni Os sunitas moderados como os que vivem na Síria convivem em harmonia com os cristãos mas em várias partes do mundo sunitas radicais matam cristãos como ocorre na África como na Nigéria, Sudão e outros países que sofreram com a expansão islâmica radical.
    131. 131. Xiitas ou Shias Os shias ou xiitas representam cerca de 8% no mundo. A palavra shi'a significa algo como partido, seita ou seguidores de um pensamento em comum. Eles são bem mais intolerantes - crença do Imanes e que são como mestres para eles, e eles esperam pela volta do 12º Iman, o Iman Mahdi para conquistarem o mundo.
    132. 132. Xiitas ou Shias Um dos xiitas que propagam essa crenças é o presidente Iraniano Mahmoud Ahmadnejad que espera a volta do Iman Mahdi para fazer Israel sumir do mapa. O xiismo também foi responsável por tornar a antiga Pérsia na Republica Islâmica do Iran com os aiatolás radicais que tomaram o país. Os lideres do xiismo usam aquele turbante preto para se diferenciar dos sunitas e dizer que são descendentes do Profeta.
    133. 133. • Ahmadinejad acredita que ele ainda esteja por vir. Ele alega que deva pessoalmente preparar o mundo para a vinda de Mahdi. Para que possa ser salvo, o mundo deve estar em um estado de caos e de subjugação. Ahmadinejad afirma que ele foi “dirigido por Alá para preparar o caminho para o aparecimento glorioso do Mahdi". Esta diretriz apocalíptica inclui algumas proclamações muito assustadoras.
    134. 134. Sufismo Os sufis ou sufismo seria por assim dizer o lado mais mistico do Islam. Os sufis são como monges e vivem em isolados em mosteiros ou em cidades. Os sufis mais conhecidos são os derviches muito comum na Turquia, onde eles dançam, rodopiam em transe, vestido com trajes tradicionais. Muitos muçulmanos descordam que os sufis sejam seguidores do Islam pois eles praticam coisas de outras religiões e se desviar dos preceitos do Islam.
    135. 135. Alawis Os alawi ou alaouitas são um grupo de muçulmanos xiitas sírios que na época do império Otamano lutou pela independência da Síria e em na década de 60 chegou ao poder com Hafez Al Assad e continua até hoje com Bashar.
    136. 136. Alawis Os alawi são moderados e convivem em harmonia com os outros grupos religiosos na Síria, em especial com os cristãos sírios que eram muito perseguidos na época do império Otamano e tiveram que mudar do pais. Por isso tem tanto sírios-libaneses cristãos no Brasil e os primeiros chegaram aqui no século 19. E ao contrario do que se fala na TV hoje sobre eles, os alawitas são bem mais moderados que a maioria dos países governados por sunitas.
    137. 137. Oriente Médio Arábia Saudita 95% de muçulmanos sunitas, 5% de muçulmanos xiitas Berço do Islã, abriga as cidades sagradas de Meca e Medina e adota uma interpretação conservadora da lei islâmica. País natal de Osama bin Laden e de quinze dos 19 seqüestradores dos aviões de 11 de setembro de 2001. Em função de sua boa relação com os EUA, a família real sofre a oposição de vários grupos radicais, incluindo a rede Al Qaeda. Sabe-se, porém, que muitas figuras importantes ajudam a financiar os terroristas muçulmanos.
    138. 138. Oriente Médio Irã 89% de muçulmanos xiitas, 10% de muçulmanos sunitas O país se tornou uma República Islâmica depois da revolução de 1979. Desde então, os aiatolás são a autoridade política máxima, cujo poder se sobrepõe ao do presidente e do parlamento, eleitos em votação popular. Desde o fim da década de 90, o Irã vive uma luta entre os clérigos conservadores e os reformistas, que defendem a flexibilização do regime islâmico.
    139. 139. Oriente Médio Iraque 60% de muçulmanos xiitas, 32% de muçulmanos sunitas No regime de Saddam Hussein (um sunita), o estado era secular, e manifestações religiosas eram proibidas dentro da estrutura do governo. Com a queda do ditador, a maioria xiita pretende ter um papel mais influente no comando do país. A guerra teve um efeito contrário ao esperado pelos EUA: o fanatismo religioso e o terrorismo ligado à religião estão mais fortes que na época de Saddam.
    140. 140. Oriente Médio Egito 94% de muçulmanos sunitas O governo e o sistema judicial são seculares, mas as leis familiares são baseadas na religião e a atuação de grupos radicais ainda é grande. O Egito é o local de origem da primeira facção radical do Islã, a Irmandade Muçulmana, e deu origem também ao grupo Jihad Islâmica. Depois da execução do presidente Anuar Sadat pelos radicais, em 1981, o governo prendeu e matou milhares de pessoas na repressão ao extremismo religioso.
    141. 141. Oriente Médio Territórios palestinos 90% de muçulmanos A sociedade e a política palestinas têm fortes tradições seculares. A revolta contra Israel, no entanto, deu força a grupos religiosos radicais (Hamas, Jihad Islâmica, Brigadas de Mártires de Al Aqsa) e a influência do islamismo na política tornou-se dominante.
    142. 142. Oriente Médio Líbano 41% de muçulmanos xiitas e 27% de muçulmanos sunitas Com uma formação de governo que reflete a distribuição religiosa da população (primeiro-ministro é sempre sunita e o presidente do parlamento, xiita), é a terra do grupo radical Hezbolá. Para os EUA, o Hezbolá é uma organização terrorista; para o Líbano, um movimento legítimo de resistência contra os israelenses e uma organização política legalizada.
    143. 143. Oriente Médio Jordânia 92% de muçulmanos sunitas A família real está no poder desde a independência, em 1946 - e sua aceitação se baseia no fato de que os príncipes seriam descendentes diretos do profeta Maomé. A sociedade é conservadora e a interpretação do Islã é rigorosa - costumes de séculos atrás são mantidos graças à religião. Outros países de maioria muçulmana: Iêmen, Omã, Emirados Árabes Unidos, Catar, Bahrein, Kuwait, Síria
    144. 144. Europa Turquia 99,8% de mulçumanos Estado secular, a Turquia garante liberdade religiosa a população. Na prática, porém, os costumes e crenças do islamismo tem grande influência sobre o comando do país. O partido que conquistou o poder em 2002, por exemplo, tem raízes islâmicas, apesar de se descrever como "conservador".
    145. 145. Europa Kosovo 92% de muçulmanos Palco de uma violenta campanha de perseguição pelos sérvios, o território foi ocupado pela Otan e teve seu controle assumido pela ONU em 1999. Isso não impediu a morte de 10.000 pessoas e a fuga de cerca de 1,5 milhão para a Albânia ou para a região da fronteira.
    146. 146. Europa Albânia 70% de muçulmanos Chechenia maioria de muçulmanos Desde o fim da União Soviética, a república russa vem sendo palco de violentos confrontos entre o governo de Moscou e as forcas separatistas formadas pelos radicais islâmicos. No período em que a Rússia retirou suas forcas do território, o islamismo tornou-se religião oficial.
    147. 147. Europa Uzbequistão 88% de muçulmanos Estado secular, viu o islamismo ganhar forca nos anos 90. Junto com esse crescimento, surgiram os grupos radicais contrários ao governo. Depois de uma serie de atentados, as forcas do governo reprimiram os radicais. Os grupos, porém, continuam em atividade. Outros países de maioria muçulmana: Azerbaijão, Turcomenistão, Quirgistão, Tadjiquistão, Cazaquistão
    148. 148. Estados Unidos O palco do maior ato de terrorismo islâmico da Historia tem mais de 6 milhões de muçulmanos e em torno de 2.000 mesquitas. Entre os seguidores da religião nos EUA, 77,6% são imigrantes, e 22,4%, americanos natos. Apesar do 11 de setembro de 2001, o islamismo esta crescendo: estima-se que, no ano de 2010, a população muçulmana supere a judaica - apenas o cristianismo terá mais seguidores.
    149. 149. Brasil Um dos maiores países católicos do mundo tem uma comunidade islâmica relativamente grande - e seus números vem crescendo. A quarenta anos a comunidade árabe brasileira tinha uma única mesquita. Atualmente são mais de 50 templos, espalhados por todo o pais e freqüentados por entre 1,5 e 2 milhões de fieis. Não ha atuação de grupos extremistas armados no território brasileiro.
    150. 150. Acordem senhores congressistas, já que o governo não dá bola: terrorista alicia homens pobres do interior do Brasil para fazer curso de religião no Irã Blog Veja Reinaldo Azevedo 18/04/2011
    151. 151. Festas e datas As duas principais festividades do islamismo são: 1. Eid-Al-Adha, que coincide com a peregrinação anual a Meca,
    152. 152. 2. Eid-al-Fith, quando se quebra o jejum do mês do Ramadã. O mês sagrado, aliás, é o principal período do calendário islâmico. Os muçulmanos xiitas também comemoram o Eid-al-Ghadir - aniversário da declaração de Maomé indicando Ali como seu sucessor. Outras festas islâmicas são o aniversário de Maomé (Al-Mawlid Al-Nabawwi) e o aniversário de sua jornada a Jerusalém (Al-Isra Wa-l-Miraj).
    153. 153. Conversão
    154. 154. Conversão Não é preciso ter nascido muçulmano ou ser casado com um praticante da religião. Também não é necessário estudar ou se preparar especialmente para a conversão. Uma pessoa se torna muçulmana quando proferir, em árabe e diante de uma testemunha, que "não há divindade além de Deus, e Mohammad é o Mensageiro de Deus
    155. 155. Conversão O processo de conversão extremamente simples é apontado como um dos motivos para a rápida expansão do islamismo pelo mundo. A jornada para a prática completa da fé, contudo, é muito mais complexa. Nessa tarefa, outros muçulmanos devem ajudar no ensinamento.
    156. 156. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Comportamento violento e atitudes. Islamismo e cristianismo - há um “espírito” do islamismo e um Espírito do cristianismo - Do Espírito de Cristo e do “espírito” do islamismo vieram os ensinos do islamismo e o comportamento dos muçulmanos. “O Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito” (Jo 14:26).
    157. 157. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Quando Jesus enviou os Seus discípulos: “Eis que Eu vos envio como cordeiros para o meio de lobos. Não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho. Ao entrardes numa casa, dizei: ‘Paz seja nesta casa!’… Quando entrardes numa cidade e ali vos receberem, comei do que vos for oferecido. Curai os enfermos que nela houver e anunciai-lhes: ‘A vós outros está próximo o reino de Deus. Quando, porém, entrardes numa cidade e não vos receberem, saí pelas ruas e clamai: ‘Até o pó da vossa cidade, que se nos pegou aos pés, sacudimos contra vós outros’” (Lc 10:3-11).
    158. 158. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Alá mandou seus discípulos como lobos para conquistar as cidades. Jesus pediu que seus discípulos não levassem bolsa, alforje ou sandália, mas Alá mandou que Maomé instruísse seus discípulos a levarem espadas ao entrar nas cidades.
    159. 159. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy “Portanto, quando vocês encontrarem os infiéis [numa batalha], agarrem-nos pela garganta; e depois de os subjugarem completamente, amarrem [a eles] com um laço bem apertado; depois, [é tempo para] generosidade ou resgate, até que a guerra deponha o seu fardo” (Alcorão, Sura 47:4).
    160. 160. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Os muçulmanos não sentem vergonha de Maomé e os Califas terem usado a espada para abrir outros países para o islamismo e forçar os não muçulmanos a se converterem ao islamismo. Na guerra dos apóstatas, eles também obrigaram os muçulmanos que deixaram o islamismo depois da morte de Maomé a voltarem para os islamismo. Até a bandeira da Arábia Saudita, a pátria dos islamismo, contém duas espadas. A maioria dos países do Golfo ainda usa espadas não só nas lutas, mas também nas danças.
    161. 161. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Alguns podem alegar que estas matanças aconteceram no tempo de Maomé, mas que os muçulmanos de hoje não encorajam a morte de ninguém, mesmo de quem muda de religião, porque o Alcorão diz que a religião não é obrigatória. Mas, isto não é verdade, mesmo que o governo seja secular e não aplique tanto a Lei Xaria (lei islâmica).
    162. 162. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy No dia 2 de janeiro de 1986, as autoridades egípcias prenderam oito homens e mulheres. Foram acusados de deixar o islamismo e abraçar o cristianismo. Depois que eles foram presos, um líder muçulmano escreveu para o governo exigindo que fossem executados.
    163. 163. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy No dia 2 de julho de 1986, o jornal Luz Islâmica, publicado pelo partido Ahrar (homens livres), disse num artigo intitulado “A Questão do Absurdo”: “Duas coisas nós consideramos absurdas. A primeira, é que a igreja egípcia está exigindo a libertação imediata deles e ter contatado a Anistia Internacional para manifestar a sua indignação pela prisão de oito pessoas por causa da sua apostasia do islamismo.
    164. 164. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Quanto ao cristianismo, quando os líderes religiosos vieram prender e matar Jesus, Seu discípulo Pedro tomou a espada e cortou a orelha do servo. Pedro não estava tentando forçar ninguém a aceitar a sua nova religião, mas estava defendendo o seu Senhor e Mestre e a si mesmo.
    165. 165. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Mas, Jesus lhe ordenou: “Embainha a tua espada, pois todos os que lançam mão da espada, à espada perecerão” (Mt 26:52). Sempre que alguém fizer uso da espada para matar outra pessoa, especialmente se a morte for “em nome de Deus”, a maldição de usar a espada vai segui-lo sempre.
    166. 166. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Os muçulmanos não crêem que Deus é Espírito, por isso eles pensam que o Espírito Santo é o Anjo Gabriel. Não vamos encontrar no islamismo nenhuma explicação sobre o que Deus quer dizer por “espírito”. Quando os companheiros de Maomé lhe perguntaram sobre o espírito, ele não soube responder.
    167. 167. Cristianismo e o Islamismo Dr Salim Almahdy Até Alá se negou a responder à pergunta deles na Sura 17:85: “Eles te perguntam sobre o espírito; dize-lhes que o espírito é do meu Senhor.” Mas, Jesus declarou claramente na conversa com a mulher samaritana: “Deus é Espírito” (Jo 4:24).
    168. 168. Grade de comparação entre cristianismo e doutrina islâmica
    169. 169. 1)Termo: Vida após a morte Cristianismo : Cristãos estarão com o Deus no céu (Filipenses 1:21- 24; 1 Coríntios 15:50-58). Os não cristãos serão lançados no inferno para sempre (Mateus. 25:46). O Paraíso é um estado intermediário entre a morte e a ressurreição (Lc.19:16-31). O Inferno e todos os infiéis serão lançados no lago de fogo para todo o sempre (Ap. 20:14). Islamismo : Há uma vida após a morte (75:12) uma vida ideal no Paraíso (29:64), para muçulmanos fiéis ou Inferno para os que não são.
    170. 170. 2)Termo: Reconciliação Cristianismo: O sacrifício de Cristo na cruz (1 Pedro 2:24) por meio do Seu sangue torna-se o Sacrifício que leva embora a ira de Deus (1 Jo. 2:2) do pecador quando o pecador o recebe (João 1:12), pela fé (Romanos. 5:1), no trabalho de Cristo na cruz. Islamismo: Não há nenhum trabalho de reconciliação no Islã diferente de uma sincera confissão de pecado e arrependimento pelo pecador.
    171. 171. 3)Termo: Bíblia Cristianismo: Inspirada por Deus e formulada sem erros (2 Timóteo. 3:16). Islamismo: Palavra respeitada dos profetas mas a Bíblia foi corrompida pelos séculos e só é correta na medida em que concorda com o Alcorão.
    172. 172. 4)Termo: Crucificação Cristianismo: O lugar onde o Jesus expiou pelos pecados do mundo. Só por este sacrifício que qualquer um pode ser salvo da ira de Deus (1 Pedro 2:24). Islamismo: Jesus não morreu na cruz. Ao invés, Deus permitiu que Judas se parecesse com Jesus e este fosse crucificado.
    173. 173. 5) Termo: Deus Cristianismo: Deus é uma trindade de pessoas: Pai, Filho, e Espírito Santo. A Trindade não são três deuses em um deus, nem uma pessoa que tem três formas. Trinitarianismo é estritamente monoteístico. Não há nenhum outro Deus em existência. (Mt. 28:19).
    174. 174. 5) Termo: Deus Islamismo: Deus é conhecido como Alá. Alá é uma pessoa, uma unidade rígida. Não há nenhum outro Deus em existência. Ele é o criador do universo (3:191), soberano acima de tudo (6:61-62). No alcorão lemos acerca de Maomé: Fui mandado adorar o senhor desta Terra (ou metrópole) – (Sura 27:91). Alá era um nome que se usava para um dos deuses da Arábia, que era conhecido como o pai das deusas Lat, Uzza e Manat, adoradas por muito.
    175. 175. 6)Termo: Céu (Paraíso) Cristianismo: O lugar onde Deus mora. Céu é a casa dos cristãos que são salvos pela graça de Deus. É céu porque é onde Deus e os cristãos desfrutarão amizade eterna com Ele. (Jo. 14:1-3; II 5:1).
    176. 176. 6)Termo: Céu (Paraíso) Islamismo: Paraíso para muçulmanos, um lugar de alegrias inimagináveis (32:17), um jardim com árvores e comida (13:35;15:45- 48) onde são conhecidos os desejos de muçulmanos fiéis, (3:133; 9:38; 13:35; 39:34; 43:71; 53:13-15). Interessante é que há promessas de virgens belas só para os homens (Sura 56:1-56), deveria haver promessas de jovens belos para as mulheres também! Mas não há. O céu do islamismo parece algo bem estranho aos olhos de quem conhece a Bíblia, principalmente no NT que condena veemente a poligamia e a prostituição (I Cor.7).
    177. 177. 7) Termo: Inferno Cristianismo: Um lugar de tormento em fogo fora da presença de Deus. Não há fuga do Inferno (Mateus 25:46). Islamismo: Inferno é um lugar de castigo eterno e tormento (14:17; 25:65; 39:26), em fogo (104:6-7) para esses que não são os muçulmanos (3:131) bem como esses que de quem o trabalho e a fé não são suficientes (14:17; 25:65; 104:6-7).
    178. 178. 8) Termo: Espírito Santo Cristianismo: Terceira pessoa da Trindade. O Espírito Santo é completamente Deus em natureza. (Jo. 14:26).
    179. 179. 8) Termo: Espírito Santo Islamismo: O arcanjo Gabriel que entregou as palavras do Alcorão a Maomé. Os eruditos muçulmanos aplicam o texto de João 14:16 como se fosse uma referência a Maomé, pois no “Alcorão”, livro sagrado dos islâmicos, ele é chamado de “Ahmad” (periclytos – que eles consideram a forma correta de parakletos. Acontece porém que o texto no original grego do Novo Testamento não traz “periclytos” (o que é louvado), mas “parakletos” que é consolador.
    180. 180. 8) Termo: Espírito Santo Islamismo: Para tentar dar consistência a seus argumentos os apologistas islâmicos se apegam ao evangelho apócrifo de Barnabé que ao invés de trazer a forma correta “parakletos”, traz “periklytos” que expressa o significado do nome Maomé.
    181. 181. 9) Termo: Jesus Cristianismo: Segunda pessoa da Trindade. Ele é a palavra que se tornou carne (João 1:1, 14). Ele é Deus e homem (Colossenses. 2:9). Islamismo: Um grande profeta, só sucede a Maomé. Jesus não é o filho de Deus (9:30) e certamente não é divino (5:17, 75)) e ele não foi crucificado (4:157). Ou seja, o Jesus do Islamismo é um outro Jesus (II Cor. 11:4).
    182. 182. 10) Termo: Dia do julgamento Cristianismo: Acontece no dia da ressurreição (João 12;48) onde Deus julgará todas as pessoas. Os cristãos vão para o céu. Todos os outros para o inferno (Mateus. 25:46). Islamismo: Acontece no dia da ressurreição onde Deus julgará todas as pessoas. Muçulmanos vão para o paraíso. Todos os outros para o inferno (10:53-56; 34:28). O Julgamento está baseado nas ações de uma pessoa (14:47-52; 45:21-22).
    183. 183. 11) Termo: Alcorão Cristianismo: O trabalho de Maomé não é inspirado, nem é considerado como escritura. Não há nenhuma verificação precisa dos originais. É um livro que não está estribado no amor, pois manda perseguir e matar os inimigos, enquanto que o NT manda oferecer a outra face (Mt. 5:39).
    184. 184. 11) Termo: Alcorão Islamismo: A revelação de Deus para todo gênero humano dado pelo arcanjo o Gabriel para Maomé num período de mais de 23 anos. Está sem erro e resguardada de erros por Alá. Apesar disso, os muçulmanos acreditam que alguns versos mais antigos foram substituídos. Alguns especialistas afirmam que 225 versos foram suprimidos, o que é motivo de constrangimento para os muçulmanos.
    185. 185. 12) Termo: Homem Cristianismo: Feito à imagem de Deus (Gênesis 1:26). Isto não significa que Deus tem um corpo, mas que o homem é feito como Deus em suas habilidades (razão, fé, amor, etc.). Islamismo: Não feito na imagem de Deus (42:11). O Homem é feito do pó da terra (23:12) e Alá soprou o fôlego da vida no homem (32:9; 15:29).
    186. 186. 13) Termo: Muhammad ou Maomé Cristianismo: Um homem não inspirado nascido em 570 em Mecca que começou a religião islâmica que é completamente diferente da ensinada por Jesus Cristo. Islamismo: O último e maior de todos os profetas de Alá e o Alcorão é o maior de todos os seus livros.
    187. 187. 14)Termo: Pecado original Cristianismo: Este é um termo que descreve o efeito do pecado de Adão nos seus descendentes (Rom. 5:12-23). Especificamente, é nossa herança da natureza pecaminosa de Adão. A natureza pecaminosa de Adão é passada de pai para filho. Nós somos por natureza os filhos da ira (Efésios. 2:3). Islamismo: Não existe nenhum pecado original. Todas as pessoas são sem pecado até que eles se rebelem contra Deus. Elas não têm natureza pecaminosa.
    188. 188. 15) Termo: Ressurreição Cristianismo: Ressurreição de todas as pessoas, são ressuscitados os não cristãos para condenação eterna e cristãos à vida eterna (1 Cor. 15:50-58). Islamismo: Ressurreição, alguns para o céu, alguns para o inferno (3:77; 15:25;75:36-40; 22:6).
    189. 189. 16) Termo: Salvação Cristianismo: Um dom gratuito de Deus (Efésios. 2:8-9) para a pessoa que acredita em Cristo e no Seu sacrifício na cruz. Ele é o nosso mediador (1 Timóteo. 2:5). nenhum esforço é de qualquer forma suficiente para merecer a salvação desde que nossos esforços são todos inaceitáveis a Deus (Isaías 64:6). Islamismo: A salvação depende do esforço e das boas obras de cada um.
    190. 190. •VEJAMOS O VIDEO
    191. 191. O JUDAÍSMO HISTÓRIA - SÍMBOLOS - RITOS – COSTUMES E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
    192. 192. HISTÓRIA DO JUDAÍSMO Segundo a Bíblia, no capítulo 12 do livro de Gênesis, Abrão recebeu uma promessa divina para deixar a sua terra e a de sua família. por volta de 2000 a.C.
    193. 193. JUDAÍSMO Deste encontro marcante, iniciou a história daqueles que seriam por muito tempo, o povo de Deus, e que até hoje ainda luta por seus direitos adquiridos através da Promessa de Deus a Abraão nesse encontro.
    194. 194. JUDAÍSMO
    195. 195. JUDAÍSMO Abraão compreendeu que só havia um Deus E que esse Deus regia tudo. Assim os descendentes de Abraão deu Origem ao povo Judeu. O Monoteísmo foi a maior contribuição do povo Judeu à humanidade e princípio fundador do judaísmo.
    196. 196. JUDAÍSMO Seu poder patriarcal passou a seu filho Isaac e deste para Jacob que depois o passou para seus doze filhos. Um destes, chamado José, vendido como escravo ao Faraó.
    197. 197. JUDAÍSMO Governados por patriarcas, os hebreus viveram na palestina durante três séculos. Os principais patriarcas hebreus, foram Abraão, Isaac, Jacó (também chamado Israel, daí o nome israelita), Moisés e Josué.
    198. 198. JUDAÍSMO Por volta de 1750 a.C. uma terrível seca atingiu a Palestina. Os hebreus foram obrigados a deixar a região e buscar melhores condições de sobrevivência no Egito.
    199. 199. JUDAÍSMO Moisés, um desses meninos, jogado às águas do Nilo, foi salvo pela filha do Faraó e educado na côrte do rei. Mais tarde esse menino seria o libertador daquele povo . Efetivamente, por decreto divino, Moisés organizou o grande êxodo dos israelitas, que segundo a Bíblia foi de 600.000 homens. Em busca da terra prometida atravessaram o golfo ocidental do Mar Vermelho e passaram 40 anos no deserto experimentando todas as dificuldades da vida nômade.
    200. 200. JUDAÍSMO
    201. 201. JUDAÍSMO Ao pé do Monte Sinai, Moisés deu aos israelitas o Decálogo, ou seja, os dez mandamentos, supremo código moral da humanidade.
    202. 202. JUDAÍSMO De volta à Palestina, sob a liderança de Josué, os hebreus tiveram de lutar contra o povo cananeu e , posteriormente, contra os filisteus. Josué (sucessor de Moisés), distribuiu as terras conquistadas entre as doze tribos de Israel.
    203. 203. JUDAÍSMO
    204. 204. OS JUIZES Josué foi sucedido pelos Juízes, entre os quais Jefté, Sansão e a profetisa Débora. O último dos juízes foi Samuel.
    205. 205. OS JUIZES
    206. 206. OS REIS O primeiro rei dos hebreus foi Saul (1010 a.C.). Depois veio o rei Davi (1006-966 a.C.). Com a conquista de toda a Palestina, a cidade de Jerusalém tornou-se a capital política e religiosa dos hebreus. O sucessor de Davi foi seu filho Salomão(966-926 a.C.) o qual levou o país ao cume da felicidade e causou a admiração de todo o Oriente e Ocidente por sua sabedoria, seu reinado marcou o apogeu do reino hebraico.
    207. 207. OS REIS pesados impostos
    208. 208. FIM DA MONARQUIA Com a morte de Salomão, essas revoltas provocaram a divisão religiosa e política das tribos e o fim da monarquia unificada. Formaram-se dois reinos: ao norte, dez tribos formaram o reino de Israel, com capital em Samaria e, ao sul, as duas tribos restantes formaram o reino de Judá, com capital em Jerusalém.
    209. 209. OS REIS A)- Reis de Israel: Jeroboão; Nadabe; Baasa; Elá; Zimri; Omri; Acabe; Acazias; Jorão; Jeú; Jeoacaz; Joás; Jeroboão II; Zacarias; Salum; Manaém; Pecaías; Peca e Oséias. Total de 19 reis. B)- Reis de Judá; descendentes de Davi: Roboão; Abias; Asa; Josafá; Jorão; Acazias; Atalia (rainha); Joás; Amazias; Azarias(=Uzias); Jotão; Acaz; Ezequias; Manassés; Amom; Josias; Jeoacaz(=Salum); Jeoiaquim(=Eliaquim); Joaquim(=Jeconias) e Zedequias(=Matanias). Total de 20 reis.
    210. 210. FIM DA MONARQUIA O reino foi dividido entre Roboão e Jeroboão, seu adversário, tendo havido entre eles uma luta constante.
    211. 211. FIM DA MONARQUIA
    212. 212. O CATIVEIRO Em 722 a.C., os reinos de Israel foram conquistados pelos assírios, comandados por Sargão II. Grande parte dos hebreus foi escravizada e espalhada pelo Império Assírio. Em 587 a.C., o reino de Judá foi conquistado pelos babilônios, comandados por Nabucodonosor. Os babilônios destruíram Jerusalém e aprisionaram os hebreus, levando-os para a Babilônia. Esse episódio ficou conhecido como o
    213. 213. O RETORNO O rei persa Ciro II conquistou a Babilônia, e puderam então retornar à Palestina, que se tornara província do Império Persa e reconstruíram então o templo de Jerusalém. (538 a.C) Tornaram província dos impérios persa, macedônio e romano. Alexandre morre deixando um grande legado helenístico. O helenismo foi a concretização de um ideal de Alexandre: o de levar e difundir a cultura grega aos territórios que conquistava.
    214. 214. REVOLTA HASMONIANA Os Macabeus encabeçaram a revolta contra as forças Sírias de Antioco IV e rededicou o Templo a Jeová, pois este havia sido violado e dedicado a Zeus.
    215. 215. DIÁSPORA No ano 70 da nossa era, o imperador romano Tito, sufocou uma rebelião hebraica e destruiu o segundo templo de Jerusalém. Os hebreus, então, dispersaram-se por várias regiões do mundo. Esse episódio ficou conhecido como Diáspora. No ano de 136, sofreram a Segunda Diáspora, no reinado de Adriano (imperador romano), os judeus foram definitivamente expulsos da Palestina.
    216. 216. O IXÍLIO
    217. 217. O IXÍLIO Ruínas da antiga sinagoga de Kfar Bar'am, na Galileia.
    218. 218. A TORÁ No final da época do Segundo Templo, os Sábios temeram que a Torá Oral fosse esquecida. Então, decidiram escrever tudo aquilo que era estudado, e as diferentes opiniões de cada Beit Midrash. Mil e quinhentos anos após a outorgada da Torá no Monte Sinai, escreveram a Mishná. (compilado entre 170 e 220 a.e.c.) Após algum tempo compilaram o Talmud, explicando as opiniões dos Sábios sobre a Mishná. TALMUD = EXEGESE DA MISHNÁ
    219. 219. A MISHNÁA Mishná está dividida em 6 ordens. I.ZERAIM "Sementes": Acerca da agricultura, exceto o tratado Berachot, dedicado às "bênçãos". II.MOED "Festa": Sobre o sábado e as festividades. III.NASHIM "Mulheres": Direito matrimonial. IV.NEZIQUIN "Danos": Direito civil e penal. V. CODASHIM "Coisas Sagradas": Sacrifícios e serviço do Templo. VI. TAHAROT "Purezas": Leis de pureza e impureza.
    220. 220. POVO ISRAELITA Somente em 15 de maio de 1948, os judeus puderam se reunir num Estado independente, com a determinação da ONU que criou o Estado de Israel. Atualmente, estima-se que exista, ao redor do mundo, uma população judaica de aproximadamente 13 milhões de pessoas, concentradas principalmente nos Estados Unidos e em Israel. No séc XIX (1897) acontece o movimento chamado de SIONISMO.
    221. 221. POVO ISRAELITA Os Judeus chamam essa terra de Israel Os Árabes chamam de Palestina O CONFLITO CONTINUA Ambos querem Jerusalem como capital
    222. 222. ISRAEL X PALESTINA
    223. 223. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS O judaísmo é berço das mais importantes tradições religiosas, do qual deu origem ao Islamismo e o Cristianismo. Revela um único Deus que constitui o seu povo e falando com Ele através de líderes e projetos cuja palavra ecoa viva e atuais.
    224. 224. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS A circuncisão é o principal sinal eterno de comunhão entre os judeus e Deus. Na aliança estabelecida entre Deus e Abraão.
    225. 225. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Não abandonar a família, nem a sua descendência. Nessa promessa há o comprometimento em não ter riqueza nem privilégios. Por essa promessa Abraão rejeita ídolos e a prática imoral dos politeístas, para buscar um único Deus, de amor e justiça, criador de toda humanidade. .
    226. 226. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
    227. 227. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS As manifestações religiosas cotidianas A liturgia cotidiana do judeu compreende três orações: a da noite, a da manhã e a da tarde. O objetivo da oração é renovar a fé com um ato que confirma a identidade judaica e a esperança em Deus..
    228. 228. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS A ESPERANÇA Para os judeus, crer na vinda do Messias é esperar que virá um tempo chamado em hebraico "os dias do Messias", em que reinarão a paz, a justiça e a fraternidade. Esses dias serão uma benção para todas as nações. Jerusalém será o centro espiritual do universo, no qual se erguerá "uma casa de oração para todas as nações" (Isaías 56,7).
    229. 229. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS O estudo da Torá é o primeiro de todos os mandamentos e vem até antes da oração. São os pais que, principalmente, têm o dever de ensinar a Torá aos filhos.
    230. 230. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS A Mezuzá A Mezuzá contém duas passagens bíblicas que mencionam o mandamento Divino de afixá-la nos umbrais das portas: “Shemá” e “Vehaiá” (Devarim 6,4-9 e 11,12-21).O “Shemá” proclama a unicidade do Deus único e nosso eterno e sagrado dever de servi-Lo, e somente a Ele. O “Vehaiá” expressa a garantia Divina de que nossa observância dos preceitos da Torá será recompensada e nos previne sobre as consequências se os desobedecermos.
    231. 231. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
    232. 232. SÍMBOLOS JUDAICOS Numerosos símbolos e rituais são partes da vida dos judeus religiosos. Eles devem ajudar a fazer com que a adoração de Deus e o cumprimento da lei façam parte de todas as situações do cotidiano.
    233. 233. SÍMBOLOS JUDAICOS O principal objetivo do culto de adoração na sinagoga é o rolo de Torá.
    234. 234. SÍMBOLOS JUDAICOS O símbolo sagrado do judaísmo é o Menorá, candelabro com sete braços. A função da Menorá é a de dar luz através de suas velas. Na Torá e no judaísmo a luz simboliza a sabedoria e a inteligência. O poder da vela é sua influência sobre o homem. A luz da vela penetra no homem através dos olhos, porém exerce sua influência também sobre sua mente e sua alma.
    235. 235. SÍMBOLOS JUDAICOS Como sinal de reconhecimento do judaísmo, surgiu o símbolo de Davi.
    236. 236. RITUAIS JUDAICOS O primeiro ritual importante na vida de um homem judeu é a circuncisão. É o sinal mais importante da aliança de Abraão com Deus. As meninas geralmente recebem seus nomes no primeiro sábado após o nascimento, na sinagoga.
    237. 237. RITUAIS JUDAICOS Bar-mitzvah – Aos treze anos o menino judeu está religiosamente maduro. Bat-mitzvah – Aos doze anos as meninas já são consideradas maduras em religião.
    238. 238. RITUAIS JUDAICOS Casamento – É desejado por todos os judeus. Figura como a vontade de Deus. Os parceiros devem encontrar ali a realização, mas também possivelmente ter crianças. Ressurreição – acreditam na ressurreição dos mortos. Uma vez que um morto é considerado ritualmente impuro, deve ser enterrado o mais rapidamente possível.
    239. 239. LUGARES SANTOS Muro das Lamentações – Hoje ele é cultuado como o recanto mais sagrado do Judaísmo, pois é o último vestígio do segundo templo judaico. No lado direito rezam as mulheres, no lado esquerdo, os homens. Muitas vezes eles prendem pequenas folhas de papel com orações nas fendas do muro.
    240. 240. LUGARES SANTOS Hebron e a caverna de Machpela – Cidade santa, que fica no sul de Jerusalém, destino de peregrinação para os cristãos e muçulmanos.
    241. 241. LUGARES SANTOS Tiberíades – centro de ensino da lei. Após destruição de Jerusalém ali se formou um local de refúgio e centro cultural para os judeus.
    242. 242. LUGARES SANTOS Zefat – cidade do misticismo – ( Safed e Safad) é uma pequena e pitoresca cidade da Galileia. Os judeus deslocados da Espanha e de Portugal fundaram ali um novo centro intelectual.
    243. 243. AS FESTAS RELIGIOSAS O judaísmo tem muitos festas religiosas e celebra-as geralmente por vários dias. Seu calendário é lunar, os feriados acontecem em dias diferentes de um ano para o outro.
    244. 244. AS FESTAS RELIGIOSAS Rosh há-Schama - Ano novo – Dia do Julgamento – (Setembro) Yom kipur – Dia da Reconciliação Sukkot – Festa de agradecimento pela colheita e um lembrete de como Deus conduziu e protegeu os israelitas durante seus 40 anos no deserto. (Outubro) Simchá Tora – Festa da alegria da Tora. Os rolos da Tora são levados numa procissão ao redor da sinagoga, entre gritos e danças. Pessach – Páscoa - A libertação da escravidão do povo judeu no Egito. (Março) Shavuot – (Pentecoste), Festa da colheita do centeio e relembra o aparecimento de Deus no Monte Sinai. (Maio, sete dias após o Pessach) Hanuká – “inauguração” – Festa das Luzes – lenda do óleo - (Dezembro) Purim - celebrada no final de fevereiro. “livrar-se”. Lembra um acontecimento bíblico. Livro de Ester.
    245. 245. VEJAMOS O VIDEO
    246. 246. O que é Maçonaria:  Maçonaria é uma sociedade discreta, onde suas ações são reservadas e interessa apenas àqueles que dela participam. A maçonaria é uma sociedade universal, cujos membros cultivam o aclassismo, humanidade, os princípios da liberdade, democracia, igualdade, fraternidade e aperfeiçoamento intelectual. A maçonaria admite que todo homem é livre e possui bons costumes, não fazem distinção de raça, religião, ideário político ou posição social. Suas únicas exigências são que o candidato possua um espírito filantrópico e de buscar sempre a perfeição.
    247. 247.  Os maçons estruturam-se e reúnem-se em células autônomas, designadas por oficinas, ateliers ou lojas, todas iguais em direitos e honras, e independentes entre si. Existem, no mundo, aproximadamente 6 milhões de integrantes espalhados pelos 5 continentes. Destes 3,2 milhões nos Estados Unidos, 1,2 milhões no Reino Unido e 1,0 no resto do mundo. No Brasil existem aproximadamente 150 mil maçons e 4.700 lojas.  O termo maçonaria é de origem francesa, e significa construção. O termo maçom portanto é a versão em português do francês; maçonaria por extensão significa "associação de pedreiros".
    248. 248.  Para ser membro da maçonaria não basta a autoproclamação, é preciso um convite formal e é obrigatório que o indivíduo seja iniciado por outros maçons. Além disso, para se manter na ordem dos maçons, é necessário cumprir uma série de juramentos e obrigações, sejam elas esotéricas ou simbólicas; o maçom também deve estar integrado em uma loja.
    249. 249. Origem da Maçonaria  A maçonaria começou como uma sociedade secreta que surgiu vinculada às ideias dolaicismo humanitário e liberal do iluminismo. Originalmente era uma das sociedades secretas que chegara ao século XVII se apoiando em fundamentos de filosofia natural e até mítico- alquímicos, tal como se depreende do simbolismo dos signos e dos números (a tríade, o triângulo, o círculo). Formavam corporações privilegiadas, que se furtavam de toda a regulamentação municipal e guardavam os segredos da profissão. É especificamente maçônico o vínculo com a tradição da construção: daí procede a sua terminologia, os seus objetos de culto, emblemas e o ritual (martelo, paleta, esquadro, mandil), bem como os graus de mestre, companheiro e aprendiz. A Grande Loja de Maçonaria foi criada na Inglaterra em 1717, e unia as quatro lojas londrinas. O líder eleito era conhecido como Grão-Mestre. Aberta a todos as crenças religiosas, a Maçonaria se transformou em um receptáculo da filosofia das Luzes e depressa se estendeu a todo o Continente europeu.
    250. 250.  No final do século XVIII já existiam 700 lojas em França, compostas por grande quantidade de nobres e membros da classe média e do clero, apesar dos Papas Clemente XIII e Bento XIV terem proibido a maçonaria em 1738 e 1751.  Maçonaria e Política  Embora não seja clara a influência política exercida pela maçonaria, é sabido que a ela pertenceram personagens como George Washington e Benjamin Franklin, sendo que os princípios maçônicos se refletem na declaração de independência dos Estados Unidos. A Revolução Francesa também usou a maçonaria para obter o lema "Liberdade, igualdade, fraternidade".
    251. 251. VEJAMOS OS VIDEOS
    252. 252. Satanismo
    253. 253. Satã- Etimologia: • Em hebraico o termo quer dizer “adversário”, “opositor”, “se opondo”, “aquele que planeja contra outro”. • O termo Satã originou-se do Judaísmo e se expandiu entre cristãos e seguidores do Islamismo, chegando desse modo a disseminar-se entre diferentes culturas. O termo Satanismo foi utilizado pelas religiões abraâmicas para designar práticas religiosas que consideravam estar em oposição direta ao Deus abraâmico (o Deus de Abraão).
    254. 254. As Origens Mitológicas de Satã Satã na Bíblia: • Em Gênesis (capítulo 3) Satã aparece sob a forma de serpente, habitando o paraíso ao lado de Adão e Eva. Sua presença junto à Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal é simbolicamente importante e, até certo ponto, esclarecedora. Sua oferta à humanidade então nascente de fazê-la despertar e tornar-se, por assim dizer, divina, mostrou-se irresistível.
    255. 255. As Origens Mitológicas de Satã Satã na Bíblia: • Em I Crônicas 21:1 aparece instigando Davi a fazer um censo de Israel: “Então Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar Israel.” • Apareceu para Jesus, quando este estava no deserto: “E esteve no deserto quarenta dias sentado tentado por Satanás; estava entre as feras, e os anjos o serviam.” (Marcos 1:13)
    256. 256. As Origens Mitológicas de Satã Satã na Bíblia: • Em Apocalipse 12:9: “E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, que se chama o Diabo e Satanás, que engana todo o mundo; foi precipitado na terra, e os seus anjos foram precipitados com ele.” • Dentre diversas outras aparições, em diferentes conotações, em Ezequiel, Jó, Zacarias, Mateus, Tiago, Marcos, 1 Pedro, etc.
    257. 257. Satã e (é?) Lúcifer: • Em latim, o nome Lucifer, “Portador de Luz” era dado à Estrela d'Alva ou Estrela da Manhã, o planeta Vênus em suas aparições matinais. Na Vulgata, versão canônica da Bíblia para o latim ao longo da maior parte da existência da Igreja Católica, essa palavra é usada nesse sentido por duas vezes:  Isaías ,14:12-15  II Pedro, 1:19
    258. 258. Satã e (é?) Lúcifer: • Em Isaías cap. 14, aparece como tradução do hebraico ‫הילל‬ (Hêlēl) que também significa “Estrela d'Alva”, ou mais precisamente ‫הילל‬‫בן־ׁשחר‬ (Hêlēl ben Shahár), “Estrela d'Alva, filho da Manhã”, vertido na Vulgata como Lucifer qui mane oriebaris (literalmente, "Estrela d'Alva que nascia da Manhã"). Nessa passagem, como o próprio profeta deixa claro, o nome é dado ao rei da Babilônia, cuja tirania haveria de cair.
    259. 259. Satã e (é?) Lúcifer: • Na Segunda Epístola de Pedro, 1:19, traduz o grego Φωσφόρος, Phosphoros, que tem exatamente o mesmo sentido literal de “Portador de Luz" do latim e neste caso é uma metáfora para Cristo ou o cristianismo.
    260. 260. Satã e (é?) Lúcifer: • A palavra Lucifer também aparece duas vezes na versão da Vulgata do livro de Jó, com outros sentidos. Uma vez, como tradução da palavra ‫בקר‬ (“manhã”) em Jó 11:17. Outra, como tradução de ‫מזרות‬ (“constelações”) em 38:32. Aparece ainda no Salmo 109 (numeração católica) como tradução de ‫ׁשחר‬ (Shahar, “manhã”).
    261. 261. Satã e (é?) Lúcifer: • A identificação com Satã aparece pela primeira vez na Vida de Adão e Eva e no primeiro Livro de Enoc, escritos no século I a.C. Neste, Satã – ou Sataniel – é descrito como tendo sido um dos arcanjos. Porque ele planejou "erigir seu trono acima das nuvens mais altas e se assemelhar a 'Meu poder' no alto", Satanás-Sataniel foi lançado abaixo, com suas hostes de anjos, e desde então ele tem voado no ar sobre o abismo. • Os autores cristãos Tertuliano, Orígines e outros também identificaram Lúcifer com Satã, que no Evangelho de Lucas (10:18) e no Apocalipse (12:7-10) também foi descrito como tendo sido “arrojado dos céus”. O próprio Jerônimo, tradutor da Vulgata, pensava que essa passagem aludia a Satã.
    262. 262. Satã e (é?) Lúcifer: • Várias traduções tradicionais e influentes da Bíblia, inclusive a inglesa do Rei James, mantiveram o nome de “Lúcifer” em Isaías, em vez de vertê-lo da forma adequada em vernáculo (Morning Star, em inglês), reforçando a identificação errônea. Assim, Satã veio a ser conhecido como Lúcifer também em obras literárias como A Divina Comédia de Dante Aleghieri e O Paraíso Perdido de John Milton.
    263. 263. As Origens Mitológicas de Satã Prometeu • Segundo a Mitologia Grega, o titã Prometeu roubou o “fogo” dos deuses para dar aos homens e, em consequência de seu crime, foi punido severamente por Zeus: foi acorrentado numa montanha, onde sofre continuadamente o ataque de uma águia que devora seu fígado, que se reconstrói continuadamente também, para novamente ser devorado.
    264. 264. As Origens Mitológicas de Satã • Equivalente ao deus romano Plutão, seu nome era usado frequentemente para designar tanto o deus quanto o reino que governa, nos subterrâneos da Terra. Como o Senhor implacável e invencível da morte, é Hades o deus mais odiado pelos mortais, como registrou Homero na Ilíada. Hades
    265. 265. As Origens Mitológicas de Satã • O Deus Pã, também conhecido como Fauno e Silvano era uma divindade dos campos, bosques, pastores e da profecia. Sua fisionomia serviu de inspiração para a concepção, no imaginário cristão, da figura de Satã, assim como de Baphomet. Este último não é exatamente uma entidade, mas sim um símbolo de Força, Sabedoria e Fertilidade (dentre outras conotações) utilizado por algumas Tradições Místicas. Foi concebido pelo Ocultista Eliphas Levi. Pan
    266. 266. As Origens Mitológicas de Satã Djinn • Oriundos da Mitologia Árabe pré-islâmica, os Djinn (Gênios) são tidos como entes espirituais ou imateriais, que estão constantemente interagindo com os seres humanos e com a realidade material, de uma forma geral. O Alcorão informa que Satanás é um Djinn malévolo e traiçoeiro, que se afastou de Deus.
    267. 267. As Origens Mitológicas de Satã • Surgido no século VII a.C., através das pregações do profeta Zarathustra (ou Zoroastro) na antiga Pérsia, o Masdeísmo foi a primeira religião a celebrar a extrema dicotomia entre o Bem e o Mal, representados por Ahura Mazda e por Ahriman, respectivamente. Masdeísmo
    268. 268. Satanás na Idade Média
    269. 269. • “Exercidas pelos representantes do cristianismo oficial, as variadas práticas rituais de mediação com o sobrenatural reforçaram a crença na possibilidade de intervenção mágica de Deus, dos santos, seus intermediários, mas também dos demônios, na vida dos homens. Para além do seu papel devocional, a Igreja cristã afirmou-se, assim, como um repositório de poderes sobrenaturais que ela buscou impor – e, não raras vezes, sobrepor – aos ritos e às fórmulas mágicas pré-existentes, mesmo sobre aqueles não claramente religiosos.”
    270. 270. • “Entre os escritores dos primeiros séculos de cristianismo é evidente uma generalizada crença nos atos mágicos. Entretanto, já na Alta Idade Média, começa atransparecer, nos textos eclesiásticos, uma atitude de dúvida – tendendo para a negação – em relação à eficácia desses atos. Esta tendência ao ceticismo encontra-se já em Santo Agostinho. Para o bispo de Hipona, não há que se crer nestas ‘coisas falsas e extraordinárias’, representações de imagens, transformações aparentes, ocorridas durante os sonhos sob influência direta do demônio.”
    271. 271. • “A partir de Agostinho, os teólogos vão desenvolver dois princípios essenciais, claramente refletidos nos cânones, penitenciais, concílios e decretais: um primeiro, o princípio da irrealidade dos atos mágicos, relega os poderes dos magos e o resultado de suas ações à categoria de miragens ou ilusões; o segundo, afirma a presença demoníaca nas ações dos magos. Os fenômenos mágicos não passariam de ilusões e prestígios diabólicos e Satã, onipotente e irresistível, na sua luta incessante contra o poder divino, figura como protagonista de toda magia.”
    272. 272. • “Irrealidade dos atos mágicos e ilusão demoníaca foram, portanto, as idéias que nortearam a postura oficial da Igreja frente às práticas e crenças relacionadas à magia, pelo menos até o início do século XII, quando vários movimentos religiosos dissidentes começaram a tomar corpo no Ocidente. Sobre essas idéias se apoiaram as leis, os documentos e os textos que serviram de justificativa para os primeiros atos de repressão e os primeiros processos contra os magos, mas também contra os simples crentes na magia.”
    273. 273. • “Na passagem do século XII para o XIII, novas idéias passaram a orientar a abordagem eclesiástica sobre as atividades mágicas e seus agentes. Particularmente no XIII, século dos grandes debates teológicos envolvendo princípios filosóficos, ordens e tendências religiosas, a Igreja reafirmou a participação no plano do demoníaco de toda crença e de toda ação que, alheia ao seu controle, aspirasse a qualquer contato com o sobrenatural. (...) O demônio passa, pouco a pouco, a ocupar um papel na vida dos homens tão importante quanto o próprio Cristo.”
    274. 274. • “Tomás de Aquino, por exemplo, preocupado com a participação dos demônios na vida dos homens, denunciou, em inúmeras passagens da sua Summa Teológica, os praticantes da superstição, vício que, por excesso, é contrário à religião (vitium religioni contrarium). Embora não tivesse utilizado a palavra magia na sua classificação dos fatos entendidos como supersticiosos, Aquino revelou uma particular preocupação com as adivinhações (superstitionem divinationum). Para ele, as práticas divinatórias demandavam, necessariamente, consultas aos demônios e eram atendidas mediante pactos tácitos ou expressos - quae daemones consulit per aliqua pacta cum eis inita, tacita vel expressa. Através da invocação dos demônios, argumenta Aquino, os indivíduos manifestam sua predisposição ao rompimento com Deus.”
    275. 275. • “Satã, assim como Deus o era para os agentes do bem, tornou- se senhor de todos aqueles indivíduos associados às crenças e práticas, que, no momento anterior, a Igreja tratara como frutos da ilusão demoníaca. Elaborada sob o papa Gregório IX, a bula Vox in Rama, reflete a obsessão do diabo que, desde então, começou a se impor à sociedade a partir das estruturas de poder eclesiástico.”
    276. 276. • “Os novos processos transformaram, paulatinamente, o perfil dos acusados: de indivíduos isolados, dedicados a práticas de intervenção sobre a vida pessoal, eles tornaram-se membros de uma seita satânica, cuidadosamente estruturada, com seus ritos e sua hierarquia. Por outro lado, procedeu-se a uma progressiva assimilação entre as práticas de magia e os vários movimentos divergentes que, desde o século XII, afrontavam a hegemonia da Igreja. Essa assimilação entre magia e heresia, cujos primeiros rumores aparecem ainda nos séculos XII e XIII, em resposta aos primeiros grandes movimentos divergentes, foi objeto de renovadas discussões que culminaram com a elaboração, sob João XXIII, da bula Super Illius Specula, em 1326.” • “As técnicas de repressão foram precisadas e aperfeiçoadas. Com a anuência das altas hierarquias civis e eclesiásticas, o número de processos aumentou e as acusações ganharam uma similitude espantosa. Adaptadas desde o século XII ao objetivo de erradicação da heresia, as técnicas de procedimento inquisitorial foram utilizadas, desde então, também contra as práticas de magia, paulatinamente unificadas, nos textos cristãos, sob a designação genérica de maleficium.”
    277. 277. • “(...) submetidos ao julgamento eclesiástico, os atos mágicos, mesmo aqueles voltados para o enfrentamento de problemas e desejos pessoais, foram, assim, nos séculos finais da Idade Média, esvaziados de suas funções comunitárias; e os fenômenos mágicos, a princípio definidos como ilusões demoníacas, evoluíram, gradativamente, para a condição de práticas reais, determinadas a partir de um pacto demoníaco.” “As concepções eclesiásticas sobre a magia tenderam à afirmação de sua participação em um plano inscrito no contexto da grande luta universal entre o Bem e o Mal.”
    278. 278. Satanismo e Ocultismo/Misticismo: • O movimento da Nova Era (do inglês New Age) possui muitas subdivisões, sendo geralmente uma fusão de ensinos metafísicos de influência oriental, de linhas teológicas, de crenças espiritualistas, animistas e paracientíficas, com uma proposta de um novo modelo de consciência moral, psicológica e social além de integração e simbiose com o meio envolvente, a Natureza e até o Cosmos. • Pode ser entendido ainda como um projeto para descobrir, dar poder e legalizar nossa autêntica natureza (interior) freqüentemente contaminada pela banalidade do cotidiano e pelas instituições religiosas hierárquicas. • Acredita-se que a Humanidade, assim como todas as coisas, são UM (estão em unidade) com o Cosmos (ou “Deus”). Você mesmo assume-se como parte de Deus.
    279. 279. Satanismo e Ocultismo/Misticismo: • Porém, embora o Satanismo assumido aparente-se – ainda que vagamente – com as diversas expressões da Nova Era (e, em parte, pode-se dizer que surgiram em um mesmo contexto), os satanistas apresentam uma cosmovisão completamente inversa em relação aos new agers. Ambos estão preocupados principalmente com o crescimento individual e com o próprio desenvolvimento. Contudo, as Tradições da Feitiçaria Ocidental moderna – como a Wicca, por exemplo – são “religiões da natureza”, mesmo quando algumas delas estão profundamente interessadas pelo “si- mesmo”. A diferença é que o si-mesmo para os religiosos da natureza é relacional, enquanto é completamente individual no Satanismo.
    280. 280. O Caminho Da Mão Esquerda: • Empregando a terminologia do ocultista Aleister Crowley, os praticantes definem o Satanismo como o “Caminho da Mão Esquerda”, religiosa e filosoficamente, rejeitando o tradicional “Caminho da Mão Direita” de religiões como o Cristianismo por sua percepção da negação da vida e ênfase na culpa e na abstinência. • O Caminho da Mão Esquerda poderia ser definido como “o processo para a criação de uma Essência individual e poderosa que existe acima e além da vida animal.”
    281. 281. Satanismo Tradicional • O Satanismo Tradicional ou Satanismo Teísta é uma forma de Satanismo onde a crença primária é a de que Satã é de fato uma deidade ou força a ser reverenciada ou adorada. Por se basear numa construção medieval do que seria o culto ao Demônio, também é conhecido como Satanismo Gótico. • Os praticantes desta vertente do Satanismo absorveram todo o estereótipo transmitido pelos filmes de terror, pregando a existência concreta de Satã como uma divindade que um dia estabelecerá seu domínio sobre a Terra e recompensará seus seguidores.
    282. 282. Satanismo Tradicional • O Satanismo Gótico nada mais é que uma “anti-religião”. Em essência, é um “Cristianismo ao contrário”, fruto de um pensamento maniqueísta que busca equilíbrio psíquico através da criação de extremos opostos – e, quem sabe, complementares! • Apesar da pretensa antiguidade, estes cultos só começaram a surgir na década de 1970, inspirados na publicação, em 1969, da Bíblia Satânica (livro que não tem o Satanismo Gótico como fundamento). Ainda na década de 1970 começam a surgir fragmentos do que seria o “Livro Negro de Satã”, que também pretensamente tem uma idade secular.
    283. 283. Satanismo Moderno • Anton de LaVey fundou o Satanismo ao formar a Church Of Satan (Igreja de Satã) em 1960, na Califórnia, e ao escrever a Bíblia Satânica (1969) e outros livros semelhantes. • O Satanismo LaVeyano não envolve nenhum tipo de adoração, usando "Satã" como um símbolo dos valores carnais e terrenos, inerentes à natureza humana.
    284. 284. Anton Szandor de LaVey (1930 - 1997) Fundador da Igreja de Satã.
    285. 285. • Satã é uma imagem útil para encorajar o individualismo no que este se refere à “oposição” e “não- conformidade”. “A razão pela qual é chamado de Satanismo é porque é divertido, preciso e produtivo” (LA VEY, 1992 apud HARVEY, 2002). • Este não é um movimento baseado na revelação de uma divindade, mas uma religião própria que encoraja cada indivíduo a alcançar seu próprio potencial, e promove o “interesse racional no self”.
    286. 286. • Magia, tal qual praticada no Satanismo LaVeyano, é definida como “a mudança de situações ou eventos em acordância com a Vontade do indivíduo que, usando métodos aceitos normalmente, seriam imutáveis”. Esta definição incorpora dois tipos de mágica largamente distintos: Inferior (manipulativa e situacional) e Superior (ritual e cerimonial). O Satanismo LaVeyano, entretanto, não descreve a Magia moralmente, discernindo a variedade “branca” (boa) de “negra” (maligna). Tal neutralidade está relacionada ao ponto de vista filosófico de Anton LaVey, de um universo pessoal e amoral.
    287. 287. • A Igreja de Satã difundiu-se como uma série de “pequenas comunidades licenciadas” lideradas por pessoas que podiam demonstrar suas credenciais “satânicas”, comprando uma licença e atraindo um grupo. Em 1975, a Igreja de Satã interrompeu seu sistema de comunidades licenciadas, como um experimento que havia se completado, e desde então tem “encorajado de verdade o individualismo e auto-engrandecimento”. • As pessoas que agora se filiam à Igreja de Satã tornam-se membros de uma rede e são livres para se reunir, o que raramente fazem, valorizando a encorajada independência.
    288. 288. • Após a morte de Anton LaVey, a representação oficial da Igreja de Satã foi assumida pelo Alto Sacerdote Peter Gilmore e sua esposa, a Alta Sacerdotisa Peggy Nadramia, além da ex-Alta Sacerdotisa e atual Magistra Templi Rex da Igreja, Blanche Barton. Ela presidencia o “Conselho dos Nove”, grupo que gerencia a Igreja de Satã. Peter H. Gilmore: Alto Sacerdote (High Priester) da Igreja de Satã.
    289. 289. Primeira Igreja Satânica • Uma outra grande organização ligada à ideologia LaVeyana é a First Satanic Church (Primeira Igreja Satânica), fundada em 1999 pela filha de Anton LaVey, Karla LaVey. Ela argumenta que, após a morte do pai, a Igreja se distanciou de seu modus operandi original, tornando- se uma máquina com fins comerciais. Assim, a Primeira Igreja Satânica é considerada uma re-fundação da original.
    290. 290. As Nove Declarações Satânicas: 1. Satã representa indulgência, ao invés de abstinência! 2. Satã representa a existência vital, ao invés de sonhos espirituais fantasiosos! 3. Satã representa sabedoria pura, ao invés de auto-ilusão hipócrita! 4. Satã representa bondade para quem a merece, ao invés de amor desperdiçado aos ingratos!
    291. 291. 5. Satã representa vingança, ao invés de virar a outra face! 6. Satã representa responsabilidade para o responsável, ao invés de dar atenção a vampiros espirituais! 7. Satã representa o homem como outro animal, algumas vezes melhor, mas geralmente pior do que aqueles que caminham sobre quatro patas, e que, por causa de seu "desenvolvimento espiritual e intelectual", tornou-se o animal mais maligno de todos! 8. Satã representa todos os chamados pecados, desde que eles levem à gratificação física, mental ou emocional! 9. Satã tem sido o melhor amigo que a Igreja já teve, já que é ele que a tem mantido no mercado por todos esses anos!
    292. 292. Templo de Set • O Templo de Set é uma organização internacional que foi estabelecida como uma Igreja sem fins lucrativos na Califórnia, em 1975, recebendo reconhecimento estadual e federal. • Foi fundado por Michael Aquino, um ex-membro da Igreja de Satã, segundo o próprio, após uma “auto-revelação de Set”. • As origens do Templo de Set incluem uma deliberada autodiferenciação da Igreja de Satã, mais significativamente na Teologia e Sociologia.

    ×