SlideShare uma empresa Scribd logo

Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo

O documento descreve os aspectos estruturais e organizacionais de uma equipa de futebol no seu estilo de jogo ofensivo. Detalha os sistemas táticos, papéis dos jogadores, métodos de ataque como o contra-ataque e ataque posicional, etapas do ataque incluindo construção, criação de oportunidades e finalização, assim como a transição entre fases defensiva e ofensiva.

1 de 6
Construcción	
  del	
  estilo	
  de	
  juego	
  
Jorge	
  Castelo	
  
Sporting	
  Clube	
  de	
  Portugal	
  
	
  
	
  
1.	
  Estrutura	
  da	
  Equipa	
  
2.	
  Organização	
  da	
  Equipa	
  
	
  
	
  
1.	
  ESTRUTURA	
  DA	
  EQUIPA	
  
	
  
1.1.	
  Sistema	
  táctico	
  da	
  equipa	
  
	
  
1.2.	
  Articulação	
  sectorial	
  e	
  intersectorial	
  da	
  equipa	
  
	
  
1.3.	
  Missões	
  tácticas	
  gerais	
  e	
  específicas	
  dos	
  jogadores	
  
	
  
	
  

	
  
	
  
2.	
  ORGANIZAÇÃO	
  DA	
  EQUIPA	
  
	
  
2.1.	
  FASE	
  OFENSIVA	
  
	
  
2.1.1.	
  MÉTODOS	
  OFENSIVOS	
  
	
  
2.1.1.1.	
  Contra-­‐ataque	
  
1.	
  Rápida	
  transição	
  defesa/ataque.	
  
2.	
  Reduzido	
  tempo	
  de	
  construção	
  do	
  ataque.	
  
3.	
  Elevado	
  ritmo	
  de	
  decisão/acção	
  
4.	
  Simplicidade	
  de	
  processos.	
  
5.	
  Rentabiliza	
  o	
  binómio	
  tempo/espaço.	
  
6.	
  Impede	
  a	
  defesa	
  adversária	
  em	
  se	
  organizar.	
  
7.	
  Ter	
  sempre	
  como	
  referência	
  os	
  jogadores	
  melhor	
  posicionados.	
  
8.	
  Inter-­‐relacionar	
  com	
  o	
  método	
  de	
  jogo	
  defensivo.	
  
	
  
	
  

	
  

	
  

1	
  
2.1.1.2.	
  Ataque	
  Rápido	
  
1.	
  As	
  características	
  do	
  ataque	
  rápido	
  são	
  semelhantes	
  às	
  do	
  contra-­‐ataque.	
  	
  
2.	
  A	
  diferença	
  fundamental	
  estabelece-­‐se	
  no	
  facto	
  do	
  contra-­‐ataque	
  procurar	
  assegurar	
  
a	
  finalização,	
  antes	
  da	
  defesa	
  contrária	
  se	
  organizar	
  de	
  forma	
  efectiva.	
  Enquanto	
  o	
  
ataque	
  rápido,	
  terá	
  de	
  preparar	
  a	
  fase	
  de	
  finalização	
  já	
  com	
  a	
  equipa	
  adversária	
  
organizada	
  no	
  seu	
  método	
  defensivo.	
  
	
  
2.1.1.3.	
  Ataque	
  Posicional	
  
1.	
  Maior	
  duração	
  da	
  etapa	
  de	
  construção	
  do	
  processo	
  ofensivo.	
  	
  
2.	
  	
  Evidencia	
  uma	
  acção	
  colectiva	
  num	
  bloco	
  compacto	
  e	
  homogéneo.	
  	
  
3.	
  Segurança	
  na	
  resolução	
  das	
  situações	
  de	
  jogo.	
  	
  
4.	
  Constituição	
  de	
  unidades	
  estruturais	
  funcionais.	
  	
  
5.	
  Trinómio	
  tempo,	
  espaço	
  e	
  número.	
  	
  
6.	
  Ocupação	
  racional	
  do	
  espaço	
  de	
  jogo.	
  
	
  
2.1.2.	
  ETAPAS	
  DO	
  ATAQUE	
  
	
  
2.1.2.1.	
  1ª	
  Etapa.	
  Construção	
  do	
  processo	
  ofensivo	
  
	
  
1ª	
  etapa	
  de	
  Construção	
  do	
  ataque	
  
-­‐	
  Saída	
  baixa	
  utilizando	
  os	
  centrais,	
  os	
  laterais	
  ou	
  os	
  médios	
  defensivos	
  
-­‐	
  Criar	
  constantemente	
  linhas	
  de	
  passe	
  e	
  de	
  opções	
  de	
  decisão	
  
-­‐	
  Atacar	
  o	
  espaço	
  livre	
  mas	
  utilizar	
  poucos	
  toques	
  na	
  bola	
  
-­‐	
  Atrair	
  os	
  adversários	
  para	
  um	
  dos	
  corredores	
  laterais	
  possibilitando	
  a	
  saída	
  da	
  bola	
  
pelo	
  outro	
  
-­‐	
  Mobilidade	
  dos	
  atacantes	
  que	
  dão	
  opções	
  de	
  passe	
  (trocas	
  posicionais)	
  
-­‐	
  Variar	
  o	
  ritmo	
  de	
  jogo	
  através	
  de	
  acções	
  rápidas	
  ou	
  variação	
  do	
  centro	
  do	
  jogo.	
  
-­‐	
  Jogar	
  com	
  poucos	
  toques	
  e	
  evitar	
  acções	
  de	
  dible/finta	
  
	
  

	
  
	
  
2ª	
  etapa	
  de	
  Construção	
  do	
  ataque	
  
	
  
-­‐	
  Saída	
  longa	
  ataque	
  sobre	
  a	
  1ª	
  e	
  2ª	
  bola	
  
-­‐	
  Qualidade	
  e	
  precisão	
  na	
  circulação	
  da	
  bola	
  
-­‐	
  Mobilidade	
  constante	
  dos	
  atacantes	
  (jogos	
  posicionais)	
  
-­‐	
  Utilizar	
  o	
  jogo	
  exterior	
  e	
  o	
  jogo	
  interior	
  
-­‐	
  Gerir	
  tempos	
  e	
  ritmos	
  de	
  jogo	
  (pausar	
  e	
  acelerar)	
  
-­‐	
  Constantes	
  apoios	
  frontais	
  e	
  laterais	
  ao	
  atacante	
  de	
  posse	
  da	
  bola	
  
-­‐	
  Atacar	
  constantemente	
  a	
  última	
  linha	
  defensiva	
  adversária	
  
-­‐	
  Evitar	
  de	
  conduzir	
  e	
  driblar	
  em	
  excesso	
  em	
  especial	
  quando	
  o	
  bloco	
  defensivo	
  está	
  
organizado	
  
	
  

	
  

2	
  
 
	
  
	
  
2.1.2.2.	
  2ª	
  Etapa:	
  Criação	
  de	
  Situações	
  de	
  Finalização	
  
	
  
-­‐	
  Variar	
  o	
  jogo	
  ofensivo	
  pelo	
  corredor	
  exterior	
  e	
  interior	
  
-­‐	
  Manter	
  constantemente	
  a	
  largura	
  no	
  ataque	
  
-­‐	
  Desequilibrar	
  a	
  estrutura	
  defensiva	
  através	
  de	
  situações	
  1x1,	
  2x1,	
  2x2,	
  ou	
  através	
  
de	
  passes	
  de	
  rotura	
  
-­‐	
  Mobilidade	
  constante	
  dos	
  atacantes	
  e	
  trocas	
  posicionais	
  
-­‐	
  Utilizar	
  as	
  acções	
  de	
  	
  cruzamento	
  variando	
  as	
  trajectórias	
  da	
  bola	
  bem	
  como	
  os	
  
alvos.	
  
-­‐	
  Atacar	
  convictamente	
  os	
  espaços	
  predominantes	
  de	
  finalização	
  
-­‐	
  Manter	
  o	
  equilíbrio	
  defensivo	
  de	
  modo	
  a	
  reagir	
  à	
  perda	
  de	
  posse	
  de	
  bola	
  (preparar	
  
para	
  transitar).	
  
	
  

	
  
	
  
2.1.2.3.	
  3ª	
  Etapa	
  Finalização	
  
	
  
-­‐	
  Rematar	
  logo	
  que	
  a	
  oportunidade	
  surja.	
  	
  
-­‐	
  Construir	
  linhas	
  limpas	
  de	
  remate	
  
-­‐	
  Rematar	
  fora	
  da	
  grande	
  área	
  
-­‐	
  Assumir	
  a	
  responsabilidade	
  de	
  rematar	
  com	
  convicção.	
  	
  
-­‐	
  Rematar	
  a	
  partir	
  de	
  espaços	
  pouco	
  habituais.	
  
-­‐	
  Deslocar-­‐se	
  logo	
  após	
  o	
  remate	
  atacar	
  o	
  2º	
  momento	
  da	
  acção.	
  
-­‐	
  Atender	
  à	
  aleatoriedade	
  das	
  situações.	
  
	
  

	
  
	
  

	
  

	
  
	
  
	
  
	
  

	
  

3	
  
 

	
  
2.1.3.	
  MOMENTOS	
  DO	
  ATAQUE	
  
	
  
2.1.3.1.	
  Transição	
  de	
  fase	
  -­‐	
  ataque/defesa	
  
	
  
1.	
  Forte	
  atitude	
  e	
  predisposição	
  mental	
  aquando	
  da	
  perda	
  de	
  bola	
  (reacção	
  imediata	
  
de	
  todos).	
  
2.	
  Pressão	
  constante	
  sobre	
  o	
  portador	
  da	
  bola,	
  os	
  outros	
  fecham	
  linhas	
  de	
  passe	
  de	
  
progressão	
  ou	
  rotura	
  da	
  organização.	
  
3.	
  Retardar	
  o	
  desenvolvimento	
  do	
  ataque	
  adversário	
  
4.	
  Compensar	
  de	
  imediato	
  a	
  acção	
  dos	
  colegas	
  quando	
  ultrapassados	
  (entreajuda)	
  
5.	
  Rápida	
  recuperação	
  defensiva	
  elevando	
  o	
  nº	
  de	
  defesas	
  atrás	
  da	
  linha	
  da	
  bola.	
  
6.	
  Ver	
  simultaneamente	
  a	
  bola	
  e	
  o	
  adversário	
  directo	
  
7.	
  	
  Recorrer	
  à	
  falta	
  quando	
  for	
  necessário	
  (sentido	
  útil	
  da	
  infracção)	
  
	
  
2.1.3.2.	
  Bolas	
  Paradas	
  -­‐	
  Esquemas	
  Tácticos	
  
	
  
1.	
  Marcação	
  rápida	
  falta	
  em	
  certas	
  situações	
  de	
  jogo	
  (surpreender	
  os	
  adversários)	
  
2.	
  Ocupar	
  rapidamente	
  as	
  posições	
  pré-­‐defenidas	
  e	
  treinadas	
  
3.	
  Atender	
  aos	
  sinais	
  combinados	
  
4.	
  Sincronizar	
  as	
  acções	
  de	
  quem	
  marca	
  e	
  de	
  quem	
  recebe	
  
5.	
  Atacar	
  forte	
  a	
  1ª	
  e	
  a	
  2ª	
  bola	
  	
  	
  
6.	
  Marcar	
  os	
  adversários	
  que	
  não	
  estão	
  directamente	
  implicados	
  no	
  processo	
  
defensivo	
  
7.	
  Parar	
  de	
  imediato	
  a	
  transição	
  de	
  fase	
  do	
  adversário	
  
	
  
2.2.	
  FASE	
  DEFENSIVA	
  
	
  
2.2.1.	
  MÉTODOS	
  DEFENSIVOS	
  
	
  
2.2.1.1.	
  Método	
  à	
  zona	
  
1.	
  Potencia	
  “o	
  todos	
  contra	
  um”.	
  
2.	
  Responsabiliza	
  cada	
  jogador	
  por	
  uma	
  zona	
  de	
  marcação.	
  
3.	
  Estabelece	
  uma	
  organização	
  por	
  linhas	
  defensivas.	
  	
  
4.	
  Reforça	
  acções	
  de	
  entreajuda	
  e	
  solidariedade.	
  
5.	
  Introduz	
  a	
  “defesa	
  em	
  linha”	
  
	
  
2.2.1.2.	
  Método	
  misto.	
  
1.	
  Sintetiza	
  o	
  método	
  individual	
  e	
  zona.	
  
2.	
  Possibilita	
  que	
  o	
  defesa	
  marque	
  o	
  atacante	
  de	
  uma	
  para	
  a	
  outra	
  zona	
  do	
  campo.	
  
3.	
  Reforça	
  as	
  acções	
  de	
  cobertura.	
  
2.2.1.3.	
  Método	
  zona	
  pressionante	
  
1.	
  Promove	
  a	
  marcação	
  rigorosa	
  ao	
  atacante	
  de	
  posse	
  de	
  bola.	
  
2.	
  Reduz	
  o	
  espaço	
  efectivo	
  de	
  jogo.	
  
3.	
  Potencia	
  continuadamente	
  a	
  marcação	
  a	
  atacantes	
  e	
  espaços	
  vitais	
  de	
  jogo.	
  
4.	
  Modela	
  as	
  condições	
  de	
  recuperação	
  da	
  bola.	
  
5.	
  Promove	
  o	
  aumento	
  da	
  concentração	
  da	
  organização	
  defensiva.	
  
6.	
  Utiliza	
  a	
  comunicação	
  verbal	
  entre	
  os	
  jogadores.	
  
7.	
  Desenvolve	
  um	
  elevado	
  grau	
  de	
  espírito	
  da	
  equipa.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  

	
  

4	
  
2.2.2.	
  ETAPAS	
  DA	
  DEFESA	
  
	
  
2.2.2.1.	
  Equilíbrio	
  defensivo	
  
Pode	
  ser	
  concretizado:	
  	
  
1.	
   No	
   desenrolar	
   do	
   ataque.	
   	
   As	
   equipas	
   aplicam	
   medidas	
   preventivas	
   de	
   modo	
   a	
  
precaver	
  a	
  situação	
  de	
  perda	
  da	
  bola.	
  
2.	
   Após	
   a	
   perda	
   da	
   posse	
   da	
   bola.	
   A	
   equipa	
   deve	
   reagir	
   de	
   imediato	
   à	
   situação	
  
através	
   de	
   deslocamentos	
   em	
   direcção	
   ao	
   atacante	
   de	
   posse	
   da	
   bola	
   e,	
   dos	
   espaços	
  
vitais	
  de	
  jogo	
  de	
  modo	
  a:	
  
(1)	
  Reorganizar	
  o	
  ataque.	
  
(2)	
  Evitar	
  de	
  acções	
  rápidas	
  de	
  ataque	
  do	
  adversário	
  
(3)	
  Temporizar	
  o	
  ataque	
  adversário.	
  
	
  
2.2.2.2.	
  Recuperação	
  defensiva	
  
A	
  recuperação	
  defensiva	
  começa	
  nos	
  momentos	
  logo	
  após	
  a	
  impossibilidade	
  de	
  se	
  
recuperar	
   de	
   imediato	
   a	
   bola	
   e,	
   dura	
   até	
   à	
   ocupação	
   do	
   dispositivo	
   defensivo	
  
previamente	
  preconizado	
  pela	
  equipa.	
  Nestas	
  circunstâncias,	
  importa:	
  
(1)	
  Marcar	
  espaços	
  e	
  atacantes	
  durante	
  a	
  recuperação	
  defensiva	
  
(2)	
  Interpôr-­‐se	
  entre	
  o	
  atacante	
  e	
  a	
  própria	
  baliza	
  
(3)	
  Obstruir	
  a	
  acção	
  dos	
  atacantes.	
  
	
  
2.2.2.3.	
  Bloco	
  Defensivo	
  
Pressupõe	
   a	
   ocupação	
   do	
   dispositivo	
   defensivo	
   previamente	
   preconizado	
   pela	
  
equipa.	
  	
  
Qualquer	
   método	
   defensivo,	
   visa	
   com	
   a	
   sua	
   organização,	
   coordenação	
   e	
  
colaboração,	
  não	
  apenas,	
  a	
  recuperação	
  da	
  posse	
  da	
  bola,	
  como	
  também,	
  proteger	
  
a	
  baliza	
  contra	
  as	
  acções	
  agressivas	
  desenvolvidas	
  pelos	
  adversários.	
  	
  
Podemos	
  observar	
  3	
  níveis	
  de	
  bloco	
  defensivo:	
  
	
  

	
  

2.2.2.3.1.	
  Bloco	
  defensivo	
  alto	
  
1.	
  Forte	
  pressão	
  na	
  saída	
  curta	
  da	
  bola	
  pela	
  equipa	
  adversária	
  
2.	
  Acção	
  de	
  pressão	
  realizada	
  fundamentalmente	
  pelo	
  ponta	
  de	
  lança,	
  extremos	
  
e	
  médio	
  ofensivo.	
  
3.	
   Aproximação	
   dos	
   diferentes	
   sectores	
   da	
   equipa	
   de	
   modo	
   a	
   manter	
   o	
   bloco	
  
defensivo	
  compacto	
  (redução	
  do	
  espaço	
  entre	
  linhas)	
  
4.	
   Obrigar	
   os	
   adversários	
   a	
   cometer	
   erros	
   (perda	
   da	
   bola	
   ou	
   executar	
   passes	
  
longos)	
  
5.	
   Conduzir	
   os	
   adversários	
   para	
   espaços	
   onde	
   seja	
   mais	
   fácil	
   a	
   recuperação	
   da	
  
bola	
  (redução	
  do	
  espaço	
  efectivo	
  do	
  ataque)	
  
6.	
  Dar	
  continuidade	
  ao	
  processo	
  defensivo	
  passando	
  para	
  bloco	
  médio	
  (caso	
  os	
  
atacante	
  passem	
  a	
  1ª	
  linha	
  defensiva)	
  
2.2.2.3.2.	
  Bloco	
  defensivo	
  médio	
  
1.	
  Pressão	
  constante	
  sobre	
  o	
  atacante	
  de	
  posse	
  de	
  bola.	
  
2.	
  Equipa	
  compacta	
  entre	
  linhas.	
  Manter	
  uma	
  distância	
  de	
  20/25	
  mts	
  
2.	
  Respeitar	
  as	
  zonas	
  individuais	
  de	
  pressão	
  
3.	
  Não	
  ser	
  atraído	
  pela	
  bola	
  ou	
  pelo	
  atacante.	
  Evitar	
  ser	
  eliminado	
  
4.	
  Constantes	
  acções	
  de	
  cobertura	
  e	
  compensação	
  
5.	
  Variar	
  o	
  centro	
  gravitacional	
  da	
  defesa	
  defendendo	
  essencialmente	
  o	
  corredor	
  
central	
  
6.	
  Agressividade	
  nos	
  duelos	
  (1ª	
  e	
  2ªs	
  bolas).	
  Não	
  cometer	
  faltas	
  desnecessárias.	
  
7.	
  Aproveitar	
  a	
  transição	
  defesa/ataque	
  

	
  
	
  
	
  
	
  
	
  

	
  

5	
  
2.2.2.3.3.	
  Bloco	
  defensivo	
  baixo	
  
1.	
  Protecção	
  máxima	
  da	
  baliza	
  
2.	
  Elevada	
  densidade	
  de	
  jogadores	
  num	
  espaço	
  reduzido	
  de	
  jogo	
  
3.	
  Compacticidade	
  constante	
  do	
  bloco	
  defensivo	
  
4.	
  Não	
  descansar	
  enquanto	
  não	
  recuperar	
  a	
  posse	
  de	
  bola	
  
5.	
  Ver	
  constantemente	
  a	
  bola	
  e	
  adversário.	
  
6.	
  Evitar	
  faltas	
  desnecessárias,	
  mas	
  agressividade	
  nos	
  duelos	
  individuais	
  
7.	
  Espírito	
  de	
  luta	
  e	
  de	
  sacrifício	
  
8.	
  Logo	
  que	
  a	
  recuperação	
  se	
  concretiza	
  transitar	
  rapidamente	
  para	
  o	
  ataque	
  
	
  
2.2.3.	
  MOMENTOS	
  DA	
  DEFESA	
  	
  
	
  
2.2.3.1.	
  Transição	
  defesa/ataque	
  
1.	
  Aproveitar	
  o	
  desequilíbrio	
  da	
  equipa	
  que	
  estava	
  a	
  atacar	
  e	
  tem	
  de	
  passar	
  a	
  defender.	
  
Evitando	
  que	
  se	
  organize	
  defensivamente	
  
2.	
  Potenciar	
  movimentações	
  em	
  largura	
  e	
  profundidade	
  saindo	
  rapidamente	
  das	
  zonas	
  
de	
  pressão:	
  aumenta	
  o	
  espaço	
  efectivo	
  de	
  jogo,	
  o	
  nº	
  de	
  opções	
  tácticas	
  e,	
  redução	
  das	
  
possibilidades	
  de	
  marcação.	
  
3.	
   Assegurar	
   uma	
   posse	
   da	
   bola	
   segura	
   e	
   eficaz	
   e,	
   tão	
   rápida	
   quanto	
   possível	
   para	
  
atacar	
  a	
  baliza	
  adversária	
  (direccionar	
  as	
  acções	
  nesse	
  sentido)	
  	
  
4.	
  Simplicidade	
  nas	
  acções	
  individuais	
  (usar	
  o	
  passe	
  e	
  poucos	
  toques	
  na	
  bola).	
  
5.	
  Fomentar	
  uma	
  correcta	
  leitura	
  de	
  jogo	
  de	
  modo	
  a	
  usar:	
  CA,	
  AR	
  ou	
  AP.	
  
	
  
2.2.3.2.	
  Esquemas	
  Tácticos	
  
	
  
1.	
  Evitar	
  marcação	
  rápida	
  
2.	
  Ocupar	
  rapidamente	
  as	
  posições	
  definida	
  
3.	
  Posicionamento	
  zonal	
  ou	
  misto	
  (preparar	
  para	
  atacar	
  a	
  bola	
  e	
  o	
  espaço)	
  
4.	
  Vigiar/marcar	
  os	
  adversários	
  de	
  referência.	
  
5.	
  Armadilhar	
  a	
  acção	
  ofensiva	
  de	
  modo	
  a	
  surpreender	
  os	
  adversários	
  com	
  
determinantes	
  transições	
  defesa/ataque	
  
6.	
  Atacar	
  forte	
  a	
  1ª	
  e	
  2ª	
  bola	
  (saída	
  em	
  bloco),	
  reajustando	
  da	
  linha	
  defensiva	
  
consoante	
  a	
  situação.	
  
7.	
  Agir/reagir	
  constantemente	
  enquanto	
  não	
  recuperar	
  a	
  bola	
  

	
  

6	
  

Recomendados

Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaFundação Real Madrid
 
A bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoA bíblia de mourinho no fc porto
A bíblia de mourinho no fc portoraseslb
 
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012
Modelo de Jogo - Lusitano FC 2011/2012Fundação Real Madrid
 
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de JogoFC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de JogoRenato Moreira
 
MANCHESTER CITY FC 2018/19 ANALYSIS
MANCHESTER CITY FC 2018/19 ANALYSISMANCHESTER CITY FC 2018/19 ANALYSIS
MANCHESTER CITY FC 2018/19 ANALYSISHristian Hristov
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercicios de pressing e posse de bola
Exercicios de pressing e posse de bolaExercicios de pressing e posse de bola
Exercicios de pressing e posse de bolaPedro Sousa
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoMário Torres
 
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVOMESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVOYonanca.com Futbol Studio
 
Ajax Training Sessions
Ajax Training SessionsAjax Training Sessions
Ajax Training SessionsRenato Moreira
 
Creating behaviors in respect to the coach game model
Creating behaviors in respect to the coach game modelCreating behaviors in respect to the coach game model
Creating behaviors in respect to the coach game modelVítor Gouveia
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolFundação Real Madrid
 
Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Real madrid-attacking-session-practice-4of4Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Real madrid-attacking-session-practice-4of4Michail Tsokaktsidis
 
Jose Mourinho Book-transition-practice
Jose Mourinho Book-transition-practiceJose Mourinho Book-transition-practice
Jose Mourinho Book-transition-practiceMichail Tsokaktsidis
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoFundação Real Madrid
 
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014Fundação Real Madrid
 

Mais procurados (20)

Exercicios de pressing e posse de bola
Exercicios de pressing e posse de bolaExercicios de pressing e posse de bola
Exercicios de pressing e posse de bola
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
 
Model of Game (Juan Delgado)
Model of Game (Juan Delgado)Model of Game (Juan Delgado)
Model of Game (Juan Delgado)
 
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVOMESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
MESOCICLO ATAQUE COMBINATIVO @ ANDRES RAMOS @ CADF DEPORTIVO
 
Ajax Training Sessions
Ajax Training SessionsAjax Training Sessions
Ajax Training Sessions
 
Creating behaviors in respect to the coach game model
Creating behaviors in respect to the coach game modelCreating behaviors in respect to the coach game model
Creating behaviors in respect to the coach game model
 
Offensive transitions
Offensive transitionsOffensive transitions
Offensive transitions
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Relatório Benfica B
Relatório Benfica BRelatório Benfica B
Relatório Benfica B
 
Plano de treino_93
Plano de treino_93Plano de treino_93
Plano de treino_93
 
A Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma DinâmicaA Construção de uma Dinâmica
A Construção de uma Dinâmica
 
76 ejercicios tacticos_futbol
76 ejercicios tacticos_futbol76 ejercicios tacticos_futbol
76 ejercicios tacticos_futbol
 
Modelo de juego juvenil 13-14
Modelo de juego juvenil 13-14Modelo de juego juvenil 13-14
Modelo de juego juvenil 13-14
 
Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Real madrid-attacking-session-practice-4of4Real madrid-attacking-session-practice-4of4
Real madrid-attacking-session-practice-4of4
 
Jose Mourinho Book-transition-practice
Jose Mourinho Book-transition-practiceJose Mourinho Book-transition-practice
Jose Mourinho Book-transition-practice
 
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de JogoImplantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
Implantação e Caraterização de um Modelo de Jogo
 
ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave
ObservaçãO Jogo   Vsc X Rio AveObservaçãO Jogo   Vsc X Rio Ave
ObservaçãO Jogo Vsc X Rio Ave
 
Sporting CP - Relatório de Observação
Sporting CP - Relatório de ObservaçãoSporting CP - Relatório de Observação
Sporting CP - Relatório de Observação
 
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
Carlo Ancelotti - Sessão de Treino 2014
 
Trabajo tactica
Trabajo tacticaTrabajo tactica
Trabajo tactica
 

Destaque

José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)oscarbarbedofaria
 
Organização do Jogo de uma Equipa de Futebol
Organização do Jogo de uma Equipa de FutebolOrganização do Jogo de uma Equipa de Futebol
Organização do Jogo de uma Equipa de FutebolFundação Real Madrid
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolFundação Real Madrid
 
Dragonforce (Presentación alternativa)
Dragonforce (Presentación alternativa)Dragonforce (Presentación alternativa)
Dragonforce (Presentación alternativa)Juan Pablo Narbondo
 
A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
A Organização Dinâmica do Jogo de FutebolA Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
A Organização Dinâmica do Jogo de FutebolFundação Real Madrid
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoFundação Real Madrid
 

Destaque (9)

José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
 
Esquemas tácticos
Esquemas tácticosEsquemas tácticos
Esquemas tácticos
 
Organização do Jogo de uma Equipa de Futebol
Organização do Jogo de uma Equipa de FutebolOrganização do Jogo de uma Equipa de Futebol
Organização do Jogo de uma Equipa de Futebol
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
A final espanhola
A final espanholaA final espanhola
A final espanhola
 
Dragonforce (Presentación alternativa)
Dragonforce (Presentación alternativa)Dragonforce (Presentación alternativa)
Dragonforce (Presentación alternativa)
 
A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
A Organização Dinâmica do Jogo de FutebolA Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
A Organização Dinâmica do Jogo de Futebol
 
O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
 

Semelhante a Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo

Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoFundação Real Madrid
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaJoão Carlos Costa
 
Futebol isce Prof Valter Pinheiro
Futebol isce Prof Valter PinheiroFutebol isce Prof Valter Pinheiro
Futebol isce Prof Valter Pinheiroactualidades
 
Protocolo Guia para a Observação dos Adversários
Protocolo Guia para a Observação dos AdversáriosProtocolo Guia para a Observação dos Adversários
Protocolo Guia para a Observação dos AdversáriosFundação Real Madrid
 
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)Pedro Ferrer
 
FC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensivaFC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensivaRicardo Luiz Pace
 
Atletico Mineiro (julho 2015)
Atletico Mineiro (julho 2015)Atletico Mineiro (julho 2015)
Atletico Mineiro (julho 2015)Andre Guerra
 
Transição defesa/ataque no jogo de 3
Transição defesa/ataque no jogo de 3Transição defesa/ataque no jogo de 3
Transição defesa/ataque no jogo de 3Maria João Vasconcelos
 
Transição Defesa/Ataque (TDA) no jogo de 3
Transição Defesa/Ataque (TDA) no jogo de 3Transição Defesa/Ataque (TDA) no jogo de 3
Transição Defesa/Ataque (TDA) no jogo de 3MariaJooVasconcelos1
 
A defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolA defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolBalonmano
 
Artigo defesa do bloqueio directo por Ruben Aguiar
Artigo defesa do bloqueio directo por Ruben AguiarArtigo defesa do bloqueio directo por Ruben Aguiar
Artigo defesa do bloqueio directo por Ruben AguiarRuben Aguiar
 

Semelhante a Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo (20)

Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
 
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costaOrganização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
Organização defensiva aula_braga2008_nivel_2_joão carlos costa
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Futebol
Futebol Futebol
Futebol
 
Futebol isce Prof Valter Pinheiro
Futebol isce Prof Valter PinheiroFutebol isce Prof Valter Pinheiro
Futebol isce Prof Valter Pinheiro
 
Protocolo Guia para a Observação dos Adversários
Protocolo Guia para a Observação dos AdversáriosProtocolo Guia para a Observação dos Adversários
Protocolo Guia para a Observação dos Adversários
 
Jornadas tecnicas
Jornadas tecnicasJornadas tecnicas
Jornadas tecnicas
 
11º ano
11º ano11º ano
11º ano
 
12º ano
12º ano12º ano
12º ano
 
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
Colocação de função táctica do guarda-redes (defesa do espaço)
 
FC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensivaFC Barcelona transição defensiva
FC Barcelona transição defensiva
 
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
 
Atletico Mineiro (julho 2015)
Atletico Mineiro (julho 2015)Atletico Mineiro (julho 2015)
Atletico Mineiro (julho 2015)
 
Fases de Jogo
Fases de JogoFases de Jogo
Fases de Jogo
 
Transição defesa/ataque no jogo de 3
Transição defesa/ataque no jogo de 3Transição defesa/ataque no jogo de 3
Transição defesa/ataque no jogo de 3
 
Transição Defesa/Ataque (TDA) no jogo de 3
Transição Defesa/Ataque (TDA) no jogo de 3Transição Defesa/Ataque (TDA) no jogo de 3
Transição Defesa/Ataque (TDA) no jogo de 3
 
A defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolA defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebol
 
Artigo defesa do bloqueio directo por Ruben Aguiar
Artigo defesa do bloqueio directo por Ruben AguiarArtigo defesa do bloqueio directo por Ruben Aguiar
Artigo defesa do bloqueio directo por Ruben Aguiar
 

Mais de Fundação Real Madrid

O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraFundação Real Madrid
 
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorModelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorFundação Real Madrid
 
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013Fundação Real Madrid
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaFundação Real Madrid
 
Periodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalPeriodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalFundação Real Madrid
 
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Fundação Real Madrid
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Fundação Real Madrid
 
Reunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoReunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoFundação Real Madrid
 
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretTACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretFundação Real Madrid
 
German Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentGerman Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentFundação Real Madrid
 
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de EntrenamientoPep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de EntrenamientoFundação Real Madrid
 

Mais de Fundação Real Madrid (20)

O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio FerreiraO Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
O Guarda-Redes no Futebol - Sérgio Ferreira
 
Club Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth DevelopmentClub Brugge - Youth Development
Club Brugge - Youth Development
 
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" JogadorModelo de Formação do "Pequeno" Jogador
Modelo de Formação do "Pequeno" Jogador
 
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
"The Roadmap to International Success" - FFA National Curriculum 2013
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de forma
 
Football Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFAFootball Conditioning - FFA
Football Conditioning - FFA
 
Periodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização ConvencionalPeriodização Tática x Periodização Convencional
Periodização Tática x Periodização Convencional
 
New Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development FrameworkNew Zealand FA Development Framework
New Zealand FA Development Framework
 
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
Technical Report and Statistics - FIFA World Cup Brazil 2014
 
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
Periodização Tática - Pressupostos e Fundamentos (2014)
 
FUNino: Horst Wein
FUNino: Horst WeinFUNino: Horst Wein
FUNino: Horst Wein
 
Reunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o JogoReunião de Preparação para o Jogo
Reunião de Preparação para o Jogo
 
The FA: Tesco Skills 5-11's
The FA:  Tesco Skills 5-11'sThe FA:  Tesco Skills 5-11's
The FA: Tesco Skills 5-11's
 
LIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training DrillsLIVERPOOL FC - Training Drills
LIVERPOOL FC - Training Drills
 
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's SecretTACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
TACTICAL PERIODIZATION - Mourinho's Secret
 
German Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent DevelopmentGerman Football Association - Talent Development
German Football Association - Talent Development
 
DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme DFB - Youth Development Programme
DFB - Youth Development Programme
 
Belgium Youth Development
Belgium Youth DevelopmentBelgium Youth Development
Belgium Youth Development
 
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de EntrenamientoPep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
Pep Guardiola - Sesiones de Entrenamiento
 
AC Milan Methodology
AC Milan MethodologyAC Milan Methodology
AC Milan Methodology
 

Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo

  • 1. Construcción  del  estilo  de  juego   Jorge  Castelo   Sporting  Clube  de  Portugal       1.  Estrutura  da  Equipa   2.  Organização  da  Equipa       1.  ESTRUTURA  DA  EQUIPA     1.1.  Sistema  táctico  da  equipa     1.2.  Articulação  sectorial  e  intersectorial  da  equipa     1.3.  Missões  tácticas  gerais  e  específicas  dos  jogadores           2.  ORGANIZAÇÃO  DA  EQUIPA     2.1.  FASE  OFENSIVA     2.1.1.  MÉTODOS  OFENSIVOS     2.1.1.1.  Contra-­‐ataque   1.  Rápida  transição  defesa/ataque.   2.  Reduzido  tempo  de  construção  do  ataque.   3.  Elevado  ritmo  de  decisão/acção   4.  Simplicidade  de  processos.   5.  Rentabiliza  o  binómio  tempo/espaço.   6.  Impede  a  defesa  adversária  em  se  organizar.   7.  Ter  sempre  como  referência  os  jogadores  melhor  posicionados.   8.  Inter-­‐relacionar  com  o  método  de  jogo  defensivo.           1  
  • 2. 2.1.1.2.  Ataque  Rápido   1.  As  características  do  ataque  rápido  são  semelhantes  às  do  contra-­‐ataque.     2.  A  diferença  fundamental  estabelece-­‐se  no  facto  do  contra-­‐ataque  procurar  assegurar   a  finalização,  antes  da  defesa  contrária  se  organizar  de  forma  efectiva.  Enquanto  o   ataque  rápido,  terá  de  preparar  a  fase  de  finalização  já  com  a  equipa  adversária   organizada  no  seu  método  defensivo.     2.1.1.3.  Ataque  Posicional   1.  Maior  duração  da  etapa  de  construção  do  processo  ofensivo.     2.    Evidencia  uma  acção  colectiva  num  bloco  compacto  e  homogéneo.     3.  Segurança  na  resolução  das  situações  de  jogo.     4.  Constituição  de  unidades  estruturais  funcionais.     5.  Trinómio  tempo,  espaço  e  número.     6.  Ocupação  racional  do  espaço  de  jogo.     2.1.2.  ETAPAS  DO  ATAQUE     2.1.2.1.  1ª  Etapa.  Construção  do  processo  ofensivo     1ª  etapa  de  Construção  do  ataque   -­‐  Saída  baixa  utilizando  os  centrais,  os  laterais  ou  os  médios  defensivos   -­‐  Criar  constantemente  linhas  de  passe  e  de  opções  de  decisão   -­‐  Atacar  o  espaço  livre  mas  utilizar  poucos  toques  na  bola   -­‐  Atrair  os  adversários  para  um  dos  corredores  laterais  possibilitando  a  saída  da  bola   pelo  outro   -­‐  Mobilidade  dos  atacantes  que  dão  opções  de  passe  (trocas  posicionais)   -­‐  Variar  o  ritmo  de  jogo  através  de  acções  rápidas  ou  variação  do  centro  do  jogo.   -­‐  Jogar  com  poucos  toques  e  evitar  acções  de  dible/finta         2ª  etapa  de  Construção  do  ataque     -­‐  Saída  longa  ataque  sobre  a  1ª  e  2ª  bola   -­‐  Qualidade  e  precisão  na  circulação  da  bola   -­‐  Mobilidade  constante  dos  atacantes  (jogos  posicionais)   -­‐  Utilizar  o  jogo  exterior  e  o  jogo  interior   -­‐  Gerir  tempos  e  ritmos  de  jogo  (pausar  e  acelerar)   -­‐  Constantes  apoios  frontais  e  laterais  ao  atacante  de  posse  da  bola   -­‐  Atacar  constantemente  a  última  linha  defensiva  adversária   -­‐  Evitar  de  conduzir  e  driblar  em  excesso  em  especial  quando  o  bloco  defensivo  está   organizado       2  
  • 3.       2.1.2.2.  2ª  Etapa:  Criação  de  Situações  de  Finalização     -­‐  Variar  o  jogo  ofensivo  pelo  corredor  exterior  e  interior   -­‐  Manter  constantemente  a  largura  no  ataque   -­‐  Desequilibrar  a  estrutura  defensiva  através  de  situações  1x1,  2x1,  2x2,  ou  através   de  passes  de  rotura   -­‐  Mobilidade  constante  dos  atacantes  e  trocas  posicionais   -­‐  Utilizar  as  acções  de    cruzamento  variando  as  trajectórias  da  bola  bem  como  os   alvos.   -­‐  Atacar  convictamente  os  espaços  predominantes  de  finalização   -­‐  Manter  o  equilíbrio  defensivo  de  modo  a  reagir  à  perda  de  posse  de  bola  (preparar   para  transitar).         2.1.2.3.  3ª  Etapa  Finalização     -­‐  Rematar  logo  que  a  oportunidade  surja.     -­‐  Construir  linhas  limpas  de  remate   -­‐  Rematar  fora  da  grande  área   -­‐  Assumir  a  responsabilidade  de  rematar  com  convicção.     -­‐  Rematar  a  partir  de  espaços  pouco  habituais.   -­‐  Deslocar-­‐se  logo  após  o  remate  atacar  o  2º  momento  da  acção.   -­‐  Atender  à  aleatoriedade  das  situações.                     3  
  • 4.     2.1.3.  MOMENTOS  DO  ATAQUE     2.1.3.1.  Transição  de  fase  -­‐  ataque/defesa     1.  Forte  atitude  e  predisposição  mental  aquando  da  perda  de  bola  (reacção  imediata   de  todos).   2.  Pressão  constante  sobre  o  portador  da  bola,  os  outros  fecham  linhas  de  passe  de   progressão  ou  rotura  da  organização.   3.  Retardar  o  desenvolvimento  do  ataque  adversário   4.  Compensar  de  imediato  a  acção  dos  colegas  quando  ultrapassados  (entreajuda)   5.  Rápida  recuperação  defensiva  elevando  o  nº  de  defesas  atrás  da  linha  da  bola.   6.  Ver  simultaneamente  a  bola  e  o  adversário  directo   7.    Recorrer  à  falta  quando  for  necessário  (sentido  útil  da  infracção)     2.1.3.2.  Bolas  Paradas  -­‐  Esquemas  Tácticos     1.  Marcação  rápida  falta  em  certas  situações  de  jogo  (surpreender  os  adversários)   2.  Ocupar  rapidamente  as  posições  pré-­‐defenidas  e  treinadas   3.  Atender  aos  sinais  combinados   4.  Sincronizar  as  acções  de  quem  marca  e  de  quem  recebe   5.  Atacar  forte  a  1ª  e  a  2ª  bola       6.  Marcar  os  adversários  que  não  estão  directamente  implicados  no  processo   defensivo   7.  Parar  de  imediato  a  transição  de  fase  do  adversário     2.2.  FASE  DEFENSIVA     2.2.1.  MÉTODOS  DEFENSIVOS     2.2.1.1.  Método  à  zona   1.  Potencia  “o  todos  contra  um”.   2.  Responsabiliza  cada  jogador  por  uma  zona  de  marcação.   3.  Estabelece  uma  organização  por  linhas  defensivas.     4.  Reforça  acções  de  entreajuda  e  solidariedade.   5.  Introduz  a  “defesa  em  linha”     2.2.1.2.  Método  misto.   1.  Sintetiza  o  método  individual  e  zona.   2.  Possibilita  que  o  defesa  marque  o  atacante  de  uma  para  a  outra  zona  do  campo.   3.  Reforça  as  acções  de  cobertura.   2.2.1.3.  Método  zona  pressionante   1.  Promove  a  marcação  rigorosa  ao  atacante  de  posse  de  bola.   2.  Reduz  o  espaço  efectivo  de  jogo.   3.  Potencia  continuadamente  a  marcação  a  atacantes  e  espaços  vitais  de  jogo.   4.  Modela  as  condições  de  recuperação  da  bola.   5.  Promove  o  aumento  da  concentração  da  organização  defensiva.   6.  Utiliza  a  comunicação  verbal  entre  os  jogadores.   7.  Desenvolve  um  elevado  grau  de  espírito  da  equipa.                   4  
  • 5. 2.2.2.  ETAPAS  DA  DEFESA     2.2.2.1.  Equilíbrio  defensivo   Pode  ser  concretizado:     1.   No   desenrolar   do   ataque.     As   equipas   aplicam   medidas   preventivas   de   modo   a   precaver  a  situação  de  perda  da  bola.   2.   Após   a   perda   da   posse   da   bola.   A   equipa   deve   reagir   de   imediato   à   situação   através   de   deslocamentos   em   direcção   ao   atacante   de   posse   da   bola   e,   dos   espaços   vitais  de  jogo  de  modo  a:   (1)  Reorganizar  o  ataque.   (2)  Evitar  de  acções  rápidas  de  ataque  do  adversário   (3)  Temporizar  o  ataque  adversário.     2.2.2.2.  Recuperação  defensiva   A  recuperação  defensiva  começa  nos  momentos  logo  após  a  impossibilidade  de  se   recuperar   de   imediato   a   bola   e,   dura   até   à   ocupação   do   dispositivo   defensivo   previamente  preconizado  pela  equipa.  Nestas  circunstâncias,  importa:   (1)  Marcar  espaços  e  atacantes  durante  a  recuperação  defensiva   (2)  Interpôr-­‐se  entre  o  atacante  e  a  própria  baliza   (3)  Obstruir  a  acção  dos  atacantes.     2.2.2.3.  Bloco  Defensivo   Pressupõe   a   ocupação   do   dispositivo   defensivo   previamente   preconizado   pela   equipa.     Qualquer   método   defensivo,   visa   com   a   sua   organização,   coordenação   e   colaboração,  não  apenas,  a  recuperação  da  posse  da  bola,  como  também,  proteger   a  baliza  contra  as  acções  agressivas  desenvolvidas  pelos  adversários.     Podemos  observar  3  níveis  de  bloco  defensivo:       2.2.2.3.1.  Bloco  defensivo  alto   1.  Forte  pressão  na  saída  curta  da  bola  pela  equipa  adversária   2.  Acção  de  pressão  realizada  fundamentalmente  pelo  ponta  de  lança,  extremos   e  médio  ofensivo.   3.   Aproximação   dos   diferentes   sectores   da   equipa   de   modo   a   manter   o   bloco   defensivo  compacto  (redução  do  espaço  entre  linhas)   4.   Obrigar   os   adversários   a   cometer   erros   (perda   da   bola   ou   executar   passes   longos)   5.   Conduzir   os   adversários   para   espaços   onde   seja   mais   fácil   a   recuperação   da   bola  (redução  do  espaço  efectivo  do  ataque)   6.  Dar  continuidade  ao  processo  defensivo  passando  para  bloco  médio  (caso  os   atacante  passem  a  1ª  linha  defensiva)   2.2.2.3.2.  Bloco  defensivo  médio   1.  Pressão  constante  sobre  o  atacante  de  posse  de  bola.   2.  Equipa  compacta  entre  linhas.  Manter  uma  distância  de  20/25  mts   2.  Respeitar  as  zonas  individuais  de  pressão   3.  Não  ser  atraído  pela  bola  ou  pelo  atacante.  Evitar  ser  eliminado   4.  Constantes  acções  de  cobertura  e  compensação   5.  Variar  o  centro  gravitacional  da  defesa  defendendo  essencialmente  o  corredor   central   6.  Agressividade  nos  duelos  (1ª  e  2ªs  bolas).  Não  cometer  faltas  desnecessárias.   7.  Aproveitar  a  transição  defesa/ataque               5  
  • 6. 2.2.2.3.3.  Bloco  defensivo  baixo   1.  Protecção  máxima  da  baliza   2.  Elevada  densidade  de  jogadores  num  espaço  reduzido  de  jogo   3.  Compacticidade  constante  do  bloco  defensivo   4.  Não  descansar  enquanto  não  recuperar  a  posse  de  bola   5.  Ver  constantemente  a  bola  e  adversário.   6.  Evitar  faltas  desnecessárias,  mas  agressividade  nos  duelos  individuais   7.  Espírito  de  luta  e  de  sacrifício   8.  Logo  que  a  recuperação  se  concretiza  transitar  rapidamente  para  o  ataque     2.2.3.  MOMENTOS  DA  DEFESA       2.2.3.1.  Transição  defesa/ataque   1.  Aproveitar  o  desequilíbrio  da  equipa  que  estava  a  atacar  e  tem  de  passar  a  defender.   Evitando  que  se  organize  defensivamente   2.  Potenciar  movimentações  em  largura  e  profundidade  saindo  rapidamente  das  zonas   de  pressão:  aumenta  o  espaço  efectivo  de  jogo,  o  nº  de  opções  tácticas  e,  redução  das   possibilidades  de  marcação.   3.   Assegurar   uma   posse   da   bola   segura   e   eficaz   e,   tão   rápida   quanto   possível   para   atacar  a  baliza  adversária  (direccionar  as  acções  nesse  sentido)     4.  Simplicidade  nas  acções  individuais  (usar  o  passe  e  poucos  toques  na  bola).   5.  Fomentar  uma  correcta  leitura  de  jogo  de  modo  a  usar:  CA,  AR  ou  AP.     2.2.3.2.  Esquemas  Tácticos     1.  Evitar  marcação  rápida   2.  Ocupar  rapidamente  as  posições  definida   3.  Posicionamento  zonal  ou  misto  (preparar  para  atacar  a  bola  e  o  espaço)   4.  Vigiar/marcar  os  adversários  de  referência.   5.  Armadilhar  a  acção  ofensiva  de  modo  a  surpreender  os  adversários  com   determinantes  transições  defesa/ataque   6.  Atacar  forte  a  1ª  e  2ª  bola  (saída  em  bloco),  reajustando  da  linha  defensiva   consoante  a  situação.   7.  Agir/reagir  constantemente  enquanto  não  recuperar  a  bola     6