Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo

9.106 visualizações

Publicada em

Jorge Castelo

Publicada em: Esportes
4 comentários
21 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.106
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.878
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
4
Gostaram
21
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo

  1. 1. Construcción  del  estilo  de  juego   Jorge  Castelo   Sporting  Clube  de  Portugal       1.  Estrutura  da  Equipa   2.  Organização  da  Equipa       1.  ESTRUTURA  DA  EQUIPA     1.1.  Sistema  táctico  da  equipa     1.2.  Articulação  sectorial  e  intersectorial  da  equipa     1.3.  Missões  tácticas  gerais  e  específicas  dos  jogadores           2.  ORGANIZAÇÃO  DA  EQUIPA     2.1.  FASE  OFENSIVA     2.1.1.  MÉTODOS  OFENSIVOS     2.1.1.1.  Contra-­‐ataque   1.  Rápida  transição  defesa/ataque.   2.  Reduzido  tempo  de  construção  do  ataque.   3.  Elevado  ritmo  de  decisão/acção   4.  Simplicidade  de  processos.   5.  Rentabiliza  o  binómio  tempo/espaço.   6.  Impede  a  defesa  adversária  em  se  organizar.   7.  Ter  sempre  como  referência  os  jogadores  melhor  posicionados.   8.  Inter-­‐relacionar  com  o  método  de  jogo  defensivo.           1  
  2. 2. 2.1.1.2.  Ataque  Rápido   1.  As  características  do  ataque  rápido  são  semelhantes  às  do  contra-­‐ataque.     2.  A  diferença  fundamental  estabelece-­‐se  no  facto  do  contra-­‐ataque  procurar  assegurar   a  finalização,  antes  da  defesa  contrária  se  organizar  de  forma  efectiva.  Enquanto  o   ataque  rápido,  terá  de  preparar  a  fase  de  finalização  já  com  a  equipa  adversária   organizada  no  seu  método  defensivo.     2.1.1.3.  Ataque  Posicional   1.  Maior  duração  da  etapa  de  construção  do  processo  ofensivo.     2.    Evidencia  uma  acção  colectiva  num  bloco  compacto  e  homogéneo.     3.  Segurança  na  resolução  das  situações  de  jogo.     4.  Constituição  de  unidades  estruturais  funcionais.     5.  Trinómio  tempo,  espaço  e  número.     6.  Ocupação  racional  do  espaço  de  jogo.     2.1.2.  ETAPAS  DO  ATAQUE     2.1.2.1.  1ª  Etapa.  Construção  do  processo  ofensivo     1ª  etapa  de  Construção  do  ataque   -­‐  Saída  baixa  utilizando  os  centrais,  os  laterais  ou  os  médios  defensivos   -­‐  Criar  constantemente  linhas  de  passe  e  de  opções  de  decisão   -­‐  Atacar  o  espaço  livre  mas  utilizar  poucos  toques  na  bola   -­‐  Atrair  os  adversários  para  um  dos  corredores  laterais  possibilitando  a  saída  da  bola   pelo  outro   -­‐  Mobilidade  dos  atacantes  que  dão  opções  de  passe  (trocas  posicionais)   -­‐  Variar  o  ritmo  de  jogo  através  de  acções  rápidas  ou  variação  do  centro  do  jogo.   -­‐  Jogar  com  poucos  toques  e  evitar  acções  de  dible/finta         2ª  etapa  de  Construção  do  ataque     -­‐  Saída  longa  ataque  sobre  a  1ª  e  2ª  bola   -­‐  Qualidade  e  precisão  na  circulação  da  bola   -­‐  Mobilidade  constante  dos  atacantes  (jogos  posicionais)   -­‐  Utilizar  o  jogo  exterior  e  o  jogo  interior   -­‐  Gerir  tempos  e  ritmos  de  jogo  (pausar  e  acelerar)   -­‐  Constantes  apoios  frontais  e  laterais  ao  atacante  de  posse  da  bola   -­‐  Atacar  constantemente  a  última  linha  defensiva  adversária   -­‐  Evitar  de  conduzir  e  driblar  em  excesso  em  especial  quando  o  bloco  defensivo  está   organizado       2  
  3. 3.       2.1.2.2.  2ª  Etapa:  Criação  de  Situações  de  Finalização     -­‐  Variar  o  jogo  ofensivo  pelo  corredor  exterior  e  interior   -­‐  Manter  constantemente  a  largura  no  ataque   -­‐  Desequilibrar  a  estrutura  defensiva  através  de  situações  1x1,  2x1,  2x2,  ou  através   de  passes  de  rotura   -­‐  Mobilidade  constante  dos  atacantes  e  trocas  posicionais   -­‐  Utilizar  as  acções  de    cruzamento  variando  as  trajectórias  da  bola  bem  como  os   alvos.   -­‐  Atacar  convictamente  os  espaços  predominantes  de  finalização   -­‐  Manter  o  equilíbrio  defensivo  de  modo  a  reagir  à  perda  de  posse  de  bola  (preparar   para  transitar).         2.1.2.3.  3ª  Etapa  Finalização     -­‐  Rematar  logo  que  a  oportunidade  surja.     -­‐  Construir  linhas  limpas  de  remate   -­‐  Rematar  fora  da  grande  área   -­‐  Assumir  a  responsabilidade  de  rematar  com  convicção.     -­‐  Rematar  a  partir  de  espaços  pouco  habituais.   -­‐  Deslocar-­‐se  logo  após  o  remate  atacar  o  2º  momento  da  acção.   -­‐  Atender  à  aleatoriedade  das  situações.                     3  
  4. 4.     2.1.3.  MOMENTOS  DO  ATAQUE     2.1.3.1.  Transição  de  fase  -­‐  ataque/defesa     1.  Forte  atitude  e  predisposição  mental  aquando  da  perda  de  bola  (reacção  imediata   de  todos).   2.  Pressão  constante  sobre  o  portador  da  bola,  os  outros  fecham  linhas  de  passe  de   progressão  ou  rotura  da  organização.   3.  Retardar  o  desenvolvimento  do  ataque  adversário   4.  Compensar  de  imediato  a  acção  dos  colegas  quando  ultrapassados  (entreajuda)   5.  Rápida  recuperação  defensiva  elevando  o  nº  de  defesas  atrás  da  linha  da  bola.   6.  Ver  simultaneamente  a  bola  e  o  adversário  directo   7.    Recorrer  à  falta  quando  for  necessário  (sentido  útil  da  infracção)     2.1.3.2.  Bolas  Paradas  -­‐  Esquemas  Tácticos     1.  Marcação  rápida  falta  em  certas  situações  de  jogo  (surpreender  os  adversários)   2.  Ocupar  rapidamente  as  posições  pré-­‐defenidas  e  treinadas   3.  Atender  aos  sinais  combinados   4.  Sincronizar  as  acções  de  quem  marca  e  de  quem  recebe   5.  Atacar  forte  a  1ª  e  a  2ª  bola       6.  Marcar  os  adversários  que  não  estão  directamente  implicados  no  processo   defensivo   7.  Parar  de  imediato  a  transição  de  fase  do  adversário     2.2.  FASE  DEFENSIVA     2.2.1.  MÉTODOS  DEFENSIVOS     2.2.1.1.  Método  à  zona   1.  Potencia  “o  todos  contra  um”.   2.  Responsabiliza  cada  jogador  por  uma  zona  de  marcação.   3.  Estabelece  uma  organização  por  linhas  defensivas.     4.  Reforça  acções  de  entreajuda  e  solidariedade.   5.  Introduz  a  “defesa  em  linha”     2.2.1.2.  Método  misto.   1.  Sintetiza  o  método  individual  e  zona.   2.  Possibilita  que  o  defesa  marque  o  atacante  de  uma  para  a  outra  zona  do  campo.   3.  Reforça  as  acções  de  cobertura.   2.2.1.3.  Método  zona  pressionante   1.  Promove  a  marcação  rigorosa  ao  atacante  de  posse  de  bola.   2.  Reduz  o  espaço  efectivo  de  jogo.   3.  Potencia  continuadamente  a  marcação  a  atacantes  e  espaços  vitais  de  jogo.   4.  Modela  as  condições  de  recuperação  da  bola.   5.  Promove  o  aumento  da  concentração  da  organização  defensiva.   6.  Utiliza  a  comunicação  verbal  entre  os  jogadores.   7.  Desenvolve  um  elevado  grau  de  espírito  da  equipa.                   4  
  5. 5. 2.2.2.  ETAPAS  DA  DEFESA     2.2.2.1.  Equilíbrio  defensivo   Pode  ser  concretizado:     1.   No   desenrolar   do   ataque.     As   equipas   aplicam   medidas   preventivas   de   modo   a   precaver  a  situação  de  perda  da  bola.   2.   Após   a   perda   da   posse   da   bola.   A   equipa   deve   reagir   de   imediato   à   situação   através   de   deslocamentos   em   direcção   ao   atacante   de   posse   da   bola   e,   dos   espaços   vitais  de  jogo  de  modo  a:   (1)  Reorganizar  o  ataque.   (2)  Evitar  de  acções  rápidas  de  ataque  do  adversário   (3)  Temporizar  o  ataque  adversário.     2.2.2.2.  Recuperação  defensiva   A  recuperação  defensiva  começa  nos  momentos  logo  após  a  impossibilidade  de  se   recuperar   de   imediato   a   bola   e,   dura   até   à   ocupação   do   dispositivo   defensivo   previamente  preconizado  pela  equipa.  Nestas  circunstâncias,  importa:   (1)  Marcar  espaços  e  atacantes  durante  a  recuperação  defensiva   (2)  Interpôr-­‐se  entre  o  atacante  e  a  própria  baliza   (3)  Obstruir  a  acção  dos  atacantes.     2.2.2.3.  Bloco  Defensivo   Pressupõe   a   ocupação   do   dispositivo   defensivo   previamente   preconizado   pela   equipa.     Qualquer   método   defensivo,   visa   com   a   sua   organização,   coordenação   e   colaboração,  não  apenas,  a  recuperação  da  posse  da  bola,  como  também,  proteger   a  baliza  contra  as  acções  agressivas  desenvolvidas  pelos  adversários.     Podemos  observar  3  níveis  de  bloco  defensivo:       2.2.2.3.1.  Bloco  defensivo  alto   1.  Forte  pressão  na  saída  curta  da  bola  pela  equipa  adversária   2.  Acção  de  pressão  realizada  fundamentalmente  pelo  ponta  de  lança,  extremos   e  médio  ofensivo.   3.   Aproximação   dos   diferentes   sectores   da   equipa   de   modo   a   manter   o   bloco   defensivo  compacto  (redução  do  espaço  entre  linhas)   4.   Obrigar   os   adversários   a   cometer   erros   (perda   da   bola   ou   executar   passes   longos)   5.   Conduzir   os   adversários   para   espaços   onde   seja   mais   fácil   a   recuperação   da   bola  (redução  do  espaço  efectivo  do  ataque)   6.  Dar  continuidade  ao  processo  defensivo  passando  para  bloco  médio  (caso  os   atacante  passem  a  1ª  linha  defensiva)   2.2.2.3.2.  Bloco  defensivo  médio   1.  Pressão  constante  sobre  o  atacante  de  posse  de  bola.   2.  Equipa  compacta  entre  linhas.  Manter  uma  distância  de  20/25  mts   2.  Respeitar  as  zonas  individuais  de  pressão   3.  Não  ser  atraído  pela  bola  ou  pelo  atacante.  Evitar  ser  eliminado   4.  Constantes  acções  de  cobertura  e  compensação   5.  Variar  o  centro  gravitacional  da  defesa  defendendo  essencialmente  o  corredor   central   6.  Agressividade  nos  duelos  (1ª  e  2ªs  bolas).  Não  cometer  faltas  desnecessárias.   7.  Aproveitar  a  transição  defesa/ataque               5  
  6. 6. 2.2.2.3.3.  Bloco  defensivo  baixo   1.  Protecção  máxima  da  baliza   2.  Elevada  densidade  de  jogadores  num  espaço  reduzido  de  jogo   3.  Compacticidade  constante  do  bloco  defensivo   4.  Não  descansar  enquanto  não  recuperar  a  posse  de  bola   5.  Ver  constantemente  a  bola  e  adversário.   6.  Evitar  faltas  desnecessárias,  mas  agressividade  nos  duelos  individuais   7.  Espírito  de  luta  e  de  sacrifício   8.  Logo  que  a  recuperação  se  concretiza  transitar  rapidamente  para  o  ataque     2.2.3.  MOMENTOS  DA  DEFESA       2.2.3.1.  Transição  defesa/ataque   1.  Aproveitar  o  desequilíbrio  da  equipa  que  estava  a  atacar  e  tem  de  passar  a  defender.   Evitando  que  se  organize  defensivamente   2.  Potenciar  movimentações  em  largura  e  profundidade  saindo  rapidamente  das  zonas   de  pressão:  aumenta  o  espaço  efectivo  de  jogo,  o  nº  de  opções  tácticas  e,  redução  das   possibilidades  de  marcação.   3.   Assegurar   uma   posse   da   bola   segura   e   eficaz   e,   tão   rápida   quanto   possível   para   atacar  a  baliza  adversária  (direccionar  as  acções  nesse  sentido)     4.  Simplicidade  nas  acções  individuais  (usar  o  passe  e  poucos  toques  na  bola).   5.  Fomentar  uma  correcta  leitura  de  jogo  de  modo  a  usar:  CA,  AR  ou  AP.     2.2.3.2.  Esquemas  Tácticos     1.  Evitar  marcação  rápida   2.  Ocupar  rapidamente  as  posições  definida   3.  Posicionamento  zonal  ou  misto  (preparar  para  atacar  a  bola  e  o  espaço)   4.  Vigiar/marcar  os  adversários  de  referência.   5.  Armadilhar  a  acção  ofensiva  de  modo  a  surpreender  os  adversários  com   determinantes  transições  defesa/ataque   6.  Atacar  forte  a  1ª  e  2ª  bola  (saída  em  bloco),  reajustando  da  linha  defensiva   consoante  a  situação.   7.  Agir/reagir  constantemente  enquanto  não  recuperar  a  bola     6  

×