Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine

1.892 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre Aplicação da Medicina Nuclear.

Expansion of Nuclear Medicine P.S: The presentation is in Portuguese - Brazil.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine

  1. 1. AMPLIAÇÃO DA MEDICINA NUCLEAR (GAMA - CÂMARA, SPECT E PET) (Nome)
  2. 2. Medicina Nuclear  Utiliza pequenas quantidades de substâncias radioativas ou "traçadores" para o diagnóstico ou tratamento de doenças.  mostra a causa da doença;  função dos órgãos e tecidos.  Câmara:  câmara gama ou câmara de cintilação;  transformação das emissões em imagens;  informações de como se encontra a função do órgão em estudo.  O médico nuclear:  interpreta estes estudos (ou cintilografias);  determina qual a causa da doença.
  3. 3.  Utiliza técnicas seguras e indolores para formar imagens do corpo e tratar doenças.  Única por revelar dados sobre a anatomia e a função dos órgãos.  É uma maneira de coletar informações de diagnóstico médico que, de outra forma, não estariam disponíveis.  requereriam cirurgia;  exames de diagnóstico mais caros.  A avaliação funcional realizada pela medicina nuclear traz, muitas vezes, informações diagnósticas de forma precoce em diferentes patologias.
  4. 4. Como se realiza um exame de M.N  3 passos principais:  administração do traçador;  aquisição de imagens;  análise das imagens.  A aquisição das imagens, que pode variar de poucas horas/dias.  Possui detectores especiais que podem captar a imagem dos materiais radioativos localizados dentro do corpo.  A imagem, gravada em filme ou em um computador, é, então, avaliada por seu médico
  5. 5. Em quais casos é indicado  Danos fisiológicos ao coração;  Restrição do fluxo sangüíneo ao cérebro;  Tireóide, rins, fígado e pulmões;  Tratamento do hipertireoidismo;  Alívio da dor para certos tipos de câncer dos ossos.
  6. 6. SPECT - tomografia computadorizada por emissão de fóton único
  7. 7. Radiofarmácia  RADIOISÓTOPOS: substâncias que emitem radiação, utilizados no seu estado livre (não marcado) para a obtenção de imagens.  Os mais usados : Tc99m, I¹³¹ (Iodo) , Tl201 (Tálio), Ga67 (Gálio), Sm153 (Samário) .  RADIOFÁRMACOS: Quando se adiciona substâncias (fármacos) aos radioisótopos. Apresentam afinidades químicas por determinados órgãos do corpo e são utilizados para transportar a substância radioativa para o órgão a ser estudado.
  8. 8. Componentes da câmara gama  Colimador – permite que os raios gama viagem numa certa direção e atinjam o detector;  Cristal – receptor da radiação;  Fotomultiplicadores – multiplicam o sinal produzido pela luz incidente;
  9. 9. Formação da imagem  Gama câmara é rotacionada em volta do paciente, capturando múltiplas imagens bidimensionais (2D);  A radiação é captada em pontos definidos durante a rotação (normalmente a cada 3-6 graus);  Tempo de captação é variável (15 a 20 segundos); As imagens podem ser preto e branco ou coloridas;  A resolução da imagem depende :  Energia;  Espessura do cristal;  Eficiência de coleta;  Distância;  Diâmetro dos furos do colimador.
  10. 10. Aplicações na medicina  Perfusão de miocárdio;  Cintilografia óssea;  Cintilografia de ventilação e de perfusão;  Perfusão cerebral.
  11. 11. PET/CT – Tomografia por emissão de pósitron/Tomografia computadorizada Desenvolvido: Edward Hoffman e Michael E. Phelps em 1973, EUA
  12. 12. Câmara de cintilação  Na parte frontal, acomoda um tomógrafo computadorizado (CT) e na parte traseira, acopla o PET.
  13. 13. Detectores  PET é constituído por 18.400 cristais BGO, os quais detectam duas lesões a uma distância de 4,5 mm;  CT – uma tomografia que consegue fazer uma varredura do corpo todo do paciente em menos de 2 minutos, permitindo cortes com espessura mínima de 1 mm.
  14. 14. Formação da imagem PET/TC  A imagem é formada pela emissão dos pósitron pelos radionúcleos fixados nos órgãos do paciente;  O computador reconstrói os locais de emissão de pósitrons a partir das energias e direções de cada par de raios gamas;  Gerando imagens tridimensionais (3D).
  15. 15. Radionuclídeos  Flúor-18 (FDG- fluorodeoxiglicose) análogo da glicose – Utilizado para estudar o metabolismo dos órgão e tecidos (meia-vida 2 horas);  Nitrogênio-13 – Utilizado para estudar perfusão sanguínea de um órgão.  Oxigênio-15 – Utilizado nos estudos do cérebro;  Rubídio 82 – Utilizado em estudos de perfusão cardíacos.
  16. 16. Aplicações do exame PET  PET oncológico – detecta células com alto consumo de glicose;  PET do cérebro – avalia perfusão sanguínea e atividade de diferentes regiões do cérebro;  PET cardíaco – usadas para detectar áreas isquêmicas e fibrosadas.
  17. 17. Conclusão  Fornece informações que outros métodos não apresentam;  Sensibilidade elevada em detectar alterações na função de um determinado órgão;  Os exames são mais sensíveis para detecção de doenças do que a maioria dos outros exames de diagnóstico;  Identifica as alterações muito antes do problema se tornar aparente por outros exames.
  18. 18. Referências Bibliográficas  http://www.cmnabc.com.br/cmnframes.html  http://www.siemens.com.br/templates/coluna1.aspx?channel=2110&channel_pri_nive l=2110  http://www.rem.ind.br/nuclear/medicina_nuclear.asp  http://www.biodieselbr.com/energia/nuclear/energia-nuclear-saude.htm  http://pt.wikipedia.org/wiki/Cintigrafia  http://www.indatir.org.br/o_iodo_t.htm  http://www.ipen.br  http://www.santajoana.com.br/servicos/diagnostico_por_imagem.shtml  http://www.fismed.ufrgs.br/cintilografia.htm  http://neuroimagens.blog.com/563819/
  19. 19. Muito Obrigada! (Nome)

×