SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
O QUE SÃO?
QUAIS SÃO ESSES ELEMENTOS?
 RESPECTIVAMENTE:
- Intencionalidade
- Aceitabilidade
- Situacionalidade
- Informatividade
- Intertextualidade
- Contextualização
- Coesão
- Coerência
INTENCIONALIDADE:
 A intencionalidade do autor é tudo aquilo que ele quer
expressar através do texto.
 Para que o autor possa passar sua intenção sobre o texto,
ele necessita de um conhecimento de tudo o que ele está
escrevendo.
Então, dessa forma, qual seria a nossa intenção ao
escrever um artigo de opinião?
Intencionalidade
 A intencionalidade do autor é tudo aquilo
que ele quer expressar através do texto.
O produtor de um texto tem, necessariamente,
determinados objetivos ou propósitos, que vão desde a
simples intenção de estabelecer/manter o contato com
o receptor, até a de levá-lo a partilhar de opiniões ou a agir de
determinada maneira.
Para que o autor possa passar sua
intenção sobre o texto, ele necessita :
- escrever um texto coerente e coeso.
- ter conhecimento sobre o tema que está
escrevendo.
- adequar a linguagem.
Vamos exercitar!
Um adolescente chega da escola com os tênis cheios de
barro. Sem descalçar os tênis, vai direto para a sala. Lá
encontra sua mãe, que havia acabado de limpar o chão.
Ela lhe diz: - Menino, eu acabei de limpar o chão da sala!
a) Qual é a intencionalidade subjacente nesse
enunciado?
b) De que outra forma a mãe poderia falar,
explicitando sua intenção?
ACEITABILIDADE:
 Já na aceitabilidade, o leitor necessita de um
conhecimento prévio para avaliar o texto corretamente,
dessa forma, ficando ao seu critério aceitar ou não a
intenção real do autor.
 Pois consequentemente, é através da interpretação e
interação do leitor que se pode dar o sentido a leitura,
reconhecendo o que há de implícito ou explícito que
contenham no texto.
 OBS: Explicar aos alunos que observamos as suas intenções ao escrever os seus textos e
verificamos o grau de aceitação daquelas ideias, se elas realmente seriam “aceitas” por leitores,
caso não, solicitamos a reescrita ou reflexão sobre aquelas ideias. Por isso, a noção de
intencionalidade está para o autor e a aceitabilidade daquela intenção, para o leitor.
Aceitabilidade
A aceitabilidade constitui a parte oposta
da intencionalidade.
Enquanto a intencionalidade é a ação do emissor em
passar para o receptor um texto de acordo com a sua
intenção e objetivos. A aceitabilidade é a ação do
receptor em associar ao que está sendo lido, verificando a
coesão e a coerência, interpretando o texto da forma que
achar adequado.
Para haver a aceitabilidade, é
necessário que o leitor:
- ative seus conhecimentos prévios;
- formule juízos de valor sobre esse texto
e reconhecê-lo, ou não, como coeso e
coerente.
Vamos exercitar!
Se o texto introduzir:
“Um grupo de turistas estava de biquíni no Pólo Norte.”
- O mais provável é o leitor aceitar ou não como
“verdadeiro” ou coerente?
INFORMATIVIDADE:
 Existem textos com menor ou maior grau de
informatividade, fato esse que depende daqueles fatores
básicos que norteiam a finalidade da escrita: por que,
para quê e para quem escrevemos.
 Assim, o grau de informatividade, ora dito em outras
palavras, define-se pelo nível de conhecimento de que
dispõem as pessoas de uma forma geral.
Lembrem-se: Quanto mais leituras, informações,
conteúdo o autor tiver, maior será o grau de
informatividade no seu texto.
SITUACIONALIDADE:
 Ela diz respeito aos elementos responsáveis pela
pertinência e relevância do texto quanto ao contexto
que ocorre.
 É a adequação do texto à situação sociocomunicativa.
Devemos nos perguntar ao escrever um texto:
Isso que estou escrevendo, é relevante e pertinente
sobre o conteúdo abordado?
INTERTEXTUALIDADE:
 Diálogo (relação) entre dois ou mais textos, que não
precisam ser necessariamente de um mesmo gênero.
 Intertextualidade é um fenômeno que pode
manifestar-se de diferentes maneiras.
 De forma consciente ou insconsciente artigo de
opinião tem uma relação direta ou indireta com o
que você já leu, já ouviu, já estudou, já se
informou...
CONTEXTUALIZAÇÃO:
 O fato de contextualizar é importante para uma
atribuição de sentido adequada, de modo que apenas
algumas circunstâncias podem ser compreendidas.
O autor deve situar o leitor sobre o que está
falando, para que a interação entre autor e leitor,
aconteça.
COERÊNCIA TEXTUAL:
(In)coerência
Ao saber que um sobrinho havia levado uma mordida, minha
mulher perguntou: "Afinal, quem mordeu o Pedro?" A resposta foi
imediata: “Foi a cachorra da namorada do João neurótica.”
Quem mordeu o Pedro foi:
a) a cachorra, que é neurótica e pertence à namorada do João?
b) a cachorra, que pertence à namorada neurótica do João?
c) a namorada do João, que, além de ser uma "cachorra", é
uma neurótica?
* TEXTO  TEXTUM = TECIDO
Assim, a coerência constitui as
conexões entre os fios desse tecido,
ou seja, entre as informações do
texto.
Tipos de incoerência
 Incoerência sintática: uso indevido de conectores, de
elementos de coesão
 Maria saiu de casa atrasada, portanto acabou
chegando no horário
 Maria saiu de casa atrasada, mas acabou chegando no
horário
 Incoerência Semântica: Uso de vocabulário indevido
• Quantos animais de cada espécie Moisés levou na arca?
• Moisés? ou Noé?
 Incoerência Pragmática: Relaciona-se com os atos de
fala
 Para cada ato de fala, espera-se um resultado
• Minha mãe chega às três horas - disse o marido
• Hoje eu comprei um CD novo, quer ouvir?
Vamos praticar...
 Qual o tipo de incoerência presentes nas frases a
seguir?
1. Educação, problema universal que todo indivíduo
deveria ter acesso.
2. Todavia faça sol, iremos a piscina.
3. Moço, pode me dar um trocado?
- Não, obrigado!
PÉROLAS DO ENEM
“A Lei Seca tem esse nome por que sem cerveja a gente
dirige com a gaganta seca”
“as mortes dimunuiram porém tem mais gente viva do
que antes. graças a Deus.”
“Eles deviam trocar o bafômetro e mandar fazer o 4 com
as pernas pois eu sei fazer o 4 quando estou bêbado”
“Quando a pessoa morre em acidentes por causa da
bebiba além de perder a vida ela pode perder a carteira
de motorista.”
COESÃO TEXTUAL:
 Coesão é a conexão, ligação, harmonia entre os
elementos de um texto.
 Percebemos tal definição, quando lemos um texto e
verificamos que as palavras, as frases e os parágrafos
estão entrelaçados, um dando continuidade ao outro.
 VEJAMOS ALGUNS TIPOS:
Coesão por referência:
Existem palavras que têm a função de fazer
referência, são elas:
- pronomes pessoais: eu, tu, ele, me, te, os...
- pronomes possessivos: meu, teu, seu, nosso...
- pronomes demonstrativos: este, esse, aquele...
- pronomes indefinidos: algum, nenhum, todo...
- pronomes relativos: que, o qual, onde...
- advérbios de lugar: aqui, aí, lá...
Coesão por elipse:
 Ocorre por meio da omissão de uma ou mais palavras
sem comprometer a clareza da oração. Observe:
Coesão por substituição:
 São utilizadas palavras e expressões que retomam
termos já enunciados, empregando assim aquilo que
chamamos de anáfora. Observe o exemplo:
Coesão por conjunção:
 Possibilita relações entre os termos do texto através do
emprego de conjunções, retomando o que foi dito e
dando continuidade à ideia. Observe:
Coesão lexical:
 Ocorre por meio do emprego de sinônimos,
pronomes, hipônimos ou heterônimos. Observe:
Coesão por reiteração:
 Neste tipo de coesão é possível repetir o elemento
lexical ou mesmo usar sinônimos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaJirede Abisai
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Procedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - pptProcedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - pptJane Pereira
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdfgeroboaosouza
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaJomari
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerenciasilnog
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoJamille Rabelo
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Falajayarruda
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 

Mais procurados (20)

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Procedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - pptProcedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - ppt
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Elementos de coerência
Elementos de coerênciaElementos de coerência
Elementos de coerência
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
 
Gênero Cronica
Gênero Cronica Gênero Cronica
Gênero Cronica
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
 
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVADISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
 

Semelhante a O que são elementos textuais

A importancia de ler
A importancia de lerA importancia de ler
A importancia de lerElaine Junger
 
Trabalho portugues parte maria
Trabalho portugues   parte mariaTrabalho portugues   parte maria
Trabalho portugues parte mariaMaria Oliveira
 
Elaine - parte 1 - 3set
Elaine - parte 1 - 3setElaine - parte 1 - 3set
Elaine - parte 1 - 3setRaquel Donega
 
Fatores de Coerência - Linguística Textual
Fatores de Coerência - Linguística Textual Fatores de Coerência - Linguística Textual
Fatores de Coerência - Linguística Textual Talita Schweig
 
Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraJamille Rabelo
 
Formando o leitor e o produtor de texto
Formando o leitor e o produtor de texto Formando o leitor e o produtor de texto
Formando o leitor e o produtor de texto Elenjusse Martins
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textuallittlevic4
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuaisbumomi
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuaisbumomi
 
Técnicas de redacao
Técnicas de redacaoTécnicas de redacao
Técnicas de redacaoLuiz Avelar
 
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdf
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdfTécnicas de Redação (Concurso Público).pdf
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdfELIVELSON MAIA
 
A leitura e suas múltiplas linguagens
A leitura e suas múltiplas linguagensA leitura e suas múltiplas linguagens
A leitura e suas múltiplas linguagensRoberta Scheibe
 

Semelhante a O que são elementos textuais (20)

Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
 
Elementos da-textualidade
Elementos da-textualidadeElementos da-textualidade
Elementos da-textualidade
 
A importancia de ler
A importancia de lerA importancia de ler
A importancia de ler
 
Trabalho portugues parte maria
Trabalho portugues   parte mariaTrabalho portugues   parte maria
Trabalho portugues parte maria
 
Elaine - parte 1 - 3set
Elaine - parte 1 - 3setElaine - parte 1 - 3set
Elaine - parte 1 - 3set
 
Fatores de Coerência - Linguística Textual
Fatores de Coerência - Linguística Textual Fatores de Coerência - Linguística Textual
Fatores de Coerência - Linguística Textual
 
Planejamento do texto
Planejamento do textoPlanejamento do texto
Planejamento do texto
 
Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leitura
 
Oficina formação de leitores
Oficina formação de leitoresOficina formação de leitores
Oficina formação de leitores
 
Diários de leitura cesp
 Diários de leitura   cesp Diários de leitura   cesp
Diários de leitura cesp
 
Formando o leitor e o produtor de texto
Formando o leitor e o produtor de texto Formando o leitor e o produtor de texto
Formando o leitor e o produtor de texto
 
PROPOSTA DE REDAÇÃO 01
PROPOSTA DE REDAÇÃO 01PROPOSTA DE REDAÇÃO 01
PROPOSTA DE REDAÇÃO 01
 
Proposta redacao1
Proposta redacao1Proposta redacao1
Proposta redacao1
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuais
 
Generosetipostextuais
GenerosetipostextuaisGenerosetipostextuais
Generosetipostextuais
 
Técnicas de redacao
Técnicas de redacaoTécnicas de redacao
Técnicas de redacao
 
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdf
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdfTécnicas de Redação (Concurso Público).pdf
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdf
 
A leitura e suas múltiplas linguagens
A leitura e suas múltiplas linguagensA leitura e suas múltiplas linguagens
A leitura e suas múltiplas linguagens
 

Mais de Nastrilhas da lingua portuguesa

Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoNastrilhas da lingua portuguesa
 

Mais de Nastrilhas da lingua portuguesa (20)

Roteiro discussão sd 2
Roteiro discussão sd 2Roteiro discussão sd 2
Roteiro discussão sd 2
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
 
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
 
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
 
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
 
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
 
Nas trilhas da lingua portuguesa módulo 2017.2
Nas trilhas da lingua portuguesa   módulo 2017.2Nas trilhas da lingua portuguesa   módulo 2017.2
Nas trilhas da lingua portuguesa módulo 2017.2
 
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
 
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
 
Quiz – nas trilhas os meninos( mais velho, mais novo)
Quiz – nas trilhas   os meninos( mais velho, mais novo)Quiz – nas trilhas   os meninos( mais velho, mais novo)
Quiz – nas trilhas os meninos( mais velho, mais novo)
 
Quiz – nas trilhas narraçao
Quiz – nas trilhas   narraçaoQuiz – nas trilhas   narraçao
Quiz – nas trilhas narraçao
 
Momento diversão narrativa de imagem
Momento diversão   narrativa de imagemMomento diversão   narrativa de imagem
Momento diversão narrativa de imagem
 
Tempo e espço (1)
Tempo e espço (1)Tempo e espço (1)
Tempo e espço (1)
 
Tipologias textuais
Tipologias textuais Tipologias textuais
Tipologias textuais
 
Estudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumoEstudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumo
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
 
Cultura e-regionalismo-pibid
Cultura e-regionalismo-pibidCultura e-regionalismo-pibid
Cultura e-regionalismo-pibid
 
Que é uma narrativa
Que é uma narrativa Que é uma narrativa
Que é uma narrativa
 
Quiz – nas trilhas os meninos
Quiz – nas trilhas   os meninosQuiz – nas trilhas   os meninos
Quiz – nas trilhas os meninos
 

Último

As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 

Último (20)

As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 

O que são elementos textuais

  • 2.
  • 3. QUAIS SÃO ESSES ELEMENTOS?  RESPECTIVAMENTE: - Intencionalidade - Aceitabilidade - Situacionalidade - Informatividade - Intertextualidade - Contextualização - Coesão - Coerência
  • 4. INTENCIONALIDADE:  A intencionalidade do autor é tudo aquilo que ele quer expressar através do texto.  Para que o autor possa passar sua intenção sobre o texto, ele necessita de um conhecimento de tudo o que ele está escrevendo. Então, dessa forma, qual seria a nossa intenção ao escrever um artigo de opinião?
  • 5. Intencionalidade  A intencionalidade do autor é tudo aquilo que ele quer expressar através do texto.
  • 6. O produtor de um texto tem, necessariamente, determinados objetivos ou propósitos, que vão desde a simples intenção de estabelecer/manter o contato com o receptor, até a de levá-lo a partilhar de opiniões ou a agir de determinada maneira.
  • 7. Para que o autor possa passar sua intenção sobre o texto, ele necessita : - escrever um texto coerente e coeso. - ter conhecimento sobre o tema que está escrevendo. - adequar a linguagem.
  • 8. Vamos exercitar! Um adolescente chega da escola com os tênis cheios de barro. Sem descalçar os tênis, vai direto para a sala. Lá encontra sua mãe, que havia acabado de limpar o chão. Ela lhe diz: - Menino, eu acabei de limpar o chão da sala! a) Qual é a intencionalidade subjacente nesse enunciado? b) De que outra forma a mãe poderia falar, explicitando sua intenção?
  • 9. ACEITABILIDADE:  Já na aceitabilidade, o leitor necessita de um conhecimento prévio para avaliar o texto corretamente, dessa forma, ficando ao seu critério aceitar ou não a intenção real do autor.  Pois consequentemente, é através da interpretação e interação do leitor que se pode dar o sentido a leitura, reconhecendo o que há de implícito ou explícito que contenham no texto.  OBS: Explicar aos alunos que observamos as suas intenções ao escrever os seus textos e verificamos o grau de aceitação daquelas ideias, se elas realmente seriam “aceitas” por leitores, caso não, solicitamos a reescrita ou reflexão sobre aquelas ideias. Por isso, a noção de intencionalidade está para o autor e a aceitabilidade daquela intenção, para o leitor.
  • 10. Aceitabilidade A aceitabilidade constitui a parte oposta da intencionalidade.
  • 11. Enquanto a intencionalidade é a ação do emissor em passar para o receptor um texto de acordo com a sua intenção e objetivos. A aceitabilidade é a ação do receptor em associar ao que está sendo lido, verificando a coesão e a coerência, interpretando o texto da forma que achar adequado.
  • 12. Para haver a aceitabilidade, é necessário que o leitor: - ative seus conhecimentos prévios; - formule juízos de valor sobre esse texto e reconhecê-lo, ou não, como coeso e coerente.
  • 13. Vamos exercitar! Se o texto introduzir: “Um grupo de turistas estava de biquíni no Pólo Norte.” - O mais provável é o leitor aceitar ou não como “verdadeiro” ou coerente?
  • 14. INFORMATIVIDADE:  Existem textos com menor ou maior grau de informatividade, fato esse que depende daqueles fatores básicos que norteiam a finalidade da escrita: por que, para quê e para quem escrevemos.  Assim, o grau de informatividade, ora dito em outras palavras, define-se pelo nível de conhecimento de que dispõem as pessoas de uma forma geral. Lembrem-se: Quanto mais leituras, informações, conteúdo o autor tiver, maior será o grau de informatividade no seu texto.
  • 15. SITUACIONALIDADE:  Ela diz respeito aos elementos responsáveis pela pertinência e relevância do texto quanto ao contexto que ocorre.  É a adequação do texto à situação sociocomunicativa. Devemos nos perguntar ao escrever um texto: Isso que estou escrevendo, é relevante e pertinente sobre o conteúdo abordado?
  • 16. INTERTEXTUALIDADE:  Diálogo (relação) entre dois ou mais textos, que não precisam ser necessariamente de um mesmo gênero.  Intertextualidade é um fenômeno que pode manifestar-se de diferentes maneiras.  De forma consciente ou insconsciente artigo de opinião tem uma relação direta ou indireta com o que você já leu, já ouviu, já estudou, já se informou...
  • 17. CONTEXTUALIZAÇÃO:  O fato de contextualizar é importante para uma atribuição de sentido adequada, de modo que apenas algumas circunstâncias podem ser compreendidas. O autor deve situar o leitor sobre o que está falando, para que a interação entre autor e leitor, aconteça.
  • 20. Ao saber que um sobrinho havia levado uma mordida, minha mulher perguntou: "Afinal, quem mordeu o Pedro?" A resposta foi imediata: “Foi a cachorra da namorada do João neurótica.” Quem mordeu o Pedro foi: a) a cachorra, que é neurótica e pertence à namorada do João? b) a cachorra, que pertence à namorada neurótica do João? c) a namorada do João, que, além de ser uma "cachorra", é uma neurótica?
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. * TEXTO  TEXTUM = TECIDO Assim, a coerência constitui as conexões entre os fios desse tecido, ou seja, entre as informações do texto.
  • 26.  Incoerência sintática: uso indevido de conectores, de elementos de coesão  Maria saiu de casa atrasada, portanto acabou chegando no horário  Maria saiu de casa atrasada, mas acabou chegando no horário
  • 27.  Incoerência Semântica: Uso de vocabulário indevido • Quantos animais de cada espécie Moisés levou na arca? • Moisés? ou Noé?
  • 28.  Incoerência Pragmática: Relaciona-se com os atos de fala  Para cada ato de fala, espera-se um resultado • Minha mãe chega às três horas - disse o marido • Hoje eu comprei um CD novo, quer ouvir?
  • 29. Vamos praticar...  Qual o tipo de incoerência presentes nas frases a seguir? 1. Educação, problema universal que todo indivíduo deveria ter acesso. 2. Todavia faça sol, iremos a piscina. 3. Moço, pode me dar um trocado? - Não, obrigado!
  • 31.
  • 32. “A Lei Seca tem esse nome por que sem cerveja a gente dirige com a gaganta seca” “as mortes dimunuiram porém tem mais gente viva do que antes. graças a Deus.” “Eles deviam trocar o bafômetro e mandar fazer o 4 com as pernas pois eu sei fazer o 4 quando estou bêbado” “Quando a pessoa morre em acidentes por causa da bebiba além de perder a vida ela pode perder a carteira de motorista.”
  • 33.
  • 34. COESÃO TEXTUAL:  Coesão é a conexão, ligação, harmonia entre os elementos de um texto.  Percebemos tal definição, quando lemos um texto e verificamos que as palavras, as frases e os parágrafos estão entrelaçados, um dando continuidade ao outro.  VEJAMOS ALGUNS TIPOS:
  • 35. Coesão por referência: Existem palavras que têm a função de fazer referência, são elas: - pronomes pessoais: eu, tu, ele, me, te, os... - pronomes possessivos: meu, teu, seu, nosso... - pronomes demonstrativos: este, esse, aquele... - pronomes indefinidos: algum, nenhum, todo... - pronomes relativos: que, o qual, onde... - advérbios de lugar: aqui, aí, lá...
  • 36.
  • 37.
  • 38. Coesão por elipse:  Ocorre por meio da omissão de uma ou mais palavras sem comprometer a clareza da oração. Observe:
  • 39. Coesão por substituição:  São utilizadas palavras e expressões que retomam termos já enunciados, empregando assim aquilo que chamamos de anáfora. Observe o exemplo:
  • 40. Coesão por conjunção:  Possibilita relações entre os termos do texto através do emprego de conjunções, retomando o que foi dito e dando continuidade à ideia. Observe:
  • 41.
  • 42. Coesão lexical:  Ocorre por meio do emprego de sinônimos, pronomes, hipônimos ou heterônimos. Observe:
  • 43.
  • 44. Coesão por reiteração:  Neste tipo de coesão é possível repetir o elemento lexical ou mesmo usar sinônimos.