A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA

10.961 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre Fonoaudiologia no JC Na escola do Jornal Cidade de Rio Claro - http://www.jornalcidade.net

Publicada em: Educação
0 comentários
16 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.961
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
338
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
533
Comentários
0
Gostaram
16
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA

  1. 1. A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA               MILENA HOFFMANN DE MAGALHÃES Fonoaudióloga Especialista em Motricidade Orofacial com Aprofundamento em linguagem, aprendizagem e neurociências
  2. 2. FONOAUDIOLOGIA OUVIU FALAR?        
  3. 3. <ul><li>O FONOAUDIÓLOGO é o profissional que atua na prevenção,diagnóstico e tratamento da: </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Comunicação oral, </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Comunicação gráfica e </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Audição </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><li>  </li></ul>
  4. 4. AUDIÇÃO É por meio da audição que conseguimos identificar e reconhecer diferentes sons do ambiente, além de podermos nos comunicar com nossos semelhantes. A percepção auditiva está envolvida com o desenvolvimento linguístico, com a aprendizagem e com a produção da voz, portanto, uma alteração auditiva pode causar prejuízos em vários outros sentidos. No entanto precisamos considerar que não basta apenas detectar os sons, mas é preciso analisá-los e interpretá-los.
  5. 5. Atividades auditivas periféricas Sensação dos sons Atividades auditivas centrais Processamento dos sons (atenção,localização,discriminação, memória,figura e fundo)
  6. 6. DEFICIÊNCIA AUDITIVA   Diminuição na capacidade de perceber os sons devido a algum problema em uma ou mais partes do ouvido.   Consequências da deficiência auditiva:       Alterações no desenvolvimento da linguagem oral e escrita       Dificuldades na interação social # Adaptação de aparelhos auditivos
  7. 7. TRANSTORNO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO É uma alteração no processamento perceptual da informação auditiva pelo SNC ( ASHA 2005) Ou seja, O transtorno do processamento auditivo é uma falha do estímulo auditivo, que pode coexistir, mas não é resultado de uma disfunção em outras modalidades.
  8. 8. <ul><li>O distúrbio do processamento auditivo acontece quando ocorre uma falha na interpretação das informações auditivas, que pode, na grande maioria das vezes, causar na crianças: </li></ul><ul><li>dificuldade na habilidade de leitura, </li></ul><ul><li>dificuldade na habilidade de fala, </li></ul><ul><li>dificuldade de compreensão e comunicação e </li></ul><ul><li>dificuldades de aprendizagem. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>PRINCIPAIS SINTOMAS </li></ul><ul><li>-Dificuldade de compreensão de linguagem falada em ambiente ruidosos </li></ul><ul><li>ou com mensagem competitiva </li></ul><ul><li>-Respostas inapropriadas ou inconsistentes </li></ul><ul><li>-Solicitação freqüente de repetição, utilizando “Hã?” “O que?” </li></ul><ul><li>-Leva mais tempo para responder em situações de comunicação oral </li></ul><ul><li>-Dificuldade em manter a atenção </li></ul><ul><li>-Distrai-se facilmente </li></ul><ul><li>-Dificuldade em seguir ordens ou comandos auditivos complexos </li></ul><ul><li>-Dificuldade de localização auditiva </li></ul><ul><li>-Dificuldade em aprender rimas e músicas infantis </li></ul><ul><li>- Dificuldade em memorizar o que foi dito </li></ul><ul><li>- Trocas na fala e/ou na escrita, principalmente relacionadas a trocas </li></ul><ul><li>de sonoridade </li></ul><ul><li># Crianças que ficam muito resfriadas, e apresentam otites de repetição. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>COMUNICAÇÃO ORAL </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Voz </li></ul><ul><li>É o elemento sonoro da comunicação </li></ul>
  12. 12. DISTÚRBIOS DA VOZ Voz baixa: crianças tímidas Voz alta: problemas auditivos, hereditariedade Voz hipernasal: fissura palatina, fissura submucosa Voz hiponasal: devido a obstrução nasal Voz rouca: devido a abuso vocal
  13. 13. <ul><li>Fluência </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  É o ritmo e a velocidade da fala </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  14. 14. DISTÚRBIOS DA FLUÊNCIA   São distúrbios da velocidade e ritmo da fala, tais como:         TAQUILALIA: fala acelerada       GAGUEIRA: fala caracterizada por prolongamentos, bloqueios, repetições, interjeições, associados a tensão muscular, medo ao falar e movimentos associados.   DISFLUÊNCIA FISIOLÓGICA : interrupções da fala, presente em crianças em fase de aquisição de linguagem. ( 2 a 5 anos)
  15. 15. <ul><li>Articulação </li></ul><ul><li>    Produção dos sons da fala através da interrupção ou constrição da corrente aérea, ocasionada pelos movimentos de lábios, língua e véu palatino </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  16. 16. DISTÚRBIOS ARTICULATÓRIOS     Distúrbios articulatórios são alterações que estão relacionadas à falhas na programação, colocação, pressão dos movimentos articulatórios, afetando os padrões de pronúncia dos sons da língua. Principais causas: - Alterações de oclusão dos dentes - Respiração oral - Freio da língua curto - Fatores psicológicos - Fatores ambientais  
  17. 17. TIPOS DE ALTERAÇÕES MAIS COMUNS:            Substituição ou troca. Exemplo:”balata” - barata          Omissão. Ex:”pato”-prato          Adição. Ex:”falauta”- flauta          Redução. Ex:”xíca”- xícara          Distorção: emissão aproximada de um fonema. Ex: “ceceio” **          Imprecisão articulatória: produção dos sons com pouca pressão nos pontos articulatórios, deixando a fala com pouca clareza.  
  18. 18. Quadro de correspondência fonêmica e idade de aquisição ( Honora e Frizanco,2009) r, grupos r e l 5 anos l, lh, rr, arq. s e r 4 anos x(ch), j (ge, gi) 3 anos e 6 meses f, v, s , z 3 anos k , g ,nh 2 anos e 6meses p, t, d, n 2 anos b, m 18 meses Fonemas Idade
  19. 19. <ul><li>Linguagem </li></ul><ul><li>      É o conjunto de regras e princípios que os humanos usam para relacionar o som ao significado.   </li></ul>
  20. 20. DISTÚRBIOS DE LINGUAGEM   Os distúrbios de linguagem caracterizam-se por atraso no aparecimento da fala, no desenvolvimento fonológico,sintático, semântico e pragmático, onde ocorrem formas imaturas na articulação e no uso do vocabulário onde as produções dos sons não caracterizam sua idade cronológica.    
  21. 21. <ul><li>DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM </li></ul><ul><li>1 ano - Possui vocabulário de 5 a 10 palavras. Compreende palavras familiares e controla melhor suas vocalizações. </li></ul><ul><li>2 anos - Vocabulário se expande rapidamente e pode ter de 200 a 300 palavras. Começam as primeiras flexões para uso do plural, as negações e interrogações. </li></ul><ul><li>4 anos - Possui vocabulário de 1.500 palavras. Faz muitas perguntas e sentenças mais complexas. Comum apresentar erros na flexão de verbos irregulares. </li></ul><ul><li>5-6 anos - Possui média de 2.500 palavras. Possui elaboração detalhada , sendo capaz de discutir sentimentos e de flexionar verbos de forma correta.Inicia a habilidade de leitura e escrita. </li></ul>
  22. 22. ObRIGADA!!!   MILENA HOFFMANN DE MAGALHÃES Tel. 3524-8486 Email: fonomhm@ig.com.br
  23. 23. <ul><li>COMUNICAÇÃO GRÁFICA </li></ul>
  24. 24. APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA FATORES INTRÍNSECOS • Genéticos ou hereditários. • Neurobiológicos. • Processamento fonológico. • Processamento visual. • Processamento da linguagem. • Percepção, atenção e memória. • Processamento auditivo. • Aspectos psico-emocionais. FATORES EXTRÍNSECOS • Estimulação adequada, tanto no contexto familiar como acadêmico. • Método de ensino e aprendizagem adequados. • Influências sócio- econômicas e culturais. ( Morton & Frith,1995).
  25. 25. <ul><li>CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA </li></ul><ul><li> Habilidade de se refletir explicitamente sobre a estrutura sonora das palavras faladas, percebendo-as como uma sequência de fonemas e ou sílabas. </li></ul><ul><li>É vital a adequação dessas habilidades para que a criança possa correlacionar os aspectos da fala com o código escrito,desenvolvendo adequadamente os alicerces da leitura e escrita. </li></ul>
  26. 26. <ul><li>HABILIDADES FONOLÓGICAS </li></ul><ul><li>• Análise dos vocábulos: sons em posição inicial, medial e final. </li></ul><ul><li>• Adição de sílabas e fonemas. </li></ul><ul><li>• Segmentação frasal e vocabular. </li></ul><ul><li>• Subtração de sílabas e fonemas </li></ul><ul><li>• Substituição de fonemas </li></ul><ul><li>• Recepção de rimas </li></ul><ul><li>(Alvarez, Carvalho, Caetano, 1998). </li></ul>
  27. 27. TAREFAS PARA AVALIAÇÃO <ul><li>Processo Fonológico - L/E de não-palavras </li></ul><ul><li>Processo ortográfico - L/E de palavras irregulares </li></ul><ul><li>Não - palavras são seqüências de letras construídas com estruturas ortográficas possíveis em português. Não são associadas a nenhum significado </li></ul>
  28. 28. <ul><li>DISTÚBIOS DE APRENDIZAGEM </li></ul><ul><li>• Inteligência normal. </li></ul><ul><li>• Antecedente de distúrbio de linguagem oral. </li></ul><ul><li>• Déficit no processamento da linguagem oral:distúrbios fonológicos, habilidades sintáticas,semânticas e pragmáticas. </li></ul><ul><li>• Déficit no processamento da linguagem escrita: </li></ul><ul><li>alterações ortográficas, dificuldade de decodificação e compreensão de leitura e produção de textos. </li></ul><ul><li>• Déficit nas habilidades Fonológicas. </li></ul><ul><li>• Déficit no Processamento Auditivo. </li></ul><ul><li>• Alteração de atenção, memória, inferência,dedução e abstração </li></ul>
  29. 29. <ul><li>Sinais de Distúrbios de Aprendizagem que </li></ul><ul><li>podem ser observados pelo professor </li></ul><ul><li>• Atraso de fala </li></ul><ul><li>• Imaturidade Fonológica </li></ul><ul><li>• Dificuldade para realizar rimas aos 4 anos de idade. </li></ul><ul><li>• Confusões têmporo espaciais,esquema corporal e </li></ul><ul><li>lateralidade. </li></ul><ul><li>• Dificuldade para aprender a correspondência letra som. </li></ul><ul><li>• Antecedente familial de transtorno de aprendizagem. </li></ul><ul><li>( Capellini, 2003). </li></ul>
  30. 30. <ul><li>DISTÚRBIO ESPECÍFICO DE LEITURA OU DISLEXIA </li></ul><ul><li> A dislexia não provém de um déficit nos processos </li></ul><ul><li>periféricos – audição e visão- nem de deficiências nos processos verbais superiores ou inteligência </li></ul><ul><li>⇓ </li></ul><ul><li>Constitui um conjunto de sintomas específicos que </li></ul><ul><li>implicam em disfunções subcorticais e corticais </li></ul><ul><li>frequentemente de origem constitucional, que afetam </li></ul><ul><li>o aprendizado da linguagem escrita. (DSM-IV). </li></ul>
  31. 31. <ul><li>Características das Dislexias </li></ul><ul><li>• Inteligência normal. </li></ul><ul><li>• Antecedente familial de Dislexia ou dificuldades </li></ul><ul><li>escolares. </li></ul><ul><li>• Distúrbio fonológico </li></ul><ul><li>Dificuldade em fazer relação letra som </li></ul><ul><li>• Alterações ortográfica </li></ul><ul><li>Prejuízo na evocação e velocidade de leitura </li></ul><ul><li>• Déficit no Processamento Auditivo. </li></ul><ul><li>• Déficit no Processamento Visual. </li></ul><ul><li>• Boa linguagem oral e retenção de conteúdos </li></ul>
  32. 32. OBRIGADA!!!!

×