SlideShare uma empresa Scribd logo
1
2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012.
DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope
MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES DE NA
FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÃO ESPECIALIZADOS
Wander Lourenço da Silva1
RESUMO: O presente artigo procura refletir sobre o perfil e a formação do professor que
atua ou atuará ministrando aulas de música nas instituições de ensino regular, a partir da
obrigatoriedade prevista pela lei 11.769/2008. O trabalho busca tratar dos objetivos que
acreditamos que devam estar claros na preparação de tal profissional, bem como
pretende promover a reflexão acerca das possibilidades de procedimentos e recursos
metodológicos que o mesmo tem a possibilidade de lançar mão a fim de realizar a prática
musical escolar de maneira significativa. A partir das considerações de H. J. Koellreutter e
de Teca Alencar de Brito, são abordadas as possíveis funções e aplicações da música
das quais acreditamos que os futuros educadores musicais devam ter consciência bem
comoos objetivos da educação musical escolar, e sugerimos caminhos metodológicos a
fim derealizar a prática do ensino de música na escola de maneira positiva e significativa.
Conclui-se quecom a escolha criteriosa de adequadas ferramentas metodológicas se
torna possível, mesmo para o professor não especializado, vir a ter condições de, num
nível básico, conduzir os conteúdos musicais na educação regular de maneira positiva,
visando o desenvolvimento criativo e a sensibilização do indivíduo frente o fenômeno
sonoro.
PALAVRAS-CHAVE: Música; Educação; Formação de Professores
INTRODUÇÃO
Segundo o que determina a lei nº 11.769, sancionada em 18 de agosto de 2008, o
ano de 2012 seria a data limite para que a música constasse como conteúdo obrigatório
na grade curricular de todas as instituições de Educação Básica. O objetivo de tal medida
não seria o de formar músicos, mas desenvolver a criatividade, a integração dos alunos, e
1
Docente do Departamento de Música e Teatro da UEL, Mestrando Comunicação, Especialista em Arranjo
Musical e Licenciado em Música pela UEL. Contato: wanderlourenco@hotmail.com
2
2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012.
DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope
a sensibilidade frente ao fenômeno sonoro. O que ainda se encontra sem a clareza
necessária, no texto da lei, é a questão do professor adequado para ensinar música.
Como a lei 11.769/2008 não contempla este ponto especificamente, os detalhes desta
questão vêm sendo resolvidos pelos estados, municípios, ou pelas próprias instituições
privadas de ensino.
O artigo 62 da LDB (BRASIL, 1996), indica a necessidade que o professor
possua formação superior em curso de licenciatura para atuar profissionalmente na
educação básica, porém alguns educadores fazem a leitura do texto da lei 11.769/08 sem
considerar tal artigo, baseados no veto ao parágrafo da lei que indicava a obrigatoriedade
de profissionais licenciados para o ensino de música, correndo-se o risco deser facultado
até mesmo a músicos não habilitados a ensinarem música na escola.
Com a ausência de uma maior clareza legislativa, somada à falta de professores
licenciados em música para atender a demanda, e à falta de receita orçamentária das
instituições para suficiente contratação, a atuação do professor polivalente de artes –
aquele queteria que dar conta de conteúdos referentes a diversas modalidades artísticas -
continua sendo muito presente nos sistemas educacionais brasileiros. Tal contexto nos
leva a um quadro de grande oferta e procura por cursos de formação complementare/ou
continuada, onde o professor não especializado em música busca recursos para trabalhar
os conteúdos musicais previstos nessa nova grade curricular.
A partir do contexto aqui colocado, refletiremos sobre pontos relevantes na
formação de professores não especializados que atuarão nas instituições de ensino
regular a fim de que esses obtenham condições e recursos para trabalhar os conteúdos
musicais de maneira significativa e de acordo com os objetivos propostos pela lei
11.769/08.
Inicialmente trataremos dos objetivos na preparação de professores não
especializados que atuarão no ensino básico. Em seguida, apoiados nas considerações
de H. J. Koellreutter sobre as funções e aplicações da música e sobre os objetivos da
educação musical escolar, e nas sugestões metodológicas de Teca Alencar de Brito,
refletiremos sobre a importância da inserção do ensino de música na educação regular,e
de como adquirir ferramentas e condições de busca e de pesquisa para que este ensino
priorize o desenvolvimento criativo e a sensibilização do indivíduo frente ao fenômeno
sonoro.
3
2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012.
DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope
OBJETIVOS DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÃO ESPECIALIZADOS EM
MÚSICA
Deparamo-nos frequentemente com a prática musical escolar sendo realizada de
maneira treinada, classificatória ou até mesmo com caráter de exclusão. Muitas vezes a
prática musical se resume ao preparo decanções para determinadas datas
comemorativas, podendo ocorrer preferência pelos “mais afinados” em detrimento dos
“menos afinados”. Esse tipo de prática vai em direção oposta ao que propõe a legislação
bem como tudo o que é proposto pelos educadores nos quais nos apoiamos. Sobre tal
prática Brito nos traz:
Ainda percebemos fortes resquícios de uma concepção de ensino que
utilizou a música – ou, melhor dizendo, a canção - como suporte para a
aquisição de hábitos e atitudes, disciplina, condicionamento da rotina,
comemorações de datas diversas etc. Os cantos (ou “musiquinhas”,
acompanhados de gestos e movimentos que, pela repetição, tornavam-se
mecânicos e estereotipados, automatizando o que antes era – ou poderia
vir a ser – expressivo (BRITO, 2003, p.51).
Consideramos então como objetivos essenciais na prática da
formaçãopedagógico-musical de professores que atuarão na educação básica:
 Refletir sobre as funções da música e os objetivos da educação musical escolar;
 Ter contato com conceitos e possibilidades para o trabalho com a música em sala de
aula, seja como uma disciplina ou como um recurso para auxiliar os conteúdos de
outras disciplinas;
 Conhecer diversos conteúdos e procedimentos metodológicos para que a prática do
fazer musical seja desenvolvida de forma mais criativa e menos treinada, a fim de
contribuir com o desenvolvimento do próprio indivíduo;
 Conscientizar-se das possibilidades de disponibilização do conteúdo musical através
de atividades de criação, execução e apreciação musical em diversos níveis, bem
como refletir sobre a importância de estabelecer um equilíbrio entre estas atividades,
4
2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012.
DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope
proporcionando vivências que permitam reflexões e elaborações acerca de materiais
musicais diversos, pré-existentes ou construídos pelos próprios alunos.
FUNÇÕES DA MÚSICA E OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO MUSICAL ESCOLAR
Como nos traz Barbosa:
[...] é possível afirmar, mesmo sem uma pesquisasistematizada, que
ninguém assumiria abertamente uma posição que denotasse desprezopelo
papel da música (ou da arte) na formação dos cidadãos. Se perguntarmos
a umapessoa, seja ela do meio musical ou não, se considera a música
como algo importante naformação do indivíduo, dificilmente receberemos
um não como resposta. Creio serpossível dizer que a vasta maioria das
pessoas considera a importância da música na educação (BARBOSA,
2001, p.58).
Porém, mesmo entre os profissionais da música, nem sempre encontramos uma
conscientização sobre as funções e aplicações da música, muitas vezes tendoela sua
utilidade reduzida apenas ao entretenimento. Consideramos essencial ao educador ter a
consciência de tais possibilidades para que também transmita tal conhecimento a seus
alunos. Koellreutter (1997), em sua proposta de programa de ensino de música, nos traz
algumas possibilidades de aplicações da música, todas de incontestável pertinência:
música na educação - educação pela música;música na rádio, na televisão, no cinema e
teatro;música na publicidade e propaganda;música na medicina e na reabilitação
social;música na recreação e nas atividades de lazer;documentação, musicologia e
crítica.
Uma vez conscientizados sobre as possíveis funções e aplicações da música,
podemos pensar como objetivos da educação musical escolar:
 Incorporar a educação musical como parte integrante da formação do indivíduo,
fortalecendo a ideia de que música faz parte da cultura e atinge direta ou
indiretamente todos os indivíduos, contribuindo para o desenvolvimento da
sensibilidade e possibilitando o aprimoramento do senso estético;
5
2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012.
DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope
 Propiciar ampla discussão sobre o papel da música na sociedade, resgatando
conceitos estéticos de diferentes origens, incluindo música de diferentes povos,
estilos, épocas, e tendências;
 Desenvolver sistematicamente conceitos e habilidades musicais pela criação,
realização e apreciação de obras musicais através do estabelecimento de conteúdos
significativos adequados à realidade escolar;
 Estimular a pesquisa musical nas diversas localidades escolares, estabelecendo
vínculos com músicos locais e profissionais ligados à música, promovendo
aproximações culturais, demonstrando perspectivas de mercado e produção musical,
e estimulando a formação de novos profissionais;
 Prestigiar e frequentar atividades musicais diversas, geradoras de vivencias e
questionamentos, compreendendo tais atividades de forma ampla, incluindo
apresentações folclóricas, shows, concertos, recitais, palestras, vídeos, e outros.
ALTERNATIVAS METODOLÓGICAS PARA O PROFESSOR DE MÚSICA
Com o objetivo de realizar uma prática musical escolar que contemple conteúdos
musicais básicos, mas que também priorize a expressão criativa do indivíduo bem como
sua sensibilização frente ao fenômeno sonoro, propomos aqui, apoiados nos
apontamentos de Brito (2003), um conjunto de tipos de procedimentos metodológicos que
o professor não especializado tenha condições de lançar mão em sua prática diária a
partir de estudos e pesquisas:
 Atividades de escuta do ambiente– a partir de conceitos contemplados por Schafer
(1991), podemos, por meio de atividades de escuta e conseguintemente de grafia e
recriação sonora do ambiente, é possível trabalharmos conteúdos como: memória
sonora, som e silêncio, paisagem sonora, parâmetros do som, grafia não tradicional
etc.
6
2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012.
DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope
 Exploração da voz– tanto por meio de canções quanto de atividades de reprodução
sonora - sons de animais, cotidianos, industriais, etc. – por meio vocal, é possível
trabalhar conteúdos como habilidade vocal, parâmetros do som, memória sonora, etc.
 Jogos de improvisação– improvisação, que a princípio ligamos à ideia de uma prática
avançada de músicos com certa experiência, pode ser realizada em todos os níveis. No
conceito de improvisação alguns educadores nos trazem, comoGainza(1977), a
improvisação trata-se da criação instantânea a partir de materiais pré-conhecidos. Para
que seja possível improvisar basta que haja um elemento fixo e outro móvel. Por
exemplo, com duas células rítmicas apreendidas já somos capas de improvisar, no
caso, o elemento fixo seria as células rítmicas, e o móvel seria a variabilidade de
repetições, alternâncias, e variações de intensidade, pulso, etc. Com a improvisação
podemos trabalhar aspectos criativos, habilidades motoras, entre outros conteúdos.
 Construção de instrumentos com materiais não convencionais – pelo trabalho de
construção de instrumentos musicais com a utilização de materiais não convencionais
podemos pôr em prática conceitos de organologia, desenvolver a conscientização da
grande gama de fontes sonoras possíveis para o fazer musical, trabalhar os
parâmetros sonoros, além de utilizar os instrumentos construídos em outras atividades
componentes da prática musical escolar.
 Sonorização de histórias – em atividades de sonorização de histórias ou sonoplastia,
é possível pôr em prática os mais variados conteúdos musicais trabalhados. Temos a
possibilidade de realizar tal prática lançando mão de sons vocais, corporais, e de
quaisquer outros instrumentos musicais, convencionais ou não.Pela sonorização de
histórias podemos também promover o desenvolvimento criativo do aluno bem como
aconscientização e sensibilização a aspectos comunicacionais e conotativos do som e
da música.
 Elaboração e execução de arranjos– partindo de repertório que os alunos já estejam
familiarizados ou não, atividades de elaboração e execução de arranjos podem ser
realizadas em diversos níveis cognitivos e com a utilização dos mais variados tipos de
fontes sonoras, inclusive as construídas pelos próprios alunos. Podem ser
desenvolvidas por meio deste tipo de atividades aspectos criativos, habilidades
motoras, grafia musical tradicional ou não, e demais conteúdos que estiverem sendo
trabalhados na prática musical dos alunos.
7
2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012.
DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O presente artigo procurou, a partir deste momento de inserção obrigatória
daMúsica na grade curricular nas instituições de ensino regular, trazer reflexões sobre os
desafios e possibilidades na preparação de professores não especializados que virão a
atuar em tal disciplina e contexto.
Foram propostos direcionamentos em que se revela como prioridade orientar os
professores a realizar uma prática em que o foco esteja mais na expressividade criativa e
na sensibilização do indivíduo frente ao fenômeno sonoro e menos em treinamentos
repetitivos e classificatórios. A partir de considerações de H. J. Koellreutter e de Teca
Alencar de Brito foram levantadas questões a cerca das funções e aplicações da Música,
dos objetivos da educação musical escolar, além de ser sugerido um conjunto de tipos de
atividades que o professor não especializado seja capaz de trabalhar em sua prática
educacional.
Conclui-se que tendo contato com determinados conceitos e escolhendo
criteriosamente suas ferramentas metodológicas, o professor de música não
especializado, a partir de estudos e pesquisas, mesmo sem ter anos de formação
especifica na área, tem a possibilidade de, num nível básico, promover uma prática
musical escolar significativa, afim de que o aluno tenha o primeiro contato com a música
de maneira positiva e se motive a partir daí a pesquisar, e quem sabe, a se aprofundar no
universo de conhecimento que envolve o código sonoro.
REFERÊNCIAS
BARBOSA, M. F. S.Formação Musical do Professor Generalista e Possibilidades de
Trabalho significativo.Nuances: estudos sobre Educação. Ano XVII, v. 19, n. 20, p. 57-72,
mai./ago. 2011.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB: Lei 9394/96. Diário Oficial
da União, Brasília, p. 27833-27841, 23 dez. 1996.
8
2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012.
DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope
______. Lei Federal 11.796/ 2008, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei 9.394/1996,
de20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre
aobrigatoriedade do ensino de música na educação básica. Diário Oficial da
RepúblicaFederativa do Brasil, Brasília, DF, n. 159, p. 1, 19 ago. 2008.
BRITO, Teca A. de.Música na Educação Infantil: propostas para a formação integral
doindivíduo. São Paulo: Peirópolis, 2003.
GAINZA, Violeta H. La Improvisación Musical. Buenos Aires: Ricordi, 1977.
KOELLREUTTER, Hans Joachin.O ensino da Música num mundo modificado. In:Caderno
de Estudo – Educação Musical. Belo Horizonte: Atravez / EMUFMG, 1997.
MURRAY, Schafer. O Ouvido Pensante. São Paulo: Ed. Unesp, 1991.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
O ensino de música no rs, investigando escolas públicas do…
O ensino de música no rs, investigando escolas públicas do…O ensino de música no rs, investigando escolas públicas do…
O ensino de música no rs, investigando escolas públicas do…
grupopesquisamusicauergs
 
Desafios e perspectivas do ensino de música na prática escolar da educação in...
Desafios e perspectivas do ensino de música na prática escolar da educação in...Desafios e perspectivas do ensino de música na prática escolar da educação in...
Desafios e perspectivas do ensino de música na prática escolar da educação in...
Governo do Estado de São Paulo
 
Orientações curriculares de música SME RJ
Orientações curriculares de música SME RJOrientações curriculares de música SME RJ
Orientações curriculares de música SME RJ
Cassi27
 
Nota técnica mec 2008 projeto tedem
Nota técnica mec 2008 projeto tedemNota técnica mec 2008 projeto tedem
Nota técnica mec 2008 projeto tedem
metodotedem
 
A musica o aluno e a sala de aula formação
A musica o aluno e a sala de aula formaçãoA musica o aluno e a sala de aula formação
A musica o aluno e a sala de aula formação
paulamarciabel
 
ebook-a-formacao-do-professor-de-musica-no-brasil
ebook-a-formacao-do-professor-de-musica-no-brasilebook-a-formacao-do-professor-de-musica-no-brasil
ebook-a-formacao-do-professor-de-musica-no-brasil
Ernest Bowes
 
Apresentação 2º semestre
Apresentação 2º semestreApresentação 2º semestre
Apresentação 2º semestre
wilsontaveira
 
Alfabetização musical e paulo freire
Alfabetização musical e paulo freireAlfabetização musical e paulo freire
Alfabetização musical e paulo freire
metodotedem
 
Artigo tcc paula
Artigo tcc paulaArtigo tcc paula
Artigo tcc paula
Paula Mello
 
Paynter e schafer
Paynter e schaferPaynter e schafer
Paynter e schafer
Ghadyego Carraro
 
Currúlo reflexões
Currúlo reflexõesCurrúlo reflexões
Música em escolas públicas, investigando a inserção no projeto político pedag...
Música em escolas públicas, investigando a inserção no projeto político pedag...Música em escolas públicas, investigando a inserção no projeto político pedag...
Música em escolas públicas, investigando a inserção no projeto político pedag...
grupopesquisamusicauergs
 
Educação Musical no Brasil: professor generalista ou professor de música
Educação Musical no Brasil: professor generalista ou professor de músicaEducação Musical no Brasil: professor generalista ou professor de música
Educação Musical no Brasil: professor generalista ou professor de música
EDSON HANSEN SANT ' ANA
 
A música em sala de aula
A música em sala de aulaA música em sala de aula
A música em sala de aula
Francisco Carlos Palosque
 
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
pibiduergsmontenegro
 
Revista musica 7 mesquita
Revista musica 7 mesquitaRevista musica 7 mesquita
Revista musica 7 mesquita
sergio luiz
 
2269 6
2269 62269 6
Carlos r p lopes tcc - unesp 2009-v2
Carlos r p lopes   tcc - unesp 2009-v2Carlos r p lopes   tcc - unesp 2009-v2
Carlos r p lopes tcc - unesp 2009-v2
CarlosEdMusical
 
Propostas dos educadores musicais da primeira e segunda gerações e suas apli...
Propostas dos educadores musicais da primeira e segunda gerações  e suas apli...Propostas dos educadores musicais da primeira e segunda gerações  e suas apli...
Propostas dos educadores musicais da primeira e segunda gerações e suas apli...
Rita Dias
 

Mais procurados (20)

Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
 
O ensino de música no rs, investigando escolas públicas do…
O ensino de música no rs, investigando escolas públicas do…O ensino de música no rs, investigando escolas públicas do…
O ensino de música no rs, investigando escolas públicas do…
 
Desafios e perspectivas do ensino de música na prática escolar da educação in...
Desafios e perspectivas do ensino de música na prática escolar da educação in...Desafios e perspectivas do ensino de música na prática escolar da educação in...
Desafios e perspectivas do ensino de música na prática escolar da educação in...
 
Orientações curriculares de música SME RJ
Orientações curriculares de música SME RJOrientações curriculares de música SME RJ
Orientações curriculares de música SME RJ
 
Nota técnica mec 2008 projeto tedem
Nota técnica mec 2008 projeto tedemNota técnica mec 2008 projeto tedem
Nota técnica mec 2008 projeto tedem
 
A musica o aluno e a sala de aula formação
A musica o aluno e a sala de aula formaçãoA musica o aluno e a sala de aula formação
A musica o aluno e a sala de aula formação
 
ebook-a-formacao-do-professor-de-musica-no-brasil
ebook-a-formacao-do-professor-de-musica-no-brasilebook-a-formacao-do-professor-de-musica-no-brasil
ebook-a-formacao-do-professor-de-musica-no-brasil
 
Apresentação 2º semestre
Apresentação 2º semestreApresentação 2º semestre
Apresentação 2º semestre
 
Alfabetização musical e paulo freire
Alfabetização musical e paulo freireAlfabetização musical e paulo freire
Alfabetização musical e paulo freire
 
Artigo tcc paula
Artigo tcc paulaArtigo tcc paula
Artigo tcc paula
 
Paynter e schafer
Paynter e schaferPaynter e schafer
Paynter e schafer
 
Currúlo reflexões
Currúlo reflexõesCurrúlo reflexões
Currúlo reflexões
 
Música em escolas públicas, investigando a inserção no projeto político pedag...
Música em escolas públicas, investigando a inserção no projeto político pedag...Música em escolas públicas, investigando a inserção no projeto político pedag...
Música em escolas públicas, investigando a inserção no projeto político pedag...
 
Educação Musical no Brasil: professor generalista ou professor de música
Educação Musical no Brasil: professor generalista ou professor de músicaEducação Musical no Brasil: professor generalista ou professor de música
Educação Musical no Brasil: professor generalista ou professor de música
 
A música em sala de aula
A música em sala de aulaA música em sala de aula
A música em sala de aula
 
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
 
Revista musica 7 mesquita
Revista musica 7 mesquitaRevista musica 7 mesquita
Revista musica 7 mesquita
 
2269 6
2269 62269 6
2269 6
 
Carlos r p lopes tcc - unesp 2009-v2
Carlos r p lopes   tcc - unesp 2009-v2Carlos r p lopes   tcc - unesp 2009-v2
Carlos r p lopes tcc - unesp 2009-v2
 
Propostas dos educadores musicais da primeira e segunda gerações e suas apli...
Propostas dos educadores musicais da primeira e segunda gerações  e suas apli...Propostas dos educadores musicais da primeira e segunda gerações  e suas apli...
Propostas dos educadores musicais da primeira e segunda gerações e suas apli...
 

Semelhante a Formação de professores não especializados

A INSERÇÃO DA MÚSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: DIFERENTES CONCEPÇÕES
A INSERÇÃO DA MÚSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: DIFERENTES CONCEPÇÕESA INSERÇÃO DA MÚSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: DIFERENTES CONCEPÇÕES
A INSERÇÃO DA MÚSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: DIFERENTES CONCEPÇÕES
ProfessorPrincipiante
 
As propostas dos_educadores_musicais_da
As propostas dos_educadores_musicais_daAs propostas dos_educadores_musicais_da
As propostas dos_educadores_musicais_da
Raul Sá Freire
 
Resumos 2º semestre faculdade
Resumos 2º semestre faculdadeResumos 2º semestre faculdade
Resumos 2º semestre faculdade
Lívia Malafaia
 
ALTERNATIVAS PEDAGÓGICAS NA FORMAÇÃO DO PROFESSORADO DE MÚSICA
ALTERNATIVAS PEDAGÓGICAS NA FORMAÇÃO DO PROFESSORADO DE MÚSICAALTERNATIVAS PEDAGÓGICAS NA FORMAÇÃO DO PROFESSORADO DE MÚSICA
ALTERNATIVAS PEDAGÓGICAS NA FORMAÇÃO DO PROFESSORADO DE MÚSICA
ProfessorPrincipiante
 
Ensino de música na educação básica: algumas possibilidades metodológicas
Ensino de música na educação básica: algumas possibilidades metodológicasEnsino de música na educação básica: algumas possibilidades metodológicas
Ensino de música na educação básica: algumas possibilidades metodológicas
EDSON HANSEN SANT ' ANA
 
Reunião pedagógica abril tema musicalização
Reunião pedagógica abril tema musicalizaçãoReunião pedagógica abril tema musicalização
Reunião pedagógica abril tema musicalização
LuisCarlosDiasJnior
 
Redação nilma
Redação nilmaRedação nilma
Redação nilma
Ceila Coelho
 
Intple (24)
Intple (24)Intple (24)
Intple (24)
eadl
 
Orientacoes musica
Orientacoes musicaOrientacoes musica
Orientacoes musica
Ana Della Torre
 
METODOLOGIA-BASICA-NO-ENSINO-DA-MUSICA.pdf
METODOLOGIA-BASICA-NO-ENSINO-DA-MUSICA.pdfMETODOLOGIA-BASICA-NO-ENSINO-DA-MUSICA.pdf
METODOLOGIA-BASICA-NO-ENSINO-DA-MUSICA.pdf
WagnerAbreu21
 
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Alexandre Araujo
 
Maria claudionora
Maria claudionoraMaria claudionora
Maria claudionora
Fernando Pissuto
 
“Eu e as práticas musicais” (Marcelo Mello)
“Eu e as práticas musicais” (Marcelo Mello)“Eu e as práticas musicais” (Marcelo Mello)
“Eu e as práticas musicais” (Marcelo Mello)
Marcelo Mello
 
O PAPEL DA MUSICA NA EDUCACAO INFANTIL.docx
O PAPEL DA MUSICA NA EDUCACAO INFANTIL.docxO PAPEL DA MUSICA NA EDUCACAO INFANTIL.docx
O PAPEL DA MUSICA NA EDUCACAO INFANTIL.docx
HumanizaTeologia
 
Multiplicando saberes
Multiplicando saberesMultiplicando saberes
Multiplicando saberes
Marcia Gomes
 
#6 paulo ulrich julho 2014
#6 paulo ulrich   julho 2014#6 paulo ulrich   julho 2014
#6 paulo ulrich julho 2014
Paulo Ulrich
 
Revista arte
Revista arteRevista arte
Revista arte
Armazém Do Educador
 
Revista musica educacao_basica 1
Revista musica educacao_basica 1Revista musica educacao_basica 1
Revista musica educacao_basica 1
Soraia
 
Espaços para aprender e ensinar música
Espaços para aprender e ensinar músicaEspaços para aprender e ensinar música
Espaços para aprender e ensinar música
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Monografia Cícero Pedagogia 2010
Monografia Cícero Pedagogia 2010Monografia Cícero Pedagogia 2010
Monografia Cícero Pedagogia 2010
Biblioteca Campus VII
 

Semelhante a Formação de professores não especializados (20)

A INSERÇÃO DA MÚSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: DIFERENTES CONCEPÇÕES
A INSERÇÃO DA MÚSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: DIFERENTES CONCEPÇÕESA INSERÇÃO DA MÚSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: DIFERENTES CONCEPÇÕES
A INSERÇÃO DA MÚSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: DIFERENTES CONCEPÇÕES
 
As propostas dos_educadores_musicais_da
As propostas dos_educadores_musicais_daAs propostas dos_educadores_musicais_da
As propostas dos_educadores_musicais_da
 
Resumos 2º semestre faculdade
Resumos 2º semestre faculdadeResumos 2º semestre faculdade
Resumos 2º semestre faculdade
 
ALTERNATIVAS PEDAGÓGICAS NA FORMAÇÃO DO PROFESSORADO DE MÚSICA
ALTERNATIVAS PEDAGÓGICAS NA FORMAÇÃO DO PROFESSORADO DE MÚSICAALTERNATIVAS PEDAGÓGICAS NA FORMAÇÃO DO PROFESSORADO DE MÚSICA
ALTERNATIVAS PEDAGÓGICAS NA FORMAÇÃO DO PROFESSORADO DE MÚSICA
 
Ensino de música na educação básica: algumas possibilidades metodológicas
Ensino de música na educação básica: algumas possibilidades metodológicasEnsino de música na educação básica: algumas possibilidades metodológicas
Ensino de música na educação básica: algumas possibilidades metodológicas
 
Reunião pedagógica abril tema musicalização
Reunião pedagógica abril tema musicalizaçãoReunião pedagógica abril tema musicalização
Reunião pedagógica abril tema musicalização
 
Redação nilma
Redação nilmaRedação nilma
Redação nilma
 
Intple (24)
Intple (24)Intple (24)
Intple (24)
 
Orientacoes musica
Orientacoes musicaOrientacoes musica
Orientacoes musica
 
METODOLOGIA-BASICA-NO-ENSINO-DA-MUSICA.pdf
METODOLOGIA-BASICA-NO-ENSINO-DA-MUSICA.pdfMETODOLOGIA-BASICA-NO-ENSINO-DA-MUSICA.pdf
METODOLOGIA-BASICA-NO-ENSINO-DA-MUSICA.pdf
 
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação
 
Maria claudionora
Maria claudionoraMaria claudionora
Maria claudionora
 
“Eu e as práticas musicais” (Marcelo Mello)
“Eu e as práticas musicais” (Marcelo Mello)“Eu e as práticas musicais” (Marcelo Mello)
“Eu e as práticas musicais” (Marcelo Mello)
 
O PAPEL DA MUSICA NA EDUCACAO INFANTIL.docx
O PAPEL DA MUSICA NA EDUCACAO INFANTIL.docxO PAPEL DA MUSICA NA EDUCACAO INFANTIL.docx
O PAPEL DA MUSICA NA EDUCACAO INFANTIL.docx
 
Multiplicando saberes
Multiplicando saberesMultiplicando saberes
Multiplicando saberes
 
#6 paulo ulrich julho 2014
#6 paulo ulrich   julho 2014#6 paulo ulrich   julho 2014
#6 paulo ulrich julho 2014
 
Revista arte
Revista arteRevista arte
Revista arte
 
Revista musica educacao_basica 1
Revista musica educacao_basica 1Revista musica educacao_basica 1
Revista musica educacao_basica 1
 
Espaços para aprender e ensinar música
Espaços para aprender e ensinar músicaEspaços para aprender e ensinar música
Espaços para aprender e ensinar música
 
Monografia Cícero Pedagogia 2010
Monografia Cícero Pedagogia 2010Monografia Cícero Pedagogia 2010
Monografia Cícero Pedagogia 2010
 

Mais de Liliane Barros

A escolha do tema
A escolha do temaA escolha do tema
A escolha do tema
Liliane Barros
 
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanasConvite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Liliane Barros
 
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricoculturalC1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
Liliane Barros
 
C1 1.3-o ludico n apratica docente
C1 1.3-o ludico n apratica docenteC1 1.3-o ludico n apratica docente
C1 1.3-o ludico n apratica docente
Liliane Barros
 
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processoC1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
Liliane Barros
 
Cienciaeexperiencia
CienciaeexperienciaCienciaeexperiencia
Cienciaeexperiencia
Liliane Barros
 
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestoresPolos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Liliane Barros
 
Ofício circular nº 25 doc para pós-graduação
Ofício circular nº 25   doc para pós-graduaçãoOfício circular nº 25   doc para pós-graduação
Ofício circular nº 25 doc para pós-graduação
Liliane Barros
 
Cabeçalho anped
Cabeçalho anpedCabeçalho anped
Cabeçalho anped
Liliane Barros
 
Pratica docente es
Pratica docente esPratica docente es
Pratica docente es
Liliane Barros
 
Quadro das concepcoess_pedagogicas
Quadro das concepcoess_pedagogicasQuadro das concepcoess_pedagogicas
Quadro das concepcoess_pedagogicas
Liliane Barros
 
Docencia na universidade maria isabel cunha
Docencia na universidade maria isabel cunhaDocencia na universidade maria isabel cunha
Docencia na universidade maria isabel cunha
Liliane Barros
 
Perspectivas atuais da educação
Perspectivas atuais da educaçãoPerspectivas atuais da educação
Perspectivas atuais da educação
Liliane Barros
 

Mais de Liliane Barros (13)

A escolha do tema
A escolha do temaA escolha do tema
A escolha do tema
 
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanasConvite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
 
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricoculturalC1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
 
C1 1.3-o ludico n apratica docente
C1 1.3-o ludico n apratica docenteC1 1.3-o ludico n apratica docente
C1 1.3-o ludico n apratica docente
 
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processoC1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
 
Cienciaeexperiencia
CienciaeexperienciaCienciaeexperiencia
Cienciaeexperiencia
 
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestoresPolos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
 
Ofício circular nº 25 doc para pós-graduação
Ofício circular nº 25   doc para pós-graduaçãoOfício circular nº 25   doc para pós-graduação
Ofício circular nº 25 doc para pós-graduação
 
Cabeçalho anped
Cabeçalho anpedCabeçalho anped
Cabeçalho anped
 
Pratica docente es
Pratica docente esPratica docente es
Pratica docente es
 
Quadro das concepcoess_pedagogicas
Quadro das concepcoess_pedagogicasQuadro das concepcoess_pedagogicas
Quadro das concepcoess_pedagogicas
 
Docencia na universidade maria isabel cunha
Docencia na universidade maria isabel cunhaDocencia na universidade maria isabel cunha
Docencia na universidade maria isabel cunha
 
Perspectivas atuais da educação
Perspectivas atuais da educaçãoPerspectivas atuais da educação
Perspectivas atuais da educação
 

Último

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

Formação de professores não especializados

  • 1. 1 2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012. DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES DE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÃO ESPECIALIZADOS Wander Lourenço da Silva1 RESUMO: O presente artigo procura refletir sobre o perfil e a formação do professor que atua ou atuará ministrando aulas de música nas instituições de ensino regular, a partir da obrigatoriedade prevista pela lei 11.769/2008. O trabalho busca tratar dos objetivos que acreditamos que devam estar claros na preparação de tal profissional, bem como pretende promover a reflexão acerca das possibilidades de procedimentos e recursos metodológicos que o mesmo tem a possibilidade de lançar mão a fim de realizar a prática musical escolar de maneira significativa. A partir das considerações de H. J. Koellreutter e de Teca Alencar de Brito, são abordadas as possíveis funções e aplicações da música das quais acreditamos que os futuros educadores musicais devam ter consciência bem comoos objetivos da educação musical escolar, e sugerimos caminhos metodológicos a fim derealizar a prática do ensino de música na escola de maneira positiva e significativa. Conclui-se quecom a escolha criteriosa de adequadas ferramentas metodológicas se torna possível, mesmo para o professor não especializado, vir a ter condições de, num nível básico, conduzir os conteúdos musicais na educação regular de maneira positiva, visando o desenvolvimento criativo e a sensibilização do indivíduo frente o fenômeno sonoro. PALAVRAS-CHAVE: Música; Educação; Formação de Professores INTRODUÇÃO Segundo o que determina a lei nº 11.769, sancionada em 18 de agosto de 2008, o ano de 2012 seria a data limite para que a música constasse como conteúdo obrigatório na grade curricular de todas as instituições de Educação Básica. O objetivo de tal medida não seria o de formar músicos, mas desenvolver a criatividade, a integração dos alunos, e 1 Docente do Departamento de Música e Teatro da UEL, Mestrando Comunicação, Especialista em Arranjo Musical e Licenciado em Música pela UEL. Contato: wanderlourenco@hotmail.com
  • 2. 2 2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012. DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope a sensibilidade frente ao fenômeno sonoro. O que ainda se encontra sem a clareza necessária, no texto da lei, é a questão do professor adequado para ensinar música. Como a lei 11.769/2008 não contempla este ponto especificamente, os detalhes desta questão vêm sendo resolvidos pelos estados, municípios, ou pelas próprias instituições privadas de ensino. O artigo 62 da LDB (BRASIL, 1996), indica a necessidade que o professor possua formação superior em curso de licenciatura para atuar profissionalmente na educação básica, porém alguns educadores fazem a leitura do texto da lei 11.769/08 sem considerar tal artigo, baseados no veto ao parágrafo da lei que indicava a obrigatoriedade de profissionais licenciados para o ensino de música, correndo-se o risco deser facultado até mesmo a músicos não habilitados a ensinarem música na escola. Com a ausência de uma maior clareza legislativa, somada à falta de professores licenciados em música para atender a demanda, e à falta de receita orçamentária das instituições para suficiente contratação, a atuação do professor polivalente de artes – aquele queteria que dar conta de conteúdos referentes a diversas modalidades artísticas - continua sendo muito presente nos sistemas educacionais brasileiros. Tal contexto nos leva a um quadro de grande oferta e procura por cursos de formação complementare/ou continuada, onde o professor não especializado em música busca recursos para trabalhar os conteúdos musicais previstos nessa nova grade curricular. A partir do contexto aqui colocado, refletiremos sobre pontos relevantes na formação de professores não especializados que atuarão nas instituições de ensino regular a fim de que esses obtenham condições e recursos para trabalhar os conteúdos musicais de maneira significativa e de acordo com os objetivos propostos pela lei 11.769/08. Inicialmente trataremos dos objetivos na preparação de professores não especializados que atuarão no ensino básico. Em seguida, apoiados nas considerações de H. J. Koellreutter sobre as funções e aplicações da música e sobre os objetivos da educação musical escolar, e nas sugestões metodológicas de Teca Alencar de Brito, refletiremos sobre a importância da inserção do ensino de música na educação regular,e de como adquirir ferramentas e condições de busca e de pesquisa para que este ensino priorize o desenvolvimento criativo e a sensibilização do indivíduo frente ao fenômeno sonoro.
  • 3. 3 2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012. DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope OBJETIVOS DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÃO ESPECIALIZADOS EM MÚSICA Deparamo-nos frequentemente com a prática musical escolar sendo realizada de maneira treinada, classificatória ou até mesmo com caráter de exclusão. Muitas vezes a prática musical se resume ao preparo decanções para determinadas datas comemorativas, podendo ocorrer preferência pelos “mais afinados” em detrimento dos “menos afinados”. Esse tipo de prática vai em direção oposta ao que propõe a legislação bem como tudo o que é proposto pelos educadores nos quais nos apoiamos. Sobre tal prática Brito nos traz: Ainda percebemos fortes resquícios de uma concepção de ensino que utilizou a música – ou, melhor dizendo, a canção - como suporte para a aquisição de hábitos e atitudes, disciplina, condicionamento da rotina, comemorações de datas diversas etc. Os cantos (ou “musiquinhas”, acompanhados de gestos e movimentos que, pela repetição, tornavam-se mecânicos e estereotipados, automatizando o que antes era – ou poderia vir a ser – expressivo (BRITO, 2003, p.51). Consideramos então como objetivos essenciais na prática da formaçãopedagógico-musical de professores que atuarão na educação básica:  Refletir sobre as funções da música e os objetivos da educação musical escolar;  Ter contato com conceitos e possibilidades para o trabalho com a música em sala de aula, seja como uma disciplina ou como um recurso para auxiliar os conteúdos de outras disciplinas;  Conhecer diversos conteúdos e procedimentos metodológicos para que a prática do fazer musical seja desenvolvida de forma mais criativa e menos treinada, a fim de contribuir com o desenvolvimento do próprio indivíduo;  Conscientizar-se das possibilidades de disponibilização do conteúdo musical através de atividades de criação, execução e apreciação musical em diversos níveis, bem como refletir sobre a importância de estabelecer um equilíbrio entre estas atividades,
  • 4. 4 2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012. DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope proporcionando vivências que permitam reflexões e elaborações acerca de materiais musicais diversos, pré-existentes ou construídos pelos próprios alunos. FUNÇÕES DA MÚSICA E OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO MUSICAL ESCOLAR Como nos traz Barbosa: [...] é possível afirmar, mesmo sem uma pesquisasistematizada, que ninguém assumiria abertamente uma posição que denotasse desprezopelo papel da música (ou da arte) na formação dos cidadãos. Se perguntarmos a umapessoa, seja ela do meio musical ou não, se considera a música como algo importante naformação do indivíduo, dificilmente receberemos um não como resposta. Creio serpossível dizer que a vasta maioria das pessoas considera a importância da música na educação (BARBOSA, 2001, p.58). Porém, mesmo entre os profissionais da música, nem sempre encontramos uma conscientização sobre as funções e aplicações da música, muitas vezes tendoela sua utilidade reduzida apenas ao entretenimento. Consideramos essencial ao educador ter a consciência de tais possibilidades para que também transmita tal conhecimento a seus alunos. Koellreutter (1997), em sua proposta de programa de ensino de música, nos traz algumas possibilidades de aplicações da música, todas de incontestável pertinência: música na educação - educação pela música;música na rádio, na televisão, no cinema e teatro;música na publicidade e propaganda;música na medicina e na reabilitação social;música na recreação e nas atividades de lazer;documentação, musicologia e crítica. Uma vez conscientizados sobre as possíveis funções e aplicações da música, podemos pensar como objetivos da educação musical escolar:  Incorporar a educação musical como parte integrante da formação do indivíduo, fortalecendo a ideia de que música faz parte da cultura e atinge direta ou indiretamente todos os indivíduos, contribuindo para o desenvolvimento da sensibilidade e possibilitando o aprimoramento do senso estético;
  • 5. 5 2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012. DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope  Propiciar ampla discussão sobre o papel da música na sociedade, resgatando conceitos estéticos de diferentes origens, incluindo música de diferentes povos, estilos, épocas, e tendências;  Desenvolver sistematicamente conceitos e habilidades musicais pela criação, realização e apreciação de obras musicais através do estabelecimento de conteúdos significativos adequados à realidade escolar;  Estimular a pesquisa musical nas diversas localidades escolares, estabelecendo vínculos com músicos locais e profissionais ligados à música, promovendo aproximações culturais, demonstrando perspectivas de mercado e produção musical, e estimulando a formação de novos profissionais;  Prestigiar e frequentar atividades musicais diversas, geradoras de vivencias e questionamentos, compreendendo tais atividades de forma ampla, incluindo apresentações folclóricas, shows, concertos, recitais, palestras, vídeos, e outros. ALTERNATIVAS METODOLÓGICAS PARA O PROFESSOR DE MÚSICA Com o objetivo de realizar uma prática musical escolar que contemple conteúdos musicais básicos, mas que também priorize a expressão criativa do indivíduo bem como sua sensibilização frente ao fenômeno sonoro, propomos aqui, apoiados nos apontamentos de Brito (2003), um conjunto de tipos de procedimentos metodológicos que o professor não especializado tenha condições de lançar mão em sua prática diária a partir de estudos e pesquisas:  Atividades de escuta do ambiente– a partir de conceitos contemplados por Schafer (1991), podemos, por meio de atividades de escuta e conseguintemente de grafia e recriação sonora do ambiente, é possível trabalharmos conteúdos como: memória sonora, som e silêncio, paisagem sonora, parâmetros do som, grafia não tradicional etc.
  • 6. 6 2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012. DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope  Exploração da voz– tanto por meio de canções quanto de atividades de reprodução sonora - sons de animais, cotidianos, industriais, etc. – por meio vocal, é possível trabalhar conteúdos como habilidade vocal, parâmetros do som, memória sonora, etc.  Jogos de improvisação– improvisação, que a princípio ligamos à ideia de uma prática avançada de músicos com certa experiência, pode ser realizada em todos os níveis. No conceito de improvisação alguns educadores nos trazem, comoGainza(1977), a improvisação trata-se da criação instantânea a partir de materiais pré-conhecidos. Para que seja possível improvisar basta que haja um elemento fixo e outro móvel. Por exemplo, com duas células rítmicas apreendidas já somos capas de improvisar, no caso, o elemento fixo seria as células rítmicas, e o móvel seria a variabilidade de repetições, alternâncias, e variações de intensidade, pulso, etc. Com a improvisação podemos trabalhar aspectos criativos, habilidades motoras, entre outros conteúdos.  Construção de instrumentos com materiais não convencionais – pelo trabalho de construção de instrumentos musicais com a utilização de materiais não convencionais podemos pôr em prática conceitos de organologia, desenvolver a conscientização da grande gama de fontes sonoras possíveis para o fazer musical, trabalhar os parâmetros sonoros, além de utilizar os instrumentos construídos em outras atividades componentes da prática musical escolar.  Sonorização de histórias – em atividades de sonorização de histórias ou sonoplastia, é possível pôr em prática os mais variados conteúdos musicais trabalhados. Temos a possibilidade de realizar tal prática lançando mão de sons vocais, corporais, e de quaisquer outros instrumentos musicais, convencionais ou não.Pela sonorização de histórias podemos também promover o desenvolvimento criativo do aluno bem como aconscientização e sensibilização a aspectos comunicacionais e conotativos do som e da música.  Elaboração e execução de arranjos– partindo de repertório que os alunos já estejam familiarizados ou não, atividades de elaboração e execução de arranjos podem ser realizadas em diversos níveis cognitivos e com a utilização dos mais variados tipos de fontes sonoras, inclusive as construídas pelos próprios alunos. Podem ser desenvolvidas por meio deste tipo de atividades aspectos criativos, habilidades motoras, grafia musical tradicional ou não, e demais conteúdos que estiverem sendo trabalhados na prática musical dos alunos.
  • 7. 7 2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012. DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente artigo procurou, a partir deste momento de inserção obrigatória daMúsica na grade curricular nas instituições de ensino regular, trazer reflexões sobre os desafios e possibilidades na preparação de professores não especializados que virão a atuar em tal disciplina e contexto. Foram propostos direcionamentos em que se revela como prioridade orientar os professores a realizar uma prática em que o foco esteja mais na expressividade criativa e na sensibilização do indivíduo frente ao fenômeno sonoro e menos em treinamentos repetitivos e classificatórios. A partir de considerações de H. J. Koellreutter e de Teca Alencar de Brito foram levantadas questões a cerca das funções e aplicações da Música, dos objetivos da educação musical escolar, além de ser sugerido um conjunto de tipos de atividades que o professor não especializado seja capaz de trabalhar em sua prática educacional. Conclui-se que tendo contato com determinados conceitos e escolhendo criteriosamente suas ferramentas metodológicas, o professor de música não especializado, a partir de estudos e pesquisas, mesmo sem ter anos de formação especifica na área, tem a possibilidade de, num nível básico, promover uma prática musical escolar significativa, afim de que o aluno tenha o primeiro contato com a música de maneira positiva e se motive a partir daí a pesquisar, e quem sabe, a se aprofundar no universo de conhecimento que envolve o código sonoro. REFERÊNCIAS BARBOSA, M. F. S.Formação Musical do Professor Generalista e Possibilidades de Trabalho significativo.Nuances: estudos sobre Educação. Ano XVII, v. 19, n. 20, p. 57-72, mai./ago. 2011. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB: Lei 9394/96. Diário Oficial da União, Brasília, p. 27833-27841, 23 dez. 1996.
  • 8. 8 2 REVISTA ELETRÔNICA PRÓ-DOCÊNCIA. UEL. Edição Nº. 2, Vol. 1, jul-dez. 2012. DISPONÍVEL EM: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope ______. Lei Federal 11.796/ 2008, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei 9.394/1996, de20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre aobrigatoriedade do ensino de música na educação básica. Diário Oficial da RepúblicaFederativa do Brasil, Brasília, DF, n. 159, p. 1, 19 ago. 2008. BRITO, Teca A. de.Música na Educação Infantil: propostas para a formação integral doindivíduo. São Paulo: Peirópolis, 2003. GAINZA, Violeta H. La Improvisación Musical. Buenos Aires: Ricordi, 1977. KOELLREUTTER, Hans Joachin.O ensino da Música num mundo modificado. In:Caderno de Estudo – Educação Musical. Belo Horizonte: Atravez / EMUFMG, 1997. MURRAY, Schafer. O Ouvido Pensante. São Paulo: Ed. Unesp, 1991.