SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
LITERATURA
JOSI MOTTA
Romantismo
ou
romantismo?
E romance?
CONTEXTO HISTÓRICO–
• Consolidação do mundo burguês. A ascensão
econômica da burguesia se dá a partir da Revolução
Industrial, promovida pela Inglaterra na segunda
metade do século XVIII.
• Ascensão política, que teve como principal marco a
Revolução Francesa, ocorrida em 1789.
Romantismo
A liberdade guiando o povo.
CARACTERÍSTICAS FORMAIS
IMPORTANTES
 Individualismo
 Sentimentalismo.
 A liberdade formal e a imaginação criativa
ocupam o lugar das regras de composição
clássicas.
 Euforia e medo diante da liberdade, da
democratização da arte.
 TEMAS: Fantasia, sonho, idealização,
sonoridade, subjetivismo, idealização da
mulher, cor local, fuga da realidade, bem X
INÍCIO NO BRASIL - O ano de 1836 é
considerado o marco do Romantismo no país, com
a publicação do livro Suspiros Poéticos e
Saudades, de Gonçalves de Magalhães (1811 –
1882)
Romantismo no Brasil
1ª Geração
Nacionalista (culto à natureza, ao indígena
(bom-selvagem)
• Gonçalves Dias
Poesia Romântica
Canção do exílio
Minha terra tem palmeiras, 
Onde canta o Sabiá; 
As aves, que aqui gorjeiam, 
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas, 
Nossas várzeas têm mais flores, 
Nossos bosques têm mais vida, 
Nossa vida mais amores.
Em  cismar, sozinho, à noite, 
Mais prazer eu encontro lá; 
Minha terra tem palmeiras, 
Onde canta o Sabiá.
Gonçalves Dias
2ª Geração
Ultra-romântica ou byronista, é a geração do Mal-do-
século (desejo de morte).
 Egocentrismo
 Sentimentalismo
 Escapismo (expresso na idealização, na busca da
solidão, da noite e da morte), no tédio e no pessimismo
exagerado.
 Álvares de Azevedo
 Casimiro de Abreu
 Junqueira Freire
 Fagundes Varela
 
Lord Byron
Meus oito anos
Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Casimiro de Abreu
Se eu morresse amanhã!
Se eu morresse amanhã,viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!
Álvares de Azevedo
3ª Geração
É conhecida como condoreira (inspirada no voo
do condor, altos voos), e é caracterizada pela
poesia social e libertária, refletindo as lutas
internas das três gerações na poesia.
 Castro Alves
 
VOZES D'ÁFRICA
Deus! ó Deus! onde estás que não respondes? 
Em que mundo, em qu'estrela tu t'escondes 
Embuçado nos céus? 
Há dois mil anos te mandei meu grito, 
Que embalde desde então corre o infinito... 
Onde estás, Senhor Deus?... 
O cavalo estafado do Beduíno 
Sob a vergasta tomba ressupino 
E morre no areal. 
Minha garupa sangra, a dor poreja, 
Quando o chicote do simoun dardeja 
O teu braço eternal.
Castro Alves
Romantismo Romântico (Prosa)
Autores:
Joaquim Manuel de Macedo (Urbano)
Manuel Antônio de Almeida* (Urbano)
Bernardo Guimarães (Regional)
Visconde de Taunay (Regional)
José de Alencar
 
José de Alencar
 José Martiniano de Alencar nasce no Ceará, em
1829, e cursa Direito em São Paulo e Olinda (PE).
Advogado, político e jornalista, lança em capítulos
seus primeiros romances – Cinco Minutos (1856) e A
Viuvinha (1857). Torna-se famoso com a publicação
de O Guarani, que expõe a miscigenação do
português com o indígena. Seus cerca de 20
romances são classificados em indianistas, como
Iracema (1865), históricos, como As Minas de Prata
(1871), urbanos, como Senhora (1875), e
regionalistas, como O Sertanejo (1875). Morre de
tuberculose no Rio de Janeiro, em 1877.
JOSÉ DE ALENCAR
 Romances Urbanos: Senhora (o amor puro entre dois
jovens; separação motivada pelo dinheiro; o caça-
dotes; o casamento por vingança; a redenção: o amor
acima de tudo), Lucíola (a jovem prostituta que se
julga indigna de um verdadeiro amor), A pata da
gazela, Cinco Minutos, Sonhos d’ouro, Encarnação, A
viuvinha.
 Romances Regionalistas: O gaúcho (a região sulina,
com seu pampa e suas coxilhas), O sertanejo
(procurando realçar o intimo relacionamento entre o
homem e o meio físico, neste caso, o Nordeste), O
Tronco do Ipê (a fazenda Nossa Senhora do
Boqueirão, banhada pelo rio Paraíba, no norte do Rio
de Janeiro; a vida rural fluminense), Til (trata das
 Romances Históricos: As minas de prata (retratando o
início da procura de metais), A guerra das mascates
(que reconstitui a briga entre Olinda e o Recife),
Alfarrábios, O Garatuja.
 Romances Indianistas: O guarani (o mito do bom
índio; Peri aparece civilizado em contato com os
brancos; Alencar até batiza Peri para que o índio
possa salvar Cecília; sem a condição de cristão, o
índio não seria confiável), Iracema (baseado numa
lenda do período de formação do Ceará, retrata o
nativo brasileiro idealizado – no caso, a índia – em
seu primeiro contato com o branco colonizador; da
relação entre Iracema e o português Martim nasce
Moacir, “o filho do sofrimento”, o primeiro cearense),
Ubirajara (apresenta o índio em seu estado mais
puro).
O Guarani
TEATRO ROMÂNTICO
O teatro no Brasil, até então, era proveniente da Europa e
tinha como principal objetivo agradar às elites brasileiras,
que transformavam as apresentações em verdadeiros
eventos sociais, principalmente nas grandes cidades.
Embora alguns escritores já houvessem se arriscado na
dramaturgia brasileira, como Castro Alves e José de
Alencar, cujas obras eram baseadas nas europeias, ainda
não havia uma discussão sobre o perfil do teatro
brasileiro. Foi apenas com Martins Pena que o teatro
passou a refletir as cenas e as problemáticas da realidade
brasileira.
Paródia Romantismo (Gostava tanto de você)
Racionalismo já se foi
A liberdade irei sentir
E de amor eu vou morrer
E o exagero vai reinar
Corte real, tipografia
escreveu, vendeu
Folhetim é história
Não quero saber do futuro
Só da emoção
Qui ‘m minha porta bate
E o ‘eu’!
Na poesia vai aparecer
O Romantismo vai fazer
A natureza me dá sombra
O índio, o heroi, amo o passado
Nacionalistas são o marco
Esse já é o novo retrato
Prosa também já está no ar
Lembrar do mestre Alencar
Depois virá o byronista
Que o sentimento vai descrever
E o ‘eu’!
Na poesia vai aparecer
O Romantismo vai fazer
Porque a infância já se foi
Muita saudade vai sentir
E na tristeza vai viver
E a mulher idealizar
Ele quer o amor da vida
Amou, morreu
Que linda história
E a relação não tem futuro
a depressão
Na porta dele bate...
E o ‘eu’!
Na poesia vai aparecer
O Romantismo vai fazer
Se a escravidão ainda assombra
Tem que ser coisa do passado
É hora de mudar o quadro
E o condoreiro mostra o fato
A escravidão tem que acabar
Poesia social para lutar
Castro Alves, grande artista
Navio negreiro vai escrever  Josi Motta

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
 
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Marília de Dirceu
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 

Destaque

A teoria da Historia e o romance historico em Lukacs
A teoria da Historia e o romance historico em LukacsA teoria da Historia e o romance historico em Lukacs
A teoria da Historia e o romance historico em LukacsCarlo Romani
 
José de alencar e o romance romântico
José de alencar e o romance românticoJosé de alencar e o romance romântico
José de alencar e o romance românticoma.no.el.ne.ves
 
15215644 pps
15215644 pps15215644 pps
15215644 ppsbobolew
 
Manuel antônio de almeida Slide
Manuel antônio de almeida   SlideManuel antônio de almeida   Slide
Manuel antônio de almeida SlideJian Alberto
 
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de AlmeidaMemórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeidavestibular
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfraseMarcia Facelli
 

Destaque (11)

A teoria da Historia e o romance historico em Lukacs
A teoria da Historia e o romance historico em LukacsA teoria da Historia e o romance historico em Lukacs
A teoria da Historia e o romance historico em Lukacs
 
Erondir Slides
Erondir SlidesErondir Slides
Erondir Slides
 
José de alencar e o romance romântico
José de alencar e o romance românticoJosé de alencar e o romance romântico
José de alencar e o romance romântico
 
15215644 pps
15215644 pps15215644 pps
15215644 pps
 
Manuel antônio de almeida Slide
Manuel antônio de almeida   SlideManuel antônio de almeida   Slide
Manuel antônio de almeida Slide
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
 
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de AlmeidaMemórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfrase
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Til José de Alencar
Til José de AlencarTil José de Alencar
Til José de Alencar
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 

Semelhante a O Romantismo no Brasil: contexto histórico, características e principais autores

Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismoDilmara Faria
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na TavernaKauan_ts
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxDAYNARASANTOS3
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaTim Bagatelas
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxGANHADODINHEIRO
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”Thalita Dias
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IICicero Luciano
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptMnicaOliveira567571
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptaldair55
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptEdilmaBrando1
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptWandersonBarros16
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptsolsioli
 
Exercícios especiais literatura 2
Exercícios especiais literatura 2Exercícios especiais literatura 2
Exercícios especiais literatura 2Sergio Proença
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfMichaelMorais12
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMODiego
 

Semelhante a O Romantismo no Brasil: contexto histórico, características e principais autores (20)

Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptx
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Exercícios especiais literatura 2
Exercícios especiais literatura 2Exercícios especiais literatura 2
Exercícios especiais literatura 2
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 

Mais de Josi Motta

Alusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesAlusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesJosi Motta
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecidaJosi Motta
 
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Josi Motta
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análiseJosi Motta
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoaJosi Motta
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismoJosi Motta
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2Josi Motta
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Josi Motta
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1Josi Motta
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoJosi Motta
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral finalJosi Motta
 
A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015Josi Motta
 
Aulão udesc red e lit
Aulão udesc   red e litAulão udesc   red e lit
Aulão udesc red e litJosi Motta
 
A majestade do xingu
A majestade do xinguA majestade do xingu
A majestade do xinguJosi Motta
 
Proposta subjetiva
Proposta subjetivaProposta subjetiva
Proposta subjetivaJosi Motta
 
Temas trabalhados
Temas trabalhadosTemas trabalhados
Temas trabalhadosJosi Motta
 

Mais de Josi Motta (20)

Alusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesAlusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citações
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análise
 
Esaú e jacó
Esaú e jacóEsaú e jacó
Esaú e jacó
 
Quarenta dias
Quarenta diasQuarenta dias
Quarenta dias
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
 
A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015
 
Aulão udesc red e lit
Aulão udesc   red e litAulão udesc   red e lit
Aulão udesc red e lit
 
A majestade do xingu
A majestade do xinguA majestade do xingu
A majestade do xingu
 
Proposta subjetiva
Proposta subjetivaProposta subjetiva
Proposta subjetiva
 
Temas trabalhados
Temas trabalhadosTemas trabalhados
Temas trabalhados
 

Último

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 

O Romantismo no Brasil: contexto histórico, características e principais autores

  • 3. CONTEXTO HISTÓRICO– • Consolidação do mundo burguês. A ascensão econômica da burguesia se dá a partir da Revolução Industrial, promovida pela Inglaterra na segunda metade do século XVIII. • Ascensão política, que teve como principal marco a Revolução Francesa, ocorrida em 1789. Romantismo
  • 5. CARACTERÍSTICAS FORMAIS IMPORTANTES  Individualismo  Sentimentalismo.  A liberdade formal e a imaginação criativa ocupam o lugar das regras de composição clássicas.  Euforia e medo diante da liberdade, da democratização da arte.  TEMAS: Fantasia, sonho, idealização, sonoridade, subjetivismo, idealização da mulher, cor local, fuga da realidade, bem X
  • 6. INÍCIO NO BRASIL - O ano de 1836 é considerado o marco do Romantismo no país, com a publicação do livro Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães (1811 – 1882) Romantismo no Brasil
  • 7. 1ª Geração Nacionalista (culto à natureza, ao indígena (bom-selvagem) • Gonçalves Dias Poesia Romântica
  • 8. Canção do exílio Minha terra tem palmeiras,  Onde canta o Sabiá;  As aves, que aqui gorjeiam,  Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas,  Nossas várzeas têm mais flores,  Nossos bosques têm mais vida,  Nossa vida mais amores. Em  cismar, sozinho, à noite,  Mais prazer eu encontro lá;  Minha terra tem palmeiras,  Onde canta o Sabiá. Gonçalves Dias
  • 9. 2ª Geração Ultra-romântica ou byronista, é a geração do Mal-do- século (desejo de morte).  Egocentrismo  Sentimentalismo  Escapismo (expresso na idealização, na busca da solidão, da noite e da morte), no tédio e no pessimismo exagerado.  Álvares de Azevedo  Casimiro de Abreu  Junqueira Freire  Fagundes Varela  
  • 11. Meus oito anos Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Casimiro de Abreu Se eu morresse amanhã! Se eu morresse amanhã,viria ao menos Fechar meus olhos minha triste irmã; Minha mãe de saudades morreria Se eu morresse amanhã! Álvares de Azevedo
  • 12. 3ª Geração É conhecida como condoreira (inspirada no voo do condor, altos voos), e é caracterizada pela poesia social e libertária, refletindo as lutas internas das três gerações na poesia.  Castro Alves  
  • 13. VOZES D'ÁFRICA Deus! ó Deus! onde estás que não respondes?  Em que mundo, em qu'estrela tu t'escondes  Embuçado nos céus?  Há dois mil anos te mandei meu grito,  Que embalde desde então corre o infinito...  Onde estás, Senhor Deus?...  O cavalo estafado do Beduíno  Sob a vergasta tomba ressupino  E morre no areal.  Minha garupa sangra, a dor poreja,  Quando o chicote do simoun dardeja  O teu braço eternal. Castro Alves
  • 14. Romantismo Romântico (Prosa) Autores: Joaquim Manuel de Macedo (Urbano) Manuel Antônio de Almeida* (Urbano) Bernardo Guimarães (Regional) Visconde de Taunay (Regional) José de Alencar  
  • 16.  José Martiniano de Alencar nasce no Ceará, em 1829, e cursa Direito em São Paulo e Olinda (PE). Advogado, político e jornalista, lança em capítulos seus primeiros romances – Cinco Minutos (1856) e A Viuvinha (1857). Torna-se famoso com a publicação de O Guarani, que expõe a miscigenação do português com o indígena. Seus cerca de 20 romances são classificados em indianistas, como Iracema (1865), históricos, como As Minas de Prata (1871), urbanos, como Senhora (1875), e regionalistas, como O Sertanejo (1875). Morre de tuberculose no Rio de Janeiro, em 1877. JOSÉ DE ALENCAR
  • 17.  Romances Urbanos: Senhora (o amor puro entre dois jovens; separação motivada pelo dinheiro; o caça- dotes; o casamento por vingança; a redenção: o amor acima de tudo), Lucíola (a jovem prostituta que se julga indigna de um verdadeiro amor), A pata da gazela, Cinco Minutos, Sonhos d’ouro, Encarnação, A viuvinha.  Romances Regionalistas: O gaúcho (a região sulina, com seu pampa e suas coxilhas), O sertanejo (procurando realçar o intimo relacionamento entre o homem e o meio físico, neste caso, o Nordeste), O Tronco do Ipê (a fazenda Nossa Senhora do Boqueirão, banhada pelo rio Paraíba, no norte do Rio de Janeiro; a vida rural fluminense), Til (trata das
  • 18.  Romances Históricos: As minas de prata (retratando o início da procura de metais), A guerra das mascates (que reconstitui a briga entre Olinda e o Recife), Alfarrábios, O Garatuja.  Romances Indianistas: O guarani (o mito do bom índio; Peri aparece civilizado em contato com os brancos; Alencar até batiza Peri para que o índio possa salvar Cecília; sem a condição de cristão, o índio não seria confiável), Iracema (baseado numa lenda do período de formação do Ceará, retrata o nativo brasileiro idealizado – no caso, a índia – em seu primeiro contato com o branco colonizador; da relação entre Iracema e o português Martim nasce Moacir, “o filho do sofrimento”, o primeiro cearense), Ubirajara (apresenta o índio em seu estado mais puro).
  • 20. TEATRO ROMÂNTICO O teatro no Brasil, até então, era proveniente da Europa e tinha como principal objetivo agradar às elites brasileiras, que transformavam as apresentações em verdadeiros eventos sociais, principalmente nas grandes cidades. Embora alguns escritores já houvessem se arriscado na dramaturgia brasileira, como Castro Alves e José de Alencar, cujas obras eram baseadas nas europeias, ainda não havia uma discussão sobre o perfil do teatro brasileiro. Foi apenas com Martins Pena que o teatro passou a refletir as cenas e as problemáticas da realidade brasileira.
  • 21. Paródia Romantismo (Gostava tanto de você) Racionalismo já se foi A liberdade irei sentir E de amor eu vou morrer E o exagero vai reinar Corte real, tipografia escreveu, vendeu Folhetim é história Não quero saber do futuro Só da emoção Qui ‘m minha porta bate E o ‘eu’! Na poesia vai aparecer O Romantismo vai fazer
  • 22. A natureza me dá sombra O índio, o heroi, amo o passado Nacionalistas são o marco Esse já é o novo retrato Prosa também já está no ar Lembrar do mestre Alencar Depois virá o byronista Que o sentimento vai descrever E o ‘eu’! Na poesia vai aparecer O Romantismo vai fazer Porque a infância já se foi Muita saudade vai sentir E na tristeza vai viver E a mulher idealizar
  • 23. Ele quer o amor da vida Amou, morreu Que linda história E a relação não tem futuro a depressão Na porta dele bate... E o ‘eu’! Na poesia vai aparecer O Romantismo vai fazer Se a escravidão ainda assombra Tem que ser coisa do passado É hora de mudar o quadro E o condoreiro mostra o fato A escravidão tem que acabar Poesia social para lutar Castro Alves, grande artista Navio negreiro vai escrever  Josi Motta