19. Havia um homem que era rico e vestia-se de púrpura e de linho muito fino, e vivia cada dia
esplendidamente.
20. Um pob...
Numa perspetiva mais exigente para a dignidade humana, fala-se também da necessidade
cultural e de recreação.
Deve dizer-s...
O versículo 23 refere o Hades, onde está o rico, mas ali encontra-se também Lázaro e Abraão.
Hades é muitas vezes traduzid...
económica, pode ter a marca do homem rico da parábola. A crise que estamos a viver em
Portugal, no resto da União Europeia...
escatológico, isto é, vive na esperança do Futuro, quando o Reino de Deus chegar à sua
plenitude.
Muitos acusam a pregação...
escatológico, isto é, vive na esperança do Futuro, quando o Reino de Deus chegar à sua
plenitude.
Muitos acusam a pregação...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lazaro

133 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lazaro

  1. 1. 19. Havia um homem que era rico e vestia-se de púrpura e de linho muito fino, e vivia cada dia esplendidamente. 20. Um pobre, chamado Lázaro, coberto de úlceras, ficava deitado à porta da casa do rico, 21. desejando alimentar-se dos pedaços que caiam da mesa do rico. Ainda por cima, os cães vinham lamber-lhe as chagas. 22.Aconteceu que o pobre morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão e morreu também o rico e foi sepultado. 23. E no Hades, o rico, estando em tormentos, levantou os olhos e viu de longe Abraão com Lázaro junto dele, 24. e gritando disse: “Pai Abraão, tem piedade de mim e envia Lázaro para que ele molhe a ponta do dedo na água e refresque a minha língua, porque estou torturado nesta chama”. 25. Então Abraam disse: “Filho, lembra-te que tu recebeste os teus bens (ta agatha) na tua vida, e Lázaro, do mesmo modo, [recebeu] as coisas más (ta kaka). Agora, pois, aqui ele é confortado e tu estás a sofrer. 26. Mas acima de tudo, foi fixado um grande abismo entre nós e vós para que os que quiserem passar daqui para vós não o possam fazer e do vosso lado não podem vir até nós”. 27. Mas ele [o rico] disse: “Peço-te, então, que o mandes à casa do meu pai, 28. porque tenho cinco irmãos, a fim de que os alerte e não venham parar a este lugar de tormento. 29. Disse Abraão: “Eles têm Moisés e os Profetas: que os escutem!” 30. Aquele [o rico] disse: “”Não, Pai Abraão, mas se algum dos mortos se apresentasse a eles, eles se arrependeriam”. 31. Disse-lhe [Abraão]: Se eles não ouvem Moisés e os Profetas também não seriam convencidos se alguém de entre os mortos ressuscitasse”. Duas condições (v. 19-21) A parábola começa por nos apresentar duas personagens que vivem em condições materiais e sociais muito diferentes. Parece-me que, para nós, leitores da parábola neste século XXI, podermos envolver-nos no que se vai passar, é útil tentar perceber o que podia significar para os primeiros ouvintes de Jesus e pode significar para nós ser rico ou ser pobre. No grego em que o manuscrito original está escrito a palavra que traduzimos por “rico” é transliterada em plousios e a que traduzimos por “pobre” é ptochos (leia-se ptokos) e são as mesmas palavras que aparecem em Mateus 19:23; Lucas 6:24 e Apocalipse 13:16, entre outros textos. O rico da parábola é descrito como alguém que veste esplendorosamente, faz banquetes todos os dias e habita em casa que se imagina apalaçada. Ao pobre da história falta tudo: falta- lhe a saúde, falta-lhe alimentação, falta-lhe trabalho, deduz-se que lhe falta também casa onde dormir. Os artistas que ilustram esta parábola põem-no também nu, o que o texto não refere, mas é uma hipótese aceitável, como contraste das vestes do rico. Digamos que o rico da parábola representa o tipo de pessoa que vive o que se pode chamar uma boa vida e o pobre é o seu reverso Em algumas versões do Novo Testamento, o ptochos de Lucas 16:20 é traduzido por mendigo ou pedinte, mas a palavra “pobre” que, como vimos nos textos acima indicados, cobre mais situações, é mais adequada. O mesmo evangelista refere o discurso que em Mateus chamamos Sermão da Montanha, e na boca de Jesus aparecem estas palavras: “Bem-aventurados os pobres (ptochoi), porque vosso é o Reino de Deus”. Totalmente diferente seria o sentido destas palavras se ali se dissesse “Bem-aventurados os mendigos” ou “Bem-aventurados os pedintes”. A tradução de uma língua como o hebraico ou como o grego comum tem sempre de ter em conta o contexto. No caso de Lázaro, é verdade que a sua situação de pobre está no limite que é a mendicância, mas a parábola tem de ver também com todas as pessoas que podem ser alcançadas pela designação de pobres, mesmo sem se encontrarem no limite do mendigo. Nos nossos dias, tem havido o cuidado de assinalar quais são as condições em que uma pessoa pode ser chamada em estado de pobreza e conclui-se que é pobre a pessoa que não consegue satisfazer em si ou no seu núcleo familiar mais direto as necessidades básicas de uma vida, que são: a alimentação, a habitação, a saúde e as vestes com que cubra dignamente o seu corpo.
  2. 2. Numa perspetiva mais exigente para a dignidade humana, fala-se também da necessidade cultural e de recreação. Deve dizer-se que há comentadores que consideram inadequado chamar “parábola” à história do rico e de Lázaro, mas que ela deve ser considerada uma história verídica que Jesus contou. Argumentam tais comentadores que nas histórias que são claramente parábolas nenhuma personagem tem nome, o que não acontece aqui com o pobre, que se chama Lázaro. Veremos mais adiante que o nome da personagem é, de facto, a chave para a compreensão desta história, mas que é também o que justifica que a ela se chame parábola, sendo essa a designação dada às histórias criadas para ilustrarem ensino do Mestre. Pode ver-se nesta parábola uma expressão da polémica que nos Evangelhos Jesus tem com os fariseus. O homem rico será, nessa interpretação, o representante do Farisaísmo, que era o partido religioso mais forte da época. Na verdade, o Farisaísmo caracteriza-se na atenção elevada que dá à sua imagem, o cuidado com as suas vistosas túnicas, a ostentação. O que o versículo 19 diz dessa personagem condiz bem com a figura do chefe fariseu retratado nos Evangelhos. Mas quem é Lázaro nessa perspetiva? É preciso saber que o nome Lázaro é a latinização do nome hebreu Eliazer e este nome significa “Deus é auxílio”. Lázaro, como símbolo, é, nesta interpretação, o contraponto do rico auto-suficiente, porque é o homem que, ao contrário de confiar em si mesmo, só conta com o auxílio de Deus. Lázaro representa, nesta interpretação, um estilo de vida que apenas espera no Senhor. O perigo dessa interpretação que vê aí a polémica contra o Farisaísmo é ficarmos pela polémica do passado e não colhermos o que há nela de mais desafiante para qualquer tempo, incluindo o nosso. O que interessa perceber é que cada personagem significa para nós, hoje um modo de estar na vida. O homem rico é-nos apresentado como alguém que se reveste de roupas riquíssimas e que vive regaladamente todos os dias. É, por assim dizer, a expressão de uma vida de ostentação. Hoje ninguém, no mundo ocidental, pelo menos, deseja vestir-se de púrpura e linho finíssimo, mas sonha com fatos caríssimos, de famosos alfaiates, vida regalada, carros sumptuosos. Se pensarmos bem, veremos que ele é a própria ilustração do pecado. A essência do pecado é o orgulho, o homem a colocar-se no centro de tudo. Até Deus é posto ao serviço do homem. Martinho Lutero definiu o pecado como sendo “o homem dobrado sobre si mesmo” (incurvatus in se), ou como dizem os povos de língua inglesa, “the self-centered man” (o homem centrado sobre si próprio). É o caso do rico da parábola. Estamos a identificar-nos com o rico da parábola quando somos egocêntricos, e isso pode acontecer mesmo em quem viva com muita religião à mistura, com muitas palavras religiosas na boca e frequentando muito a Igreja. A grande heresia que visita o Cristianismo nos nossos dias é a do chamado “Evangelho do sucesso e da prosperidade”, que é largamente pregado por grupos religiosos como a Igreja Universal do Reino de Deus e muitas outras com nomes arrevesados ou chamando-se mesmo Igrejas Evangélicas. Nessas Igrejas, diz-se, ou deixa-se entender, que a doença é falta de fé, que a pobreza é ausência da graça divina, e o sofrimento é um elemento a repudiar. Na verdade, Lázaro, com essa pregação, nem na Igreja tem quem o conforte. Diálogo no Hades (v.22-26) O verso 22 diz que Lázaro morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão. Esta expressão, seio de Abraão, é a forma simbólica de referir o lugar onde os crentes se encontram na vida depois da morte. Abraão é o pai dos crentes Romanos 4:11. Mais complexa é a afirmação de que Lázaro foi “levado pelos anjos para o seio de Abraão”. Imaginamos imediatamente um grupo de anjos carregando Lázaro pelos céus fora, mas a expressão talvez tenha um significado mais acessível e mais significativo, se tivermos em vista o que se diz ter acontecido com a morte do rico, que também aconteceu. Este, diz o verso 22, “foi sepultado” (etaphé). Quer dizer que Lázaro era tão pobre, tão destituído de bens, tão só, tão desamparado, que nem enterro teve. Isto acontece ainda hoje com pessoas que não tenham família nem amigos. Não há ninguém para reclamar o corpo, e o caixão é levado por funcionários para o cemitério. De casos recentemente noticiados de pessoas idosas que morreram em solidão nas suas casas, algumas mortas há anos, podia também dizer-se “foram levadas pelos anjos”.
  3. 3. O versículo 23 refere o Hades, onde está o rico, mas ali encontra-se também Lázaro e Abraão. Hades é muitas vezes traduzido por inferno – e indica a morada dos mortos, sem fazer distinção entre bons e maus. Vamos ver que há um abismo entre a situação do rico, que está em tormentos, e o “Seio de Abraão”, que é um lugar de consolo, mas todos estão no Hades. O próprio Senhor Jesus Cristo, entre a crucifixão e a ressurreição, desceu ao Hades, aos infernos, para pregar a libertação aos mortos 1ª Pedro 3:19; 1ª Pedro 4:6. O Hades é um lugar transitório, onde as almas aguardam o dia da ressurreição final, quando Cristo voltará “para julgar os vivos e os mortos”, como diz o Credo, que o crente também proclama quando diz: “Creio na ressurreição da carne e na vida eterna”. Apesar do abismo entre os condenados e os salvos, assistimos a um diálogo no Hades, entre o rico e Abraão. É interessante verificar que mesmo em tormentos o rico é um homem decidido, um empreendedor, diríamos hoje. Levanta a sua voz e dirige-se a Abraão, chamando-lhe Pai, portanto apresentando-se como parte da comunidade dos crentes. “Pai Abraão, tem misericórdia de mim e manda Lázaro”. Mesmo no Além, o rico olha para Lázaro como um subalterno que está ao serviço de alguém.”Que Lázaro molhe a ponta do seu dedo na água e me refresque a língua”. O homem, habituado a mandar, agora quer dar ordens por interposta pessoa. Mas Abraão, que representa o pensamento de Deus, diz que não pode ser, por duas razões. A primeira é que há, na vida depois da morte, um abismo entre os que estão em tormentos e os que estão no lugar de delícias; e a segunda razão é que, nesta vida depois da morte cada um passa a viver de modo contrário ao modo como viveu do lado de cá da vida: o rico recebeu do lado de cá da vida o que desejava, e agora isso acabou; o pobre recebeu sofrimento e agora é consolado. Há aqui uma situação muito delicada. Muitos concluem que o rico está, depois de morrer, num lugar de tormentos como castigo dado por Deus por ter sido mau, e o pobre está na bem- aventurança por ter sido bom. Mas em nenhum lugar da parábola lemos que o rico é mau ou que o pobre é bom. O que acontece é que o rico recebeu já, adiantadamente, aquilo que queria; e o pobre recebeu, depois da morte, o que nunca tinha recebido. Não era aquilo que Lázaro merecia: é pura graça de Deus. Não houve mérito nenhum no pobre. Ele, coitado, aparece descrito como o mais incapaz de fazer qualquer obra de bem. O rico, é verdade, poderia ter feito muitas coisas a favor do seu semelhante, mas esse é outro aspeto. O que ele buscava, a sua orientação, era gozar a vida, era ter sucesso e prosperidade, e conseguiu isso na sua vida terrestre. Não pode queixar-se, pois recebeu, e bem, o galardão que buscava na terra. O pobre, e não esqueçamos que Jesus lhe deu o nome de Lázaro (Eliazer, Deus é auxílio), não tinha entre os homens quem o ajudasse, quem lhe desse a mão, quem metesse uma cunha. As pessoas dizem como provérbio: “É preciso ter amigos até no inferno”. Procuram trabalho? Levam uma prenda ao engenheiro tal e o engenheiro tal dá uma mão para a firma tal o pôr à frente de todos os candidatos. Vai fazer um exame de condução? Oferece umas notas ao examinador e lá vem a carta. Vivemos sob o signo do rico da parábola quando vivemos assim. Vivemos sob o “signo de Lázaro” quando só temos o auxílio de Deus. O drama é maior quando Lázaro nem sabe que tem o auxílio de Deus (mas tens, Lázaro: em breve o saberás!). Eu falei em signo de Lázaro porque no nosso tempo é arrepiante como tantas pessoas falam do seu “signo de Zodíaco”, crendo na astrologia, uma superstição que o simples raciocínio rejeita. Fale-se então dos que nascem sob o signo de Lázaro. Há pessoas que parecem não “ter sorte nenhuma nesta vida”, como se costuma dizer, embora falar de sorte e azar não seja linguagem cristã. Nascem em lares pobres, algumas com deficiências físicas que os marcam para o resto da vida, têm saúde frágil, têm maus empregos, com maus patrões, enfim, em tudo parecem viver sob o signo de Lázaro. Os que os querem criticar veem nos seus infortúnios sinais de falta de fé, como os que conheceram o Job do Antigo Testamento, mas é errado tirar tal conclusão. O grande servo de Deus que foi João Calvino foi pela vida fora vítima de muito sofrimento de várias ordens, mas principalmente na área da saúde, mas foi um dos teólogos que mais contribuíram para a glorificação do nome de Deus. Viver sob o signo do homem rico da parábola não acontece apenas quando se é rico. Acontece sempre que a nossa preocupação última é o ter e não o ser, o desejo de dominar, a ostentação, sucesso pessoal, aplausos. Um simples camponês pode viver obcecado com a ideia de possuir. Um homem pode até ter uma religião mas viver sob o signo do homem rico, querendo usar o seu deus para seu benefício pessoal. Até as nações podem viver sob o signo do homem rico. A orientação geral da vida política e
  4. 4. económica, pode ter a marca do homem rico da parábola. A crise que estamos a viver em Portugal, no resto da União Europeia no conjunto do mundo ocidental, principalmente, tem essa origem: a adoção do estilo de vida do homem centrado sobre si próprio. Como o rico da parábola, os países viveram, com o capitalismo selvagem, “todos os dias regaladamente”. Já há muitos anos que economistas de renome e políticos alertavam para o facto de os países estarem a viver acima das suas possibilidades, a amontoar dívida, os estados e as famílias, mas queríamos viver como o homem rico da parábola, todos os dias regaladamente. Salvação do Homem (v.27-31) O rico não descansa em meter cunhas. O da parábola insiste com Abraão (v. 27-28): “Rogo-te, ó Pai, que mandes Lázaro à terra, para aparecer aos meus cinco irmãos. Assim, eles, diante desse milagre de ouvirem uma “alma do outro mundo”, talvez se arrependam e não venham parar a este lugar!”. É interessante ver o rico tão preocupado com os seus irmãos. Pode ser um pormenor sem importância, um elemento que Jesus introduziu na parábola para deixar o ensino sobre o lugar fundamental que a Sagrada Escritura tem de ter na vida do homem, mas pode ser também para dizer que entre os tormentos de quem não deu lugar a Deus na sua vida terrena há o tormento de pensar no destino dos seus familiares. Mas é uma ideia muito espalhada a de que, se as pessoas virem coisas milagrosas, elas passam a acreditar no divino. Se “ouvirmos uma voz do outro mundo”, se houver um milagre, uma cura divina, então eu posso crer em Deus. Escribas e fariseus pediram a Jesus que fizesse um milagre para que pudessem crer nele, e Jesus reagiu dizendo: ”Uma geração má e adúltera pede um sinal; mas não lhe será dado nenhum sinal senão o do profeta Jonas” Lucas 11:29/32. E qual foi o sinal do profeta Jonas? Foi a pregação: é ouvindo e aceitando a Palavra vinda de Deus que o homem pode chegar à fé Romanos 10:7. E é por meio da fé que o homem encontra a salvação Efésios 2:8. É isso também que Abraão diz ao que foi rico: “Os teus irmãos têm os livros de Moisés e dos profetas, isto é, têm a Bíblia: portanto, deem ouvidos à Bíblia e saberão a verdade sobre o destino eterno do homem”. O apóstolo Paulo dirá: “Os judeus pedem sinais e os gregos pedem sabedoria, mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus e tolice para os gregos, mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus” 1ª Coríntios 1:22/23. Conclusão Pode temer-se que, esta parábola, ao apresentar a felicidade de Lázaro num futuro que está para além da morte, estimule um tipo de espiritualidade desencarnada que não leva a sério o mundo presente e desmobiliza o crente para as tarefas atuais. É como se o ensino a fixar fosse este: “Pobres, conformai-vos com o vosso sofrimento, sujeitai-vos à injustiça, porque depois da vossa morte recebereis toda a felicidade!”. Não há dúvida de que em muitas igrejas é esse o ensino que é comunicado, por causa de uma leitura superficial do texto bíblico. Na verdade, não há elogio ao conformismo em parte alguma da parábola e no conjunto da Bíblia. O que há, inegavelmente, é o conforto da esperança naquele que sofre. E a esperança é um elemento mobilizador do indivíduo e da comunidade. Numa edição recente da revista Visão (5 de abril de 2012) o professor Boaventura de Sousa Santos denunciava o carácter ruinoso do neoliberalismo e defendia, para o combater, “uma cultura de esperança, de felicidade e de vida”. Penso de esse estudioso tem razão e uma verdadeira fé cristã desde sempre está nessa linha. O homem que espera com confiança a felicidade futura encara com ânimo os problemas que se levantam no presente. O futuro projeta a sua força no presente e dinamiza o homem para a ação transformadora. Embora o cristão tenha a sua cidade para além deste mundo Hebreus 11:10, e esta seja construída por Deus e não pelo homem, é neste mundo que ele tem de ser “fiel até à morte” para herdar a coroa da vida Apocalipse 2:10. Jurgen Moltmann, teólogo alemão, vem desde a década de 60 do século passado a sublinhar, com a sua Teologia da Esperança, o carácter revolucionário da esperança cristã. Ele sublinha que o Cristianismo é essencialmente
  5. 5. escatológico, isto é, vive na esperança do Futuro, quando o Reino de Deus chegar à sua plenitude. Muitos acusam a pregação sobre a esperança cristã no futuro (escatologia) como uma forma de alienação, mas a experiência mostra que, se essa alienação existe em grupos sectários, ela não está presente numa Igreja verdadeiramente fiel à Sagrada Escritura. Pode dizer-se que há realmente alienação quando o homem não inclui no seu pensamento a questão da filiação e da obediência a Deus, o que acontece dentro e fora das Igrejas. Voltaremos então à expressão que usámos acima: o homem centrado sobre si mesmo. A Parábola do Rico e de Lázaro aponta uma alienação, mas é a do rico que vive dobrado sobre si mesmo. Essa é a forma extrema da alienação. Mas pensar na Vida que se seguirá à nossa morte terrena, pensar no Reino de Deus em plenitude que Jesus Cristo proclamará, não é alienação: é assumir a visão que nos animará na nossa caminhada neste mundo. “Os que esperam no Senhor renovarão as suas forças, subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão; caminharão e não se fatigarão” Isaías 40:31. Vou terminar este estudo com a citação de um homem mais consensual que Moltmann, o acima referido fundador da teologia da esperança. Falo agora de C. S. Lewis, escritor anglicano também do século passado, que num pequeno volume escreveu estas palavras simples e profundas: “Se você lê História, verificará que os cristãos que mais fizeram pelo mundo presente [o mundo do lado de cá] foram justamente aqueles que mais pensaram no mundo que virá [o mundo depois da morte]” (Mere Christianity, p. 116).
  6. 6. escatológico, isto é, vive na esperança do Futuro, quando o Reino de Deus chegar à sua plenitude. Muitos acusam a pregação sobre a esperança cristã no futuro (escatologia) como uma forma de alienação, mas a experiência mostra que, se essa alienação existe em grupos sectários, ela não está presente numa Igreja verdadeiramente fiel à Sagrada Escritura. Pode dizer-se que há realmente alienação quando o homem não inclui no seu pensamento a questão da filiação e da obediência a Deus, o que acontece dentro e fora das Igrejas. Voltaremos então à expressão que usámos acima: o homem centrado sobre si mesmo. A Parábola do Rico e de Lázaro aponta uma alienação, mas é a do rico que vive dobrado sobre si mesmo. Essa é a forma extrema da alienação. Mas pensar na Vida que se seguirá à nossa morte terrena, pensar no Reino de Deus em plenitude que Jesus Cristo proclamará, não é alienação: é assumir a visão que nos animará na nossa caminhada neste mundo. “Os que esperam no Senhor renovarão as suas forças, subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão; caminharão e não se fatigarão” Isaías 40:31. Vou terminar este estudo com a citação de um homem mais consensual que Moltmann, o acima referido fundador da teologia da esperança. Falo agora de C. S. Lewis, escritor anglicano também do século passado, que num pequeno volume escreveu estas palavras simples e profundas: “Se você lê História, verificará que os cristãos que mais fizeram pelo mundo presente [o mundo do lado de cá] foram justamente aqueles que mais pensaram no mundo que virá [o mundo depois da morte]” (Mere Christianity, p. 116).

×