Usando o qr code

923 visualizações

Publicada em

qr code, ufrgs

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Usando o qr code

  1. 1. E INCLU SÃ O DIGIT A L Uso de QR Code na educação Núbia dos Santos Rosa Santana dos Santos
  2. 2.  Introdução  Criação e utilização de QR Code  Aplicações do QR Code, comunicação e inclusão digital  Uso de dispositivos móveis na educação  Aplicações no QR Code na Educação  Instalação do leitor de QR Code no dispositivo móvel  QR Code e ferramentas do Moodle  Apresentação do aplicativo QR Quest  Atividades 2 Sumário
  3. 3.  QR Code é ...  abreviatura de Quick Response Code, é um código bidimensional criado pela Denso Wave, em 1994.  Permite o carregamento de informações na direção vertical, bem como na horizontal.  Por carregar informações em ambas as direções, o código QR pode levar até várias centenas de vezes a quantidade de dados carregados por um código de barras comum ( DENSO WAVE, 2010).  Qual a diferença para um código de barras normal? O termo QR code é uma marca registrada da Denso Wave Incorporated. 3 Códigos 2D
  4. 4. Códigos 2D  http://www.qrcode.com/en/index.html 4 DataMatrix - amplamente utilizado na indústria automotiva, aeroespacial e indústrias, para rotulagem de grande capacidade de dados. A simbologia é de domínio público, sem quaisquer licenças ou royalties (FALAS e KASHANI, 2007). Criados pela empresa japonesa Denso Wave em 1994, o QR Code é código bidimensional. O código QR pode levar até várias centenas de vezes a quantidade de dados carregados por um código de barras comum ( DENSO WAVE, 2010).
  5. 5.  O código de barra de duas dimensões que podem ser lidas em dispositivos móveis (celular com câmera) ou um laptop, computador e, uma vez acessado, permite realizar ações como:  URL - Com o leitor de QR Code o usuário consegue facilmente acessar o conteúdo da página através da URL informada representada pelo código.  E-mail – Serve para armazenar o endereço de e-mail. Neste caso o leitor deve informar um cliente de e-mail e a mensagem será enviada para o destinatário do endereço de e-mail existente no QR Code.  Número de telefone – Permite iniciar uma chamada telefônica através do número lido no QR Code. Ou enviar um SMS.  Texto - cartão de visita, informações, avisos, etc.. Códigos 2D
  6. 6. QR Code  Que tal assistir a um vídeo sobre QR Code?  O vídeo pode ser direcionado para Youtube;  O vídeo pode estar armazenado no AVA (por exemplo) no formato 3gp;  Obs: Para que o vídeo funcione adequadamente no dispositivo pode ser necessário a instalação de um aplicativo, plugins específicos. 6
  7. 7. QR Code  Algumas características do QR Code devem ser ressaltadas:  Leitura 360°;  Resistência à distorção;  Resistência à sujeira;  Resistência a dano;  Reduzida área de impressão;  Alta capacidade de armazenamento de dados;  Capacidade de subdivisão (um código pode ser subdividido em até 16 partes); Fonte: Taddeo, Silva e Junior (2012), QRCODE colorido, duplicando a capacidade de armazenamento com cores, Disponível em: http://www.lbd.dcc.ufmg.br /colecoes/wvc/2012/0055.pdf 7
  8. 8. QR Code 8 -Posição Padrão: Três quadrados grandes dos cantos utilizados para detectar a posição, o tamanho e o ângulo do QR Code. -Padrão de alinhamento: Um padrão usado para corrigir a distorção do QR Code. -Tempo padrão: Consiste em módulos de branco e preto e dispostas alternadamente colocado entre dois padrões de posição. Ele é utilizado para determinar a coordenada central de cada célula na QR Code. -Zona ‘silenciosa’: Um espaço de margem que torna mais fácil de detectar o QR Code. - Área de dados: A área no QR Code ​​que contém os dados (por exemplo um URL) codificado em números binários. A área de dados também inclui códigos para fornecer funcionalidades de correção de erros. - Fonte: Vazquez-Briseno et al. (2012)
  9. 9. Processo de codificação /decodificação  Utiliza-se um gerador de QR Code para gerar o código;  Utiliza-se um leitor de QR Code para ler ou decodificar o código para obter/visualizar o conteúdo do código.  Pode-se decodificar usando a câmera de um computador com um leitor já instalado ou usando um dispositivo móvel que também já possua um leitor instalado. 9
  10. 10. Como criar um QR Code?  Existem várias aplicações na Web que geram QR Code disponíveis na Web, tais como:  I-nigma (http://www.i-nigma.com/i-nigmahp.html )  Kaywa (http://qrcode.kaywa.com/ )  Quickmark (http://www.quickmark.com.tw/en/basic/download.asp) Figura 11. Exemplo de leitor de QR Code 10
  11. 11. Aplicações do QR Code  Propaganda e marketing  Revistas  Compras  Registro do usuário  Museus  Pontos turísticos  Check-in (companhias aéreas)  Avisos em locais públicos (Universidades)  Pesquisa Zero hora  Expansão do uso de QR Code  Livro 11
  12. 12. Aplicações na educação 12  AL-KHALIFA (2008) apresenta uma proposta de uso do QR Code para a identificação de objetos em um ambiente por deficientes visuais e cegos através de interação em tempo real.  Ghiron, Medaglia e Perrone (2009) apresentam a proposta do projeto Artsonomy, que permite aos usuários associar palavras-chave (tags) em obras marcadas com um QR Code, por meio de um aplicativo em um dispositivo móvel.  Yoshida, Miyaoku e Satou (2007) apresentam o "Mobile Magic Hand" um sistema de interface baseado em código. Com ele o usuário pode manipular um objeto sem ter de manter a câmera centrada no código visual.  Os QR Code também podem ser usados em museus, por exemplo, em placas ao lado de exposições de arte, orientando as pessoas com informações sobre a obra e o artista.
  13. 13. Exemplo de uso na educação: Fonte: http://www.qrcode.es/es/2009/03/qrcodes-en-la-educacion/ 13 Aplicações na educação
  14. 14. Pesquisa QR Code Dados da pesquisa QR Code use, divulgada pela Pitney Bowes, apontam que os códigos de resposta rápida estão ganhando aceitação cada vez maior entre os consumidores da América do Norte e Europa, sendo os veículos impressos os que mais fomentam esta interação, alcançando 15% dos 3.000 entrevistados. Na sequência aparecem os Correios e embalagens, na casa dos 13%, seguido de cartazes, com 10%, website e e-mail, com 8% e 5%, respectivamente e por fim, TV, com 4% do uso. De acordo com a pesquisa, dois fatores levam o QR code a ser identificado como a futura ferramenta de marketing: - cruza os canais tradicionais e digitais, agregando valor a ambos e é entregue através de um canal móvel, que está se tornando rapidamente o canal preferido entre os consumidores. - os códigos QR, quando implementados como parte de uma campanha de marketing coesa são altamente mensuráveis, dando uma visão transparente de como o consumidor viaja pelos canais, podendo chegar até uma transação ou, pelo menos, chegar a uma prazerosa experiência com a marca”, justifica Ronaldo Oliveira, diretor da Pitney Bowes Software Brasil. Fonte:http://ecommercenews.com.br/noticias/pesquisas-noticias/expectativa- de-uso-do-qr-code-e-de-1-bilhao-de-usuarios-ate-2016-aponta-pesquisa 14
  15. 15. Vantagens/desvantagens  Vantagens  Permite mais interatividade ao material impresso;  Possibilita acesso a diferentes tipos de recurso;  Integrar o físico com o digital;  Aproximação das novas tecnologias;  Desvantagens  Em algumas situações exige conexão com a Internet;  De acordo com a impressão pode ser difícil de decodificar;  Representação de informação desatualizada; 15
  16. 16. Inclusão digital  Situações:  QR Code representando instruções/orientações em locais públicos ( Universidade, por exemplo);  Precisar realizar uma chamada representada por QR Code;  Realizar um check-in usando um código QR Code;  Encontrar um livro com conteúdo em QR Code representando informações adicionais;  Receber um cartão de visita em formato de QR Code; 16
  17. 17. M-learning  Segundo Quinn (2000) o m-learning é o e-learning através da tecnologia de dispositivos móveis.  Para Harris (2001) é o ponto em que a computação móvel e o e-learning se interceptam para produzir uma experiência de aprendizagem em qualquer hora e lugar.  Segundo Susono e Shimomura (2006) alguns benefícios do m-learning:  Propicia mobilidade sendo ideal para pessoas em movimento;  Acesso a conteúdos a qualquer hora, em qualquer lugar;  Possibilidade de aumentar a interação entre alunos;  Possibilidade de formação ou revisão do conteúdo a qualquer momento;  Pode melhorar a aprendizagem centrada no aluno;  Pode motivar alunos interessados em tecnologia por causa do ambiente rico em multimídia;  Diferenciação de apoio às necessidades de aprendizagem dos alunos e aprendizagem personalizada;  Redução das barreiras culturais e de comunicação entre professores e alunos, utilizando canais de comunicação que os alunos gostam;  Facilitam a colaboração através da comunicação síncrona e assíncrona. 17
  18. 18. Integração com Moodle?  O que é Moodle?  O Moodle (Modular Object Oriented Developmental Learning Environment) é um Sistema Open Source de Gerenciamento de Cursos.  Registra o acesso ao OA.  Exemplo: http://modaubiq.moodlelivre.com/  Ferramentas  Possui ferramentas assíncronas e síncronas  Fórum de discussão  Você já utilizou o Moodle? 18
  19. 19. Como instalar o leitor de QR Code no dispositivo?  Download de um leitor ( i-nigma, por exemplo)  No endereço http://www.i-nigma.com/i-nigmahp.html clique em Download i-nigmareader.  Para instalar digite no celular: http://www.i-nigma.mobi e siga as instruções.  Antes, verifique se o modelo do dispositivo suporta o leitor.  Acesse http://www.inigma.com/SupportedDevices.html para verificar se o seu aparelho suporta o leitor ou ainda http://www.ezhelp.info/SupportedDevices.html.  Se for dispositivo com sistema Android  Fazer download do aplicativo QR Droid 19
  20. 20. Instalação do aplicativo QR Quest Android  Disponível para download no Moodle  Pré-requisitos  Sistema Android  Leitor de QR Code – QR Droid  Google Play  Câmera e acesso à Internet.  Responder questionário materializado com QR Code usando aplicativo  Exemplo no Moodle  Ao finalizar atualizar o Moodle com o questionário respondido 20
  21. 21. Atividades  Acessar o Moodle  Geração de Qr Code através de geradores gratuitos na Web  Fórum no Moodle  Inclusão de imagem do QR Code no fórum  Decodificação dos QR Code disponibilizados no fórum, com comentário sobre os QR Code criados pelos colegas.  Os alunos poderão realizar a atividade em grupo, caso não possuam o dispositivo com as características necessárias para trabalhar com QR Code.  Elaborar um cartão de visita.  Responder questionário sobre o meio para acesso ao conteúdo educacional. 21
  22. 22. Referências 22 AL-KHALIFA, H., Utilizing QR-Code and Mobile Phones for Blinds and Visually Impaired People, In: K. Miesenberger et al. (Eds.), ICCHP 2008, LNCS 5105, pp. 1065–1069, 2008 DENSO WAVE Incorporated, Basic Info, Disponível em http://www.denso-wave.com/en/adcd/fundamental/index.html, Acesso em: 14 Out. 2010. GHIRON, S. L.; MEDAGLIA, C. M.; PERRONE, A., “Art-sonomy”: Social Bookmarking of Real Artworks via Mobile Applications with Visual Tags, Part III, HCII 2009, LNCS 5616, pp. 375–384.2009. HARRIS, P. Goin’ Mobile, Learning Circuits. 2001. Disponível em: http://www.learningcircuits.org/2001/jul2001/harris.html. Acesso em: Jan. 2011. MOODLE, Open-source community-based tools for learning, Disponível em: http://moodle.org/, Acesso em: 10 Nov. 2010. QUINN, C., mLearning: mobile, wireless, in-your-pocket, Line Zine. 2000. Disponível em: http://www.linezine.com/2.1/features/cqmmwiyp.htm. Acesso em : Jan. 2010 ROUILLARD, J., LAROUSSI, M., PerZoovasive: contextual pervasive QR codes as tool to provide an adaptive learning support. In Proceedings of CSTST'2008. pp.542~548, 2008. SUSONO,H.;SHIMOMURA,T. Using Mobile Phones and QR Codes for Formative Class Assessment, Current Developments in Technology- Assisted Education, Badajoz, Spain: FORMATEX. 2006, 1006-1010 VAZQUEZ-BRISENO, M. et al Using RFID/NFC and QR-Code in Mobile Phones to Link the Physical and the Digital World, Interactive Multimedia, InTech, pp. 219-242, 2012 YOSHIDA, Y.; MIYAOKU, K.; SATOU, T., Mobile Magic Hand:Camera Phone Based Interaction Using Visual Code and Optical Flow, J. Jacko (Ed.), Human-Computer Interaction, Part II, HCII 2007, LNCS 4551, pp.513–521, 2007.

×