QR-Codes

624 visualizações

Publicada em

Descrição da tecnologia e aplicações dos QR-Codes

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
624
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

QR-Codes

  1. 1. mobile QR CodesOs QR Codes como ferramenta de partilha de informaçãoA evoluçãodos códigosde barrasA utilização de códigos QR (QuickResponse) tem-se massificado desdea divulgação de aplicações em revistasaté à utilização em publicidade. O seucrescimento tem-se acentuado em especialno Japão, EUA, UK e Canadá.Por: Justino Lourenço* e ent erimi! Exp qu aO aparecimento do QR Code remon- foi nas linhas de produção. Contudo, com o Crescimento e perfil ta a 1994, quando uma subsidiária avançar do tempo e com a disponibilização de utilizadores da Toyota (Denso-Wave) iniciou a de smartphones, rapidamente se percebeu Tem-se assistido a um esforço considerávelsua utilização em 1994 para permitir o “tra- que o leque de aplicações poderia crescer. O na utilização dos QR Codes na área do ma-cking” de automóveis na linha de montagem. facto de apresentar uma excelente velocida- rketing. Ao utilizar esta solução em produtos,A grande vantagem estava, já na altura, na de de descodificação e uma capacidade de o consumidor, numa visita a uma loja, podeelevada velocidade com que se consegue armazenamento interessante, ajudou a cre- obter mais informação, website, preço e liga-efectuar a descodificação. Esta foi a primei- dibilizar a codificação. Actualmente, con- ção a um site específico. Para estudar o maiorra e grande aplicação desta codificação e foi seguem-se identificar no mercado uma série ou menor impacto desta estratégia, a empresapreciso esperar alguns anos para ela chegar de aplicações distintas dos QR Codes, entre Levelwing avançou com um inquérito onlineao mercado de consumo. A tecnologia é for- elas o “tracking” na área dos transportes, no que estudou o conhecimento, disponibilidadetemente utilizada nas mais variadas aplica- entretenimento, no acesso a bilhetes, na pu- para utilização e utilização dos QR Codes.ções, em especial, no Japão. Com o cresci- blicidade, nas hiperligações para a descarga Em simultâneo foram apresentados mais doismento de dispositivos móveis com câmara de aplicações e nas etiquetas de produtos no estudos, um da Advertising Age e outro dae a crescente capacidade de processamento, comércio. Como já foi referido, a utilização comScore que apresentaram conclusões simi-verificou-se o crescimento da utilização de dos QR Codes popularizou-se com a mas- lares nalguns dos pontos.QR Codes. O princípio do código QR está sificação de smartphones. Os utilizadores Assim, o perfil típico dum utilizador da codi-assente numa codificação a duas dimen- podem receber uma mensagem de texto, um ficação é do sexo masculino e com uma idadesões, que leva ao aparecimento duma ma- vCard, abrir uma hiperligação, despoletar compreendida entre os 18 e os 34 anos. O es-triz de códigos de barra. A inspecção visual um e-mail ou SMS depois da leitura dum tudo efectuado pela Advertising Age estudoudum código QR permite constatar que este QR Code. A geração dum QR Code pode apenas o segmento das revistas impressas eé constituído por um padrão de módulos ser efectuada numa série de sites (qrcode. encontrou taxas de “scanning” entre os 4 e ospretos quadrados num fundo branco. Esta kaywa.com, zxing.appspot.com/generator 17% do total dos leitores. Por seu turno, o es-característica – a transição de tonalidades ou qoqr.me), existindo uma série de soluções tudo da comScore estudou os vários meios que(preto e branco) – permitiu, no início, a gratuitas e pagas, oferecendo variadas possi- suportam QR Codes e descobriu que cerca desimplificação do processamento das câ- bilidades de geração. De igual forma, desde 6,2% dos utilizadores realizaram um “scan”.maras que eram utilizadas para efectuar a sistemas operativos para dispositivos móveis Uma série de estudos e publicações do corren-leitura da codificação. massificados como o Android, até soluções te ano salientam a maior apetência dos utili- empresariais com o da BlackBerry OS, todas zadores para aderirem à tecnologia, sendo deCaracterísticas principais elas apresentam soluções de aplicações para esperar que 2011 seja o ano do “kick-off” paraA sua primeira aplicação, tal como referido, a leitura. o QR Code.48
  2. 2. Em alguns países orientais já é possível efectuar compras no metropolitano através deste tipo de códigos.Aplicações e não encapsulada na QR Code tag, oferece ra uma solução QR Code irá permitir umaA utilização de códigos QR tem vindo a uma forma alternativa e mais dinâmica de gestão mais eficiente do transporte, permi-crescer centrando a sua aplicação no e-Info interacção. Como é possível a alteração da tindo ainda que o “tracking” seja efectuadoe no e-Marketing. As aplicações mais usuais informação no servidor, a URL é dinâmica, em tempo-real pelo passageiro, que terá aces-para armazenamento de endereços e URLs permitindo assim que a campanha publicitá- so à localização da bagagem durante todo o(Uniform Resource Locators) podem ser uti- ria possa ser alterada sempre que necessário, trajecto.lizados em revistas, informações ao utente, criando a ideia duma campanha publicitária • Turismo: as sugestões de visitas a pontostransportes, cartões de visita, etiquetagem de mais dinâmica e rapidamente reajustável. A importantes numa cidade e sugestões deartigos comerciais ou em qualquer cenário empresa AXA nos Estados Unidos tem uti- percursos pedestres podem ser conseguidosonde seja necessária a passagem duma infor- lizado este suporte em publicidade na TV, duma forma simples. A empresa Town Gra-mação. As consideradas aplicações mainstre- permitindo transformar o anúncio numa phics utiliza igualmente este suporte para aam com potencial de crescimento dividem-se experiência mais enriquecedora e, ao mesmo criação de mapas interactivos que enrique-nas seguintes categorias: tempo, podendo aferir o comportamento dos cem a experiência de consulta dum mapa.• e-Ticketing: estas aplicações surgiram co- consumidores em relação às várias campa- • Utilização em redes sociais: o perfil e “Es-mo solução para compra de bilhetes online. nhas sazonais da empresa. tado” do utilizador podem ser mais facilmen-Depois da compra efectuada o cliente recebe • Eventos culturais: a tecnologia permite te acedidos em redes como o Facebook ouo respectivo QR Code que posteriormente agilizar a visita a um museu. O QR Code é LinkedIn recorrendo a esta solução. A Bla-é utilizado num “scanning” para garantir o utilizado para partilha de informação sobre ckBerry já permite criar grupos de contactosacesso ao evento. Se, por acidente, o bilhete as várias obras expostas num museu, forne- no BlackBerry Messenger que são reconhe-for apagado do telemóvel é sempre possível cendo a informação essencial e em simultâ- cidos por um código QR.pedir o reenvio do respectivo código. A par- neo sugerindo uma ligação a uma URL com • Entretenimento: a solução “R Kill” foitir do momento que o QR Code é utilizado mais informações. uma abordagem de paintball que apareceuna entrada do evento, fica validado como uti- • Distribuição de correio postal e encomen- em Barcelona. Os jogadores utilizam uma t-lizado não podendo ser de novo reutilizado. das: um “tracking” eficiente de correio postal shirt onde está impresso um QR Code comAs linhas aéreas japonesas são um exemplo e encomendas pode ser feito, permitindo, o seu nome e contacto telefónico durante oduma companhia aérea que adoptou esta so- duma forma simples e de reduzido custo, o jogo. Nesta abordagem, o jogador é apanha-lução, sendo de referir igualmente o comboio “tracking” desde a entrega até a recepção. No do e colocado fora de competição sempre queexpresso de Heathrow em Londres. transporte aéreo de bagagens a passagem pa- um adversário consegue fazer o “scan” da sua• e-Payment: a Starbucks é o exemplo dumaempresa que permite o pagamento nalgumasdas suas lojas recorrendo a QR Codes. Aspectos técnicos• Sistemas de fidelização: a disputar uma luta Existem uma série de standards relacionados comcom o NFC (Near Field Communication) os codificação física dos QR Codes, sendo de referir:QR Codes também se assumem como um - Outubro 1997 – AIM (Association for Automaticcandidato forte para substituição dos vários Identification and Mobility);cartões de fidelização numa única solução - Janeiro 1999 – JIS X 0510;integrada no terminal móvel. A nível inter- - Junho 2000 – ISO/IEC 18004:2000 Information technology – Automatic identification and datanacional, a Coca-Cola utiliza a abordagem capture techniques – Bar code symbology – QR code;do QR Codes em parceria com o fabricante - Definição dos modelos 1 e 2 para QR Codes;de máquinas de venda de rua de forma a per- - Novembro de 2004 – Micro QR Code aprovadomitir que os consumidores japoneses possam como um JIS (Japanese Industrial Standard);reunir pontos de fidelização nos pontos de - Setembro 2006 – ISO/IEC 18004:2006venda da referida bebida. Information technology – Automatic identification and data capture techniques – QR Code 2005 bar• Intelligent Advertising: a solução de Dy- code symbology specificationnamic QR Codes (QRMe Code) onde aURL é armazenada num servidor principal www.zoomit.pt 49
  3. 3. mobile QR Codes Apesar de já existirem desde 1994 é agora que este tipo de códigos está a explorar mais mercados, nomeadamente no sector móvel. qrcode/qrstandard-e.html). poderão ocorrer em background sem a per- A estrutura utilizada para a implementação cepção imediata do utilizador. dum mecanismo de correcção utiliza “Reed– Solomon error correction” com quatro níveis Conclusões distintos de correcção. Quanto maior for o A título de exemplo, nos Estados Unidos a nível de correcção de erros implementado utilização de QR Codes tem vindo a ex- mais robusta é a solução. Contudo, conse- pandir-se: no mês de Junho de 2011 diversos guimos um maior reduzido espaço de arma- estudos reportam existir cerca de 14 milhões zenamento. de utilizadores de dispositivos móveis que De referir a variante designada por Micro recorreram a QR Codes. Esta notável mas- QR Codes, que é uma versão mais compacta. sificação mostra o interesse e perspectivas de Existem igualmente várias formas onde na crescimento da solução. Lado a lado com a versão com mais capacidade se conseguem solução NFC (apresentada num artigo prévio armazenar 35 caracteres. Como é possível da zOOm i.t.), parecem ser soluções credí- implementar formas avançadas de correcção veis para que, no curto prazo, a partilha de de erros, é permitido, se desejado, tornar os e-Info e e-Marketing seja agilizada. O leque QR Codes numa estrutura mais apelativa de aplicações é vasto, o facto da utilização sem comprometer a sua utilização. da solução ser livre e a disponibilização de A questão da segurança dos dados também software de “scanning” multi-plataforma va- pode ser devidamente acautelada, utilizando ticina o interesse dos inúmeros players nesta versões encriptadas de QR Codes. Não exis- ferramenta poderosa, que certamente cada tem ainda muitas implementações, sendo de vez fará mais parte do nosso dia-a-dia. referir uma aplicação Android, suportada por um algoritmo seguro AES de 128bits. Para *Professor e investigador do Instituto aplicações onde a segurança é crucial, exis- Superior Politécnico Gaya. Consultor na tem os SKS Codes (Secure Quick Response área das Telecomunicações.camisola. Também surgem relatos de jogos Codes), que utilizam encriptação com chave Contacto: jml@ispgaya.ptde procura de pistas onde, com a utilização pública. Estes apresentam uma aparência se-de QrMe Codes, as pistas vão evoluindo e melhante aos dos convencionais QR Codes.sendo personalizadas conforme o jogador, Foram desenvolvidos em 2010 pela empresapermitindo uma experiência de entreteni- Japonesa Yodo KK e têm a patente pendente.mento bastante rica. A Nintendo utiliza A utilização de QR Codes é livre e semigualmente esta solução para a partilha de qualquer licença, estando clara-avatares num jogo. Existe igualmente a pos- mente definido com um ISO stan-sibilidade de utilização de QR Codes em dard. A empresa Denso-Waves temcartazes de cinema, permitindo o acesso a os direitos de patente, mas decidiuinformação mais detalhada do filme em exi- não os reclamar.bição, como por exemplo o URL do “trailer”.O site http://socialwayne.com/2010/08/06/ Questões de segurançacodes-examples-marketing-businesses A possibilidade da criação duma soluçãoapresenta uma série de exemplos actuais de QR Code maliciosa, combinada com umutilização dos QR Codes para publicidade leitor permissivo, poderão colocar o uti-e “brand awareness”. Ao nível da camada lizador e o terminal móvel em risco. Umaplicacional, têm surgido algumas variantes nível perigoso de permissões poderá activarao nível da implementação. A capacidade de remotamente a câmara do terminal móvel,armazenamento dos QR Codes depende da ter acesso remoto à Internet, leitura e escri-versão e nível de correcção de erros. Ao nível ta de dados armazenados, GPS, históricoda capacidade e nível de correcção de erros, do browser e alteração de configurações doo quadro que se segue apresenta a caracteri- equipamento móvel.zação (fonte: http://www.denso-wave.com/ Obviamente que estes acessos ao dispositivo Symbol size 21 × 21 - 177 × 177 modules (size grows by 4 modules/side) Type & Amount of Data Numeric Max. 7,089 characters (Mixed use is possible.) Alphanumeric Max. 4,296 characters 8-bit bytes (binary) Max. 2,953 characters Kanji Max. 1,817 characters Error correction Level L Approx. 7% of codewords can be restored. (data restoration) Level M Approx. 15% of codewords can be restored. Level Q Approx. 25% of codewords can be restored. Level H Approx. 30% of codewords can be restored. Structured append Max. 16 symbols (printing in a narrow area etc.)50

×