SlideShare uma empresa Scribd logo
Maringá-PR
Apostila Linux
2012
Introdução
O principal objetivo desta apostila é apresentar um pouco da história do Linux os seus
recursos e como usar comandos básicos e úteis do dia-a-dia. Espero que consigam aprender
e aplicar bastante o que será explicado aqui além de tirar de uma vez por todas esse
paradoxo de que Linux é difícil de usar.
Bons estudos e boa sorte! :)
Autor: Carlos Demetrio
História
A História do Linux começou em 1991 com o início de um projeto pessoal de um
estudante Finlandês chamado Linus Torvalds de criar uma novo núcleo (kernel) de sistema
operacional. Desde então, o núcleo Linux resultante foi marcado por um crescimento
constante através de sua história. A partir do lançamento inicial de seu código-fonte,
cresceu de um pequeno grupo de arquivo em C sob uma proibitiva licença de distribuição
comercial para em 2012, possuir mais de 400 Mb. de fonte sob a licença GPL.
O que é kernel?
Kernel pode ser entendido como o núcleo do sistema operacional, isto é, como a
parte essencial deste. Cabe ao kernel fazer o intermédio entre o hardware e os programas
executados pelo computador. Isso significa que a junção do kernel mais os softwares que
tornam o computador usável (drivers, protocolos de comunicação, entre outros), de acordo
com a sua aplicação, é que formam o sistema operacional em si.
Para compreender melhor, você pode imaginar o kernel como sendo o chassi de um
veículo. De acordo com a aplicação em questão, uma montadora pode adquirir um chassi e
utilizá-lo para montar um carro para transportar cargas ou, se a necessidade for esta, para
construir um automóvel de passeio para uma família.
Na data de Setembro de 1991, a versão 0.01 do Linux foi lançada e enviada para o
servidor FTP (ftp.funet.fi) da Universidade de Helsinki de Tecnologia (em Inglês: HUT),
possuía 10.239 linhas de código. Atualmente a versão 3 do Linux foi lançada em 22 de
Julho de 2011 em comemoração aos 20 anos do Linux, este núcleo foi lançado com
13.872.245 linhas de código. O núcleo do Linux a princípio só mudava o primeiro número
da versão em caso de mudanças drásticas, mas para comemorar os 20 anos do Linux e
reduzir os números de controles de versão, Torvalds resolver mudar para a versão 3 mesmo
sem mudanças significativas no núcleo do Linux. Em Outubro de 2011 é lançada a versão
3.1 do núcleo Linux e em 03 de Janeiro de 2012 é apresentada ao mundo a versão 3.2.1 do
núcleo do Linux com 14.304.901 linhas de código.
Aplicação da teória:
Distribuições do Linux
O que é uma distribuição?
Distribuição Linux é um Sistema Operacional Unix-Like incluindo o kernel Linux e
outros softwares de aplicação, formando um conjunto. Distribuições (ou “distros”) mantidas
por organizações comerciais, como a Red Hat, Ubuntu, SUSE e Mandriva, bem como
projetos comunitários como Debian e Gentoo montam e testam seus conjuntos de software
antes de disponibilizá-los ao público.
Como o Linux e a maior parte dos softwares incluídos em distribuições são livres,
qualquer organização ou indivíduo suficientemente motivado podem criar e disponibilizar
(comercialmente ou não) a sua própria distribuição. Isso faz com que hoje haja registro de
mais de 300 distribuições ativamente mantidas, embora menos de 10 delas sejam mesmo
largamente conhecidas. Quase todas tem live cd (roda sem instalar).
O Linux evolui muito rapidamente, e os principais distribuidores tendem a lançar
versões novas a cada 3 ou 4 meses, ou pelo menos semestralmente. Como em geral você
pode obter o software gratuitamente ou a custo baixíssimo, não faz sentido optar pela versão
antiga.
Segue uma lista parcial de distribuições de Linux:
Kurumin (Brasileira – Carlos Morimoto)
Debian
Fedora
Gentoo
Mandriva (Mandrake[França] e Conectiva[Brasileira])
Red Hat (CentOS)
Slackware
SUSE
Ubuntu
Como saber qual versão e distribuição do Linux estou usando?
Existe alguns comandos/ arquivos que contém essas informações.
O comando mais usado, por estar em quase todas as versões do Linux é o uname:
<prompt> uname -a
Linux demetrio-HP-G42-Notebook-PC 3.0.0-16-generic #28-Ubuntu SMP Fri Jan 27 17:50:54
UTC 2012 i686 i686 i386 GNU/Linux
Você também pode use se tiver o comando que mostra essa informação mais detalhada no
Linux é o lsb_release:
<prompt> lsb_release -a
Distributor ID: LinuxMint
Description: Linux Mint 12 Lisa
Release: 12
Codename: lisa
Arquivos: /proc/version, /etc/issue, etc. Tem informações sobre a versão e distribuição.

Recomendado para você

Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux

O documento descreve os principais diretórios do sistema de arquivos Linux e seus respectivos usos, como /bin para binários executáveis, /etc para arquivos de configuração e /home para arquivos pessoais dos usuários. Ele também lista vários comandos Linux comuns e suas funções.

Comandos Linux Parte 2
Comandos Linux Parte 2Comandos Linux Parte 2
Comandos Linux Parte 2

O documento descreve comandos Linux para gerenciamento de usuários e grupos, redes e desligamento do sistema. Ele explica como adicionar e remover usuários e grupos, alterar senhas e configurações de contas, visualizar informações de rede e desligar ou reiniciar o sistema de forma segura.

linuxapresentaçãocomandos
Comandos basicos linux
Comandos basicos linuxComandos basicos linux
Comandos basicos linux

Este documento fornece uma lista de comandos básicos do Linux, incluindo comandos para navegar e gerenciar arquivos e diretórios (como ls, cd e rm), iniciar aplicativos (como gedit e konsole), gerenciar usuários e permissões (como useradd e passwd) e desligar ou reiniciar o sistema (como shutdown e reboot).

linuxcomandoswagner
Shell
O que é shell?
O shell é um módulo que atua como interface Usuário/Sistema Operacional,possuindo
diversos comandos internos que permitem ao usuário solicitar serviços do S.O. O shell
também implementa um linguagem simples de programação que permite o desenvolvimento
de pequenos programas (os famosos shell scripts). O shell mais famoso de Linux é o Bash,
pois o mesmo oferece vários recursos que facilitam a vida do usuário (ex.: auto-completar).
O usuário normal no shell aparece com o símbolo $, já para o root o símbolo é o #.
Os comandos não embutidos são programas que se iniciam invocando-se um arquivo
executável em algum lugar no sistema de arquivos do Linux (o shell pesquisa em todos os
diretórios listados na variável de ambiente PATH). **
Os arquivos carregados pelo shell definem as variáveis de ambiente, que nada mais
são que definições e valores que o shell e os outros programas do sistema reconhecem.
Para ver quais as variáveis de ambiente no seu sistema você pode digitar printenv, env ou
set. Por exemplo, são algumas das variáveis de ambiente do bash:
$ Mostra o número do processo do comando em execução (PID).
SHELL Mostra o nome do shell atualmente em uso.
PATH Mostra caminho de busca dos comandos digitados pelo usuário.
HOME Mostra o diretório home do usuário.
OLDPWD Mostra o diretório anterior de trabalho do usuário
PWD Mostra o diretório atual de trabalho do usuário.
PS1 Mostra a definição do prompt da linha de comando.
LOGNAME Mostra o nome de acesso do usuário.
USER Mostra o nome do usuário atual.
UID Mostra o número de identificação do usuário.
HISTFILE Mostra o nome do arquivo que armazena as linhas de comando digitadas
pelo usuário (no shell bash o arquivo padrão é o .bash_history).
HISTSIZE Mostra o número de linhas de comando digitadas pelo usuário que são
memorizadas pelo sistema.
echo
Basicamente, a função do comando echo é mostrar mensagens na tela. Também é usado
para apresentar o conteúdo da váriavel.
echo [mensagem] [váriavel]
Exemplo:
<prompt> echo “Teste de mensagem”
Teste de mensagem
<prompt> echo $SHELL
/bin/bash
<prompt> echo $PATH
/usr/lib/lightdm/lightdm:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin:/usr/games
Alguns comandos que serão apresentados aqui fazem referência a essas váriaveis.
Navegando pelos diretórios
ls
Lista os arquivos de um diretório.
ls [opções] [caminho/arquivo] [caminho1/arquivo1] ...
opções:
-a, –all Lista todos os arquivos (inclusive os ocultos) de um diretório.
-d, –directory Lista os nomes dos diretórios ao invés do conteúdo.
-h, –human-readable Mostra o tamanho dos arquivos em Kbytes, Mbytes ou Gbytes.
-R, Lista diretórios e sub-diretórios recursivamente.
-l, Usa o formato longo para listagem de arquivos. Lista as permissões, data de modificação,
donos, grupos, etc. Explicação:
Uma listagem feita com o comando ls -l normalmente é mostrada da seguinte maneira:
-rw-rw-r-- 1 demetrio demetrio 20 2012-03-10 19:13 teste
Onde:
-rw-rw-r-- São as permissões de acesso ao arquivo teste. A primeira letra (da esquerda)
identifica o tipo do arquivo, se tiver um “d” é um diretório, se tiver um “-” é um arquivo
normal, “l” é um link, “s” é um arquivo socket, etc.
1 Se for um diretório, mostra a quantidade de sub-diretórios existentes dentro dele. Caso for
um arquivo, será 1.
demetrio Nome do dono do arquivo teste.
demetrio Nome do grupo que o arquivo teste pertence.
20 Tamanho do arquivo (em bytes).
2012-03-10 Ano/ Mês/ Dia da criação/ última modificação do arquivo.
19:13 Hora em que o arquivo foi criado/modificado. Se o arquivo foi criado há mais de um
ano, em seu lugar é mostrado o ano da criação do arquivo.
teste Nome do arquivo.
Exemplos do uso do comando ls:
• ls - Lista os arquivos do diretório atual.
• ls /bin /lib - Lista os arquivos do diretório /bin e /lib
• ls -la /bin - Listagem completa (vertical) dos arquivos do diretório /bin inclusive os
ocultos.
cd
Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.
cd [diretório]
diretório: diretório que deseja entrar.
Exemplos:
• Usando cd sem parâmetros ou cd ~, você retornará ao seu diretório home($HOME).
• cd /, retornará ao diretório raíz.
• cd -, retornará ao diretório anteriormente acessado($PWDLD).
• cd .., sobe um diretório.
• cd ../[diretório], sobe um diretório e entra imediatamente no próximo (por exemplo, quando
você está em /mnt/local, você digita cd ../teste, o comando cd retorna um diretório (/mnt)
eentra imediatamente no diretório teste (/mnt/teste).
pwd
Mostra o nome e caminho do diretório atual ($PWD).
Você pode usar o comando pwd para verificar em qual diretório se encontra (caso seu $PS1
não mostre isso).
mkdir
Cria um diretório no sistema. Um diretório é usado para armazenar arquivos
mkdir [opções] [caminho/diretório] [caminho1/diretório1]
opção:
-p, Caso os diretórios dos níveis acima não existam, eles também serão criados.
Exemplo:
mkdir -p /mnt/teste/teste2, cria o diretório teste e dentro o teste2.
rmdir
Remove um diretório vazio do sistema
Manipulando arquivos
cat
Mostra o conteúdo de um arquivo binário ou texto.
cat [opções] [diretório/arquivo] [diretório1/arquivo1]
opções:
-n, –number Mostra o número das linhas enquanto o conteúdo do arquivo é mostrado.
-s, –squeeze-blank Não mostra mais que uma linha em branco entre um parágrafo e outro.
rm
Apaga arquivos. Também pode ser usado para apagar diretórios e sub-diretórios vazios ou
que contenham arquivos.
rm [opções][caminho][arquivo/diretório] [caminho1][arquivo1/diretório1]
opções:
-i, –interactive Pergunta antes de remover, esta é ativada por padrão.
-v, –verbose Mostra os arquivos na medida que são removidos.
-r, –recursive Usado para remover arquivos em sub-diretórios. Esta opção também pode ser
usada para remover sub-diretórios.
-f, –force Remove os arquivos sem perguntar.
cp
Copia arquivos.
cp [opções] [origem] [destino]
opções:
-a, --archive Preserva permissão total.
i, –interactive Pergunta antes de substituir um arquivo existente.
-f, –force Não pergunta, substitui todos os arquivos caso já exista.
-p, Preserva as permissões.
-r, Copia arquivos dos diretórios e subdiretórios da origem para o destino. É recomendável
usar -R ao invés de -r.
-R, –recursive, Copia arquivos e sub-diretórios (como a opção -r) e também os arquivos
especiais FIFO e dispositivos.

Recomendado para você

Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1

O documento fornece instruções sobre comandos básicos de navegação e gerenciamento de arquivos e diretórios no Linux, incluindo comandos como pwd, ls, cd, mkdir, rmdir, cat, cp, mv e rm. Ele também discute comandos para criar usuários e alterar senhas. A aula inclui exemplos práticos de como usar esses comandos.

linux; apresentação; comandos; terminal; shell
Comandos linux
Comandos linuxComandos linux
Comandos linux

A estrutura principal de diretórios do LINUX descreve as principais pastas do sistema e seus respectivos conteúdos, incluindo /root, /boot, /bin, /dev, /home, /lib, /mnt, /proc, /sbin, /tmp, /usr e /var.

comandos linux
Introdução aos comandos Linux
Introdução aos comandos LinuxIntrodução aos comandos Linux
Introdução aos comandos Linux

O documento apresenta uma introdução aos comandos básicos do sistema operacional Linux, incluindo comandos para navegação entre diretórios, manipulação de arquivos, configuração de rede e gerenciamento de contas de usuário.

linuxcomandosdiretórios
mv
Move ou renomeia arquivos e diretórios. O processo é semelhante ao do comando cp mas o
arquivo de origem é apagado após o término da cópia.
mv [opções] [origem] [destino]
opções:
-f, –force, Substitui o arquivo de destino sem perguntar.
-i, –interactive, Pergunta antes de substituir. É o padrão.
-v, –verbose, Mostra os arquivos que estão sendo movidos.
O comando mv copia um arquivo da ORIGEM para o DESTINO (semelhante ao
comando cp), mas após a cópia o arquivo de ORIGEM é apagado.
touch
Muda a data e hora que um arquivo foi criado. Também pode ser usado para criar arquivos
vazios. Caso o touch seja usado com arquivos que não existam, por padrão ele criará estes
arquivos.
touch [opções] [arquivos]
Onde:
arquivos: São os arquivos que terão sua data/hora modificados.
opções:
-t MMDDhhmm[AA.ss], Usa Mês (MM), Dias (DD), Horas (hh), minutos (mm) e
opcionalmente o Ano (AA) e segundos (ss) para modificação do(s) arquivos ao invés da data
e hora atual.
-a, –time=atime, Faz o touch mudar somente a data e hora do acesso ao arquivo.
-c, –no-create, Não cria arquivos vazios, caso os arquivos não existam.
-m, –time=mtime, Faz o touch mudar somente a data e hora da modificação.
-r [arquivo], Usa as horas no [arquivo] como referência ao invés da hora atual.
Exemplos:
• touch teste - Cria o arquivo teste caso ele não existir.
• touch -t 10011230 teste - Altera da data e hora do arquivo para 01/10 e 12:30.
• touch -t 120112301999.30 teste - Altera da data, hora ano, e segundos do arquivo para
01/12/1999 e 12:30:30.
• touch -t 12011200 * - Altera a data e hora do arquivo para 01/12 e 12:00.
Controle de Usuários
adduser
Adiciona um usuário ou grupo no sistema. Por padrão, quando um novo usuário é
adicionado, é criado um grupo com o mesmo nome do usuário. Será criado um diretório
home com o nome do usuário (a não ser que o novo usuário criado seja um usuário do
sistema) e este receberá uma identificação. A identificação do usuário (UID) escolhida será a
primeira disponível no sistema especificada de acordo com a faixa de UIDS de usuários
permitidas no arquivo de configuração /etc/adduser.conf., este é o arquivo que contém os
padrões para a criação de novos usuários no sistema.
adduser [opções] [usuário/grupo]
Onde:
usuário/grupo: Nome do novo usuário que será adicionado ao sistema.
opções:
-disable-passwd, Não executa o programa passwd para escolher a senha e somente
permite o uso da conta após o usuário escolher uma senha.
–force-badname, Desativa a checagem de senhas ruins durante a adição do novo usuário.
Por padrão o adduser checa se a senha pode ser facilmente adivinhada.
passwd
Modifica a parametros e senha de usuário. Um usuário somente pode alterar a senha de sua
conta, mas o superusuário (root) pode alterar a senha de qualquer conta de usuário.
passwd [usuário] [opções]
Onde:
usuário: Nome do usuário que terá sua senha alterada.
opções:
-e, Força a expiração de senha para a conta especificada.
-d, Delete a senha do usuário.
userdel
Apaga um usuário do sistema. Quando é usado, este comando apaga todos os dados da
conta especificado dos arquivos de contas do sistema.
userdel [-r] [usuário]
Onde:
-r, Apaga também o diretório HOME do usuário.
logname
Mostra seu login ($LOGNAME).
logname
whoami
Mostra quem está logado ($USER).
whoami
id
Mostra a ID(nome-número) do usuário no sistema ($UID).
id -u
who
Mostra quem está atualmente conectado no computador/ servidor. Este comando lista os
nomes de usuários que estão conectados o terminal e data da conexão.
who [opções]
opções:
-d, –dead, Mostra processos mortos no sistema.
-q, –count, Mostra o total de usuários conectados aos terminais.
last
Mostra uma listagem de entrada e saída de usuários no sistema. São mostrados os
seguintes campos na listagem:
Nome do usuário
Terminal onde ocorreu a conexão/desconexão
O hostname (caso a conexão tenha ocorrido remotamente) ou console (caso tenha ocorrido
localmente).
A data do login/logout, a hora do login/down se estiver fora do sistema/ still logged in
se ainda estiver usando o sistema
Tempo (em Horas:Minutos) que esteve conectado ao sistema.
last [opções]
opções:
-n [num], Mostra [num] linhas. Caso não seja usada, todas as linhas são mostradas.
-a, Mostra o hostname na última coluna.
-x, Mostra as entradas de desligamento do sistema e alterações do nível de execução S.O.
Histórico de comandos
$HISTFILE (No shell bash = bash_history)
Arquivo responsável por gravar uma lista dos comandos digitados pelos usuários, localizado
no diretório "home" de cada usuário, nele contém os comandos digitados no shell.
Veremos aqui alguns comandos que utiliza esse arquivo e como executar os comandos
digitados sem precisar digitar tudo novamente.
Comandos:
$ history 10
Lista os 10 últimos comandos digitados. Sem número ele mostra todos.
$ history -c
Limpa o arquivo ".bash_history".
$ fc -s
Executa o último comando contido no ".bash_history".
$ fc -s ls
Executa o último comando cujo o nome inicie com "ls".
$ !!
Executa o último comando contido no ".bash_history".
$ !ls
Executa o último comando cujo o nome inicie com "ls".
$ !10
Executa o comando que estiver na 10 linha.
CTRL + r texto
Busca recursivamente no .bash_history pelo texto(comando) digitado.
$HISTSIZE
Mostra o número de comandos que o .bash_history vai armazenar.

Recomendado para você

Linux - Bruno Oliveira 12ºL
Linux - Bruno Oliveira 12ºLLinux - Bruno Oliveira 12ºL
Linux - Bruno Oliveira 12ºL

O documento descreve a história e características do Fedora Linux. O Fedora começou como um projeto voluntário para a distribuição Red Hat Linux e foi lançado oficialmente em 2003 quando o Red Hat Linux foi descontinuado. O Fedora se concentra em inovação e novas tecnologias e tem um ciclo de vida relativamente curto. Ele usa o GNOME como ambiente de desktop padrão e o gerenciador de pacotes RPM/DNF.

linux
Linux comandos gerais e servidores de rede
Linux   comandos gerais e servidores de redeLinux   comandos gerais e servidores de rede
Linux comandos gerais e servidores de rede

Este documento fornece instruções sobre comandos básicos do Linux, configuração de redes e serviços de rede como Samba, NFS, Apache, FTP e Squid. Ele também discute firewall, editores de texto e ferramentas de monitoramento de rede.

Sistema Operacional GNU/Linux
Sistema Operacional GNU/LinuxSistema Operacional GNU/Linux
Sistema Operacional GNU/Linux

O documento descreve os principais comandos para gerenciamento de permissões em sistemas GNU/Linux, incluindo chmod para modificar permissões, chgrp para modificar o grupo dono e chown para modificar o dono e grupo de arquivos e diretórios.

gnu/linuxlinux
Executando programa/ comandos
Executando um comando/programa
Para executar um comando, é necessário que ele tenha permissões de execução(x). O
programa/comando é executado e receberá um número de identificação (chamado de PID -
Process Identification), este número é útil para identificar o processo no sistema e assim ter
um controle sobre sua execução.
$PATH
Path é o caminho de procura dos arquivos/comandos executáveis. O path(caminho) é
armazenado na variável de ambiente PATH. Lembrando que você pode ver o conteúdo
desta variável com o comando echo $PATH. Por exemplo, o caminho:
/usr/local/bin:/usr/bin:/bin:/usr/home/usuario/bin significa que se você digitar o comando ls, o
interpretador de comandos iniciará a procura do programa ls no diretório /usr/local/bin, caso
não encontre o arquivo no diretório /usr/local/bin ele inicia a procura em /usr/bin, até que
encontre o arquivo procurado. Caso o interpretador de comandos chegue até o último
diretório do path e não encontre oarquivo/comando digitado, é mostrada a seguinte
mensagem:
ls: command not found (comando não encontrado)
Caso um arquivo/comando não esteja localizado em nenhum dos diretórios do path, você
deve executa-lo usando um “./” na frente do comando.
whereis/ which
Localiza um programa na estrutura de diretórios do path. É muito semelhante ao locate, mas
a busca é feita no path do sistema e somente são mostrados arquivos executáveis.
Tipos de Execução de comandos/programas
Um programa pode ser executado de duas formas:
1 Primeiro Plano - Também chamado de foreground. Quando você deve esperar o término
da execução de um programa para executar um novo comando. Somente é mostrado o aviso
de comando após o término de execução do comando/programa.
2 Segundo Plano - Também chamado de background. Quando você não precisa esperar o
término da execução de um programa para executar um novo comando. Após iniciar um
programa em background, é mostrado um número PID (identificação do Processo) e o aviso
de comando é novamente mostrado, permitindo o uso normal do sistema. O programa
executado em background continua sendo executado internamente. Após ser concluído, o
sistema retorna uma mensagem de pronto acompanhado do número PID do processo que
terminou. Para iniciar um programa em primeiro plano, basta digitar seu nome normalmente.
Para iniciar um programa em segundo plano, acrescente o caracter “&” após o final do
comando.OBS: Mesmo que um usuário execute um programa em segundo plano e saia do
sistema, o programa continuará sendo executado até que seja concluído ou finalizado pelo
usuário queiniciou a execução (ou pelo usuário root).
Exemplo: find / -name “arquivo” >> resultado &
O comando será executado em segundo plano e deixará o sistema livre para outras tarefas.
Executando programas em seqüência
Os comandos podem ser executados em seqüência (um após o término do outro) se os
separarmos com “;” (ponto vírgula).
Por exemplo:
clear; ls
ps
Algumas vezes é útil ver quais processos estão sendo executados no computador. O
comando ps faz isto, e também nos mostra qual usuário executou o programa, hora que o
processo foi iniciado, etc.
ps [opções]
Onde:
opções:
a, Mostra os processos criados por você e de outros usuários do sistema.
x, Mostra processos que não são controlados pelo terminal.
u, Mostra o nome de usuário que iniciou o processo e hora em que o processo foi iniciado.
m, Mostra a memória ocupada por cada processo em execução.
f, Mostra a árvore de execução de comandos (comandos que são chamados por outros
comandos).
e, Mostra variáveis de ambiente no momento da inicialização do processo.
w, Mostra a continuação da linha atual na próxima linha ao invés de cortar o restante que
não couber na tela.
As opções acima podem ser combinadas para resultar em uma listagem mais completa.
Você também pode usar pipes “|” para filtrar a saída do comando ps. Ao contrário de outros
comandos, o comando ps não precisa do hífen “-” para especificar os comandos. Isto
porque ele não utiliza opções longas e não usa parâmetros.
Exemplos: ps, ps aux | grep nome_programa, ps auxf, ps auxw.
fuser
Idica qual o PID do comando/ programa que está usando certo arquivo ou socket.
fuser [opções]
Onde:
opções:
-k, Mata o processo(s) que está usando o arquivo.(KILL)
-u, --user, Mostra o nome do usuário que está usando o arquivo.
Exemplos: fuser arquivo, fuser -k arquivo, fuser -u arquivo
kill
Permite enviar um sinal a um comando/programa. Caso seja usado sem parâmetros, o kill
enviará um sinal de término ao processo sendo executado.
kill [sinal] [número]
Onde:
sinal:
-9, Envia um sinal de destruição ao processo ou programa. Ele é terminado imediatamente
sem chances de salvar os dados ou apagar os arquivos temporários criados por ele. Você
precisa ser o dono do processo ou o usuário root para termina-lo ou destruí-lo.
número É o número de identificação do processo PID.
Exemplo: kill 500, kill -9 500
killall
Permite finalizar processos através do nome.
killall [opções] [sinal] [processo]
Onde:
processo: Nome do processo que deseja finalizar
sinal: É o número do sinal que será enviado ao processo.
opções:
-i, Pede confirmação sobre a finalização do processo.
-l, Lista o nome de todos os sinais conhecidos.
-q, Ignora a existência do processo.
-v, Retorna se o sinal foi enviado com sucesso ao processo.
-w, Finaliza a execução do killall somente após finalizar todos os processos.
Exemplo: killall -i nome_programa
Eliminando caracteres estranhos
reset
As vezes quando um programa mal comportado é finalizado ou quando você visualiza um
arquivo binário através do comando cat, é possível que o aviso de comando (prompt) volte
com caracteres estranhos. Para fazer tudo voltar ao normal, basta digitar reset e teclar
ENTER. Não se preocupe, o comando reset não reiniciará seu computador (como o botão
reset do seu computador faz), ele apenas fará tudo voltar ao normal. Note que enquanto
você digitar reset aparecerão caracteres estranhos ao invés das letras. Não se preocupe!
Basta digitar corretamente e bater ENTER e o aviso de comando voltará ao normal.
Comandos diversos
Comandos de uso diversos no sistema.
clear
Limpa a tela e posiciona o cursor no canto superior esquerdo do vídeo.
clear
date
Permite ver/modificar a Data e Hora do Sistema. Você precisa estar como usuário root para
modificar a data e hora.
date MesDiaHoraMinuto[AnoSegundos]
Onde:
MesDiaHoraMinuto[AnoSegundos ] São respectivamente os números do mês, dia, hora e
minutos sem espaços. Opcionalmente você pode especificar o Ano (com 2 ou 4 dígitos) e os
segundos.
Se corrigir a hora do sistemas, deve-se verificar a “data” e “hora” da BIOS. Para isso usa o
comando hwclock. Caso a data/hora esteja errada usa se o comando: hwclock -w, e se for
fazer o processo inverso colocar os dados da BIOS para o sistema usa o hwclock -s.
cal
O comando cal é utilizado para mostrar um calendário de um mês e/ou ano em específico.
Onde mês é o numero do mês (01 a 12) e ano, é o ano no formato aaaa (4 algarismos).
Exemplos: cal
March 2012
Su Mo Tu We Th Fr Sa
1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
Teste: cal MM AAAA (do seu nascimento)
Obs.: MM = Mês e AAAA = Ano.

Recomendado para você

Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux

O documento fornece uma lista rápida de comandos Linux úteis para uso no dia a dia. A lista inclui comandos de controle e acesso, comunicações, ajuda e documentação, edição de texto, gestão de ficheiros e diretórios, exibição e impressão de ficheiros, transferência de ficheiros, notícias e rede, controle de processos, informação de estado e processamento de texto. Muitos comandos Linux têm funções semelhantes aos comandos MS-DOS, embora o Linux seja mais poderoso.

Linux comandos diversos
Linux   comandos diversosLinux   comandos diversos
Linux comandos diversos

O documento descreve diversos comandos do Linux, incluindo clear para limpar a tela, df para mostrar espaço em disco, uname para mostrar informações do kernel, e shutdown ou reboot para desligar ou reiniciar o sistema. Também discute ln para criar links, find para localizar arquivos, free para mostrar uso de memória, e grep para localizar texto dentro de arquivos.

Aula 10 semana
Aula 10 semanaAula 10 semana
Aula 10 semana

O documento discute sobre servidores Linux, distribuições como o Ubuntu, aplicações comuns em servidores Linux como servidores de arquivos, web, email, firewalls. Também aborda o sistema de arquivos do Linux, comandos básicos e operações avançadas como find, grep, redirecionamento e compactação de arquivos com tar.

df
Mostra o espaço livre/ocupado de cada partição.
df [opções]
onde:
opções:
-h, –human-readable, Mostra o espaço livre/ocupado em MB, KB, GB ao invés de blocos.
-H, Idêntico a -h mas usa 1000 ao invés de 1024 como unidade de cálculo.
-l, Somente lista sistema de arquivos locais.
-m, mostra em MB
Exemplos: df, df -h, df -l.
du
Mostra o espaço ocupado por arquivos e sub-diretórios do diretório atual.
du [opções]
onde:
opções:
-a, –all, Mostra o espaço ocupado por todos os arquivos.
-D, Não conta links simbólicos.
-h, –human, Mostra o espaço ocupado em formato legível por humanos (Kb, Mb) ao invés
de usar blocos.
-H, Como o anterior mas usa 1000 e não 1024 como unidade de cálculo.
-m, Mostra o espaço ocupado em Mbytes.
-S, -s, –separate-dirs, Não calcula o espaço ocupado por sub-diretórios.
Exemplo: du -h, du -sh.
free
Mostra detalhes sobre a utilização da memória RAM do sistema.
free [opções]
Onde:
opções:
-m, Mostra o resultado em Mbytes.
-o, Oculta a linha de buffers.
O free é uma interface ao arquivo /proc/meminfo.
Exemplo: free -m, free -mo
grep
Procura por um texto dentro de um arquivo(s) ou no dispositivo de entrada.
grep [expressão] [arquivo]
Onde:
expressão: É a palavra ou frase que será procurada no texto. Se tiver mais de 2 palavras
você deve identifica-la com aspas “ ” caso contrário o grep assumirá que a segunda palavra
é o arquivo!
arquivo: É o arquivo onde será feita a procura.
Também usar o comando para filtrar o resultado de uma comando, por exemplo:
ps aux | grep nome_do_programa
Outro exemplo: grep “capitulo” texto.txt.
more
Permite fazer a paginação de arquivos ou da entrada padrão. O comando more pode ser
usado como comando para leitura de arquivos que ocupem mais de uma tela. Quando todaa
tela é ocupada, o more efetua uma pausa e permite que você pressione Enter ou espaço
para continuar avançando no arquivo sendo visualizado. Para sair do more pressione q.
more [arquivo]
Onde:
arquivo: É o arquivo que será paginado.
Exemplo: who | more
less
Permite fazer a paginação de arquivos ou da entrada padrão. O comando less pode ser
usado como comando para leitura de arquivos que ocupem mais de uma tela. Quando toda a
tela é ocupada, o less efetua uma pausa (semelhante ao more) e permite que você
pressione Seta para Cima e Seta para Baixo ou PgUP/PgDown para fazer o rolamento da
página. Para sair do less pressione q.
less [arquivo]
Onde:
arquivo: É o arquivo que será paginado.
Exemplos: ps aux | less
uptime
Mostra o tempo de execução do sistema desde que o computador foi ligado. Caso o sistema
foi reiniciado o contador também será reiniciado.
Faz referência ao arquivo: /proc/uptime
su
Permite o usuário mudar sua identidade para outro usuário sem fazer o logout. Útil para
executar um programa ou comando como root sem ter que abandonar a seção atual.
su [usuário] [-c comando]
Onde:
usuário: É o nome do usuário que deseja usar para acessar o sistema. Se não digitado,
é assumido o usuário root.
-c comando: Caso seja especificado -c comando, executa o comando sob o
usuário especificado. Será pedida a senha do superusuário para autenticação. Digite exit
quando desejar retornará identificação de usuário anterior.
ln
Cria links para arquivos e diretórios no sistema. O link é um mecanismo que faz referência a
outro arquivo ou diretório em outra localização. O link em sistemas GNU/Linux faz referência
reais ao arquivo/diretório podendo ser feita cópia do link (será copiado o arquivo alvo), entrar
no diretório (caso o link faça referência a um diretório), etc.
ln [opções] [origem] [link]
Onde:
origem: Diretório ou arquivo de onde será feito o link.
link: Nome do link que será criado.
opções:
-s, Cria um link simbólico. Usado para criar ligações com o arquivo/diretório de destino.
-v, Mostra o nome de cada arquivo antes de fazer o link.
ftp
Permite a transferência de arquivos do computador remoto/local e vice versa. O file transfer
protocol é o sistema de transmissão de arquivos mais usado na Internet. É requerida a
autenticação do usuário para que seja permitida a conexão.
ftp [ip/dns]
Abaixo alguns dos comandos mais usados no FTP:
ls, Lista arquivos do diretório atual.
cd [diretório], Entra em um diretório.
get [arquivo], Copia um arquivo do servidor ftp para o computador local. O arquivo é
gravado, por padrão, no diretório onde o programa ftp foi executado.
put, Envia um arquivo para o diretório atual do servidor FTP.
send [arquivo], Também envia um arquivo para o diretório atual do servidor FTP.
hash [on/off ], Por padrão esta opção está desligada. Quando ligada, faz com que o
caracter “#” seja impresso na tela indicando o progresso do download.
mget [arquivos], Semelhante ao get, mas pode copiar diversos arquivos e permite o uso de
curingas.
mput [arquivos], Semelhante ao put, mas pode copiar diversos arquivos e permite o uso de
curingas.
prompt [on/off ], Ativa ou desativa a pergunta para a cópia de arquivo. off = sim para todas
Permissões dos arquivos
chmod
Muda a permissão de acesso a um arquivo ou diretório. Com este comando você pode
escolher se usuário ou grupo terá permissões para ler, gravar, executar um arquivo ou
arquivos. Sempre que um arquivo é criado, seu dono é o usuário que o criou e seu grupo é o
grupo do usuário.
chmod [opções] [permissões] [diretório/arquivo]
Onde:
diretório/arquivo: É o diretório ou arquivo que terá sua permissão mudada.
opções:
-v, –verbose, Mostra todos os arquivos que estão sendo processados.
-f, –silent, Não mostra a maior parte das mensagens de erro.
-c, –change, Semelhante a opção -v, mas só mostra os arquivos que tiveram as permissões
alteradas.
-R, –recursive, Muda permissões de acesso do diretório/arquivo no diretório atual e seus
sub-diretórios.
• +-= - + coloca a permissão, - retira a permissão do arquivo e = define a permissão
exatamente como especificado.
• rwx - r permissão de read(leitura) do arquivo. w permissão de write(gravação). x permissão
de execute(execução) (ou acesso a diretórios).
u = o dono do arquivo;
g = os usuários que são membros do mesmo grupo do arquivo;
o = os usuários que não membros do grupo do arquivo;
a = qualquer usuário do sistema.
Modo Octal
É possível também utilizar o modo octal para alterar as permissões de acesso a um arquivo.
Abaixo mostramos a lista das permissões de acesso no modo octal.
Valor
Octal
Valor
Binário
rwx
Significado
0 000 nenhuma permissão de acesso
1 001 permissão de execução (x)
2 010 permissão de gravação (w)
3 011 permissão de gravação e execução(wx)
4 100 permissão de leitura (r)
5 101 permissão de leitura e execução (rx)
6 110 permissão de leitura e gravação (rw)
7 111
permissão de leitura, gravação e execução
(rwx)

Recomendado para você

Aula 11 semana
Aula 11 semanaAula 11 semana
Aula 11 semana

O documento discute operações de gerenciamento de redes e sistemas Linux, incluindo: (1) a criação de diretórios e arquivos, cópia e remoção de diretórios, e comandos find, grep, head e tail; (2) o uso do comando tar para compactar e descompactar arquivos; e (3) comandos para criar, modificar e remover usuários e grupos no sistema.

Linux permissoes de arquivos e diretorios
Linux   permissoes de arquivos e diretoriosLinux   permissoes de arquivos e diretorios
Linux permissoes de arquivos e diretorios

O documento discute permissões de acesso a arquivos e diretórios no Linux, definindo donos, grupos e outros usuários e suas permissões de leitura, gravação e execução. Também explica os comandos chmod, chgrp e chown para modificar permissões e propriedades de arquivos e diretórios.

Dicas e Princípios Básicos do Linux
Dicas e Princípios Básicos do LinuxDicas e Princípios Básicos do Linux
Dicas e Princípios Básicos do Linux

O documento fornece uma introdução aos conceitos e comandos básicos do sistema operacional Linux, incluindo: 1) explicações sobre distribuições, sistemas multiusuários e outros conceitos-chave; 2) um guia sobre diretórios, permissões e representação numérica; 3) instruções sobre como usar terminals de comando e navegar a estrutura de diretórios.

linux
chown
Muda dono de um arquivo/diretório. Opcionalmente pode também ser usado para mudar o
grupo.
chown [opções] [dono.grupo] [diretório/arquivo]
onde:
dono.grupo: Nome do dono.grupo que será atribuído ao diretório/arquivo. O grupo é opcional.
diretório/arquivo Diretório/arquivo que o dono.grupo será modificado.
Opções:
-v, –verbose, Mostra os arquivos enquanto são alterados.
-f, –supress, Não mostra mensagens de erro durante a execução do programa.
-c, –changes, Mostra somente arquivos que forem alterados.
-R, –recursive, Altera dono e grupo de arquivos no diretório atual e sub-diretórios.
O dono.grupo pode ser especificado usando o nome de grupo ou o código numérico
correspondente.
Pesquise sobre o arquivo: /etc/passwd
umask
A umask (user mask) são 3 números que definem as permissões iniciais do dono, grupo e
outros usuários que o arquivo/diretório receberá quando for criado ou copiado para um novo
local. Digite umask sem parâmetros para retornar o valor de sua umask atual.
Valor (permissão...)
6 sem permissão.
5 Permissão apenas para executar.
4 Permissão apenas para gravar.
3 Permissão para gravar e executar.
2 Permissão apenas para ler.1 Permissão para executar e ler.
0 Completo – leitura / execução / escrita.
Exemplo:
demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ umask
0002
demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ touch teste
demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ ls -la teste
-rw-rw-r-- 1 demetrio demetrio 0 2012-03-11 13:11 teste
demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ chmod 777 teste
demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ chown demetrio.demetrio teste
demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ ls -la teste
-rwxrwxrwx 1 demetrio demetrio 0 2012-03-11 13:11 teste
alias
Tradução livre é “apelido”. Esse comando é usado para combinar um ou mais comando com
parâmetros para um outro nome teoricamente mais fácil de lembrar.
Exemplo:
Se quiser transformar o comando ls em um comando chamado listar e usar nele outros
parametros que você geralmente usa com esse comando é só executar o comando:
alias listar='ls -lat'
Para mostras os “alias” que existe no seu sistema basta executar o comando sem
parâmetros. ;)
Entendendo redirecionameto e PIPE:
>
Redireciona a saída padrão de um programa/comando/script para algum dispositivo ou
arquivo ao invés do dispositivo de saída padrão (tela). Quando é usado com arquivos, este
redirecionamento cria ou substitui o conteúdo do arquivo.
>>
Redireciona a saída padrão de um programa/comando/script para algum dispositivo ou
adiciona as linhas ao final de arquivo ao invés do dispositivo de saída padrão (tela). A
diferença entre este redirecionamento duplo e o simples, é se caso for usado com arquivos,
adiciona a saída do comando ao final do arquivo existente ao invés de substituir seu
conteúdo.
<
Direciona a entrada padrão de arquivo/dispositivo para um comando. Este comando faz o
contrário do anterior, ele envia dados ao comando.
<<
Este redirecionamento serve principalmente para marcar o fim de exibição de um bloco. Este
é especialmente usado em conjunto com o comando cat. Exemplo:
cat << final
este arquivo será mostrado até que a palavra final seja
localizada no inicio da linha
final
| (pipe)
Envia a saída de um comando para a entrada do próximo comando para continuidade do
processamento. Os dados enviados são processados pelo próximo comando que mostrará o
resultado do processamento.
A principal diferença entre o “|” e o “>”, é que o Pipe envolve processamento entre
comandos, ou seja, a saída de um comando é enviado a entrada do próximo e o “>”
redireciona a saída de um comando para um arquivo/dispositivo.
Como obter ajuda do sistema?
As páginas de manual acompanham quase todos os programas GNU/Linux. Elas trazem
uma descrição básica do comando/programa e detalhes sobre o funcionamento de opção.
Uma página de manual é visualizada na forma de texto único com rolagem vertical. Também
documenta parâmetros usados em alguns arquivos de configuração.
man
A utilização da página de manual é simples, digite:
man [seção] [comando/arquivo]
onde:
seção: É a seção de manual que será aberta, se omitido, mostra a primeira seção sobre o
comando encontrado (em ordem crescente).
comando/arquivo: Comando/arquivo que deseja pesquisar.
A navegação dentro das páginas de manual é feita usando-se as teclas:
• q - Sai da página de manual
• PageDown ou f - Rola 25 linhas abaixo
• PageUP ou w - Rola 25 linhas acima
• SetaAcima ou k - Rola 1 linha acima
• SetaAbaixo ou e - Rola 1 linha abaixo
• r - Redesenha a tela (refresh)
• p ou g - Inicio da página
• h - Ajuda sobre as opções da página de man
--help
Ajuda rápida, é útil para sabermos quais opções podem ser usadas com o
comando/programa. Quase todos os comandos/programas GNU/Linux oferecem este
recurso que é útil para consultas rápidas (e quando não precisamos dos detalhes das
páginas de manual). É útil quando se sabe o nome do programa mas deseja saber quais são
as opções disponíveis e para o que cada uma serve. Para acionar o help on line, digite:
[comando] –help
onde:
comando: É o comando/programa que desejamos ter uma explicação rápida.
apropos/whatis
O apropos procura por programas/comandos através da descrição. É útil quando
precisamosfazer alguma coisa mas não sabemos qual comando usar. Para usar o comando
apropos digite:
apropos [descrição]
O whatis explica o que o comando setado faz.
Para usar digite:
whatis [comando]
Exemplo: apropos clear, whatis clear
Serviços
Os serviços de rede são inicializados com o Linux no momento do boot estão
intimamente relacionados ao software em que estão instalado. Nome de alguns serviços:
sshd
smb
network
mysqld
Opções:
status Situação do serviço
start Inicia o serviço.
stop Para o serviço.
restart Para e inicia novamente o serviço.
Reload Reinicia sem parar o serviço.
SSH
O Secure Shell ou SSH é, simultaneamente, um programa e um protocolo de rede
que permite a conexão com outro computador na rede, de forma a executar comandos de
uma unidade remota. Possui as mesmas funcionalidades do TELNET, com a vantagem da
conexão entre o cliente e o servidor serem criptografadas. O arquivo de configuração é
/etc/ssh/sshd_config. Alguns parametros importantes:
Port 22 Porta de comunicação
PermitRootLogin yes Permite ou não o login direto do root.
PermitEmptyPasswords no Login com usuário sem senha (passwd -d user).
Serviço é o sshd, se alterar alguns desses parâmetros tem que reiniciar o mesmo:
service sshd restart
SAMBA
O Samba surgiu, basicamente, pela combinação de três fatores:
• Necessidade de compartilhamento;
• Linux vs Windows;
• Redes de Computadores atuais.
O Linux vem se firmando a cada dia como um sistema operacional robusto e seguro,
bem como largamente utilizado em servidores de rede (HTTP, E-mail, NFS, Firewall, DHCP,
NFS, o próprio SMB, etc). Já o Microsoft Windows é um sistema operacional popular,
utilizado em cerca de 95% dos computadores pessoais no mundo. Surgiram então as redes
locais (LAN - Local Área Network), que são extremamente baratas e confiáveis - e com elas
a necessidade do compartilhamento de arquivos e impressoras. É justamente para unir as
três tecnologias - Linux, Windows e Redes - com a necessidade de compartilhamento que

Recomendado para você

Cap1 exercicios comandos linux
Cap1 exercicios comandos linuxCap1 exercicios comandos linux
Cap1 exercicios comandos linux

Este documento fornece uma lista de exercícios em Linux divididos em duas partes. A primeira parte inclui exercícios para criar e manipular diretórios e arquivos, mover e copiar arquivos entre diretórios. A segunda parte inclui exercícios para pesquisar arquivos, medir tempo de pesquisa e criar um script shell para copiar arquivos e mostrar informações sobre eles.

Aula 10 semana
Aula 10 semanaAula 10 semana
Aula 10 semana

O documento discute sobre servidores Linux, distribuições como o Ubuntu, aplicações comuns em servidores Linux como servidores de arquivos, web, email e firewalls. Também apresenta detalhes sobre o sistema de arquivos Linux, comandos básicos e operações avançadas como find, grep, pipes e empacotamento de arquivos com tar.

Linux-formatado.pdf
Linux-formatado.pdfLinux-formatado.pdf
Linux-formatado.pdf

O documento discute o sistema operacional Linux, comparando-o ao Windows. Detalha as principais características e componentes do Linux, incluindo seu núcleo de código aberto, distribuições populares e comandos.

surgiu o Samba. O Samba é um aplicativo servidor (server side), ou seja, é executado no
servidor (aqui, Linux, mas também pode ser utilizado em UNIXes em geral. Também já foi
portado para uma série de plataformas não-UNIX como Novell NetWare por exemplo).
Mesmo rodando em uma plataforma completamente diferente à plataforma Windows, o
Samba se comporta como se fosse tal plataforma. Mais precisamente, o Samba "conversa"
com o Windows como se fosse o tal.
Para entender melhor esta integração do Samba às Redes Windows, devemos focar
agora nossa atenção ao Ambiente de Rede Windows. Neste ambiente que se encontram
todos os computadores Windows, e é nele que se concentram os compartilhamentos de
arquivos e impressoras. Então, o Samba nasceu para fazer com que os computadores
operando sobre o UNIX participassem deste Ambiente de Rede sem que ocorram conflitos.
Um usuário Windows utiliza arquivos ou impressoras deste servidor Linux como se tal fosse
realmente outro computador com plataforma Windows.
Toda essa gama de soluções é gerenciada pelo protocolo CIFS (Common Internet File
System). É neste protocolo que opera o também protocolo SMB (Server Message Block),
que deu origem então, há alguns anos atrás - devido a uma necessidade particular de
compartilhamento de impressora - ao Samba, este que é uma implementação do CIFS,
totalmente Open Source (Código Aberto).
O arquivo de configuração é
/etc/samba/smb.config. Exemplo alguns parâmetros:
[global]
# Nome do grupo do ambiente Windows
workgroup = nome_da_rede
# Exige login/ senha
security = user
public = no
[compartilhamento]
comment = Compartilhamento
path = /mnt
Serviço é o smb, se alterar alguns desses parâmetros tem que reiniciar o mesmo:
service smb restart
Para adionar usuário no samba, deve:
adduser usuario
# smbpasswd -a usuario
E para excluir:
# smbpasswd -x usuario
Instalando programas na distribuições Red Had(CentOS)
yum
O yum é um acrônimo para Yellow dog Updater, Modified. É uma ferramenta utilizada
para gerenciar a instalação e remoção de pacotes em distribuições Linux, que utilizam o
sistema RPM. É um gerenciador de pacotes de arquivos similar ao APT(Debian .deb) que
lida automaticamente com dependências computando-as e resolvendo o que deve ser feito
para tratá-las. Trabalha com formato .rpm de pacotes de arquivos. O yum faz o download do
pacote especificado de algum repositório. Possui um simples arquivo de configuração. Faz
um cálculo eficaz das dependências.
Opções:
install Instala um pacote.
remove Remove um pacote.
search Procura por um pacote.
update Atualiza as dependências.
upgrade Faz a atualização de todos os pacotes disponiveis.
Exemplo:
yum install vim (instala o VIM)
RPM
O RPM, originalmente abreviatura de RedHat Package Manager, e atualmente um acrónimo
recursivo de RPM Package Manager (“Gerenciador de Pacotes RPM”) é um sistema de
gerenciamento de pacotes de softwares, assim como o formato de arquivo usado por esse
sistema. O RPM serve para instalar, atualizar, desinstalar, verificar e procurar softwares.
Originalmente desenvolvido pela RedHat, RPM é agora usado por muitas distribuições.
Opções:
-i, instala um pacote
-e, exclui um pacote
-h, exibe a hast
-qi, mostra informações sobre pacote.
-qa, consulta pacotes instalados
-v, mostra o status do pacotes
Exemplo:
Para instalar use a seguinte combinação de parâmetros
rpm -ivh pacote.rpm
VIM
O VIM é um editor de texto que tem vários recursos e por esse motivo vai ser melhor
apresentado aqui suas funções.
No vim temos vários "modos", que são estados do editor.
São eles:
Modo Tecla Rodapé Descrição
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------
de Inserção i -- INSERT -- Inserção de texto
de Comandos <ESC> Comandos de manipulação de texto
Linha de comando : : Comandos de manipulação arquivo
Visual v -- VISUAL -- Seleção visual de texto
Busca / / Busca de padrões no texto
Reposição R -- REPLACE -- Inserção sobreescrevendo
Chamando o vim:
vim Abre o vim vazio, sem arquivo (muito pouco usado)
vim arquivo Abre o arquivo "arquivo". Se ele não existir, o cria
vim arquivo + Abre com cursor no fim do arquivo
vim arquivo +10 Abre com cursor na linha 10
vim arquivo +/linux Abre com cursor na 1ª ocorrência de "linux"
Salvando e saindo:
:w Salva
:q Sai
:wq ou :x ou ZZ Salva e sai
:w! Salva forçado
:q! Sai forçado
:wq! Salva e sai forçado
Obs.: Antes de executar os comandos seguintes, aperte <ESC> para ir ao modo de
comandos, e é claro, após, um <ENTER>
Editando:
Ao entrar no vim, ele está no modo de comandos. Como saber? Olhe no rodapé da tela.
Nada na última linha. Para começar a Inserir um texto, aperte "I" ou <INS>. Você verá que
aparecerá um "-- INSERT --" no rodapé. Agora você pode digitar seu texto normalmente.
Quer parar para dar uma gravada? Veja o tópico acima. ( <ESC>:w )
chega de editar e quer salvar e sair? Veja acima de novo. ( <ESC>:wq )
Copiando e colando:
Usando o mouse → <ESC>:set mouse=a
No modo de Inserção mesmo, note que o cursor do teclado (esse tracinho piscando na tela),
está numa posição, e o cursor do mouse (mexa o mouse para que ele se mova) está em
outra posição. Selecione uma parte do texto com o mouse, segurando o botão esquerdo. Ao
colar, o texto selecionado com o MOUSE será colocado a partir do
cursor do TECLADO. Experimente. Dependendo do mouse, a colagem se faz:
- Apertando o botão direito
- Segurando o botão esquerdo e apertando o direito ao mesmo tempo
- <SHIFT> <INS>
Tente, o seu será umas das 3 alternativas acima.
Usando o modo visual:
Entre no modo visual ( <ESC>v ), e simplesmente aperte as setas do teclado, movendo o
cursor do TECLADO e selecionando o texto desejado. O comando para copiar o texto é o
"y" de yank. Volte para o modo de comandos ( <ESC> ) e posicione o cursor do TECLADO
no lugar onde você quer colar o texto selecionado. O comando de colagem é o "p" de paste.
Apagando (delete):
Como no tópico anterior, use o modo visual ( <ESC>v ) para selecionar o texto desejado.
Para apagá-lo, digite "d", de delete. Com o linux no modo texto, a tecla <DEL> do teclado
também funciona para apagar texto.
Outros comandos úteis:
Modo de comando
:5 Vai para a 5 linha.
dd Apaga a linha do cursor.
5dd Apaga as 5 próximas linhas apartir do cursor.
G Vai para o final do arquivo.
gg Vai para o inicio do arquivo.
Se gostou do VIM, pesquise sobre outras funções. Você não vai se
arrepender. :)

Recomendado para você

Linux x Windowns
Linux x WindownsLinux x Windowns
Linux x Windowns

O documento descreve o que é o sistema operacional GNU/Linux, suas principais características como software livre, multitarefa e multiusuário. Também apresenta os principais comandos e interfaces gráficas como KDE e GNOME, além de explicar o sistema de privilégios e diretórios do Linux.

linux x windowns
Introdução Linux
Introdução LinuxIntrodução Linux
Introdução Linux

O documento descreve o sistema operacional Linux, incluindo sua história, licenciamento, características e comandos básicos. Foi originalmente desenvolvido por Linus Torvalds em 1991 e é um clone do UNIX distribuído gratuitamente. Possui funcionalidades como multitarefa, memória virtual e rede TCP/IP.

sistema operacionallinux
Linux aula 01 (1).pdf
Linux aula 01 (1).pdfLinux aula 01 (1).pdf
Linux aula 01 (1).pdf

O documento descreve o sistema operacional Linux, incluindo sua definição como software livre que garante quatro liberdades aos usuários, suas características como multitarefa e código aberto, e sua estrutura composta por kernel, shell e interfaces gráficas. Também lista várias distribuições Linux e explica comandos básicos.

Instalando o Linux RedHad – CentOS na Virtual Box
Baixando o software
O VirtualBox é free e open source. Para baixar o software (aproximadamente 90 MB) acesse
o site www.virtualbox.org e clique na sessão Downloads. (Versão atual: 4.1.8)
Instalando
A instalação do VirtualBox é extremamente fácil. Basta seguir o processo Next, Next e Finish.
Criando uma máquina virtual
Na primeira execução do software será solicitado seu nome e e-mail. Preencha os dados e
tique a opção para não ser contatado.
Clique no botão novo:
Será aberto um assistente que o ajudará nesta tarefa, clique em Próximo para continuar:
Nomeie a máquina virtual e escolha qual será o sistema operacional que ela conterá e clique
em Próximo para continuar:
Digite agora a quantidade de memória que a máquina virtual irá ter e clique em Próximo
para continuar:
Na tela seguinte será para você escolher o disco que será usado para a máquina virtual.
Neste instante não há disco criado, então clique no botão Novo para criar:
Será aberto um outro
assistente para criar um disco virtual e clique em Próximo para continuar:
Existem 2 opções para criar o seu disco: dinamicamente expansível e tamanho fixo. O
primeiro permite que você crie um disco com um tamanho de 10 GB por exemplo, sem alocar
imediatamente o espaço. A medida que o espaço for sendo usado, o espaço será alocado. O
problema desta abordagem é que o arquivo pode ficar altamente fragmentado, degradando a
performance. O segundo tipo é o tamanho fixo. O espaço é alocado no momento da criação.
Tende a ter melhor desempenho que o de tamanho dinamicamente expansível. Nesta
condição escolha o tamanho fixo e clique em Próximo:
Nomeie o disco, escolha o tamanho e clique em Próximo:

Recomendado para você

Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009
Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009
Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009

O documento apresenta uma introdução ao software livre, discutindo licenças como GPL, LGPL e BSD, além de estrutura de diretórios e comandos básicos do Linux.

Sistema operacional linux
Sistema operacional linuxSistema operacional linux
Sistema operacional linux

O documento fornece uma introdução ao sistema operacional Linux, abordando seus tópicos principais como o nascimento de Linux, as principais distribuições, o kernel Linux, o projeto GNU e a licença GPL. Resume a história do desenvolvimento de Linux desde o sistema Minix até as primeiras versões lançadas por Linus Torvalds em 1991.

linux
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de ArquivosSistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos

O documento discute os sistemas de arquivos em sistemas operacionais. Explica que os sistemas de arquivos organizam hierarquicamente arquivos e diretórios e fornecem detalhes sobre como arquivos e diretórios são identificados e localizados no Linux através de inodes. Também apresenta alguns comandos básicos para manipulação e gerenciamento de arquivos e diretórios como ls, cd, pwd, mkdir e rmdir.

Clique em Finalizar para continuar a criação do disco:
Aguarde a criação do disco:
Depois que o disco foi criado, selecione-o e clique em Próximo:
Clique em Finalizar para terminar o assistente:
Sua máquina virtual está criada. No painel do lado esquerdo aparecerá o nome da máquina.
No painel do lado direito, clique sobre o CD/DVD-ROM. Na tela que for aberta, selecione a
opção Montar drive de CD/DVD e escolha se você usará o disco do seu drive de CD ou se
você vai usar um ISO. Neste tutorial montaremos o ISO do CentOS. Clique na opção
Arquivo de Imagem ISO e clique no botão em forma de Pasta:
Será aberto um assistente de Mídias Virtuais. Clique em Acrescentar para adicionar um
ISO:
Selecione o arquivo de imagem e clique em Abrir:
Clique no ISO que você acabou de adicionar e clique em Selecionar:
Clique em OK para finalizar a montagem do ISO na máquina virtual:

Recomendado para você

Ficha de trabalho 6 so
Ficha de trabalho 6 soFicha de trabalho 6 so
Ficha de trabalho 6 so

1. O documento discute comandos Linux e sua função, incluindo cp, mkdir, cd, mv, rm, ls, jobs, e pwd. 2. É explicado o que pode conter uma pasta e o significado de diretórios como /, /boot, /root, e /lib. 3. São fornecidos exemplos de endereços relativos e absolutos.

Diretórios linux
Diretórios linuxDiretórios linux
Diretórios linux

O documento descreve a estrutura de diretórios padrão em sistemas Linux, incluindo os principais diretórios como /bin, /etc, /home, /usr e os seus propósitos. Explica que a estrutura segue o padrão FHS e pode variar ligeiramente entre distribuições.

Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1

O documento discute introdução ao Linux, incluindo: 1) a estrutura de diretórios e seus usos comuns, 2) como usar o histórico de comandos e redirecionamento de entrada e saída, 3) como criar, mover e remover arquivos.

comandos linuxegeekacademy
Agora você já pode iniciar a sua máquina virtual selecionando-a e clicando no botão Iniciar:
Quando você clicar na console da máquina virtual, você receberá alguns avisos. Eles
informam que se você precisar sair da console, deverá pressionar a tecla Ctrl do lado
direito. Para não receber mais estes avisos marque a opção Não mostrar esta mensagem
novamente:
Agora você pode usar sua máquina virtual exatamente como se ela fosse uma máquina
física:
Instalando o CentOS 5.6
Automaticamente a VM irá bootar pelo DVD e iniciar a instalação. Dê enter para.
Selecionar a instalação em modo texto
1. Nesta tela é apresentado o teste de mídia, para garantir que não houve
comprometimento do instalador. OK para fazer o teste e skip para pular essa etapa..
2. Dê enter em OK
3. Dê enter em Test para iniciar o teste.
4. Carregue a imagem CentOS-5.6.iso ou insira o segundo DVD, então dê enter em
Test. Detalhe caso for carregar a imagem, para assumir o controle do sistema
hospedeiro, aperte o Ctrl da direita. Para voltar pra VM click dentro da janela.
5. Carregue a imagem CentOS-5.6.iso ou insira o primeiro DVD.
6. Finalmente iniciado o modo gráfico, click em Next.

Recomendado para você

Aula - Comandos Linux - Parte 1
Aula - Comandos Linux - Parte 1Aula - Comandos Linux - Parte 1
Aula - Comandos Linux - Parte 1

O documento discute introdução ao Linux, incluindo hierarquia de diretórios, caminhos absolutos e relativos, histórico de comandos, e redirecionamento de entrada e saída. É explicado que diretórios organizam arquivos e programas, e que caminhos absolutos começam com / enquanto caminhos relativos referem-se à localização atual. Comandos como ls, cat, head e tail são usados para listar e visualizar arquivos, enquanto redirecionamento direciona saída de comandos para arqu

comandoslinux
OpenSuse
OpenSuseOpenSuse
OpenSuse

O documento descreve o sistema operacional Linux OpenSuse, incluindo sua história, características e vantagens. OpenSuse é uma distribuição gratuita baseada no kernel Linux desenvolvida pela comunidade openSUSE. Ela oferece quatro ambientes de trabalho suportados e ferramentas de gerenciamento de cores para GNOME e KDE. Algumas vantagens incluem atualizações frequentes da comunidade e ser uma das distribuições Linux mais estáveis.

opensuselinux
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos

Este documento fornece instruções sobre comandos básicos do Linux, incluindo como navegar entre diretórios, criar novos diretórios e pastas, mover e copiar arquivos. A parte teórica explica termos como endereços relativos e absolutos. A parte prática guia o usuário a criar uma estrutura de diretórios, editar e mover arquivos entre pastas usando comandos como ls, cd, mkdir, cp e pico.

7. Selecione o idioma de sua preferencia (Português(Brasil))
8. Selecione a configuração do teclado. Ex.: Português Brasileiro (ABNT2). Próximo.
9. É disponibilizado opções de particionamento do disco. Click em Próximo.
10.Configure o nome do host, como por exemplo demetrio.
11.Defina a sua região
.
12.Escolha uma senha para o usuário root, por exemplo demetrio.
13.Mantenha o opção Desktop - Gnome, click em Próximo.
14.Última tela antes de iniciar a instalação, click em Próximo.
15.Instalação concluída! Desmonte a imagem ou remova o DVD do drive. Reinicializar.
Reiniciado a máquina, precisamos fazer a configuração:
1. Vamos começar a configurar, click em Avançar.
2. Desabilite o Firewall. Não use isso como prática em um sistema de produção.
3. Desabilite o SELinux. Não use isso como prática em um sistema de produção.

Recomendado para você

Unidade 3.6 Introdução ao Shell
Unidade 3.6 Introdução ao ShellUnidade 3.6 Introdução ao Shell
Unidade 3.6 Introdução ao Shell

O documento discute introdução ao shell no Linux, abordando: 1) Os shells mais comuns no Linux, como bash e csh, e como eles interpretam comandos do usuário. 2) Conceitos básicos do shell como prompts, caminhos e terminais. 3) Comandos úteis como echo, clear, cd e pwd para navegação e gerenciamento do terminal.

Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos

Este documento fornece instruções sobre comandos básicos do sistema operativo Linux. Inclui perguntas teóricas sobre diretórios, endereços e comandos como cp, ls e mkdir. Também inclui exercícios práticos para criar diretórios, mover e copiar ficheiros usando esses comandos.

Slide minicursocalourosufpa2011
Slide minicursocalourosufpa2011Slide minicursocalourosufpa2011
Slide minicursocalourosufpa2011

Este documento introduz o sistema operacional Linux, discutindo sua história, licenciamento, distribuições, motivação para seu uso, instalação, conceitos básicos e comandos, além de projetos que o utilizam. Ele também fornece referências adicionais para aprendizado.

linux
4. Crie um usuário, como por exemplo usuário mytracelog e senha mytracelog.
5. Efetue o teste de som, click em Avançar.
6. Tela pra instalação de CDs adicionais, click em Terminar.
SHELL SCRIPT – Básico
Desenvolver...
Conclusão
Espero que tenha gostado. :)
Dúvida ou sugestões: chds_@hotmai.com

Recomendado para você

Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos

1. O documento discute comandos Linux e sua função, incluindo diretórios como /, /boot, /root e /lib. 2. Ele explica a diferença entre endereços relativos e absolutos e fornece exemplos. 3. Instruções passo-a-passo são fornecidas para criar diretórios, mover arquivos e usar comandos como ls, cd, mkdir e cp no terminal Linux.

Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos

1. O documento discute comandos Linux e sua função, incluindo diretórios como /, /boot, /root, e /lib. 2. Detalha comandos como ls, cd, mkdir, cp e pico, e explica a diferença entre endereços relativos e absolutos. 3. Fornece instruções passo-a-passo para navegar o sistema de arquivos, criar diretórios e mover arquivos.

Ficha de trabalho [6]
Ficha de trabalho [6]Ficha de trabalho [6]
Ficha de trabalho [6]

1. O documento fornece instruções sobre comandos Linux e sua função, incluindo como navegar pelo sistema de arquivos e manipular arquivos e pastas. 2. É explicada a estrutura de diretórios padrão do Linux com /, /boot, /root e /lib e como representa o disco rígido. 3. Instruções passo-a-passo são fornecidas para criar diretórios e arquivos, mover arquivos entre pastas e copiar arquivos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comandos linux
Comandos linuxComandos linux
Comandos linux
Ultima Ratio
 
Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux
PeslPinguim
 
Linux comandos para arquivos e diretórios
Linux   comandos para arquivos e diretóriosLinux   comandos para arquivos e diretórios
Linux comandos para arquivos e diretórios
Danilo Filitto
 
Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux
Jussara Novaes
 
Comandos Linux Parte 2
Comandos Linux Parte 2Comandos Linux Parte 2
Comandos Linux Parte 2
Wellington Oliveira
 
Comandos basicos linux
Comandos basicos linuxComandos basicos linux
Comandos basicos linux
Wagner Oliveira
 
Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1
Wellington Oliveira
 
Comandos linux
Comandos linuxComandos linux
Comandos linux
Wesley Germano Otávio
 
Introdução aos comandos Linux
Introdução aos comandos LinuxIntrodução aos comandos Linux
Introdução aos comandos Linux
Carlos Quadros
 
Linux - Bruno Oliveira 12ºL
Linux - Bruno Oliveira 12ºLLinux - Bruno Oliveira 12ºL
Linux - Bruno Oliveira 12ºL
BrunoOliveira1070
 
Linux comandos gerais e servidores de rede
Linux   comandos gerais e servidores de redeLinux   comandos gerais e servidores de rede
Linux comandos gerais e servidores de rede
fernandao777
 
Sistema Operacional GNU/Linux
Sistema Operacional GNU/LinuxSistema Operacional GNU/Linux
Sistema Operacional GNU/Linux
Pedro Neto
 
Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux
Marcos Vinicio
 
Linux comandos diversos
Linux   comandos diversosLinux   comandos diversos
Linux comandos diversos
Danilo Filitto
 
Aula 10 semana
Aula 10 semanaAula 10 semana
Aula 10 semana
Jorge Ávila Miranda
 
Aula 11 semana
Aula 11 semanaAula 11 semana
Aula 11 semana
Jorge Ávila Miranda
 
Linux permissoes de arquivos e diretorios
Linux   permissoes de arquivos e diretoriosLinux   permissoes de arquivos e diretorios
Linux permissoes de arquivos e diretorios
Danilo Filitto
 
Dicas e Princípios Básicos do Linux
Dicas e Princípios Básicos do LinuxDicas e Princípios Básicos do Linux
Dicas e Princípios Básicos do Linux
Wellington Oliveira
 
Cap1 exercicios comandos linux
Cap1 exercicios comandos linuxCap1 exercicios comandos linux
Cap1 exercicios comandos linux
portal_Do_estudante
 

Mais procurados (19)

Comandos linux
Comandos linuxComandos linux
Comandos linux
 
Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux
 
Linux comandos para arquivos e diretórios
Linux   comandos para arquivos e diretóriosLinux   comandos para arquivos e diretórios
Linux comandos para arquivos e diretórios
 
Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux
 
Comandos Linux Parte 2
Comandos Linux Parte 2Comandos Linux Parte 2
Comandos Linux Parte 2
 
Comandos basicos linux
Comandos basicos linuxComandos basicos linux
Comandos basicos linux
 
Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1
 
Comandos linux
Comandos linuxComandos linux
Comandos linux
 
Introdução aos comandos Linux
Introdução aos comandos LinuxIntrodução aos comandos Linux
Introdução aos comandos Linux
 
Linux - Bruno Oliveira 12ºL
Linux - Bruno Oliveira 12ºLLinux - Bruno Oliveira 12ºL
Linux - Bruno Oliveira 12ºL
 
Linux comandos gerais e servidores de rede
Linux   comandos gerais e servidores de redeLinux   comandos gerais e servidores de rede
Linux comandos gerais e servidores de rede
 
Sistema Operacional GNU/Linux
Sistema Operacional GNU/LinuxSistema Operacional GNU/Linux
Sistema Operacional GNU/Linux
 
Comandos do linux
Comandos do linuxComandos do linux
Comandos do linux
 
Linux comandos diversos
Linux   comandos diversosLinux   comandos diversos
Linux comandos diversos
 
Aula 10 semana
Aula 10 semanaAula 10 semana
Aula 10 semana
 
Aula 11 semana
Aula 11 semanaAula 11 semana
Aula 11 semana
 
Linux permissoes de arquivos e diretorios
Linux   permissoes de arquivos e diretoriosLinux   permissoes de arquivos e diretorios
Linux permissoes de arquivos e diretorios
 
Dicas e Princípios Básicos do Linux
Dicas e Princípios Básicos do LinuxDicas e Princípios Básicos do Linux
Dicas e Princípios Básicos do Linux
 
Cap1 exercicios comandos linux
Cap1 exercicios comandos linuxCap1 exercicios comandos linux
Cap1 exercicios comandos linux
 

Semelhante a Apostila(1)

Aula 10 semana
Aula 10 semanaAula 10 semana
Aula 10 semana
Jorge Ávila Miranda
 
Linux-formatado.pdf
Linux-formatado.pdfLinux-formatado.pdf
Linux-formatado.pdf
ssuserf964b1
 
Linux x Windowns
Linux x WindownsLinux x Windowns
Linux x Windowns
SENAC RIO
 
Introdução Linux
Introdução LinuxIntrodução Linux
Introdução Linux
Wellington Oliveira
 
Linux aula 01 (1).pdf
Linux aula 01 (1).pdfLinux aula 01 (1).pdf
Linux aula 01 (1).pdf
CristianoMartins89
 
Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009
Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009
Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009
Antônio Arapiraca
 
Sistema operacional linux
Sistema operacional linuxSistema operacional linux
Sistema operacional linux
gabiel-felipe
 
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de ArquivosSistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Luiz Arthur
 
Ficha de trabalho 6 so
Ficha de trabalho 6 soFicha de trabalho 6 so
Ficha de trabalho 6 so
shecklone
 
Diretórios linux
Diretórios linuxDiretórios linux
Diretórios linux
ssuser64f954
 
Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1
Leo Amorim
 
Aula - Comandos Linux - Parte 1
Aula - Comandos Linux - Parte 1Aula - Comandos Linux - Parte 1
Aula - Comandos Linux - Parte 1
Leo Amorim
 
OpenSuse
OpenSuseOpenSuse
OpenSuse
BrunoPereira526
 
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
AndreiaOliveira94
 
Unidade 3.6 Introdução ao Shell
Unidade 3.6 Introdução ao ShellUnidade 3.6 Introdução ao Shell
Unidade 3.6 Introdução ao Shell
Juan Carlos Lamarão
 
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
AndreiaOliveira94
 
Slide minicursocalourosufpa2011
Slide minicursocalourosufpa2011Slide minicursocalourosufpa2011
Slide minicursocalourosufpa2011
Diego Damasceno
 
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
AndreiaOliveira94
 
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
AndreiaOliveira94
 
Ficha de trabalho [6]
Ficha de trabalho [6]Ficha de trabalho [6]
Ficha de trabalho [6]
nunesgilvicente
 

Semelhante a Apostila(1) (20)

Aula 10 semana
Aula 10 semanaAula 10 semana
Aula 10 semana
 
Linux-formatado.pdf
Linux-formatado.pdfLinux-formatado.pdf
Linux-formatado.pdf
 
Linux x Windowns
Linux x WindownsLinux x Windowns
Linux x Windowns
 
Introdução Linux
Introdução LinuxIntrodução Linux
Introdução Linux
 
Linux aula 01 (1).pdf
Linux aula 01 (1).pdfLinux aula 01 (1).pdf
Linux aula 01 (1).pdf
 
Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009
Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009
Curso de Introdução ao Software Livre - Aula de 29/10/2009
 
Sistema operacional linux
Sistema operacional linuxSistema operacional linux
Sistema operacional linux
 
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de ArquivosSistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
 
Ficha de trabalho 6 so
Ficha de trabalho 6 soFicha de trabalho 6 so
Ficha de trabalho 6 so
 
Diretórios linux
Diretórios linuxDiretórios linux
Diretórios linux
 
Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1Comandos Linux Parte 1
Comandos Linux Parte 1
 
Aula - Comandos Linux - Parte 1
Aula - Comandos Linux - Parte 1Aula - Comandos Linux - Parte 1
Aula - Comandos Linux - Parte 1
 
OpenSuse
OpenSuseOpenSuse
OpenSuse
 
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
 
Unidade 3.6 Introdução ao Shell
Unidade 3.6 Introdução ao ShellUnidade 3.6 Introdução ao Shell
Unidade 3.6 Introdução ao Shell
 
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
 
Slide minicursocalourosufpa2011
Slide minicursocalourosufpa2011Slide minicursocalourosufpa2011
Slide minicursocalourosufpa2011
 
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
 
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4   linux comandosFicha de trabalho so 6 m4   linux comandos
Ficha de trabalho so 6 m4 linux comandos
 
Ficha de trabalho [6]
Ficha de trabalho [6]Ficha de trabalho [6]
Ficha de trabalho [6]
 

Mais de João moreira

Usando o qr code
Usando o qr codeUsando o qr code
Usando o qr code
João moreira
 
Linux mint apostila
Linux mint apostilaLinux mint apostila
Linux mint apostila
João moreira
 
Apostila esssa
Apostila   esssaApostila   esssa
Apostila esssa
João moreira
 
Apostilam01 tabela verdade
Apostilam01 tabela verdadeApostilam01 tabela verdade
Apostilam01 tabela verdade
João moreira
 
Estudos culturais
Estudos culturaisEstudos culturais
Estudos culturais
João moreira
 
Lógica de programação algoritmos em pseudo codigos pela facat
Lógica de programação   algoritmos em pseudo codigos pela facatLógica de programação   algoritmos em pseudo codigos pela facat
Lógica de programação algoritmos em pseudo codigos pela facat
João moreira
 
Como escrever mais rápido 11 passos (com imagens)
Como escrever mais rápido  11 passos (com imagens)Como escrever mais rápido  11 passos (com imagens)
Como escrever mais rápido 11 passos (com imagens)
João moreira
 
Atividade aula hoje
Atividade aula hojeAtividade aula hoje
Atividade aula hoje
João moreira
 
Apresentação 20130805 algoritmos
Apresentação 20130805 algoritmos Apresentação 20130805 algoritmos
Apresentação 20130805 algoritmos
João moreira
 
Apresentacao sobre varias coisas1
Apresentacao sobre varias coisas1Apresentacao sobre varias coisas1
Apresentacao sobre varias coisas1
João moreira
 
Apresentacao sobre varias coisas
Apresentacao sobre varias coisasApresentacao sobre varias coisas
Apresentacao sobre varias coisas
João moreira
 

Mais de João moreira (11)

Usando o qr code
Usando o qr codeUsando o qr code
Usando o qr code
 
Linux mint apostila
Linux mint apostilaLinux mint apostila
Linux mint apostila
 
Apostila esssa
Apostila   esssaApostila   esssa
Apostila esssa
 
Apostilam01 tabela verdade
Apostilam01 tabela verdadeApostilam01 tabela verdade
Apostilam01 tabela verdade
 
Estudos culturais
Estudos culturaisEstudos culturais
Estudos culturais
 
Lógica de programação algoritmos em pseudo codigos pela facat
Lógica de programação   algoritmos em pseudo codigos pela facatLógica de programação   algoritmos em pseudo codigos pela facat
Lógica de programação algoritmos em pseudo codigos pela facat
 
Como escrever mais rápido 11 passos (com imagens)
Como escrever mais rápido  11 passos (com imagens)Como escrever mais rápido  11 passos (com imagens)
Como escrever mais rápido 11 passos (com imagens)
 
Atividade aula hoje
Atividade aula hojeAtividade aula hoje
Atividade aula hoje
 
Apresentação 20130805 algoritmos
Apresentação 20130805 algoritmos Apresentação 20130805 algoritmos
Apresentação 20130805 algoritmos
 
Apresentacao sobre varias coisas1
Apresentacao sobre varias coisas1Apresentacao sobre varias coisas1
Apresentacao sobre varias coisas1
 
Apresentacao sobre varias coisas
Apresentacao sobre varias coisasApresentacao sobre varias coisas
Apresentacao sobre varias coisas
 

Apostila(1)

  • 2. Introdução O principal objetivo desta apostila é apresentar um pouco da história do Linux os seus recursos e como usar comandos básicos e úteis do dia-a-dia. Espero que consigam aprender e aplicar bastante o que será explicado aqui além de tirar de uma vez por todas esse paradoxo de que Linux é difícil de usar. Bons estudos e boa sorte! :) Autor: Carlos Demetrio
  • 3. História A História do Linux começou em 1991 com o início de um projeto pessoal de um estudante Finlandês chamado Linus Torvalds de criar uma novo núcleo (kernel) de sistema operacional. Desde então, o núcleo Linux resultante foi marcado por um crescimento constante através de sua história. A partir do lançamento inicial de seu código-fonte, cresceu de um pequeno grupo de arquivo em C sob uma proibitiva licença de distribuição comercial para em 2012, possuir mais de 400 Mb. de fonte sob a licença GPL. O que é kernel? Kernel pode ser entendido como o núcleo do sistema operacional, isto é, como a parte essencial deste. Cabe ao kernel fazer o intermédio entre o hardware e os programas executados pelo computador. Isso significa que a junção do kernel mais os softwares que tornam o computador usável (drivers, protocolos de comunicação, entre outros), de acordo com a sua aplicação, é que formam o sistema operacional em si. Para compreender melhor, você pode imaginar o kernel como sendo o chassi de um veículo. De acordo com a aplicação em questão, uma montadora pode adquirir um chassi e utilizá-lo para montar um carro para transportar cargas ou, se a necessidade for esta, para construir um automóvel de passeio para uma família. Na data de Setembro de 1991, a versão 0.01 do Linux foi lançada e enviada para o servidor FTP (ftp.funet.fi) da Universidade de Helsinki de Tecnologia (em Inglês: HUT), possuía 10.239 linhas de código. Atualmente a versão 3 do Linux foi lançada em 22 de Julho de 2011 em comemoração aos 20 anos do Linux, este núcleo foi lançado com 13.872.245 linhas de código. O núcleo do Linux a princípio só mudava o primeiro número da versão em caso de mudanças drásticas, mas para comemorar os 20 anos do Linux e reduzir os números de controles de versão, Torvalds resolver mudar para a versão 3 mesmo sem mudanças significativas no núcleo do Linux. Em Outubro de 2011 é lançada a versão 3.1 do núcleo Linux e em 03 de Janeiro de 2012 é apresentada ao mundo a versão 3.2.1 do núcleo do Linux com 14.304.901 linhas de código. Aplicação da teória:
  • 4. Distribuições do Linux O que é uma distribuição? Distribuição Linux é um Sistema Operacional Unix-Like incluindo o kernel Linux e outros softwares de aplicação, formando um conjunto. Distribuições (ou “distros”) mantidas por organizações comerciais, como a Red Hat, Ubuntu, SUSE e Mandriva, bem como projetos comunitários como Debian e Gentoo montam e testam seus conjuntos de software antes de disponibilizá-los ao público. Como o Linux e a maior parte dos softwares incluídos em distribuições são livres, qualquer organização ou indivíduo suficientemente motivado podem criar e disponibilizar (comercialmente ou não) a sua própria distribuição. Isso faz com que hoje haja registro de mais de 300 distribuições ativamente mantidas, embora menos de 10 delas sejam mesmo largamente conhecidas. Quase todas tem live cd (roda sem instalar). O Linux evolui muito rapidamente, e os principais distribuidores tendem a lançar versões novas a cada 3 ou 4 meses, ou pelo menos semestralmente. Como em geral você pode obter o software gratuitamente ou a custo baixíssimo, não faz sentido optar pela versão antiga. Segue uma lista parcial de distribuições de Linux: Kurumin (Brasileira – Carlos Morimoto) Debian Fedora Gentoo Mandriva (Mandrake[França] e Conectiva[Brasileira]) Red Hat (CentOS) Slackware SUSE Ubuntu Como saber qual versão e distribuição do Linux estou usando? Existe alguns comandos/ arquivos que contém essas informações. O comando mais usado, por estar em quase todas as versões do Linux é o uname: <prompt> uname -a Linux demetrio-HP-G42-Notebook-PC 3.0.0-16-generic #28-Ubuntu SMP Fri Jan 27 17:50:54 UTC 2012 i686 i686 i386 GNU/Linux Você também pode use se tiver o comando que mostra essa informação mais detalhada no Linux é o lsb_release: <prompt> lsb_release -a Distributor ID: LinuxMint Description: Linux Mint 12 Lisa Release: 12 Codename: lisa Arquivos: /proc/version, /etc/issue, etc. Tem informações sobre a versão e distribuição.
  • 5. Shell O que é shell? O shell é um módulo que atua como interface Usuário/Sistema Operacional,possuindo diversos comandos internos que permitem ao usuário solicitar serviços do S.O. O shell também implementa um linguagem simples de programação que permite o desenvolvimento de pequenos programas (os famosos shell scripts). O shell mais famoso de Linux é o Bash, pois o mesmo oferece vários recursos que facilitam a vida do usuário (ex.: auto-completar). O usuário normal no shell aparece com o símbolo $, já para o root o símbolo é o #. Os comandos não embutidos são programas que se iniciam invocando-se um arquivo executável em algum lugar no sistema de arquivos do Linux (o shell pesquisa em todos os diretórios listados na variável de ambiente PATH). ** Os arquivos carregados pelo shell definem as variáveis de ambiente, que nada mais são que definições e valores que o shell e os outros programas do sistema reconhecem. Para ver quais as variáveis de ambiente no seu sistema você pode digitar printenv, env ou set. Por exemplo, são algumas das variáveis de ambiente do bash: $ Mostra o número do processo do comando em execução (PID). SHELL Mostra o nome do shell atualmente em uso. PATH Mostra caminho de busca dos comandos digitados pelo usuário. HOME Mostra o diretório home do usuário. OLDPWD Mostra o diretório anterior de trabalho do usuário PWD Mostra o diretório atual de trabalho do usuário. PS1 Mostra a definição do prompt da linha de comando. LOGNAME Mostra o nome de acesso do usuário. USER Mostra o nome do usuário atual. UID Mostra o número de identificação do usuário. HISTFILE Mostra o nome do arquivo que armazena as linhas de comando digitadas pelo usuário (no shell bash o arquivo padrão é o .bash_history). HISTSIZE Mostra o número de linhas de comando digitadas pelo usuário que são memorizadas pelo sistema. echo Basicamente, a função do comando echo é mostrar mensagens na tela. Também é usado para apresentar o conteúdo da váriavel. echo [mensagem] [váriavel] Exemplo: <prompt> echo “Teste de mensagem” Teste de mensagem <prompt> echo $SHELL /bin/bash <prompt> echo $PATH /usr/lib/lightdm/lightdm:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin:/usr/games Alguns comandos que serão apresentados aqui fazem referência a essas váriaveis.
  • 6. Navegando pelos diretórios ls Lista os arquivos de um diretório. ls [opções] [caminho/arquivo] [caminho1/arquivo1] ... opções: -a, –all Lista todos os arquivos (inclusive os ocultos) de um diretório. -d, –directory Lista os nomes dos diretórios ao invés do conteúdo. -h, –human-readable Mostra o tamanho dos arquivos em Kbytes, Mbytes ou Gbytes. -R, Lista diretórios e sub-diretórios recursivamente. -l, Usa o formato longo para listagem de arquivos. Lista as permissões, data de modificação, donos, grupos, etc. Explicação: Uma listagem feita com o comando ls -l normalmente é mostrada da seguinte maneira: -rw-rw-r-- 1 demetrio demetrio 20 2012-03-10 19:13 teste Onde: -rw-rw-r-- São as permissões de acesso ao arquivo teste. A primeira letra (da esquerda) identifica o tipo do arquivo, se tiver um “d” é um diretório, se tiver um “-” é um arquivo normal, “l” é um link, “s” é um arquivo socket, etc. 1 Se for um diretório, mostra a quantidade de sub-diretórios existentes dentro dele. Caso for um arquivo, será 1. demetrio Nome do dono do arquivo teste. demetrio Nome do grupo que o arquivo teste pertence. 20 Tamanho do arquivo (em bytes). 2012-03-10 Ano/ Mês/ Dia da criação/ última modificação do arquivo. 19:13 Hora em que o arquivo foi criado/modificado. Se o arquivo foi criado há mais de um ano, em seu lugar é mostrado o ano da criação do arquivo. teste Nome do arquivo. Exemplos do uso do comando ls: • ls - Lista os arquivos do diretório atual. • ls /bin /lib - Lista os arquivos do diretório /bin e /lib • ls -la /bin - Listagem completa (vertical) dos arquivos do diretório /bin inclusive os ocultos.
  • 7. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório. cd [diretório] diretório: diretório que deseja entrar. Exemplos: • Usando cd sem parâmetros ou cd ~, você retornará ao seu diretório home($HOME). • cd /, retornará ao diretório raíz. • cd -, retornará ao diretório anteriormente acessado($PWDLD). • cd .., sobe um diretório. • cd ../[diretório], sobe um diretório e entra imediatamente no próximo (por exemplo, quando você está em /mnt/local, você digita cd ../teste, o comando cd retorna um diretório (/mnt) eentra imediatamente no diretório teste (/mnt/teste). pwd Mostra o nome e caminho do diretório atual ($PWD). Você pode usar o comando pwd para verificar em qual diretório se encontra (caso seu $PS1 não mostre isso). mkdir Cria um diretório no sistema. Um diretório é usado para armazenar arquivos mkdir [opções] [caminho/diretório] [caminho1/diretório1] opção: -p, Caso os diretórios dos níveis acima não existam, eles também serão criados. Exemplo: mkdir -p /mnt/teste/teste2, cria o diretório teste e dentro o teste2. rmdir Remove um diretório vazio do sistema
  • 8. Manipulando arquivos cat Mostra o conteúdo de um arquivo binário ou texto. cat [opções] [diretório/arquivo] [diretório1/arquivo1] opções: -n, –number Mostra o número das linhas enquanto o conteúdo do arquivo é mostrado. -s, –squeeze-blank Não mostra mais que uma linha em branco entre um parágrafo e outro. rm Apaga arquivos. Também pode ser usado para apagar diretórios e sub-diretórios vazios ou que contenham arquivos. rm [opções][caminho][arquivo/diretório] [caminho1][arquivo1/diretório1] opções: -i, –interactive Pergunta antes de remover, esta é ativada por padrão. -v, –verbose Mostra os arquivos na medida que são removidos. -r, –recursive Usado para remover arquivos em sub-diretórios. Esta opção também pode ser usada para remover sub-diretórios. -f, –force Remove os arquivos sem perguntar. cp Copia arquivos. cp [opções] [origem] [destino] opções: -a, --archive Preserva permissão total. i, –interactive Pergunta antes de substituir um arquivo existente. -f, –force Não pergunta, substitui todos os arquivos caso já exista. -p, Preserva as permissões. -r, Copia arquivos dos diretórios e subdiretórios da origem para o destino. É recomendável usar -R ao invés de -r. -R, –recursive, Copia arquivos e sub-diretórios (como a opção -r) e também os arquivos especiais FIFO e dispositivos.
  • 9. mv Move ou renomeia arquivos e diretórios. O processo é semelhante ao do comando cp mas o arquivo de origem é apagado após o término da cópia. mv [opções] [origem] [destino] opções: -f, –force, Substitui o arquivo de destino sem perguntar. -i, –interactive, Pergunta antes de substituir. É o padrão. -v, –verbose, Mostra os arquivos que estão sendo movidos. O comando mv copia um arquivo da ORIGEM para o DESTINO (semelhante ao comando cp), mas após a cópia o arquivo de ORIGEM é apagado. touch Muda a data e hora que um arquivo foi criado. Também pode ser usado para criar arquivos vazios. Caso o touch seja usado com arquivos que não existam, por padrão ele criará estes arquivos. touch [opções] [arquivos] Onde: arquivos: São os arquivos que terão sua data/hora modificados. opções: -t MMDDhhmm[AA.ss], Usa Mês (MM), Dias (DD), Horas (hh), minutos (mm) e opcionalmente o Ano (AA) e segundos (ss) para modificação do(s) arquivos ao invés da data e hora atual. -a, –time=atime, Faz o touch mudar somente a data e hora do acesso ao arquivo. -c, –no-create, Não cria arquivos vazios, caso os arquivos não existam. -m, –time=mtime, Faz o touch mudar somente a data e hora da modificação. -r [arquivo], Usa as horas no [arquivo] como referência ao invés da hora atual. Exemplos: • touch teste - Cria o arquivo teste caso ele não existir. • touch -t 10011230 teste - Altera da data e hora do arquivo para 01/10 e 12:30. • touch -t 120112301999.30 teste - Altera da data, hora ano, e segundos do arquivo para 01/12/1999 e 12:30:30. • touch -t 12011200 * - Altera a data e hora do arquivo para 01/12 e 12:00.
  • 10. Controle de Usuários adduser Adiciona um usuário ou grupo no sistema. Por padrão, quando um novo usuário é adicionado, é criado um grupo com o mesmo nome do usuário. Será criado um diretório home com o nome do usuário (a não ser que o novo usuário criado seja um usuário do sistema) e este receberá uma identificação. A identificação do usuário (UID) escolhida será a primeira disponível no sistema especificada de acordo com a faixa de UIDS de usuários permitidas no arquivo de configuração /etc/adduser.conf., este é o arquivo que contém os padrões para a criação de novos usuários no sistema. adduser [opções] [usuário/grupo] Onde: usuário/grupo: Nome do novo usuário que será adicionado ao sistema. opções: -disable-passwd, Não executa o programa passwd para escolher a senha e somente permite o uso da conta após o usuário escolher uma senha. –force-badname, Desativa a checagem de senhas ruins durante a adição do novo usuário. Por padrão o adduser checa se a senha pode ser facilmente adivinhada. passwd Modifica a parametros e senha de usuário. Um usuário somente pode alterar a senha de sua conta, mas o superusuário (root) pode alterar a senha de qualquer conta de usuário. passwd [usuário] [opções] Onde: usuário: Nome do usuário que terá sua senha alterada. opções: -e, Força a expiração de senha para a conta especificada. -d, Delete a senha do usuário. userdel Apaga um usuário do sistema. Quando é usado, este comando apaga todos os dados da conta especificado dos arquivos de contas do sistema. userdel [-r] [usuário] Onde: -r, Apaga também o diretório HOME do usuário.
  • 11. logname Mostra seu login ($LOGNAME). logname whoami Mostra quem está logado ($USER). whoami id Mostra a ID(nome-número) do usuário no sistema ($UID). id -u who Mostra quem está atualmente conectado no computador/ servidor. Este comando lista os nomes de usuários que estão conectados o terminal e data da conexão. who [opções] opções: -d, –dead, Mostra processos mortos no sistema. -q, –count, Mostra o total de usuários conectados aos terminais. last Mostra uma listagem de entrada e saída de usuários no sistema. São mostrados os seguintes campos na listagem: Nome do usuário Terminal onde ocorreu a conexão/desconexão O hostname (caso a conexão tenha ocorrido remotamente) ou console (caso tenha ocorrido localmente). A data do login/logout, a hora do login/down se estiver fora do sistema/ still logged in se ainda estiver usando o sistema Tempo (em Horas:Minutos) que esteve conectado ao sistema. last [opções] opções: -n [num], Mostra [num] linhas. Caso não seja usada, todas as linhas são mostradas. -a, Mostra o hostname na última coluna. -x, Mostra as entradas de desligamento do sistema e alterações do nível de execução S.O.
  • 12. Histórico de comandos $HISTFILE (No shell bash = bash_history) Arquivo responsável por gravar uma lista dos comandos digitados pelos usuários, localizado no diretório "home" de cada usuário, nele contém os comandos digitados no shell. Veremos aqui alguns comandos que utiliza esse arquivo e como executar os comandos digitados sem precisar digitar tudo novamente. Comandos: $ history 10 Lista os 10 últimos comandos digitados. Sem número ele mostra todos. $ history -c Limpa o arquivo ".bash_history". $ fc -s Executa o último comando contido no ".bash_history". $ fc -s ls Executa o último comando cujo o nome inicie com "ls". $ !! Executa o último comando contido no ".bash_history". $ !ls Executa o último comando cujo o nome inicie com "ls". $ !10 Executa o comando que estiver na 10 linha. CTRL + r texto Busca recursivamente no .bash_history pelo texto(comando) digitado. $HISTSIZE Mostra o número de comandos que o .bash_history vai armazenar.
  • 13. Executando programa/ comandos Executando um comando/programa Para executar um comando, é necessário que ele tenha permissões de execução(x). O programa/comando é executado e receberá um número de identificação (chamado de PID - Process Identification), este número é útil para identificar o processo no sistema e assim ter um controle sobre sua execução. $PATH Path é o caminho de procura dos arquivos/comandos executáveis. O path(caminho) é armazenado na variável de ambiente PATH. Lembrando que você pode ver o conteúdo desta variável com o comando echo $PATH. Por exemplo, o caminho: /usr/local/bin:/usr/bin:/bin:/usr/home/usuario/bin significa que se você digitar o comando ls, o interpretador de comandos iniciará a procura do programa ls no diretório /usr/local/bin, caso não encontre o arquivo no diretório /usr/local/bin ele inicia a procura em /usr/bin, até que encontre o arquivo procurado. Caso o interpretador de comandos chegue até o último diretório do path e não encontre oarquivo/comando digitado, é mostrada a seguinte mensagem: ls: command not found (comando não encontrado) Caso um arquivo/comando não esteja localizado em nenhum dos diretórios do path, você deve executa-lo usando um “./” na frente do comando. whereis/ which Localiza um programa na estrutura de diretórios do path. É muito semelhante ao locate, mas a busca é feita no path do sistema e somente são mostrados arquivos executáveis. Tipos de Execução de comandos/programas Um programa pode ser executado de duas formas: 1 Primeiro Plano - Também chamado de foreground. Quando você deve esperar o término da execução de um programa para executar um novo comando. Somente é mostrado o aviso de comando após o término de execução do comando/programa. 2 Segundo Plano - Também chamado de background. Quando você não precisa esperar o término da execução de um programa para executar um novo comando. Após iniciar um programa em background, é mostrado um número PID (identificação do Processo) e o aviso de comando é novamente mostrado, permitindo o uso normal do sistema. O programa executado em background continua sendo executado internamente. Após ser concluído, o sistema retorna uma mensagem de pronto acompanhado do número PID do processo que terminou. Para iniciar um programa em primeiro plano, basta digitar seu nome normalmente. Para iniciar um programa em segundo plano, acrescente o caracter “&” após o final do comando.OBS: Mesmo que um usuário execute um programa em segundo plano e saia do sistema, o programa continuará sendo executado até que seja concluído ou finalizado pelo usuário queiniciou a execução (ou pelo usuário root). Exemplo: find / -name “arquivo” >> resultado & O comando será executado em segundo plano e deixará o sistema livre para outras tarefas.
  • 14. Executando programas em seqüência Os comandos podem ser executados em seqüência (um após o término do outro) se os separarmos com “;” (ponto vírgula). Por exemplo: clear; ls ps Algumas vezes é útil ver quais processos estão sendo executados no computador. O comando ps faz isto, e também nos mostra qual usuário executou o programa, hora que o processo foi iniciado, etc. ps [opções] Onde: opções: a, Mostra os processos criados por você e de outros usuários do sistema. x, Mostra processos que não são controlados pelo terminal. u, Mostra o nome de usuário que iniciou o processo e hora em que o processo foi iniciado. m, Mostra a memória ocupada por cada processo em execução. f, Mostra a árvore de execução de comandos (comandos que são chamados por outros comandos). e, Mostra variáveis de ambiente no momento da inicialização do processo. w, Mostra a continuação da linha atual na próxima linha ao invés de cortar o restante que não couber na tela. As opções acima podem ser combinadas para resultar em uma listagem mais completa. Você também pode usar pipes “|” para filtrar a saída do comando ps. Ao contrário de outros comandos, o comando ps não precisa do hífen “-” para especificar os comandos. Isto porque ele não utiliza opções longas e não usa parâmetros. Exemplos: ps, ps aux | grep nome_programa, ps auxf, ps auxw. fuser Idica qual o PID do comando/ programa que está usando certo arquivo ou socket. fuser [opções] Onde: opções: -k, Mata o processo(s) que está usando o arquivo.(KILL) -u, --user, Mostra o nome do usuário que está usando o arquivo. Exemplos: fuser arquivo, fuser -k arquivo, fuser -u arquivo
  • 15. kill Permite enviar um sinal a um comando/programa. Caso seja usado sem parâmetros, o kill enviará um sinal de término ao processo sendo executado. kill [sinal] [número] Onde: sinal: -9, Envia um sinal de destruição ao processo ou programa. Ele é terminado imediatamente sem chances de salvar os dados ou apagar os arquivos temporários criados por ele. Você precisa ser o dono do processo ou o usuário root para termina-lo ou destruí-lo. número É o número de identificação do processo PID. Exemplo: kill 500, kill -9 500 killall Permite finalizar processos através do nome. killall [opções] [sinal] [processo] Onde: processo: Nome do processo que deseja finalizar sinal: É o número do sinal que será enviado ao processo. opções: -i, Pede confirmação sobre a finalização do processo. -l, Lista o nome de todos os sinais conhecidos. -q, Ignora a existência do processo. -v, Retorna se o sinal foi enviado com sucesso ao processo. -w, Finaliza a execução do killall somente após finalizar todos os processos. Exemplo: killall -i nome_programa Eliminando caracteres estranhos reset As vezes quando um programa mal comportado é finalizado ou quando você visualiza um arquivo binário através do comando cat, é possível que o aviso de comando (prompt) volte com caracteres estranhos. Para fazer tudo voltar ao normal, basta digitar reset e teclar ENTER. Não se preocupe, o comando reset não reiniciará seu computador (como o botão reset do seu computador faz), ele apenas fará tudo voltar ao normal. Note que enquanto você digitar reset aparecerão caracteres estranhos ao invés das letras. Não se preocupe! Basta digitar corretamente e bater ENTER e o aviso de comando voltará ao normal.
  • 16. Comandos diversos Comandos de uso diversos no sistema. clear Limpa a tela e posiciona o cursor no canto superior esquerdo do vídeo. clear date Permite ver/modificar a Data e Hora do Sistema. Você precisa estar como usuário root para modificar a data e hora. date MesDiaHoraMinuto[AnoSegundos] Onde: MesDiaHoraMinuto[AnoSegundos ] São respectivamente os números do mês, dia, hora e minutos sem espaços. Opcionalmente você pode especificar o Ano (com 2 ou 4 dígitos) e os segundos. Se corrigir a hora do sistemas, deve-se verificar a “data” e “hora” da BIOS. Para isso usa o comando hwclock. Caso a data/hora esteja errada usa se o comando: hwclock -w, e se for fazer o processo inverso colocar os dados da BIOS para o sistema usa o hwclock -s. cal O comando cal é utilizado para mostrar um calendário de um mês e/ou ano em específico. Onde mês é o numero do mês (01 a 12) e ano, é o ano no formato aaaa (4 algarismos). Exemplos: cal March 2012 Su Mo Tu We Th Fr Sa 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Teste: cal MM AAAA (do seu nascimento) Obs.: MM = Mês e AAAA = Ano.
  • 17. df Mostra o espaço livre/ocupado de cada partição. df [opções] onde: opções: -h, –human-readable, Mostra o espaço livre/ocupado em MB, KB, GB ao invés de blocos. -H, Idêntico a -h mas usa 1000 ao invés de 1024 como unidade de cálculo. -l, Somente lista sistema de arquivos locais. -m, mostra em MB Exemplos: df, df -h, df -l. du Mostra o espaço ocupado por arquivos e sub-diretórios do diretório atual. du [opções] onde: opções: -a, –all, Mostra o espaço ocupado por todos os arquivos. -D, Não conta links simbólicos. -h, –human, Mostra o espaço ocupado em formato legível por humanos (Kb, Mb) ao invés de usar blocos. -H, Como o anterior mas usa 1000 e não 1024 como unidade de cálculo. -m, Mostra o espaço ocupado em Mbytes. -S, -s, –separate-dirs, Não calcula o espaço ocupado por sub-diretórios. Exemplo: du -h, du -sh. free Mostra detalhes sobre a utilização da memória RAM do sistema. free [opções] Onde: opções: -m, Mostra o resultado em Mbytes. -o, Oculta a linha de buffers. O free é uma interface ao arquivo /proc/meminfo. Exemplo: free -m, free -mo
  • 18. grep Procura por um texto dentro de um arquivo(s) ou no dispositivo de entrada. grep [expressão] [arquivo] Onde: expressão: É a palavra ou frase que será procurada no texto. Se tiver mais de 2 palavras você deve identifica-la com aspas “ ” caso contrário o grep assumirá que a segunda palavra é o arquivo! arquivo: É o arquivo onde será feita a procura. Também usar o comando para filtrar o resultado de uma comando, por exemplo: ps aux | grep nome_do_programa Outro exemplo: grep “capitulo” texto.txt. more Permite fazer a paginação de arquivos ou da entrada padrão. O comando more pode ser usado como comando para leitura de arquivos que ocupem mais de uma tela. Quando todaa tela é ocupada, o more efetua uma pausa e permite que você pressione Enter ou espaço para continuar avançando no arquivo sendo visualizado. Para sair do more pressione q. more [arquivo] Onde: arquivo: É o arquivo que será paginado. Exemplo: who | more less Permite fazer a paginação de arquivos ou da entrada padrão. O comando less pode ser usado como comando para leitura de arquivos que ocupem mais de uma tela. Quando toda a tela é ocupada, o less efetua uma pausa (semelhante ao more) e permite que você pressione Seta para Cima e Seta para Baixo ou PgUP/PgDown para fazer o rolamento da página. Para sair do less pressione q. less [arquivo] Onde: arquivo: É o arquivo que será paginado. Exemplos: ps aux | less uptime Mostra o tempo de execução do sistema desde que o computador foi ligado. Caso o sistema foi reiniciado o contador também será reiniciado. Faz referência ao arquivo: /proc/uptime
  • 19. su Permite o usuário mudar sua identidade para outro usuário sem fazer o logout. Útil para executar um programa ou comando como root sem ter que abandonar a seção atual. su [usuário] [-c comando] Onde: usuário: É o nome do usuário que deseja usar para acessar o sistema. Se não digitado, é assumido o usuário root. -c comando: Caso seja especificado -c comando, executa o comando sob o usuário especificado. Será pedida a senha do superusuário para autenticação. Digite exit quando desejar retornará identificação de usuário anterior. ln Cria links para arquivos e diretórios no sistema. O link é um mecanismo que faz referência a outro arquivo ou diretório em outra localização. O link em sistemas GNU/Linux faz referência reais ao arquivo/diretório podendo ser feita cópia do link (será copiado o arquivo alvo), entrar no diretório (caso o link faça referência a um diretório), etc. ln [opções] [origem] [link] Onde: origem: Diretório ou arquivo de onde será feito o link. link: Nome do link que será criado. opções: -s, Cria um link simbólico. Usado para criar ligações com o arquivo/diretório de destino. -v, Mostra o nome de cada arquivo antes de fazer o link. ftp Permite a transferência de arquivos do computador remoto/local e vice versa. O file transfer protocol é o sistema de transmissão de arquivos mais usado na Internet. É requerida a autenticação do usuário para que seja permitida a conexão. ftp [ip/dns] Abaixo alguns dos comandos mais usados no FTP: ls, Lista arquivos do diretório atual. cd [diretório], Entra em um diretório. get [arquivo], Copia um arquivo do servidor ftp para o computador local. O arquivo é gravado, por padrão, no diretório onde o programa ftp foi executado. put, Envia um arquivo para o diretório atual do servidor FTP. send [arquivo], Também envia um arquivo para o diretório atual do servidor FTP. hash [on/off ], Por padrão esta opção está desligada. Quando ligada, faz com que o caracter “#” seja impresso na tela indicando o progresso do download. mget [arquivos], Semelhante ao get, mas pode copiar diversos arquivos e permite o uso de curingas. mput [arquivos], Semelhante ao put, mas pode copiar diversos arquivos e permite o uso de curingas. prompt [on/off ], Ativa ou desativa a pergunta para a cópia de arquivo. off = sim para todas
  • 20. Permissões dos arquivos chmod Muda a permissão de acesso a um arquivo ou diretório. Com este comando você pode escolher se usuário ou grupo terá permissões para ler, gravar, executar um arquivo ou arquivos. Sempre que um arquivo é criado, seu dono é o usuário que o criou e seu grupo é o grupo do usuário. chmod [opções] [permissões] [diretório/arquivo] Onde: diretório/arquivo: É o diretório ou arquivo que terá sua permissão mudada. opções: -v, –verbose, Mostra todos os arquivos que estão sendo processados. -f, –silent, Não mostra a maior parte das mensagens de erro. -c, –change, Semelhante a opção -v, mas só mostra os arquivos que tiveram as permissões alteradas. -R, –recursive, Muda permissões de acesso do diretório/arquivo no diretório atual e seus sub-diretórios. • +-= - + coloca a permissão, - retira a permissão do arquivo e = define a permissão exatamente como especificado. • rwx - r permissão de read(leitura) do arquivo. w permissão de write(gravação). x permissão de execute(execução) (ou acesso a diretórios). u = o dono do arquivo; g = os usuários que são membros do mesmo grupo do arquivo; o = os usuários que não membros do grupo do arquivo; a = qualquer usuário do sistema. Modo Octal É possível também utilizar o modo octal para alterar as permissões de acesso a um arquivo. Abaixo mostramos a lista das permissões de acesso no modo octal. Valor Octal Valor Binário rwx Significado 0 000 nenhuma permissão de acesso 1 001 permissão de execução (x) 2 010 permissão de gravação (w) 3 011 permissão de gravação e execução(wx) 4 100 permissão de leitura (r) 5 101 permissão de leitura e execução (rx) 6 110 permissão de leitura e gravação (rw) 7 111 permissão de leitura, gravação e execução (rwx)
  • 21. chown Muda dono de um arquivo/diretório. Opcionalmente pode também ser usado para mudar o grupo. chown [opções] [dono.grupo] [diretório/arquivo] onde: dono.grupo: Nome do dono.grupo que será atribuído ao diretório/arquivo. O grupo é opcional. diretório/arquivo Diretório/arquivo que o dono.grupo será modificado. Opções: -v, –verbose, Mostra os arquivos enquanto são alterados. -f, –supress, Não mostra mensagens de erro durante a execução do programa. -c, –changes, Mostra somente arquivos que forem alterados. -R, –recursive, Altera dono e grupo de arquivos no diretório atual e sub-diretórios. O dono.grupo pode ser especificado usando o nome de grupo ou o código numérico correspondente. Pesquise sobre o arquivo: /etc/passwd umask A umask (user mask) são 3 números que definem as permissões iniciais do dono, grupo e outros usuários que o arquivo/diretório receberá quando for criado ou copiado para um novo local. Digite umask sem parâmetros para retornar o valor de sua umask atual. Valor (permissão...) 6 sem permissão. 5 Permissão apenas para executar. 4 Permissão apenas para gravar. 3 Permissão para gravar e executar. 2 Permissão apenas para ler.1 Permissão para executar e ler. 0 Completo – leitura / execução / escrita. Exemplo: demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ umask 0002 demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ touch teste demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ ls -la teste -rw-rw-r-- 1 demetrio demetrio 0 2012-03-11 13:11 teste demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ chmod 777 teste demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ chown demetrio.demetrio teste demetrio@demetrio-HP-G42-Notebook-PC ~ $ ls -la teste -rwxrwxrwx 1 demetrio demetrio 0 2012-03-11 13:11 teste
  • 22. alias Tradução livre é “apelido”. Esse comando é usado para combinar um ou mais comando com parâmetros para um outro nome teoricamente mais fácil de lembrar. Exemplo: Se quiser transformar o comando ls em um comando chamado listar e usar nele outros parametros que você geralmente usa com esse comando é só executar o comando: alias listar='ls -lat' Para mostras os “alias” que existe no seu sistema basta executar o comando sem parâmetros. ;) Entendendo redirecionameto e PIPE: > Redireciona a saída padrão de um programa/comando/script para algum dispositivo ou arquivo ao invés do dispositivo de saída padrão (tela). Quando é usado com arquivos, este redirecionamento cria ou substitui o conteúdo do arquivo. >> Redireciona a saída padrão de um programa/comando/script para algum dispositivo ou adiciona as linhas ao final de arquivo ao invés do dispositivo de saída padrão (tela). A diferença entre este redirecionamento duplo e o simples, é se caso for usado com arquivos, adiciona a saída do comando ao final do arquivo existente ao invés de substituir seu conteúdo. < Direciona a entrada padrão de arquivo/dispositivo para um comando. Este comando faz o contrário do anterior, ele envia dados ao comando. << Este redirecionamento serve principalmente para marcar o fim de exibição de um bloco. Este é especialmente usado em conjunto com o comando cat. Exemplo: cat << final este arquivo será mostrado até que a palavra final seja localizada no inicio da linha final | (pipe) Envia a saída de um comando para a entrada do próximo comando para continuidade do processamento. Os dados enviados são processados pelo próximo comando que mostrará o resultado do processamento. A principal diferença entre o “|” e o “>”, é que o Pipe envolve processamento entre comandos, ou seja, a saída de um comando é enviado a entrada do próximo e o “>” redireciona a saída de um comando para um arquivo/dispositivo.
  • 23. Como obter ajuda do sistema? As páginas de manual acompanham quase todos os programas GNU/Linux. Elas trazem uma descrição básica do comando/programa e detalhes sobre o funcionamento de opção. Uma página de manual é visualizada na forma de texto único com rolagem vertical. Também documenta parâmetros usados em alguns arquivos de configuração. man A utilização da página de manual é simples, digite: man [seção] [comando/arquivo] onde: seção: É a seção de manual que será aberta, se omitido, mostra a primeira seção sobre o comando encontrado (em ordem crescente). comando/arquivo: Comando/arquivo que deseja pesquisar. A navegação dentro das páginas de manual é feita usando-se as teclas: • q - Sai da página de manual • PageDown ou f - Rola 25 linhas abaixo • PageUP ou w - Rola 25 linhas acima • SetaAcima ou k - Rola 1 linha acima • SetaAbaixo ou e - Rola 1 linha abaixo • r - Redesenha a tela (refresh) • p ou g - Inicio da página • h - Ajuda sobre as opções da página de man --help Ajuda rápida, é útil para sabermos quais opções podem ser usadas com o comando/programa. Quase todos os comandos/programas GNU/Linux oferecem este recurso que é útil para consultas rápidas (e quando não precisamos dos detalhes das páginas de manual). É útil quando se sabe o nome do programa mas deseja saber quais são as opções disponíveis e para o que cada uma serve. Para acionar o help on line, digite: [comando] –help onde: comando: É o comando/programa que desejamos ter uma explicação rápida. apropos/whatis O apropos procura por programas/comandos através da descrição. É útil quando precisamosfazer alguma coisa mas não sabemos qual comando usar. Para usar o comando apropos digite: apropos [descrição] O whatis explica o que o comando setado faz. Para usar digite: whatis [comando] Exemplo: apropos clear, whatis clear
  • 24. Serviços Os serviços de rede são inicializados com o Linux no momento do boot estão intimamente relacionados ao software em que estão instalado. Nome de alguns serviços: sshd smb network mysqld Opções: status Situação do serviço start Inicia o serviço. stop Para o serviço. restart Para e inicia novamente o serviço. Reload Reinicia sem parar o serviço. SSH O Secure Shell ou SSH é, simultaneamente, um programa e um protocolo de rede que permite a conexão com outro computador na rede, de forma a executar comandos de uma unidade remota. Possui as mesmas funcionalidades do TELNET, com a vantagem da conexão entre o cliente e o servidor serem criptografadas. O arquivo de configuração é /etc/ssh/sshd_config. Alguns parametros importantes: Port 22 Porta de comunicação PermitRootLogin yes Permite ou não o login direto do root. PermitEmptyPasswords no Login com usuário sem senha (passwd -d user). Serviço é o sshd, se alterar alguns desses parâmetros tem que reiniciar o mesmo: service sshd restart SAMBA O Samba surgiu, basicamente, pela combinação de três fatores: • Necessidade de compartilhamento; • Linux vs Windows; • Redes de Computadores atuais. O Linux vem se firmando a cada dia como um sistema operacional robusto e seguro, bem como largamente utilizado em servidores de rede (HTTP, E-mail, NFS, Firewall, DHCP, NFS, o próprio SMB, etc). Já o Microsoft Windows é um sistema operacional popular, utilizado em cerca de 95% dos computadores pessoais no mundo. Surgiram então as redes locais (LAN - Local Área Network), que são extremamente baratas e confiáveis - e com elas a necessidade do compartilhamento de arquivos e impressoras. É justamente para unir as três tecnologias - Linux, Windows e Redes - com a necessidade de compartilhamento que
  • 25. surgiu o Samba. O Samba é um aplicativo servidor (server side), ou seja, é executado no servidor (aqui, Linux, mas também pode ser utilizado em UNIXes em geral. Também já foi portado para uma série de plataformas não-UNIX como Novell NetWare por exemplo). Mesmo rodando em uma plataforma completamente diferente à plataforma Windows, o Samba se comporta como se fosse tal plataforma. Mais precisamente, o Samba "conversa" com o Windows como se fosse o tal. Para entender melhor esta integração do Samba às Redes Windows, devemos focar agora nossa atenção ao Ambiente de Rede Windows. Neste ambiente que se encontram todos os computadores Windows, e é nele que se concentram os compartilhamentos de arquivos e impressoras. Então, o Samba nasceu para fazer com que os computadores operando sobre o UNIX participassem deste Ambiente de Rede sem que ocorram conflitos. Um usuário Windows utiliza arquivos ou impressoras deste servidor Linux como se tal fosse realmente outro computador com plataforma Windows. Toda essa gama de soluções é gerenciada pelo protocolo CIFS (Common Internet File System). É neste protocolo que opera o também protocolo SMB (Server Message Block), que deu origem então, há alguns anos atrás - devido a uma necessidade particular de compartilhamento de impressora - ao Samba, este que é uma implementação do CIFS, totalmente Open Source (Código Aberto). O arquivo de configuração é /etc/samba/smb.config. Exemplo alguns parâmetros: [global] # Nome do grupo do ambiente Windows workgroup = nome_da_rede # Exige login/ senha security = user public = no [compartilhamento] comment = Compartilhamento path = /mnt Serviço é o smb, se alterar alguns desses parâmetros tem que reiniciar o mesmo: service smb restart Para adionar usuário no samba, deve: adduser usuario # smbpasswd -a usuario E para excluir: # smbpasswd -x usuario
  • 26. Instalando programas na distribuições Red Had(CentOS) yum O yum é um acrônimo para Yellow dog Updater, Modified. É uma ferramenta utilizada para gerenciar a instalação e remoção de pacotes em distribuições Linux, que utilizam o sistema RPM. É um gerenciador de pacotes de arquivos similar ao APT(Debian .deb) que lida automaticamente com dependências computando-as e resolvendo o que deve ser feito para tratá-las. Trabalha com formato .rpm de pacotes de arquivos. O yum faz o download do pacote especificado de algum repositório. Possui um simples arquivo de configuração. Faz um cálculo eficaz das dependências. Opções: install Instala um pacote. remove Remove um pacote. search Procura por um pacote. update Atualiza as dependências. upgrade Faz a atualização de todos os pacotes disponiveis. Exemplo: yum install vim (instala o VIM) RPM O RPM, originalmente abreviatura de RedHat Package Manager, e atualmente um acrónimo recursivo de RPM Package Manager (“Gerenciador de Pacotes RPM”) é um sistema de gerenciamento de pacotes de softwares, assim como o formato de arquivo usado por esse sistema. O RPM serve para instalar, atualizar, desinstalar, verificar e procurar softwares. Originalmente desenvolvido pela RedHat, RPM é agora usado por muitas distribuições. Opções: -i, instala um pacote -e, exclui um pacote -h, exibe a hast -qi, mostra informações sobre pacote. -qa, consulta pacotes instalados -v, mostra o status do pacotes Exemplo: Para instalar use a seguinte combinação de parâmetros rpm -ivh pacote.rpm
  • 27. VIM O VIM é um editor de texto que tem vários recursos e por esse motivo vai ser melhor apresentado aqui suas funções. No vim temos vários "modos", que são estados do editor. São eles: Modo Tecla Rodapé Descrição ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- de Inserção i -- INSERT -- Inserção de texto de Comandos <ESC> Comandos de manipulação de texto Linha de comando : : Comandos de manipulação arquivo Visual v -- VISUAL -- Seleção visual de texto Busca / / Busca de padrões no texto Reposição R -- REPLACE -- Inserção sobreescrevendo Chamando o vim: vim Abre o vim vazio, sem arquivo (muito pouco usado) vim arquivo Abre o arquivo "arquivo". Se ele não existir, o cria vim arquivo + Abre com cursor no fim do arquivo vim arquivo +10 Abre com cursor na linha 10 vim arquivo +/linux Abre com cursor na 1ª ocorrência de "linux" Salvando e saindo: :w Salva :q Sai :wq ou :x ou ZZ Salva e sai :w! Salva forçado :q! Sai forçado :wq! Salva e sai forçado Obs.: Antes de executar os comandos seguintes, aperte <ESC> para ir ao modo de comandos, e é claro, após, um <ENTER> Editando: Ao entrar no vim, ele está no modo de comandos. Como saber? Olhe no rodapé da tela. Nada na última linha. Para começar a Inserir um texto, aperte "I" ou <INS>. Você verá que aparecerá um "-- INSERT --" no rodapé. Agora você pode digitar seu texto normalmente. Quer parar para dar uma gravada? Veja o tópico acima. ( <ESC>:w ) chega de editar e quer salvar e sair? Veja acima de novo. ( <ESC>:wq )
  • 28. Copiando e colando: Usando o mouse → <ESC>:set mouse=a No modo de Inserção mesmo, note que o cursor do teclado (esse tracinho piscando na tela), está numa posição, e o cursor do mouse (mexa o mouse para que ele se mova) está em outra posição. Selecione uma parte do texto com o mouse, segurando o botão esquerdo. Ao colar, o texto selecionado com o MOUSE será colocado a partir do cursor do TECLADO. Experimente. Dependendo do mouse, a colagem se faz: - Apertando o botão direito - Segurando o botão esquerdo e apertando o direito ao mesmo tempo - <SHIFT> <INS> Tente, o seu será umas das 3 alternativas acima. Usando o modo visual: Entre no modo visual ( <ESC>v ), e simplesmente aperte as setas do teclado, movendo o cursor do TECLADO e selecionando o texto desejado. O comando para copiar o texto é o "y" de yank. Volte para o modo de comandos ( <ESC> ) e posicione o cursor do TECLADO no lugar onde você quer colar o texto selecionado. O comando de colagem é o "p" de paste. Apagando (delete): Como no tópico anterior, use o modo visual ( <ESC>v ) para selecionar o texto desejado. Para apagá-lo, digite "d", de delete. Com o linux no modo texto, a tecla <DEL> do teclado também funciona para apagar texto. Outros comandos úteis: Modo de comando :5 Vai para a 5 linha. dd Apaga a linha do cursor. 5dd Apaga as 5 próximas linhas apartir do cursor. G Vai para o final do arquivo. gg Vai para o inicio do arquivo. Se gostou do VIM, pesquise sobre outras funções. Você não vai se arrepender. :)
  • 29. Instalando o Linux RedHad – CentOS na Virtual Box Baixando o software O VirtualBox é free e open source. Para baixar o software (aproximadamente 90 MB) acesse o site www.virtualbox.org e clique na sessão Downloads. (Versão atual: 4.1.8) Instalando A instalação do VirtualBox é extremamente fácil. Basta seguir o processo Next, Next e Finish. Criando uma máquina virtual Na primeira execução do software será solicitado seu nome e e-mail. Preencha os dados e tique a opção para não ser contatado. Clique no botão novo: Será aberto um assistente que o ajudará nesta tarefa, clique em Próximo para continuar:
  • 30. Nomeie a máquina virtual e escolha qual será o sistema operacional que ela conterá e clique em Próximo para continuar: Digite agora a quantidade de memória que a máquina virtual irá ter e clique em Próximo para continuar:
  • 31. Na tela seguinte será para você escolher o disco que será usado para a máquina virtual. Neste instante não há disco criado, então clique no botão Novo para criar: Será aberto um outro assistente para criar um disco virtual e clique em Próximo para continuar:
  • 32. Existem 2 opções para criar o seu disco: dinamicamente expansível e tamanho fixo. O primeiro permite que você crie um disco com um tamanho de 10 GB por exemplo, sem alocar imediatamente o espaço. A medida que o espaço for sendo usado, o espaço será alocado. O problema desta abordagem é que o arquivo pode ficar altamente fragmentado, degradando a performance. O segundo tipo é o tamanho fixo. O espaço é alocado no momento da criação. Tende a ter melhor desempenho que o de tamanho dinamicamente expansível. Nesta condição escolha o tamanho fixo e clique em Próximo: Nomeie o disco, escolha o tamanho e clique em Próximo:
  • 33. Clique em Finalizar para continuar a criação do disco: Aguarde a criação do disco: Depois que o disco foi criado, selecione-o e clique em Próximo:
  • 34. Clique em Finalizar para terminar o assistente: Sua máquina virtual está criada. No painel do lado esquerdo aparecerá o nome da máquina. No painel do lado direito, clique sobre o CD/DVD-ROM. Na tela que for aberta, selecione a opção Montar drive de CD/DVD e escolha se você usará o disco do seu drive de CD ou se você vai usar um ISO. Neste tutorial montaremos o ISO do CentOS. Clique na opção Arquivo de Imagem ISO e clique no botão em forma de Pasta:
  • 35. Será aberto um assistente de Mídias Virtuais. Clique em Acrescentar para adicionar um ISO: Selecione o arquivo de imagem e clique em Abrir: Clique no ISO que você acabou de adicionar e clique em Selecionar:
  • 36. Clique em OK para finalizar a montagem do ISO na máquina virtual:
  • 37. Agora você já pode iniciar a sua máquina virtual selecionando-a e clicando no botão Iniciar: Quando você clicar na console da máquina virtual, você receberá alguns avisos. Eles informam que se você precisar sair da console, deverá pressionar a tecla Ctrl do lado direito. Para não receber mais estes avisos marque a opção Não mostrar esta mensagem novamente:
  • 38. Agora você pode usar sua máquina virtual exatamente como se ela fosse uma máquina física:
  • 39. Instalando o CentOS 5.6 Automaticamente a VM irá bootar pelo DVD e iniciar a instalação. Dê enter para. Selecionar a instalação em modo texto 1. Nesta tela é apresentado o teste de mídia, para garantir que não houve comprometimento do instalador. OK para fazer o teste e skip para pular essa etapa.. 2. Dê enter em OK 3. Dê enter em Test para iniciar o teste.
  • 40. 4. Carregue a imagem CentOS-5.6.iso ou insira o segundo DVD, então dê enter em Test. Detalhe caso for carregar a imagem, para assumir o controle do sistema hospedeiro, aperte o Ctrl da direita. Para voltar pra VM click dentro da janela. 5. Carregue a imagem CentOS-5.6.iso ou insira o primeiro DVD. 6. Finalmente iniciado o modo gráfico, click em Next.
  • 41. 7. Selecione o idioma de sua preferencia (Português(Brasil)) 8. Selecione a configuração do teclado. Ex.: Português Brasileiro (ABNT2). Próximo. 9. É disponibilizado opções de particionamento do disco. Click em Próximo.
  • 42. 10.Configure o nome do host, como por exemplo demetrio. 11.Defina a sua região . 12.Escolha uma senha para o usuário root, por exemplo demetrio.
  • 43. 13.Mantenha o opção Desktop - Gnome, click em Próximo. 14.Última tela antes de iniciar a instalação, click em Próximo. 15.Instalação concluída! Desmonte a imagem ou remova o DVD do drive. Reinicializar.
  • 44. Reiniciado a máquina, precisamos fazer a configuração: 1. Vamos começar a configurar, click em Avançar. 2. Desabilite o Firewall. Não use isso como prática em um sistema de produção. 3. Desabilite o SELinux. Não use isso como prática em um sistema de produção.
  • 45. 4. Crie um usuário, como por exemplo usuário mytracelog e senha mytracelog. 5. Efetue o teste de som, click em Avançar.
  • 46. 6. Tela pra instalação de CDs adicionais, click em Terminar.
  • 47. SHELL SCRIPT – Básico Desenvolver...
  • 48. Conclusão Espero que tenha gostado. :) Dúvida ou sugestões: chds_@hotmai.com