SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Álvaro Magalhães:
quando eu for grande...
quero ser um brincador!
Ana Margarida Ramos
CIDTFF – Universidade de Aveiro
anamargarida@ua.pt
O Brincador
Quando for grande, não quero ser médico, engenheiro ou professor.
Não quero trabalhar de manhã à noite, seja no que for.
Quero brincar de manhã à noite, seja com o que for.
Quando for grande, quero ser um brincador.
Ficam, portanto, a saber: não vou para a escola aprender a ser um
médico, um engenheiro ou um professor.
Tenho mais em que pensar e muito mais que fazer.
Tenho tanto que brincar, como brinca um brincador, muito mais o que
sonhar, como sonha um sonhador, e também que imaginar, como imagina
um imaginador…
A mãe diz que não pode ser, que não é profissão de gente crescida. E
depois acrescenta, a suspirar: “é assim a vida”. Custa tanto a acreditar.
Pessoas que são capazes, que um dia também foram raparigas e rapazes,
mas já não podem brincar.
A vida é assim? Não para mim. Quando for grande, quero ser brincador.
Brincar e crescer, crescer e brincar, até a morte vir bater à minha porta.
Depois também, sardanisca verde que continua a rabiar mesmo depois
de morta. Na minha sepultura, vão escrever: “Aqui jaz um brincador. Era
um homem simples e dedicado, muito dado, que se levantava cedo
todas as manhãs para ir brincar com as palavras”.
Obra: géneros e registos (exemplos)
—  Romance juvenil – A Ilha do Chifre de Ouro (1998), O Último
Grimm (2007) e O Rapaz dos Sapatos Prateados (2013)
—  Narrativas seriadas e “hybrid novel” – coleções “Triângulo
Jota”; “Crónicas do Vampiro Valentim”; “Novas Crónicas do
Vampiro Valentim”; “Lucas Scarpone”; “Mata dos Medos”
—  Narrativa breve e muito breve – coletâneas de contos - O
menino chamado Menino (1983), Isto É que Foi Ser! (1984),
Histórias Pequenas de Bichos Pequenos (1985), O Homem que
não queria sonhar e outras histórias (1987), Hipopóptimos
Uma História de Amor (2001), Três Histórias de Amor (2003),
O Rapaz da Bicicleta Azul (2004), O Segredo (2007), O Senhor
Pina (2013)
—  Teatro - Enquanto a Cidade Dorme (2000), Todos os Rapazes
São Gatos (2004)
—  Poesia
Tendências transversais à sua
produção literária
—  Temáticas ligadas ao tratamento do tempo e da constatação da sua passagem e
inexorabilidade, à perda e à morte
—  Condição reflexiva do sujeito poético, com aproximações ao pensamento
filosófico de cariz existencialista
—  Temática animal como aproximação à génese e à primitividade humana
—  Metapoesia e reflexão de cariz metalinguístico: centralidade da palavra como a
matéria-prima por excelência da criação literária
—  Centralidade da infância como topos: origem; verdade; essência
—  Sonho, onirismo e fantasia como forma de superação dos limites humanos
—  Valorização das leituras, das aventuras e das brincadeiras infantis
—  Exploração das potencialidades da língua e das suas implicações nonsensicais
—  Humor
Três histórias de amor
—  Tematização do amor,
originalmente cruzado com
o tema da morte – eixos
centrais da vida/existência
—  Fruição intensa da vida
—  Perenidade dos afetos
—  Universo animal
—  Recriação da tradição oral
O Rapaz dos Sapatos Prateados
—  Temáticas ligadas ao
tempo, à existência, às
palavras e à poesia, a deus,
à morte e à vida, à
essência, eixos transversais
da poética do autor
—  Viagem pelas suas
memórias pessoais e pelos
seus valores, tributo às suas
referências, sem deixar de
ser uma história de
aventuras, mistério e
humor.
Obra poética mais relevante
—  O reino perdido (1986)
—  O limpa-palavras e outros poemas (2000)
—  O brincador (2005)
O Reino Perdido
Estamos	
  no	
  Inverno,	
  entristeceu	
  a	
  luz
e	
  eu	
  levo	
  as	
  pequenas	
  coisas	
  do	
  dia
para	
  dentro	
  da	
  casa	
  e	
  da	
  página
muito	
  branca	
  onde	
  brilha	
  agora	
  o	
  sol.
	
  
O	
  gato	
  adormeceu	
  junto	
  ao	
  fogão,
está	
  a	
  sonhar	
  com	
  a	
  primeira	
  serradura;
a	
  mãe	
  espreita	
  da	
  velha	
  fotografia
e	
  parece	
  ensaiar	
  um	
  passo
mas	
  conAnua	
  parada;
no	
  tecto,	
  sobre	
  a	
  cabeça,	
  a	
  lâmpada
vigia-­‐me,	
  como	
  o	
  olho	
  de	
  um	
  insecto.
	
  
Enquanto	
  lá	
  fora	
  passa	
  o	
  vento
que	
  leva	
  para	
  longe	
  o	
  nosso	
  tempo
e	
  não	
  o	
  traz	
  de	
  volta,
tento	
  abrir,	
  com	
  uma	
  chave	
  de	
  palavras,
a	
  porta	
  fechada	
  do	
  meu	
  reino	
  perdido.
O Caçador de Borboletas
Sorridente, ao nascer do dia,

À noite, regressa à casa cansado

ele sai de casa com a sua rede.

e estranhamente feliz

Vai caçar borboletas, mas fica preso

porque a sua caixa está vazia,

à frescura do rio que lhe mata a sede

mas diz sempre, suspirando:

ou ao encanto das flores do prado.

Que grande caçada e que belo dia!

Vê tanta beleza à sua volta

 

que esquece a rede em qualquer lado

Antes de entrar, limpa as botas

e antes de caçar já foi caçado.

num tapete de compridos pêlos
e sacode, distraído,
as muitas borboletas de mil cores
que lhe pousaram nos ombros, nos cabelos.
«Aniversários»
«Aniversários», de Álvaro Magalhães
1

5

As abelhas não fazem anos.

Os anões são tão pequeninos

Nenhuma viveu um ano

que não fazem anos.

para o poder fazer.

Fazem aninhos.

Com um dia de vida

Os gigantes são tão grandalhões

qualquer abelha vai trabalhar.

que não fazem anos.

Com dois já pode namorar

Fazem anões.

e com cinco casa e tem filhos.
Com vinte dias de vida
uma abelha está acabada:
é uma avelha.
Mistérios da Escrita
Escrevi a palavra flor.
Um girassol nasceu
no deserto de papel.
Era um girassol
como é um girassol.
Endireitou o caule,
sacudiu as pétalas
e perfumou o ar.
Voltou a cabeça
à procura do sol
e deixou cair dois grãos de pólen
sobre a mesa.
Depois cresceu até ficar
com a ponta de uma pétala
fora da Natureza.
A Gata Branca
Ela andava por todo o lado,
enterrava as unhas duras no sofá
ou descia, vagarosa, do telhado.
Depois, desenrolou até ao fim
o novelo da lã
e agora está sob a terra, no quintal:
é uma semente adormecida.
Com ela foi essa parte de mim
e eu não sei o que fazer a esse amor
nem onde está o tempo branco que foi meu
- esse pedaço da minha vida.
Experiência de animação da leitura
a partir de O Limpa-Palavras,
de Álvaro Magalhães
Recursos
—  http://conta-meumconto.blogspot.com/2008/02/olimpa-palavras.html
—  http://www.catalivros.org/portal/bo/portal.pl?
pag=02n4_ficha_do_livro&janpap_id=227
—  http://videos.sapo.pt/eOCj5dqJZABp6vSefKuN
—  http://www.youtube.com/watch?v=iWPv0m4b9FI
—  http://catatu.catalivros.org/fala_estar_le-nos/
le_LM11_entr_a_magalhaes_1_a.pdf
O Limpa-Palavras
Limpo palavras.
Recolho-as à noite, por todo o lado:
a palavra bosque, a palavra casa, a palavra flor.
Trato delas durante o dia
enquanto sonho acordado.
A palavra solidão faz-me companhia.

No fim de tudo voltam os olhos para a luz
e vão para longe,
leves palavras voadoras
sem nada que as prenda à terra,
outra vez nascidas pela minha mão:
a palavra estrela, a palavra ilha, a palavra pão.

Quase todas as palavras
precisam de ser limpas e acariciadas:
a palavra céu, a palavra nuvem, a palavra mar.
Algumas têm mesmo de ser lavadas,
é preciso raspar-lhes a sujidade dos dias
e do mau uso.
Muitas chegam doentes,
outras simplesmente gastas, estafadas,
dobradas pelo peso das coisas
que trazem às costas.

A palavra obrigado agradece-me.
As outras não.
A palavra adeus despede-se.
As outras já lá vão, belas palavras lisas
e lavadas como seixos do rio:
a palavra ciúme, a palavra raiva, a palavra frio.

A palavra pedra pesa como uma pedra.
A palavra rosa espalha o perfume no ar.
A palavra árvore tem folhas, ramos altos.
Podes descansar à sombra dela.
A palavra gato espeta as unhas no tapete.
A palavra pássaro abre as asas para voar.
A palavra coração não pára de bater.
Ouve-se a palavra canção.
A palavra vento levanta os papéis no ar
e é preciso fechá-la na arrecadação.

Vão à procura de quem as queira dizer,
de mais palavras e de novos sentidos.
Basta estenderes um braço para apanhares
a palavra barco ou a palavra amor.
Limpo palavras.
A palavra búzio, a palavra lua, a palavra palavra.
Recolho-as à noite, trato delas durante o dia.
A palavra fogão cozinha o meu jantar.
A palavra brisa refresca-me.
A palavra solidão faz-me companhia.
Análise do Poema
—  Definição do trabalho do poeta e da escrita poética
—  Arte poética aplicada ao universo da literatura para a infância
—  Metáfora do limpa-palavras para definir o poeta
—  Negação do conceito da arbitrariedade do signo
—  Categorias de palavras, funcionalidade (ligação entre a palavra e o
conceito/objeto)
— 
— 
— 
— 
— 
— 
— 

Pesadas – pedra
Perfumadas – rosa
Protetoras – árvore
Vivas – gato, coração
Voadoras – pássaro, vento
Sonoras – canção
…
Pré-leitura
—  Exploração de elementos paratextuais, como o título
—  Relação com as profissões:
—  O que é um limpa-palavras?
—  Onde trabalha?
—  A que se dedica?

—  Expectativas sobre o conteúdo do texto
Leitura
—  Expressiva, em voz alta
—  Com fundo musical apropriado
—  Acompanhada de imagens e/ou objetos, nomeadamente
os que são referidos no poemas (palavras que precisam
de ler limpas)
Pós-leitura
—  Perceber o que significa “limpar palavras” e o sentido que o poema
atribui ao poeta e à poesia;
—  Identificar as emoções que o poema transmite e o tom que o domina;
—  Escolher outras palavras que precisam/podem ser “limpas”;
—  Identificar objetos, seres, conceitos para os quais elas remetem;
—  Descobrir textos/livros que procedam a essa limpeza;
—  Selecionar lugar para contar/ler/dizer poemas/textos de modo a limpar
as palavras dos maus usos;
—  Preparar atividades de escrita (nomeadamente poética) a partir da
leitura do poema;
—  Propor outras atividades para o poeta, para além de limpar as palavras.
Proposta de trabalho:
—  Proposta de leitura com um grupo de crianças/jovens:
—  Todos sabem o que é um poeta? O que fazem os poetas? Quais são as suas
ferramentas de trabalho? Que matérias usam para trabalhar?
—  Estabelecer relações com outras profissões até se chegar à matéria prima usada
pelo poeta: “A Palavra”.
—  E o que fazem os poetas com as palavras? Álvaro Magalhães explica tudo isto, num
poema a que se chamou o Limpa-Palavras. Mas que título! Porque necessitarão os
poetas de limpar as palavras? Que palavras se podem limpar? Onde podem
recolher-se as palavras? Em que lugares é que se encontram as palavras? Que
palavras nos podem fazer companhia?
—  O poema que vamos ler tem a palavra “pedra”? É uma palavra leve ou pesada?
Que som pode fazer uma pedra? O autor usa também a palavra “rosa”. É uma
palavra cheirosa ou fedorenta?
—  Ir apresentando palavras que estão no texto, solicitando a reflexão sobre as suas
características, os sons ou gestos que lhe podem estar associados: árvore, gato,
pássaro, coração, vento, obrigado, adeus, fogão, solidão. Este jogo em torno
destas palavras deve ser conduzido de forma a levar a algumas expressões do
autor.
—  http://195.23.38.178/casadaleitura/portalbeta/bo/documentos/
prat_ser_poeta_a.pdf
bibliografia
—  GOMES, José António, RAMOS, Ana Margarida e SILVA, Sara
Reis da (2009): «“Palavras que não servem para falar”: uma
leitura de O Limpa-Palavras e outros poemas, de Álvaro
Magalhães» in ROIG RECHOU, Blanca-Ana, SOTO LÓPEZ, Isabel
e NEIRA RODRÍGUEZ, Marta (coord.), A Poesía Infantil no
Século XXI (2000-2008), Vigo: Edicións Xerais de Galicia, pp.
359-372 (ISBN 978-84-9914-026-1)
—  RAMOS, Ana Margarida (org.) (2013). Mistérios da Escrita –
Uma aproximação à obra de Álvaro Magalhães. Alfragide: ASA
(ISBN: 9789892325132) (e-book) {colaboração de José António
Gomes, Sara Reis da Silva e Carlos Nogueira}
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner inessalgado
 
Luisa dacosta elefante-cor-de-rosa
Luisa dacosta elefante-cor-de-rosaLuisa dacosta elefante-cor-de-rosa
Luisa dacosta elefante-cor-de-rosaAndresa Vieira
 
Feliz natal
Feliz natalFeliz natal
Feliz natalPaULuXa
 
Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docElza Melo
 
lab7_teste_avaliacao_6a.docx
lab7_teste_avaliacao_6a.docxlab7_teste_avaliacao_6a.docx
lab7_teste_avaliacao_6a.docxMarisa Miranda
 
Teste de Português
Teste de PortuguêsTeste de Português
Teste de PortuguêsMaria Gomes
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soaressubel
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.manuela016
 
A ovelhinha que veio para o jantar roteiro 1.º e 2.º ano
A ovelhinha que veio para o jantar   roteiro   1.º e 2.º anoA ovelhinha que veio para o jantar   roteiro   1.º e 2.º ano
A ovelhinha que veio para o jantar roteiro 1.º e 2.º anoBrígida Ferreira
 
Como está seu conhecimento em Interpretação de Texto
Como está seu conhecimento em Interpretação de TextoComo está seu conhecimento em Interpretação de Texto
Como está seu conhecimento em Interpretação de Textomararute
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraMargarida Santos
 
Lista de palavras método 28 palavras
Lista de palavras método 28 palavrasLista de palavras método 28 palavras
Lista de palavras método 28 palavrasCelina Sousa
 

Mais procurados (20)

"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
 
Um Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.PptUm Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.Ppt
 
Luisa dacosta elefante-cor-de-rosa
Luisa dacosta elefante-cor-de-rosaLuisa dacosta elefante-cor-de-rosa
Luisa dacosta elefante-cor-de-rosa
 
O Meu Pé de Laranja Lima
O Meu Pé de Laranja LimaO Meu Pé de Laranja Lima
O Meu Pé de Laranja Lima
 
Feliz natal
Feliz natalFeliz natal
Feliz natal
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1
Fábulas 1
 
Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.doc
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
lab7_teste_avaliacao_6a.docx
lab7_teste_avaliacao_6a.docxlab7_teste_avaliacao_6a.docx
lab7_teste_avaliacao_6a.docx
 
Teste de Português
Teste de PortuguêsTeste de Português
Teste de Português
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
 
PNL leitura orientada_ 2.º e 3.ºciclo
PNL leitura orientada_ 2.º e 3.ºcicloPNL leitura orientada_ 2.º e 3.ºciclo
PNL leitura orientada_ 2.º e 3.ºciclo
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.
 
Lab6 predicativo
Lab6 predicativoLab6 predicativo
Lab6 predicativo
 
A ovelhinha que veio para o jantar roteiro 1.º e 2.º ano
A ovelhinha que veio para o jantar   roteiro   1.º e 2.º anoA ovelhinha que veio para o jantar   roteiro   1.º e 2.º ano
A ovelhinha que veio para o jantar roteiro 1.º e 2.º ano
 
"O Príncipe Nabo"
"O Príncipe Nabo""O Príncipe Nabo"
"O Príncipe Nabo"
 
Como está seu conhecimento em Interpretação de Texto
Como está seu conhecimento em Interpretação de TextoComo está seu conhecimento em Interpretação de Texto
Como está seu conhecimento em Interpretação de Texto
 
O barco de chocolate
O barco de chocolateO barco de chocolate
O barco de chocolate
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
 
Lista de palavras método 28 palavras
Lista de palavras método 28 palavrasLista de palavras método 28 palavras
Lista de palavras método 28 palavras
 

Semelhante a áLvaro.magalhães2014

Serão de Poesia: BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
Serão de Poesia: BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12Serão de Poesia: BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
Serão de Poesia: BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12BE ESGN
 
Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12BE ESGN
 
Portugues 13 tipos_texto
Portugues 13 tipos_textoPortugues 13 tipos_texto
Portugues 13 tipos_textoavelelinha
 
O Limpa Palavras
O Limpa PalavrasO Limpa Palavras
O Limpa Palavrascplse
 
Apresentação poesia1
Apresentação poesia1Apresentação poesia1
Apresentação poesia1Soleducador1
 
Apresentação ciranda on-line criança em versos - 2015 oficial * Antonio ...
  Apresentação ciranda on-line criança em versos  - 2015   oficial * Antonio ...  Apresentação ciranda on-line criança em versos  - 2015   oficial * Antonio ...
Apresentação ciranda on-line criança em versos - 2015 oficial * Antonio ...ANTONIO CABRAL FILHO
 
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)AMEOPOEMA Editora
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1telasnorte1
 
Sabor de-saber-poetar muito bom!
Sabor de-saber-poetar muito bom!Sabor de-saber-poetar muito bom!
Sabor de-saber-poetar muito bom!Joanita Artigas
 
José Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaJosé Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaLurdes Augusto
 
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de LinguagemJairo Coêlho
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1gsbq
 
Histórias a rimar guião
Histórias a rimar guiãoHistórias a rimar guião
Histórias a rimar guiãobibliotecap
 

Semelhante a áLvaro.magalhães2014 (20)

Serão de Poesia: BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
Serão de Poesia: BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12Serão de Poesia: BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
Serão de Poesia: BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
 
Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12
 
Portugues 13 tipos_texto
Portugues 13 tipos_textoPortugues 13 tipos_texto
Portugues 13 tipos_texto
 
O Limpa Palavras
O Limpa PalavrasO Limpa Palavras
O Limpa Palavras
 
Apresentação poesia1
Apresentação poesia1Apresentação poesia1
Apresentação poesia1
 
J A Gomes
J A GomesJ A Gomes
J A Gomes
 
Apresentação ciranda on-line criança em versos - 2015 oficial * Antonio ...
  Apresentação ciranda on-line criança em versos  - 2015   oficial * Antonio ...  Apresentação ciranda on-line criança em versos  - 2015   oficial * Antonio ...
Apresentação ciranda on-line criança em versos - 2015 oficial * Antonio ...
 
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1
 
1 4918339399097254230
1 49183393990972542301 4918339399097254230
1 4918339399097254230
 
Sabor de-saber-poetar muito bom!
Sabor de-saber-poetar muito bom!Sabor de-saber-poetar muito bom!
Sabor de-saber-poetar muito bom!
 
José Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaJosé Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografia
 
Contemp novembro__19
Contemp  novembro__19Contemp  novembro__19
Contemp novembro__19
 
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
Sequencia didatica-saci-perere-pnaic-doc-140705233955-phpapp02
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Contemp setembro__10
Contemp  setembro__10Contemp  setembro__10
Contemp setembro__10
 
Histórias a rimar guião
Histórias a rimar guiãoHistórias a rimar guião
Histórias a rimar guião
 
Como um Estalo
Como um EstaloComo um Estalo
Como um Estalo
 

Mais de IsabelPereira2010

DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECRDeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECRIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioDeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioIsabelPereira2010
 
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdfDeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdfIsabelPereira2010
 
referenciaL Aprender Media dez2023.pdf
referenciaL Aprender Media dez2023.pdfreferenciaL Aprender Media dez2023.pdf
referenciaL Aprender Media dez2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdfDeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º70 novembro 2023.pdf
DeClara n.º70 novembro 2023.pdfDeClara n.º70 novembro 2023.pdf
DeClara n.º70 novembro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º69 outubro 2023.pdf
DeClara n.º69 outubro 2023.pdfDeClara n.º69 outubro 2023.pdf
DeClara n.º69 outubro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º68 setembro 2023.pdf
DeClara n.º68 setembro 2023.pdfDeClara n.º68 setembro 2023.pdf
DeClara n.º68 setembro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdfRumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdfIsabelPereira2010
 
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdfRumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfDeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfDeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 66 junho 2023.pdf
DeClara n.º 66 junho 2023.pdfDeClara n.º 66 junho 2023.pdf
DeClara n.º 66 junho 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 65 maio 2023.pdf
DeClara n.º 65 maio 2023.pdfDeClara n.º 65 maio 2023.pdf
DeClara n.º 65 maio 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 64 abril 2023.pdf
DeClara n.º 64 abril 2023.pdfDeClara n.º 64 abril 2023.pdf
DeClara n.º 64 abril 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 63 março 2023.pdf
DeClara n.º 63 março 2023.pdfDeClara n.º 63 março 2023.pdf
DeClara n.º 63 março 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdfDeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdfDeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdfIsabelPereira2010
 

Mais de IsabelPereira2010 (20)

DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECRDeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
 
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioDeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
 
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdfDeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
 
referenciaL Aprender Media dez2023.pdf
referenciaL Aprender Media dez2023.pdfreferenciaL Aprender Media dez2023.pdf
referenciaL Aprender Media dez2023.pdf
 
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdfDeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
 
DeClara n.º70 novembro 2023.pdf
DeClara n.º70 novembro 2023.pdfDeClara n.º70 novembro 2023.pdf
DeClara n.º70 novembro 2023.pdf
 
DeClara n.º69 outubro 2023.pdf
DeClara n.º69 outubro 2023.pdfDeClara n.º69 outubro 2023.pdf
DeClara n.º69 outubro 2023.pdf
 
DeClara n.º68 setembro 2023.pdf
DeClara n.º68 setembro 2023.pdfDeClara n.º68 setembro 2023.pdf
DeClara n.º68 setembro 2023.pdf
 
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdfRumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
 
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdfRumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
 
Propostas_RBE_2023_2024.pdf
Propostas_RBE_2023_2024.pdfPropostas_RBE_2023_2024.pdf
Propostas_RBE_2023_2024.pdf
 
Prioridades 2023-2024.pdf
Prioridades 2023-2024.pdfPrioridades 2023-2024.pdf
Prioridades 2023-2024.pdf
 
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfDeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
 
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfDeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
 
DeClara n.º 66 junho 2023.pdf
DeClara n.º 66 junho 2023.pdfDeClara n.º 66 junho 2023.pdf
DeClara n.º 66 junho 2023.pdf
 
DeClara n.º 65 maio 2023.pdf
DeClara n.º 65 maio 2023.pdfDeClara n.º 65 maio 2023.pdf
DeClara n.º 65 maio 2023.pdf
 
DeClara n.º 64 abril 2023.pdf
DeClara n.º 64 abril 2023.pdfDeClara n.º 64 abril 2023.pdf
DeClara n.º 64 abril 2023.pdf
 
DeClara n.º 63 março 2023.pdf
DeClara n.º 63 março 2023.pdfDeClara n.º 63 março 2023.pdf
DeClara n.º 63 março 2023.pdf
 
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdfDeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
 
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdfDeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
 

áLvaro.magalhães2014

  • 1. Álvaro Magalhães: quando eu for grande... quero ser um brincador! Ana Margarida Ramos CIDTFF – Universidade de Aveiro anamargarida@ua.pt
  • 2. O Brincador Quando for grande, não quero ser médico, engenheiro ou professor. Não quero trabalhar de manhã à noite, seja no que for. Quero brincar de manhã à noite, seja com o que for. Quando for grande, quero ser um brincador. Ficam, portanto, a saber: não vou para a escola aprender a ser um médico, um engenheiro ou um professor. Tenho mais em que pensar e muito mais que fazer. Tenho tanto que brincar, como brinca um brincador, muito mais o que sonhar, como sonha um sonhador, e também que imaginar, como imagina um imaginador… A mãe diz que não pode ser, que não é profissão de gente crescida. E depois acrescenta, a suspirar: “é assim a vida”. Custa tanto a acreditar. Pessoas que são capazes, que um dia também foram raparigas e rapazes, mas já não podem brincar. A vida é assim? Não para mim. Quando for grande, quero ser brincador. Brincar e crescer, crescer e brincar, até a morte vir bater à minha porta. Depois também, sardanisca verde que continua a rabiar mesmo depois de morta. Na minha sepultura, vão escrever: “Aqui jaz um brincador. Era um homem simples e dedicado, muito dado, que se levantava cedo todas as manhãs para ir brincar com as palavras”.
  • 3. Obra: géneros e registos (exemplos) —  Romance juvenil – A Ilha do Chifre de Ouro (1998), O Último Grimm (2007) e O Rapaz dos Sapatos Prateados (2013) —  Narrativas seriadas e “hybrid novel” – coleções “Triângulo Jota”; “Crónicas do Vampiro Valentim”; “Novas Crónicas do Vampiro Valentim”; “Lucas Scarpone”; “Mata dos Medos” —  Narrativa breve e muito breve – coletâneas de contos - O menino chamado Menino (1983), Isto É que Foi Ser! (1984), Histórias Pequenas de Bichos Pequenos (1985), O Homem que não queria sonhar e outras histórias (1987), Hipopóptimos Uma História de Amor (2001), Três Histórias de Amor (2003), O Rapaz da Bicicleta Azul (2004), O Segredo (2007), O Senhor Pina (2013) —  Teatro - Enquanto a Cidade Dorme (2000), Todos os Rapazes São Gatos (2004) —  Poesia
  • 4. Tendências transversais à sua produção literária —  Temáticas ligadas ao tratamento do tempo e da constatação da sua passagem e inexorabilidade, à perda e à morte —  Condição reflexiva do sujeito poético, com aproximações ao pensamento filosófico de cariz existencialista —  Temática animal como aproximação à génese e à primitividade humana —  Metapoesia e reflexão de cariz metalinguístico: centralidade da palavra como a matéria-prima por excelência da criação literária —  Centralidade da infância como topos: origem; verdade; essência —  Sonho, onirismo e fantasia como forma de superação dos limites humanos —  Valorização das leituras, das aventuras e das brincadeiras infantis —  Exploração das potencialidades da língua e das suas implicações nonsensicais —  Humor
  • 5. Três histórias de amor —  Tematização do amor, originalmente cruzado com o tema da morte – eixos centrais da vida/existência —  Fruição intensa da vida —  Perenidade dos afetos —  Universo animal —  Recriação da tradição oral
  • 6. O Rapaz dos Sapatos Prateados —  Temáticas ligadas ao tempo, à existência, às palavras e à poesia, a deus, à morte e à vida, à essência, eixos transversais da poética do autor —  Viagem pelas suas memórias pessoais e pelos seus valores, tributo às suas referências, sem deixar de ser uma história de aventuras, mistério e humor.
  • 7. Obra poética mais relevante —  O reino perdido (1986) —  O limpa-palavras e outros poemas (2000) —  O brincador (2005)
  • 8. O Reino Perdido Estamos  no  Inverno,  entristeceu  a  luz e  eu  levo  as  pequenas  coisas  do  dia para  dentro  da  casa  e  da  página muito  branca  onde  brilha  agora  o  sol.   O  gato  adormeceu  junto  ao  fogão, está  a  sonhar  com  a  primeira  serradura; a  mãe  espreita  da  velha  fotografia e  parece  ensaiar  um  passo mas  conAnua  parada; no  tecto,  sobre  a  cabeça,  a  lâmpada vigia-­‐me,  como  o  olho  de  um  insecto.   Enquanto  lá  fora  passa  o  vento que  leva  para  longe  o  nosso  tempo e  não  o  traz  de  volta, tento  abrir,  com  uma  chave  de  palavras, a  porta  fechada  do  meu  reino  perdido.
  • 9. O Caçador de Borboletas Sorridente, ao nascer do dia, À noite, regressa à casa cansado ele sai de casa com a sua rede. e estranhamente feliz Vai caçar borboletas, mas fica preso porque a sua caixa está vazia, à frescura do rio que lhe mata a sede mas diz sempre, suspirando: ou ao encanto das flores do prado. Que grande caçada e que belo dia! Vê tanta beleza à sua volta   que esquece a rede em qualquer lado Antes de entrar, limpa as botas e antes de caçar já foi caçado. num tapete de compridos pêlos e sacode, distraído, as muitas borboletas de mil cores que lhe pousaram nos ombros, nos cabelos.
  • 11. «Aniversários», de Álvaro Magalhães 1 5 As abelhas não fazem anos. Os anões são tão pequeninos Nenhuma viveu um ano que não fazem anos. para o poder fazer. Fazem aninhos. Com um dia de vida Os gigantes são tão grandalhões qualquer abelha vai trabalhar. que não fazem anos. Com dois já pode namorar Fazem anões. e com cinco casa e tem filhos. Com vinte dias de vida uma abelha está acabada: é uma avelha.
  • 12. Mistérios da Escrita Escrevi a palavra flor. Um girassol nasceu no deserto de papel. Era um girassol como é um girassol. Endireitou o caule, sacudiu as pétalas e perfumou o ar. Voltou a cabeça à procura do sol e deixou cair dois grãos de pólen sobre a mesa. Depois cresceu até ficar com a ponta de uma pétala fora da Natureza.
  • 13. A Gata Branca Ela andava por todo o lado, enterrava as unhas duras no sofá ou descia, vagarosa, do telhado. Depois, desenrolou até ao fim o novelo da lã e agora está sob a terra, no quintal: é uma semente adormecida. Com ela foi essa parte de mim e eu não sei o que fazer a esse amor nem onde está o tempo branco que foi meu - esse pedaço da minha vida.
  • 14. Experiência de animação da leitura a partir de O Limpa-Palavras, de Álvaro Magalhães
  • 15.
  • 16.
  • 17. Recursos —  http://conta-meumconto.blogspot.com/2008/02/olimpa-palavras.html —  http://www.catalivros.org/portal/bo/portal.pl? pag=02n4_ficha_do_livro&janpap_id=227 —  http://videos.sapo.pt/eOCj5dqJZABp6vSefKuN —  http://www.youtube.com/watch?v=iWPv0m4b9FI —  http://catatu.catalivros.org/fala_estar_le-nos/ le_LM11_entr_a_magalhaes_1_a.pdf
  • 18. O Limpa-Palavras Limpo palavras. Recolho-as à noite, por todo o lado: a palavra bosque, a palavra casa, a palavra flor. Trato delas durante o dia enquanto sonho acordado. A palavra solidão faz-me companhia. No fim de tudo voltam os olhos para a luz e vão para longe, leves palavras voadoras sem nada que as prenda à terra, outra vez nascidas pela minha mão: a palavra estrela, a palavra ilha, a palavra pão. Quase todas as palavras precisam de ser limpas e acariciadas: a palavra céu, a palavra nuvem, a palavra mar. Algumas têm mesmo de ser lavadas, é preciso raspar-lhes a sujidade dos dias e do mau uso. Muitas chegam doentes, outras simplesmente gastas, estafadas, dobradas pelo peso das coisas que trazem às costas. A palavra obrigado agradece-me. As outras não. A palavra adeus despede-se. As outras já lá vão, belas palavras lisas e lavadas como seixos do rio: a palavra ciúme, a palavra raiva, a palavra frio. A palavra pedra pesa como uma pedra. A palavra rosa espalha o perfume no ar. A palavra árvore tem folhas, ramos altos. Podes descansar à sombra dela. A palavra gato espeta as unhas no tapete. A palavra pássaro abre as asas para voar. A palavra coração não pára de bater. Ouve-se a palavra canção. A palavra vento levanta os papéis no ar e é preciso fechá-la na arrecadação. Vão à procura de quem as queira dizer, de mais palavras e de novos sentidos. Basta estenderes um braço para apanhares a palavra barco ou a palavra amor. Limpo palavras. A palavra búzio, a palavra lua, a palavra palavra. Recolho-as à noite, trato delas durante o dia. A palavra fogão cozinha o meu jantar. A palavra brisa refresca-me. A palavra solidão faz-me companhia.
  • 19. Análise do Poema —  Definição do trabalho do poeta e da escrita poética —  Arte poética aplicada ao universo da literatura para a infância —  Metáfora do limpa-palavras para definir o poeta —  Negação do conceito da arbitrariedade do signo —  Categorias de palavras, funcionalidade (ligação entre a palavra e o conceito/objeto) —  —  —  —  —  —  —  Pesadas – pedra Perfumadas – rosa Protetoras – árvore Vivas – gato, coração Voadoras – pássaro, vento Sonoras – canção …
  • 20. Pré-leitura —  Exploração de elementos paratextuais, como o título —  Relação com as profissões: —  O que é um limpa-palavras? —  Onde trabalha? —  A que se dedica? —  Expectativas sobre o conteúdo do texto
  • 21. Leitura —  Expressiva, em voz alta —  Com fundo musical apropriado —  Acompanhada de imagens e/ou objetos, nomeadamente os que são referidos no poemas (palavras que precisam de ler limpas)
  • 22. Pós-leitura —  Perceber o que significa “limpar palavras” e o sentido que o poema atribui ao poeta e à poesia; —  Identificar as emoções que o poema transmite e o tom que o domina; —  Escolher outras palavras que precisam/podem ser “limpas”; —  Identificar objetos, seres, conceitos para os quais elas remetem; —  Descobrir textos/livros que procedam a essa limpeza; —  Selecionar lugar para contar/ler/dizer poemas/textos de modo a limpar as palavras dos maus usos; —  Preparar atividades de escrita (nomeadamente poética) a partir da leitura do poema; —  Propor outras atividades para o poeta, para além de limpar as palavras.
  • 23. Proposta de trabalho: —  Proposta de leitura com um grupo de crianças/jovens: —  Todos sabem o que é um poeta? O que fazem os poetas? Quais são as suas ferramentas de trabalho? Que matérias usam para trabalhar? —  Estabelecer relações com outras profissões até se chegar à matéria prima usada pelo poeta: “A Palavra”. —  E o que fazem os poetas com as palavras? Álvaro Magalhães explica tudo isto, num poema a que se chamou o Limpa-Palavras. Mas que título! Porque necessitarão os poetas de limpar as palavras? Que palavras se podem limpar? Onde podem recolher-se as palavras? Em que lugares é que se encontram as palavras? Que palavras nos podem fazer companhia? —  O poema que vamos ler tem a palavra “pedra”? É uma palavra leve ou pesada? Que som pode fazer uma pedra? O autor usa também a palavra “rosa”. É uma palavra cheirosa ou fedorenta? —  Ir apresentando palavras que estão no texto, solicitando a reflexão sobre as suas características, os sons ou gestos que lhe podem estar associados: árvore, gato, pássaro, coração, vento, obrigado, adeus, fogão, solidão. Este jogo em torno destas palavras deve ser conduzido de forma a levar a algumas expressões do autor. —  http://195.23.38.178/casadaleitura/portalbeta/bo/documentos/ prat_ser_poeta_a.pdf
  • 24. bibliografia —  GOMES, José António, RAMOS, Ana Margarida e SILVA, Sara Reis da (2009): «“Palavras que não servem para falar”: uma leitura de O Limpa-Palavras e outros poemas, de Álvaro Magalhães» in ROIG RECHOU, Blanca-Ana, SOTO LÓPEZ, Isabel e NEIRA RODRÍGUEZ, Marta (coord.), A Poesía Infantil no Século XXI (2000-2008), Vigo: Edicións Xerais de Galicia, pp. 359-372 (ISBN 978-84-9914-026-1) —  RAMOS, Ana Margarida (org.) (2013). Mistérios da Escrita – Uma aproximação à obra de Álvaro Magalhães. Alfragide: ASA (ISBN: 9789892325132) (e-book) {colaboração de José António Gomes, Sara Reis da Silva e Carlos Nogueira}