SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
um dizer ainda puro, Vasco Gato
ESSÊNCIA
Uma mão vazia
Em que nada se pode ler,
O reflexo de um dia
Sem amanhecer,
Um movimento sempre parado,
Um Romeu nunca amado,
Um olhar estático,
Um poema nada enfático,
Um actor pouco dramático,
Um pássaro que não pia,
Um observador que não via,
Um poeta que não sente,
Um político que mente,
Um sábio sem ciência,
Uma mnemónica que esqueci,
Uma mãe sem paciência
O perto ali...
Tudo sem essência,
É como eu sem ti.

    Maria João Rodrigues, 9º ano, Concurso de
    Poesia de Gaia Nascente, ESOD/1999-2000
O TEU OLHAR
O teu olhar,
O mais belo que eu já vi,
Vicia-me de maneira tal
Que não penso em nada senão em
ti...

Brilhantes...
Incandescentes...
Os teus lindos olhos
Encantam toda a gente!

Sou incapaz de resistir
A tão doce olhar...
Não o consigo impedir,
Quero-te amar!
                                       Miguel Nuno Rodrigues, 7º ano
                Concurso de Poesia de Gaia Nascente, ESOD/1999-2000
VAIDADE
Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a Terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho... E não sou nada!...
                          Florbela Espanca, Sonetos
NÃO POSSO ADIAR O AMOR

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas
Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio
Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação
Não posso adiar o coração

             A. Ramos Rosa, Viagem através duma Nebulosa
Amanhecer, Tiago Aires , 8º ano
Concurso de Poesia Interescolas de Gaia, ESOD/2010-2011
Niños de todos los colores, adapt. Luísa Ducla Soares
La cogida y la muerte, Frederico Garcia Lorca
Dreams, Langston Hughes
Funeral Blues, 1936

Stop all the clocks, cut off the telephone,
prevent the dog from barking with a juicy bone,
silence the pianos and, with muffled drums,
bring out the coffin, let the mourners come.

Let airplanes circle moaning overhead
scribbling on the sky the message: he's dead.
Put crepe-bows round the white necks of the public doves,
let the traffic policemen wear black cotton gloves.

He was my North, my South, my East and West,
my working week, my Sunday rest,
my noon, my midnight, my talk, my song.
I thought that love would last forever; I was wrong.

The stars are not wanted now, put out every one.
Pack up the moon, dismantle the sun.
Pull away the ocean and sweep up the wood.
For nothing now can ever come to any good.

                                                W. H. Auden
The road not taken, Robert Frost
DIA DA ÁRVORE
Cortaram uma árvore
E a terra chorou

Cortaram outra árvore
E a terra chorou

E tantas árvores mais...
E a terra chorou

Chorar tanto também cansa
Quem pode enxugar as lágrimas
Da terra cansada?

Nem as mãos de uma criança...
                                Matilde Rosa Araújo, Fadas Verdes
SEGREDO

Sei um ninho.
E o ninho tem um ovo.
E o ovo, redondinho,
Tem lá dentro um passarinho
Novo.

Mas escusam de me atentar:
Nem o tiro, nem o ensino.
Quero ser um bom menino
E guardar
Este segredo comigo.
E ter depois um amigo
Que faça o pino
A voar...
           Miguel Torga, Poesia Completa
POEMA DA MINHA NATUREZA

Crescem as flores no seu dever biológico,
e as cores que patenteiam, por sua natureza,
só podem ser aquelas, e não outras.
Vermelhas, amarelas, cor de fogo,
lilases, carmesins, azuis, violetas,
assim, e só assim,
tudo conforme a sua natureza.
Ásperas são as folhas, macias, recortadas
ou não, tudo conforme;
e o aprumo como tal,
ou rasteiras, ou leves, ou pesadas, animais.
                            É como os
tudo no seu dever,          Em cada qual, por sua natureza,
por sua natureza.           todo o dever se cumpre.
                          Comem, dejetam, dormem,
                          fazem amor nas horas competentes,
                          lutam, caçam, agridem,
                          rosnam à Lua, trinam, assobiam,
                          escondem-se, espreitam, fogem, amarinham,
                          dançam, mudam de pele, agacham-se, disfarçam-se,
                          tudo conforme a sua natureza.
                                                              António Gedeão, Obra Completa
                          Assim eu penso, e amo, e sofro, e vou andando.
Descrever a beleza, Miguel Barbosa
Frutos




         Eugénio de Andrade, Aquela Nuvem e Outra
MISTÉRIOS DA ESCRITA
Escrevi a palavra flor.
Um girassol nasceu
no deserto de papel.
Era um girassol
como é um girassol.
Endireitou o caule,
sacudiu as pétalas
e perfumou o ar.
Voltou a cabeça
à procura do sol
e deixou cair dois grãos de pólen
sobre a mesa.
Depois cresceu até ficar
com a ponta de uma pétala
fora da Natureza.
         Álvaro Magalhães, O Limpa-palavras e outros Poemas
Folhinha
Todas as cartas de amor são…
óleo de Carlos Alberto Santos



O Mostrengo, Fernando Pessoa
POEMA EM P

A Paula
pede a paz.

Os pardais     Os prédios
os peixes      as praias
os pandas      os pastos
as plantas     as pontes
as pedras      as piscinas
pedem a paz.   pedem a paz.

Os palhaços    O planeta
os polícias    pede a paz.
os pintores
os padeiros    Políticos,
os poetas      não ponham na panela
pedem a paz.   a pomba da paz.
                              Luísa Ducla Soares
Ilustrações retiradas de http://www.google.pt/ - imagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (15)

Poesia
PoesiaPoesia
Poesia
 
Poesia ilustrada acção formação
Poesia ilustrada   acção formaçãoPoesia ilustrada   acção formação
Poesia ilustrada acção formação
 
Uma Casa na Escuridão
Uma Casa na EscuridãoUma Casa na Escuridão
Uma Casa na Escuridão
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesia
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
 
No Longe Do Jardim
No Longe Do JardimNo Longe Do Jardim
No Longe Do Jardim
 
Poesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia MeirelesPoesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia Meireles
 
Fernando pessoa e ondjaki
Fernando pessoa e ondjakiFernando pessoa e ondjaki
Fernando pessoa e ondjaki
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Eugenio andrade (1)
Eugenio andrade (1)Eugenio andrade (1)
Eugenio andrade (1)
 
Figuras De Linguagem
Figuras De LinguagemFiguras De Linguagem
Figuras De Linguagem
 
Nós, O Corpo e Outras Canções
Nós, O Corpo e Outras CançõesNós, O Corpo e Outras Canções
Nós, O Corpo e Outras Canções
 
Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4
 
Eugenio Andrade
Eugenio AndradeEugenio Andrade
Eugenio Andrade
 
12 e e-andrade
12 e e-andrade12 e e-andrade
12 e e-andrade
 

Destaque

Hasil tes gel 1 reguler s1 keperawatan
Hasil tes gel 1 reguler s1 keperawatanHasil tes gel 1 reguler s1 keperawatan
Hasil tes gel 1 reguler s1 keperawatan
kristanto djuwahir
 
58 rea politica publica no brasil
58 rea politica publica no brasil58 rea politica publica no brasil
58 rea politica publica no brasil
Debora Sebriam
 
Marketing plan 2012
Marketing plan 2012Marketing plan 2012
Marketing plan 2012
evethailand
 
аттестация1
аттестация1аттестация1
аттестация1
Fintfin
 
Madammen met een bontjas
Madammen met een bontjasMadammen met een bontjas
Madammen met een bontjas
rcmuziek8
 
Systemgroup управление проектами.лучшие практики
Systemgroup управление проектами.лучшие практикиSystemgroup управление проектами.лучшие практики
Systemgroup управление проектами.лучшие практики
systemgroups
 
Adm 134 inglés intermedio
Adm 134   inglés intermedioAdm 134   inglés intermedio
Adm 134 inglés intermedio
Procasecapacita
 
「NPOマーケティングプログラム2012」プログラム概要
「NPOマーケティングプログラム2012」プログラム概要「NPOマーケティングプログラム2012」プログラム概要
「NPOマーケティングプログラム2012」プログラム概要
NPOサポートセンター
 

Destaque (20)

Hasil tes gel 1 reguler s1 keperawatan
Hasil tes gel 1 reguler s1 keperawatanHasil tes gel 1 reguler s1 keperawatan
Hasil tes gel 1 reguler s1 keperawatan
 
Tata Bahasa Indonesia [Mindmapping dan Landasan Teori]
Tata Bahasa Indonesia [Mindmapping dan Landasan Teori]Tata Bahasa Indonesia [Mindmapping dan Landasan Teori]
Tata Bahasa Indonesia [Mindmapping dan Landasan Teori]
 
Blog Forum Gdańsk 2012 | Monitoring popularności w Social Media. Czego ciekaw...
Blog Forum Gdańsk 2012 | Monitoring popularności w Social Media. Czego ciekaw...Blog Forum Gdańsk 2012 | Monitoring popularności w Social Media. Czego ciekaw...
Blog Forum Gdańsk 2012 | Monitoring popularności w Social Media. Czego ciekaw...
 
58 rea politica publica no brasil
58 rea politica publica no brasil58 rea politica publica no brasil
58 rea politica publica no brasil
 
Juego Ping Pong
Juego Ping Pong Juego Ping Pong
Juego Ping Pong
 
Marketing plan 2012
Marketing plan 2012Marketing plan 2012
Marketing plan 2012
 
аттестация1
аттестация1аттестация1
аттестация1
 
Givet newsletter n. 2
Givet   newsletter n. 2Givet   newsletter n. 2
Givet newsletter n. 2
 
Oficina de ambientação Moodle
Oficina de ambientação MoodleOficina de ambientação Moodle
Oficina de ambientação Moodle
 
International lifesaver
International lifesaverInternational lifesaver
International lifesaver
 
Madammen met een bontjas
Madammen met een bontjasMadammen met een bontjas
Madammen met een bontjas
 
Systemgroup управление проектами.лучшие практики
Systemgroup управление проектами.лучшие практикиSystemgroup управление проектами.лучшие практики
Systemgroup управление проектами.лучшие практики
 
Итоговый проект 11 в
Итоговый проект 11 вИтоговый проект 11 в
Итоговый проект 11 в
 
Adm 134 inglés intermedio
Adm 134   inglés intermedioAdm 134   inglés intermedio
Adm 134 inglés intermedio
 
Blog Forum Gdańsk 2014, Gdy bloger chce zostać pisarzem, Marcin Garliński
Blog Forum Gdańsk 2014, Gdy bloger chce zostać pisarzem, Marcin GarlińskiBlog Forum Gdańsk 2014, Gdy bloger chce zostać pisarzem, Marcin Garliński
Blog Forum Gdańsk 2014, Gdy bloger chce zostać pisarzem, Marcin Garliński
 
Akusma5
Akusma5Akusma5
Akusma5
 
Prověřovací cvičení SAR DOG 2011
Prověřovací cvičení  SAR DOG  2011Prověřovací cvičení  SAR DOG  2011
Prověřovací cvičení SAR DOG 2011
 
「NPOマーケティングプログラム2012」プログラム概要
「NPOマーケティングプログラム2012」プログラム概要「NPOマーケティングプログラム2012」プログラム概要
「NPOマーケティングプログラム2012」プログラム概要
 
Beach Soccer Law 18
Beach Soccer Law 18Beach Soccer Law 18
Beach Soccer Law 18
 
2 proverbs
2 proverbs2 proverbs
2 proverbs
 

Semelhante a Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12

Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
vales
 
21 de março - Poesia, Floresta, Árvore
21 de março - Poesia, Floresta, Árvore21 de março - Poesia, Floresta, Árvore
21 de março - Poesia, Floresta, Árvore
Dores Pinto
 

Semelhante a Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12 (20)

áLvaro.magalhães2014
áLvaro.magalhães2014áLvaro.magalhães2014
áLvaro.magalhães2014
 
áLvaro.magalhães2014
áLvaro.magalhães2014áLvaro.magalhães2014
áLvaro.magalhães2014
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
 
Antologia livro
Antologia   livroAntologia   livro
Antologia livro
 
Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
 
Orgasmo dos deuses e outros poemas
Orgasmo dos deuses e outros poemasOrgasmo dos deuses e outros poemas
Orgasmo dos deuses e outros poemas
 
Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014
 
21 de março - Poesia, Floresta, Árvore
21 de março - Poesia, Floresta, Árvore21 de março - Poesia, Floresta, Árvore
21 de março - Poesia, Floresta, Árvore
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
 
Uma lua de urano
Uma lua de uranoUma lua de urano
Uma lua de urano
 
Poesia 8 1
Poesia 8 1Poesia 8 1
Poesia 8 1
 
Nayara
NayaraNayara
Nayara
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
Livro ebook
Livro ebookLivro ebook
Livro ebook
 
Contemp setembro__10
Contemp  setembro__10Contemp  setembro__10
Contemp setembro__10
 
Contemp novembro__19
Contemp  novembro__19Contemp  novembro__19
Contemp novembro__19
 

Mais de BE ESGN

O Amor em postais_cartas_mensagens
O Amor em postais_cartas_mensagensO Amor em postais_cartas_mensagens
O Amor em postais_cartas_mensagens
BE ESGN
 
O Amor em postais _ cartas _ mensagens
O Amor em postais _ cartas _ mensagensO Amor em postais _ cartas _ mensagens
O Amor em postais _ cartas _ mensagens
BE ESGN
 
Dia dos namorados
Dia dos namoradosDia dos namorados
Dia dos namorados
BE ESGN
 
Regulamento faça lá um poema 2012
Regulamento faça lá um poema 2012Regulamento faça lá um poema 2012
Regulamento faça lá um poema 2012
BE ESGN
 
Halloween contest - 1st and 2nd prizes
Halloween contest - 1st and 2nd prizesHalloween contest - 1st and 2nd prizes
Halloween contest - 1st and 2nd prizes
BE ESGN
 
A leitura em Imagens
A leitura em ImagensA leitura em Imagens
A leitura em Imagens
BE ESGN
 
Acordo Ortográfico 1990, pelo Prof. Dr. Simão Cardoso e pela Prof.ª Dr.ª Feli...
Acordo Ortográfico 1990, pelo Prof. Dr. Simão Cardoso e pela Prof.ª Dr.ª Feli...Acordo Ortográfico 1990, pelo Prof. Dr. Simão Cardoso e pela Prof.ª Dr.ª Feli...
Acordo Ortográfico 1990, pelo Prof. Dr. Simão Cardoso e pela Prof.ª Dr.ª Feli...
BE ESGN
 
Ao apresentacao.scc.mfm aveiro
Ao apresentacao.scc.mfm aveiroAo apresentacao.scc.mfm aveiro
Ao apresentacao.scc.mfm aveiro
BE ESGN
 
Acordo ortográfico, por Simão Cardoso e Felicidade Morais
Acordo ortográfico, por Simão Cardoso e Felicidade MoraisAcordo ortográfico, por Simão Cardoso e Felicidade Morais
Acordo ortográfico, por Simão Cardoso e Felicidade Morais
BE ESGN
 
Acordo ortografico de_1990
Acordo ortografico de_1990Acordo ortografico de_1990
Acordo ortografico de_1990
BE ESGN
 

Mais de BE ESGN (20)

Direitos e deveres da criança
Direitos e deveres da criançaDireitos e deveres da criança
Direitos e deveres da criança
 
Sistemas reprodutores masculino e feminino/ regulação hormonal
Sistemas reprodutores masculino e feminino/ regulação hormonalSistemas reprodutores masculino e feminino/ regulação hormonal
Sistemas reprodutores masculino e feminino/ regulação hormonal
 
Sistemas reprodutores masculino e feminino/ regulação hormonal
Sistemas reprodutores masculino e feminino/ regulação hormonalSistemas reprodutores masculino e feminino/ regulação hormonal
Sistemas reprodutores masculino e feminino/ regulação hormonal
 
RBE 20 anos - Gaia - BE-AEGN
RBE 20 anos - Gaia - BE-AEGNRBE 20 anos - Gaia - BE-AEGN
RBE 20 anos - Gaia - BE-AEGN
 
Ilustrações do conto "Viver como as flores"
Ilustrações do conto "Viver como as flores"Ilustrações do conto "Viver como as flores"
Ilustrações do conto "Viver como as flores"
 
Amor arte
Amor arteAmor arte
Amor arte
 
Fernando Pessoa - homenagem
Fernando Pessoa - homenagemFernando Pessoa - homenagem
Fernando Pessoa - homenagem
 
Era uma vez 25 de abril
Era uma vez 25 de abrilEra uma vez 25 de abril
Era uma vez 25 de abril
 
O beijo na arte
O beijo na arteO beijo na arte
O beijo na arte
 
O mar na arte
O mar na arte O mar na arte
O mar na arte
 
O Amor em postais_cartas_mensagens
O Amor em postais_cartas_mensagensO Amor em postais_cartas_mensagens
O Amor em postais_cartas_mensagens
 
O Amor em postais _ cartas _ mensagens
O Amor em postais _ cartas _ mensagensO Amor em postais _ cartas _ mensagens
O Amor em postais _ cartas _ mensagens
 
Dia dos namorados
Dia dos namoradosDia dos namorados
Dia dos namorados
 
Regulamento faça lá um poema 2012
Regulamento faça lá um poema 2012Regulamento faça lá um poema 2012
Regulamento faça lá um poema 2012
 
Halloween contest - 1st and 2nd prizes
Halloween contest - 1st and 2nd prizesHalloween contest - 1st and 2nd prizes
Halloween contest - 1st and 2nd prizes
 
A leitura em Imagens
A leitura em ImagensA leitura em Imagens
A leitura em Imagens
 
Acordo Ortográfico 1990, pelo Prof. Dr. Simão Cardoso e pela Prof.ª Dr.ª Feli...
Acordo Ortográfico 1990, pelo Prof. Dr. Simão Cardoso e pela Prof.ª Dr.ª Feli...Acordo Ortográfico 1990, pelo Prof. Dr. Simão Cardoso e pela Prof.ª Dr.ª Feli...
Acordo Ortográfico 1990, pelo Prof. Dr. Simão Cardoso e pela Prof.ª Dr.ª Feli...
 
Ao apresentacao.scc.mfm aveiro
Ao apresentacao.scc.mfm aveiroAo apresentacao.scc.mfm aveiro
Ao apresentacao.scc.mfm aveiro
 
Acordo ortográfico, por Simão Cardoso e Felicidade Morais
Acordo ortográfico, por Simão Cardoso e Felicidade MoraisAcordo ortográfico, por Simão Cardoso e Felicidade Morais
Acordo ortográfico, por Simão Cardoso e Felicidade Morais
 
Acordo ortografico de_1990
Acordo ortografico de_1990Acordo ortografico de_1990
Acordo ortografico de_1990
 

Serão de Poesia : BE-ESOD / Deptº Línguas - 21/03/12

  • 1.
  • 2. um dizer ainda puro, Vasco Gato
  • 3. ESSÊNCIA Uma mão vazia Em que nada se pode ler, O reflexo de um dia Sem amanhecer, Um movimento sempre parado, Um Romeu nunca amado, Um olhar estático, Um poema nada enfático, Um actor pouco dramático, Um pássaro que não pia, Um observador que não via, Um poeta que não sente, Um político que mente, Um sábio sem ciência, Uma mnemónica que esqueci, Uma mãe sem paciência O perto ali... Tudo sem essência, É como eu sem ti. Maria João Rodrigues, 9º ano, Concurso de Poesia de Gaia Nascente, ESOD/1999-2000
  • 4. O TEU OLHAR O teu olhar, O mais belo que eu já vi, Vicia-me de maneira tal Que não penso em nada senão em ti... Brilhantes... Incandescentes... Os teus lindos olhos Encantam toda a gente! Sou incapaz de resistir A tão doce olhar... Não o consigo impedir, Quero-te amar! Miguel Nuno Rodrigues, 7º ano Concurso de Poesia de Gaia Nascente, ESOD/1999-2000
  • 5. VAIDADE Sonho que sou a Poetisa eleita, Aquela que diz tudo e tudo sabe, Que tem a inspiração pura e perfeita, Que reúne num verso a imensidade! Sonho que um verso meu tem claridade Para encher o mundo! E que deleita Mesmo aqueles que morrem de saudade! Mesmo os de alma profunda e insatisfeita! Sonho que sou Alguém cá neste mundo... Aquela de saber vasto e profundo, Aos pés de quem a Terra anda curvada! E quando mais no céu eu vou sonhando, E quando mais no alto ando voando, Acordo do meu sonho... E não sou nada!... Florbela Espanca, Sonetos
  • 6. NÃO POSSO ADIAR O AMOR Não posso adiar o amor para outro século não posso ainda que o grito sufoque na garganta ainda que o ódio estale e crepite e arda sob montanhas cinzentas e montanhas cinzentas Não posso adiar este abraço que é uma arma de dois gumes amor e ódio Não posso adiar ainda que a noite pese séculos sobre as costas e a aurora indecisa demore não posso adiar para outro século a minha vida nem o meu amor nem o meu grito de libertação Não posso adiar o coração A. Ramos Rosa, Viagem através duma Nebulosa
  • 7.
  • 8. Amanhecer, Tiago Aires , 8º ano Concurso de Poesia Interescolas de Gaia, ESOD/2010-2011
  • 9. Niños de todos los colores, adapt. Luísa Ducla Soares
  • 10. La cogida y la muerte, Frederico Garcia Lorca
  • 11.
  • 13. Funeral Blues, 1936 Stop all the clocks, cut off the telephone, prevent the dog from barking with a juicy bone, silence the pianos and, with muffled drums, bring out the coffin, let the mourners come. Let airplanes circle moaning overhead scribbling on the sky the message: he's dead. Put crepe-bows round the white necks of the public doves, let the traffic policemen wear black cotton gloves. He was my North, my South, my East and West, my working week, my Sunday rest, my noon, my midnight, my talk, my song. I thought that love would last forever; I was wrong. The stars are not wanted now, put out every one. Pack up the moon, dismantle the sun. Pull away the ocean and sweep up the wood. For nothing now can ever come to any good. W. H. Auden
  • 14. The road not taken, Robert Frost
  • 15.
  • 16. DIA DA ÁRVORE Cortaram uma árvore E a terra chorou Cortaram outra árvore E a terra chorou E tantas árvores mais... E a terra chorou Chorar tanto também cansa Quem pode enxugar as lágrimas Da terra cansada? Nem as mãos de uma criança... Matilde Rosa Araújo, Fadas Verdes
  • 17. SEGREDO Sei um ninho. E o ninho tem um ovo. E o ovo, redondinho, Tem lá dentro um passarinho Novo. Mas escusam de me atentar: Nem o tiro, nem o ensino. Quero ser um bom menino E guardar Este segredo comigo. E ter depois um amigo Que faça o pino A voar... Miguel Torga, Poesia Completa
  • 18. POEMA DA MINHA NATUREZA Crescem as flores no seu dever biológico, e as cores que patenteiam, por sua natureza, só podem ser aquelas, e não outras. Vermelhas, amarelas, cor de fogo, lilases, carmesins, azuis, violetas, assim, e só assim, tudo conforme a sua natureza. Ásperas são as folhas, macias, recortadas ou não, tudo conforme; e o aprumo como tal, ou rasteiras, ou leves, ou pesadas, animais. É como os tudo no seu dever, Em cada qual, por sua natureza, por sua natureza. todo o dever se cumpre. Comem, dejetam, dormem, fazem amor nas horas competentes, lutam, caçam, agridem, rosnam à Lua, trinam, assobiam, escondem-se, espreitam, fogem, amarinham, dançam, mudam de pele, agacham-se, disfarçam-se, tudo conforme a sua natureza. António Gedeão, Obra Completa Assim eu penso, e amo, e sofro, e vou andando.
  • 19. Descrever a beleza, Miguel Barbosa
  • 20. Frutos Eugénio de Andrade, Aquela Nuvem e Outra
  • 21. MISTÉRIOS DA ESCRITA Escrevi a palavra flor. Um girassol nasceu no deserto de papel. Era um girassol como é um girassol. Endireitou o caule, sacudiu as pétalas e perfumou o ar. Voltou a cabeça à procura do sol e deixou cair dois grãos de pólen sobre a mesa. Depois cresceu até ficar com a ponta de uma pétala fora da Natureza. Álvaro Magalhães, O Limpa-palavras e outros Poemas
  • 23. Todas as cartas de amor são…
  • 24. óleo de Carlos Alberto Santos O Mostrengo, Fernando Pessoa
  • 25.
  • 26. POEMA EM P A Paula pede a paz. Os pardais Os prédios os peixes as praias os pandas os pastos as plantas as pontes as pedras as piscinas pedem a paz. pedem a paz. Os palhaços O planeta os polícias pede a paz. os pintores os padeiros Políticos, os poetas não ponham na panela pedem a paz. a pomba da paz. Luísa Ducla Soares
  • 27. Ilustrações retiradas de http://www.google.pt/ - imagens