SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Câncer	de	Mama
Abordagem	da	Axila
Nilton	Caetano	da	Rosa
Cirurgia	Oncológica	- IACC
28/10/20
Introdução
• A dissecção dos linfonodos axilares é o padrão de atendimento para pacientes com
linfonodos clinicamente positivos.
• Está associada a linfedema e outras morbidades significativas
• A biópsia do linfonodo sentinela substituiu a avaliação axilar em pacientes
clinicamente negativos.
Caso	1
• AAMG Fem, 56a, natural de Benguela
• Dezembro 2018: Nódulo mama	D
• US	mama	10/2/19:	Nódulo hipoecoico 1,4x1,1cm	a	3,8cm	da	areola	e	1,3cm	da	pele localizado em JQL	- BIRADS	4
• MMG	10/12/18:	Nódulo em JQL	mama	D	– BIRADS	0	
• Core-Biopsy	12/2/19:	Carcinoma	invasivo,	G3,	IM	2/10		RE	30%		RP	neg		HER2	neg		Ki67	80%
Conduta	?
• Estadiamento clínico ?
• Que exames complementares solicitaria?
• Conduta Cirúrgica?
• Qual seria a Melhor abordagem para axila neste caso?
Estadiamento
• A cirurgia conservadora (ressecção segmentar da mama) com avaliação
do status linfonodal axilar pela técnica do LN sentinela deve ser considerada o
tratamento-padrão para todas as pacientes em estádios precoces
• Randomizou as pacientes com cirurgia conservadora e até dois LNs sentinelas
positivos para dissecção axilar ou observação.
• O estudo demonstrou que a omissão da dissecção axilar não aumentou de forma
significativa a recidiva local (p=0,11), a regional (p=0,45), a SLD (p=0,14) ou a
sobrevida global (SG) (p=0,25)
• Pacientes com tumores T1-2, clinicamente N0, com até dois LNs sentinelas
positivos e sem envolvimento extracapsular, tratadas com cirurgia conservadora
seguida de tratamento adjuvante sistêmico e radioterapia (RT) adjuvante não
necessitam de dissecção axilar.
• Pacientes com tumores < 5 cm e LN sentinela com envolvimento linfonodal microscópico (< 2 mm)
• Foram incluídas 934 mulheres, a maioria com T < 2 cm (67%), cirurgia conservadora em 75% dos casos,
• RE positivo 85%, RP positivo 75% e metástases linfonodais < 1 mm (67%).
• Com seguimento mediano de 49 meses, a SLD em 5 anos para aquelas que tiveram dissecção e sem
dissecção foi de 87,3 e 88,4%
• Pacientes tratadas com cirurgia conservadora (e que, portanto,
receberão RT adjuvante) e LN sentinela microscopicamente positivo
(≤ N1mi) não necessitam de dissecção axilar.
Caso	2
• NHP, Fem, 67a
• MARÇO 2016: Encaminhada por alteração de exame
• US mama Dezembro de 2015: BIRADS 4 - Mama esquerda nódulo irregular medindo 1,6 x 1,2 x 1,6cm QSM
• MMG Novembro de 2015: BIRADS 5 Nódulo irregular espiculado em QSM mama esquerda 4cm
• Core-Biopsy Mama esquerda: CDI mama esquerda G1 RE 95% RP 90% HER2 neg, Ki67 20%
• Exame fisico: Mama esquerda Nóduo de aproximadamente 4cm as 9/11h com retração de pele, sem edema // Axila
esquerda nódulo móvel 2cm
• Estadiamento ?
• Linfadenectomia Axilar?
• Pesquisa de Linfonodo Sentinela ?
• PAAF de Axila ?
• Nos casos de axila clinicamente suspeita, é recomendada a avaliação patológica
[punção aspirativa por agulha fina ou core biópsia orientada por ultrassonografia
(US)] dos linfonodos axilares.
Caso	3
• 45 A, FEM
• Ressecção segmentar de mama D + Sampling linfonodos nível I
• CDI mama direita margens livres
• LNS positivo
• Linfadenectomia	axilar	?
• Quimioterapia?
• Radioterapia	?
• RT da axila versus esvaziamento axilar em pacientes com LN sentinela positivo.
• Foram incluídas 4.806 mulheres em estádio clínico T1-2N0, das quais 1.425
(29,7%) apresentaram LN sentinela positivo (60% com micrometástases).
• Elas foram randomizadas para esvaziamento (744 pacientes) versus RT axilar (681
pacientes).
• Daquelas submetidas a esvaziamento axilar, 32,9% apresentavam outros LNs
comprometidos.
• Após seguimento mediano de 6,1 anos, a taxa de recorrência axilar foi 0,54% no
grupo do esvaziamento axilar versus1,03% no grupo da RT versus 0,8% no grupo
com LN sentinela negativo
• Pacientes com LN sentinela positivo não necessitam de esvaziamento axilar e
podem ser tratadas com RT.
• Considerando o resultado dos estudos ACOSOG Z0011 e IBCSG 23-01, o
impacto na prática clínica atual do estudo AMAROS é altamente questionável,
uma vez que este não conta com um braço sem esvaziamento axilar nem RT.
• Pode-se concluir que o esvaziamento axilar não é necessário nos casos que
apresentam as características das pacientes incluídas nessas séries

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler JúniorAnestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler JúniorSMA - Serviços Médicos de Anestesia
 
48 cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no t...
48   cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no t...48   cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no t...
48 cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no t...ONCOcare
 
Qual a extensão da linfadenectomia no adenocarcinoma do pâncreas
Qual a extensão da linfadenectomia no adenocarcinoma do pâncreasQual a extensão da linfadenectomia no adenocarcinoma do pâncreas
Qual a extensão da linfadenectomia no adenocarcinoma do pâncreasCirurgia Online
 
Eco fetal indicações - 1999
Eco fetal   indicações - 1999Eco fetal   indicações - 1999
Eco fetal indicações - 1999gisa_legal
 
15 o papel da radioterapia no câncer de pâncreas
15   o papel da radioterapia no câncer de pâncreas15   o papel da radioterapia no câncer de pâncreas
15 o papel da radioterapia no câncer de pâncreasONCOcare
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009Urovideo.org
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010Urovideo.org
 
Interrupção do Arco Aórtico - experiência de 8 anos
Interrupção do Arco Aórtico - experiência de 8 anosInterrupção do Arco Aórtico - experiência de 8 anos
Interrupção do Arco Aórtico - experiência de 8 anosgisa_legal
 
Artigo Científico sobre Efeitos das ondas de choque piezoelétricas em gordura...
Artigo Científico sobre Efeitos das ondas de choque piezoelétricas em gordura...Artigo Científico sobre Efeitos das ondas de choque piezoelétricas em gordura...
Artigo Científico sobre Efeitos das ondas de choque piezoelétricas em gordura...Tudo Belo Estética
 
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez SimõesEstratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez SimõesSMA - Serviços Médicos de Anestesia
 
Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitoneal
Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitonealLinfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitoneal
Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitonealUrovideo.org
 
Cateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical IntermitenteCateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical Intermitenteaverbeck
 

Mais procurados (15)

Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler JúniorAnestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
 
M-RECIST CHC
M-RECIST CHCM-RECIST CHC
M-RECIST CHC
 
48 cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no t...
48   cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no t...48   cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no t...
48 cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no t...
 
Cancer de mama-sergio_mendes-111105
Cancer de mama-sergio_mendes-111105Cancer de mama-sergio_mendes-111105
Cancer de mama-sergio_mendes-111105
 
Qual a extensão da linfadenectomia no adenocarcinoma do pâncreas
Qual a extensão da linfadenectomia no adenocarcinoma do pâncreasQual a extensão da linfadenectomia no adenocarcinoma do pâncreas
Qual a extensão da linfadenectomia no adenocarcinoma do pâncreas
 
Eco fetal indicações - 1999
Eco fetal   indicações - 1999Eco fetal   indicações - 1999
Eco fetal indicações - 1999
 
15 o papel da radioterapia no câncer de pâncreas
15   o papel da radioterapia no câncer de pâncreas15   o papel da radioterapia no câncer de pâncreas
15 o papel da radioterapia no câncer de pâncreas
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
 
Interrupção do Arco Aórtico - experiência de 8 anos
Interrupção do Arco Aórtico - experiência de 8 anosInterrupção do Arco Aórtico - experiência de 8 anos
Interrupção do Arco Aórtico - experiência de 8 anos
 
Artigo Científico sobre Efeitos das ondas de choque piezoelétricas em gordura...
Artigo Científico sobre Efeitos das ondas de choque piezoelétricas em gordura...Artigo Científico sobre Efeitos das ondas de choque piezoelétricas em gordura...
Artigo Científico sobre Efeitos das ondas de choque piezoelétricas em gordura...
 
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez SimõesEstratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
 
Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitoneal
Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitonealLinfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitoneal
Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitoneal
 
Estenose de jup
Estenose de jupEstenose de jup
Estenose de jup
 
Cateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical IntermitenteCateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical Intermitente
 

Semelhante a Câncer de de mama - Abordagem da axila

14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreasONCOcare
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioMateus Cornélio
 
Aula quimioterapia nao curativa hrvp internato 2011
Aula quimioterapia nao curativa hrvp internato 2011Aula quimioterapia nao curativa hrvp internato 2011
Aula quimioterapia nao curativa hrvp internato 2011Carlos Frederico Pinto
 
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoAnálise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoGlauson Chaves
 
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoAnálise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoGlauson Chaves
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaIsadora Ribeiro
 
34 tratamento adjuvante do câncer de testículo fatores prognósticos, esquem...
34   tratamento adjuvante do câncer de testículo fatores prognósticos, esquem...34   tratamento adjuvante do câncer de testículo fatores prognósticos, esquem...
34 tratamento adjuvante do câncer de testículo fatores prognósticos, esquem...ONCOcare
 
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02Claudia Tanaami
 
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerO Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Linfonodo sentinela em Carcinoma de mama
 Linfonodo sentinela em Carcinoma de mama Linfonodo sentinela em Carcinoma de mama
Linfonodo sentinela em Carcinoma de mamamedNuclearHuap
 
As neoplasias císticas constituem um
As neoplasias císticas constituem umAs neoplasias císticas constituem um
As neoplasias císticas constituem ummiltonwalter
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasBruno Cavalcante Costa
 
Clube de Revista CBC com Margens.pdf
Clube de Revista CBC com Margens.pdfClube de Revista CBC com Margens.pdf
Clube de Revista CBC com Margens.pdfBrunno Rosique
 

Semelhante a Câncer de de mama - Abordagem da axila (20)

Rm mamas
Rm mamasRm mamas
Rm mamas
 
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mamaRadioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
 
Neoplasia gástrica, o papel do oncologista clinico
Neoplasia gástrica,   o papel do oncologista clinicoNeoplasia gástrica,   o papel do oncologista clinico
Neoplasia gástrica, o papel do oncologista clinico
 
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
 
CBC com Margem.pdf
CBC com Margem.pdfCBC com Margem.pdf
CBC com Margem.pdf
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de Ovário
 
Aula quimioterapia nao curativa hrvp internato 2011
Aula quimioterapia nao curativa hrvp internato 2011Aula quimioterapia nao curativa hrvp internato 2011
Aula quimioterapia nao curativa hrvp internato 2011
 
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologia
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologiaHighlights xvii congresso brasileiro de mastologia
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologia
 
Mastectomia
MastectomiaMastectomia
Mastectomia
 
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoAnálise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
 
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoAnálise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benigna
 
34 tratamento adjuvante do câncer de testículo fatores prognósticos, esquem...
34   tratamento adjuvante do câncer de testículo fatores prognósticos, esquem...34   tratamento adjuvante do câncer de testículo fatores prognósticos, esquem...
34 tratamento adjuvante do câncer de testículo fatores prognósticos, esquem...
 
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
 
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerO Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
 
Linfonodo sentinela em Carcinoma de mama
 Linfonodo sentinela em Carcinoma de mama Linfonodo sentinela em Carcinoma de mama
Linfonodo sentinela em Carcinoma de mama
 
As neoplasias císticas constituem um
As neoplasias císticas constituem umAs neoplasias císticas constituem um
As neoplasias císticas constituem um
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Clube de Revista CBC com Margens.pdf
Clube de Revista CBC com Margens.pdfClube de Revista CBC com Margens.pdf
Clube de Revista CBC com Margens.pdf
 

Mais de Idalecio de Oliveira

Aula teorica - Métodos de Imagem para Avaliacao do abdómen
Aula teorica - Métodos de Imagem para Avaliacao do abdómenAula teorica - Métodos de Imagem para Avaliacao do abdómen
Aula teorica - Métodos de Imagem para Avaliacao do abdómenIdalecio de Oliveira
 
Conduta em lesoes Mamárias atipicas
Conduta em lesoes Mamárias atipicasConduta em lesoes Mamárias atipicas
Conduta em lesoes Mamárias atipicasIdalecio de Oliveira
 
Câncer de mama - Diagnóstico, Estadiamento e conduta
Câncer de mama - Diagnóstico, Estadiamento e condutaCâncer de mama - Diagnóstico, Estadiamento e conduta
Câncer de mama - Diagnóstico, Estadiamento e condutaIdalecio de Oliveira
 

Mais de Idalecio de Oliveira (6)

Aula teorica - Métodos de Imagem para Avaliacao do abdómen
Aula teorica - Métodos de Imagem para Avaliacao do abdómenAula teorica - Métodos de Imagem para Avaliacao do abdómen
Aula teorica - Métodos de Imagem para Avaliacao do abdómen
 
Abd agudo. radiologico pdf
Abd agudo. radiologico pdfAbd agudo. radiologico pdf
Abd agudo. radiologico pdf
 
Sepse Abdominal
Sepse AbdominalSepse Abdominal
Sepse Abdominal
 
Abdomen Agudo Perfurativo.pptx
Abdomen Agudo Perfurativo.pptxAbdomen Agudo Perfurativo.pptx
Abdomen Agudo Perfurativo.pptx
 
Conduta em lesoes Mamárias atipicas
Conduta em lesoes Mamárias atipicasConduta em lesoes Mamárias atipicas
Conduta em lesoes Mamárias atipicas
 
Câncer de mama - Diagnóstico, Estadiamento e conduta
Câncer de mama - Diagnóstico, Estadiamento e condutaCâncer de mama - Diagnóstico, Estadiamento e conduta
Câncer de mama - Diagnóstico, Estadiamento e conduta
 

Último

relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 

Último (10)

relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 

Câncer de de mama - Abordagem da axila

  • 2. Introdução • A dissecção dos linfonodos axilares é o padrão de atendimento para pacientes com linfonodos clinicamente positivos. • Está associada a linfedema e outras morbidades significativas • A biópsia do linfonodo sentinela substituiu a avaliação axilar em pacientes clinicamente negativos.
  • 3. Caso 1 • AAMG Fem, 56a, natural de Benguela • Dezembro 2018: Nódulo mama D • US mama 10/2/19: Nódulo hipoecoico 1,4x1,1cm a 3,8cm da areola e 1,3cm da pele localizado em JQL - BIRADS 4 • MMG 10/12/18: Nódulo em JQL mama D – BIRADS 0 • Core-Biopsy 12/2/19: Carcinoma invasivo, G3, IM 2/10 RE 30% RP neg HER2 neg Ki67 80%
  • 4. Conduta ? • Estadiamento clínico ? • Que exames complementares solicitaria? • Conduta Cirúrgica? • Qual seria a Melhor abordagem para axila neste caso?
  • 6.
  • 7. • A cirurgia conservadora (ressecção segmentar da mama) com avaliação do status linfonodal axilar pela técnica do LN sentinela deve ser considerada o tratamento-padrão para todas as pacientes em estádios precoces
  • 8.
  • 9. • Randomizou as pacientes com cirurgia conservadora e até dois LNs sentinelas positivos para dissecção axilar ou observação. • O estudo demonstrou que a omissão da dissecção axilar não aumentou de forma significativa a recidiva local (p=0,11), a regional (p=0,45), a SLD (p=0,14) ou a sobrevida global (SG) (p=0,25)
  • 10. • Pacientes com tumores T1-2, clinicamente N0, com até dois LNs sentinelas positivos e sem envolvimento extracapsular, tratadas com cirurgia conservadora seguida de tratamento adjuvante sistêmico e radioterapia (RT) adjuvante não necessitam de dissecção axilar.
  • 11. • Pacientes com tumores < 5 cm e LN sentinela com envolvimento linfonodal microscópico (< 2 mm) • Foram incluídas 934 mulheres, a maioria com T < 2 cm (67%), cirurgia conservadora em 75% dos casos, • RE positivo 85%, RP positivo 75% e metástases linfonodais < 1 mm (67%). • Com seguimento mediano de 49 meses, a SLD em 5 anos para aquelas que tiveram dissecção e sem dissecção foi de 87,3 e 88,4%
  • 12. • Pacientes tratadas com cirurgia conservadora (e que, portanto, receberão RT adjuvante) e LN sentinela microscopicamente positivo (≤ N1mi) não necessitam de dissecção axilar.
  • 13. Caso 2 • NHP, Fem, 67a • MARÇO 2016: Encaminhada por alteração de exame • US mama Dezembro de 2015: BIRADS 4 - Mama esquerda nódulo irregular medindo 1,6 x 1,2 x 1,6cm QSM • MMG Novembro de 2015: BIRADS 5 Nódulo irregular espiculado em QSM mama esquerda 4cm • Core-Biopsy Mama esquerda: CDI mama esquerda G1 RE 95% RP 90% HER2 neg, Ki67 20% • Exame fisico: Mama esquerda Nóduo de aproximadamente 4cm as 9/11h com retração de pele, sem edema // Axila esquerda nódulo móvel 2cm
  • 14. • Estadiamento ? • Linfadenectomia Axilar? • Pesquisa de Linfonodo Sentinela ? • PAAF de Axila ?
  • 15. • Nos casos de axila clinicamente suspeita, é recomendada a avaliação patológica [punção aspirativa por agulha fina ou core biópsia orientada por ultrassonografia (US)] dos linfonodos axilares.
  • 16. Caso 3 • 45 A, FEM • Ressecção segmentar de mama D + Sampling linfonodos nível I • CDI mama direita margens livres • LNS positivo
  • 18. • RT da axila versus esvaziamento axilar em pacientes com LN sentinela positivo. • Foram incluídas 4.806 mulheres em estádio clínico T1-2N0, das quais 1.425 (29,7%) apresentaram LN sentinela positivo (60% com micrometástases).
  • 19. • Elas foram randomizadas para esvaziamento (744 pacientes) versus RT axilar (681 pacientes). • Daquelas submetidas a esvaziamento axilar, 32,9% apresentavam outros LNs comprometidos. • Após seguimento mediano de 6,1 anos, a taxa de recorrência axilar foi 0,54% no grupo do esvaziamento axilar versus1,03% no grupo da RT versus 0,8% no grupo com LN sentinela negativo
  • 20. • Pacientes com LN sentinela positivo não necessitam de esvaziamento axilar e podem ser tratadas com RT. • Considerando o resultado dos estudos ACOSOG Z0011 e IBCSG 23-01, o impacto na prática clínica atual do estudo AMAROS é altamente questionável, uma vez que este não conta com um braço sem esvaziamento axilar nem RT. • Pode-se concluir que o esvaziamento axilar não é necessário nos casos que apresentam as características das pacientes incluídas nessas séries