Briefing E Campanha PublicitáRia] criaçao

5.621 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.621
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
85
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Briefing E Campanha PublicitáRia] criaçao

  1. 1. [Briefing e Campanha Publicitária][Maus tratos familiares, violencia domestica]<br />Trabalho realizado por:<br />Nuno Monteiro nº 7720<br />Nuno Granada nº 7584<br />Ricardo Filipe nº 7613<br />Micael Lourenço nº 7722<br />
  2. 2. Cliente: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV).<br />A Instituição: A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima é uma instituição particular de solidariedade social, sem fins lucrativos e de voluntariado que apoia de forma individualizada vítimas de crime, através da prestação de serviços gratuitos e confidenciais, ao nível jurídico, psicológico e social. Foi fundada no ano de 1990 e a sua sede situa-se sem Lisboa. A APAV dirige uma rede de Gabinetes de Apoio à Vítima presentes em 15 localidades portuguesas: Albufeira, Braga, Cascais, Coimbra, Faro, Lisboa, Loulé, Odivelas, Ponta Delgada, Porto, Portimão, Santarém, Setúbal, Tavira e Vila Real.<br />
  3. 3. OBJECTIVOS DA INSTITUIÇÃO<br />Promovera protecção e o apoio a vítimas de infracções penais através da informação, do atendimento personalizado e de um encaminhamento a nível do apoio moral, social, jurídico, psicológico e económico;<br />Colaborar com as competentes entidades da administração da justiça, policiais, de segurança social, da saúde, bem como as autarquias locais, regiões autónomas e outras entidades públicas ou particulares, na defesa e exercício efectivo dos direitos e interesses da vítima de infracções penais e respectivas famílias;<br />Incentivar e promover a solidariedade social através da formação e gestão de redes de cooperadores voluntários e do mecenato social, assim como da mediação vítima delinquente;<br />Fomentar e patrocinar a realização de investigação e de estudos sobre os problemas da vítima, para a mais adequada satisfação dos seus interesses;<br />Promover e participar em programas, projectos e acções de informação e sensibilização da opinião pública;<br />Contribuir para a adopção de medidas legislativas, regulamentares e administrativas, facilitadoras da defesa, protecção e apoio à vítima de infracções penais, com vista à prevenção dos riscos de vitimação e atenuação dos seus efeitos;<br />Estabelecer contactos com organismos internacionais e colaborar com entidades que em outros países prosseguem fins análogos. <br />
  4. 4. A CAMPANHA<br />“Quer manter este silencio?!”<br />
  5. 5. OBJECTIVOS DA CAMPANHA<br />Fazer com que as vitimas se apercebam de que ao não denunciarem o crime estarão constantemente sujeitas a novas agressões;<br />Apaziguar a violência e insegurança;<br />Sensibilizar as pessoas vítimas de maus-tratos familiares a apresentar queixa e incentivá-las a recorrer às entidades competentes.<br />
  6. 6. A estratégia:<br />- O spot na televisão;<br />- O spot na rádio;<br />- O cartaz.<br />
  7. 7. O spot na televisão<br />Interagir com pessoas que tenham conhecimento de vítimas de maus tratos, para que estas últimas façam a denúncia;<br />Informar as pessoas sobre a problemática da violência doméstica;<br />Entrar de tal forma no emotivo de quem tem problemas deste tipo, que faça com que tomem a atitude de lutar pela sua liberdade.<br />
  8. 8. TESTEMUNHOS NA RÁDIO<br />O que procuramos com este tipo de iniciativa?<br />Mais uma vez pretendemos provocar o choque no ouvinte. Este spot é feito seguindo a linearidade do televisivo, pretendemos conseguir incutir nos ouvintes que são vítimas de maus tratos, o sentimento de esperança.<br />Os relatos que pretendemos passar nos spots são casos de sucesso, para que sirvam de exemplo às pessoas que estejam com dúvidas entre pedir ajuda e não pedir, que ao tomar uma decisão não hesitem. O pensamento é: “se ele conseguiu, então, eu também consigo lutar pela minha liberdade.”<br />Não vamos deixar de mencionar casos de insucesso por falta de apoio. Casos de arrependimento em que o interlocutor apela para que, se alguém estiver na situação pela qual ele passou, procure auxílio rapidamente, para a história dele não se tornar na história de outros. <br />
  9. 9. O CARTAZ<br />

×