Aula 1 questões - qualidade

561 visualizações

Publicada em

Qualidade ambiental, vários temas, vários autores

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
561
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 1 questões - qualidade

  1. 1. Questões gerais da Engenharia Ambiental 1. (ENADE 2008) Nos últimos anos, a utilização de processos biotecnológicos para a recuperação de áreas degradadas tem ganhado impulso significativo. Um caso específico é o emprego do processo de biorremediação para a recuperação de áreas poluídas como, por exemplo, os solos dos aterros sanitários. Tendo como referência inicial as informações acima, faça o que se pede a seguir. A) Defina biorremediação. B) Explique o princípio de funcionamento da técnica de biorremediação. 2. (ENADE 2008) A legislação ambiental vigente no país visa a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida e, para tanto, contempla como principal instrumento de controle ambiental o licenciamento ambiental. Considerando essas informações, faça o que se pede a seguir. A) Defina licenciamento ambiental. B) Cite e descreva sucintamente os diversos tipos de licenças ambientais, considerando abordagem no âmbito federal. 3. (ENADE 2008) O tratamento dos resíduos sólidos consiste basicamente de uma série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor desses resíduos. Entre as diversas opções de tratamento disponíveis, inclui-se a compostagem. A partir das informações dadas, faça o que se pede a seguir. A) Defina compostagem. B) Descreva, sucintamente, as características e a possível utilização do composto orgânico produzido pela compostagem de lixo domiciliar. 4. A superfície terrestre apresenta, em toda sua extensão, uma grande diversidade de habitats em função da variação do clima, distribuição de nutrientes, topografia etc., que também leva a uma grande variedade de seres vivos. Devido a esse fato podemos dividir nosso planeta em regiões de grande extensão. Esses grandes ecossistemas são denominados BIOMAS e distribuem-se na superfície terrestre. Cite alguns desses biomas ou grandes ecossistemas brasileiros: 5. A presença da água é fundamental para a existência de vida no planeta. A maior parte da água doce encontra-se em locais de difícil extração (calota polar e subsolo). A água na atmosfera mostra-se em porcentagem ínfima. Porém, devemos ter em mente que, ao longo de um ano, muita água circula na região da ecosfera. De forma resumida o ciclo da água passo pelos seguintes processos: Detenção; Escoamento superficial; Infiltração; Escoamento subterrâneo; Evapotraspiração; Evaporação e Precipitação. Explique o que ocorre em cada um desses processos. 6. Os recursos energéticos ditos primários são classificados em renováveis e não-renováveis Entre as principais fontes de energias utilizadas pelo homem para o desenvolvimento de suas atividades cite: três fontes renováveis e três fontes não-renováveis apresentando a forma de obtenção desse tipo de energia. 7. A eutrofização é o enriquecimento das águas com nutrientes necessários ao crescimento da vida vegetal aquática. É um processo natural dentro da sucessão ecológica dos ecossistemas. A eutrofização natural é um processo demorado, associado ao tempo de evolução dos ecossistemas. No entanto, esse processo vem se acelerando pela intervenção humana em lagos cujas bacias sofrem ocupação de atividades industriais, agrícolas ou zonas urbanas. Quais são as conseqüências da eutrofização acelerada e quais as formas de controle da eutrofização.
  2. 2. 8. O empobrecimento do solo e a perda de seu potencial produtivo traduzem o preço que a sociedade paga pela ocorrência da erosão na área rural. Nas áreas urbanas o custo social da erosão pode ser medido pelos gastos privados e públicos para a restauração de cursos de água que recebem o material erodido e para calçar e refazer edificações e vias destruídas ou ameaçadas de desabamento. Cite as causas mais conhecidas de erosão e quais seriam os meios de prevenção, controle e correção. 9. Os animais podem se tornar importantes aliados para o homem como indicadores ambientais, podendo indicar várias modificações ocorridas no meio ambiente, mostrando quando há produtos tóxicos no solo, na água ou no ar. Formule exemplos desses bioindicadores. 10.Os processos de enchentes e inundações têm como fatores condicionantes os fatores naturais e antrópicos. A freqüência de ocorrência depende da tipologia e da dinâmica do escoamento superficial. Entre os fatores condicionantes a enchentes e inundações exemplifique os fatores naturais e os fatores antrópicos. 11.O Impacto ambiental pode ser definido como qualquer alteração no meio ambiente em um ou mais de seus componentes provocados por uma ação humana. Neste sentido o impacto ambiental pode se positivo ou negativo. Dê Exemplos de Impactos ambientais que pode ser causado por uma ação humana que implique em: Supressão de certos elementos do ambiente; Inserção de certos elementos no ambiente e Sobrecarga. Padrão de Respostas A. Biorremediação consiste na utilização de seres vivos ou seus componentes na recuperação de áreas contaminadas. Geralmente são processos que empregam microrganismos ou suas enzimas para degradar compostos poluentes. B. A tecnologia ou técnica da biorremediação é baseada em processos nos quais ocorrem reações bioquímicas mediadas por microrganismos. Em geral, um composto orgânico quando é oxidado perde elétrons para um aceptor final de elétrons, que é reduzido (ganha elétrons). O oxigênio comumente atua como aceptor final de elétrons quando presente e a oxidação de compostos orgânicos com a redução do oxigênio molecular é chamada de respiração aeróbia heterotrófica. No entanto, quando o oxigênio não está presente, microrganismos podem usar compostos orgânicos ou íons inorgânicos como aceptores finais de elétrons alternativos, condições estas chamadas de anaeróbias. A biodegradação anaeróbia pode ocorrer pela desnitrificação, redução do ferro, redução do sulfato ou condições metanogênicas. No caso de aterros sanitários, adota-se a biorremediação in situ, que é realizada no próprio local, sem que haja remoção de material contaminado. Isto evita custos e distúrbios ambientais associados com o movimento de solos e águas que estão contaminados para outros locais destinados ao tratamento. Os produtos finais de uma biorremediação efetiva são água e gás carbônico, que não apresentam toxicidade e podem ser incorporados ao ambiente sem prejuízo aos organismos vivos. A. Licenciamento ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades que utilizam recursos ambientais, considerados efetiva ou potencialmente poluidores ou daqueles que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis ao caso. B. A legislação ambiental (art. 1º, da Resolução CONAMA nº 237/1997) prevê três tipos de licença ambiental: a) Licença Prévia, que é concedida na fase preliminar do planejamento de atividade, contendo requisitos básicos a serem atendidos nas fases de localização, instalação e operação; b) Licença de Instalação, que autoriza o início da implantação, de acordo com as especificações constantes do
  3. 3. Projeto Executivo aprovado; e c) Licença de Operação (LO): após as verificações necessárias, autoriza o início da atividade licenciada e o funcionamento de seus equipamentos de controle de poluição, de acordo com o previsto nas Licenças Prévia e de Instalação. A. Compostagem é um processo aeróbio, baseado na decomposição biológica controlada, proporcionada pela manutenção de condições adequadas de umidade e aeração do material orgânico, que tem por objetivo a transformação de resíduos orgânicos em material mais estável (humificado). Quando não há controle do processo (aeração e fornecimento adequado de água) obtém-se uma decomposição ordinária que geralmente se dá em meio anaeróbio, podendo, nesse caso, ser denominada putrefação. B. O composto orgânico produzido após a compostagem do material orgânico tem como principais características a presença de húmus e nutrientes minerais. Esse material, quando aplicado ao solo, pode torná-lo mais poroso, aumentar sua capacidade de retenção de água, além de disponibilizar nutrientes para as plantas. Os nutrientes disponibilizados em maior quantidade pelo composto orgânico são nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre. O composto orgânico pode ser utilizado, associado ou não a fertilizantes químicos, na adubação de qualquer cultura agrícola, na correção da acidez do solo e na recuperação de áreas degradas e/ou erodidas. BIOMAS BRASILEIROS: Biomas Litorâneos – com um litoral muito extenso, o Brasil possui diversos tipos de biomas nestas áreas. Na região Norte destacam-se as matas de várzea e os mangues no litoral Amazônico. No Nordeste, há a presença de restingas, falésias e mangues. No Sudeste destacam-se a vegetação de mata Atlântica e também os mangues, embora em pouca quantidade. Já no sul do país, temos os costões rochosos e manguezais. - Caatinga – presente na região do sertão nordestino (clima semi-árido), caracteriza-se por uma vegetação de arbustos de porte médio, secos e com galhos retorcidos. Há também a presença de ervas e cactos. - Campos – presente em algumas áreas da região Norte (Amazonas, Pará e Roraima) e também no Rio Grande do Sul. A vegetação dos campos caracteriza-se pela presença de pequenos arbustos, gramíneas e herbáceas. - Cerrado – este bioma é encontrado nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins. Com uma rica biodiversidade, caracteriza-se pela presença de gramíneas, arbustos e árvores retorcidas. As plantas possuem longas raízes para retirar água e nutrientes em profundidades maiores. - Floresta Amazônica – é considerada a maior floresta tropical do mundo com uma rica biodiversidade. Está presente na região norte (Amazonas, Roraima, Acre, Rondônia, Amapá, Maranhão e Tocantins). É o habitat de milhares de espécies vegetais e animais. Caracteriza-se pela presença de árvores de grande porte, situadas bem próximas umas das outras (floresta fechada). Como o clima na região é quente e úmido, as árvores possuem folhas grandes e largas. - Mata dos Pinhais – também conhecida como Mata de Araucárias, em função da grande presença da Araucária angustifolia neste bioma. Presente no sul do Brasil, caracteriza-se pela presença de pinheiros, em grande quantidade (floresta fechada). O clima característico é o subtropical. - Mata Atlântica – neste bioma há a presença de diversos ecossistemas. No passado, ocupou quase toda região litorânea brasileira. Com o desmatamento, foi perdendo terreno e hoje ocupa somente 7% da área original. Rica biodiversidade, com presença de diversas espécies animais e vegetais. A floresta é fechada com presença de árvores de porte médio e alto. - Mata de Cocais – presente, principalmente, na região norte dos estados do Maranhão, Tocantins e Piauí. Por se tratar de um bioma de transição, apresenta características da Floresta Amazônica, Cerrado e da Caatinga. Presença de palmeiras com folhas grandes e finas. As árvores mais comuns são: carnaúba, babaçu e buriti. - Pantanal – este bioma está presente nos estados de Mato-Grosso e Mato-Grosso do Sul. Algumas regiões do pantanal sofrem alagamentos durante os períodos de chuvas. Presença de gramíneas, arbustos e palmeiras. Nas regiões que sofrem inundação, há presença de árvores de floresta tropical.
  4. 4. CICLO DA ÁGUA - Detenção: parte da precipitação fica retida na vegetação, depressões do terreno e construções. Essa massa de água retorna à atmosfera pela ação da evaporação ou penetra no solo pela infiltração. Escoamento superficial: Constituído pela água que escoa sobre o solo, fluindo para locais de altitudes inferiores, até atingir um corpo d’água como um rio, fluindo para locais de altitudes inferiores, até atingir um corpo d’água como rio, lago ou oceano. A água que compõe o escoamento superficial pode também sofrer infiltração para as camadas superiores do solo, ficar retida ou sofrer evaporação. Infiltração: a água infiltrada pode sofrer evaporação, ser utilizada pela vegetação, escoar ao longo da camada superior do solo ou alimentar o lençol de água subterrâneo. Escoamento subterrâneo: constituído por parte da água infiltrada na camada superior do solo, sendo bem mais lento que o escoamento superficial. Parte desse escoamento alimenta os rios e os lagos, além de ser responsável pela manutenção desses corpos durante épocas de estiagem. Evapotranspiração: parte da água existente no solo que é utilizada pela vegetação e eliminada pelas folhas na forma de vapor. Evaporação: em qualquer das fases descritas anteriormente, a água pode voltar à atmosfera na forma de vapor, reiniciando o ciclo hidrológico. Precipitação: água que cai sobre o solo ou sobre um corpo d’água. RECURSOS ENERGÉTICOS - As fontes de energia, assim como todos os recursos minerais que o homem utiliza, podem ser de dois tipos: as renováveis, isto é, que podem ser aproveitadas indefinidamente, tais como a biomassa, a energia hidráulica, a solar, a dos ventos, etc; e as não - renováveis, constituídas pelos recursos que existem em quantidades limitada no planeta e tendem a esgotar-se, como é o caso do petróleo, do carvão mineral, do urânio e do xisto betuminoso. Não-Renováveis - Os combustíveis fósseis são fontes não-renováveis de energia: não é possível repor o que gastamos. Em algum momento vão acabar e podem ser necessários milhões de anos de evolução semelhante para poder contar novamente com eles. São aqueles cujas reservas são limitadas e estão sendo devastadas com a utilização. As principais são a energia nuclear e os combustíveis fósseis (petróleo, gás natural e carvão). Os combustíveis fósseis podem ser usados na forma sólida (carvão), líquida (petróleo) ou gasosa (gás natural). Segundo a teoria mais aceita, foram formados por acumulações de seres vivos que viveram há milhões de anos e que foram fossilizados formando carvão ou hidrocarboneto. No caso do carvão se trata de bosques e florestas nas zonas húmidas e, no caso do petróleo e do gás natural de grandes massas de plâncton acumuladas no fundo de bacias marinhas ou lacustres. Em ambos os casos, a matéria orgânica foi parcialmente decomposta, pela ação da temperatura, pressão e certas bactérias, na ausência de oxigênio, de forma que foram armazenadas moléculas com ligações de alta energia. Energia nuclear: Os núcleos atômicos de elementos pesados como o urânio, podem ser desintegrados (fissão nuclear ou fusão nuclear) e liberar energia radiante e cinética. Usinas termonucleares usam essa energia para produzir eletricidade utilizando turbinas a vapor. Uma conseqüência da atividade de produção deste tipo de energia, são os resíduos nucleares, que podem levar milhares de anos para perder a radioatividade. Renováveis - Os combustíveis renováveis são combustíveis que usam como matéria-prima elementos renováveis para a natureza, como a cana-de-açúcar, utilizada para a fabricação do álcool e também de vários outros vegetais como a mamona utilizado para a fabricação do biodiesel ou outros óleos vegetais que podem ser usados diretamente em motores diesel com algumas adaptações. Energia Hidráulica: A energia hidroelétrica é a energia que se produz em barragens construídas em cursos de água. É encontrada sob a forma de energia cinética, sob diferenças de temperatura ou gradientes de salinidade e que pode ser aproveitada e utilizada. As centrais hidroelétricas aproveitam a energia dos rios para funcionar uma turbina que move um gerador elétrico. Biomassa: O resíduo da cana-de-açúcar pode ser usado como biocombustível. A energia da biomassa é a energia que se obtém durante a transformação de produtos de origem animal e vegetal para a produção de energia calorífica e elétrica. Na transformação de resíduos orgânicos é possível obter biocombustíveis, como o biogás, o bioálcool e o biodiesel. A formação de biomassa a partir de energia solar é realizada pelo processo denominado fotossíntese, pelas plantas que, por sua vez, está acionando a cadeia biológica. Energia solar: Estes coletores solares parabólicos concentram a radiação solar aumentando a temperatura no receptor. Os painéis fotovoltaicos convertem diretamente a energia luminosa em energia elétrica. A energia solar é aquela energia obtida pela luz do Sol, pode ser captada com painéis solares. É uma fonte de vida e de origem da maioria das outras formas de energia na Terra. A cada ano a radiação solar trazida para a terra leva energia equivalente a vários milhares de vezes a quantidade de energia consumida pela humanidade. Escolhendo uma boa radiação solar, esta pode ser transformada em outras formas de energia como calor
  5. 5. ou eletricidade usando painéis solares. Energia eólica: A energia eólica é a energia obtida pela ação do vento, ou seja, através da utilização da energia cinética gerada pelas correntes aéreas. Energia geotérmica: A energia geotérmica é a energia do interior da Terra. A geotermia consiste no aproveitamento de águas quentes e vapores para a produção de eletricidade e calor. Energia maremotriz: A energia dos mares é a energia que se obtém a partir do movimento das ondas, a das marés ou da diferença de temperatura entre os níveis da água do mar. Energia do Hidrogênio: A energia do hidrogênio é a energia que se obtém da combinação do hidrogênio com o oxigênio produzindo vapor de água e libertando energia que é convertida em eletricidade. EUTROFIZAÇÃO – A eutrofização acelerada é causada pelo aporte de fósforo que provém principalmente das seguintes fontes: Esgotos domésticos; esgotos industriais; fertilizantes agrícolas. Outros fatores que interferem na ocorrência da eutrofização são a radiação solar e a temperatura. As principais conseqüências da eutrofização acelerada podem ser entendidas quando se examina o desequilíbrio ecológico que ocorre no lago onde ocorre: excesso de nutrientes; aumento de biomassa vegetal; diminuição do processo de aeração superficial; morte de organismos sensíveis à redução da concentração de oxigênio; aumento da demanda bioquímica de oxigênio; condições anaeróbias no hipolímnio e predomínio de bactérias anaeróbias e facultativas no fundo do lago. Ocorrência de uma estreita camada superficial de algas macrófitas. Formas de controle que podem ser divididas em duas categorias: Medidas preventivas- visam reduzir a carga externa de nutrientes limitante. Fontes pontuais: retirada de nutrientes por meio de tratamento terciário do esgoto doméstico; e tratamento de efluentes industriais. Fontes difusas: redução do uso de fertilizantes agrícolas; recomposição de matas ciliares; e controle da drenagem urbana. Medidas corretivas – atuam sobre os processos de circulação de nutrientes no lago e sobre o ecossistema. Aeração da camada inferior dos lagos para manter o fósforo na sua forma insolúvel; precipitação química do fósforo; redução da biomassa vegetal por meio da colheita de macrófitas, por exemplo, e remoção do sedimento do fundo. EROSÃO - São várias as maneiras pelas quais pode ser classificada a erosão. Além da erosão urbana e rural, que se diferenciam tanto pelas causas como pelos efeitos, é comum distinguir-se a erosão geológica ou lenta da acelerada. A primeira processa-se de modo inexorável sob a ação dos agentes naturais; a segunda ocorre como uma conseqüência da ação do homem sobre o solo. As partículas do solo são carregadas pela água à proporção da pluviosidade e da declividade do terreno e à proporção do tempo de replantio ou rebrota assim como a rarefação do cultivo de substituição implantado. A monocultura sem a reposição de nutrientes esgota o solo, reduzindo sua produtividade primária, e conseqüentemente, a cobertura vegetal protetora, e modifica suas propriedades físicas de resistência à erosão. Podendo-se chegar à sua total e rápida esterilização e eventual desertificação. Prevenção, Controle e Correção: A aplicação de medidas corretivas visando a recuperação de solos degradados pela erosão continua sendo de viabilidade restrita a situações muito peculiares e localizadas. Quando a erosão restringe-se à laminar ou a pequenos sulcos, de tal modo que a camada de solo removida ainda é delgada , permanecendo à superfície os horizontes superiores, pode-se recorrer ao plantio de vegetação e à correção da drenagem que se deu início à formação de sulcos para que o ecossistema alcance um novo equilíbrio, repondo a fertilidade e produtividade primária do solo. Nos demais casos, principalmente quando se manifesta a erosão regressiva (boçorocas ou voçorocas), os investimentos corretivos necessários só são financeiramente possíveis e economicamente justificáveis quando se destinam a recuperar terras produtivas altamente valorizadas e de pequena extensão ou a proteger áreas ameaçadas de ser destruídas pela erosão.As medidas preventivas, muito mais eficazes e de custo social bem mais reduzido, existem em maior número. As limitações à sua aplicação decorrem não de restrições financeiras ou de complexidades técnicas, mas das dificuldades próprias de as sociedades menos desenvolvidas política e socialmente manterem mecanismos legais, institucionais e administrativos capazes de ordenar a ocupação e uso do solo, estimular a aplicação de técnicas ambientalmente adequadas e impedir as que ponham em risco os recursos do patrimônio privado e público. Nas áreas rurais Bioindicadores ou indicadores biológicos são seres vivos que ajudam a identificar diversas modificações que ocorrem no ambiente antes que estas se agravem. Suas funções vitais se relacionam tão estreitamente com determinados fatores ambientais, podendo ser utilizados na avaliação da qualidade ambiental de uma determinada área. Os anfíbios, especialmente os anuros (sapos, rãs e pererecas), são
  6. 6. verdadeiros sensores ambientais. Ao menor desequilíbrio em seus habitats naturais reduzem sua capacidade reprodutiva, podendo-se observar o rápido desaparecimento de populações. Um dos motivos da sensibilidade dos anfíbios à saúde do meio ambiente está relacionado aos seus diversos modos reprodutivos. Há espécies que depositam seus ovos em meio aquático (água corrente ou parada); em meio semi-aquático (em ninhos de espumas flutuantes ou na vegetação acima d'água); ou ainda em ambiente terrestre, no solo da mata. Os anuros possuem glândulas de veneno sob a pele que os protegem de predadores. Não dispõe de meios para injetar venenos que produzem. Os acidentes com seres humanos somente acontecem se as substâncias tóxicas entram em contato com as mucosas ou sangue. Definição de enchentes e inundações: Enchentes ou cheia pode ser definida como elevação temporária do nível d’água em um canal de drenagem devida ao aumento da vazão ou descarga. Inundação pode ser definida como o fenômeno de extravasamento das águas do canal de drenagem para as áreas marginais (planície de inundação, várzea ou leito maior do rio) quando as enchente atinge cota acima do nível máximo da calha principal do rio. Fatores naturais podem ser: Climáticos (pluviometria) e; geomorfológicos (relevo, tamanho e forma da calha e dos vales, gradiente hidráulico do rio). Fatores antrópicos: principalmente em área urbanas, têm sido grande determinante da ocorrência de enchentes e inundações, são eles: desmatamento; exposição dos terrenos a erosão, o que provoca por sua vez o assoreamento dos cursos de água; intervenção nos cursos de água; ocupação desordenada dos terrenos marginais dos cursos de água. Impacto ambiental pode ser caudado por uma ação humana que implique: Supressão de certos elementos do ambiente, a exemplo: supressão de componentes do ecossistema, como a vegetação; destruição completa de habitat (por exemplo, aterramento de um mangue); supressão de elementos significativos do ambiente construído etc. Inserção de certos elementos no ambiente, a exemplo: introdução de uma espécie exótica; introdução de componentes construídos (por exemplo, barragens, rodovias etc). Sobrecarga (introdução de fatores de estresse além da capacidade de suporte do meio, gerando desequilíbrio) a exemplo de: qualquer poluente; introdução de uma espécie exótica (por exemplo, coelhos na Austrália); redução do habitat ou da disponibilidade de recursos para uma dada espécie (exemplo: impactos dos elefantes BA áfrica ) Diversas bibliografias consultadas

×