SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
MÉTODOS DE PASTEJO
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO – UFRPE
UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA – UAST
Mestranda: Aurielle Silva Medeiros
Serra Talhada - PE
Outubro, 2015
MÉTODOS DE PASTEJO
• Seleção de técnicas para a locação do rebanho e o controle da sua
lotação.
• Os objetivos são:
• Melhorar a eficiência de pastejo,
• Diminuir o estresse na pastagem,
• Melhorar a uniformidade de pastejo e
• Reduzir custos com a manutenção da pastagem.
MÉTODOS DE PASTEJO
• Lotação contínua
Os animais ficam na área todo o tempo
 Período de descanso zero
 Ganho/animal
• Lotação intermitente/rotativa
 Pastagem dividida em piquetes
 Período de ocupação e de descanso controlados
Ganho/área
LOTAÇÃO CONTÍNUA
• Prioriza o ganho/animal (> área disponível para pastejo por animal)
• Grandes criações extensivas
• < investimento em instalações e equipamentos
• > seletividade dos animais
• Distribuição irregular do pastejo, fezes e urina.
• Manejo inadequado
• Excesso de forragem
• A distribuição das aguadas, cochos e sombreamento devem evitar o
pastejo desuniforme.
LOTAÇÃO CONTÍNUA FIXA
• VANTAGENS
Baixa necessidade de mão-de-obra qualificada;
Investimento inicial pequeno.
• DESVANTAGENS
Pastejo seletivo, irregular e com baixa eficiência;
Favorece a entrada de plantas invasoras em áreas superpastejadas;
Aumenta a incidência de pragas devido ao mau pastejo e acúmulo de esterco em
certos locais;
Aumenta a degradação da área por perda de solo (erosões) e lixiviação de
nutrientes;
Diminui a capacidade de lotação por unidade de área.
LOTAÇÃO CONTÍNUA VARIÁVEL
• VANTAGENS
Baixa necessidade de mão-de-obra qualificada;
Investimento inicial pequeno;
Algum controle sobre a pastagem, porém pequeno.
• DESVANTAGENS
O produtor deve manter uma área da fazenda subutilizada em determinada época;
A qualidade da pastagem subutilizada é menor, exigindo uma suplementação dos
animais para adequado desempenho;
Apresenta desuniformidade de consumo de pastagem na área (menor do que o
anterior, porém ainda considerável).
LOTAÇÃO INTERMITENTE/ROTATIVA
• Períodos de descansos
Nº de piquetes
Período de ocupação
NP = (35/7) + 1 = 6
• Tamanho de cada piquete
A área necessária/UA/dia no piquete
Depende da forrageira e do nível tecnológico adotado
Varia de 150 m2, para os menos produtivos a 30 m2, para os mais
produtivos.
Área de piquete = Nº UA x Área/UA x tempo pastejo
• Área do piquete
Área total = nº de piquetes x tamanho de cada piquete
LOTAÇÃO INTERMITENTE/ROTATIVA
• A carga animal pode ser FIXA ou VARIÁVEL
• > investimento em instalações e equipamentos
• < seletividade animal;
• Mais uniformidade na distribuição do pastejo, fezes e
urina.
• O período de ocupação de um piquete deve ser curto o
bastante para que a forragem não seja raleada 2x no
mesmo pastejo.
• Divisão dos animais de acordo com as exigências
nutricionais
LOTAÇÃO INTERMITENTE/ROTATIVA
• Métodos de pastejo em lotação rotacionado, de acordo com o
manejo adequado para cada situação:
 Lotação rotacionada com um grupo de animais
 Lotação rotacionada com dois grupos de animais
 Lotação em faixas
 Creep "grazing"
 Lotação protelada ou diferida.
LOTAÇÃO ROTACIONADA COM UM GRUPO DE ANIMAIS
• Intensidade de pastejo (altura).
• Disponibilidade de forragem
no início do pastejo de cada
piquete e ao final.
• O número de piquetes
Inviabilidade do investimento
Retorno abaixo do obtido com
recuperação ou renovação da
pastagem
LOTAÇÃO ROTACIONADA COM DOIS GRUPOS DE ANIMAIS
• Animais de diferentes categorias
• O primeiro grupo de animais com > exigência
nutricional pasteja na frente
 disponibilidade inicial de forragem
 ingestão de nutriente
 > Seletividade
 > Produção animal.
• O segundo grupo de animais com menores
exigências consumirá o que sobrou.
LOTAÇÃO EM FAIXAS
• Acesso dos animais a uma área (faixa) limitada
que ainda não foi pastejada.
• Cercas móveis (preferencialmente elétricas), que
impedem o retorno dos animais as áreas
pastejadas anteriormente.
• O tamanho de cada faixa é calculado para
fornecer aos animais a quantidade de forragem
que necessitam por dia.
• Recomendado para animais leiteiros de
produção elevada, utilizando forrageiras que
apresentem elevado valor nutritivo.
• Menor variação de um dia para o outro na
qualidade da dieta ingerida, estabiliza a
produção e qualidade do leite na propriedade.
CREEP "GRAZING"
• Pequena área contendo forragem de melhor
qualidade do que aquela onde as vacas são
mantidas.
• Não exige gastos elevados
• Aumento no ganho/bezerro
• Melhora na condição da vaca
LOTAÇÃO PROTELADA OU DIFERIDA
• A pastagem é deixada em descanso, geralmente
durante o final do período das chuvas.
• Ressemeadura da pastagem, como reserva de
alimentos para o período de seca.
• O objetivo é permitir que as espécies mais
palatáveis se recuperem e aumentem sua
capacidade de competição com as espécies
menos desejadas.
• Qualidade da pastagem diferida
• Tempo de diferimento x desenvolvimento da
planta
LOTAÇÃO INTERMITENTE/ROTATIVA
• VANTAGENS
• Maior controle sobre a qualidade e quantidade das pastagens;
• Permite uma maior produção por unidade de área;
• Evita a subutilização de áreas;
• Exige uma menor área em relação ao pastejo contínuo para o mesmo rebanho.
• DESVANTAGENS
• Alta necessidade de mão-de-obra qualificada;
• Maior custo de implantação;
• Alta necessidade de aplicação de tecnologias produtivas (suplementação, por
exemplo) para manter os altos níveis produtivos;
• Menor tolerância à falhas de manejo.
QUAL O MELHOR MÉTODO DE PASTEJO?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6. sistemas de criação
6. sistemas de criação6. sistemas de criação
6. sistemas de criação
rafaeladp
 
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Pbsmal
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
garciagotaeficiente
 

Mais procurados (20)

Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
 
6. sistemas de criação
6. sistemas de criação6. sistemas de criação
6. sistemas de criação
 
Ovinos
OvinosOvinos
Ovinos
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
Dimensionamento de silos
Dimensionamento de silosDimensionamento de silos
Dimensionamento de silos
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
 
Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.
 
Manejo De Pastagens
Manejo De PastagensManejo De Pastagens
Manejo De Pastagens
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Aula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamentoAula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamento
 

Semelhante a Métodos de pastejo

gado de leite instalação.infraestrutura, alimentação
gado de leite instalação.infraestrutura, alimentaçãogado de leite instalação.infraestrutura, alimentação
gado de leite instalação.infraestrutura, alimentação
cleber16
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
Moicano Jason
 
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantaçãoPastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Rural Pecuária
 
2º tour técnico abs fl-ga 2011
2º tour técnico abs   fl-ga 20112º tour técnico abs   fl-ga 2011
2º tour técnico abs fl-ga 2011
Katya_C
 

Semelhante a Métodos de pastejo (20)

Aula3 bov
Aula3 bovAula3 bov
Aula3 bov
 
Aulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.pptAulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.ppt
 
gado de leite instalação.infraestrutura, alimentação
gado de leite instalação.infraestrutura, alimentaçãogado de leite instalação.infraestrutura, alimentação
gado de leite instalação.infraestrutura, alimentação
 
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptxAula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
 
Projeto-gado-leite-instalcoes-Marcelli-Oliveira (1).pdf
Projeto-gado-leite-instalcoes-Marcelli-Oliveira (1).pdfProjeto-gado-leite-instalcoes-Marcelli-Oliveira (1).pdf
Projeto-gado-leite-instalcoes-Marcelli-Oliveira (1).pdf
 
AulaMétodo de pastejo.ppt
AulaMétodo de pastejo.pptAulaMétodo de pastejo.ppt
AulaMétodo de pastejo.ppt
 
Tatielly
Tatielly Tatielly
Tatielly
 
Pastos egas 11
Pastos egas 11Pastos egas 11
Pastos egas 11
 
Aulapastejo.ppt
Aulapastejo.pptAulapastejo.ppt
Aulapastejo.ppt
 
Apresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteirosApresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteiros
 
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdfManejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
 
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pdf
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pdfAula 1 - Sistemas de produção - thon.pdf
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pdf
 
Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
 
Bovino de corte
Bovino de corteBovino de corte
Bovino de corte
 
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantaçãoPastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
 
2º tour técnico abs fl-ga 2011
2º tour técnico abs   fl-ga 20112º tour técnico abs   fl-ga 2011
2º tour técnico abs fl-ga 2011
 
2º Tour Técnico ABS 2011
2º Tour Técnico ABS 20112º Tour Técnico ABS 2011
2º Tour Técnico ABS 2011
 
03 bencke
03 bencke03 bencke
03 bencke
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Métodos de pastejo

  • 1. MÉTODOS DE PASTEJO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO – UFRPE UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA – UAST Mestranda: Aurielle Silva Medeiros Serra Talhada - PE Outubro, 2015
  • 2. MÉTODOS DE PASTEJO • Seleção de técnicas para a locação do rebanho e o controle da sua lotação. • Os objetivos são: • Melhorar a eficiência de pastejo, • Diminuir o estresse na pastagem, • Melhorar a uniformidade de pastejo e • Reduzir custos com a manutenção da pastagem.
  • 3. MÉTODOS DE PASTEJO • Lotação contínua Os animais ficam na área todo o tempo  Período de descanso zero  Ganho/animal • Lotação intermitente/rotativa  Pastagem dividida em piquetes  Período de ocupação e de descanso controlados Ganho/área
  • 4. LOTAÇÃO CONTÍNUA • Prioriza o ganho/animal (> área disponível para pastejo por animal) • Grandes criações extensivas • < investimento em instalações e equipamentos • > seletividade dos animais • Distribuição irregular do pastejo, fezes e urina. • Manejo inadequado • Excesso de forragem • A distribuição das aguadas, cochos e sombreamento devem evitar o pastejo desuniforme.
  • 5. LOTAÇÃO CONTÍNUA FIXA • VANTAGENS Baixa necessidade de mão-de-obra qualificada; Investimento inicial pequeno. • DESVANTAGENS Pastejo seletivo, irregular e com baixa eficiência; Favorece a entrada de plantas invasoras em áreas superpastejadas; Aumenta a incidência de pragas devido ao mau pastejo e acúmulo de esterco em certos locais; Aumenta a degradação da área por perda de solo (erosões) e lixiviação de nutrientes; Diminui a capacidade de lotação por unidade de área.
  • 6. LOTAÇÃO CONTÍNUA VARIÁVEL • VANTAGENS Baixa necessidade de mão-de-obra qualificada; Investimento inicial pequeno; Algum controle sobre a pastagem, porém pequeno. • DESVANTAGENS O produtor deve manter uma área da fazenda subutilizada em determinada época; A qualidade da pastagem subutilizada é menor, exigindo uma suplementação dos animais para adequado desempenho; Apresenta desuniformidade de consumo de pastagem na área (menor do que o anterior, porém ainda considerável).
  • 7. LOTAÇÃO INTERMITENTE/ROTATIVA • Períodos de descansos Nº de piquetes Período de ocupação NP = (35/7) + 1 = 6 • Tamanho de cada piquete A área necessária/UA/dia no piquete Depende da forrageira e do nível tecnológico adotado Varia de 150 m2, para os menos produtivos a 30 m2, para os mais produtivos. Área de piquete = Nº UA x Área/UA x tempo pastejo • Área do piquete Área total = nº de piquetes x tamanho de cada piquete
  • 8. LOTAÇÃO INTERMITENTE/ROTATIVA • A carga animal pode ser FIXA ou VARIÁVEL • > investimento em instalações e equipamentos • < seletividade animal; • Mais uniformidade na distribuição do pastejo, fezes e urina. • O período de ocupação de um piquete deve ser curto o bastante para que a forragem não seja raleada 2x no mesmo pastejo. • Divisão dos animais de acordo com as exigências nutricionais
  • 9. LOTAÇÃO INTERMITENTE/ROTATIVA • Métodos de pastejo em lotação rotacionado, de acordo com o manejo adequado para cada situação:  Lotação rotacionada com um grupo de animais  Lotação rotacionada com dois grupos de animais  Lotação em faixas  Creep "grazing"  Lotação protelada ou diferida.
  • 10. LOTAÇÃO ROTACIONADA COM UM GRUPO DE ANIMAIS • Intensidade de pastejo (altura). • Disponibilidade de forragem no início do pastejo de cada piquete e ao final. • O número de piquetes Inviabilidade do investimento Retorno abaixo do obtido com recuperação ou renovação da pastagem
  • 11. LOTAÇÃO ROTACIONADA COM DOIS GRUPOS DE ANIMAIS • Animais de diferentes categorias • O primeiro grupo de animais com > exigência nutricional pasteja na frente  disponibilidade inicial de forragem  ingestão de nutriente  > Seletividade  > Produção animal. • O segundo grupo de animais com menores exigências consumirá o que sobrou.
  • 12. LOTAÇÃO EM FAIXAS • Acesso dos animais a uma área (faixa) limitada que ainda não foi pastejada. • Cercas móveis (preferencialmente elétricas), que impedem o retorno dos animais as áreas pastejadas anteriormente. • O tamanho de cada faixa é calculado para fornecer aos animais a quantidade de forragem que necessitam por dia. • Recomendado para animais leiteiros de produção elevada, utilizando forrageiras que apresentem elevado valor nutritivo. • Menor variação de um dia para o outro na qualidade da dieta ingerida, estabiliza a produção e qualidade do leite na propriedade.
  • 13. CREEP "GRAZING" • Pequena área contendo forragem de melhor qualidade do que aquela onde as vacas são mantidas. • Não exige gastos elevados • Aumento no ganho/bezerro • Melhora na condição da vaca
  • 14. LOTAÇÃO PROTELADA OU DIFERIDA • A pastagem é deixada em descanso, geralmente durante o final do período das chuvas. • Ressemeadura da pastagem, como reserva de alimentos para o período de seca. • O objetivo é permitir que as espécies mais palatáveis se recuperem e aumentem sua capacidade de competição com as espécies menos desejadas. • Qualidade da pastagem diferida • Tempo de diferimento x desenvolvimento da planta
  • 15. LOTAÇÃO INTERMITENTE/ROTATIVA • VANTAGENS • Maior controle sobre a qualidade e quantidade das pastagens; • Permite uma maior produção por unidade de área; • Evita a subutilização de áreas; • Exige uma menor área em relação ao pastejo contínuo para o mesmo rebanho. • DESVANTAGENS • Alta necessidade de mão-de-obra qualificada; • Maior custo de implantação; • Alta necessidade de aplicação de tecnologias produtivas (suplementação, por exemplo) para manter os altos níveis produtivos; • Menor tolerância à falhas de manejo.
  • 16. QUAL O MELHOR MÉTODO DE PASTEJO?