SlideShare uma empresa Scribd logo
PLANEJAMENTO FORRAGEIRO: TÉCNICAS PARA AUMENTO DA PRODUÇÃO OVINA 
Andréia Luciane Moreira 
Dra. PqC Polo Alta Sorocabana/APTA Produção Animal e Pastagens, aluciane@apta.sp.gov.br 
Eidi Yoshihara 
Dr. PqC Polo Alta Sorocabana/APTA Sanidade Animal, 
eidi@apta.sp.gov.br 
Rosana Ressa Aguiar 
BSc / Universidade Tecnológica Federal do Paraná / UTFPR Administração, rosana.ressa@gmail.com 
A estacionalidade da produção forrageira é um dos principais problemas a se solucionar no sistema de exploração de ovinos a pasto. O período de escassez coincide com o frio invernal, que limita a produção do pasto pela falta de umidade e causa a insuficiência de nutrientes que muitas vezes não atendem as exigências de manutenção dos ovinos. Assim, uma ovinocultura eficiente e viável é dependente do crescimento natural das forrageiras e de sua conservação adequada, revelando de grande importância a reserva de alimentos para suplementação dos animais no período crítico, visando minimizar os efeitos negativos da escassez de forragem no desempenho animal. Todo produtor deve fixar o conceito de planejamento forrageiro, no qual se busca a oferta constante de alimentos e sempre acima da necessidade dos animais. Dessa forma, a produtividade e o desempenho genético do rebanho serão sempre maximizados. Fazer um bom planejamento forrageiro significa produzir volumosos durante o ano todo para o rebanho, sendo na forma de pastagens, na forma de alimento conservado (silagens, fenos, pré-secados) ou em capineiras.
www.aptaregional.sp.gov.br 
ISSN 2316-5146 
Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 
A busca pelo menor custo de produção em produtos de origem animal tem sido direcionada para utilização racional de todos os recursos alimentares disponíveis, e o setor produtivo vem buscando alternativas de fontes alimentares com menor custo, tendo como destaque a utilização da cana de açúcar, de resíduos de colheita de culturas anuais e de subprodutos da agroindústria. O objetivo deste artigo é de relatar as alternativas existentes para o planejamento forrageiro e cada um será abordado com suas especificidades e particularidades nos artigos posteriores. As alternativas de utilização de forragem para um planejamento forrageiro são: 1. Silagem A ensilagem é um processo de conservação que tem como objetivo final preservar o valor nutritivo da forragem com o mínimo de perdas. No processo os carboidratos solúveis são convertidos em ácidos orgânicos pela ação de microorganismos, uma vez que encontrado o ambiente ideal proliferam e criam condições adequadas à conservação. Muitas culturas podem ser preservadas na forma de silagem, dependendo do tipo de animal a ser alimentado, da expectativa de produção, do maquinário disponível, dos tipos de solos e dos locais de cultivo. Culturas ricas em energia como o milho e o sorgo, têm sido usadas, sendo o milho considerado a melhor forrageira para este fim. Outras forrageiras como alfafa, sorgo forrageiro, girassol, cana, forrageiras de inverno, mistura de gramíneas com leguminosas, também são usadas, mas, dependendo do grau de limitação para a fermentação anaeróbia, podem requerer artifícios para redução do teor de umidade ou complementaridade do teor de carboidratos.
www.aptaregional.sp.gov.br 
ISSN 2316-5146 
Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 
Fonte: propackms.com.br Figura 1. Silagem de milho 2. Feno 
O processo de fenação envolve remoção de grande quantidade de água da planta. De um modo geral uma forrageira durante a fase de crescimento vegetativo, em condições normais de umidade no solo, apresenta 75 a 85% de água (15 a 25% de matéria seca), durante a fase de floração cerca de 65 a 75% de água e na fase de sementes maduras, cerca de 55%. 
O estágio de crescimento da planta é o que determina o seu valor nutritivo. Plantas forrageiras durante o crescimento vegetativo apresentam alto valor nutritivo e à medida que passa do crescimento vegetativo para o reprodutivo (floração) este valor decresce acentuadamente. Contudo cortar uma planta muito jovem não é interessante, pois a produção de matéria seca cresce segundo o modelo sigmoidal com a idade da planta e ainda por ela conter um teor de água muito elevado. 
Nesse sentido a produção de feno de alta qualidade requer pelo menos que duas condições sejam satisfeitas: a forragem a ser cortada deve ser de boa qualidade e a secagem deve ser feita com a perda mínima de nutrientes, que se consegue por meio de secagem rápida que leva a planta à sua inatividade. 
O processo de secagem começa quando a planta é cortada. Alterações mecânicas no tecido da planta aumentam a taxa de secagem pela ruptura dos tecidos (células) facilitando o movimento da água e aumentando a superfície de evaporação. Portanto, secagem mais rápida determinará menores perdas na respiração e conseqüentemente obtêm-se uma forragem conservada com valor nutritivo mais elevado.
www.aptaregional.sp.gov.br 
ISSN 2316-5146 
Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 
As gramíneas mais indicadas par a fenação, geralmente são as mesmas indicadas para a formação das pastagens para ovinos. As leguminosas normalmente apresentam maior qualidade em relação às gramíneas, mas dentro de cada grupo de plantas a uma variação muito grande no valor nutritivo. Fonte: Dos autores Figura 2. Feno de capim Tifton 85 3. Capineiras Nada mais é que uma pequena área, cultivada com gramíneas de elevada capacidade de produção, que quando em seu ponto ótimo de produtividade e valor nutritivo, dever ser cortada e picada para o fornecimento de forragem verde no cocho para os animais. Quando bem utilizada minimiza a escassez de forragem no período seco, refletindo positivamente sobre o desempenho do rebanho. Para que a capineira proporcione resultados satisfatórios, o produtor deve seguir várias práticas, que vão desde sua formação até o manejo adequado. As gramíneas mais utilizadas para capineiras são o capim elefante e a cana de açúcar que apresentam comumente elevado potencial de produção, facilidade de multiplicação, alta aceitabilidade pelos animais, resistência a pragas e doenças, relativa resistência a seca, porém é sensível a geada.
www.aptaregional.sp.gov.br 
ISSN 2316-5146 
Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 
Fonte: Fagundes, J.L. Figura 3. Capineira de capim elefante 4. Bancos de proteína As leguminosas contribuem para melhorar a qualidade da dieta, porém, sua adoção em pastagens consorciadas ou bancos de proteína tem sido limitado devido à pequena oferta de cultivares, insucessos no passado e problemas de persistência Trata-se de um sistema integrado, onde uma parte da área da pastagem é reservada para o plantio de uma leguminosa forrageira de alto valor nutritivo, com a função de complementar a dieta animal em regime de pastejo. As forrageiras mais utilizadas são Leucena, Cunhã, Guandú, Juazeiro e Carqueja. Os bancos de proteína têm como finalidade o estocamento de forragem rica em proteína, para suprir os animais ao longo do ano, em todas as fases de produção dos ovinos. Essa aplicação pode ser resgatada a qualquer momento e são especialmente valiosas na estação seca, quando a forragem, principalmente as gramíneas, apresenta baixo teor de proteínas. A formação dos bancos de proteína deve estar em um ponto central da pastagem, facilitando o acesso dos animais à área, e evitando a construção de corredores na pastagem. A vantagem é que, nesse sistema, a proteína é produzida dentro da propriedade, eliminando os custos com aquisição de tortas e farelos. Além disso, ele contribui para que haja
www.aptaregional.sp.gov.br 
ISSN 2316-5146 
Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 
economia com mão de obra, já que não será necessário preparar rações, viabilizando a redução de investimentos com equipamentos e gastos com energia. Fonte: Dos Autores Figura 4. Banco de proteína de feijão guandú 5. Subprodutos das agroindústrias No Brasil são produzidas grandes quantidades de resíduos e subprodutos da agroindústria com potencial de uso na alimentação animal, podendo contribuir para diminuição do custo de produção e reduzir problemas com armazenamento gerado pelas fontes produtoras. A disponibilidade é dependente da região onde se encontra as indústrias. Podem ser encontrados resíduos de algodão, polpa cítrica, resíduos de cervejaria, subprodutos da soja, mandioca, farelo proteinoso de milho, resíduo de tomate, subprodutos do pinhão manso, girassol. São encontradas em forma de caroço, torta, farelo, casca da semente.
www.aptaregional.sp.gov.br 
ISSN 2316-5146 
Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 
Fonte: Dos Autores Figura 5. Subproduto - Farelo de soja 6. Sobressemeadura da pastagem 
A técnica da sobressemeadura de forrageiras de inverno em áreas formadas com espécies perenes de clima tropical associada à irrigação é uma alternativa a ser considerado com vistas a aumentar a produção e sua distribuição estacional e, principalmente, o valor nutritivo da forragem durante a estação fria e seca do ano. 
Dos aspectos desejáveis à utilização de plantas forrageiras, a distribuição uniforme da produção de forragem durante o ano é um dos atributos mais procurados pelos produtores, assim a sobressemeadura provoca aumento substancial tanto na quantidade como na qualidade da forragem, podendo alterar a distribuição da produção durante o ano, com a redução da necessidade de alimentação suplementar dos animais nesse período. 
A mistura de espécies forrageiras anuais de inverno visa combinar os picos de produção de matéria seca que são alcançados em diferentes épocas, de acordo com a espécie, resultando no aumento da produção e do período de utilização da pastagem e melhoria da qualidade da forragem disponível. Tem-se observada redução da incidência de plantas invasoras nas áreas de gramíneas tropicais sobressemeadas com forrageiras anuais de inverno, bem como uma recuperação mais rápida do crescimento das gramíneas durante a primavera, em decorrência do manejo, da irrigação e da aplicação de fertilizantes nas áreas durante o inverno.
www.aptaregional.sp.gov.br 
ISSN 2316-5146 
Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 
Fonte: Dos Autores Figura 6. Área de pastagem de capim Tifton 85 sobressemeada com aveia preta Considerações finais O planejamento forrageiro deve ser visto com muita seriedade pelo produtor e é indispensável o uso de alguma alternativa nas condições ambientais brasileiras. Portanto, existe sim, técnicas que podem ser implementadas pelo produtor, mas que, se não for planejada, no decorrer do ano, proporcionará somente o insucesso da produção de ovinos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
Marília Gomes
 
Cm aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Cm   aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)Cm   aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Cm aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Camila Moresco
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Rômulo Alexandrino Silva
 
Mel
MelMel
Sistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastorilSistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastoril
Vanderlei Holz Lermen
 
Introdução a apicultura
Introdução a apicultura Introdução a apicultura
Introdução a apicultura
Renata Almeida Freitas
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Ibá – Indústria Brasileira de Árvores
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Marília Gomes
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
velton12
 
Aula prática 2 determinação da matéria seca dos
Aula prática 2    determinação da matéria seca dosAula prática 2    determinação da matéria seca dos
Aula prática 2 determinação da matéria seca dos
stefanie alvarenga
 
Aula de Minerais - alimentos e alimentação
Aula de Minerais - alimentos e alimentaçãoAula de Minerais - alimentos e alimentação
Aula de Minerais - alimentos e alimentação
Marília Gomes
 
Manejo de pastagem 1
Manejo de pastagem 1Manejo de pastagem 1
Manejo de pastagem 1
GETA - UFG
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
Evaldo Potma
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Universidade de São Paulo
 
Processamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalProcessamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetal
saraerthal
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
matheush
 
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári..."Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
UNDP Policy Centre
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Cm aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Cm   aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)Cm   aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
Cm aula 2 - processamento de frutas e hortalização (processo minimo)
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Mel
MelMel
Mel
 
Sistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastorilSistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastoril
 
Introdução a apicultura
Introdução a apicultura Introdução a apicultura
Introdução a apicultura
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
 
Aula prática 2 determinação da matéria seca dos
Aula prática 2    determinação da matéria seca dosAula prática 2    determinação da matéria seca dos
Aula prática 2 determinação da matéria seca dos
 
Aula de Minerais - alimentos e alimentação
Aula de Minerais - alimentos e alimentaçãoAula de Minerais - alimentos e alimentação
Aula de Minerais - alimentos e alimentação
 
Manejo de pastagem 1
Manejo de pastagem 1Manejo de pastagem 1
Manejo de pastagem 1
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
 
Processamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalProcessamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetal
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári..."Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 

Semelhante a Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina

Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Rural Pecuária
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
Lenildo Araujo
 
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de OvinosUtilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Rural Pecuária
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
Guilherme MartinsCosta
 
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
Produção de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinosProdução de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinos
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
MauroWagnerdeOliveir
 
A Importância da Melhoria da Produtividade e Qualidade dos Volumosos em Siste...
A Importância da Melhoria da Produtividade e Qualidade dos Volumosos em Siste...A Importância da Melhoria da Produtividade e Qualidade dos Volumosos em Siste...
A Importância da Melhoria da Produtividade e Qualidade dos Volumosos em Siste...
Rural Pecuária
 
Uso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageiraUso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageira
Patricia Epifanio
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
Temistocles Jaques
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
Rural Pecuária
 
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucessoProdução e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Rural Pecuária
 
Aula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentarAula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentar
Marco Antonio Sousa
 
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Sorgo.pdf
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Sorgo.pdfSistema-de-Producao-Cultivo-do-Sorgo.pdf
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Sorgo.pdf
amaurirosalino
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Idesam
 
Abc da agricultura como alimentar enxames
Abc da agricultura como alimentar enxamesAbc da agricultura como alimentar enxames
Abc da agricultura como alimentar enxames
Lenildo Araujo
 
Manejo de pastagem
Manejo de pastagemManejo de pastagem
Manejo de pastagem
LarissaFerreira258
 
Coprodutos na alimentação de ovinos
Coprodutos na alimentação de ovinosCoprodutos na alimentação de ovinos
Coprodutos na alimentação de ovinos
Rural Pecuária
 
Girassol: Biodiesel / torta
Girassol: Biodiesel / tortaGirassol: Biodiesel / torta
Girassol: Biodiesel / torta
Leidiane Fernandes
 
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdfAula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
eriksilva4587
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
mvezzone
 

Semelhante a Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina (20)

Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
 
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de OvinosUtilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
 
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
Produção de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinosProdução de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinos
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
 
A Importância da Melhoria da Produtividade e Qualidade dos Volumosos em Siste...
A Importância da Melhoria da Produtividade e Qualidade dos Volumosos em Siste...A Importância da Melhoria da Produtividade e Qualidade dos Volumosos em Siste...
A Importância da Melhoria da Produtividade e Qualidade dos Volumosos em Siste...
 
Uso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageiraUso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageira
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucessoProdução e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
 
Aula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentarAula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentar
 
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Sorgo.pdf
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Sorgo.pdfSistema-de-Producao-Cultivo-do-Sorgo.pdf
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Sorgo.pdf
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
 
Abc da agricultura como alimentar enxames
Abc da agricultura como alimentar enxamesAbc da agricultura como alimentar enxames
Abc da agricultura como alimentar enxames
 
Manejo de pastagem
Manejo de pastagemManejo de pastagem
Manejo de pastagem
 
Coprodutos na alimentação de ovinos
Coprodutos na alimentação de ovinosCoprodutos na alimentação de ovinos
Coprodutos na alimentação de ovinos
 
Girassol: Biodiesel / torta
Girassol: Biodiesel / tortaGirassol: Biodiesel / torta
Girassol: Biodiesel / torta
 
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdfAula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Rural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Rural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
Rural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
Rural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Rural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Rural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Rural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
Rural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Rural Pecuária
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
 

Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina

  • 1. PLANEJAMENTO FORRAGEIRO: TÉCNICAS PARA AUMENTO DA PRODUÇÃO OVINA Andréia Luciane Moreira Dra. PqC Polo Alta Sorocabana/APTA Produção Animal e Pastagens, aluciane@apta.sp.gov.br Eidi Yoshihara Dr. PqC Polo Alta Sorocabana/APTA Sanidade Animal, eidi@apta.sp.gov.br Rosana Ressa Aguiar BSc / Universidade Tecnológica Federal do Paraná / UTFPR Administração, rosana.ressa@gmail.com A estacionalidade da produção forrageira é um dos principais problemas a se solucionar no sistema de exploração de ovinos a pasto. O período de escassez coincide com o frio invernal, que limita a produção do pasto pela falta de umidade e causa a insuficiência de nutrientes que muitas vezes não atendem as exigências de manutenção dos ovinos. Assim, uma ovinocultura eficiente e viável é dependente do crescimento natural das forrageiras e de sua conservação adequada, revelando de grande importância a reserva de alimentos para suplementação dos animais no período crítico, visando minimizar os efeitos negativos da escassez de forragem no desempenho animal. Todo produtor deve fixar o conceito de planejamento forrageiro, no qual se busca a oferta constante de alimentos e sempre acima da necessidade dos animais. Dessa forma, a produtividade e o desempenho genético do rebanho serão sempre maximizados. Fazer um bom planejamento forrageiro significa produzir volumosos durante o ano todo para o rebanho, sendo na forma de pastagens, na forma de alimento conservado (silagens, fenos, pré-secados) ou em capineiras.
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 A busca pelo menor custo de produção em produtos de origem animal tem sido direcionada para utilização racional de todos os recursos alimentares disponíveis, e o setor produtivo vem buscando alternativas de fontes alimentares com menor custo, tendo como destaque a utilização da cana de açúcar, de resíduos de colheita de culturas anuais e de subprodutos da agroindústria. O objetivo deste artigo é de relatar as alternativas existentes para o planejamento forrageiro e cada um será abordado com suas especificidades e particularidades nos artigos posteriores. As alternativas de utilização de forragem para um planejamento forrageiro são: 1. Silagem A ensilagem é um processo de conservação que tem como objetivo final preservar o valor nutritivo da forragem com o mínimo de perdas. No processo os carboidratos solúveis são convertidos em ácidos orgânicos pela ação de microorganismos, uma vez que encontrado o ambiente ideal proliferam e criam condições adequadas à conservação. Muitas culturas podem ser preservadas na forma de silagem, dependendo do tipo de animal a ser alimentado, da expectativa de produção, do maquinário disponível, dos tipos de solos e dos locais de cultivo. Culturas ricas em energia como o milho e o sorgo, têm sido usadas, sendo o milho considerado a melhor forrageira para este fim. Outras forrageiras como alfafa, sorgo forrageiro, girassol, cana, forrageiras de inverno, mistura de gramíneas com leguminosas, também são usadas, mas, dependendo do grau de limitação para a fermentação anaeróbia, podem requerer artifícios para redução do teor de umidade ou complementaridade do teor de carboidratos.
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 Fonte: propackms.com.br Figura 1. Silagem de milho 2. Feno O processo de fenação envolve remoção de grande quantidade de água da planta. De um modo geral uma forrageira durante a fase de crescimento vegetativo, em condições normais de umidade no solo, apresenta 75 a 85% de água (15 a 25% de matéria seca), durante a fase de floração cerca de 65 a 75% de água e na fase de sementes maduras, cerca de 55%. O estágio de crescimento da planta é o que determina o seu valor nutritivo. Plantas forrageiras durante o crescimento vegetativo apresentam alto valor nutritivo e à medida que passa do crescimento vegetativo para o reprodutivo (floração) este valor decresce acentuadamente. Contudo cortar uma planta muito jovem não é interessante, pois a produção de matéria seca cresce segundo o modelo sigmoidal com a idade da planta e ainda por ela conter um teor de água muito elevado. Nesse sentido a produção de feno de alta qualidade requer pelo menos que duas condições sejam satisfeitas: a forragem a ser cortada deve ser de boa qualidade e a secagem deve ser feita com a perda mínima de nutrientes, que se consegue por meio de secagem rápida que leva a planta à sua inatividade. O processo de secagem começa quando a planta é cortada. Alterações mecânicas no tecido da planta aumentam a taxa de secagem pela ruptura dos tecidos (células) facilitando o movimento da água e aumentando a superfície de evaporação. Portanto, secagem mais rápida determinará menores perdas na respiração e conseqüentemente obtêm-se uma forragem conservada com valor nutritivo mais elevado.
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 As gramíneas mais indicadas par a fenação, geralmente são as mesmas indicadas para a formação das pastagens para ovinos. As leguminosas normalmente apresentam maior qualidade em relação às gramíneas, mas dentro de cada grupo de plantas a uma variação muito grande no valor nutritivo. Fonte: Dos autores Figura 2. Feno de capim Tifton 85 3. Capineiras Nada mais é que uma pequena área, cultivada com gramíneas de elevada capacidade de produção, que quando em seu ponto ótimo de produtividade e valor nutritivo, dever ser cortada e picada para o fornecimento de forragem verde no cocho para os animais. Quando bem utilizada minimiza a escassez de forragem no período seco, refletindo positivamente sobre o desempenho do rebanho. Para que a capineira proporcione resultados satisfatórios, o produtor deve seguir várias práticas, que vão desde sua formação até o manejo adequado. As gramíneas mais utilizadas para capineiras são o capim elefante e a cana de açúcar que apresentam comumente elevado potencial de produção, facilidade de multiplicação, alta aceitabilidade pelos animais, resistência a pragas e doenças, relativa resistência a seca, porém é sensível a geada.
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 Fonte: Fagundes, J.L. Figura 3. Capineira de capim elefante 4. Bancos de proteína As leguminosas contribuem para melhorar a qualidade da dieta, porém, sua adoção em pastagens consorciadas ou bancos de proteína tem sido limitado devido à pequena oferta de cultivares, insucessos no passado e problemas de persistência Trata-se de um sistema integrado, onde uma parte da área da pastagem é reservada para o plantio de uma leguminosa forrageira de alto valor nutritivo, com a função de complementar a dieta animal em regime de pastejo. As forrageiras mais utilizadas são Leucena, Cunhã, Guandú, Juazeiro e Carqueja. Os bancos de proteína têm como finalidade o estocamento de forragem rica em proteína, para suprir os animais ao longo do ano, em todas as fases de produção dos ovinos. Essa aplicação pode ser resgatada a qualquer momento e são especialmente valiosas na estação seca, quando a forragem, principalmente as gramíneas, apresenta baixo teor de proteínas. A formação dos bancos de proteína deve estar em um ponto central da pastagem, facilitando o acesso dos animais à área, e evitando a construção de corredores na pastagem. A vantagem é que, nesse sistema, a proteína é produzida dentro da propriedade, eliminando os custos com aquisição de tortas e farelos. Além disso, ele contribui para que haja
  • 6. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 economia com mão de obra, já que não será necessário preparar rações, viabilizando a redução de investimentos com equipamentos e gastos com energia. Fonte: Dos Autores Figura 4. Banco de proteína de feijão guandú 5. Subprodutos das agroindústrias No Brasil são produzidas grandes quantidades de resíduos e subprodutos da agroindústria com potencial de uso na alimentação animal, podendo contribuir para diminuição do custo de produção e reduzir problemas com armazenamento gerado pelas fontes produtoras. A disponibilidade é dependente da região onde se encontra as indústrias. Podem ser encontrados resíduos de algodão, polpa cítrica, resíduos de cervejaria, subprodutos da soja, mandioca, farelo proteinoso de milho, resíduo de tomate, subprodutos do pinhão manso, girassol. São encontradas em forma de caroço, torta, farelo, casca da semente.
  • 7. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 Fonte: Dos Autores Figura 5. Subproduto - Farelo de soja 6. Sobressemeadura da pastagem A técnica da sobressemeadura de forrageiras de inverno em áreas formadas com espécies perenes de clima tropical associada à irrigação é uma alternativa a ser considerado com vistas a aumentar a produção e sua distribuição estacional e, principalmente, o valor nutritivo da forragem durante a estação fria e seca do ano. Dos aspectos desejáveis à utilização de plantas forrageiras, a distribuição uniforme da produção de forragem durante o ano é um dos atributos mais procurados pelos produtores, assim a sobressemeadura provoca aumento substancial tanto na quantidade como na qualidade da forragem, podendo alterar a distribuição da produção durante o ano, com a redução da necessidade de alimentação suplementar dos animais nesse período. A mistura de espécies forrageiras anuais de inverno visa combinar os picos de produção de matéria seca que são alcançados em diferentes épocas, de acordo com a espécie, resultando no aumento da produção e do período de utilização da pastagem e melhoria da qualidade da forragem disponível. Tem-se observada redução da incidência de plantas invasoras nas áreas de gramíneas tropicais sobressemeadas com forrageiras anuais de inverno, bem como uma recuperação mais rápida do crescimento das gramíneas durante a primavera, em decorrência do manejo, da irrigação e da aplicação de fertilizantes nas áreas durante o inverno.
  • 8. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 11, n. 2, Jul-Dez 2014 Fonte: Dos Autores Figura 6. Área de pastagem de capim Tifton 85 sobressemeada com aveia preta Considerações finais O planejamento forrageiro deve ser visto com muita seriedade pelo produtor e é indispensável o uso de alguma alternativa nas condições ambientais brasileiras. Portanto, existe sim, técnicas que podem ser implementadas pelo produtor, mas que, se não for planejada, no decorrer do ano, proporcionará somente o insucesso da produção de ovinos.