SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
PROCESSO FONOLÓGICO NA COMPOSIÇÃO DA PRONÚNCIA DO “R”
ANDROFLEXO NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL.
A importância desse caminho na formação de professores.
Hellen Carolline Pinho Rohr1
carolline_e@hotmail.com
Rebeca Cacho de Souza2
cacho.rebeca@gmail.com
Formação de Professores: Repensando o Currículo e Prática Pedagógica 3
Comunicação Oral
Instituto de Educação Professora Marisa Serrano – OMEP/BR/MS
Resumo: Este artigo que tem como tema Processo Fonológico na Composição da
Pronúncia do “R” Androflexo na capital do Estado do Mato Grosso do Sul – A
importância desse caminho na formação de professores, estuda uma das particularidades
fonéticas da Língua Portuguesa observada em Campo Grande – Mato Grosso do Sul.
Observou-se que em oposição a pronuncia do “R” pelos paulistanos, na capital sul-
mato-grossense essa pronúncia se dá segundo uma variação conhecida popularmente
como “caipira”. Para a investigação desse fenômeno escolheu-se o enfoque histórico de
acordo com LEITE (2009), RODRIGUES (2011), mais especificamente à luz da
fonética e fonologia, por CRISTÓFARO (2003). A partir da confirmação deste
fenômeno cultural elegeram-se ainda algumas pronúncias como as dos mineiros e
paulistanos com o objetivo de analisá-las em oposição à campo-grandense quanto seu
segmento, vozeamento, articulação e nasalização. Desta forma, pode-se finalmente
compreender a diversidade e pré conceitos que podem ser gerados e mediados dentro da
sala de aula.
1 Professora no Instituto de Educação Professora Marisa Serrano da OMEP/BR/MS, Graduada em
Pedagogia pela Faculdade Mato Grosso do Sul.
2 Professora no Instituto de Educação Professora Marisa Serrano da OMEP/BR/MS, Graduada em
Pedagogia pela Universidade Federal Mato Grosso do Sul e cursando Letras na Universidade Estadual
Mato Grosso do Sul.
3 Eixo temático
Introdução
Dentro de uma preocupação com o preconceito lingüístico existente, inclusive
no ensino básico, com a pronúncia sul mato-grossense do “R”, buscou se um
aprofundamento em sua constituição para que haja a possibilidade de intervenções que
não sejam oriundas apenas do senso-comum, demonstrando a relevância de se
aprofundar sobre este tema. Para compreender como se deu a composição da pronúncia
do “R” dito “caipira”, tal e qual é falado em Campo Grande, buscou-se entender
inicialmente os papéis da Fonética e da Fonologia, para saber de que recursos lançar
mão no estudo proposto. Feito isso se verificou o histórico da composição da população
em questão, remetendo aos primeiros habitantes da região e migrantes mais expressivos.
Tal verificação levou a um grupo de amostras que permitiram a comparação de
pronúncia, estabelecendo ou refutando uma relação de semelhança com relação ao
padrão observado na nossa capital.
Por fim, apresenta-se uma reflexão acerca do papel do professor frente a
situações de preconceitos linguísticos e da escola como ambiente acolhedor e
responsável também pela construção de identidades de diferentes sujeitos, independente
de classe social ou econômica.
Fonética e da Fonologia
Para Callou e Leite, fonética e fonologia divergem em seu objeto de estudo, a
primeira estuda os sons como entidades físico-articulatórias isoladas, enquanto que a
outra estuda os sons do ponto de vista funcional como elementos que integram um
sistema lingüístico determinado. Então, se diferenciam por que a uma cumpre descrever
os sons da linguagem e analisar suas particularidades articulatórias, acústicas e
perceptivas, e à outra cabe estudar as diferenças fônicas intencionais, distintivas, isto é,
que se vinculam as diferenças de significação, estabelecer como se relacionam entre si
os elementos de diferenciação e quais as condições em que se combinam uns com os
outros para formar morfemas, palavras e frases. Distingue-se fonética de fonologia
porque para aquela, não interessam mudança de significação em função de troca ou
supressão de sons seus arranjos e disposições lineares no contínuo sonoro. À fonética
interessa o som da fala ou o fone, e à fonologia o fonema. Ambas têm sido entendidas
como interdependentes, uma vez que para qualquer estudo fonológico é indispensável
partir do conteúdo fonético, articulatório e/ou acústico para determinar quais são as
unidades distintivas de cada língua. Ainda segundo Callou e Leite, o fato de suas
caracterizações serem como ciência que trata da substância da expressão (fonética) e
ciência que trata da forma da expressão (fonologia), é aceita pela maioria dos linguístas,
por não opor as áreas do saber ou afetar a independência e autonomia de cada uma
delas.
No curso de linguística geral de Saussure, podemos perceber a diferença de
modo claro no que se refere à fonética e fonologia, respectivamente, o estudo da
evolução dos sons – uma análise das transformações do movimento do tempo enquanto
a segunda linha não se instaura dentro do tempo, afinal, o mecanismo da articulação
sempre permanece igual a si. Cabe lembrar que em 1928, com o 12º Congresso
Internacional de Lingüística, a fonologia passou a ser vista em um novo campo, com um
objeto próprio de estudo distinto da fonética por meio das pesquisas de Trubetzkoy e
Jakobson. Ainda assim, entende se hoje que essa concepção distinta dos termos só foi
realmente possível a partir do uso das noções de língua e fala (langue e parole), forma e
substância, e, sintagma e paradigma – que nada mais são que os pensamentos
saussurianos.
A noção de sílaba é usada para distinguir entre as duas grandes classes de sons.
É por isso que se diz que vogais ocorrem como núcleos silábicos e consoantes como
margens. E de acordo com cada língua, nas margens pode ocorrer nenhuma, uma ou
mais consoantes. Cada língua tem seus padrões silábicos próprios e permitidos. A
ocorrência de mais de uma consoante no aclive ou declive silábico dá-se o nome de
grupo consonantal. Uma sílaba é aberta quando não há consoante em seu declive (ex.:
'má') e travada quando a tem (ex.: 'mar').
 “Descrição” do fonema R do gaúcho
O r em palavras como 'caro' e 'prato' é pronunciado em português do Brasil
geralmente como tepe. Tepes e flepes são também chamadas vibrantes simples, por
serem produzidos com apenas uma batida em um articulador, em oposição à vibrante
múltipla que é produzida com várias batidas.
 “Descrição” do fonema R do paulistano
Quando um articulador móvel (a ponta da língua ou a úvula) bate repetidas
vezes num articulador fixo (alvéolos, dorso da língua), o som é denominado vibrante.
Na fala do paulista (no carioca mais raramente), encontra-se esse tipo de articulação em
palavras como 'carro', 'rua', 'rato' etc.
Algumas possibilidades bastante comuns de áreas de articulação são
apresentadas esquematicamente na figura 7. Assim um som bilabialé aquele articulado
com os dois lábios ([p] de pata, [b] de bata, [m] de mata); um som labiodental com os
dentes superiores e o lábioinferior ([f]> em faca, [v] em vaca); um alveolar, com a
lâmina da língua e os alvéolos (o [s] em sapo); um som velar, com o dorso da língua e o
palato mole ([g] de gato). Um som retroflexo é aquele em que a ponta da língua se curva
em direção ao palato duro e um exemplo desse som é encontrado na pronúncia caipira
do r numa palavra como 'carne'. As diferentes formas de pronúncia do r no português
em palavras como 'carro' e 'rua' ilustram sons uvulares, faringais e glotais.
Figura 1: Aparelho Fonador.
Fonte: CALLOU, Dinah, 2011, p.24.
Colonização de Campo Grande
Conforme verificado junto ao IBGE, a população de Mato grosso do Sul ou do
Sul do Mato Grosso, como era chamado antes da divisão do estado, se formou a partir
das bandeiras paulistas que se intensificaram após a descoberta e exploração das minas
de ouro em Cuiabá. Mais tarde no século XIX, com a decadência dessas minas,
juntamente com as de Minas Gerais e outras, que trouxe instabilidade política e
financeira a estas províncias, aumenta a migração de cuiabanos, goianos, mineiros,
paulistas e gaúchos para essa região, atraídos pelo solo fértil e a grande quantidade de
gado bovino nos campos de Vacaria e Pantanal, fundam núcleos populacionais nessas
regiões. Após a Guerra do Paraguai, intensifica-se ainda mais essa migração. Levando-
se em consideração tais origens, buscaram-se na descrição fonética de elementos do
falar destes primeiros habitantes da região, evidências sobre uma possível influência que
tenha levado ao modo atual de pronúncia do “R” androflexo. Elegeram-se como
amostras, palavras extraídas de matérias televisivas narradas por jornalistas locais: um
goiano, um paulista, um gaúcho, um mineiro e um campo-grandense.
Sons do R, transcrição Fonética
Jornal Paulistano: “Olá, bom dia. Hoje é terça-feira, dia dez de março. Você vê
imagens ao vivo de Sorocaba, agora faz dezenove graus, choveu forte durante boa
parte da madrugada e o tempo ainda está bastante fechado”.
 Forte: for.te – adjetivo – f ' ɔɾ.tʃi
 Parte: par.te – substantivo feminino – p ' aɾ.tʃi
Jornal Sul Mato-Grossense: “A chuva e o vento forte que atingiram Três
Lagoas deixaram parte de pontos da cidade completamente destruídos [...].”
 Forte: for.te – adjetivo – f ‘ ɔɽ.ti
 Parte: par.te – substantivo feminino – p ' a [.ti
Jornal Gaúcho: “Bom, uma chuva forte provocou alagamentos e transtornos na
região metropolitana de Porto Alegre e a gente conversa agora com a Giza Guerra. Giza,
quais foram os estragos, hein? ” – “Oi Roberta, bom dia. Essa chuva durou cerca de
quarenta e cinco minutos, tempo suficiente para deixar ruas e avenidas completamente
alagadas. Os bombeiros tiveram que ser chamados para atender duas ocorrências: uma
no shopping de Canoas que acabou tendo parte do teto aí desabando por causa da força
da chuva [...].”
 Forte: for.te – adjetivo - f ' ɔɽ.t
 Parte: par.te – substantivo feminino - p ' a [.t
Jornal Mineiro: “Boa noite, choveu forte a pouco em Ituiutaba. A chuva durou
menos de dez minutos, o tempo suficiente pra alagar algumas avenidas e ruas. Em
alguns pontos a água invadiu a calçada. O tempo chuvoso deve continuar no Estado.
Veja a previsão pra amanhã no mapa: A quarta-feira feira ainda será de chuva na maior
parte de Minas.”
 Forte: for.te – adjetivo - f ' ɔh.tʃІ
 Parte: par.te – substantivo feminino - p ' ah.tʃІ
Jornal Goiano: “A chuva forte provocou também a queda de uma ponte esta
madrugada na principal rodovia de Goiás. A correnteza levou parte da estrutura da
ponte sobre o rio das pedras [...].”
 Forte: for.te – adjetivo – f ' ɔɽ.ti
 Parte: par.te – nome feminino – p ' a [.ti
Preconceito linguístico e o papel do professor
Diante essas reflexões, vale ressaltar que a intervenção do professor torna-se
primordial para que se evite o preconceito linguístico dentro do contexto em que este
está inserido, a isto se deve a importância de discutir este tema dentro dos cursos de
licenciatura, uma vez que um professor capacitado, saberá evitar possíveis situações
pré-conceituais, reconhecendo que o português falado no Brasil, é bem diversificado e
está sempre sujeito a novas construções, rompendo assim com paradigmas baseados em
princípios de exclusão, que a escola tradicional tenta impor a todos, alimentando a falsa
ideia de que a língua portuguesa é difícil de ser aprendida.
Sabe-se que este preconceito, acaba por ser moldado pelos meios de
comunicação e pelos métodos tradicionais de ensino, que determina o que é certo e o
que é errado, sem levar em consideração as singularidades dos sujeitos e sua essência,
se esquecendo que este sujeito é formado por características sociais, cultuais e
históricas, nos fazendo acreditar que todos os indivíduos que deviam desse padrão
linguístico são “anormais” e “desviantes”, dificultando e interferindo diretamente no
processo de ensino e aprendizagem.
Considerações Finais
Na investigação do processo fonológico na composição da pronúncia do “R”,
apoiando-se em bibliografia fonética e fonológica consagrada, percorreu-se um caminho
acerca das influências históricas da composição do grupo de pessoas que praticam
atualmente tal pronúncia. Ao analisar as amostras das demais pronúncias, supostas
influências, foi possível estabelecer a semelhança apenas com a dos goianos, e oposição
aos demais. Dentro desse quadro, de acordo com SILVA (2000), existe um poder
simbólico dentro da fala, assim, é necessário que enquanto educadores haja
maleabilidade e atenção dentro dos possíveis preconceitos linguísticos, conflitos e
diferenças que eventualmente ocorram dentro de sala de aula, evitando assim que as
crianças se sintam excluídas.
Referências Bibliográficas
Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Disponível em
<http://acletrasms.com.br/lersuplem.asp?IDSupl=252>. Acesso em 24 Abr. 2016
Bom dia MS. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=IzVjp6acRBA>.
Acesso em 24 Abr. 2016
Bom dia SP. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=zIuy55r-9pI>. Acesso
em 24 Abr. 2016
CALLOU, Dinah. Iniciação à fonética e à fonologia / Dinah Callou, Yonne Leite. 11
ed. - 11 ed. - Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.
ENCICLOPÉDIA dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística, 1957, 41p. Disponível em
<http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/EMB-
Enciclopedia%20dos%20Municipios%20Brasileiros/EMB_Volume24_BH_Separata.pd
f>. Acesso em 24 Abr. 2016.
Jornal do RS. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=TDdr5wyndNU>.
Acesso em 24 Abr. 2016
Jornal Nacional/Goiás. Disponível em
<https://www.youtube.com/watch?v=MdX_XBdt>. Acesso em 24 Abr. 2016
MGTV. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=_FRBGo1Y07U>. Acesso
em 24 Abr. 2016
SILVA, F.L. da & MOURA, H.M de M. (orgs.) (2000) O Direito à Fala. A Questão do
Preconceito Lingüístico. Florianópolis: Insular, 128p.
SILVA, Thaís Cristófaro. Fonética e fonologia do português: roteiro e guias de
exercícios./Thaís Cristófaro Silva. 8ed. – São Paulo: Contexto, 2005.
<http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=500270&search
=mato-grosso-do-sul|campo-grande|infograficos:-historico>. Acesso em 24 Abr. 2016
<http://www.portaldalinguaportuguesa.org/>. Acesso em 24 Abr. 2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ortografia Slides da Aula
Ortografia Slides da AulaOrtografia Slides da Aula
Ortografia Slides da AulaClaudiaDemolin
 
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SASResolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SASjasonrplima
 
2 novo acordo - sílvia
2 novo acordo - sílvia2 novo acordo - sílvia
2 novo acordo - sílviaSadrak Silva
 
Guia De Reforma OrtagráFica
Guia De Reforma OrtagráFicaGuia De Reforma OrtagráFica
Guia De Reforma OrtagráFicaguest416330
 
Mudanças no alfabeto
Mudanças no alfabetoMudanças no alfabeto
Mudanças no alfabetoJorgelgl
 
Língua portuguesa 1
Língua portuguesa 1Língua portuguesa 1
Língua portuguesa 1Fabioarslonga
 
Apostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico ConcursoApostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico Concursomauricio souza
 
Latim a arte de raciocinar
Latim a arte de raciocinarLatim a arte de raciocinar
Latim a arte de raciocinarMaluco Rafael
 

Mais procurados (13)

Ortografia Slides da Aula
Ortografia Slides da AulaOrtografia Slides da Aula
Ortografia Slides da Aula
 
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SASResolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
 
2 novo acordo - sílvia
2 novo acordo - sílvia2 novo acordo - sílvia
2 novo acordo - sílvia
 
Guia De Reforma OrtagráFica
Guia De Reforma OrtagráFicaGuia De Reforma OrtagráFica
Guia De Reforma OrtagráFica
 
Mudanças no alfabeto
Mudanças no alfabetoMudanças no alfabeto
Mudanças no alfabeto
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
 
Língua portuguesa 1
Língua portuguesa 1Língua portuguesa 1
Língua portuguesa 1
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 
Apostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico ConcursoApostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico Concurso
 
Latim a arte de raciocinar
Latim a arte de raciocinarLatim a arte de raciocinar
Latim a arte de raciocinar
 
Curso-de-latim-completo
 Curso-de-latim-completo Curso-de-latim-completo
Curso-de-latim-completo
 
PEX- Novo Acordo Ortográfico
PEX- Novo Acordo OrtográficoPEX- Novo Acordo Ortográfico
PEX- Novo Acordo Ortográfico
 

Semelhante a Análise da pronúncia do fonema R em diferentes variedades linguísticas no Mato Grosso do Sul

Fatores responsáveis pela variação linguística fonético, fonológico e morfoló...
Fatores responsáveis pela variação linguística fonético, fonológico e morfoló...Fatores responsáveis pela variação linguística fonético, fonológico e morfoló...
Fatores responsáveis pela variação linguística fonético, fonológico e morfoló...VanessaPontes32
 
Mudança linguística
Mudança linguísticaMudança linguística
Mudança linguísticaIsis Barros
 
Guia+ortografico museu+da+lingua+ptg
Guia+ortografico museu+da+lingua+ptgGuia+ortografico museu+da+lingua+ptg
Guia+ortografico museu+da+lingua+ptgCarolyne Mensen
 
Apagagmento de vogais finais
Apagagmento de vogais finaisApagagmento de vogais finais
Apagagmento de vogais finaisAlmir Oliveira
 
Fatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaFatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaJohnJeffersonAlves1
 
Os caminhos da variação léxico‑semântica no Brasil, em Portugal e em Moçambique
Os caminhos da variação léxico‑semântica no Brasil, em Portugal e em MoçambiqueOs caminhos da variação léxico‑semântica no Brasil, em Portugal e em Moçambique
Os caminhos da variação léxico‑semântica no Brasil, em Portugal e em MoçambiqueAlexandre António Timbane
 
Acordo ortográfico parte 2
Acordo ortográfico   parte 2Acordo ortográfico   parte 2
Acordo ortográfico parte 2Jorgelgl
 
Trabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaTrabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaCristianoGaio1
 
Variação ling.
Variação ling.Variação ling.
Variação ling.lollynakimi
 
Guia ortografico
Guia ortograficoGuia ortografico
Guia ortograficoafermartins
 

Semelhante a Análise da pronúncia do fonema R em diferentes variedades linguísticas no Mato Grosso do Sul (20)

variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptxvariaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
variaeslingusticas-150714203732-lva1-app6891.pptx
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
 
Fatores responsáveis pela variação linguística fonético, fonológico e morfoló...
Fatores responsáveis pela variação linguística fonético, fonológico e morfoló...Fatores responsáveis pela variação linguística fonético, fonológico e morfoló...
Fatores responsáveis pela variação linguística fonético, fonológico e morfoló...
 
Reforma ortográfica adalzira
Reforma ortográfica  adalziraReforma ortográfica  adalzira
Reforma ortográfica adalzira
 
Mudança linguística
Mudança linguísticaMudança linguística
Mudança linguística
 
Guia+ortografico museu+da+lingua+ptg
Guia+ortografico museu+da+lingua+ptgGuia+ortografico museu+da+lingua+ptg
Guia+ortografico museu+da+lingua+ptg
 
Apagagmento de vogais finais
Apagagmento de vogais finaisApagagmento de vogais finais
Apagagmento de vogais finais
 
Modelo poster
Modelo posterModelo poster
Modelo poster
 
FONÉTICA E FONOLOGIA
FONÉTICA E FONOLOGIAFONÉTICA E FONOLOGIA
FONÉTICA E FONOLOGIA
 
Fatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaFatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguística
 
Os caminhos da variação léxico‑semântica no Brasil, em Portugal e em Moçambique
Os caminhos da variação léxico‑semântica no Brasil, em Portugal e em MoçambiqueOs caminhos da variação léxico‑semântica no Brasil, em Portugal e em Moçambique
Os caminhos da variação léxico‑semântica no Brasil, em Portugal e em Moçambique
 
Variação Linguística - APP
Variação Linguística - APPVariação Linguística - APP
Variação Linguística - APP
 
Oficina de ortografia 3 ano
Oficina de ortografia 3 anoOficina de ortografia 3 ano
Oficina de ortografia 3 ano
 
Acordo ortográfico parte 2
Acordo ortográfico   parte 2Acordo ortográfico   parte 2
Acordo ortográfico parte 2
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
A LÍNGUA DE EULÁLIA - RESUMO.pdf
A LÍNGUA DE EULÁLIA - RESUMO.pdfA LÍNGUA DE EULÁLIA - RESUMO.pdf
A LÍNGUA DE EULÁLIA - RESUMO.pdf
 
Trabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguísticaTrabalhando noções de variação linguística
Trabalhando noções de variação linguística
 
Variação ling.
Variação ling.Variação ling.
Variação ling.
 
Guia ortografico
Guia ortograficoGuia ortografico
Guia ortografico
 
Guia ortografico
Guia ortograficoGuia ortografico
Guia ortografico
 

Mais de Fernando Pissuto (20)

Thaynara e vanuza
Thaynara e vanuzaThaynara e vanuza
Thaynara e vanuza
 
Talita
TalitaTalita
Talita
 
Suelen bruna hagrayzes
Suelen bruna hagrayzesSuelen bruna hagrayzes
Suelen bruna hagrayzes
 
Rubens arguelho
Rubens arguelhoRubens arguelho
Rubens arguelho
 
Rosana rosimara erika
Rosana rosimara erikaRosana rosimara erika
Rosana rosimara erika
 
Priscila maria jehnnifer_simone
Priscila maria jehnnifer_simonePriscila maria jehnnifer_simone
Priscila maria jehnnifer_simone
 
Priscila verdelho e ananda
Priscila verdelho e anandaPriscila verdelho e ananda
Priscila verdelho e ananda
 
Neidi monica
Neidi monicaNeidi monica
Neidi monica
 
Marlene monica
Marlene monicaMarlene monica
Marlene monica
 
Maria solange
Maria solangeMaria solange
Maria solange
 
Maria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erikaMaria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erika
 
Maria claudionora
Maria claudionoraMaria claudionora
Maria claudionora
 
Luzia
LuziaLuzia
Luzia
 
Luana aparecida monica
Luana aparecida monicaLuana aparecida monica
Luana aparecida monica
 
Leticia erika
Leticia erikaLeticia erika
Leticia erika
 
Laura simone
Laura simoneLaura simone
Laura simone
 
Kelly
KellyKelly
Kelly
 
Jucilene priscila
Jucilene priscilaJucilene priscila
Jucilene priscila
 
Jose flavio 2
Jose flavio 2Jose flavio 2
Jose flavio 2
 
Jose flavio 1
Jose flavio 1Jose flavio 1
Jose flavio 1
 

Último

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 

Análise da pronúncia do fonema R em diferentes variedades linguísticas no Mato Grosso do Sul

  • 1. PROCESSO FONOLÓGICO NA COMPOSIÇÃO DA PRONÚNCIA DO “R” ANDROFLEXO NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL. A importância desse caminho na formação de professores. Hellen Carolline Pinho Rohr1 carolline_e@hotmail.com Rebeca Cacho de Souza2 cacho.rebeca@gmail.com Formação de Professores: Repensando o Currículo e Prática Pedagógica 3 Comunicação Oral Instituto de Educação Professora Marisa Serrano – OMEP/BR/MS Resumo: Este artigo que tem como tema Processo Fonológico na Composição da Pronúncia do “R” Androflexo na capital do Estado do Mato Grosso do Sul – A importância desse caminho na formação de professores, estuda uma das particularidades fonéticas da Língua Portuguesa observada em Campo Grande – Mato Grosso do Sul. Observou-se que em oposição a pronuncia do “R” pelos paulistanos, na capital sul- mato-grossense essa pronúncia se dá segundo uma variação conhecida popularmente como “caipira”. Para a investigação desse fenômeno escolheu-se o enfoque histórico de acordo com LEITE (2009), RODRIGUES (2011), mais especificamente à luz da fonética e fonologia, por CRISTÓFARO (2003). A partir da confirmação deste fenômeno cultural elegeram-se ainda algumas pronúncias como as dos mineiros e paulistanos com o objetivo de analisá-las em oposição à campo-grandense quanto seu segmento, vozeamento, articulação e nasalização. Desta forma, pode-se finalmente compreender a diversidade e pré conceitos que podem ser gerados e mediados dentro da sala de aula. 1 Professora no Instituto de Educação Professora Marisa Serrano da OMEP/BR/MS, Graduada em Pedagogia pela Faculdade Mato Grosso do Sul. 2 Professora no Instituto de Educação Professora Marisa Serrano da OMEP/BR/MS, Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal Mato Grosso do Sul e cursando Letras na Universidade Estadual Mato Grosso do Sul. 3 Eixo temático
  • 2. Introdução Dentro de uma preocupação com o preconceito lingüístico existente, inclusive no ensino básico, com a pronúncia sul mato-grossense do “R”, buscou se um aprofundamento em sua constituição para que haja a possibilidade de intervenções que não sejam oriundas apenas do senso-comum, demonstrando a relevância de se aprofundar sobre este tema. Para compreender como se deu a composição da pronúncia do “R” dito “caipira”, tal e qual é falado em Campo Grande, buscou-se entender inicialmente os papéis da Fonética e da Fonologia, para saber de que recursos lançar mão no estudo proposto. Feito isso se verificou o histórico da composição da população em questão, remetendo aos primeiros habitantes da região e migrantes mais expressivos. Tal verificação levou a um grupo de amostras que permitiram a comparação de pronúncia, estabelecendo ou refutando uma relação de semelhança com relação ao padrão observado na nossa capital. Por fim, apresenta-se uma reflexão acerca do papel do professor frente a situações de preconceitos linguísticos e da escola como ambiente acolhedor e responsável também pela construção de identidades de diferentes sujeitos, independente de classe social ou econômica. Fonética e da Fonologia Para Callou e Leite, fonética e fonologia divergem em seu objeto de estudo, a primeira estuda os sons como entidades físico-articulatórias isoladas, enquanto que a outra estuda os sons do ponto de vista funcional como elementos que integram um sistema lingüístico determinado. Então, se diferenciam por que a uma cumpre descrever os sons da linguagem e analisar suas particularidades articulatórias, acústicas e perceptivas, e à outra cabe estudar as diferenças fônicas intencionais, distintivas, isto é, que se vinculam as diferenças de significação, estabelecer como se relacionam entre si os elementos de diferenciação e quais as condições em que se combinam uns com os outros para formar morfemas, palavras e frases. Distingue-se fonética de fonologia porque para aquela, não interessam mudança de significação em função de troca ou supressão de sons seus arranjos e disposições lineares no contínuo sonoro. À fonética interessa o som da fala ou o fone, e à fonologia o fonema. Ambas têm sido entendidas como interdependentes, uma vez que para qualquer estudo fonológico é indispensável partir do conteúdo fonético, articulatório e/ou acústico para determinar quais são as unidades distintivas de cada língua. Ainda segundo Callou e Leite, o fato de suas
  • 3. caracterizações serem como ciência que trata da substância da expressão (fonética) e ciência que trata da forma da expressão (fonologia), é aceita pela maioria dos linguístas, por não opor as áreas do saber ou afetar a independência e autonomia de cada uma delas. No curso de linguística geral de Saussure, podemos perceber a diferença de modo claro no que se refere à fonética e fonologia, respectivamente, o estudo da evolução dos sons – uma análise das transformações do movimento do tempo enquanto a segunda linha não se instaura dentro do tempo, afinal, o mecanismo da articulação sempre permanece igual a si. Cabe lembrar que em 1928, com o 12º Congresso Internacional de Lingüística, a fonologia passou a ser vista em um novo campo, com um objeto próprio de estudo distinto da fonética por meio das pesquisas de Trubetzkoy e Jakobson. Ainda assim, entende se hoje que essa concepção distinta dos termos só foi realmente possível a partir do uso das noções de língua e fala (langue e parole), forma e substância, e, sintagma e paradigma – que nada mais são que os pensamentos saussurianos. A noção de sílaba é usada para distinguir entre as duas grandes classes de sons. É por isso que se diz que vogais ocorrem como núcleos silábicos e consoantes como margens. E de acordo com cada língua, nas margens pode ocorrer nenhuma, uma ou mais consoantes. Cada língua tem seus padrões silábicos próprios e permitidos. A ocorrência de mais de uma consoante no aclive ou declive silábico dá-se o nome de grupo consonantal. Uma sílaba é aberta quando não há consoante em seu declive (ex.: 'má') e travada quando a tem (ex.: 'mar').  “Descrição” do fonema R do gaúcho O r em palavras como 'caro' e 'prato' é pronunciado em português do Brasil geralmente como tepe. Tepes e flepes são também chamadas vibrantes simples, por serem produzidos com apenas uma batida em um articulador, em oposição à vibrante múltipla que é produzida com várias batidas.  “Descrição” do fonema R do paulistano Quando um articulador móvel (a ponta da língua ou a úvula) bate repetidas vezes num articulador fixo (alvéolos, dorso da língua), o som é denominado vibrante. Na fala do paulista (no carioca mais raramente), encontra-se esse tipo de articulação em palavras como 'carro', 'rua', 'rato' etc.
  • 4. Algumas possibilidades bastante comuns de áreas de articulação são apresentadas esquematicamente na figura 7. Assim um som bilabialé aquele articulado com os dois lábios ([p] de pata, [b] de bata, [m] de mata); um som labiodental com os dentes superiores e o lábioinferior ([f]> em faca, [v] em vaca); um alveolar, com a lâmina da língua e os alvéolos (o [s] em sapo); um som velar, com o dorso da língua e o palato mole ([g] de gato). Um som retroflexo é aquele em que a ponta da língua se curva em direção ao palato duro e um exemplo desse som é encontrado na pronúncia caipira do r numa palavra como 'carne'. As diferentes formas de pronúncia do r no português em palavras como 'carro' e 'rua' ilustram sons uvulares, faringais e glotais. Figura 1: Aparelho Fonador. Fonte: CALLOU, Dinah, 2011, p.24. Colonização de Campo Grande Conforme verificado junto ao IBGE, a população de Mato grosso do Sul ou do Sul do Mato Grosso, como era chamado antes da divisão do estado, se formou a partir das bandeiras paulistas que se intensificaram após a descoberta e exploração das minas de ouro em Cuiabá. Mais tarde no século XIX, com a decadência dessas minas, juntamente com as de Minas Gerais e outras, que trouxe instabilidade política e financeira a estas províncias, aumenta a migração de cuiabanos, goianos, mineiros, paulistas e gaúchos para essa região, atraídos pelo solo fértil e a grande quantidade de gado bovino nos campos de Vacaria e Pantanal, fundam núcleos populacionais nessas regiões. Após a Guerra do Paraguai, intensifica-se ainda mais essa migração. Levando- se em consideração tais origens, buscaram-se na descrição fonética de elementos do falar destes primeiros habitantes da região, evidências sobre uma possível influência que tenha levado ao modo atual de pronúncia do “R” androflexo. Elegeram-se como
  • 5. amostras, palavras extraídas de matérias televisivas narradas por jornalistas locais: um goiano, um paulista, um gaúcho, um mineiro e um campo-grandense. Sons do R, transcrição Fonética Jornal Paulistano: “Olá, bom dia. Hoje é terça-feira, dia dez de março. Você vê imagens ao vivo de Sorocaba, agora faz dezenove graus, choveu forte durante boa parte da madrugada e o tempo ainda está bastante fechado”.  Forte: for.te – adjetivo – f ' ɔɾ.tʃi  Parte: par.te – substantivo feminino – p ' aɾ.tʃi Jornal Sul Mato-Grossense: “A chuva e o vento forte que atingiram Três Lagoas deixaram parte de pontos da cidade completamente destruídos [...].”  Forte: for.te – adjetivo – f ‘ ɔɽ.ti  Parte: par.te – substantivo feminino – p ' a [.ti Jornal Gaúcho: “Bom, uma chuva forte provocou alagamentos e transtornos na região metropolitana de Porto Alegre e a gente conversa agora com a Giza Guerra. Giza, quais foram os estragos, hein? ” – “Oi Roberta, bom dia. Essa chuva durou cerca de quarenta e cinco minutos, tempo suficiente para deixar ruas e avenidas completamente alagadas. Os bombeiros tiveram que ser chamados para atender duas ocorrências: uma no shopping de Canoas que acabou tendo parte do teto aí desabando por causa da força da chuva [...].”  Forte: for.te – adjetivo - f ' ɔɽ.t  Parte: par.te – substantivo feminino - p ' a [.t Jornal Mineiro: “Boa noite, choveu forte a pouco em Ituiutaba. A chuva durou menos de dez minutos, o tempo suficiente pra alagar algumas avenidas e ruas. Em alguns pontos a água invadiu a calçada. O tempo chuvoso deve continuar no Estado. Veja a previsão pra amanhã no mapa: A quarta-feira feira ainda será de chuva na maior parte de Minas.”
  • 6.  Forte: for.te – adjetivo - f ' ɔh.tʃІ  Parte: par.te – substantivo feminino - p ' ah.tʃІ Jornal Goiano: “A chuva forte provocou também a queda de uma ponte esta madrugada na principal rodovia de Goiás. A correnteza levou parte da estrutura da ponte sobre o rio das pedras [...].”  Forte: for.te – adjetivo – f ' ɔɽ.ti  Parte: par.te – nome feminino – p ' a [.ti Preconceito linguístico e o papel do professor Diante essas reflexões, vale ressaltar que a intervenção do professor torna-se primordial para que se evite o preconceito linguístico dentro do contexto em que este está inserido, a isto se deve a importância de discutir este tema dentro dos cursos de licenciatura, uma vez que um professor capacitado, saberá evitar possíveis situações pré-conceituais, reconhecendo que o português falado no Brasil, é bem diversificado e está sempre sujeito a novas construções, rompendo assim com paradigmas baseados em princípios de exclusão, que a escola tradicional tenta impor a todos, alimentando a falsa ideia de que a língua portuguesa é difícil de ser aprendida. Sabe-se que este preconceito, acaba por ser moldado pelos meios de comunicação e pelos métodos tradicionais de ensino, que determina o que é certo e o que é errado, sem levar em consideração as singularidades dos sujeitos e sua essência, se esquecendo que este sujeito é formado por características sociais, cultuais e históricas, nos fazendo acreditar que todos os indivíduos que deviam desse padrão linguístico são “anormais” e “desviantes”, dificultando e interferindo diretamente no processo de ensino e aprendizagem. Considerações Finais Na investigação do processo fonológico na composição da pronúncia do “R”, apoiando-se em bibliografia fonética e fonológica consagrada, percorreu-se um caminho acerca das influências históricas da composição do grupo de pessoas que praticam atualmente tal pronúncia. Ao analisar as amostras das demais pronúncias, supostas influências, foi possível estabelecer a semelhança apenas com a dos goianos, e oposição aos demais. Dentro desse quadro, de acordo com SILVA (2000), existe um poder
  • 7. simbólico dentro da fala, assim, é necessário que enquanto educadores haja maleabilidade e atenção dentro dos possíveis preconceitos linguísticos, conflitos e diferenças que eventualmente ocorram dentro de sala de aula, evitando assim que as crianças se sintam excluídas. Referências Bibliográficas Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Disponível em <http://acletrasms.com.br/lersuplem.asp?IDSupl=252>. Acesso em 24 Abr. 2016 Bom dia MS. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=IzVjp6acRBA>. Acesso em 24 Abr. 2016 Bom dia SP. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=zIuy55r-9pI>. Acesso em 24 Abr. 2016 CALLOU, Dinah. Iniciação à fonética e à fonologia / Dinah Callou, Yonne Leite. 11 ed. - 11 ed. - Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009. ENCICLOPÉDIA dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1957, 41p. Disponível em <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/EMB- Enciclopedia%20dos%20Municipios%20Brasileiros/EMB_Volume24_BH_Separata.pd f>. Acesso em 24 Abr. 2016. Jornal do RS. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=TDdr5wyndNU>. Acesso em 24 Abr. 2016 Jornal Nacional/Goiás. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=MdX_XBdt>. Acesso em 24 Abr. 2016 MGTV. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=_FRBGo1Y07U>. Acesso em 24 Abr. 2016
  • 8. SILVA, F.L. da & MOURA, H.M de M. (orgs.) (2000) O Direito à Fala. A Questão do Preconceito Lingüístico. Florianópolis: Insular, 128p. SILVA, Thaís Cristófaro. Fonética e fonologia do português: roteiro e guias de exercícios./Thaís Cristófaro Silva. 8ed. – São Paulo: Contexto, 2005. <http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=500270&search =mato-grosso-do-sul|campo-grande|infograficos:-historico>. Acesso em 24 Abr. 2016 <http://www.portaldalinguaportuguesa.org/>. Acesso em 24 Abr. 2016