Nova ortografia

1.033 visualizações

Publicada em

Regras gramaticais

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.033
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nova ortografia

  1. 1. Nova Ortografia Mudanças e Perspectivas Prof.ª Letícia Oliveira
  2. 2. Governo adia início do Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa A obrigatoriedade do uso do Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa, assinado em 2008 e previsto para entrar em vigor no dia 31 (dezembro de 2012) foi adiada por mais três anos. O novo prazo para entrada em vigor do acordo é 1º de janeiro de 2016. A presidente Dilma Rousseff assinou um decreto redigido pelo Ministério de Relações Exteriores. Segundo o Ministério da Educação, o Brasil é o que mais avançou na implantação do acordo entre os oito países que assinaram o documento.
  3. 3. Questão Política e Social A reforma da ortografia pretende unificar o registro escrito nos oito países que falam português – Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor Leste, Brasil e Portugal.
  4. 4. Mudanças • NO ALFABETO- “OS TRÊS MOSQUETEIROS” A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z K , W e Y retornam ao nosso alfabeto, que passa a ter 26 letras. Ex.: karaokê, ketchup, know-how, workshop, yakisoba.
  5. 5. A queda do trema (¨) Foi abolido o trema em nossas palavras (portuguesas ou aportuguesadas). Linguiça, cinquenta, tranquilo, consequência, quinquênio, sanguíneo, aguentar etc. Ex.: Os pinguins do papai (filme: EUA, 2011 – Mark) Porém, nas palavras de origem estrangeira, ele continua: Ex.: Müller
  6. 6. PASSEATA PARA BRASÍLIA – OS ACENTOS DIFERENCIAIS O fim dos sinais diferenciais em palavras de mesma grafia (homógrafas) pode causar ambiguidade em determinados casos. Essa ambiguidade pode ser prejudicial quando houver a necessidade de precisão da informação. Em sua coluna na Folha de S. Paulo, José Simão brincou com a frase: "Injeção na veia da veia". Isso porque a palavra "veia" (forma popular de velha) perdeu o acento após o novo acordo, coincidindo com a grafia da palavra "veia".
  7. 7. Fim dos acentos diferenciais Como era Como fica Ele pára o carro.                              Ele para o carro.  Ele foi ao pólo Norte.                  Ele foi ao polo Norte. Ele gosta de jogar pólo.            Ele gosta de jogar polo. O gato tem pêlos brancos.   O gato tem pelos brancos. Comi uma pêra.                             Comi uma pera. Exceções: Permanece em pôr e pôde • pôr (verbo) X por (preposição)  •  pôde (pas. do verbo poder) X pode (pres. do verbo  poder) 
  8. 8.  Permanecem os acentos que diferenciam      O singular do plural dos verbos ter, vir, manter, deter, reter, conter, convir, intervir, advir. Ele tem dois carros. / Eles têm dois carros. Ele vem de Sorocaba. / Eles vêm de Sorocaba. Ele mantém a palavra. / Eles mantêm a palavra. Ele convém aos estudantes. / Eles convêm aos estudantes. Ele detém o poder. / Eles detêm o poder. Ele intervém em todas as aulas. / Eles intervêm em todas as  aulas.   É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as  palavras forma/fôrma.   Exemplo: Qual é a forma da fôrma do bolo?
  9. 9. Oxítonas, Paroxítonas, Proparoxítonas Oxítona- acentuação tônica na última sílaba. Ex.: Paraná, café, vovô, jabuti, guaraná, etc.  Paroxítona- acentuação tônica na penúltima sílaba. Ex.: Camelo, carro, automóvel, barco, revólver, etc. Proparoxítona- acentuação tônica na antepenúltima  sílaba. Ex.: Antepenúltima, sílaba, pássaro, vítima. 
  10. 10. 2001 - Uma Odisseia no Espaço •  Não se usa mais o acento dos  ditongos abertos éi e ói das palavras  paroxítonas (palavras que têm acento  tônico na penúltima sílaba). • Como era Como fica Bóia Boia Geléia Geleia Idéia Ideia Estréia Estreia Platéia Plateia Heróico Heroico.
  11. 11. Paroxítonas • Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento  no i e no u tônicos quando vierem depois de um  ditongo. Como era Como fica Baiúca                Baiuca Feiúra                Feiura  Obs.: Se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem  em posição final o acento permanece.  Exemplo: Piauí.
  12. 12.  Voo sem acento • Não se usa mais o acento das  palavras terminadas  em êem e ôo(s): Como era Como fica abençôo                                 abençoo crêem (verbo crer)                creem dêem (verbo dar)                  deem lêem (verbo ler)                     leem vêem (verbo ver)                   veem enjôo                                       enjoo
  13. 13. O Poderoso Chefão O uso dos prefixos define se haverá ou não hífen  entre as palavras! Usa-se o hífen diante de palavra iniciada por H.  Ex.: anti-histórico        sobre-humano        super-homem Usa-se o hífen se o prefixo terminar com a  mesma letra com que se inicia a outra palavra.       Ex.: micro-ondas sub-bibliotecário inter-regional
  14. 14. Os bons companheiros Assim como bons amigos, os prefixos: ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, vice, agem em comum acordo, ou seja, sempre se separam por hífen, seja qual for a segunda palavra. além-mar ex-aluno ex-prefeito pós-graduação pré-história pré-vestibular recém-casado sem-terra
  15. 15. Bem me quer, mal me quer Quando a primeira palavra for o advérbio mal e a segunda palavra se iniciar por vogal, H ou L, usa- se o hífen. Ex.: mal-amado, mal-estar, mal-intencionado, mal- entendido, mal-informado, mal-humorado. Atenção para os antônimos: bem-criado (malcriado) bem-nascido (malnascido) bem-visto (malvisto)
  16. 16. A regra do jogo • Com os prefixos ab, ob e ad, usa-se o hífen diante de palavra começada por b, d ou r. Exemplos: ad-digital ob-rogar ab-rogar • Usa-se o hífen com sufixos de origem tupi-guarani. Exemplo: capim-açu • Usa-se o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam. Exemplo: ponte Rio-Niterói / Eixo Rio-São Paulo
  17. 17. Onomatopeias Nas onomatopeias (reprodução aproximada de um som natural) com repetição de sílabas (com ou sem alternância de vogal e de consoante), usa-se o hífen. Ex.: blá-blá-blá, tique-taque, fom-fom,zum-zum reco-reco
  18. 18. Apóstrofo ( ‘ ) • Usa-se o hífen nos compostos entre cujos elementos há o emprego do apóstrofo. Exemplos: gota-d'água, pé-d'água. • Usa-se o hífen nas palavras compostas derivadas de topônimos (nomes próprios de lugares), com ou sem elementos de ligação. Ex.: Belo Horizonte - belo-horizontino Porto Alegre - porto-alegrense África do Sul - sul-africano
  19. 19. A pantera cor-de-rosa • Não se usa o hífen em compostos que apresentam elementos de ligação. Exemplos: pé de moleque, dia a dia, fim de semana, cara de pau. • Incluem-se nesse caso os compostos de base oracional. Exemplos: Maria vai com as outras, leva e traz, Deus me livre, bicho de sete cabeças. * Exceções: água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de- rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.
  20. 20. “A turma do Mandachuva” Palavras compostas Perderam a noção de composição, grafam-se juntas (sem o hífen) Ex.: paraquedas, paraquedistas, paraquedismo, paraquedístico, mandachuva. Exceções para-choque(s) para-luz (abajur) para-lama(s) manda-tudo (mandachuva) para-raio(s)
  21. 21. Hífen, No más! Não haverá hífen quando a vogal final do prefixo for diferente da vogal inicial da segunda palavra (elemento). Ex.: Autoescola Contraindicação Autoajuda Microempresa
  22. 22. Dobradinha Quando o prefixo terminar por vogal e a segunda palavra (elemento) começar por r ou s, além de as palavras (elementos) se juntarem (sem o hífen), as letras r ou s serão duplicadas (rr, ss). Ex.: minissaia cosseno contrarregra antissocial antessala ultrassonografia
  23. 23. Bibliografia SOUSA, Cíntia Aparecida. Gramática da Língua Portuguesa, Blumenau: Vale das Letras, 2012. http://g1.globo.com/educacao/noticia/2012/12/governo-adia- inicio-do-acordo-ortografico-de-lingua-portuguesa.html Acesso em 04 abr. 2013. http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/acentuacao- tonica-oxitona-paroxitona-proparoxitona.htm Acesso em 04 abr. 2013. http://michaelis.uol.com.br/novaortografia.php Acesso em 04 abr. 2013.

×