SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
1
“DE CRIANÇA INDÍGENA A DOUTOR EM EDUCAÇÃO: UMA HISTÓRIA DE
LUTAS E CONQUISTAS”
Maria da Silva Rosa 1
Ticiane Velasques Teixeira 2
Erika Karla Barros da Costa ³
Eixo temático:Sustentabilidade, Diversidade e Direitos Humanos
Categoria: Comunicação Oral
RESUMO
O objetivo deste estudo é relatar a trajetória profissional de lutas e conquistas do indígena
"Antônio Carlos Seizer" com enfoque em sua vida e experiências de criança indígena a
doutor em educação; procurando mostrar as situações por ele enfrentadas ao longo de sua
trajetória entre indígenas e não indígenas. Seu modo de pensar e ver a construção de sua
história perante a sociedade. O conteúdo permite conhecer sobre as histórias e ensinamentos
do então doutor Carlos Seizer, suas ações colocadas em prática em função da sociedade, a
disputa por sua formação, os desafios ultrapassados e as grandes diversidades ligadas a
cultura e a história de identidade no contexto vivenciado. O tema fala sobre o papel que este
doutor desenvolve na sociedade o seu comprometimento e dedicação em educar. Em uma
conversa de orientação com a nossa orientadora Erika Karla Barros da Costa, surgiu a ideia de
conhecer e estudar a história deste grande nome da educação, por tratar-se de um tema de
extrema relevância para Mato Grosso do Sul: a educação escolar indígena, uma vez que este
estado possui a segunda maior população indígena do país
Palavras-Chave: Educação, indígena, lutas.
1
Graduanda de Pedagogia do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande/ UNAES,
email:mariasilvarosaze@hotmail.com
2
Graduanda de Pedagogia do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande/UNAES email:ticiane_hm@yahoo.com.br
³ Professora e Coordenadora do curso de Pedagogia do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande/ UNAES e
FUNLEC, e-mail: erika.barroscosta@anhanguera.com
2
INTRODUÇÃO
Minha motivação para abordar este tema decorre do fato de que, no período de 2004 a
2006, trabalhei como estagiária na Fundação Nacional da Saúde - FUNASA cuja fundação
promove a saúde pública e a inclusão social. Por meio do trabalho diário, despertou-me
interesse em obter respostas a determinadas questões: qual é, de fato, o perfil do professor
indígena? Como ele atua, na prática para o alcance do objetivo de formar a criança e o
adolescente indígena com vistas ao conhecimento e à preservação de sua cultura e ao mesmo
tempo o conhecimento da língua e da cultura da sociedade envolvente? Quais são as suas
dificuldades, como professor para "transitar" com os seus alunos por dois mundos diferentes
"o indígena e não indígena"? O interesse e a curiosidade em saber mais de uma cultura rica,
que contribui a sua comunidade diante de impasses e desafios.
Todo esse desejo e curiosidade se uniram aos da minha parceira de estudo e fomos
instigadas à pesquisa por nossa orientadora. De um diálogo, surgiu um nome e a partir destes,
as pesquisas e descobertas se iniciaram.
O direito à Educação Escolar Indígena foi garantido na Constituição Federal de 1988,
a partir daí a população indígena e reconhecida não mais naquela política de extermínio
cultura dos povos. A Constituição é o primeiro marco legal que reconhece os povos indígenas
como cidadãos brasileiros e garante-lhes uma educação específica. Depois em 1996, a LDB
(Leis de Diretrizes e Bases da Educação) vem reforçar esse direito, e a Resolução nº03/1999,
do Conselho Nacional de Educação, cria a categoria de escola indígena.
O indígena tem grande desafio a enfrentar, o de interagir conhecimento indígena e não
indígena à didática pedagógica, considerando que as duas culturas são importantes. Além
disto é preciso ressaltar a importância da formação de professores em Mato Grosso do Sul,
uma conquista fruto de muita luta. Esses novos “profissionais” indígenas têm demandado,
juntamente com suas comunidades, uma formação específica, que lhes permita concluir a
escolarização básica e obter uma formação em magistério, de modo que possam exercer uma
educação qualificada em benefício das crianças indígenas. Por diversos motivos a educação
indígena teve momentos de excessivo acanhamento, quase sem coragem para reclamar sua
autonomia e seus direitos. Além disto, também enfrentam resistências relacionadas à cultura,
existem muitos pais indígenas que se sentem inseguros em mandar as crianças com idade de
3
quatro e cinco anos para a escola, a própria comunidade resiste ao ingresso na Educação
Infantil.. O objetivo, nesse momento, é que a escola seja a intersecção entre os saberes
próprios das comunidades e os saberes da sociedade nacional.
OBJETIVOS
Para alcançar os objetivos propostos, a pesquisa passou por dois momentos
específicos, considerando o contexto cultural e sócio político da realidade observada:
primeiramente o estudo centrou-se em análises bibliográficas, documentais e etnográficas,
em seguida foi realizada uma entrevista com o professor Antônio Carlos Seizer, o primeiro
Doutor indígena a se formar no Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado e
Doutorado, com a tese "Kalivôno Hikó Terenôe: sendo criança indígena terena do século
XXI - vivendo e aprendendo nas tramais das tradições, traduções e negociações" portanto o
objetivo do estudo é apresentar as suas lutas e conquistas no meio da educação.
Os povos indígenas transmitem conhecimento de formar singular de geração a
geração; pois sua cultura, língua, tradições, visão de mundo são transmitidos
coletivamente. pela transformação e conquista do direito a uma educação diferenciada,
intercultural, que respeitasse sua organização social, valores, crenças e tradições.
4
METODOLOGIA
Diante do que se pretende nas licenciaturas, uma avaliação como essa, é fundamental
para o aprimoramento das atividades oferecidas, uma vez que a estrutura curricular do curso
possibilita mobilidade para as adequações, tendo em vista o êxito no processo de ensino-
aprendizagem dos professores em formação. Pelo que foi adquirido no desenvolvimento das
atividades, participação e avaliações escritas, a sua meta principal que e, além de desenvolver
as atividades de ensino-aprendizagem, possibilitar reflexões sobre a construção da escola
indígena, considerando as particularidades e a abrangência das questões pedagógicas,
culturais, legais e políticas envolvidas.
A interculturalidade considera a diversidade cultural no processo de ensino e
aprendizagem. A escola deve trabalhar com os valores, saberes tradicionais e práticas de cada
comunidade e garantir o acesso à conhecimentos e tecnologias da sociedade nacional
relevantes para o processo de interação e participação cidadã na sociedade nacional. Com
isso, as atividades curriculares devem ser significativas e contextualizadas às experiências dos
educando e de suas comunidades. As escolas indígenas se propõem a ser espaços
interculturais, onde se debatem e se constroem conhecimentos e estratégias sociais sobre a
situação de contato interétnico, podem ser conceituadas como escolas de fronteira espaços
públicos em que situações de ensino e aprendizagem estão relacionadas às políticas
identitárias e culturais de cada povo indígena.
A escola indígena se caracteriza por ser comunitária, ou seja, espera-se que esteja
articulada aos anseios de comunidade e a seus projetos de sustentabilidade territorial e
cultural. Dessa forma, a escola e seus profissionais devem ser aliados da comunidade e
trabalhar a partir do diálogo e participação comunitária, definindo desde o modelo de gestão e
calendário escolar – o qual deve estar em conformidade às atividades rituais e produtivas do
grupo - até os temas e conteúdos do processo de ensino-aprendizagem.
5
RESULTADOS E DISCUSSÃO DA APLICAÇÃO EMPREGADA
Em entrevista realizada com o professor Doutor em Educação Antônio Carlos Seizer,
verificou-se que ele tem 33 anos, é da etnia Terena e tráz um sobrenome alemão, porém são
devido aos contatos no final do século XIX entre os terenas e os não indígenas que aqui
chegavam, o seu avô no caso era filho de um alemão e missionário na região de Miranda e
Aquidauana. Como no final de 1940 e 1990 a maioria dos Terenas trabalhavam em fazendas,
devido a situação pós-guerra, todo esse realdeamento, então, a sua mãe no caso saiu da aldeia
com seu pai para que pudessem perambular pelas fazendas buscando trabalho, então acabou
por estudar mais nas fazendas e posteriormente na cidades, por conta que nas comunidades
indígenas também a escolarização era apenas do 1° ao 5° ano. Na 4º série na época e por
incrível que pareça o ensino nas comunidades o principal viés era a ideia de catequização ou
de evangelização, não tinha muito essa coisa “ah vamos estudar”, sua mãe foi ousada para o
tempo dela, uma mulher como muitas mulheres Terenas também fizeram, ir a cidade e dar
continuidade a os estudos sem perder o vinculo com a comunidade. Abandonado pelo pai,
aos sete anos de idade ele desempenhou duas funções: de estudar e trabalhar como jardineiro
até concluir o Ensino Médio.
[..] minha infância foi dividida entre o trabalho que pra nós também tem uma diferença muito
grande, o trabalho para nós indígenas não é na concepção de exploração como muita gente vê o
trabalho infantil, mas é de aprendizagem e socialização, minha mãe colocava a gente pra trabalhar,
além claro que eu ganhava pra ajudar em casa, mas também minha mãe sempre dizia “você precisa
trabalhar porque você precisa aprender também”[..]
Com infância rígida pela mãe, se tornou homem responsável para ajudar sua mãe e
suas irmãs mais novas, para o sustento da casa. Com toda a sua responsabilidade, sempre o
brincar e as brincadeiras estavam presentes como: correr, brincar e subir em arvores. Uma
breve comparação com as crianças de hoje, cujo a sua tese de Doutorado que questiona: quem
são hoje essas crianças do século XXI, que não são essas crianças que nós fomos produzidos?
Pois hoje o brincar e totalmente diferente e imparcial como antigamente, hoje se engloba nas
tecnologias e em torno do mundo superficial de avanços globalizados.
6
[..] Liberdade que se faz presente quando se fala dessas brincadeiras do nosso tempo,parece que faz tanto tempo,
mas não, acho que as coisas mudaram tanto de uma hora pra outra que estamos no meio, parece que existe uma
grande barreira, um grande abismo entre nossa infância e esse momento[..]
Dividido entre o ser "indígena e não indígena" pois tem as suas diferenças, pois o
mesmo não se acostumou do lado "não indígena de ser" por ter padrões que a sociedade exige
em ter, um preconceito histórico contra os povos indígenas, que continua ainda muito vivo.
Outra pratica também e a violência contra os povos e comunidades indígenas, o que causa e a
cobiça de suas terras, as reivindicações dos povos indígenas são justas pois se fundamentam
nos direitos que possuem, como pessoas, como cidadãos e como povos diferenciados. Eles
exigem garantia da terra, da dignidade, da justiça e de um atendimento respeitoso e adequado
transformação ampla da sociedade. Quando se fala de preconceito é uma questão étnico-
cultural, por exemplo você pode ser uma pessoa, um sujeito negro, mas se você for um sujeito
negro ligado ao candomblé por exemplo, o olhar que se tem sobre você é o pior possível, de
interiorização maior e isso se faz também dentro das sessões indígenas, quando você olha
também o branco pobre, então queira quer sim ou não inventaram-se essas categorias, mas a
questão étnica muita das vezes ela é mais pesada que a questão social.
O mundo não indígena, ele é cruel [..]
Pois é, é uma coisa assim muito interessante até essa pergunta,se nós formos verificarmos até um
tempo atrás quando nós na nossa infância, ser professorera algo prazeroso, nós almejávamos ser
professores porque tinha uma respeitabilidade com relação ao ser professore eu falo que eu escolhi a
licenciatura[..]
Escolheu a licenciatura, que é essa ideia de construir, de se construir a todo instante,
pois sempre acreditou, pois foi criando numa etnia para exercer o sacerdócio.O sacerdócio
dentro da cultura indígena, as rezas os cânticos, então fez com que tivesse este aprendizado
sempre, ouvindo o outro, compartilhando com o outro, no processo todo de uma construção
autônoma de poder estar a frente produzindo conhecimento com os seus sujeitos, é a grande
diferença. Quem o motivo em ser Mestre e depois Doutor em Educação foi sua mãe, o mesmo
cita e sua tese o seguinte:"ela não me ensinou um caminho, não, ela simplesmente me disse
que tinham vastos caminhos e que eu os escolhesse para o meu próprio bem e ou para meu
próprio mal, não seria ela que diria o que eu iria fazer ou não, até que todos nós terenas, os
indígenas tem disso, nós saímos de casa as vezes muito cedo em busca de sonhos."
7
Os não indígenas no seu ver as vezes sonham demais, e estão sempre correndo atrás do
futuro, de um futuro que não chega, parece sempre agoniados . E para os indígenas já não,
"viver do hoje"pois é mais tranquilo, por não sofrer, porque o que vale para os indígenas é
marcar o momento do hoje, de ser lembrando pelas coisas que fez, e não pelas coisas que tem.
Hoje para a sua vivência nas comunidades, eles não deixam de juntar o que nós chamamos de
tradicional contemporâneo. Para os indígenas o tradicional é algo velho, o tradicional tão
contemporâneo quanto a questão tecnológica, que faz o tradicional ser contemporâneo.
[..] Antes nós pintávamos sim com urucum, sabemos ainda pintar com urucum, nós
sabemos, mas também hoje se precisar de uma pintura rápida ai eu uso tinta guache,
perdeu o simbolismo da pintura? Não! [..]
O próprio povo acaba criando estratégias mesmo para sobrevivência linguistica
territorial, pois a língua permanece, tem suas influencia, gírias e palavras que não tinham
antes, de terem os espaços sim de vivencia do jeito indígena. Evidenciar as suas lutas, não
somente por méritos próprios, mas ter sua mãe como o seu incentivo para dar continuidade
aos seus estudos, a sua ancestralidade indígena, dos seus antepassados que fizeram apontar
esses novos caminhos e sobretudo as pessoas que o acompanham, que faz parte deste novo
percurso, indígenas e não indígenas o mesmo diz: “quem foi anjo e quem foi demônio na
minha vida”, porque as vezes quem você acha quem foi o demônio ele foi o anjo! Relembra
que sua mãe lavava as roupas dos fazendeiros, para ele dar continuidade dos seus estudos
Eu ouvi muito isso “o que que esse bugre vai ser, esse bugre não vai prestar”,eu ouvi muito
isso, “vai ser igual o pai”, assim que falavam, “não vai valer nada, vai ser igual o pai”, porque
meu pai era peão de fazenda, ou seja, quem sabe pra eu trabalhar lá no campo prestava,quem
sabe[..]
Referente a formação continuada, o mesmo acredita muito na formação continuada
para os professores, porém não tem objetivos muitos claros para a educação que posso surtir o
efeito que os professores precisam, pois acha um desperdício de investimento, inclusive
financeiro. O professor em si, já sabe como lidar com as dinâmicas das interações e
experiências,na qual os saberes são construídos, seja para resolver problemas na prática
pedagógica seja para organizar-la. Formações continuadas hoje só refletem na proposta
8
pedagógica, pois é "agnóstica" ou seja, ela está ali por um, sendo sufocada a da cada dia por
todos e o professor já implica na constate desprazer. Se for verificar em escolas de qualquer
rede de ensino, no seus registros consta repetitivas formações continuada ,não é algo
prazeroso.
Formação continuada é papel apenas do coordenadorpedagógico ou do professor-coordenador,nós não
vamos avançar, porque ele parece aquela criatura que já nos medo, eu falo isso porque eu sou coordenador,
você chega lá e fala “hoje vai ser isso, hoje vai seraquilo, porque a secretaria me mandou, nós vamos ter que
cumprir, vocês vão ter que ler esse texto, e me dar uma devolutiva”, mas não é essa devolutiva que as nossas
crianças, que nossos alunos querem, eles querem uma devolutiva que dê sentido,que dê significado inclusive
pra própria prática pedagógica do professor,e não simplesmente algo.Na pedagogia nós estamos sofrendo
mais, porque de alguma forma a culpa sempre é nossa as culpas são nossas,enquanto pedagogos,mas ainda
infelizmente em pleno século XXI nós não descobrimos ou não aceitamos que o dialogar é a melhor de todas
as praticas, só que nunca na formação. [..]
Coordenador do Território Étnico Educacional Pós-Pantanal da região do Pantanal,
que trabalha com os povos indígenas da região e do Pantanal e Coordenador Geral dos Cursos
de Formação a nível médio Indígena, licenciado em pedagogia e matemática. A sua
contribuição e orientar os educadores, quanto ao conteúdo escolar, à forma de aprendizagem
dos alunos, com algumas noções de com a educação é vista fora e como a educação na aldeia.
O professor que gosta de ser reconhecido como professor, gratificante ser educador pode ser a
tarefa de educar a mais recompensadora, se formos de instigar nosso alunos para a busca do
conhecimento, do querer aprender, do prazer em conhecer. Ao compreender o papel do
educador, o diálogo é fundamental em qualquer nível de ensino. Por meio dele, intervimos e
nos adequamos às situações do processo ensino-aprendizagem.
Você fez parte do processo de construção daquela pessoa,processo de ensino-aprendizagem, então pra mim ser
chamado de professoré uma coisa que a gente tem que manter, é uma questão identidade profissional.[..]
Uma mensagem para aqueles (as) que estão na graduação de licenciatura em Pedagogia, "a
graduação é a principal chave é a porta de entrada para qualquer outra coisa, é o momento
mais rico que se tem de qualquer formação, as outras são só meros rituais, mestrado ou
doutorado.
Nesse processo de produção da graduação,eu só tenho a dizer que “façam da melhor forma possível.” O curso
de magistério nas redes estaduais e eu acho fantástico, a gente só aprende ser professorno curso de magistério,
9
não sei se é meu olhar,não é simplista, porque lá você tem tempo pra você produzir,a graduação infelizmente,
ela não te da tempo, ou você lê e produz [..]
Se possível, passaríamos dias e dias para descobrir mundos diversos sobre essa
trajetória de lutas e conquistas que precisará ficar gravada na memória e no coração de muitos
educandos e educadores sejam eles indígenas ou não.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A presente pesquisa teve por objetivo relatar as lutas e conquistas do Doutor
Indígena em Educação Antônio Carlos Seizer apresentar algumas constatações e
problemáticas que envolvem o tema proposto. O povo indígena ainda é muito discriminado
pela população em geral. Poucas são as pessoas que se preocupam com o bem-estar dos povos
indígenas, aos novos significados na medida que os indígenas constroem suas próprias forma
de ensinar e aprender, e sua própria forma de lidar com esses novos tempos tentando adaptá-
los ao cotidiano da vida não indígena. O que vimos e ouvimos dos professores indígenas
brasileiros, é que manter, recuperar os costumes ou as tradições dos povos originários não
será possível com o formato atual da escola. Talvez, o que necessitam seja de autonomia para
gerir a escola, no sentido de além de projetar um espaço físico adequado, terem a liberdade de
planejar o currículo em função dos costumes de cada comunidade.
Quanto ao motivo que nos levou a escolher como tema, como é ser professor indígena,
no sentido de entender como se dá essa prática, posso dizer que: não é fácil para os
professores indígenas “transitar nos dois mundos”, como também, que os cursos de formação
dos mesmos necessitam de uma reavaliação. Durante nossas conversas, foi possível perceber
que muitos não estão preparados para lidar com um ensino sistematizado e burocrático.
10
REFERÊNCIAS
BRAND,A. Autonomia e globalização, temas fundamentais no debate sobre educação escolar
indígena no contexto do Mercosul. Periódico do Mestrado em Educação da UCDB. Série - estudos.
Campo Grande/MS, 7: 7-18, abril/1999;
BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação - Lei Federal n.º 9.394/96. In: Diário oficial da
República Federativa do Brasil, n.º 248, de 23 de dezembro de 1996.. Brasília DF, 1996;
_______,Constituição da República Federativa do Brasil - 1988 Brasília: Senado Federal,
Subsecretaria de edições Técnicas,1999;
_______,Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar - elaborado pelo Comitê Escolar
Indígena. Brasília: MEC/SEF/DPEF, 1993. p.24;
________,Ministério da Educação e do Desporto. ReferencialCurricular Nacional para as Escolas
Indígenas. Brasília: MEC/SEF, 1997.
________,Plano nacional de educação. Brasília: MEC, 1998; 2000
BRASIL. Ministério da Educação. Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9.394, de 20 de
dezembro de 1996.
Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação. Brasília: MEC, 2001.
Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Escolar Indígena. Brasília:
MEC/SEF, 1998.
Martins, Gilson Rodolfo (2ª edição p.63 a 68, 2002) Ed. UFMS.
SILVA, A. L.; GRUPIONI, L. D. B. (org.). A Temática indígena na escola: novos subsídios para
professores de 1º e 2º graus. São Paulo: Global; Brasília: MEC: MARI: UNESCO, 2004.
LADEIRA, M. E. Desafios de uma política para a educação escolar indígena. Revista de Estudos e
Pesquisas. FUNAI. Brasília, n.2, p. 141-155, 2004. Disponível em: Acesso em: 19 ago.2007.
SILVA, A. L., FERREIRA, M. K. L. (orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a
escola. São Paulo: Global, 2001.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Alinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzziAlinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzzi
 
Kelly
KellyKelly
Kelly
 
Edna isabel erika
Edna isabel erikaEdna isabel erika
Edna isabel erika
 
Aline ana suelen_viviany
Aline ana suelen_vivianyAline ana suelen_viviany
Aline ana suelen_viviany
 
Adriana franciellen erika
Adriana  franciellen erikaAdriana  franciellen erika
Adriana franciellen erika
 
Flavia vanuza monica
Flavia vanuza monicaFlavia vanuza monica
Flavia vanuza monica
 
Jose flavio 1
Jose flavio 1Jose flavio 1
Jose flavio 1
 
Aline naiany erika
Aline naiany erikaAline naiany erika
Aline naiany erika
 
Priscila maria jehnnifer_simone
Priscila maria jehnnifer_simonePriscila maria jehnnifer_simone
Priscila maria jehnnifer_simone
 
Analu nilcelia
Analu nilceliaAnalu nilcelia
Analu nilcelia
 
Marlene monica
Marlene monicaMarlene monica
Marlene monica
 
Jucilene priscila
Jucilene priscilaJucilene priscila
Jucilene priscila
 
TRABALHANDO O FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
TRABALHANDO O  FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTILTRABALHANDO O  FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
TRABALHANDO O FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Bruna sdmara
Bruna sdmaraBruna sdmara
Bruna sdmara
 
Laura simone
Laura simoneLaura simone
Laura simone
 
Ana carla gisela
Ana carla giselaAna carla gisela
Ana carla gisela
 
Rosana rosimara erika
Rosana rosimara erikaRosana rosimara erika
Rosana rosimara erika
 
Care marcia
Care marciaCare marcia
Care marcia
 
Aline eliane
Aline elianeAline eliane
Aline eliane
 
Fernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavioFernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavio
 

Semelhante a Maria rosa ticiane erika

Bicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etniasBicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etniastemastransversais
 
Artigo sobre Educação étnica
Artigo sobre Educação étnicaArtigo sobre Educação étnica
Artigo sobre Educação étnicaMaryanne Monteiro
 
Artigo cientifico anhanguera educação e diversidade
Artigo cientifico anhanguera   educação e diversidadeArtigo cientifico anhanguera   educação e diversidade
Artigo cientifico anhanguera educação e diversidademkbariotto
 
Artigo cientifico anhanguera
Artigo cientifico anhangueraArtigo cientifico anhanguera
Artigo cientifico anhangueramkbariotto
 
Artigo cientifico educação e diversidade
Artigo cientifico   educação e diversidadeArtigo cientifico   educação e diversidade
Artigo cientifico educação e diversidademkbariotto
 
identidade, cultura e pertencimento.pptx
identidade, cultura e pertencimento.pptxidentidade, cultura e pertencimento.pptx
identidade, cultura e pertencimento.pptxCrisnaiaraCndido
 
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade   livro - educação em diálogos com a diversidadeDiversidade   livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidadeElizete Santos
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1temastransversais
 
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014arlete buchardt
 
Eduação e Diversidade Cultural: Educação infantil
Eduação e Diversidade Cultural: Educação infantilEduação e Diversidade Cultural: Educação infantil
Eduação e Diversidade Cultural: Educação infantilMary Konopka
 
Práticas educativas em alternância de denize monteiro de lima
Práticas educativas em alternância  de denize monteiro de limaPráticas educativas em alternância  de denize monteiro de lima
Práticas educativas em alternância de denize monteiro de limapastoraldaterra.ro
 
Relações étnico.docx
Relações étnico.docxRelações étnico.docx
Relações étnico.docxAna Carvalho
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALAline Martendal
 
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALIYour file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALItemastransversais
 

Semelhante a Maria rosa ticiane erika (20)

Bicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etniasBicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
Bicastiradentes pluralidadeculturalii etnias
 
Artigo sobre Educação étnica
Artigo sobre Educação étnicaArtigo sobre Educação étnica
Artigo sobre Educação étnica
 
Artigo cientifico anhanguera educação e diversidade
Artigo cientifico anhanguera   educação e diversidadeArtigo cientifico anhanguera   educação e diversidade
Artigo cientifico anhanguera educação e diversidade
 
Artigo cientifico anhanguera
Artigo cientifico anhangueraArtigo cientifico anhanguera
Artigo cientifico anhanguera
 
Artigo cientifico educação e diversidade
Artigo cientifico   educação e diversidadeArtigo cientifico   educação e diversidade
Artigo cientifico educação e diversidade
 
identidade, cultura e pertencimento.pptx
identidade, cultura e pertencimento.pptxidentidade, cultura e pertencimento.pptx
identidade, cultura e pertencimento.pptx
 
Apresentação2.pptx
Apresentação2.pptxApresentação2.pptx
Apresentação2.pptx
 
Educaçao multicultural
Educaçao multiculturalEducaçao multicultural
Educaçao multicultural
 
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade   livro - educação em diálogos com a diversidadeDiversidade   livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
 
Ebook diversidade e cultura inclusiva
Ebook  diversidade e cultura inclusivaEbook  diversidade e cultura inclusiva
Ebook diversidade e cultura inclusiva
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
 
Educação indígena
Educação indígenaEducação indígena
Educação indígena
 
Educação indígena
Educação indígenaEducação indígena
Educação indígena
 
Cultura e artes
Cultura e artesCultura e artes
Cultura e artes
 
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
 
Eduação e Diversidade Cultural: Educação infantil
Eduação e Diversidade Cultural: Educação infantilEduação e Diversidade Cultural: Educação infantil
Eduação e Diversidade Cultural: Educação infantil
 
Práticas educativas em alternância de denize monteiro de lima
Práticas educativas em alternância  de denize monteiro de limaPráticas educativas em alternância  de denize monteiro de lima
Práticas educativas em alternância de denize monteiro de lima
 
Relações étnico.docx
Relações étnico.docxRelações étnico.docx
Relações étnico.docx
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
 
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALIYour file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
 

Mais de Fernando Pissuto (15)

Thaynara e vanuza
Thaynara e vanuzaThaynara e vanuza
Thaynara e vanuza
 
Talita
TalitaTalita
Talita
 
Suelen bruna hagrayzes
Suelen bruna hagrayzesSuelen bruna hagrayzes
Suelen bruna hagrayzes
 
Rubens arguelho
Rubens arguelhoRubens arguelho
Rubens arguelho
 
Neidi monica
Neidi monicaNeidi monica
Neidi monica
 
Maria solange
Maria solangeMaria solange
Maria solange
 
Maria claudionora
Maria claudionoraMaria claudionora
Maria claudionora
 
Luzia
LuziaLuzia
Luzia
 
Luana aparecida monica
Luana aparecida monicaLuana aparecida monica
Luana aparecida monica
 
Leticia erika
Leticia erikaLeticia erika
Leticia erika
 
Jose flavio 2
Jose flavio 2Jose flavio 2
Jose flavio 2
 
Jennifer alyne maria
Jennifer alyne mariaJennifer alyne maria
Jennifer alyne maria
 
Hellen carolinne rebeca
Hellen carolinne rebecaHellen carolinne rebeca
Hellen carolinne rebeca
 
Francielle gustavo neide
Francielle gustavo neideFrancielle gustavo neide
Francielle gustavo neide
 
Elaine jessica jose
Elaine jessica joseElaine jessica jose
Elaine jessica jose
 

Último

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 

Último (20)

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 

Maria rosa ticiane erika

  • 1. 1 “DE CRIANÇA INDÍGENA A DOUTOR EM EDUCAÇÃO: UMA HISTÓRIA DE LUTAS E CONQUISTAS” Maria da Silva Rosa 1 Ticiane Velasques Teixeira 2 Erika Karla Barros da Costa ³ Eixo temático:Sustentabilidade, Diversidade e Direitos Humanos Categoria: Comunicação Oral RESUMO O objetivo deste estudo é relatar a trajetória profissional de lutas e conquistas do indígena "Antônio Carlos Seizer" com enfoque em sua vida e experiências de criança indígena a doutor em educação; procurando mostrar as situações por ele enfrentadas ao longo de sua trajetória entre indígenas e não indígenas. Seu modo de pensar e ver a construção de sua história perante a sociedade. O conteúdo permite conhecer sobre as histórias e ensinamentos do então doutor Carlos Seizer, suas ações colocadas em prática em função da sociedade, a disputa por sua formação, os desafios ultrapassados e as grandes diversidades ligadas a cultura e a história de identidade no contexto vivenciado. O tema fala sobre o papel que este doutor desenvolve na sociedade o seu comprometimento e dedicação em educar. Em uma conversa de orientação com a nossa orientadora Erika Karla Barros da Costa, surgiu a ideia de conhecer e estudar a história deste grande nome da educação, por tratar-se de um tema de extrema relevância para Mato Grosso do Sul: a educação escolar indígena, uma vez que este estado possui a segunda maior população indígena do país Palavras-Chave: Educação, indígena, lutas. 1 Graduanda de Pedagogia do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande/ UNAES, email:mariasilvarosaze@hotmail.com 2 Graduanda de Pedagogia do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande/UNAES email:ticiane_hm@yahoo.com.br ³ Professora e Coordenadora do curso de Pedagogia do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande/ UNAES e FUNLEC, e-mail: erika.barroscosta@anhanguera.com
  • 2. 2 INTRODUÇÃO Minha motivação para abordar este tema decorre do fato de que, no período de 2004 a 2006, trabalhei como estagiária na Fundação Nacional da Saúde - FUNASA cuja fundação promove a saúde pública e a inclusão social. Por meio do trabalho diário, despertou-me interesse em obter respostas a determinadas questões: qual é, de fato, o perfil do professor indígena? Como ele atua, na prática para o alcance do objetivo de formar a criança e o adolescente indígena com vistas ao conhecimento e à preservação de sua cultura e ao mesmo tempo o conhecimento da língua e da cultura da sociedade envolvente? Quais são as suas dificuldades, como professor para "transitar" com os seus alunos por dois mundos diferentes "o indígena e não indígena"? O interesse e a curiosidade em saber mais de uma cultura rica, que contribui a sua comunidade diante de impasses e desafios. Todo esse desejo e curiosidade se uniram aos da minha parceira de estudo e fomos instigadas à pesquisa por nossa orientadora. De um diálogo, surgiu um nome e a partir destes, as pesquisas e descobertas se iniciaram. O direito à Educação Escolar Indígena foi garantido na Constituição Federal de 1988, a partir daí a população indígena e reconhecida não mais naquela política de extermínio cultura dos povos. A Constituição é o primeiro marco legal que reconhece os povos indígenas como cidadãos brasileiros e garante-lhes uma educação específica. Depois em 1996, a LDB (Leis de Diretrizes e Bases da Educação) vem reforçar esse direito, e a Resolução nº03/1999, do Conselho Nacional de Educação, cria a categoria de escola indígena. O indígena tem grande desafio a enfrentar, o de interagir conhecimento indígena e não indígena à didática pedagógica, considerando que as duas culturas são importantes. Além disto é preciso ressaltar a importância da formação de professores em Mato Grosso do Sul, uma conquista fruto de muita luta. Esses novos “profissionais” indígenas têm demandado, juntamente com suas comunidades, uma formação específica, que lhes permita concluir a escolarização básica e obter uma formação em magistério, de modo que possam exercer uma educação qualificada em benefício das crianças indígenas. Por diversos motivos a educação indígena teve momentos de excessivo acanhamento, quase sem coragem para reclamar sua autonomia e seus direitos. Além disto, também enfrentam resistências relacionadas à cultura, existem muitos pais indígenas que se sentem inseguros em mandar as crianças com idade de
  • 3. 3 quatro e cinco anos para a escola, a própria comunidade resiste ao ingresso na Educação Infantil.. O objetivo, nesse momento, é que a escola seja a intersecção entre os saberes próprios das comunidades e os saberes da sociedade nacional. OBJETIVOS Para alcançar os objetivos propostos, a pesquisa passou por dois momentos específicos, considerando o contexto cultural e sócio político da realidade observada: primeiramente o estudo centrou-se em análises bibliográficas, documentais e etnográficas, em seguida foi realizada uma entrevista com o professor Antônio Carlos Seizer, o primeiro Doutor indígena a se formar no Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado e Doutorado, com a tese "Kalivôno Hikó Terenôe: sendo criança indígena terena do século XXI - vivendo e aprendendo nas tramais das tradições, traduções e negociações" portanto o objetivo do estudo é apresentar as suas lutas e conquistas no meio da educação. Os povos indígenas transmitem conhecimento de formar singular de geração a geração; pois sua cultura, língua, tradições, visão de mundo são transmitidos coletivamente. pela transformação e conquista do direito a uma educação diferenciada, intercultural, que respeitasse sua organização social, valores, crenças e tradições.
  • 4. 4 METODOLOGIA Diante do que se pretende nas licenciaturas, uma avaliação como essa, é fundamental para o aprimoramento das atividades oferecidas, uma vez que a estrutura curricular do curso possibilita mobilidade para as adequações, tendo em vista o êxito no processo de ensino- aprendizagem dos professores em formação. Pelo que foi adquirido no desenvolvimento das atividades, participação e avaliações escritas, a sua meta principal que e, além de desenvolver as atividades de ensino-aprendizagem, possibilitar reflexões sobre a construção da escola indígena, considerando as particularidades e a abrangência das questões pedagógicas, culturais, legais e políticas envolvidas. A interculturalidade considera a diversidade cultural no processo de ensino e aprendizagem. A escola deve trabalhar com os valores, saberes tradicionais e práticas de cada comunidade e garantir o acesso à conhecimentos e tecnologias da sociedade nacional relevantes para o processo de interação e participação cidadã na sociedade nacional. Com isso, as atividades curriculares devem ser significativas e contextualizadas às experiências dos educando e de suas comunidades. As escolas indígenas se propõem a ser espaços interculturais, onde se debatem e se constroem conhecimentos e estratégias sociais sobre a situação de contato interétnico, podem ser conceituadas como escolas de fronteira espaços públicos em que situações de ensino e aprendizagem estão relacionadas às políticas identitárias e culturais de cada povo indígena. A escola indígena se caracteriza por ser comunitária, ou seja, espera-se que esteja articulada aos anseios de comunidade e a seus projetos de sustentabilidade territorial e cultural. Dessa forma, a escola e seus profissionais devem ser aliados da comunidade e trabalhar a partir do diálogo e participação comunitária, definindo desde o modelo de gestão e calendário escolar – o qual deve estar em conformidade às atividades rituais e produtivas do grupo - até os temas e conteúdos do processo de ensino-aprendizagem.
  • 5. 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO DA APLICAÇÃO EMPREGADA Em entrevista realizada com o professor Doutor em Educação Antônio Carlos Seizer, verificou-se que ele tem 33 anos, é da etnia Terena e tráz um sobrenome alemão, porém são devido aos contatos no final do século XIX entre os terenas e os não indígenas que aqui chegavam, o seu avô no caso era filho de um alemão e missionário na região de Miranda e Aquidauana. Como no final de 1940 e 1990 a maioria dos Terenas trabalhavam em fazendas, devido a situação pós-guerra, todo esse realdeamento, então, a sua mãe no caso saiu da aldeia com seu pai para que pudessem perambular pelas fazendas buscando trabalho, então acabou por estudar mais nas fazendas e posteriormente na cidades, por conta que nas comunidades indígenas também a escolarização era apenas do 1° ao 5° ano. Na 4º série na época e por incrível que pareça o ensino nas comunidades o principal viés era a ideia de catequização ou de evangelização, não tinha muito essa coisa “ah vamos estudar”, sua mãe foi ousada para o tempo dela, uma mulher como muitas mulheres Terenas também fizeram, ir a cidade e dar continuidade a os estudos sem perder o vinculo com a comunidade. Abandonado pelo pai, aos sete anos de idade ele desempenhou duas funções: de estudar e trabalhar como jardineiro até concluir o Ensino Médio. [..] minha infância foi dividida entre o trabalho que pra nós também tem uma diferença muito grande, o trabalho para nós indígenas não é na concepção de exploração como muita gente vê o trabalho infantil, mas é de aprendizagem e socialização, minha mãe colocava a gente pra trabalhar, além claro que eu ganhava pra ajudar em casa, mas também minha mãe sempre dizia “você precisa trabalhar porque você precisa aprender também”[..] Com infância rígida pela mãe, se tornou homem responsável para ajudar sua mãe e suas irmãs mais novas, para o sustento da casa. Com toda a sua responsabilidade, sempre o brincar e as brincadeiras estavam presentes como: correr, brincar e subir em arvores. Uma breve comparação com as crianças de hoje, cujo a sua tese de Doutorado que questiona: quem são hoje essas crianças do século XXI, que não são essas crianças que nós fomos produzidos? Pois hoje o brincar e totalmente diferente e imparcial como antigamente, hoje se engloba nas tecnologias e em torno do mundo superficial de avanços globalizados.
  • 6. 6 [..] Liberdade que se faz presente quando se fala dessas brincadeiras do nosso tempo,parece que faz tanto tempo, mas não, acho que as coisas mudaram tanto de uma hora pra outra que estamos no meio, parece que existe uma grande barreira, um grande abismo entre nossa infância e esse momento[..] Dividido entre o ser "indígena e não indígena" pois tem as suas diferenças, pois o mesmo não se acostumou do lado "não indígena de ser" por ter padrões que a sociedade exige em ter, um preconceito histórico contra os povos indígenas, que continua ainda muito vivo. Outra pratica também e a violência contra os povos e comunidades indígenas, o que causa e a cobiça de suas terras, as reivindicações dos povos indígenas são justas pois se fundamentam nos direitos que possuem, como pessoas, como cidadãos e como povos diferenciados. Eles exigem garantia da terra, da dignidade, da justiça e de um atendimento respeitoso e adequado transformação ampla da sociedade. Quando se fala de preconceito é uma questão étnico- cultural, por exemplo você pode ser uma pessoa, um sujeito negro, mas se você for um sujeito negro ligado ao candomblé por exemplo, o olhar que se tem sobre você é o pior possível, de interiorização maior e isso se faz também dentro das sessões indígenas, quando você olha também o branco pobre, então queira quer sim ou não inventaram-se essas categorias, mas a questão étnica muita das vezes ela é mais pesada que a questão social. O mundo não indígena, ele é cruel [..] Pois é, é uma coisa assim muito interessante até essa pergunta,se nós formos verificarmos até um tempo atrás quando nós na nossa infância, ser professorera algo prazeroso, nós almejávamos ser professores porque tinha uma respeitabilidade com relação ao ser professore eu falo que eu escolhi a licenciatura[..] Escolheu a licenciatura, que é essa ideia de construir, de se construir a todo instante, pois sempre acreditou, pois foi criando numa etnia para exercer o sacerdócio.O sacerdócio dentro da cultura indígena, as rezas os cânticos, então fez com que tivesse este aprendizado sempre, ouvindo o outro, compartilhando com o outro, no processo todo de uma construção autônoma de poder estar a frente produzindo conhecimento com os seus sujeitos, é a grande diferença. Quem o motivo em ser Mestre e depois Doutor em Educação foi sua mãe, o mesmo cita e sua tese o seguinte:"ela não me ensinou um caminho, não, ela simplesmente me disse que tinham vastos caminhos e que eu os escolhesse para o meu próprio bem e ou para meu próprio mal, não seria ela que diria o que eu iria fazer ou não, até que todos nós terenas, os indígenas tem disso, nós saímos de casa as vezes muito cedo em busca de sonhos."
  • 7. 7 Os não indígenas no seu ver as vezes sonham demais, e estão sempre correndo atrás do futuro, de um futuro que não chega, parece sempre agoniados . E para os indígenas já não, "viver do hoje"pois é mais tranquilo, por não sofrer, porque o que vale para os indígenas é marcar o momento do hoje, de ser lembrando pelas coisas que fez, e não pelas coisas que tem. Hoje para a sua vivência nas comunidades, eles não deixam de juntar o que nós chamamos de tradicional contemporâneo. Para os indígenas o tradicional é algo velho, o tradicional tão contemporâneo quanto a questão tecnológica, que faz o tradicional ser contemporâneo. [..] Antes nós pintávamos sim com urucum, sabemos ainda pintar com urucum, nós sabemos, mas também hoje se precisar de uma pintura rápida ai eu uso tinta guache, perdeu o simbolismo da pintura? Não! [..] O próprio povo acaba criando estratégias mesmo para sobrevivência linguistica territorial, pois a língua permanece, tem suas influencia, gírias e palavras que não tinham antes, de terem os espaços sim de vivencia do jeito indígena. Evidenciar as suas lutas, não somente por méritos próprios, mas ter sua mãe como o seu incentivo para dar continuidade aos seus estudos, a sua ancestralidade indígena, dos seus antepassados que fizeram apontar esses novos caminhos e sobretudo as pessoas que o acompanham, que faz parte deste novo percurso, indígenas e não indígenas o mesmo diz: “quem foi anjo e quem foi demônio na minha vida”, porque as vezes quem você acha quem foi o demônio ele foi o anjo! Relembra que sua mãe lavava as roupas dos fazendeiros, para ele dar continuidade dos seus estudos Eu ouvi muito isso “o que que esse bugre vai ser, esse bugre não vai prestar”,eu ouvi muito isso, “vai ser igual o pai”, assim que falavam, “não vai valer nada, vai ser igual o pai”, porque meu pai era peão de fazenda, ou seja, quem sabe pra eu trabalhar lá no campo prestava,quem sabe[..] Referente a formação continuada, o mesmo acredita muito na formação continuada para os professores, porém não tem objetivos muitos claros para a educação que posso surtir o efeito que os professores precisam, pois acha um desperdício de investimento, inclusive financeiro. O professor em si, já sabe como lidar com as dinâmicas das interações e experiências,na qual os saberes são construídos, seja para resolver problemas na prática pedagógica seja para organizar-la. Formações continuadas hoje só refletem na proposta
  • 8. 8 pedagógica, pois é "agnóstica" ou seja, ela está ali por um, sendo sufocada a da cada dia por todos e o professor já implica na constate desprazer. Se for verificar em escolas de qualquer rede de ensino, no seus registros consta repetitivas formações continuada ,não é algo prazeroso. Formação continuada é papel apenas do coordenadorpedagógico ou do professor-coordenador,nós não vamos avançar, porque ele parece aquela criatura que já nos medo, eu falo isso porque eu sou coordenador, você chega lá e fala “hoje vai ser isso, hoje vai seraquilo, porque a secretaria me mandou, nós vamos ter que cumprir, vocês vão ter que ler esse texto, e me dar uma devolutiva”, mas não é essa devolutiva que as nossas crianças, que nossos alunos querem, eles querem uma devolutiva que dê sentido,que dê significado inclusive pra própria prática pedagógica do professor,e não simplesmente algo.Na pedagogia nós estamos sofrendo mais, porque de alguma forma a culpa sempre é nossa as culpas são nossas,enquanto pedagogos,mas ainda infelizmente em pleno século XXI nós não descobrimos ou não aceitamos que o dialogar é a melhor de todas as praticas, só que nunca na formação. [..] Coordenador do Território Étnico Educacional Pós-Pantanal da região do Pantanal, que trabalha com os povos indígenas da região e do Pantanal e Coordenador Geral dos Cursos de Formação a nível médio Indígena, licenciado em pedagogia e matemática. A sua contribuição e orientar os educadores, quanto ao conteúdo escolar, à forma de aprendizagem dos alunos, com algumas noções de com a educação é vista fora e como a educação na aldeia. O professor que gosta de ser reconhecido como professor, gratificante ser educador pode ser a tarefa de educar a mais recompensadora, se formos de instigar nosso alunos para a busca do conhecimento, do querer aprender, do prazer em conhecer. Ao compreender o papel do educador, o diálogo é fundamental em qualquer nível de ensino. Por meio dele, intervimos e nos adequamos às situações do processo ensino-aprendizagem. Você fez parte do processo de construção daquela pessoa,processo de ensino-aprendizagem, então pra mim ser chamado de professoré uma coisa que a gente tem que manter, é uma questão identidade profissional.[..] Uma mensagem para aqueles (as) que estão na graduação de licenciatura em Pedagogia, "a graduação é a principal chave é a porta de entrada para qualquer outra coisa, é o momento mais rico que se tem de qualquer formação, as outras são só meros rituais, mestrado ou doutorado. Nesse processo de produção da graduação,eu só tenho a dizer que “façam da melhor forma possível.” O curso de magistério nas redes estaduais e eu acho fantástico, a gente só aprende ser professorno curso de magistério,
  • 9. 9 não sei se é meu olhar,não é simplista, porque lá você tem tempo pra você produzir,a graduação infelizmente, ela não te da tempo, ou você lê e produz [..] Se possível, passaríamos dias e dias para descobrir mundos diversos sobre essa trajetória de lutas e conquistas que precisará ficar gravada na memória e no coração de muitos educandos e educadores sejam eles indígenas ou não. CONSIDERAÇÕES FINAIS A presente pesquisa teve por objetivo relatar as lutas e conquistas do Doutor Indígena em Educação Antônio Carlos Seizer apresentar algumas constatações e problemáticas que envolvem o tema proposto. O povo indígena ainda é muito discriminado pela população em geral. Poucas são as pessoas que se preocupam com o bem-estar dos povos indígenas, aos novos significados na medida que os indígenas constroem suas próprias forma de ensinar e aprender, e sua própria forma de lidar com esses novos tempos tentando adaptá- los ao cotidiano da vida não indígena. O que vimos e ouvimos dos professores indígenas brasileiros, é que manter, recuperar os costumes ou as tradições dos povos originários não será possível com o formato atual da escola. Talvez, o que necessitam seja de autonomia para gerir a escola, no sentido de além de projetar um espaço físico adequado, terem a liberdade de planejar o currículo em função dos costumes de cada comunidade. Quanto ao motivo que nos levou a escolher como tema, como é ser professor indígena, no sentido de entender como se dá essa prática, posso dizer que: não é fácil para os professores indígenas “transitar nos dois mundos”, como também, que os cursos de formação dos mesmos necessitam de uma reavaliação. Durante nossas conversas, foi possível perceber que muitos não estão preparados para lidar com um ensino sistematizado e burocrático.
  • 10. 10 REFERÊNCIAS BRAND,A. Autonomia e globalização, temas fundamentais no debate sobre educação escolar indígena no contexto do Mercosul. Periódico do Mestrado em Educação da UCDB. Série - estudos. Campo Grande/MS, 7: 7-18, abril/1999; BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação - Lei Federal n.º 9.394/96. In: Diário oficial da República Federativa do Brasil, n.º 248, de 23 de dezembro de 1996.. Brasília DF, 1996; _______,Constituição da República Federativa do Brasil - 1988 Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de edições Técnicas,1999; _______,Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar - elaborado pelo Comitê Escolar Indígena. Brasília: MEC/SEF/DPEF, 1993. p.24; ________,Ministério da Educação e do Desporto. ReferencialCurricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC/SEF, 1997. ________,Plano nacional de educação. Brasília: MEC, 1998; 2000 BRASIL. Ministério da Educação. Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação. Brasília: MEC, 2001. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Escolar Indígena. Brasília: MEC/SEF, 1998. Martins, Gilson Rodolfo (2ª edição p.63 a 68, 2002) Ed. UFMS. SILVA, A. L.; GRUPIONI, L. D. B. (org.). A Temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. São Paulo: Global; Brasília: MEC: MARI: UNESCO, 2004. LADEIRA, M. E. Desafios de uma política para a educação escolar indígena. Revista de Estudos e Pesquisas. FUNAI. Brasília, n.2, p. 141-155, 2004. Disponível em: Acesso em: 19 ago.2007. SILVA, A. L., FERREIRA, M. K. L. (orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001.