Ortografia

4.180 visualizações

Publicada em

2º. Seminário de 24horas realizado em 17 a 19.06.2013

Os conteúdos abordados nas Unidades 3 e 4 – Sistema de Escrita Alfabética e Ludicidade na aprendizagem.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.180
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
152
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ortografia

  1. 1. Ortografia: como trabalhar? Como trabalhar a ortografia com os alunos? Ao se trabalhar com a ortografia no Ciclo de Alfabetização, deve-se privilegiar algum aspecto? O que não se pode deixar de trabalhar? O que julgo dispensável nesse momento de Alfabetização? Como a criança aprende mesmo a escrever corretamente as palavras?
  2. 2. Ortografia: como trabalhar? O ensino da ortografia deve ser iniciado no ano 3, etapa em que a criança já compreende o sistema de escrita alfabética. Nessa etapa de escolarização, deve-se chamar a atenção dos alunos para algumas regularidades da língua escrita. Nossa norma ortográfica apresenta casos de regularidades e irregularidades na relação entre sons e letras. Caderno Pacto, Unidade 03, p. 26.
  3. 3. As correspondências regulares podem ser de três tipos: diretas, contextuais e morfológico-gramaticais. A apropriação dessas restrições se dá através da compreensão dos princípios gerativos da norma, isto é, das regras. Caderno Pacto, Unidade 03, p. 26.
  4. 4. As regularidades diretas são evidenciadas quando só existe na língua um grafema para notar determinado fonema (é o caso de P, B, T, D, F, V). Por exemplo, o P representará sempre o fonema /p/ (pato, capa, chapéu, entre outras), independente da posição em que apareça na palavra. A grafia desses sons não impõe dificuldades às crianças que já começaram a perceber essa relação já no momento da apropriação do SEA. Caderno Pacto, Unidade 03, p. 26.
  5. 5. As correspondências letra-som regulares diretas (P, B, T, D, F, V) P/B T/D F/V PATO/BATO TATA/DATA FACA/VACA PECA/BECA TECA/DECA FERA/VERA PICO/BICO TITO/DITO FILA/VILA POTE/BOTE TOMO/DOMO FOTO/VOTO
  6. 6. As regularidades contextuais, por sua vez, ocorrem quando a relação letra-som é determinada pela posição (contexto) em que a letra aparece dentro da palavra. Por exemplo: o uso do C ou QU relaciona-se ao som /k/, mas depende da vogal com que forme sílaba (casa, pequeno). Uma dificuldade para as crianças está relacionada à escrita das vogais nasais e dos ditongos nasais, o que pode ser explicado pela quantidade de possibilidades que existe na língua portuguesa para marcar a nasalidade: M/N em posição final de sílaba (campo, canto), uso do til (manhã), uso do dígrafo NH (linha), além dos casos de nasalização por contiguidade, em que a nasalização ocorre porque a sílaba seguinte já começa com uma consoante nasal – (amo). Caderno Pacto, Unidade 03, p. 26-7.
  7. 7. As correspondências letra-som regulares contextuais: C/QU; G/GU; R/RR; SA/SO/SU em início de palavra. JA/JO/JU; Z inicial; O ou U/ E ou I em sílaba final. M e N nasalizando final de sílaba. NH; Ã e ÃO em final de substantivos e adjetivos. C/QU: CINTO/QUINTO; JACA/JAQUETA. G/GU: GELA/GUELA; GAROTO/GUARANÁ. R/RR: CARO/CARRO; FERA/FERRA; SA/SO/SU: SALA; SOLA; SUBA. JA/JO/JU: JACA; JOCA; JUCA. Z: ZERO; ZULMIRA. O ou U/E ou I em sílaba final: VOVÓ/CAJU/BULE/SACI. M e N nasalizando final de sílaba: POM-BO; MAN-GA. NH; Ã e ÃO: NINHO; IRMÃ; IRMÃO.
  8. 8. Análise Linguística: Outros Conhecimentos ANO 1 ANO 2 ANO 3 Grafar corretamente palavras com correspondências regulares diretas entre letras e fonemas (P, B, T, D, F, V). I/A A C Grafar corretamente palavras com correspondências regulares contextuais entre letras ou grupos de letras e seu valor sonoro (C/QU; G/GU; R/RR; SA/ SO/SU em início de palavra; JA/JO/JU; Z inicial; O ou U/ E ou I em sílaba final; M e N nasalizando final de sílaba; NH; Ã e ÃO em final de substantivos e adjetivos). I A/C
  9. 9. As correspondências letra-som regulares morfológico-gramaticais As correspondências som-grafia baseadas em regras morfológico-gramaticais estão presentes também nas flexões verbais. As crianças, para garantir a escrita correta desses verbos, inicialmente, elas podem levantar hipóteses quanto a sua grafia. A depender da pronúncia, algumas podem grafar a terminação com /o/; /u/; /l/. A escrita correta virá a partir do estudo morfológico, ou seja, da compreensão da classe da palavra.
  10. 10. Por exemplo, empregamos U no final de verbos no passado, na terceira pessoa, como: EU CANTEI EU BEBI EU SORRI TU CANTASTE TU BEBESTE TU SORRISTE ELE CANTOU ELE BEBEU ELE SORRIU Mas empregamos o O no final de verbos no presente, na primeira pessoa, como: EU CANTO EU BEBO EU SORRIO
  11. 11. O uso dessas regularidades baseia-se em regras que, aos poucos, as crianças assimilam a partir de um trabalho sistemático, cujo princípio é a reflexão.
  12. 12. As correspondências irregulares, por outro lado, não apresentam uma regra que ajude o aprendiz a selecionar a letra ou o dígrafo que deverá ser usado. Apenas um dicionário ou a memorização poderá ajudar nesses casos (MORAIS, 1998). CHAPÉU / VASSOURA / QUEIJO / CARROÇA CAMINHÃO / PALHA / DESCIDA / EXCEÇÃO Caderno Pacto, Unidade 03, p. 26.
  13. 13. Hora da Atividade! Cada grupo deve analisar seu texto (trava-língua) e, a partir dele, propor uma atividade que contemple as regularidades diretas (as evidenciadas quando só existe na língua um grafema para notar determinado fonema: é o caso de P, B, T, D, F, V). Esta pode ou não conter o texto em si. Exposição da atividade para o grupo.
  14. 14. A partir dessa atividade, o que podemos constatar que as crianças já sabem sobre a escrita? Assim como é necessário conhecer o que as crianças já sabem sobre a escrita e o que ainda precisam saber, é necessária também a realização de um diagnóstico ortográfico para identificar o que as crianças já sabem sobre a norma, o que elas sabem de forma assistemática e o que elas ainda precisam saber. Assim, os professores devem pensar sobre os seus objetivos de ensino (o que devem ensinar?) e nos objetivos didáticos (o que os alunos irão aprender com determinado tipo de atividade?), de forma integrada aos objetivos formativos do currículo das escolas do campo. Caderno Pacto, Unidade 03, p. 36.
  15. 15. A partir do mapeamento, é necessário organizar o ensino, de modo a tratar separadamente as regularidades e irregularidades da norma ortográfica. O registro constante dos avanços das crianças em relação ao conhecimento ortográfico também deve ser realizado, o que ajudará o docente a rever e estabelecer novos objetivos. Caderno Pacto, Unidade 03, p. 36.
  16. 16. O rei e a rainha foram passear numa carruagem muito bela que mandaram comprar. A coroa do rei era prateada, mas de ouro enfeitada. Ele beijava a rainha, que estava apaixonada. Andavam perto do rio, e nas ruas decoradas, adoravam a cidade e andavam de mãos dadas. Disponível em: http://www.aprenderebrincar.com/2012/10/poema-e-atividades-com-letra-r.html Acesso em: 05.06.13.
  17. 17. O SOM DO R /r/ - posição intervocálica (vibrante) – arara, cururu; /r/ - posição não intervocálica (vibrante) - proveito, criativo; /r/, /rr/ - consoante uvular - formada pelo impedimento do ar pela vibração da úvula - forte, carro, honra, rainha, rei.
  18. 18. VÍDEOS: PARTE 01: http://www.youtube.com/watch?v=GMc3XXtPIsg PARTE 2:http://www.youtube.com/watch?v=F7Hcg8NTajQ
  19. 19. CHINESA BARONESA TRISTEZA RIQUEZA PRINCESA PUREZA DUQUESA FINEZA DUREZA ESPERTEZA
  20. 20. O que as palavras abaixo têm em comum? CHINESA PORTUGUESA INGLESA BARONESA DUQUESA PRINCESA JAPONESA MALVADEZA PUREZA FINEZA DUREZA RIQUEZA TRISTEZA ESPERTEZA BELEZA Todas têm o mesmo som. No entanto, a grafia muda. Então, como trabalhar a ortografia delas?
  21. 21. Por meio das REGRAS! As correspondências regulares morfológico-gramaticais são compostas de regras que envolvem morfemas tanto ligados à formação de palavras por derivação lexical como por flexão (MORAIS, 1998), ou seja, nesses casos, são os aspectos gramaticais que determinam o grafema que será usado. belo – beleza esperto – esperteza duro – dureza triste – tristeza puro - pureza malvado – malvadeza rico - riqueza Os substantivos originados de um adjetivo são escritos com: “EZA”.
  22. 22. chinês – chinesa barão- baronesa duque – duquesa príncipe – princesa inglês – inglesa português- portuguesa japonês - japonesa Os substantivos femininos que indicam lugar de origem e título de nobreza são escritos com “ESA”.
  23. 23. As crianças devem ser levadas pelo docente a refletir sobre a norma ortográfica, contudo o ensino sistemático da ortografia não deve ser iniciado antes que os alunos compreendam o SEA e tenham dominado a maioria dos valores convencionais das letras. É importante que os aprendizes já sejam capazes de produzir e ler pequenos textos com alguma fluência, para que a ortografia venha a ser tomada como objeto de ensino e aprendizagem mais sistemáticos. Caderno Pacto, Unidade 03, p. 29

×