Anticoncepcionais

1.534 visualizações

Publicada em

Uma breve história sobre os Anticoncepcionais bem como , sua farmacologia, farmacocinética e farmacodinâmica.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Anticoncepcionais

  1. 1. ANTICONCEPCIONAIS FAI _ Faculdade Irecê Turma 2014.1 Curso: Bacharelado em Enfermagem 3°Semestre 1° rodada de seminário da disciplina de Farmacologia Professora orientadora. Joseneide Alves de Miranda
  2. 2. Apresentando... Claudia Hellena - Introdução Ana Lourdes Nunes – Farmacocinética Alessandra Novais – Farmacodinâmica Andressa Coelho - Interação Medicamentosa Marleide Barbosa Ventura– Efeitos adversos/Conclusão
  3. 3. Farmacologia Anticoncepcionais orais e injetáveis 1° rodada de seminários. 3° semestre / Enfermagem _FAI
  4. 4. Anticoncepcionais O que são? São maneiras , medicamentos, objetos e ou cirurgias usados para evitar a gravidez. Hoje em dia, há no mercado, métodos femininos e masculinos.
  5. 5. Anticoncepcionais Há os métodos considerados reversíveis que são aqueles em que a pessoa, após parar de usá-los, volta a ter a capacidade de engravidar. Existem os métodos considerados irreversíveis, como a ligadura de trompas uterinas e a vasectomia.
  6. 6. Anticoncepcionais •A história dos métodos contraceptivos. •Surgiu há mais de 2.000 anos •Antes das pílulas, o coito interrompido era uma das formas mais utilizadas para se evitar a gravidez
  7. 7. Anticoncepcionais Os primeiros remédios eram feitos a base de arsênico, estricnina e mercúrio, causando complicações tóxicas e até mesmo fatais (SILVA,2010) Os primeiros preservativos foram feitos No século XVII e eram feitos a parti de uma tira do intestino de algum animal .
  8. 8. Anticoncepcionais São feitos de hormônios parecidos com os hormônios produzidos pelos ovários da mulher, o estrogênio e a progesterona. Agem impedindo a ovulação e também atuam dificultando a passagem dos espermatozóides para o interior do útero.
  9. 9. Anticoncepcionais Existem diferentes tipos de pílulas, de acordo com os hormônios que ela contêm. Existem as pílulas combinadas (contém estrogênio + progesterona) e as minipílulas (que contêm só progesterona).
  10. 10. Anticoncepcionais /Vantagens Alta eficácia para evitar a gestação não planejada; Permite um planejamento familiar muito mais seguro; A pílula traz um enorme grau de autonomia sobre o próprio corpo e o momento da maternidade, com mais escolha e menos medo
  11. 11. Anticoncepcionais O anticoncepcional em injeção possui o mesmo mecanismo de ação das pílulas, pois ele suspende a ovulação, reduz a espessura endometrial e espessa o muco cervical e são muito eficazes quando usadas corretamente.
  12. 12. Anticoncepcionais Existem dois tipos de injeção anticoncepcional: • A injeção aplicada uma vez por mês, que é a injeção mensal - Estrogênio + Progesterona. • A injeção aplicada de três em três meses, que é a injeção trimestral - Progesterona.
  13. 13. Anticoncepcionais A injeção trimestral pode ser usada durante a amamentação. Nesse caso, seu uso deve ser iniciado seis semanas após o parto. O uso do contraceptivo injetável trimestral é indicado para as mulheres que não podem ou não desejam o uso do estrogênio, pois sua base é somente de progesterona.
  14. 14. Anticoncepcionais Assim como as pílulas, os injetáveis também possui efeitos benéficos, como: Alívio da menstruação Melhora da anemia, Redução dos sintomas associados à endometriose, dor pélvica crônica e redução do câncer de endométrio.
  15. 15. Anticoncepcionais Farmacocinética Ana Lourdes Nunes
  16. 16. Farmacocinética É o percurso que a medicação realiza no corpo humano, ou no organismo que esta sendo medicado, e também toda a ação que a droga administrada sofre ao ser absorvida, transformada ou biotransformada até o seu processo de eliminação corpórea. .
  17. 17. Farmacocinética No organismo feminino, os esteróides são regulamente produzidos nos ovários, no córtex das suprarrenais e, Durante a gestação, na placenta. As células ovarianas (teca interna e granulosa) sintetizam O colesterol a parti do acetato.
  18. 18. Farmacocinética A estimulação dos folículos ovarianos e a produção crescente dos estrógenos são reguladas pelo FSH e Consubstanciada pela síntese e ação do AMP cíclico (AMP c= 3’,5’- monofosfato de adenosina cíclico)
  19. 19. Farmacocinética O estradiol é normalmente absorvido pelo trato intestinal. A contração máxima
  20. 20. Anticoncepcionais Farmacodinâmica Alessandra Novais
  21. 21. Farmacodinâmica Em relação a sua farmacodinâmica, é usado como estradiol ,na forma livre, ou seus ésteres ou sais, tais como cipionato, enantato ,hexa-hidrobenzoato e valerato. É o principal, e biologicamente o mais potente, estrógeno ovariano. Induz e mantém as características sexuais femininas primarias e secundárias
  22. 22. Farmacodinâmica O seu efeito ocorre através de receptores estrogênicos específicos. O complexo receptor-esteróide liga-se a DNA celular e induz a síntese de proteína especificas.
  23. 23. Farmacodinâmica O complexo receptor-esteróide liga-se a DNA celular e induz a síntese de proteína especificas. O estradiol exerce influência sobre processos metabólicos, como redução dos níveis de lipoproteína de baixa densidade (LDL) e aumento dos níveis de Lipoproteína de alta densidade (HDL) e de triglicerídeos.
  24. 24. Farmacodinâmica Aumenta a capacidade de ligação da globulina carreadora de hormônio sexual (SHBG-BC) e a capacidade de ligação da globulina carreadora de corticosteróides (CBG-BC) e suprime as gonadotrofinas FSH e LH. (ANVISA; 2008)
  25. 25. Anticoncepcionais Interações Medicamentosas Andressa Coelho
  26. 26. Interações Medicamentosas Certas drogas são capazes de reduzir a eficácia anticonceptiva da pílula, principalmente nos tratamentos prolongados. Nesses casos, deve-se indicar métodos alternativos.
  27. 27. Interações Medicamentosas Atentar-se as combinações das pílulas anticoncepcionais com outros medicamentos, como por exemplo: antibióticos, antiepiléticos, anticonvulsivantes, diuréticos, antifúngicos e alguns antirretrovirais pois o uso junto com a pílula pode diminuir sua eficácia, assim como o vômito e diarréia horas após sua ingestão. Leia sempre a bula do medicamento ou consulte o médico.
  28. 28. Interações Medicamentosas Os antiretrovirais (ARV) Efavirenz e Nevirapina (não- nucleosídeos) e os Nelfinavir e Ritonavir (inibidores da protease), disponíveis para o controle da infecção pelo HIV, interagem diminuindo os níveis séricos dos hormônios estrogênicos e, portanto, sua eficácia contraceptiva. O uso adicional do preservativo masculino ou feminino deve ser considerado (dupla proteção).
  29. 29. Interações Medicamentosas Algumas interações podem ocorrer no sentido inverso, isto é, os esteróides alteram a eficácia de outros medicamentos (anticonvulsivantes entre outros).
  30. 30. Interações Medicamentosas Na relação abaixo, estão algumas das drogas mais importantes no que diz respeito à interação medicamentosa com a pílula:
  31. 31. Anticoncepcionais Efeitos Adversos Marleide Barbosa
  32. 32. Efeitos Adversos Alterações de humor. Náuseas, vômitos e mal-estar gástrico. Cefaléia. Tonteira. Mastalgia. Sangramento intermenstrual. Cloasma.
  33. 33. Efeitos Adversos Até mesmo complicações mais sérias como : Acidente vascular cerebral. Infarto do miocárdio. Trombose venosa profunda. Todas essas complicações acontecem com maior freqüência em fumantes de qualquer faixa etária.
  34. 34. Efeitos Adversos Com o contraceptivo injetável também ocorre efeitos adversos : Ganho de peso Náuseas Cefaléia
  35. 35. Efeitos Adversos Com o contraceptivo injetável também ocorre efeitos adversos : Ganho de peso Náuseas Cefaléia
  36. 36. Anticoncepcionais Conclusão e comentários Claudia Hellena, Ana Lourdes, Alessandra, Andressa e Marleide Barbosa
  37. 37. Conclusão: Medicamento é coisa séria e o mesmo método contraceptivo receitado para amiga não servirá para você.
  38. 38. LEMBRETE:
  39. 39. AMBOS OS MÉTODOS NÃO PROTEGEM CONTRA DST/HIV/HPV E AIDS para isso, seu uso deve ser combinado com o preservativo.
  40. 40. Agradecemos sua atenção

×