SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
Palestrante: Aline Braúna.
MÉTODOS COMPORTAMENTAISMÉTODOS COMPORTAMENTAIS
ou de ABSTINÊNCIA SEXUALou de ABSTINÊNCIA SEXUAL
Método Rítmico ou Ogino-Knaus (do calendário ou
tabelinha): procura calcular o início e o fim do período fértil
(já explicado anteriormente no ciclo menstrual) e somente é
adequado para mulheres com ciclo menstrual regular. A
mulher deve ser orientada, inicialmente, a marcar no
calendário os últimos 6 a 12 ciclos menstruais com data do
primeiro dia e duração, calculando então o seu período fértil e
abstendo-se de relações sexuais com contato genital neste
período. É pouco eficaz se não for combinado com outros
métodos, como preservativos ou espermicidas, pois depende
da abstenção voluntária nos períodos férteis da mulher, onde
a libido (desejo sexual) se encontra em alta.
Temperatura basal
: método oriundo na observação das alterações fisiológicas da temperatura
corporal ao longo do ciclo menstrual. Após a ovulação, a temperatura basal
aumenta entre 0,3 e 0,8o C (ação da progesterona). A paciente deve medir
a temperatura oral, durante 5 minutos, pela manhã (após repouso de no
mínimo 5 horas) antes de comer ou fazer qualquer esforço, e anotar os
resultados durante dois ou mais ciclos menstruais. Esse procedimento deve
ser realizado desde o primeiro dia da menstruação até o dia em que a
temperatura se elevar por 3 dias consecutivos.
Depois de estabelecer qual é a sua variação normal, e o padrão de
aumento, poderá usar a informação, evitando relações sexuais no período
fértil.
Uma grande desvantagem do método da temperatura é que se a mulher
tiver alguma doença, como um simples resfriado ou virose, todo o esquema
se altera, tornando impossível retomar a linha basal, ou saber se o aumento
de temperatura é devido à ovulação ou a febre.
Método do Muco Cervical (Billing):
• baseia-se na identificação do período
fértil pelas modificações cíclicas do
muco cervical, observado no auto-
exame e pela sensação por ele
provocada na vagina e vulva. A
observação da ausência ou presença do
fluxo mucoso deve ser diária. O muco
cervical aparece cerca de 2 a 3 dias
depois da menstruação, e inicialmente
é pouco consistente e espesso. Logo
antes da ovulação, ele atinge o
chamado "ápice", em que fica bem
grudento.
Métodos de Barreira
Condom ou camisinha ou preservativo: quase
todas as pessoas podem usar; protege contra
doenças sexualmente transmissíveis, inclusive
AIDS; previne doenças do colo uterino; não faz mal
a saúde; é de fácil acesso.
O condom feminino
• constitui-se em um tubo de poliuretano com uma extremidade fechada e
a outra aberta acoplado a dois anéis flexíveis também de poliuretano na
cérvice uterina, paredes vaginais e vulva. O produto já vem lubrificado
devendo ser utilizado uma única vez, destacando-se que o poliuretano por
ser mais resistente que o látex pode ser utilizado com vários tipos de
lubrificantes.
• Uso da feminina: retirar da embalagem somente na hora do uso.
Flexionar o anel de modo que possa ser introduzido na vagina. Com os
dedos indicador e médio, empurrar o máximo que puder, de modo que
fique sobrando um pouco para fora, o que deve permanecer assim
durante a relação. Retirar logo após a ejaculação, rosqueando o anel para
que não escorra o líquido seminal para dentro da vagina.
• Se usada corretamente, sua eficácia é alta, varia de 82 a 97%.
Diafragma:
:é um anel flexível, coberto por uma membrana de
borracha fina, que a mulher deve colocar na vagina,
para cobrir o colo do útero. Como uma barreira, ele
impede a entrada dos espermatozóides, devendo ser
utilizado junto com um espermicida, no máximo 6 horas
antes da relação sexual. A adesão da paciente
depende da utilização correta do dispositivo. A
higienização e o armazenamento corretos do diafragma
são fatores importantes na prevenção de infecções
genitais e no prolongamento da vida útil do dispositivo.
Por apresentar vários tamanhos (de acordo com o
tamanho do colo uterino), deve ser indicado por um
médico para uma adequação perfeita ao colo uterino.
Deve ser usado com espermicida. Recomenda-se
introduzir na vagina de 15 a 30 minutos antes da
relação sexual e só retirar 6 a 8 horas após a última
relação sexual de penetração.
Esponjas e Espermicidas:
: as esponjas são feitas de poliuretano, são
adaptadas ao colo uterino com alça para sua
remoção e são descartáveis (ao contrário do
diafragma), estão associadas a espermicidas que
são substâncias químicas que imobilizam e
destroem os espermatozóides, podendo ser
utilizados combinadamente também com o
diafragma ou preservativos. Existem em várias
apresentações de espermicidas: cremes, geléias,
supositórios, tabletes e espumas.
Dispositivo Intra-Uterino (DIU): os DIUs são artefatos de
polietileno, aos quais podem ser adicionados cobre ou
hormônios, que são inseridos na cavidade uterina exercendo
sua função contraceptiva. Atuam impedindo a fecundação,
tornando difícil a passagem do espermatozóide pelo trato
reprodutivo feminino.
Os problemas mais freqüentes durante o uso do DIU são a
expulsão do dispositivo, dor pélvica, dismenorréia
(sangramentos irregulares nos meses iniciais) e aumento do
risco de infecção (infecção aguda sem melhora ou infecções
persistentes implicam na remoção do DIU). Deve ser colocado
pelo médico e é necessário um controle semestral e sempre
que aparecerem leucorréias (corrimentos vaginais anormais).
Anticoncepção Hormonal
1. pílulas monofásicas: toma-se uma pílula por
dia, e todas têm a mesma dosagem de
hormônios (estrogênio e progesterona).
Começa-se a tomar no quinto dia da
menstruação até a cartela acabar. Fica-se
sete dias sem tomar, durante os quais
sobrevém a menstruação.
pílulas multifásicas: toma-se uma pílula por dia, mas existem
pílulas com diferentes dosagens, conforme a fase do ciclo. Por
isso, podem ter dosagens mais baixas, e causam menos efeitos
colaterais. São tomadas como as pílulas monofásicas, mas têm
cores diferentes, de acordo com a dosagem e a fase do ciclo:
não podem ser tomadas fora da ordem.
pílulas de baixa dosagem ou minipílulas:  têm uma 
dosagem mais baixa e contém apenas um hormônio 
(geralmente progesterona); causando menos efeitos 
colaterais. São indicadas durante a amamentação, 
como uma garantia extra para a mulher. Devem ser 
tomadas todos os dias, sem interrupção, inclusive na 
menstruação. 
• Desvantagens:
• Pode causar efeitos colaterais em algumas mulheres, como náusea,
sensibilidade dos seios, ganho de peso ou retenção de água, alterações no
humor, manchas na pele, dor de cabeça, aumento na pressão sangüínea.
• Em algumas mulheres podem causar riscos à saúde. Desta forma,
mulheres fumantes, com problemas cardíacos, com doenças do fígado e
do coração, hipertensão, suspeita de gravidez, flebite ou varizes,
glaucoma, enxaqueca, derrame, ou obesidade não devem usar pílulas.
• É menos efetiva quando tomada com algumas drogas. Certas medicações,
especificamente antibióticos interferem na ação das pílulas, tornando o
controle menos efetivo.
• Uma falha no esquema de tomar a pílula pode cancelar ou diminuir sua
efetividade.
• Tomada por muito tempo, pode aumentar o risco de câncer de mama.
• Não é recomendada para mulheres com menos de 16 ou mais de 40 anos.
• Pílula pós-coito ou pílula do dia seguinte: a
anticoncepção de emergência é um uso alternativo de
contracepção hormonal oral (tomado antes de 72 horas
após o coito) evitando-se a gestação após uma relação
sexual desprotegida. Este método só deve ser usado
nos casos de emergência, ou seja, nos casos em que os
outros métodos anticoncepcionais não tenham sido
adotados ou tenham falhado de alguma forma, como
esquecimento, ruptura da caminsinha, desalojamento
do diafragma, falha na tabelinha ou no coito
interrompido, esquecimento da tomada da pílula por
dois ou mais dias em um ciclo ou em caso de estupro.
Este contraceptivo contém o levonorgestrel, que é um
tipo de progesterona. O levonorgestrel previne a
gravidez inibindo a ovulação, fertilização e implantação
do blastocisto.
Injetáveis
• os anticoncepcionais hormonais injetáveis
são anticoncepcionais hormonais que
contém progesterona ou associação de
estrogênios, para administração parenteral
(intra-muscular ou IM), com doses
hormonais de longa duração.
• Consiste na administração de
progesterona isolada, via parenteral (IM),
com obtenção de efeito contraceptivo por
períodos de 1 ou 3 meses, ou de uma
associação de estrogênio e progesterona
para uso parenteral (IM), mensal.
IMPLANON (implante
hormonal):
• microbastão de hormônio sintético similar à
progesterona, que é implantado no antebraço
(com anestesia local) e inibe a ovulação. Dura
três anos.
Anel vaginal
• Nuvaring®: é um anel vaginal contendo
Etonogestrel e Etinilestradiol que é
colocado na vagina no 5º dia da
menstruação, permanecendo nesta
posição durante três semanas.
• A maior vantagem é que a mulher não
precisará tomar a pílula todo dia e nem
esquecerá. Outra vantagem é que os
hormônios serão absorvidos
diretamente pela circulação evitando
alguns efeitos colaterais desagradáveis
da pílula oral.
Evra® (adesivo
anticoncepcional):
• Foi lançado no Brasil em Março de
2003 o Evra®. O Evra é um adesivo
anticoncepcional que deve ser
colado na pele, em diversos locais
do corpo, permanecendo na
posição durante uma semana.
Métodos definitivos
• Laqueadura tubária e Vasectomia: a
esterilização (laqueadura tubária e
vasectomia) um método contraceptivo
cirúrgico e definitivo, realizado na mulher
através da ligadura ou corte das trompas
impedindo, o encontro dos gametas masculino
e feminino e no homem, pela ligadura ou
corte dos canais deferentes (vasectomia), o
que impede a presença dos espermatozóides
no líquido ejaculado. Quando houver
indicação de contracepção cirúrgica masculina
e, principalmente, a feminina deve ser
baseada em critérios rígidos, observando-se a
legislação vigente.
Laqueadura tubária e
Vasectomia:
OBRIGADA!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sexualidade puberdade, métodos e DSTs
Sexualidade puberdade, métodos e DSTsSexualidade puberdade, métodos e DSTs
Sexualidade puberdade, métodos e DSTsWalter Marques
 
Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodos
Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodosPlanejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodos
Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodosCaroline Reis Gonçalves
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida Isabel Lopes
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Fernanda Marinho
 
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionáriosAula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionáriosMARCIAMP
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescenteyolandasergia
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarUnis
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoDaniela Silveira
 
Planejamento familiar trabalho
Planejamento familiar trabalhoPlanejamento familiar trabalho
Planejamento familiar trabalhoVania Ribeiro
 
Sistema reprodutor masculino e feminino
Sistema reprodutor masculino e feminino Sistema reprodutor masculino e feminino
Sistema reprodutor masculino e feminino AnaRita9
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetalluandrade
 

Mais procurados (20)

Desenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embriãoDesenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embrião
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Sexualidade puberdade, métodos e DSTs
Sexualidade puberdade, métodos e DSTsSexualidade puberdade, métodos e DSTs
Sexualidade puberdade, métodos e DSTs
 
Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodos
Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodosPlanejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodos
Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodos
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
 
Garantindo cuidado adequado ao RN com menos de 1.500g: Método Canguru
Garantindo cuidado adequado ao RN com menos de 1.500g: Método CanguruGarantindo cuidado adequado ao RN com menos de 1.500g: Método Canguru
Garantindo cuidado adequado ao RN com menos de 1.500g: Método Canguru
 
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionáriosAula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Menstruação
MenstruaçãoMenstruação
Menstruação
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
 
Planejamento familiar trabalho
Planejamento familiar trabalhoPlanejamento familiar trabalho
Planejamento familiar trabalho
 
Aula desenv fetal
Aula desenv fetalAula desenv fetal
Aula desenv fetal
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
Sistema reprodutor masculino e feminino
Sistema reprodutor masculino e feminino Sistema reprodutor masculino e feminino
Sistema reprodutor masculino e feminino
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
 

Semelhante a Apresentaçao importante

Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosBetania Alpoim
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaAna Paula Silva
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivoswagneripo
 
metodos anticoncepcionais
metodos anticoncepcionaismetodos anticoncepcionais
metodos anticoncepcionaisTonRodrigues6
 
Mtodos cotraceptivosppt-1065
Mtodos cotraceptivosppt-1065Mtodos cotraceptivosppt-1065
Mtodos cotraceptivosppt-1065Pelo Siro
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivoswagneripo
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivosURCA
 
Métodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPTMétodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPTclara.abegao
 
Métodos contraceptivos.ppt
Métodos contraceptivos.pptMétodos contraceptivos.ppt
Métodos contraceptivos.pptRita Paupério
 
Rita martins metodos_contraceptivos_16_21_22_24
Rita martins metodos_contraceptivos_16_21_22_24Rita martins metodos_contraceptivos_16_21_22_24
Rita martins metodos_contraceptivos_16_21_22_24Cláudia Bonifácio
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosPeses Ourique
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivosRazvan Balaci
 
Métodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisMétodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisRaquel Correia
 

Semelhante a Apresentaçao importante (20)

Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
metodos anticoncepcionais
metodos anticoncepcionaismetodos anticoncepcionais
metodos anticoncepcionais
 
Mtodos cotraceptivosppt-1065
Mtodos cotraceptivosppt-1065Mtodos cotraceptivosppt-1065
Mtodos cotraceptivosppt-1065
 
229
229229
229
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivos
 
Métodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPTMétodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPT
 
Contraceção
ContraceçãoContraceção
Contraceção
 
Métodos contraceptivos.ppt
Métodos contraceptivos.pptMétodos contraceptivos.ppt
Métodos contraceptivos.ppt
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Rita martins metodos_contraceptivos_16_21_22_24
Rita martins metodos_contraceptivos_16_21_22_24Rita martins metodos_contraceptivos_16_21_22_24
Rita martins metodos_contraceptivos_16_21_22_24
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisMétodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonais
 

Mais de Alinebrauna Brauna (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricosOrientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Radis 131 web
Radis 131 webRadis 131 web
Radis 131 web
 
Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013
 
O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Todo sentimento
Todo sentimentoTodo sentimento
Todo sentimento
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
 
Perguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crackPerguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crack
 
Palestra álcool
Palestra álcoolPalestra álcool
Palestra álcool
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 

Apresentaçao importante

  • 2. MÉTODOS COMPORTAMENTAISMÉTODOS COMPORTAMENTAIS ou de ABSTINÊNCIA SEXUALou de ABSTINÊNCIA SEXUAL Método Rítmico ou Ogino-Knaus (do calendário ou tabelinha): procura calcular o início e o fim do período fértil (já explicado anteriormente no ciclo menstrual) e somente é adequado para mulheres com ciclo menstrual regular. A mulher deve ser orientada, inicialmente, a marcar no calendário os últimos 6 a 12 ciclos menstruais com data do primeiro dia e duração, calculando então o seu período fértil e abstendo-se de relações sexuais com contato genital neste período. É pouco eficaz se não for combinado com outros métodos, como preservativos ou espermicidas, pois depende da abstenção voluntária nos períodos férteis da mulher, onde a libido (desejo sexual) se encontra em alta.
  • 3. Temperatura basal : método oriundo na observação das alterações fisiológicas da temperatura corporal ao longo do ciclo menstrual. Após a ovulação, a temperatura basal aumenta entre 0,3 e 0,8o C (ação da progesterona). A paciente deve medir a temperatura oral, durante 5 minutos, pela manhã (após repouso de no mínimo 5 horas) antes de comer ou fazer qualquer esforço, e anotar os resultados durante dois ou mais ciclos menstruais. Esse procedimento deve ser realizado desde o primeiro dia da menstruação até o dia em que a temperatura se elevar por 3 dias consecutivos. Depois de estabelecer qual é a sua variação normal, e o padrão de aumento, poderá usar a informação, evitando relações sexuais no período fértil. Uma grande desvantagem do método da temperatura é que se a mulher tiver alguma doença, como um simples resfriado ou virose, todo o esquema se altera, tornando impossível retomar a linha basal, ou saber se o aumento de temperatura é devido à ovulação ou a febre.
  • 4. Método do Muco Cervical (Billing): • baseia-se na identificação do período fértil pelas modificações cíclicas do muco cervical, observado no auto- exame e pela sensação por ele provocada na vagina e vulva. A observação da ausência ou presença do fluxo mucoso deve ser diária. O muco cervical aparece cerca de 2 a 3 dias depois da menstruação, e inicialmente é pouco consistente e espesso. Logo antes da ovulação, ele atinge o chamado "ápice", em que fica bem grudento.
  • 5. Métodos de Barreira Condom ou camisinha ou preservativo: quase todas as pessoas podem usar; protege contra doenças sexualmente transmissíveis, inclusive AIDS; previne doenças do colo uterino; não faz mal a saúde; é de fácil acesso.
  • 6. O condom feminino • constitui-se em um tubo de poliuretano com uma extremidade fechada e a outra aberta acoplado a dois anéis flexíveis também de poliuretano na cérvice uterina, paredes vaginais e vulva. O produto já vem lubrificado devendo ser utilizado uma única vez, destacando-se que o poliuretano por ser mais resistente que o látex pode ser utilizado com vários tipos de lubrificantes. • Uso da feminina: retirar da embalagem somente na hora do uso. Flexionar o anel de modo que possa ser introduzido na vagina. Com os dedos indicador e médio, empurrar o máximo que puder, de modo que fique sobrando um pouco para fora, o que deve permanecer assim durante a relação. Retirar logo após a ejaculação, rosqueando o anel para que não escorra o líquido seminal para dentro da vagina. • Se usada corretamente, sua eficácia é alta, varia de 82 a 97%.
  • 7.
  • 8. Diafragma: :é um anel flexível, coberto por uma membrana de borracha fina, que a mulher deve colocar na vagina, para cobrir o colo do útero. Como uma barreira, ele impede a entrada dos espermatozóides, devendo ser utilizado junto com um espermicida, no máximo 6 horas antes da relação sexual. A adesão da paciente depende da utilização correta do dispositivo. A higienização e o armazenamento corretos do diafragma são fatores importantes na prevenção de infecções genitais e no prolongamento da vida útil do dispositivo. Por apresentar vários tamanhos (de acordo com o tamanho do colo uterino), deve ser indicado por um médico para uma adequação perfeita ao colo uterino. Deve ser usado com espermicida. Recomenda-se introduzir na vagina de 15 a 30 minutos antes da relação sexual e só retirar 6 a 8 horas após a última relação sexual de penetração.
  • 9. Esponjas e Espermicidas: : as esponjas são feitas de poliuretano, são adaptadas ao colo uterino com alça para sua remoção e são descartáveis (ao contrário do diafragma), estão associadas a espermicidas que são substâncias químicas que imobilizam e destroem os espermatozóides, podendo ser utilizados combinadamente também com o diafragma ou preservativos. Existem em várias apresentações de espermicidas: cremes, geléias, supositórios, tabletes e espumas.
  • 10. Dispositivo Intra-Uterino (DIU): os DIUs são artefatos de polietileno, aos quais podem ser adicionados cobre ou hormônios, que são inseridos na cavidade uterina exercendo sua função contraceptiva. Atuam impedindo a fecundação, tornando difícil a passagem do espermatozóide pelo trato reprodutivo feminino. Os problemas mais freqüentes durante o uso do DIU são a expulsão do dispositivo, dor pélvica, dismenorréia (sangramentos irregulares nos meses iniciais) e aumento do risco de infecção (infecção aguda sem melhora ou infecções persistentes implicam na remoção do DIU). Deve ser colocado pelo médico e é necessário um controle semestral e sempre que aparecerem leucorréias (corrimentos vaginais anormais).
  • 11. Anticoncepção Hormonal 1. pílulas monofásicas: toma-se uma pílula por dia, e todas têm a mesma dosagem de hormônios (estrogênio e progesterona). Começa-se a tomar no quinto dia da menstruação até a cartela acabar. Fica-se sete dias sem tomar, durante os quais sobrevém a menstruação.
  • 12. pílulas multifásicas: toma-se uma pílula por dia, mas existem pílulas com diferentes dosagens, conforme a fase do ciclo. Por isso, podem ter dosagens mais baixas, e causam menos efeitos colaterais. São tomadas como as pílulas monofásicas, mas têm cores diferentes, de acordo com a dosagem e a fase do ciclo: não podem ser tomadas fora da ordem.
  • 13. pílulas de baixa dosagem ou minipílulas:  têm uma  dosagem mais baixa e contém apenas um hormônio  (geralmente progesterona); causando menos efeitos  colaterais. São indicadas durante a amamentação,  como uma garantia extra para a mulher. Devem ser  tomadas todos os dias, sem interrupção, inclusive na  menstruação. 
  • 14. • Desvantagens: • Pode causar efeitos colaterais em algumas mulheres, como náusea, sensibilidade dos seios, ganho de peso ou retenção de água, alterações no humor, manchas na pele, dor de cabeça, aumento na pressão sangüínea. • Em algumas mulheres podem causar riscos à saúde. Desta forma, mulheres fumantes, com problemas cardíacos, com doenças do fígado e do coração, hipertensão, suspeita de gravidez, flebite ou varizes, glaucoma, enxaqueca, derrame, ou obesidade não devem usar pílulas. • É menos efetiva quando tomada com algumas drogas. Certas medicações, especificamente antibióticos interferem na ação das pílulas, tornando o controle menos efetivo. • Uma falha no esquema de tomar a pílula pode cancelar ou diminuir sua efetividade. • Tomada por muito tempo, pode aumentar o risco de câncer de mama. • Não é recomendada para mulheres com menos de 16 ou mais de 40 anos.
  • 15. • Pílula pós-coito ou pílula do dia seguinte: a anticoncepção de emergência é um uso alternativo de contracepção hormonal oral (tomado antes de 72 horas após o coito) evitando-se a gestação após uma relação sexual desprotegida. Este método só deve ser usado nos casos de emergência, ou seja, nos casos em que os outros métodos anticoncepcionais não tenham sido adotados ou tenham falhado de alguma forma, como esquecimento, ruptura da caminsinha, desalojamento do diafragma, falha na tabelinha ou no coito interrompido, esquecimento da tomada da pílula por dois ou mais dias em um ciclo ou em caso de estupro. Este contraceptivo contém o levonorgestrel, que é um tipo de progesterona. O levonorgestrel previne a gravidez inibindo a ovulação, fertilização e implantação do blastocisto.
  • 16. Injetáveis • os anticoncepcionais hormonais injetáveis são anticoncepcionais hormonais que contém progesterona ou associação de estrogênios, para administração parenteral (intra-muscular ou IM), com doses hormonais de longa duração. • Consiste na administração de progesterona isolada, via parenteral (IM), com obtenção de efeito contraceptivo por períodos de 1 ou 3 meses, ou de uma associação de estrogênio e progesterona para uso parenteral (IM), mensal.
  • 17.
  • 18. IMPLANON (implante hormonal): • microbastão de hormônio sintético similar à progesterona, que é implantado no antebraço (com anestesia local) e inibe a ovulação. Dura três anos.
  • 19. Anel vaginal • Nuvaring®: é um anel vaginal contendo Etonogestrel e Etinilestradiol que é colocado na vagina no 5º dia da menstruação, permanecendo nesta posição durante três semanas. • A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula todo dia e nem esquecerá. Outra vantagem é que os hormônios serão absorvidos diretamente pela circulação evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis da pílula oral.
  • 20. Evra® (adesivo anticoncepcional): • Foi lançado no Brasil em Março de 2003 o Evra®. O Evra é um adesivo anticoncepcional que deve ser colado na pele, em diversos locais do corpo, permanecendo na posição durante uma semana.
  • 21. Métodos definitivos • Laqueadura tubária e Vasectomia: a esterilização (laqueadura tubária e vasectomia) um método contraceptivo cirúrgico e definitivo, realizado na mulher através da ligadura ou corte das trompas impedindo, o encontro dos gametas masculino e feminino e no homem, pela ligadura ou corte dos canais deferentes (vasectomia), o que impede a presença dos espermatozóides no líquido ejaculado. Quando houver indicação de contracepção cirúrgica masculina e, principalmente, a feminina deve ser baseada em critérios rígidos, observando-se a legislação vigente.