SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Baixar para ler offline
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PITYRIASE VERSICOLOR PV1 1. CONCEITO    Infecção fúngica crônica, na maioria assintomática, caracterizada por aparecimento de lesões maculosas e descamativas hipocrômicas e hipercrômicas de coloração variável que se distribuem em várias partes do corpo.
3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA PV1 2. AGENTE ETIOLÓGICO Malassezia furfur      Distribuição Geográfica:  Cosmopolita Regiões tropicais e subtropicais    Sexo     Idade
5. FATORES PREDISPONENTES    Deficiências vitamínicas;     Estado nutricional precário;     Predisposição genética;     Sudorese excessiva;    Utilização de lubrificantes na pele;     Temperatura elevada;  6. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS    Lesões hipocrômicas e hipercrômicas;     Descamação fina - Coloração variável;     Assintomáticas;     Sinal de Zileri;    Sinal de Besnier ou da unhada;  PV2
7. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL    EXAME DIRETO    Clarificado  - KOH  a 20%    Corado - Azul de metileno    PAS    CULTURA    Sabouraud + Óleo de oliva    Sabouraud + Bile + óleo de oliva    Incubação - 37ºC PV3
PITIRIASE VERSICOLOR    LÂMPADA DE WOOD
[object Object],Profilaxia Higiene corporal e evitar sudorese.
Exame direto Cultura
Piedra
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PIEDRA BRANCA 2. AGENTE ETIOLÓGICO 3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA ,[object Object],[object Object],[object Object],   Distribuição Geográfica: Cosmopolita Regiões tropicais e temperadas América do Sul e Oriente América do Norte e Europa    Sexo e Idade    Contagioso  Poder de propagação 1. CONCEITO    Infecção fúngica que acomete os pêlos, se caracterizando por apresentar pequenos nódulos esbranquiçados, aderidos no exterior dos pêlos.
PIEDRA BRANCA 4. MANIFESTAÇÃO  CLÍNICA    Nódulos claros  Pêlos  couro cabeludo, axilares  genitais, barba, bigode e perianal.     Extrafolicular     Consistência mucilaginosa
PIEDRA BRANCA Exame direto de pêlo
PIEDRA BRANCA Aspecto macroscópico da colônia de  Trichosporon  sp Aspecto microscópico da colônia de  Trichosporon  sp
PIEDRA NIGRA 1. CONCEITO 2. AGENTE ETIOLÓGICO 3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA  Piedraia hortae  (Brumpt, 1913)    Infecção fúngica que ataca os pêlos, se caracterizando por apresentar pequenos nódulos de coloração preta, aderidos no exterior dos pêlos.    Distribuição Geográfica: Regiões tropicais e subtropicais América do Sul e Central África e Ásia    Sexo e Idade    Contagioso  Poder de propagação
PIEDRA NIGRA 4. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS    Nódulos escuros  Pêlos  couro cabeludo, barba e bigode     Extrafolicular     Consistência pétrea
PIEDRA BRANCA Exame direto de pêlo
PIEDRA BRANCA Aspecto macroscópico da colônia de  Piedraia hortae
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
TINEAS
TINHA NIGRA 1. CONCEITO 2. AGENTE ETIOLÓGICO    Infecção fúngica da camada córnea da pele, se caracterizando por apresentar máculas escuras, de coloração marrom a negra. 3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA TN!    Distribuição Geográfica:    Regiões tropicais e subtropicais Américas, África e Ásia    Sexo:  mulheres    Idade:  até 20 anos    Fontes de infecção    Salinidade (areia do mar/pescados secos e salgados)    Fatores Predisponentes:    Condições climáticas    Endógenas do hospedeiro    Hortaea werneckii
TINHA NIGRA 4. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS    Máculas marrom a negra/ não descamativas    Região palmar  -  Plantar  -  cotovelo, face, tórax     Lesão única e/ou coalescente     Resposta inflamatória: ausente  TN!
5. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL    COLETA    Escarificação    Técnica de Pôrto (1953)    EXAME DIRETO    Clarificado  - KOH  a 20%      CULTURA    Sabouraud + Cloranfenicol    Incubação:  25ºC TN2
 
Exame direto Cultura
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Tinea capitis
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
[object Object],[object Object],[object Object]
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
hifas colônia colônia exame direto: KOH 15% colônia: agar Sabouraud
CABELO Parasitismo ectótrix Colônia
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],PORTADOR ASSINTOMÁTICO Trichophyton tonsurans
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Terapêutica oral – Adultos Tinea Drogas de escolha Doses Efeitos colaterais Interações Tinea capitis Griseofulvina 500mg – 1g/dia após refeição 6 a 12 semanas Cefaléia, náuseas, urticária, diarréia, fototoxicidade, precipita porfíria aguda intermitente e lupus eritematoso sistêmico Anticoagulantes orais e fenil-hidantoína Cetoconazol 250mg durante refeição 6 a 12 semanas Cefaléia, náuseas, ginecomastia Antiácidos, antihistamínicos, bloqueadores de H 2 , ciclosporina Itraconazol 100mg/dia com ou após refeição 6 semanas Náuseas, dor abdominal, vômito Fenitoína, hipoglicemiantes orais Fluconazol 50mg/dia 20 dias Náuseas, dor abdominal Cetozonazol, hidroclorotiazida, antiácidos
Terapêutica oral – Adultos Tinea Drogas de escolha Doses Efeitos colaterais Interações Tinea corporis Tinea cruris Tinea pedis  interdigital Cetoconazol 200mg/ dia, 6 semanas Alterações das provas de função hepática Rifampicina, fenitoína, anticoagulantes Itraconazol 100mg/dia 15 dias Diarréia, cefaléia, anorexia Warfarin, digoxina Fluconazol 150mg/semana 4 semanas Vômito, diarréia, cefaléia,  rash Anti-histamínico, rifampicina, warfarin, ciclosporina Tinea pedis  plantar Itraconazol 100mg/dia, 4 semanas Tonteiras,  rash Terfenadina
Terapêutica oral – Adultos Tinea Drogas de escolha Doses Efeitos colaterais Interações Tinea unguis Itraconazol 200mg/dia 3 meses Prurido Fenitoína, hipoglicemiantes orais, warfarin, digoxina, terfenadina Fluconazol 150mg/semana 6 meses Anorexia, tonteiras, prurido Fenitoína, hipoglicemiantes orais Tinea unguis dos pés Terbinafina 250mg/dia, 3 meses Dispepsia, dor epigástrica, gastrite, náusea, vômito, diarréia, cólicas, plenitude gástrica Rifampicina Cimetidina Tinea unguis das mãos 250mg/dia 45 dias
Terapêutica oral - Crianças Tineas Droga de escolha Dose Tinea capitis Griseofulvina (1 a  escolha) 10-15mg/Kg/dia após almoço ou jantar, 6-12 semanas Cetoconazol 5 a 10mg/Kg/dia durante a refeição, 6 semanas Itraconazol < 20 Kg: 3 a 5mg/Kg/dia com ou após refeição, 6 semanas > 20 Kg: 100mg/dia Fluconazol 3-6mg/Kg/dia, 20 dias Tinea corporis Tinea cruris Cetoconazol 5 a 10mg/Kg/dia durante a refeição, 6 semanas Tinea unguis Terbinafina < 20 Kg  = 62,5mg/dia 20-40mg = 125mg/dia > 40 Kg = 250mg/dia Pés: 3 meses  Mãos: 45 dias

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (19)

Micoses oportunistas
Micoses oportunistasMicoses oportunistas
Micoses oportunistas
 
Micologia
MicologiaMicologia
Micologia
 
Dermatófitos
DermatófitosDermatófitos
Dermatófitos
 
Doencas causadas fungos_micose
Doencas causadas fungos_micoseDoencas causadas fungos_micose
Doencas causadas fungos_micose
 
Apres de fungosm
Apres de fungosmApres de fungosm
Apres de fungosm
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
 
Esporotricose
EsporotricoseEsporotricose
Esporotricose
 
Micologia
MicologiaMicologia
Micologia
 
ONICOMICOSE (OM)
ONICOMICOSE (OM)ONICOMICOSE (OM)
ONICOMICOSE (OM)
 
Doencascausadasfungosmicose 121127093347-phpapp01
Doencascausadasfungosmicose 121127093347-phpapp01Doencascausadasfungosmicose 121127093347-phpapp01
Doencascausadasfungosmicose 121127093347-phpapp01
 
I micologia
I micologiaI micologia
I micologia
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
 
Dermatofilose dermatofitose e feridas
Dermatofilose  dermatofitose e feridasDermatofilose  dermatofitose e feridas
Dermatofilose dermatofitose e feridas
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneas Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
 
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
 
Doenças de pele, unhas e cabelos
Doenças de pele, unhas e cabelosDoenças de pele, unhas e cabelos
Doenças de pele, unhas e cabelos
 
Micoses superficiais e candidíase
Micoses superficiais e candidíaseMicoses superficiais e candidíase
Micoses superficiais e candidíase
 
DOENÇAS FUNGICAS QUE ACOMETEM COURO CABELUDO E CABELOS
DOENÇAS FUNGICAS QUE ACOMETEM COURO CABELUDO E CABELOSDOENÇAS FUNGICAS QUE ACOMETEM COURO CABELUDO E CABELOS
DOENÇAS FUNGICAS QUE ACOMETEM COURO CABELUDO E CABELOS
 
Sarna
SarnaSarna
Sarna
 

Destaque

Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia HumanaSarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia HumanaRossana Martins
 
Escabiose e Pediculose
Escabiose e PediculoseEscabiose e Pediculose
Escabiose e PediculoseSandro Sans
 
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabioseCassyano Correr
 
Micoses superficiais
Micoses superficiais Micoses superficiais
Micoses superficiais dapab
 
Apostila micologia
Apostila micologiaApostila micologia
Apostila micologiaBia' Almeida
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Marcos Alan
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celularmaycardi
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOSheila Cassenotte
 
Membrana plasmática
Membrana plasmáticaMembrana plasmática
Membrana plasmáticaCarlos Mohr
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...SlideShare
 

Destaque (13)

Fungos e doenças relacionadas
Fungos e doenças relacionadas Fungos e doenças relacionadas
Fungos e doenças relacionadas
 
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia HumanaSarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
 
Escabiose e Pediculose
Escabiose e PediculoseEscabiose e Pediculose
Escabiose e Pediculose
 
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
 
Micoses superficiais
Micoses superficiais Micoses superficiais
Micoses superficiais
 
Tiña negra
Tiña negraTiña negra
Tiña negra
 
Apostila micologia
Apostila micologiaApostila micologia
Apostila micologia
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
 
Micologia
MicologiaMicologia
Micologia
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Membrana plasmática
Membrana plasmáticaMembrana plasmática
Membrana plasmática
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
 

Semelhante a Pityriase versicolor, tineas e piedras

IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infânciablogped1
 
slides Larva migrans
slides Larva migransslides Larva migrans
slides Larva migransNETTO Santtos
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaITPAC PORTO
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Gastroenterites verminóticas dos ruminantes
Gastroenterites verminóticas dos ruminantesGastroenterites verminóticas dos ruminantes
Gastroenterites verminóticas dos ruminantesMaria Alice Sene
 
Espiroquetas orais e Treponema Pallidum
Espiroquetas orais e Treponema PallidumEspiroquetas orais e Treponema Pallidum
Espiroquetas orais e Treponema PallidumThaline Eveli Martins
 
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosAula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosCutrim Junior
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseNúbia Fernanda
 
Clínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlineClínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlinePedro Marques
 
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃESMEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃESMillaArajo5
 
micologia Profa. Ana Cristina.pptx
micologia Profa. Ana Cristina.pptxmicologia Profa. Ana Cristina.pptx
micologia Profa. Ana Cristina.pptxAnaCristinaDantas6
 
micologia Profa. Ana Cristina.pptx
micologia Profa. Ana Cristina.pptxmicologia Profa. Ana Cristina.pptx
micologia Profa. Ana Cristina.pptxAnaCristinaDantas6
 
Aula_Tracoma_Cavalcante.ppt
Aula_Tracoma_Cavalcante.pptAula_Tracoma_Cavalcante.ppt
Aula_Tracoma_Cavalcante.pptClienteConnect
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia LambliaITPAC PORTO
 
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1ronildosena
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisProfessor Robson
 

Semelhante a Pityriase versicolor, tineas e piedras (20)

Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
 
slides Larva migrans
slides Larva migransslides Larva migrans
slides Larva migrans
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Gastroenterites verminóticas dos ruminantes
Gastroenterites verminóticas dos ruminantesGastroenterites verminóticas dos ruminantes
Gastroenterites verminóticas dos ruminantes
 
Espiroquetas orais e Treponema Pallidum
Espiroquetas orais e Treponema PallidumEspiroquetas orais e Treponema Pallidum
Espiroquetas orais e Treponema Pallidum
 
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosAula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
 
Clínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlineClínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para online
 
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃESMEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
 
Micoses
MicosesMicoses
Micoses
 
Aula de coccídios
Aula de coccídiosAula de coccídios
Aula de coccídios
 
micologia Profa. Ana Cristina.pptx
micologia Profa. Ana Cristina.pptxmicologia Profa. Ana Cristina.pptx
micologia Profa. Ana Cristina.pptx
 
micologia Profa. Ana Cristina.pptx
micologia Profa. Ana Cristina.pptxmicologia Profa. Ana Cristina.pptx
micologia Profa. Ana Cristina.pptx
 
Aula_Tracoma_Cavalcante.ppt
Aula_Tracoma_Cavalcante.pptAula_Tracoma_Cavalcante.ppt
Aula_Tracoma_Cavalcante.ppt
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
 
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
 
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 

Mais de ITPAC PORTO

Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseITPAC PORTO
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoITPAC PORTO
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de ChagasITPAC PORTO
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E CisticercoseITPAC PORTO
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 OkITPAC PORTO
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosITPAC PORTO
 

Mais de ITPAC PORTO (9)

Zoodermatoses
ZoodermatosesZoodermatoses
Zoodermatoses
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 

Último

Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Pityriase versicolor, tineas e piedras

  • 1.
  • 2. PITYRIASE VERSICOLOR PV1 1. CONCEITO  Infecção fúngica crônica, na maioria assintomática, caracterizada por aparecimento de lesões maculosas e descamativas hipocrômicas e hipercrômicas de coloração variável que se distribuem em várias partes do corpo.
  • 3. 3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA PV1 2. AGENTE ETIOLÓGICO Malassezia furfur  Distribuição Geográfica: Cosmopolita Regiões tropicais e subtropicais  Sexo  Idade
  • 4. 5. FATORES PREDISPONENTES  Deficiências vitamínicas;  Estado nutricional precário;  Predisposição genética;  Sudorese excessiva;  Utilização de lubrificantes na pele;  Temperatura elevada; 6. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  Lesões hipocrômicas e hipercrômicas;  Descamação fina - Coloração variável;  Assintomáticas;  Sinal de Zileri;  Sinal de Besnier ou da unhada; PV2
  • 5. 7. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL  EXAME DIRETO  Clarificado - KOH a 20%  Corado - Azul de metileno  PAS  CULTURA  Sabouraud + Óleo de oliva  Sabouraud + Bile + óleo de oliva  Incubação - 37ºC PV3
  • 6. PITIRIASE VERSICOLOR  LÂMPADA DE WOOD
  • 7.
  • 10.
  • 11.
  • 12. PIEDRA BRANCA 4. MANIFESTAÇÃO CLÍNICA  Nódulos claros Pêlos couro cabeludo, axilares genitais, barba, bigode e perianal.  Extrafolicular  Consistência mucilaginosa
  • 13. PIEDRA BRANCA Exame direto de pêlo
  • 14. PIEDRA BRANCA Aspecto macroscópico da colônia de Trichosporon sp Aspecto microscópico da colônia de Trichosporon sp
  • 15. PIEDRA NIGRA 1. CONCEITO 2. AGENTE ETIOLÓGICO 3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA  Piedraia hortae (Brumpt, 1913)  Infecção fúngica que ataca os pêlos, se caracterizando por apresentar pequenos nódulos de coloração preta, aderidos no exterior dos pêlos.  Distribuição Geográfica: Regiões tropicais e subtropicais América do Sul e Central África e Ásia  Sexo e Idade  Contagioso Poder de propagação
  • 16. PIEDRA NIGRA 4. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  Nódulos escuros Pêlos couro cabeludo, barba e bigode  Extrafolicular  Consistência pétrea
  • 17. PIEDRA BRANCA Exame direto de pêlo
  • 18. PIEDRA BRANCA Aspecto macroscópico da colônia de Piedraia hortae
  • 19.
  • 21. TINHA NIGRA 1. CONCEITO 2. AGENTE ETIOLÓGICO  Infecção fúngica da camada córnea da pele, se caracterizando por apresentar máculas escuras, de coloração marrom a negra. 3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA TN!  Distribuição Geográfica:  Regiões tropicais e subtropicais Américas, África e Ásia  Sexo: mulheres  Idade: até 20 anos  Fontes de infecção  Salinidade (areia do mar/pescados secos e salgados)  Fatores Predisponentes:  Condições climáticas  Endógenas do hospedeiro  Hortaea werneckii
  • 22. TINHA NIGRA 4. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  Máculas marrom a negra/ não descamativas  Região palmar - Plantar - cotovelo, face, tórax  Lesão única e/ou coalescente  Resposta inflamatória: ausente TN!
  • 23. 5. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL  COLETA  Escarificação  Técnica de Pôrto (1953)  EXAME DIRETO  Clarificado - KOH a 20%  CULTURA  Sabouraud + Cloranfenicol  Incubação: 25ºC TN2
  • 24.  
  • 26.
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.
  • 31.
  • 33.
  • 34.  
  • 35.
  • 36.  
  • 37.
  • 38.
  • 39. hifas colônia colônia exame direto: KOH 15% colônia: agar Sabouraud
  • 41.
  • 42.
  • 43. Terapêutica oral – Adultos Tinea Drogas de escolha Doses Efeitos colaterais Interações Tinea capitis Griseofulvina 500mg – 1g/dia após refeição 6 a 12 semanas Cefaléia, náuseas, urticária, diarréia, fototoxicidade, precipita porfíria aguda intermitente e lupus eritematoso sistêmico Anticoagulantes orais e fenil-hidantoína Cetoconazol 250mg durante refeição 6 a 12 semanas Cefaléia, náuseas, ginecomastia Antiácidos, antihistamínicos, bloqueadores de H 2 , ciclosporina Itraconazol 100mg/dia com ou após refeição 6 semanas Náuseas, dor abdominal, vômito Fenitoína, hipoglicemiantes orais Fluconazol 50mg/dia 20 dias Náuseas, dor abdominal Cetozonazol, hidroclorotiazida, antiácidos
  • 44. Terapêutica oral – Adultos Tinea Drogas de escolha Doses Efeitos colaterais Interações Tinea corporis Tinea cruris Tinea pedis interdigital Cetoconazol 200mg/ dia, 6 semanas Alterações das provas de função hepática Rifampicina, fenitoína, anticoagulantes Itraconazol 100mg/dia 15 dias Diarréia, cefaléia, anorexia Warfarin, digoxina Fluconazol 150mg/semana 4 semanas Vômito, diarréia, cefaléia, rash Anti-histamínico, rifampicina, warfarin, ciclosporina Tinea pedis plantar Itraconazol 100mg/dia, 4 semanas Tonteiras, rash Terfenadina
  • 45. Terapêutica oral – Adultos Tinea Drogas de escolha Doses Efeitos colaterais Interações Tinea unguis Itraconazol 200mg/dia 3 meses Prurido Fenitoína, hipoglicemiantes orais, warfarin, digoxina, terfenadina Fluconazol 150mg/semana 6 meses Anorexia, tonteiras, prurido Fenitoína, hipoglicemiantes orais Tinea unguis dos pés Terbinafina 250mg/dia, 3 meses Dispepsia, dor epigástrica, gastrite, náusea, vômito, diarréia, cólicas, plenitude gástrica Rifampicina Cimetidina Tinea unguis das mãos 250mg/dia 45 dias
  • 46. Terapêutica oral - Crianças Tineas Droga de escolha Dose Tinea capitis Griseofulvina (1 a escolha) 10-15mg/Kg/dia após almoço ou jantar, 6-12 semanas Cetoconazol 5 a 10mg/Kg/dia durante a refeição, 6 semanas Itraconazol < 20 Kg: 3 a 5mg/Kg/dia com ou após refeição, 6 semanas > 20 Kg: 100mg/dia Fluconazol 3-6mg/Kg/dia, 20 dias Tinea corporis Tinea cruris Cetoconazol 5 a 10mg/Kg/dia durante a refeição, 6 semanas Tinea unguis Terbinafina < 20 Kg = 62,5mg/dia 20-40mg = 125mg/dia > 40 Kg = 250mg/dia Pés: 3 meses Mãos: 45 dias