slides Larva migrans

339 visualizações

Publicada em

slides

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
339
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

slides Larva migrans

  1. 1. ANCILOSTOMIDEOS E LARVA MIGRANS CUTÂNEA Prof° Marcos Gontijo da Silva UNIRG UNIRG
  2. 2. OBJETIVO:  Estudar a classificação, morfologia, biologia, ações patogênicas, diagnóstico, epidemiologia, profilaxia e tratamento.
  3. 3. Ancilostomose ou Ancilostomíase
  4. 4. ANCILOSTOMÍDEOS  CLASSIFICAÇÃO  CLASSE  Nematoda  ORDEM  Strongylida  FAMÍLIA  Ancylostomatidae  SUBFAMÍLIA  Bunostominae (Possui laminas cortantes) Gênero  Necator Espécie N. americanus (origem na África)  Ancylostomatinae (Apresenta dentes) Gênero  Ancylostoma Espécie A. duodenale, A. braziliensis A. canimum, A. ceylanicum
  5. 5. ANCILOSTOMÍDEOS MORFOLOGIA  Adultos machos e fêmeas cilindriformes, com a extremidade encurvada dorsalmente; cápsula bucal profunda, com dois pares de dentes e um par de laminas cortantes; cor róseo-avermelhada. N. americanus A. duodenale A. ceylanicum Fêmea 09 a 11 mm 10 a 13 mm 10 mm Macho 05 a 09 mm 09 a 11 mm 08 mm Ovo 64 a 76 μm 56 a 60 μm 55 a 60 μm Ovipoção/dia 06 a 11 mil 20 a 30 mil - Cápsula bucal 1 par de placas 2 pares dentes 2 pares dentes Larvas Rabditóides e larvas filarióides
  6. 6. ANSILOSTOMIDEOS HÁBITAT  Vermes adultos vivem na mucosa do intestino delgado. Duodeno (também jejuno e íleo. TRANSMISSÃO  Penetração das larvas filarióides (L3 ou infectantes) por via transcutânea ou oral.
  7. 7. ANCILOSTOMÍDEOS CICLO EVOLUTIVO  É do tipo monoxênico.  1ª No meio externo – vida livre  Ovo, ovo embrionado, L1, L2 e L3 Duas fases  2ª No hospedeiro definitivo – vida parasitária  L3, L4, L5 e adulto.
  8. 8. ANCILOSTOMÍDEOS  CICLO EXTERNO:  Para o desenvolvimento do ciclo externo é necessário um ambiente adequado representado por um solo arenoargiloso, com bastante matéria orgânica e umidade (acima de 90%), sob temperatura variando entre 20 e 30 graus centígrados além da ausência de luz solar direta (vivem cerca de 6 meses).
  9. 9. ANCILOSTOMIDEOS PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA  Grau de infecção  Carga parasitária, fase da infeccção, localização, idade. etc.  Fase aguda  Migração das larvas no tecido cutâneo e pulmonar com instalação dos vermes adultos no I.D. ∗ Lesões cutâneas  Lesões traumáticas e fenômenos vasculares. ∗ Dermatite urticariforme  Prurido, edema e eritema (carreamento de bactérias). ∗ Lesões pulmonares  Hemorragias petequiais, pneumonite difusa e síndrome de Loeffer: febre, tosse produtiva e eosinofilia sanguínea.
  10. 10. ANCILOSTOMÍDEOS  Fase crônica: Sinais e sintomas  Primários  atividade dos parasitas  Secundários  anemia e hipo- proteinemia ∗ Lesões da mucosa intestinal  * Dilaceração e maceração de fragmentos da mucosa (formação de úlceras hemorragicas). * Edemaciada com infiltração leucocitária (presença de bactérias) ∗ Expoliação sanguínea  Hematofagismo (por cada verme) : N. americanus  0,01 a 0,04 ml/ sangue/dia A. duodenale  0,05 a 0,3 ml/sangue/dia
  11. 11. ANCILOSTOMÍDEOS ∗ Anemia (microcítica e hipocrômica), leucocitose, eosinofilia, hemoglobina baixa e hipotroteinemia. ∗ 0,1g de albumina ou 0,3 ML de plasma é ingerido por 100 N. americanus/dia.  SINTOMATOLOGIA  Náuseas, vômitos, flatulência, cólica, indigestão, diminuição do apetite e geofagia, edema das pernas e debilidade orgânica.
  12. 12. “A inteligência do amarelado atrofia-se e a triste figura, incapaz de ação, incapaz de vontade, incapaz de progresso, torna-se escravo dos vermes” (Monteiro Lobato, 1919, Urupês).
  13. 13. ANCILOSTOMÍDEOS IMUNOLOGIA ∗ Fase aguda  Eosinofilia e pequeno ↑ IgG e IgE ∗ Fase crônica  Eosinofilia com ↑ de IgE total e de anticorpos específicos IgG, IgA e IgM, detectados pela imunofluores- cência, ELISA e hemaglutinação.
  14. 14. ANCILOSTOMÍDEOS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL  Parasitológico ∗ Detecção de ovos na matéria fecal  Exame de fezes. ∗ Métodos  Stoll e Kato – Katz ∗ Métodos quantitativos  Willis, Hoffmann, Ricthie, etc.  Imunológico  Precipitação, hemaglutinação, difusão em gel, imufluorescência e ELISA.  Hemograma completo
  15. 15. ANCILOSTOMÍDEOS EPIDEMIOLOGIA  Solo arenoargiloso e permeável; temperaturas entre 25 e 30°C, bastante materia orgânica, umidade acima de 90% são ideais; preferência por locais temperados e tropicais.  Falta de instalações sanitárias e o hábito de defecar no solo (peridomicílio) e andar descalço.  Classicamente:  A. duodenale Europa, África, Ásia ociden- tal, China e Japão.  N. americanus África, sul da China e da Índia, Américas.
  16. 16. ANCILOSTOMÍDEOS  No Brasil  A. duodenale  20 a 30 %  N. americanus  70 a 80 %  Em adultos  < 50 vermes  Benigna  > 50 e < 200  significado clínico (anemia)  > 200 e < 500  Infecção média  > 1000  Infecção intensa
  17. 17. ANCILOSTOMIDEOS PROFILAXIA: A profilaxia dessa geoelmintose consta:  Tratamento em massa da população  Instalação de serviço de esgoto  Educação sanitária, ambiental e cívica
  18. 18. ANCILOSTOMÍDEOS  TRATAMENTO  PAMOATO DE PIRANTEL  Inibe a colinesterase (Piranver, Combantrin) causando a paralisia do verme. (10-20mg/kg/3 dias)  MEBENDAZOL  Age bloqueando a captação de glicose (Pantelmin, sirben) e aminoácidos. (100mg/2 vezes ao dia/3 dias)  ALBENDAZOL  Larvicida (Zentel) (400mg/dia, dose única) ∗ Suplemento alimentar  Rico em proteínas e Ferro ∗ Anemia  Sulfato ferroso
  19. 19. LARVA MIGRANS CUTÂNEA Larva migrans cutânea  Também denominada de dermatite serpiginosa e dermatite pruriginosa, apresenta distribuição cosmopolita, porém ocorre com maior frequência nas regiões tropicais e subtropicais.  Agentes etiológicos  Ancilostoma braziliensis e Ancilostoma caninum (parasitas do intestino delgado de cães e gatos)  Infecção no homem  As L3 desses ancilostomideos penetram ativamente na pele do homem e migram através do tecido subcutâneo durante semanas ou meses e então morrem.
  20. 20. LARVA MIGRANS CUTÂNEA  Sintomas  As partes do corpo frequentemente atingidas são os pés, pernas, nádegas, mãos e antebraços e mais raramente boca, lábios e palato. No local da penetração das L3, aparece lesão eritemo- papulosa que evolui, assumindo um aspecto vesicular. pruduzem intenso prurido  Diagnóstico  Anamnese, sintomas e aspecto dermato- lógico da lesão.  Tratamento  Uso tópico  Cloretila e neve carbônica, que mata a larva pelo frio.  Tiabendazol pomada (4 x ao dia)
  21. 21. LARVA MIGRANS CUTÂNEA  USO ORAL:  IVERMECTINA  150 μg/Kg, dose única, via oral.  ALBENDAZOL  200 mg duas vezes ao dia, durante três dias.  TIABENDAZOL  25 mg/Kg de peso corporal e por dia, dividido em três tomadas, para ingerir depois das refeições.
  22. 22. LARVA MIGRANS CUTÂNEA EPIDEMIOLOGIA  A larva migrans cutânea é encontrada por toda parte onde se encontrem cães e gatos infectados com ancilostomídeos.  O problema é mais frequente em praias e em terrenos arenosos, onde esses animais poluem o meio com suas fezes.  Em muitos lugares, são os gatos as principais fontes de infecção. O hábito de enterrar os excrementos, tão característico desses animais, e a preferência por faze-lo em lugares com areia, favorecem a eclosão dos ovos e o desenvolvimento das larvas.  As crianças contaminam-se ao brincar de areia em depósitos de areia para construção, ou em tanques de areia dos locais destinados para a sua recreação.
  23. 23. LARVA MIGRANS CUTÂNEA PROFILAXIA  Medidas isoladas, tomadas pelos proprietários de animais domésticos.  Tratamento dos animais de forma sistemática, com ou sem exame parasitológico prévio.  Impedir o acesso de animais aos tanques de areia de escolas e parques com telagem adequada.  Nas praias, procurar as áreas que são periodicamente cobertas pelas cheias da maré.
  24. 24. FINISH

×