SlideShare uma empresa Scribd logo

Cadastrar fornecedor-fk01

Este documento descreve os procedimentos para cadastrar um fornecedor no sistema financeiro SAP. Inclui informações sobre como preencher os campos obrigatórios e opcionais para identificar o fornecedor, seu endereço, dados fiscais, bancários e de pagamento. Também fornece dicas sobre como vincular o cadastro a um modelo existente ou indicar que o fornecedor faz parte de um grupo empresarial.

1 de 13
Baixar para ler offline
ESAB
FI 001 REV. 29/05/01 - 00
Página 1/13
CADASTRAR FORNECEDOR
Elaborado por: Aprovado por: Versão SAP:
FCP FCP R/3 4.6C
Visão Geral
Evento gerador
Descrição Genérica do Processo de Negócio
Todos os dados do fornecedor são armazenados no registro mestre do fornecedor e controla como os dados
transacionais serão lançados para um fornecedor.
Os Dados mestres de fornecedores não são usados apenas pelo departamento financeiro mas também pelo
departamento de compras / gerenciamento de materiais (MM). Quando você for estabelecer seus registros
mestres, você possui a opção de criar as seções da contabilidade financeira (FI) e de gerenciamento de materiais
(MM) separadamente, cada qual em sua própria área de aplicação, ou criando o mestre do fornecedor
“centralmente”.
Ao criar/salvar os registros mestres centralmente, isto permite acesso comum e permite a você entrar dados
apenas uma vez e evita dados redundantes ou contraditórios. Se o endereço de um fornecedor for alterado, por
exemplo, você precisa entrar com a alteração uma única vez, e ambos os departamentos de contabilidade
financeira e de gerenciamento de materiais, terão acesso aos dados mais atuais do fornecedor.
Um registro mestre de fornecedor inclui dados tais como:
• Nome do fornecedor, endereço, linguagem de comunicação, e números de telefones
• Números de Inscrições para Impostos (No Brasil, por exemplo pode-se ter no cadastro do fornecedor dados
como CNPJ, CPF, Inscrição Estadual, Inscrição Municipal, etc.)
• Dados bancários do fornecedor
• Dados de controle da conta contábil, tal como a conta de reconciliação para o código do fornecedor
• Meios de pagamentos deste fornecedor e condição de pagamento mais usual do contrato do fornecedor
• Dados de Compras
Este processo descreve a criação do registro mestre dentro da contabilidade financeira (FI).
Entradas – Campos Obrigatórios Conteúdo do Campo / Comentários
Empresa
Grupo de contas
Nome
Conceito de pesquisa
Rua
Localidade
País
Idioma
Conta contábil de reconciliação
Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por
quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
ESAB
FI 001 REV. 29/05/01 - 00
Página 2/13
Dicas
Procedimentos
1.1. Acessar a transação “Criar fornecedor (contab.financeira)”:
Via Menus Contabilidade Contabilidade financeira Fornecedores Dados mestre
Criar
Via Código de Transação FK01
1.2.Na tela “Criar fornecedor: 1a. tela”, entrar as informações nos campos da forma especificada
na tabela abaixo:
Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários
Fornecedor Se você designar que a O
Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por
quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
Identifica a qual grupo pertence:
Fornecedor Nacional PJ
Fornecedor Nacional PF
Fornecedor Estrangeiro
Etc...
ESAB
FI 001 REV. 29/05/01 - 00
Página 3/13
numeração da conta do
fornecedor é externa, entre
com o número do fornecedor.
Se você designar que a
numeração da conta do
fornecedor é interna, o sistema
é que fornecerá
automaticamente a numeração
do código do fornecedor
quando você salvar o dado
mestre.
Empresa É o código identificador da
empresa
C Este campo não é obrigatório
caso você decida usar um
modelo de fornecedor/empresa
no campo de baixo.
Grupo de contas Ë uma classificação da
característica do registro
mestre do fornecedor, na qual
determina se a numeração do
código do fornecedor será
interna ou externa e quais
campos serão propostos na
tela para preenchimento do
cadastro
C Este campo não é obrigatório
caso você decida usar um
modelo de fornecedor/empresa
no campo de baixo.
Modelo:
Fornecedor
O código do fornecedor que
está sendo usado como
modelo surge como uma
alternativa para se criar um
fornecedor
O Dados específicos de
fornecedores usados como
modelos, tais como endereços
não são trazidos. Os dados do
fornecedor usado como modelo
são usados como valores
default, portanto é sugerido que
todas as telas sejam revistas
antes de salvar qualquer dado.
Modelo:
Empresa
A empresa associada com o
fornecedor usado como
modelo
C
(Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional)
Pressione o botão
Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por
quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
ESAB
FI 001 REV. 29/05/01 - 00
Página 4/13
1.3.Na tela “Criar fornecedor: Endereço”, entrar as informações nos campos da forma
especificada na tabela abaixo:
Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários
Nome Nome do fornecedor R
Conc.pesquisa ½ Nome abreviado (apelido) que
será usado para estabelecer
uma futura pesquisa
R
Rua / n. porta Nome da rua e número R
Cd. postal Código de Endereçamento
Postal (CEP)
O
Localidade Nome do município R
País Dois dígitos identificadores do
código do país
R
Região Duas letras para indicar o
Código abreviado do estado
O
Idioma Duas letras para indicar o
código do idioma de
comunicação do fornecedor
R
(Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional)
Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por
quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
ESAB
FI 001 REV. 29/05/01 - 00
Página 5/13
Pressione o botão
1.4. Na tela “Criar fornecedor: Controle”, entrar as informações nos campos da forma
especificada na tabela abaixo:
Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por
quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
No cadastro por FI será
preenchido somente o
campo de CNPJ ou CPF
quando pessoa física.
ESAB
FI 001 REV. 29/05/01 - 00
Página 6/13
Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários
Cliente Se o fornecedor também for
cliente, use este campo para
ligar os dois registros para
exibição das partidas
individuais conjuntamente e
para processamento de
transações
O
Grupo
empresas
Se o fornecedor pertence a um
grupo, você pode entrar
livremente com uma
designação de chave de grupo
de empresas aqui. Se você
criar um código de pesquisa
usando esta chave de grupo
de empresas, serão possíveis
avaliações de grupos de
empresas
O Ao usar “listas de
trabalho” muitas
análises e
consultas a
partidas individuais
“on-line” podem
ser utilizadas como
relatórios
No. Id Fiscal 1 Número de Identificação Fiscal
1 (No Brasil, corresponde ao
CNPJ)
O
No. Id Fiscal 2 Número de Identificação Fiscal
2 (No Brasil, corresponde ao
CPF para pessoas físicas)
O Neste caso, deve-se
selecionar também
o campo “pessoa
física” descrito
abaixo
Pessoa Física Código que indica se o
fornecedor é pessoa física
C Através deste código é possível
diferenciar entre pessoa física e jurídica
nos relatórios fiscais. Assim, no Brasil, se
este código NÃO estiver definido o CNPJ
será relevante no número de identificação
fiscal 1, entretanto se este código estiver
selecionado, o CPF é que será relevante
no número de identificação fiscal 2.
Imposto
comp
Imposto compensatório (usado
na Espanha)
O
IVA Imposto sobre Valor Agregado
(usado na Venezuela)
O
No. Id Fiscal 3 Número de Identificação Fiscal
3 (No Brasil, corresponde ao
número da inscrição estadual)
O
No. Id Fiscal 4 Número de Identificação Fiscal
4 (No Brasil, corresponde ao
número da inscrição
Municipal)
O
Ctg. Industria Chave de identificação da
categoria da indústria do
fornecedor
O Corresponde a categoria de indústria em
que é ativa em um fornecedor. A definição
de categoria de indústria pode ser
efetuada através da empresa e é fator
importante para todo o sistema de
informações
Setor Código do setor industrial O Um setor industrial é uma divisão de
empreendimento segundo a atividade
empresarial. O código do setor industrial é
utilizado para a delimitação de análises e
obtenção de relatórios de fornecedores
separados por setor industrial. (Como
setor industrial pode ser utilizado por
exemplo: comércio, bancos, prestação de
serviços, indústria, setor de saúde,
serviço público, comunicação social, etc.).
Atenção o código do setor industrial é
utilizado de forma genérica tanto por
fornecedores como por clientes
(Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional)
Pressione o botão
Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por
quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.

Recomendados

Guia configuracao-fi
Guia configuracao-fiGuia configuracao-fi
Guia configuracao-fiRose1208
 
Sd vendas e distribuição
Sd vendas e distribuiçãoSd vendas e distribuição
Sd vendas e distribuiçãoWilliam Soares
 
Academia S4HANA Logística - Treinamento BP (1).docx
Academia S4HANA Logística - Treinamento BP (1).docxAcademia S4HANA Logística - Treinamento BP (1).docx
Academia S4HANA Logística - Treinamento BP (1).docxValdevyPires1
 
Criando condição de frete - SAP
Criando condição de frete - SAPCriando condição de frete - SAP
Criando condição de frete - SAPAna Paula Vono
 
127415270 workshop-taxbra
127415270 workshop-taxbra127415270 workshop-taxbra
127415270 workshop-taxbraSandra Jesus
 
1. img mm projeto completo mbp
1. img mm projeto completo mbp1. img mm projeto completo mbp
1. img mm projeto completo mbpConsultor SAP MM
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Visão Geral - Módulo SAP MM
Apresentação  Visão Geral - Módulo SAP MMApresentação  Visão Geral - Módulo SAP MM
Apresentação Visão Geral - Módulo SAP MMNatan Cavalcanti
 
Ml81n lancar folha_de_registro_de_servicos
Ml81n lancar folha_de_registro_de_servicosMl81n lancar folha_de_registro_de_servicos
Ml81n lancar folha_de_registro_de_servicosConsultor SAP MM
 
Customizig sap - img do material ledger
Customizig sap - img do material ledgerCustomizig sap - img do material ledger
Customizig sap - img do material ledgerrenata villela
 
Transporte de Request - Tutorial ABAP
Transporte de Request - Tutorial ABAPTransporte de Request - Tutorial ABAP
Transporte de Request - Tutorial ABAPRicardo Ishida
 
Manual aa-imobilizado-depreciações
Manual aa-imobilizado-depreciaçõesManual aa-imobilizado-depreciações
Manual aa-imobilizado-depreciaçõesHelio Oscar Freire
 
Ac605 análise de rentabilidade (pa)
Ac605   análise de rentabilidade (pa)Ac605   análise de rentabilidade (pa)
Ac605 análise de rentabilidade (pa)Rodrigo Glauser
 
New GL parallel ledgers in asset accounting
New GL parallel ledgers in asset accounting New GL parallel ledgers in asset accounting
New GL parallel ledgers in asset accounting Hari Krishna
 
LB_Brazil_localization_workshop.ppt
LB_Brazil_localization_workshop.pptLB_Brazil_localization_workshop.ppt
LB_Brazil_localization_workshop.pptssuser753bd7
 
A guide to functional areas and cost of sales P&L reporting in the SAP® Gener...
A guide to functional areas and cost of sales P&L reporting in the SAP® Gener...A guide to functional areas and cost of sales P&L reporting in the SAP® Gener...
A guide to functional areas and cost of sales P&L reporting in the SAP® Gener...John Jordan
 
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação IntercompanySAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação IntercompanyNatan Cavalcanti
 
SAP Logistics - CS - Standard Process & Configuration document
SAP Logistics - CS - Standard Process & Configuration documentSAP Logistics - CS - Standard Process & Configuration document
SAP Logistics - CS - Standard Process & Configuration documentSubhrajyoti (Subhra) Bhattacharjee
 
Visao Geral Sistema ERP SAP
Visao Geral  Sistema ERP SAPVisao Geral  Sistema ERP SAP
Visao Geral Sistema ERP SAPLaura Lou
 
CKM3 Coletiva com Estratificação de Custos
CKM3 Coletiva com Estratificação de CustosCKM3 Coletiva com Estratificação de Custos
CKM3 Coletiva com Estratificação de CustosRogerio Faleiros - SAP CO
 
SAP Activate A nova metodologia para implementar ERP SAP alinhada com Método...
SAP Activate A nova metodologia para implementar ERP SAP alinhada com Método...SAP Activate A nova metodologia para implementar ERP SAP alinhada com Método...
SAP Activate A nova metodologia para implementar ERP SAP alinhada com Método...GUGP SUCESU-RS
 
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PPTCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PPEdson Domenech
 

Mais procurados (20)

Apresentação Visão Geral - Módulo SAP MM
Apresentação  Visão Geral - Módulo SAP MMApresentação  Visão Geral - Módulo SAP MM
Apresentação Visão Geral - Módulo SAP MM
 
SAP - NOÇÕES IMPORTANTES
SAP - NOÇÕES IMPORTANTESSAP - NOÇÕES IMPORTANTES
SAP - NOÇÕES IMPORTANTES
 
Ml81n lancar folha_de_registro_de_servicos
Ml81n lancar folha_de_registro_de_servicosMl81n lancar folha_de_registro_de_servicos
Ml81n lancar folha_de_registro_de_servicos
 
Customizig sap - img do material ledger
Customizig sap - img do material ledgerCustomizig sap - img do material ledger
Customizig sap - img do material ledger
 
Brazil localization sap
Brazil localization   sapBrazil localization   sap
Brazil localization sap
 
Treinamento SAP ABAP
Treinamento SAP ABAPTreinamento SAP ABAP
Treinamento SAP ABAP
 
Apresentacao geral sap r3
Apresentacao geral sap r3Apresentacao geral sap r3
Apresentacao geral sap r3
 
Transporte de Request - Tutorial ABAP
Transporte de Request - Tutorial ABAPTransporte de Request - Tutorial ABAP
Transporte de Request - Tutorial ABAP
 
Manual aa-imobilizado-depreciações
Manual aa-imobilizado-depreciaçõesManual aa-imobilizado-depreciações
Manual aa-imobilizado-depreciações
 
Ac605 análise de rentabilidade (pa)
Ac605   análise de rentabilidade (pa)Ac605   análise de rentabilidade (pa)
Ac605 análise de rentabilidade (pa)
 
New GL parallel ledgers in asset accounting
New GL parallel ledgers in asset accounting New GL parallel ledgers in asset accounting
New GL parallel ledgers in asset accounting
 
LB_Brazil_localization_workshop.ppt
LB_Brazil_localization_workshop.pptLB_Brazil_localization_workshop.ppt
LB_Brazil_localization_workshop.ppt
 
A guide to functional areas and cost of sales P&L reporting in the SAP® Gener...
A guide to functional areas and cost of sales P&L reporting in the SAP® Gener...A guide to functional areas and cost of sales P&L reporting in the SAP® Gener...
A guide to functional areas and cost of sales P&L reporting in the SAP® Gener...
 
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação IntercompanySAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
 
Badi listas - ABAP
Badi listas - ABAPBadi listas - ABAP
Badi listas - ABAP
 
SAP Logistics - CS - Standard Process & Configuration document
SAP Logistics - CS - Standard Process & Configuration documentSAP Logistics - CS - Standard Process & Configuration document
SAP Logistics - CS - Standard Process & Configuration document
 
Visao Geral Sistema ERP SAP
Visao Geral  Sistema ERP SAPVisao Geral  Sistema ERP SAP
Visao Geral Sistema ERP SAP
 
CKM3 Coletiva com Estratificação de Custos
CKM3 Coletiva com Estratificação de CustosCKM3 Coletiva com Estratificação de Custos
CKM3 Coletiva com Estratificação de Custos
 
SAP Activate A nova metodologia para implementar ERP SAP alinhada com Método...
SAP Activate A nova metodologia para implementar ERP SAP alinhada com Método...SAP Activate A nova metodologia para implementar ERP SAP alinhada com Método...
SAP Activate A nova metodologia para implementar ERP SAP alinhada com Método...
 
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PPTCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
 

Destaque

Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)Vanessa Dias
 
Desafio profissional pronto
Desafio profissional prontoDesafio profissional pronto
Desafio profissional prontoCleuza Carus
 
корекційна робота логопеда з урахуванням півкульної домінанти роботи мозку
корекційна робота логопеда з урахуванням півкульної домінанти роботи мозкукорекційна робота логопеда з урахуванням півкульної домінанти роботи мозку
корекційна робота логопеда з урахуванням півкульної домінанти роботи мозкуnatalia0803
 
Stypendium z wyboru ok
Stypendium z wyboru okStypendium z wyboru ok
Stypendium z wyboru okTomaszStanecki
 
Community Event FINAL
Community Event FINALCommunity Event FINAL
Community Event FINALEd Faber
 
Dn12 u3 a34_ljmg
Dn12 u3 a34_ljmgDn12 u3 a34_ljmg
Dn12 u3 a34_ljmgGa3by
 
Redis - Marcelo Tozzi - Lomadee
Redis - Marcelo Tozzi - LomadeeRedis - Marcelo Tozzi - Lomadee
Redis - Marcelo Tozzi - LomadeeFelipe Guimarães
 
mag. Nataša Tomc Jovović // Selective approach to the media for maximum impac...
mag. Nataša Tomc Jovović // Selective approach to the media for maximum impac...mag. Nataša Tomc Jovović // Selective approach to the media for maximum impac...
mag. Nataša Tomc Jovović // Selective approach to the media for maximum impac...SEMPL
 
пополнение запасов подземных вод
пополнение запасов подземных водпополнение запасов подземных вод
пополнение запасов подземных водLamunzer
 
Medical Device Sales Help
Medical Device Sales HelpMedical Device Sales Help
Medical Device Sales Helpsdevice
 
الاختبار النهائى فى_الاختبار_القبلى_والبعدى
الاختبار النهائى فى_الاختبار_القبلى_والبعدىالاختبار النهائى فى_الاختبار_القبلى_والبعدى
الاختبار النهائى فى_الاختبار_القبلى_والبعدىhagersaid
 

Destaque (19)

Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
Modelo do projeto integrador i projeto parcial primeira postagem (2)
 
Desafio profissional pronto
Desafio profissional prontoDesafio profissional pronto
Desafio profissional pronto
 
корекційна робота логопеда з урахуванням півкульної домінанти роботи мозку
корекційна робота логопеда з урахуванням півкульної домінанти роботи мозкукорекційна робота логопеда з урахуванням півкульної домінанти роботи мозку
корекційна робота логопеда з урахуванням півкульної домінанти роботи мозку
 
Stypendium z wyboru ok
Stypendium z wyboru okStypendium z wyboru ok
Stypendium z wyboru ok
 
Vaga
VagaVaga
Vaga
 
Ponencia d'Eduard Batlle | Curs d'especialització en Blocs Corporatius, Xarxe...
Ponencia d'Eduard Batlle | Curs d'especialització en Blocs Corporatius, Xarxe...Ponencia d'Eduard Batlle | Curs d'especialització en Blocs Corporatius, Xarxe...
Ponencia d'Eduard Batlle | Curs d'especialització en Blocs Corporatius, Xarxe...
 
Community Event FINAL
Community Event FINALCommunity Event FINAL
Community Event FINAL
 
Dn12 u3 a34_ljmg
Dn12 u3 a34_ljmgDn12 u3 a34_ljmg
Dn12 u3 a34_ljmg
 
Redis - Marcelo Tozzi - Lomadee
Redis - Marcelo Tozzi - LomadeeRedis - Marcelo Tozzi - Lomadee
Redis - Marcelo Tozzi - Lomadee
 
skla frotall
skla frotallskla frotall
skla frotall
 
8/12/54
8/12/548/12/54
8/12/54
 
mag. Nataša Tomc Jovović // Selective approach to the media for maximum impac...
mag. Nataša Tomc Jovović // Selective approach to the media for maximum impac...mag. Nataša Tomc Jovović // Selective approach to the media for maximum impac...
mag. Nataša Tomc Jovović // Selective approach to the media for maximum impac...
 
Teku. Diciembre 2011
Teku. Diciembre 2011Teku. Diciembre 2011
Teku. Diciembre 2011
 
The solution
The solutionThe solution
The solution
 
пополнение запасов подземных вод
пополнение запасов подземных водпополнение запасов подземных вод
пополнение запасов подземных вод
 
Medical Device Sales Help
Medical Device Sales HelpMedical Device Sales Help
Medical Device Sales Help
 
Landscape
LandscapeLandscape
Landscape
 
الاختبار النهائى فى_الاختبار_القبلى_والبعدى
الاختبار النهائى فى_الاختبار_القبلى_والبعدىالاختبار النهائى فى_الاختبار_القبلى_والبعدى
الاختبار النهائى فى_الاختبار_القبلى_والبعدى
 
Ex5
Ex5Ex5
Ex5
 

Semelhante a Cadastrar fornecedor-fk01

Manual sped csm versao1
Manual sped csm versao1Manual sped csm versao1
Manual sped csm versao1Cezar Maciel
 
Apresentação Perfil Admin - Mentor Plus - Gempre
Apresentação Perfil Admin - Mentor Plus - GempreApresentação Perfil Admin - Mentor Plus - Gempre
Apresentação Perfil Admin - Mentor Plus - Gempregempre
 
Apresentação perfil admin - Mentor
Apresentação perfil admin - MentorApresentação perfil admin - Mentor
Apresentação perfil admin - Mentorgempre
 
Release notes versão 2.5
Release notes versão 2.5Release notes versão 2.5
Release notes versão 2.5Plataforma CORE
 
Relatorio Unico 2011
Relatorio Unico 2011Relatorio Unico 2011
Relatorio Unico 2011Manuel Lobão
 
Release Notes Versao 2.5
Release Notes Versao 2.5Release Notes Versao 2.5
Release Notes Versao 2.5Plataforma CORE
 
Apresentação Módulo Retaguarda
Apresentação Módulo RetaguardaApresentação Módulo Retaguarda
Apresentação Módulo RetaguardaCustom BS
 
Lm manual do financeiro contas a receber
Lm manual do financeiro   contas a receberLm manual do financeiro   contas a receber
Lm manual do financeiro contas a receberzeramento contabil
 
Apresentação do Software Mentor Plus
Apresentação do Software Mentor PlusApresentação do Software Mentor Plus
Apresentação do Software Mentor Plusgempre
 
AEP BOW: Trade Monitor - manual utilizador
AEP BOW: Trade Monitor - manual utilizadorAEP BOW: Trade Monitor - manual utilizador
AEP BOW: Trade Monitor - manual utilizadorAEP | INTERNACIONAL
 
materia2_treinamentomiro.ppt
materia2_treinamentomiro.pptmateria2_treinamentomiro.ppt
materia2_treinamentomiro.pptGabriela503475
 
Emissor nfce nfc e nota fiscal consumidor eletronica Simpler
Emissor nfce nfc e nota fiscal consumidor eletronica SimplerEmissor nfce nfc e nota fiscal consumidor eletronica Simpler
Emissor nfce nfc e nota fiscal consumidor eletronica SimplerMichael Belmonte
 
Apresentação eCommerce Fly01
Apresentação eCommerce Fly01Apresentação eCommerce Fly01
Apresentação eCommerce Fly01Sabrina Ribeiro
 
Manual Usuário Portal interbancos (CEF)
Manual Usuário Portal interbancos (CEF)Manual Usuário Portal interbancos (CEF)
Manual Usuário Portal interbancos (CEF)daviramosrs
 

Semelhante a Cadastrar fornecedor-fk01 (20)

DIPJ 2013
DIPJ 2013DIPJ 2013
DIPJ 2013
 
Manual sped csm versao1
Manual sped csm versao1Manual sped csm versao1
Manual sped csm versao1
 
Biblioteca 16421
Biblioteca 16421Biblioteca 16421
Biblioteca 16421
 
TOTVS - Rotinas anuais
TOTVS - Rotinas anuaisTOTVS - Rotinas anuais
TOTVS - Rotinas anuais
 
Apresentação Perfil Admin - Mentor Plus - Gempre
Apresentação Perfil Admin - Mentor Plus - GempreApresentação Perfil Admin - Mentor Plus - Gempre
Apresentação Perfil Admin - Mentor Plus - Gempre
 
Apresentação perfil admin - Mentor
Apresentação perfil admin - MentorApresentação perfil admin - Mentor
Apresentação perfil admin - Mentor
 
Treinamento sap co controlling
Treinamento sap co   controllingTreinamento sap co   controlling
Treinamento sap co controlling
 
Release notes versão 2.5
Release notes versão 2.5Release notes versão 2.5
Release notes versão 2.5
 
Relatorio Unico 2011
Relatorio Unico 2011Relatorio Unico 2011
Relatorio Unico 2011
 
Release Notes Versao 2.5
Release Notes Versao 2.5Release Notes Versao 2.5
Release Notes Versao 2.5
 
Apresentação Módulo Retaguarda
Apresentação Módulo RetaguardaApresentação Módulo Retaguarda
Apresentação Módulo Retaguarda
 
Lm manual do financeiro contas a receber
Lm manual do financeiro   contas a receberLm manual do financeiro   contas a receber
Lm manual do financeiro contas a receber
 
Apresentação do Software Mentor Plus
Apresentação do Software Mentor PlusApresentação do Software Mentor Plus
Apresentação do Software Mentor Plus
 
Manual aa
Manual   aaManual   aa
Manual aa
 
Apostila escrita fiscal
Apostila escrita fiscalApostila escrita fiscal
Apostila escrita fiscal
 
AEP BOW: Trade Monitor - manual utilizador
AEP BOW: Trade Monitor - manual utilizadorAEP BOW: Trade Monitor - manual utilizador
AEP BOW: Trade Monitor - manual utilizador
 
materia2_treinamentomiro.ppt
materia2_treinamentomiro.pptmateria2_treinamentomiro.ppt
materia2_treinamentomiro.ppt
 
Emissor nfce nfc e nota fiscal consumidor eletronica Simpler
Emissor nfce nfc e nota fiscal consumidor eletronica SimplerEmissor nfce nfc e nota fiscal consumidor eletronica Simpler
Emissor nfce nfc e nota fiscal consumidor eletronica Simpler
 
Apresentação eCommerce Fly01
Apresentação eCommerce Fly01Apresentação eCommerce Fly01
Apresentação eCommerce Fly01
 
Manual Usuário Portal interbancos (CEF)
Manual Usuário Portal interbancos (CEF)Manual Usuário Portal interbancos (CEF)
Manual Usuário Portal interbancos (CEF)
 

Último

MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 30
 
apresentação............................
apresentação............................apresentação............................
apresentação............................Judite Silva
 
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...DL assessoria 28
 
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSCATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSJulioCesarrPro
 
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...Dl assessoria S3
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024Dl assessoria S3
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...DL assessoria 29
 
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024DL assessoria 31
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...dl assessoria9
 
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisE-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisSergio Augusto da Luz
 
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...DL assessoria 29
 
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...Raislane Santos
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...mariaclarinhaa2723
 
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...mariaclarinhaa2723
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024assedlsam
 
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdfMaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdfNilsonSouza49
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...DL assessoria 31
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...dl assessoria9
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024Dl assessoria S3
 

Último (20)

MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
apresentação............................
apresentação............................apresentação............................
apresentação............................
 
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
 
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOSCATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
CATALOGO OZONTECK ATUALIZADO 2024 CONHEÇA OS NOVOS PRODUTOS
 
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
 
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceisE-book Mercado Financeiro finanças fáceis
E-book Mercado Financeiro finanças fáceis
 
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
Todos já devem ter estudado e percebido a necessidade e a importância de se p...
 
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
 
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
 
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdfMaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
MaterialTreinamentoExecuoOramentriaDEOFI.pdf
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
 

Cadastrar fornecedor-fk01

  • 1. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 1/13 CADASTRAR FORNECEDOR Elaborado por: Aprovado por: Versão SAP: FCP FCP R/3 4.6C Visão Geral Evento gerador Descrição Genérica do Processo de Negócio Todos os dados do fornecedor são armazenados no registro mestre do fornecedor e controla como os dados transacionais serão lançados para um fornecedor. Os Dados mestres de fornecedores não são usados apenas pelo departamento financeiro mas também pelo departamento de compras / gerenciamento de materiais (MM). Quando você for estabelecer seus registros mestres, você possui a opção de criar as seções da contabilidade financeira (FI) e de gerenciamento de materiais (MM) separadamente, cada qual em sua própria área de aplicação, ou criando o mestre do fornecedor “centralmente”. Ao criar/salvar os registros mestres centralmente, isto permite acesso comum e permite a você entrar dados apenas uma vez e evita dados redundantes ou contraditórios. Se o endereço de um fornecedor for alterado, por exemplo, você precisa entrar com a alteração uma única vez, e ambos os departamentos de contabilidade financeira e de gerenciamento de materiais, terão acesso aos dados mais atuais do fornecedor. Um registro mestre de fornecedor inclui dados tais como: • Nome do fornecedor, endereço, linguagem de comunicação, e números de telefones • Números de Inscrições para Impostos (No Brasil, por exemplo pode-se ter no cadastro do fornecedor dados como CNPJ, CPF, Inscrição Estadual, Inscrição Municipal, etc.) • Dados bancários do fornecedor • Dados de controle da conta contábil, tal como a conta de reconciliação para o código do fornecedor • Meios de pagamentos deste fornecedor e condição de pagamento mais usual do contrato do fornecedor • Dados de Compras Este processo descreve a criação do registro mestre dentro da contabilidade financeira (FI). Entradas – Campos Obrigatórios Conteúdo do Campo / Comentários Empresa Grupo de contas Nome Conceito de pesquisa Rua Localidade País Idioma Conta contábil de reconciliação Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
  • 2. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 2/13 Dicas Procedimentos 1.1. Acessar a transação “Criar fornecedor (contab.financeira)”: Via Menus Contabilidade Contabilidade financeira Fornecedores Dados mestre Criar Via Código de Transação FK01 1.2.Na tela “Criar fornecedor: 1a. tela”, entrar as informações nos campos da forma especificada na tabela abaixo: Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários Fornecedor Se você designar que a O Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa. Identifica a qual grupo pertence: Fornecedor Nacional PJ Fornecedor Nacional PF Fornecedor Estrangeiro Etc...
  • 3. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 3/13 numeração da conta do fornecedor é externa, entre com o número do fornecedor. Se você designar que a numeração da conta do fornecedor é interna, o sistema é que fornecerá automaticamente a numeração do código do fornecedor quando você salvar o dado mestre. Empresa É o código identificador da empresa C Este campo não é obrigatório caso você decida usar um modelo de fornecedor/empresa no campo de baixo. Grupo de contas Ë uma classificação da característica do registro mestre do fornecedor, na qual determina se a numeração do código do fornecedor será interna ou externa e quais campos serão propostos na tela para preenchimento do cadastro C Este campo não é obrigatório caso você decida usar um modelo de fornecedor/empresa no campo de baixo. Modelo: Fornecedor O código do fornecedor que está sendo usado como modelo surge como uma alternativa para se criar um fornecedor O Dados específicos de fornecedores usados como modelos, tais como endereços não são trazidos. Os dados do fornecedor usado como modelo são usados como valores default, portanto é sugerido que todas as telas sejam revistas antes de salvar qualquer dado. Modelo: Empresa A empresa associada com o fornecedor usado como modelo C (Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional) Pressione o botão Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
  • 4. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 4/13 1.3.Na tela “Criar fornecedor: Endereço”, entrar as informações nos campos da forma especificada na tabela abaixo: Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários Nome Nome do fornecedor R Conc.pesquisa ½ Nome abreviado (apelido) que será usado para estabelecer uma futura pesquisa R Rua / n. porta Nome da rua e número R Cd. postal Código de Endereçamento Postal (CEP) O Localidade Nome do município R País Dois dígitos identificadores do código do país R Região Duas letras para indicar o Código abreviado do estado O Idioma Duas letras para indicar o código do idioma de comunicação do fornecedor R (Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional) Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
  • 5. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 5/13 Pressione o botão 1.4. Na tela “Criar fornecedor: Controle”, entrar as informações nos campos da forma especificada na tabela abaixo: Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa. No cadastro por FI será preenchido somente o campo de CNPJ ou CPF quando pessoa física.
  • 6. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 6/13 Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários Cliente Se o fornecedor também for cliente, use este campo para ligar os dois registros para exibição das partidas individuais conjuntamente e para processamento de transações O Grupo empresas Se o fornecedor pertence a um grupo, você pode entrar livremente com uma designação de chave de grupo de empresas aqui. Se você criar um código de pesquisa usando esta chave de grupo de empresas, serão possíveis avaliações de grupos de empresas O Ao usar “listas de trabalho” muitas análises e consultas a partidas individuais “on-line” podem ser utilizadas como relatórios No. Id Fiscal 1 Número de Identificação Fiscal 1 (No Brasil, corresponde ao CNPJ) O No. Id Fiscal 2 Número de Identificação Fiscal 2 (No Brasil, corresponde ao CPF para pessoas físicas) O Neste caso, deve-se selecionar também o campo “pessoa física” descrito abaixo Pessoa Física Código que indica se o fornecedor é pessoa física C Através deste código é possível diferenciar entre pessoa física e jurídica nos relatórios fiscais. Assim, no Brasil, se este código NÃO estiver definido o CNPJ será relevante no número de identificação fiscal 1, entretanto se este código estiver selecionado, o CPF é que será relevante no número de identificação fiscal 2. Imposto comp Imposto compensatório (usado na Espanha) O IVA Imposto sobre Valor Agregado (usado na Venezuela) O No. Id Fiscal 3 Número de Identificação Fiscal 3 (No Brasil, corresponde ao número da inscrição estadual) O No. Id Fiscal 4 Número de Identificação Fiscal 4 (No Brasil, corresponde ao número da inscrição Municipal) O Ctg. Industria Chave de identificação da categoria da indústria do fornecedor O Corresponde a categoria de indústria em que é ativa em um fornecedor. A definição de categoria de indústria pode ser efetuada através da empresa e é fator importante para todo o sistema de informações Setor Código do setor industrial O Um setor industrial é uma divisão de empreendimento segundo a atividade empresarial. O código do setor industrial é utilizado para a delimitação de análises e obtenção de relatórios de fornecedores separados por setor industrial. (Como setor industrial pode ser utilizado por exemplo: comércio, bancos, prestação de serviços, indústria, setor de saúde, serviço público, comunicação social, etc.). Atenção o código do setor industrial é utilizado de forma genérica tanto por fornecedores como por clientes (Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional) Pressione o botão Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
  • 7. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 7/13 1.5. Na tela “Criar fornecedor: Pagamentos”, entrar as informações nos campos da forma especificada na tabela abaixo para especificar os dados bancários do fornecedor: Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários País Código do País do banco do fornecedor O Chave do Banco Código identificador do Banco/Agência do fornecedor O No Brasil, utiliza-se o código composto pelas 3 primeiras posições para identificar o código do Banco no Banco Central + o dígito do Banco + o código da agência bancária (sem o dígito verificador). Assim, por exemplo, temos para o Banco Itaú (código 341-7), agência 2000, a chave do banco seria 34172000 Conta Bancária Número da conta bancária do fornecedor O No Brasil, utiliza-se neste campo o número da conta bancária (sem o dígito e sem os zeros a esquerda da conta, por exemplo se a conta é de número 000231, digita-se somente 231). No caso pode-se colocar aqui o dígito da conta corrente, desde que: 1)a segunda posição do campo CC não seja preenchida; 2) O dígito verificador da conta corrente do fornecedor deve obrigatoriamente neste campo Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa. Digito verificador da Chave de Banco. (47900016) Nº banco + Dígito + Cód.Agência 479 0 0016
  • 8. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 8/13 estar separada por um hífen “-“; 3) Para bancos que possuem mais de um dígito verificador de conta (por exemplo, Banespa, HSBC, etc.) deve-se utilizar após o hífen “-“ os dois dígitos verificadores da conta corrente Titular Cta Indicação Adicional do nome para pagamentos automáticos se o nome do titular da conta não é idêntico ao nome do fornecedor O CC Dígito verificador da Agência/Conta corrente do fornecedor O No Brasil, utiliza-se a primeira posição para o dígito da Agência do fornecedor. Caso a agência não tenha dígito, não preencher este campo. No caso a conta bancária tenha digito, preencher no campo “conta bancária” separada por um hífen “-“. TpBn Tipo de conta do parceiro O Chave indicada no item do documento para informar qual banco do fornecedor deve ser usado para pagamento. Isto se aplica caso o fornecedor possua mais de uma conta bancária Indicação de refer Indicações Adicionais para as coordenadas do banco do fornecedor O Ord. Cobrança Código que indica se existe ordem de cobrança bancária O Usado para clientes, não se aplica para fornecedores Nome da instituição financeira Nome do banco do fornecedor O Dds. Banc Dados bancários O Dados da instituição financeira do fornecedor (Nome do banco, endereço, região, nome da agência) Elim. Coord. Banc Eliminar coordenadas bancárias O Opção para se eliminar uma linha de dados bancários do fornecedor, deve-se primeiro marcar a linha a ser eliminada e em seguida clicar nesta opção para eliminação Recebedor difer. Pgto O recebedor do pagamento deste fornecedor não é o próprio fornecedor O Utiliza-se este campo para identificar o código do fornecedor que irá receber o pagamento por este fornecedor. Por exemplo, suponha que você possua 1 fornecedor, com 4 cadastros diferentes (uma matriz e 3 filiais), porém suponha que você queira pagar todos os títulos do fornecedor apenas para a matriz do fornecedor. Neste caso no cadastro de cada filial do fornecedor você deve indicar neste campo o código do fornecedor matriz. Chave notific ISD Não utilizado no Brasil O Chave instruções Não utilizado no Brasil O Nr. NDR/PBC Não utilizado no Brasil O Dados indiv. Recebedor de pagamento é diferente do fornecedor documento a documento O Utiliza-se este campo para permitir no documento a identificação do código do fornecedor que irá receber o pagamento para este fornecedor. Por exemplo, suponha que você possua 1 fornecedor, com 4 cadastros diferentes (uma matriz e 3 filiais), porém suponha que você queira ao pagar os títulos Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
  • 9. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 9/13 do fornecedor que seja possível identificar título a título o código do fornecedor matriz. Neste caso no cadastro de cada filial do fornecedor você deve selecionar este campo. Receb. Pagto admitid. (dados por referência) Recebedor de pagamento é diferente do fornecedor documento a documento (restringindo os códigos dos fornecedores permitidos para ser usados) O Utiliza-se este campo para permitir no documento a identificação do código do fornecedor que irá receber o pagamento para este fornecedor restringindo o número de opções que o usuário possa usar. Por exemplo, suponha que você possua 1 fornecedor, com 4 cadastros diferentes (uma matriz e 3 filiais), porém suponha que você queira ao pagar os títulos do fornecedor que seja possível identificar título a título o código de determinados fornecedores (limitando as opções do usuário). Neste caso no cadastro de cada filial do fornecedor você deve selecionar este campo e preencher os códigos dos fornecedores que você queira permitir receber o pagamento em nome do fornecedor . (Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional) Pressione o botão Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
  • 10. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 10/13 1.6.Na tela “Criar fornecedor: Administração Conta Contabilidade”, entrar as informações nos campos da forma especificada na tabela abaixo: Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários Cta.concil Conta contábil na qual será atualizada paralelamente a conta do razão auxiliar (sub-ledger) para lançamentos normais R Esta conta determina a contabilização Chave de Ordenação Este campo determina como o campo de distribuição será preenchido durante a entrada de documento. Quando exibido as partidas individuais, as partidas individuais são ordenadas inicialmente por este campo de distribuição O Preencher sempre 002 Código IRF Código do imposto de renda de acordo com o país e é usado para relatórios às autoridades fiscais O País IRF Código do país do imposto de renda O Grupo prev. tesour. Grupo de previsão de tesouraria O Este campo permite associar o fornecedor a um grupo de previsão de tesouraria, importante para a obtenção do fluxo de caixa na tesouraria N. antigo conta Número antigo de conta O Se você quiser, você pode armazenar o antigo código do fornecedor (do antigo sistema) neste campo. Serve apenas como histórico para referenciar o antigo código do fornecedor (Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional) Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa. Conta Contábil que irá receber os lançamentos.
  • 11. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 11/13 Pressione o botão 1.7. Na tela “Criar fornecedor: Pagamentos Contabilidade”, entrar as informações nos campos da forma especificada na tabela abaixo: Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários Cond. Pgto Chave para definir a Condição de Pagamento, composto de porcentagens de desconto de pagamentos à vista e períodos de pagamento O Verif. FaturDupl Indicador que significa que são verificadas as duplicidades na entrada de faturas e notas de créditos no momento de sua entrada O Form. Pgto Diferentes meios de pagamento através do qual pode ser pago o fornecedor usando o programa de pagamentos O Receb. Dif. Pgto Código do fornecedor alternativo O Este indicador somente será exibido caso seja feito o pagamento a um fornecedor distinto. Bloqueio pgto Chave de bloqueio usada para O Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.
  • 12. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 12/13 sugerir que as partidas em aberto do fornecedor fiquem bloqueadas para pagamento no programa de pagamento Compens. C/clien Indicador que significa que as partidas em aberto do fornecedor deverão ser processados em conjunto com as partidas em aberto do cliente O Este indicador somente será exibido caso seja colocado na tela de “Controle” o código do cliente no campo “cliente”, Assim sendo, indicando que este fornecedor também é cliente este campo aparecerá. Aviso via EDI Este indicador é usado para identificar que o fornecedor deverá receber todos os avisos de pagamento via EDI (desde que haja tal comunicação com o fornecedor) O (Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional) Pressione o botão 1.7.1 Na tela “Criar fornecedor: IRF Contabilidade”, entrar as informações nos campos da forma especificada na tabela abaixo: Campo Descrição R/O/C Ações do usuário / conteúdo Comentários País Este campo será usado para o R Informar o código do país Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa. Esta tela só terá obrigatoriedade de preenchimento, caso o Fornecedor tenha retenção de IRF, ISS ou INSS.
  • 13. ESAB FI 001 REV. 29/05/01 - 00 Página 13/13 código do país Ctg. IRF Este campo será usado para informar a categoria do IRF. “Pessoa física ou jurídica”. R Entrar com o código de acordo com o fornecedor Código IRF Este campo se refere à alíquota do fornecedor R Informar o código referente à alíquota. Observar o código da retenção, pois se refere a sua prestação de serviço. Sujeito Validar se o fornecedor está sujeito a retenção ou não. R marcar o campo (Nota: Na tabela acima, na coluna “R/O/C”; “R” =Obrigatório, “O” = Opcional, “C” = Condicional) 1.8. Salve as alterações pressionando o botão O sistema irá exibir uma mensagem indicando que o código do fornecedor foi criado na empresa. Este documento é controlado e de propriedade da ESAB SA Indústria e Comércio, e não pode ser reproduzido integral ou parcialmente por quaisquer meios sem a prévia autorização da empresa.