COMPUTADORES EM
COMPORTAMENTO HUMANO
Colocando a Teoria Cognitiva de Mediação em Redes
à prova: avaliação de uma estrutura...
Introdução
• Revolução Digital: um conjunto de avanços na
tecnologia digital, telecomunicações e software, com
profundas i...
O que é a TMC?
• É uma teoria contextualista, construtivista, que
aborda o processamento da informação da
inteligência hum...
Objetivos da TMC
• fornecer uma síntese teórica coerente de
teorias psicológicas e estruturas que são
geralmente vistas co...
Ponto de partida...
• o aparecimento de uma hipercultura que é
claramente distinguível do que tradicionalmente tem
sido ch...
Princípios Básicos
• A espécie humana tem como maior vantagem evolutiva a
capacidade de gerar, armazenar, recuperar, manip...
Combinando estes princípios...
• Imagem de cognição humana: os indivíduos se
desenvolvem e usam o conhecimento por meio do...
Cognição Extra Cerebral: Mediação
• Objeto: O item físico, conceito abstrato, problema, situação, e/ou
relação a respeito ...
Aspecto fundamental da TMC
MECANISMOS INTERNOS
• Tornam possíveis a utilização de estruturas externas, como
auxiliares de ...
Papel das TIC na TMC
• Uma forma nova e melhorada da mediação
cognitiva.
Na revolução digital, estamos testemunhando o
sur...
Impactos da interação com as TIC
• Domínio da utilização das TIC;
• Uso de analogias e metáforas ligadas às TIC;
• Pensame...
Evidências da existência da TMC
• Existência de Hipercultura;
• Mudanças no padrão de desenvolvimento cognitivo;
• Desempe...
A existência da hipercultura
• Quatro conjuntos de dados bastante grandes que
abrangem uma mistura de variáveis culturais
...
Mudanças no padrão de
desenvolvimento cognitivo
• teste de QI em 3700 estudantes de 11 a 19
anos em 1997, para analisar os...
Desempenho cognitivo
• Pesquisa estratificada por sexo, idade, renda e tipo de
escola: ter um computador em casa foi assoc...
Outros aspectos do funcionamento
cognitivo
• Imersão na hipercultura está positivamente associada ao uso de
metáforas com ...
A TMC e o efeito Flynn
O Efeito Flynn é o aumento bastante grande nos escores brutos
dos testes de QI ao longo de várias d...
Objetivos do estudo
Testar as expectativas fundamentais decorrentes da TMC
sobre os impactos do surgimento da hipercultura...
O Método
• Amostra: 1291 indivíduos de ambos os sexos, com idades
variadas, nível de educação, a partir de 46 municípios d...
O Método
Desempenho cognitivo
• Os cinco itens do teste de QI e os 10 itens do teste de
conhecimento foram combinados para...
O Método
Índice de Sociabilidade
• As três variáveis ​​do formulário de pesquisa abordam
capacidades sociais (habilidades ...
O Método
• Índice de hardware: O uso de computadores desktop ou portáteis, em casa, no
trabalho ou em outro lugar, seja so...
Resultados
• Houve uma correlação estatisticamente significativa
entre o Índice Hipercultural e o escore de desempenho
cog...
Resultados
• O índice Hipercultural continuamente cai com o
aumento da idade em que a interação com os
computadores começo...
Conclusões
• De um ponto de vista teórico, a TMC está em total acordo
com a explicação do efeito Flynn, isto é, o “estímul...
Conclusões
• A TMC é uma síntese dos princípios básicos de três
grandes teorias em psicologia cognitiva (Epistemologia
Gen...
Conclusões
• Ao observar uma amostra bastante grande e variada de
adultos e adolescentes brasileiros, os resultados
obtido...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Computadores em comportamento humano

549 visualizações

Publicada em

apresentação de artigo que aborda a teoria da mediação cognitiva.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Computadores em comportamento humano

  1. 1. COMPUTADORES EM COMPORTAMENTO HUMANO Colocando a Teoria Cognitiva de Mediação em Redes à prova: avaliação de uma estrutura para atender a era digital SOUZA, B. C., et al. Putting the Cognitive Mediation Networks Theory to the test: Evaluation of a framework for understanding the digital age. Computers in Human Behavior (2012), in press. Access: http://dx.doi.org/10.1016/j.chb.2012.07.002
  2. 2. Introdução • Revolução Digital: um conjunto de avanços na tecnologia digital, telecomunicações e software, com profundas implicações econômicas, sociais e culturais. • Impactos psicológicos da revolução digital: há muito pouco em termos de teorias gerais capazes de explicar adequadamente a dinâmica e os mecanismos subjacentes a tais fenômenos. • Visões diferenciadas: Levy (desenvolvimento de uma inteligência coletiva on-line); Carr (efeitos prejudiciais sobre a cognição, diminuindo a capacidade de concentração e de contemplação), etc.
  3. 3. O que é a TMC? • É uma teoria contextualista, construtivista, que aborda o processamento da informação da inteligência humana. • Visa proporcionar uma abordagem ampla para a cognição, a partir de conceitos e pesquisas de diversos autores e escolas de pensamento, como Piaget, Vergnaud, Vygotsky, Chalmers e Sternberg, assim como Darwin e a Teoria da Evolução.
  4. 4. Objetivos da TMC • fornecer uma síntese teórica coerente de teorias psicológicas e estruturas que são geralmente vistas como separadas, ou mesmo em conflito umas com as outras, de modo a produzir um modelo unificado. • Aplicação: compreensão das mudanças individuais e coletivas (socioculturais e psicológicas) associadas à Revolução Digital.
  5. 5. Ponto de partida... • o aparecimento de uma hipercultura que é claramente distinguível do que tradicionalmente tem sido chamado de cultura; • a ocorrência de novas formas de pensar a ela associada; • a sua associação a ganhos mensuráveis ​​no desempenho cognitivo, todos independentes do sexo, renda e nível de educação, têm sido observados.
  6. 6. Princípios Básicos • A espécie humana tem como maior vantagem evolutiva a capacidade de gerar, armazenar, recuperar, manipular e aplicar o conhecimento de várias maneiras; • Cognição humana é efetivamente o resultado de algum tipo de processamento de informação; • Sozinho, o cérebro humano constitui-se num finito e, em última instância, insatisfatório ao recurso de processamento de informação; • Praticamente qualquer sistema físico organizado é capaz de executar operações lógicas em algum grau; • Seres humanos complementam o processamento da informação cerebral por interação com os sistemas físicos externos organizados .
  7. 7. Combinando estes princípios... • Imagem de cognição humana: os indivíduos se desenvolvem e usam o conhecimento por meio do processamento de informações feito por seus cérebros e, sendo a capacidade de processamento de informações limitada e insatisfatória, estes também se envolvem na atividade cognitiva através da interação com as estruturas no ambiente, que fornecem uma capacidade adicional de processamento de informação.
  8. 8. Cognição Extra Cerebral: Mediação • Objeto: O item físico, conceito abstrato, problema, situação, e/ou relação a respeito da qual o indivíduo está tentando construir conhecimento; • Processamento interno: A atividade cerebral fisiológica (sináptica, neural e endócrino) que executa as operações lógicas básicas individuais; • Mecanismos internos: estrutura mental que gerencia algoritmos, códigos e dados que permitem a conexão, a interação e a integração entre o processamento interno do cérebro e o processamento extra cerebral feito pelas estruturas no ambiente, trabalhando tanto como um “driver de hardware” quanto um “protocolo de rede”; • Mecanismos externos: Podem ser de vários tipos e capacidades, que vão desde simples objetos físicos (dedos, pedras), a individuais e em grupo, com atividades sociais complexas, sistemas simbólicos e ferramentas/artefatos.
  9. 9. Aspecto fundamental da TMC MECANISMOS INTERNOS • Tornam possíveis a utilização de estruturas externas, como auxiliares de dispositivos de processamento de informações (drivers); • Trabalham como “máquinas virtuais” internas, que fornecem novas funcionalidades cognitivas, acrescentando benefícios que duram para além do tempo da “conexão” a um mecanismo externo; • Têm um papel importante na definição da forma como o pensamento ocorre. Seres humanos: representação mental do sistema físico (teoremas-em-ação = funcionamento dinâmico)
  10. 10. Papel das TIC na TMC • Uma forma nova e melhorada da mediação cognitiva. Na revolução digital, estamos testemunhando o surgimento de uma “hipercultura”, na qual os mecanismos externos de mediação incluem a própria tecnologia e seus impactos na cultura, enquanto os mecanismos internos incluem as competências necessárias para a utilização eficaz dos mecanismos externos.
  11. 11. Impactos da interação com as TIC • Domínio da utilização das TIC; • Uso de analogias e metáforas ligadas às TIC; • Pensamento Matemático-científico; • Pensamento Transcontextual; • Pensamento visuo-espacial; • Ênfase na aquisição de habilidades para busca de informação e conhecimento; • Técnicas para lidar com grandes conjuntos de conhecimentos e informações; • Uso intenso de redes sociais e computação social.
  12. 12. Evidências da existência da TMC • Existência de Hipercultura; • Mudanças no padrão de desenvolvimento cognitivo; • Desempenho cognitivo; • Outros aspectos do funcionamento cognitivo; • A TMC e o efeito Flynn;
  13. 13. A existência da hipercultura • Quatro conjuntos de dados bastante grandes que abrangem uma mistura de variáveis culturais relacionadas com TIC, ​​coletadas de crianças e adultos, entre 1997 e 2003; • Os resultados para os quatro conjuntos de dados mostrou uma faceta claramente definida relacionada com TIC que se diferencia do restante das variáveis ​​socioculturais. • Isto é consistente dada a existência de uma hipercultura que está emergindo da Revolução Digital.
  14. 14. Mudanças no padrão de desenvolvimento cognitivo • teste de QI em 3700 estudantes de 11 a 19 anos em 1997, para analisar os escores brutos relacionados com a idade do aluno (para aqueles que tiveram contato com as tecnologias digitais tecnologias e aqueles que não tiveram); • dois padrões diferentes para os grupos analisados.
  15. 15. Desempenho cognitivo • Pesquisa estratificada por sexo, idade, renda e tipo de escola: ter um computador em casa foi associado a um desempenho de 10-20% maior no ENEM em 2000 (amostra com 352.487 alunos); • Pesquisa estratificada com 465 médicos em 2001: uso de TIC gerou avaliação positiva do conhecimento dos métodos de investigação; • 1.219 adultos de classe média alta em 2003: uso de TIC positivamente associada à auto-avaliações de inteligência, conhecimento, criatividade geral;
  16. 16. Outros aspectos do funcionamento cognitivo • Imersão na hipercultura está positivamente associada ao uso de metáforas com as TIC na linguagem cotidiana. • Imersão na hipercultura está positivamente associada a uma preferência por representações visuais/mentais. • Indivíduos mais jovens tendem a ser significativamente mais hiperculturais que os mais velhos (40 anos ou mais em 1990). • Os indivíduos mais jovens são mais propensos a representações visuais/mentais e metáforas com as TIC do que os mais velhos. • A intensidade de uso de softwares gráficos, textuais, ou de matemática está positivamente associada à auto- avaliações, respectivamente, à capacidade visual, verbal e numérica. • Imersão na hipercultura está positivamente associada a auto- avaliações de habilidade social, bem como para a frequência de interações sociais e lazer noturno.
  17. 17. A TMC e o efeito Flynn O Efeito Flynn é o aumento bastante grande nos escores brutos dos testes de QI ao longo de várias décadas ou mesmo um século inteiro em vários países do mundo. A TMC coexiste com as observações do efeito Flynn, pois: • Prevê um aumento global robusto da capacidade cognitiva, incluindo o que influencia o desempenho em testes de QI (resultados acadêmicos, exames de conhecimentos científicos, publicação de artigos científicos, auto-avaliações da capacidade mental, índices de sociabilidade, e muito mais); • Depende basicamente do uso disseminado da tecnologia e suas implicações socioculturais (hipercultura) como a principal explicação para as melhorias cognitivas; • Conta para um “efeito teto” como a hipercultura dissemina, ao ponto de saturação em vários países.
  18. 18. Objetivos do estudo Testar as expectativas fundamentais decorrentes da TMC sobre os impactos do surgimento da hipercultura nos modos de pensar e agir do indivíduo. • É possível medir consistentemente o grau em que um indivíduo internalizou formas hiperculturais de mediação em seus modos de pensar e agir? • No nível individual, a hipercultura será positivamente associada ao nível de seu desempenho cognitivo e grau de sociabilidade, independentemente do sexo, idade, escolaridade ou renda? • Hipercultura desenvolve-se gradualmente, como uma função da duração da experiência hipercultural, sendo mais intensa quanto menor a idade na qual tais experiências começam a ocorrer?
  19. 19. O Método • Amostra: 1291 indivíduos de ambos os sexos, com idades variadas, nível de educação, a partir de 46 municípios do Estado de Pernambuco, Brasil; • Instrumentos: questionário com questões relativas às características sócio demográficas, teste de conhecimentos multidisciplinar, teste de QI;
  20. 20. O Método Desempenho cognitivo • Os cinco itens do teste de QI e os 10 itens do teste de conhecimento foram combinados para formar um escore único de 15 itens do desempenho cognitivo.
  21. 21. O Método Índice de Sociabilidade • As três variáveis ​​do formulário de pesquisa abordam capacidades sociais (habilidades de liderança, capacidade de fazer amigos, capacidade de influenciar os outros), todos medidos em uma escala de Likert de 0-4.
  22. 22. O Método • Índice de hardware: O uso de computadores desktop ou portáteis, em casa, no trabalho ou em outro lugar, seja sozinho ou compartilhado com outros, como uma soma de um total de seis perguntas em uma escala de Likert de 0-2; • Índice de Acesso: o acesso à Internet em casa, no trabalho ou em outro lugar, ou por meio de um telefone celular, como uma soma de 08 variáveis; • Índice de Smartphone: o uso de smartphones em casa, no trabalho ou em outro lugar, seja sozinho ou compartilhado com outros, em uma escala de Likert 0-2; • Índice de Software: O uso de editores de texto, planilhas, editores de apresentação, desenho/imagem programas, sistemas corporativos, jogos simples, jogos complexos, e outros tipos de software, como uma soma de oito variáveis ​​dicotômicas; • Índice de Internet: Engajamento no uso de tecnologias de Internet, especialmente de e-mail, ferramentas de busca, edição de web, blogs, chat online, jogos online, redes sociais, e downloads, como uma soma de 12 variáveis ​​dicotômicas; • Índice de analogias: Frequência com que um indivíduo detecta semelhanças lógicas entre TIC e sistemas da vida real de outra natureza, bem como o uso de metáforas com as TIC na conversação diária, como uma soma de duas variáveis ​​medidas em uma escala de Likert de 1-5. ÍndiceHipercultural
  23. 23. Resultados • Houve uma correlação estatisticamente significativa entre o Índice Hipercultural e o escore de desempenho cognitivo; • A relação entre o Índice Hipercultural e desempenho cognitivo, bem como entre o Índice Hipercultural e o Índice de sociabilidade, pode ser considerado como independente do sexo, idade, renda e educação; • Há picos de indexação Hipercultural em cerca de 7-10 anos de experiência com computadores;
  24. 24. Resultados • O índice Hipercultural continuamente cai com o aumento da idade em que a interação com os computadores começou; • Os resultados indicam que as correlações entre o Índice Hipercultural e desempenho cognitivo, assim como aquelas entre o Índice Hipercultural e o Índice sociabilidade, tendem a aumentar de acordo com a quantidade de experiência com TIC.
  25. 25. Conclusões • De um ponto de vista teórico, a TMC está em total acordo com a explicação do efeito Flynn, isto é, o “estímulo ambiental” produzido pelo aumento da utilização de tecnologia mais sofisticada, demandando um trabalho intelectualmente mais exigente, e uma cultura geral que favorece o uso de conceitos abstratos. • A TMC também explica o papel fundamental de interatividade em espaços de conhecimento e “cosmopedias” que é apontado por Lévy; • A TMC também explica os impactos da contínua tecnologia mediada entre indivíduos e cultura proposto por Van Dijck;
  26. 26. Conclusões • A TMC é uma síntese dos princípios básicos de três grandes teorias em psicologia cognitiva (Epistemologia Genética de Piaget, Teoria dos Campos Conceituais de Vergnaud, e Construtivismo Social de Vygotsky) integrados em um modelo coerente; • Quando aplicado ao entendimento dos impactos da Revolução Digital, esta teoria produz explicações e expectativas que são semelhantes a algumas das teorizações mais importantes sobre o assunto.
  27. 27. Conclusões • Ao observar uma amostra bastante grande e variada de adultos e adolescentes brasileiros, os resultados obtidos, podem ser interpretados como um apoio razoavelmente forte para as conclusões; • Em conjunto com os resultados de investigações anteriores sobre a TMC, este constitui um conjunto bastante robusto de provas em favor da teoria. • A TMC surge neste trabalho como um quadro que parece teoricamente sólido e de acordo com as observações, constituindo um modelo válido de cognição humana, pelo menos quando aplicado aos impactos da Revolução Digital.

×