A+redação+ +o+game

247 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
247
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A+redação+ +o+game

  1. 1. 1
  2. 2. 2 Apoio: Patrocínio: Realização:
  3. 3. 3 A Redação - o game Jaimendonsa
  4. 4. 4 A REDAÇÃO - O GAME Jaimendonsa Para Lucas, seu amigo, Juninho, e o feroz cão Ransk - Lucas, desliga este vídeo game e vai fazer a redação! - Peraí, mãe! Tou terminando. Saco! Toda hora que estou detonando um chefão de fase, ela manda desligar o vídeo-game. Na tela, eu cavalgava por um labirinto cheio de ca- veiras e mortos, muitos já sem cabeça e braços, Gritos de socorro e agonizantes. Afinal, havia muito por fazer ainda. O sangue escorria para dentro do rio azul, tingindo- o de vermelho vivo. Raios e bolas de fogo passavam zunindo sobre minha cabeça. A Morte me seguia. Eu tinha pouca energia e meu cavalo já sangrava muito. Não ia agüentar por mui- to tempo. Precisava sair dali. Ao longe a Morte, toda de negro, montada em um dragão de sete ca- beças, que vomitava fogo por todos os lados; caval- gava em minha direção.
  5. 5. 5 - Vou te matar, Morte! Será que tem jeito de matar a Morte? Deixa pra là. De repente, tudo ficou negro, o som se foi e as ima- gens desapareceram. na tela da TV. A chata da minha mãe puxou a tomada. Um verdadeiro absurdo. - Qualé, mãe?! - Vai fazer a redação! - Poxa, mãe, logo agora que ia passar de fase! - Sem conversa! Vai fazer a redação. Só volta a jogar depois que terminar a tarefa da escola. Fiquei na minha, deitado vendo ela recolher os cabos e os controles do vídeo-game. Me controlava pra não xingar. Se respondesse, o castigo estenderia por vári- os dias sem vídeo-game. A vida sem um game é uma tortura. Saiu e fechou a porta, desaparecendo dos meus olhos. Os vestígios dos meus inimigos tinham também de- saparecido na tela da TV. Mas eu ainda podia sentir todos eles ali, dentro do vídeo da TV, me olhando, me chamando para um pega. - Só depois que terminar a tarefa da escola - a frase retumbava no meu cérebro. Se mãe tá pensando que vou fazer esta maldita
  6. 6. 6 redação, tá muito enganada comigo. Escrever é uma coisa bem chata. Ler não é chato como escrever, dá menos trabalho, até dá gosto. Jogar video- game, é bem melhor, Talvez seja a melhor coisa do mundo. Tem gente que tem outra opinião. Meu amigo Téo disse que namorar é a melhor coisa do mundo. Como diz meu avô, atrás dos seus óculos de casco de tartaruga: - Cada um com o seu igual. E eu fiquei sem o meu vídeo-game. Hoje pelo jeito não vai dar mais pra jogar. Meus inimigos terão que me esperar. Logo agora que eu estava zerando o game. Sair do quarto não vai dar também. Mãe deve tá me vigiando. Se não tivesse, eu poderia ir pra casa do Juninho e a gente ia pegar no jogo pra valer, até de- toná-lo. Vou ter que ficar aqui boiando por algum tempo, com toda a calma possível. Como a mãe da gente é má, não é capaz de compreender as nossas necessidades. Quando eu tiver um filha, vou comprar pra ele um montão de jogos e deixar o garoto divertir pra valer: - Toma, filho, jogue à vontade. Na minha casa não vai ter esse regime militar que tem aqui não. De jeito nenhum! Que saco! Não vou agüentar ficar por muito tempo
  7. 7. 7 sem fazer nada. Se eu não fizer essa droga de redação, mãe não vai largar do meu pé. Não é fácil escrever. Dona Guilhermina tem que parar com essa mania de mandar fazer redação todo o santo dia. Sempre diz: - Escrever e coçar é só começar. E, além do mais, só se aprende fazendo. Pra ela pode ser, sabe tudo de português, corno e dorme no meio de livros, pra gente é um martírio. E toma redação no nosso lombo! Dona Guilhermina tá querendo que todo mundo vira escritor. Profissão meio sem graça. Ficar escrevendo as aventuras que não se pode viver. Eu não dou pra isso! Gosto de viver, sentir tudo. Nem sei como um sujeito prefere ser escritor em vez de ser jogador de futebol. Esporte dá muito mais grana. Cantor também dá. Chove de mulher em cima do cara. A turma namoradeira ia gostar. Eu não, tou fora! Compraria um montão de games pra mim. Segundo Dona Guilhermina, para escrever tem que ter em mente três regras: 1- Ordenar as idéias. 2- Expor bem claro as idéias, ser compreendido sem dificuldade. 3- Escrever sempre sobre um assunto que se co- nhece bem; procurando passar a sua própria ex- periência.
  8. 8. 8 Há mil maneiras de fazer uma mesma redação. O re- sultado depende de quem faz. Cada modo de escrever é um jeito particular, pessoal, bem individual, poden- do ser chamado de Estilo. Li uma vez, não sei onde, quem determina o Estilo de um escritor é a natureza, o seu jeito de ser, pensar e agir. Agora, quem corrige o Estilo, tornando-o compre- ensível a todo mundo é a observação, o estudo da língua, e a leitura dos bons autores. Tudo isso ajuda o cara na hora de escrever qualquer texto. Acho que me lembro da matéria de redação. Tem três maneiras de escrever uma Redação: Descrição, Narração, Dissertação. Descrição - ocorre quando você descreve todos os detalhes do cenário paisagens e objetos em cena, até mesmo os seres irracionais, como meu cão Ransk. Este é nosso quarto. Tem uma janela, que dá para um estreito corredor. As duas camas, sendo uma minha, e a outra de minha irmã, dividem o quarto ao meio. Temos uma TV, um video-game, um videocassete, um escrivaninha, um aquário, cheios de peixes, e um guar- da-roupas, com minhas roupas e as bugigangas de minha irmã. Narração - onde você narra o acontecimentos e os fatos. UM detalhe que se deve levar em conta: sem- pre tem personagem em cena. Um texto Narrativo ficaria mais ou menos assim:
  9. 9. 9 Este é nosso quarto. Tinha que ser só meu. Mas Lívia não concorda. Sempre grita pra mim: - Eu nasci primeiro, tenho mais direito. Pós essas tolices na cabeçona loira e ninguém tira mais. O quarto tem ainda uma janela, que dá para área de serviço, um corredorzinho estreito que nem dá pra, bater uma bola. As duas camas, uma minha, e a outra de minha irmã, dividem o quarto ao meio: o meu território e o território de Lívia. Às vezes nin- guém respeita o território do outro. Durante algum tempo, brigamos pela posição das ca- mas. Meu pai entrou no meio e eu venci. Minha cama agora fica onde eu queria, perto da jane- la. Se bem que não foi uma grande vitória: a vista é pobre. Vejo parte do telhado do alpendre e o céu, quando minha mãe tão estende as roupas nos varais do corredorzinho pra secar. Meu pai disse que eu tive uma vitória inglória, uma vitória de Pirro. Levei algum tempo para sacar quem era esse infeliz Pirro. Pai me explicou que Pirro viveu há quase trezentos anos antes de Cristo. Comandou uma batalha, e sofreu tantas baixas, que o restante do seu exército ficou em petição de miséria, tão na pior que Pirro nem soube se sofrera uma derro- ta ou obtivera uma vitória. Chegou mesmo a dizer aos seus esmolambados soldados:
  10. 10. 10 - Outra vitória desta, e estamos perdidos. De qualquer maneira, não perdi muito, acho que levei a melhor por ser o caçula Lívia não concorda; tem sempre a mesma resposta na ponta da língua: - Venceu porque papai lá sempre do seu lado. - E mamãe do seu. Temos no nosso quarto ainda, uma TV, um video-game, um videocassete, uma escrivaninha, um aquário cheio de peixes, e um guarda-roupas, com minhas roupas e as bugigangas de minha irmã. Sempre disputamos a posse da TV, do viadeocassete, da escrivaninha e mais espaço no guarda-roupas. Mas não discutimos pela o video-game e do aquário. Lívia não acha graça nesses troços de menino. - Tenho coisas mais importante para fazer. Dissertação - ocorre quando se expõe e defende uma idéia, sem ser descritivo, nem narrativo, apenas se defende uma idéia, ou tese. Escreve mais ou menos assim: Por direito, este quarto deveria ser apenas meu do que de nós dois - meu e de minha irmã. Meus pais não concordam. Para eles temos que viver em harmonia e sabermos compartilhar as coisas com os outros. As pessoas de uma casa não podem brigar entre si, ape- nas defender pontos de vista e tentar chegar a um
  11. 11. 11 acordo satisfatório sobre o assunto em questão, Uma casa não pode se manter dividida contra si mesma. Talvez eu tenha mais direito quando mudarmos para uma casa com mais cômodos, e eu ganhar um quarto só para mim. Mas, até lá, terei que compartilhar o espaço físico com minha irmã. De todas as maneiras para escrever um texto, a que mais me agrada é a Narração. Acho que podemos ex- plorar mais a nossa imaginação. Eu bem que podia copiar essa redação de algum lugar, assim minha mãe acabaria liberando os controles e os cabos do video-game. Ah, é o que vou fazer! Vou descolar essa história dos livros da Lívia. Se ela não me dedurar, vai ser fácil. Cadê os livros dela? Ah, no armário. Se ela entrar aqui, vai xingar. É uma chata que eu tenho que aturar todo dia. Vamos abrir o armário dela: Tãm! Tãm! Tãm! Se o Dragão Amarelo entrar agora, estou frito. Na primeira gaveta: nada! Na segunda: só bagulho dela. Que isto? Eco! As cartas dela. Até as cartas dela cheiram a perfume. Que livrão é este? Dicionário do Folclore Brasileiro, Câmara Cascudo. Tinha que ser Câmara Cascuda, não? O adjetivo não tá concordando com o substantivo. Poderia soar melhor. Ah, deixa pra lá! Vamos abrir o bichão. Como um cara consegue escre-
  12. 12. 12 ve um livrão deste? Tem que ter muita paciência. Vou abrir em qualquer letra. Vamos lá: Letra C Cadáver Corpo, defunto. O homem morreu. A alma saiu sob a forma de ave, escondida no último suspiro. Ou a alma conserva a conformação humana, mas em substância transparente, impalpável, como uma fumaça branca. Nem todos têm o direito de locar o cadáver. Legal. Parece até mensagem de filme policial. Cadê o caderno pra mim anotar? Aqui tá ele. Têm duas pala- vras meio complicadas, Conformação e impalpável. Vamos ao Dicionário: Conformação- A forma exterior de um corpo; aspec- to figura, feitio. Impalpável - Que não pode pegar, apalpar; imaterial. Estou gostando. Sabia que isto, dá um roteiro para um tremendo game? Tomando nota: O corpo, um defunto, O cadáver de um sábio. O ho- mem sábio morreu. Foi morto para que sua alma fosse aprisionada pelo Senhor da Guerra. Mas a alma do sábio saiu sob a forma de ave, escondida no último
  13. 13. 13 suspiro. Ninguém viu, ou melhor apenas os iniciados -, os dois garotos que estavam escondido no meio da multidão: eu e meu amigo Juninho. Ah, estava me esquecendo, meu corajoso cão pastor alemão, Ransk, estava junto de nós. Às vezes, as almas dos mortos conservam o aspecto humano, em substância transparente, imaterial, e fi- cavam perambulado pelas ruelas em busca de ajuda ou vingança. Não podiam ser vista nem tocadas a não ser pelos iniciados. Nem todos tinham o direito de tocar o ca- dáver e ver a alma dos mortos. Poxa! não é que está ficando legal a redação? Tenho que eliminar as repetições. Cadáver e defunto é a mesma coisa. Risco defunto. O vocábulo Cadáver soa melhor, é mais sinistro. Vai dar mais clima de terror à redação. Não sei porque, mas me faz lembrar de chei- ro; não soa legal, nem mete medo. Ca-dá-ver, uma palavra forte, essa mexe com a imaginação da gente. Continuando: Vi quando os quatro anões do Senhor da Guerra arras- taram o corpo do Velho Sábio pela Floresta das Árvo- res Mortas. Saí atrás deles, tomando o estreito cami- nho da encosta, coberto de plantas podres e pedras lodosas. Não deixei que eles me vissem. Os morcegos estavam a fim de morder os nossos cor- pos. Eu, Juninho e Ransk estávamos correndo a mais
  14. 14. 14 de uma hora. Como eu, Juninho e meu cão Ransk es- távamos ficando exaustos. Epa! Essa frase não ficou legal, posso simplificar: Estávamos correndo a mais de uma hora, já estáva- mos exaustos. E, ficou bom desta maneira. Uso a fim de ou afim de? Cadê o Manual de Redação da Lívia. Ah, lá aqui. Vamos tirar a dúvida. A fim de - Tem o mesmo sentido de para. Minha irmã saiu a rim de ir ao clube nadar. Afim de - tem sentido de parentesco, afinidade, de- sejos; algo como: Posso dizer: - Sou afim de zerar um game de RPG. Vamos deixar de conversa fiada e voltar ao texto: Qualquer menino sensato, pensaria duas vezes antes de tomar o caminho da Floresta, ainda mais naquela hora da noite. Se não me engano, já tinha passado das onze horas, Ou melhor, das vinte e três horas. Compreendo, somente agora, a nossa imprudência em penetrar na Floresta sem nenhuma arma para nos pro- teger. Mal a lua surgiu no alto do Morro da Caveira, iluminan-
  15. 15. 15 do o pântano, os vampiros começaram a sair das ve- lhas sepulturas para nos vampirizar. Nos vimos com- pletamente embrulhados no meio daquelas horripi- lantes criaturas da noite. Será que existe o verbo vampirizar ? Se não existe, acabei de inventar. Qual é a forma para formar verbos derivados de substantivos? Vamos embarcar no Ma- nual de Redação da Lívia. Aqui está a solução do meu problema: Substantivo - Sufixo - Verbo Fiscal izar - fiscalizar Colono izar - colonizar vampiro izar - vampirizar Engraçado, noto que toda a desinência verbal, termi- nada izar, encerra um sentido de lentidão, de coisa demorada: martirizar, agonizar, canonizar, vampirizar, etc. Está ficando supimpa a minha redação. De volta ao texto: O caminho havia se tomado perigoso. Notei os vestí- gios de pegadas na lama úmida. Dou um toque aqui, para quem se aventurar nesta parte da Floresta das Árvores Mortas: toma sempre cuidado com os seres rastejantes. São grandes centopéias que mordem as canelas da gente e queima pra caramba. Um alívio para a dor é passar cuspe no lugar ou deixar o seu cão
  16. 16. 16 lamber o lugar. Refresca por alguns instantes. Uma observação: só deixe seu cão lamber o lugar se for um cão asseado, bem limpo que nem o meu Ransk. Continuamos avançando, cuidando das nojentas centopéias. Não havia mais possibilidade de recuar. Quando eu e Juninho estamos juntos, dificilmente desistimos de uma aventura. Confesso que o cenário ali não era dos melhores, parecia que estávamos dentro de um filme de terror. Os vampiros nos seguiam mantendo uma certa dis- tância, andando pela margem esquerda do pântano. Acho que eles estavam esperando uma oportunidade melhor para nos atacar. Meu sexto sentido me avisa- va que a coisa não estava boa pro nosso lado, e esta- va para acontecer coisas estranhas... Aqui posso usar essas reticências. Deixando as reti- cências - é sinal que existe uma dúvida no ar. Quem lê completa com a imaginação. Já que decidi fazer a redação, vou caprichar. Pode ser que minha mãe libera o game ainda hoje. Queríamos saber o que estava realmente acontecen- do na Floresta das Árvores Mortas, Por que eles que- riam a alma do Velho Sábio? Sabíamos que há anos o Senhor da Guerra vinha atormentando o povoado. Não deixava ninguém viver em paz. Todo mundo tinha que trabalhar de graça nas minas de urânio pro maldito tirano, nem as crianças eram poupadas.
  17. 17. 17 Melhor eu tirar de graça e escrever: sem receber, fica mais literário. O Velho Sábio tinha a certeza absoluta que o urânio tirado das minas seria usado na produção de armas nucleares. O Senhor da Guerra não apenas queria dominar o povoado, mas todo o planeta. Era um ser insensível. E o Velho Sábio era um empecilho, atrapalhava seus planos, formava um pequeno Exército de Resistência contra a tirania, por essa razão fora morto. Será que ocorre Crase aqui? ... formava um pequeno Exército de Resistência con- tra à tirania. Vamos rever a matéria sobre Crase no Manual de Redação. Crase - é a fusão da preposição a com o artigo femi- nino a - só ocorre diante de palavras femininas que pedem a presença do artigo definido a, as. Minha irmã gosta de ir à praia com a turma dela O Senhor da Guerra não tem apego à felicidade. Tem um, macete pra descobrir se há crase ou não na frase. Vamos ver se eu me lembro. Basta substituir a palavra feminina depois do arti- gos a, as por outra masculina, se ocorrer ao (combi-
  18. 18. 18 nação da preposição a com o artigo masculino o) dian- te da palavra masculina, então haverá Crase. Minha irmã gosta de ir ao cinema. O Senhor da Guerra não tem apego ao mundo. Formava um pequeno Exército de Resistência contra o sofrimento - neste caso não ocorreu o encontro entre a preposição a com o artigo masculino o (ao) não haverá Crase Como vivia dizendo o Senhor da Guerra: As pedras no meu caminho, eu chuto. Podíamos ava- liar o seu total desprezo com relação às pessoas ao seu redor. Vem outra vez minha mãe pegar no meu pé: - Lucas! Você já começou a fazer a redação? - O que a senhora acha, mãe ? - Se você tiver me enrolando eu vou te proibir de jogar video-game o resto da semana. - Se a senhora não me der sossego, como vou fazer a redação? Que saco! Não me dá um pingo de sossego. Não ligando para minha mãe, volto à narrativa:
  19. 19. 19 Enganei-me, não era o Senhor da Guerra, mas a Se- nhora da Guerra; uma mulher perversa e muito má que vivia torrando a paciência de todo mundo no po- voado, inclusive a paciência das crianças. Posso citar aqui poeta Carlos Drummond de Andrade: No meio do caminho tinha uma pedra. Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas. Eu e meu amigo Juninho éramos novatos na pilota- gem dos robôs extraterrestres. Tínhamos sido escala- dos por meio de um torneio nacional, entre os melho- res jogadores de games de simulação. Vencer, foi uma babada. Somos muito bons em games de simulação. Verdadei- ros arrasos! Agora surgiu outro problema: escrevo extraterrestres ou extra-terrestres; com ou sem hí- fen? Voltemos ao Manual de Redação. Hífen - usa-se este sinal gráfico (-) que une dois ou mais vocábulos, para formar um terceiro, independen- te de sua categoria gramatical, desde que fique man- tido a noção de composição, sentido e unidade ao novo conjunto: arco-íris, má-fé, pé-de-meia,
  20. 20. 20 Ouso do hífen não obedece apenas uma regra, mas a várias; e ainda por cima tem dezenas de exceções, dificultando a memorização. Não dá para decorar; tem que entender mesmo o assunto e usar o bom senso. Uma das regras diz que usa-se hífen nos vocábulos formados por prefixos como no caso do vocábulo ex- tra, seguido por vocábulos começados por vogal, h, r, s. Exemplos: extra-alcance extra-humano extra-regulamentar; extra-sensorial. No meu caso, não se aplica o hífen, ficando: Robôs Extraterrestres. Ainda usa o hífen com objetivo literário. Posso muito bem grafar: Dragão-Amarelo Senhora-da-Guerra Robôs-extraterrestres. Não vou complicar, fica do jeito que eu escrevi. Conti- nuando com a narrativa: Passamos a trabalhar diariamente nas cabinas dos
  21. 21. 21 nossos robôs, tentando exterminar os robôs extrater- restres, comandados pela Senhora da Guerra, que estava disposta a tudo para reaver o corpo do Velho Sábio. Ela desejava aprisionar-lhe a alma e dominar assim de vez todo o nosso país. Por onde ela passava distribuía desgraças. Era uma força maligna agindo sem cessar. Não gostava de ser desafiada, gritava: - Seu ódio traz mais ódio para mim. Faço uso de trás ou traz? Vamos pesquisar no Manu- al de Redação da Lívia. Trás - preposição e advérbio - vem da preposição latina trans, que tem o sentido de: além de para lá de seus derivados são: atrás, detrás, em seguida, após, por trás, etc. Traz - é a terceira pessoa do Presente do Indicativo do verbo trazer. Ele traz. Então, escrevi certo. Prosseguindo com a narrativa: As planícies desertas eram minadas e tínhamos que evitar que os robôs pisassem nas minas e nos man- dassem para o espaço. Ganhávamos por cada bata- lha, por cada robô inimigo destruído. Dedicávamos todo tempo a isso, e era bem divertido. Na verdade, era como jogar um game dos bons, ficá- vamos bem à vontade. Apenas como uma diferença,, tínhamos intensa preocupação em nos manter vivos. Um errozinho à-toa, poderia ser fatal.
  22. 22. 22 Surgiram dois problemas agora, escrevo: à-vontade ou à vontade? À-toa ou à toa? Manual de Redação da Lívia pra resolver a questão: à-vontade - neste caso é substantivo, eqüivale a com naturalidade; desembaraço; sem cerimônia, etc. Pilotei até a planície à-vontade. à vontade - no caso, uma locução adverbial, no sen- tido de a gosto, a bel-prazer. Pilotei bem à vontade até a planície. à-toa - tem função de adjetivo na oração; o mesmo que impensado, irrefletido, insignificante, desprezí- vel, etc. Um gesto à-toa e estamos mortos. à toa - funciona como locução adverbial; sendo o mesmo que ao acaso, a esmo, sem destino, etc. Ficamos a passear com os robôs à toa pela planície. Bombardeávamos ostensivamente os inimigos. Nos- sos robôs cortavam o céu numa velocidade espanto- sa. Nos provocava acesso de risos. Não nego que arriscávamos nossas vidas.
  23. 23. 23 O prêmio era pouco compensador, por isso mal dava para equipar ou renovar as partes danificadas dos robôs. Outra dúvida aqui: uso por isso ou porisso ? Vamos o que diz o Manual de Redação da Lívia. Por isso - é incorreto grafar juntos os dois vocábulos. Tem um fira dúvidas aqui: basta substituir o vocábulo isso pelas seguintes vocábulos: essa, esta, essas, aquelas, aquilo. Ficando assim: Por essa razão mal dava para equipar ou renovar as partes danificadas dos robôs. Nossa missão era patrulhar o Deserto Norte, lugar infestado de inimigos. Era vital o controle dessa parte do Deserto para o sucesso do avanço das nossas tro- pas por terra. Lutávamos contra inimigos asquerosos, que pareciam calangos-gigantes dentro das cabinas dos robôs. Eles não se importavam em morrer. A Senhora da Guerra tinha incutido na cabeça deles que não havia morte, apenas uma transição de corpo. Não há morte como prega os humanos. Vocês perdem o corpo e automaticamente entrava em outro corpo que estava nascendo naquele momento. Pelo receptor das cabinas, ela recitava sem parar a mesma coisa. - Meus Guerreiros! Não preocupam com a morte de seus corpos! Vocês morrem neste corpo e nascem em
  24. 24. 24 outros. A morte é apenas uma troca de pele. Repitam comigo: A morte é apenas uma troca de pele! E eles viam para cima da gente gritando: - A morte é apenas urna troca de pele! Muitos enchiam suas cabinas de explosivos e se ati- ravam contra nossos robôs. Com o tempo nossos ci- entistas desenvolveram um mecanismo de radar que acusava a presença de robôs-kamikazes. Assim eles eram alvejados antes que se atirassem sobre nós em ataque suicida. Todo garoto que já assistiu filme sobre a Segunda Guerra Mundial sabe muito bem sobre os ataques suicidas realizados pelos pilotos japoneses contra os alvos aliados. De minuto a minuto recebíamos, nas telas dos com- putadores, notícias do avanço de nossas tropas em terra, eram mensagens transmitidas em freqüência acima da audição dos extraterrestres. Mesmo se os extraterrestres capturassem os sinais não eram ca- pazes de decifrá-los. O nosso código era baseado no canto do uirapuru; um pássaro do tamanho de um pardal muito colorido que habitava as nossas matas antes da Senhora da Guer- ra transformá-las em pântanos. Em homenagem a esse pássaro pintando, porque uirapuru na língua dos nativos quer dizer pássaro pin- tado, nossos robôs foram confeccionados e pintados
  25. 25. 25 com as cores do uirapuru: o peito em vermelho vivo, parte dos ombros preto e branco e as costas e os membros inferiores multicoridos. Segundo a lenda, que conta os nativos, quando o uirapuru. começava a cantar os outros pássaros para- vam para ouvi-lo. Seu canto era musical, com sons claros e metálicos. Era um canto de trinados curtos, repetitivos para os ouvidos desatentos, mas para um bom observador, notava-se que a cada trinado repe- tido, o pássaro sabiamente acrescentava-se outras notas musicais e, desse modo, o canto ia se modifi- cando, crescendo cada vez em notas melódicas. Os cientistas aproveitaram essa peculiaridade do uirapuru e passou a transmitir as mensagens em cur- tos e repetitivos fonemas, que iam a cada repetição acrescentando outros fonemas, criando inúmeras fra- ses. Nota: Para que esqueceu o que vem a ser fonemas vai aí a explicação: fonemas é o som produzido pela garganta, e não correspondem sempre às letras escri- tas para representá-los. Por exemplo: escreve-se as palavras CASA, ASA, CASACA, em todas usamos a letra S mas quando falamos produzimos o fonema Z (lê-se Zê). Sacou a diferença entre letra e fonema? A guerra entre robôs era meio louca. Às vezes, as batalhas duravam dia e noite. A missão era meter bala e destruir todos os robôs da Senhora da Guerra.,
  26. 26. 26 e acabar de fez com a sua arrogância. Escreve-se às vezes ou as vezes? Vamos ver o que diz o Manual de Redação da Lívia Às vezes - locução adverbial,- algumas vezes, por vezes, etc. Manda a regra acentuar o a das locuções adverbiais: à toa, às presas, às tantas, às tontas, etc. O acento é usado por tradição e para diferenciar o substantivo as vezes da locação adverbial às vezes. Estou fazendo as vezes de Juninho. Às vezes, as batalhas duravam dia e noite. Se a configuração do robô não tivesse dentro das normas, você não durava muito tempo no campo de batalha. Tinha que estar sempre indo no mercado negro e comprando peças de reposição. O controle dos comandos tinha que ser muito preciso, e reajustado a cada batalha. Mira para baixo, mira para cima, à direita, à esquerda e: fogo! Se o tiro saía certeiro, lá se ia um braço, ou uma perna do robô inimigo. Os mísseis e os raios laser eram as melhores armas para a batalha durante a noite. Como Juninho dizia: - O céu se pipocava de clarões. É o cara que mais gosta de pipoca que eu conheço.
  27. 27. 27 Tudo pra ele tem que ter uma comparação tipo: es- tourou que nem pipoca; empipocou-se todo; espipocou pra valer; pipoqueou meio saltitante, pipocou pra valer e não sei mais o quê. Mas é um tremendo dum com- panheiro. Como eu ia escrevendo: Pedaços de metal voando por todos os lados. Mais uma cabina de um robô extraterrestre foi pelos ares. Ou melhor.- mais uma cabina espipocou-se em mil pedaços. Outras explosões por todo o corpo do robô; grito de dor e desespero do piloto sobrevivente, que possuía as fuças de um calango gigante. Os malditos dos pilotos extraterrestres quase sempre escapavam com vida. Saiam correndo de dentro das cabinas em chamas e mergulham literalmente na areia escaldante da planície, sumindo em poucos segun- dos, Não passavam de calangos-gigantes. Ontem, durante o entardecer, eu e Juninho fomos encurralados no Vale da Morte por seis robôs extra- terrestres. Como todo mundo sabe, o Vale da Morte é um lugar bem tenebroso. Quem chega lá pela primeira vez, só de por os olhos, saca logo que nenhuma espécie de vida pode sobreviver naquelas paragens. O robô do Juninho foi encurralado num paredão rocho- so por três robôs e acabou sendo bem alvejado. Per- deu o braço direito e uma das asas ao mesmo tempo.
  28. 28. 28 O painel de controle recebeu uma saraivada de tiros, danificando-se totalmente. Não podia mais decolar nem selecionar outros tipos de armas. Levei um bom tempo para exterminar um dos três robôs que me cercavam. Eu estava sob fogo cerrado. Sabia que as variações da temperatura na cabina podia causar muito danos aos comandos, dificultando o fun- cionamento do radar e das telas de seleção de armas. Enquanto tivesse munição, eu continuaria indo para cima do inimigo. O calor dentro da cabina era insupor- tável. Os seis robôs inimigos continuavam nos man- tendo em fogo cerrado. Serrado ou cerrado? Vamos ao Manual de Redação da Lívia: Serrado - que se serrou; que tem aspecto dentado da serra. Cerrado -.fechado, vedado; denso, espesso. Escrevi certo. Vamos lá, continuando a narrativa: Vi quando parte da fuselagem da cabina de Juninho foi danificada por uma série de disparos simultâneos de laser. Juninho não ia conseguir manter o escudo de resistência térmica ligado por muito tempo sem zerar a sua energia por completo. Pensei, por algum mo- mento, que jamais tornaria a ver meu amigo com vida.
  29. 29. 29 Eu tinha que fazer alguma coisa para salvá-lo. Preci- sava ter acesso ao meu menu de armas e por em funcionamento meu canhão Laser, que era a minha melhor arma, boa pra caramba para explodir de uma vez a cabina do inimigo. Se eu não conseguisse, en- tão era preciso começar a rezar. Acionei o código por seis vezes e nada. No visor do painel, o meu escuto de resistência térmica estava zerado também. Estávamos fritos! Os cinco robôs extraterrestres continuavam nos man- tendo sob fogo cruzado. Minha cabina esquentava pra caramba e a do Juninho já estava em brasas, Ele fazia gestos e, pela expressão do rosto, encontrava-se em desespero. Não nos restava muitas chances. Voltei a acionar o comando do menu, sabendo que seria a minha última oportunidade. Por três vezes, o comando não me obedeceu. Suava as bicas e tremia muito. O nervosismo estava me deixando descontro- lado. Na quarta tentativa, consegui acionar o comando de acesso do menu de armas- escolhi rapidamente o laser e fiz fogo total contra as cinco cabinas dos inimigos. Esses foram os cinco tiros mais certeiros que já dei na minha vida. Os malditos robôs explodiram clarean- do o entardecer. Qual o pronome demonstrativo que utilizo: esses ou estes ?
  30. 30. 30 Tenho que recorrer ao Manual de Redação da Lívia mais uma vez. Pelo jeito que vou, nem daqui uma semana acabo a redação. Esse - usa-se quando está próximo da pessoa com quem fala. Exemplo: A cabina esquentava muito, esse era um dos proble- mas que tínhamos que lidar. Este - aplica-se quando está próximo e presente da pessoa que fala. Exemplo: Estes robôs são os inimigos que teremos que enfren- tar. Aproximei meu robô do que sobrara do robô do Juninho e resgatei meu amigo de dentro da cabina em cha- mas. Acionei os motores de decolagem e, assim que saímos do chão, o robô do Juninho explodiu. Voamos para fora da Vale da Morte e direção ao... Minha irmã entra em cena: - Lucas! Abra a porta que eu quero entrar aí no quarto. - Peraí, Lívia. - Não posso esperar; eu quero entrar. - Eu vou acabar primeiro a minha redação. - Eu tenho que entrar aí, Lucas,
  31. 31. 31 - Problema seu! - Mãããeeee é! O Lucas não quer abrir a porta do quar- to não! Todo mundo quer me interromper, mas não vai conse- guir. Eu sei como prosseguir. Como diz meu avô: sou cabeça fria, não esquento muito com as coisas, Vida longa para os cabeças frias! Nunca deve subestimar um jogador como eu. A nossa missão agora, minha, de Juninho, juntamen- te corri o meu cão Ransk, era recuperar o corpo do Velho Sábio e levá-lo ao Templo dos Mortos. Estamos de novo na Floresta das Árvores Mortas. Uma extensão de terra hoje morta, cheia de pântanos e resíduos de cinza, A floresta, antes exuberante, re- pleta de pássaros e bichos, abundante em frutas e plantas tropicais foi literalmente pulverizada pelo Dragão Amarelo e seus zumbis, na Batalha dos Mil Dias, quando eu ainda era um bebê. Desde então, nada mas germinou nesta extensa área. Tomou-se um ambiente selvagem e muito hostil para os huma- nos. Nenhum lugar na terra pode ser comparado à Floresta das Árvore Mortas em se tratando de desola- ção. Hoje os zumbis do Dragão Amarelo roubaram o corpo do Velho Sábio e o arrastaram para dentro da maior caverna a fim de capturar-lhe a alma. Saímos atrás deles. Só eu sei que eles não poderão aprisionar a alma do Velho Sábio, pois a alma sairá escondida no
  32. 32. 32 último suspiro, sob a forma de ave. Outro detalhe, que o Dragão Amarelo não sabe: nem todos em tocar o cadáver do Velho Sábio. Porque só pessoas puras, e bem intencionadas, como eu e Juninho, podem tocar o corpo dele. Tou com uma dúvida aqui; qual devo usar: por que, por quê, porquê, porque. Tenho que rever a matéria no Manual de Redação da Lívia. Por que - usa-se separado e sem acento, quando estiver no início de uma pergunta. Exemplo: Por que queriam a alma do Velho Sábio? Por quê - usa-se quando lá respondendo uma per- gunta, tipo: Logo vou saber porque. Porque - usa-se num só caso: quando for substanti- vo. Exemplo: Ficarei sabendo o porquê da questão. Porque - usa-se ligado e sem acento quando quere- mos dar uma explicação. Exemplo: Porque só as pessoas puras, como eu e Juninho, po- dem preparar o cadáver. Acertei no uso do porque. Então, tou pisando em ter- reno firme. Vamos em frente:
  33. 33. 33 Entramos numa caverna imensa mal iluminada por pequenas tochas de fogo esparramadas pelas cavida- des das paredes. Seguíamos os rinchos e os gritos estridentes de vitória dos zumbis, A entrada da imen- sa caverna era cercada de galhos secos, árvores envelhecidas e muito entulho. Tivemos muita dificuldade em seguir os zumbis, Se eu não tivesse levado comigo o meu cão Ransk, difi- cilmente teríamos conseguido achar a trilha no meio daquele emaranhado todo. Nos arrastamos sob os galhos e troncos das árvores por uns dois metros, nos sujando de coisas gosmentas e muita teia de aranha. Encontramos um salão com o teto cheio de estalactites, também mal iluminado por pequenas tochas. Já não ouvíamos mais a algazarra dos zumbis. Foram para onde? O lugar era meio assustador, Ransk percebeu que além de nós três havia mais alguém naquele salão,- se pôs a latir e pular de um lado para o outro, muito agitado. Quase caímos de susto quando demos de cara com um Ciclope de cabelos loiros e de voz gutural bem irritante para meus ouvidos. O grandão não perdeu tempo, avançou sobre nós. Soltei um palavrão e corri, pegando uma tocha para afugen- tar o cretino, mas ele nem ligou.
  34. 34. 34 Tá certo o adjetivo grandão? Deixe me ver se recordo a fórmula: Para formar o grau aumentativo, acrescenta-se ão ou ona à palavra primitiva. Pedra - pedrão - pedrona Grande - grantrão - grandona Nem sempre o grau aumentativo e diminutivo se rela- cionam com tamanho. O vocábulo palavrão não tem sentido, de gigante, mas uma palavra grosseira, chula; como a que eu gritei de susto. Vamos em frente que tem Ciclope em cima de nós. O asqueroso animal cuspiu fogo em nossa direção. Pulamos para o lado e a chama passou raspando nos- sos corpos, indo incendiar os galhos secos na entrada da caverna. Escapamos por milagre. Nem tivemos tempo de nos por de pé direito e o Ciclope voltou a cuspir fogo. Juninho pegou outra tocha e nós dois passamos a atacar o Ciclope com elas, enquanto Ransk corajosamente fatia e tentava abocanhar os pés da horrível criatura de um olho só. Foi uma batalha e tanto. Nem sei quanto tempo fica- mos naquela lengalenga. Como éramos muito pequenos para atingir o olho do Ciclope, tivemos que contar com a ajuda do Ransk. Percebi logo que o Ciclope loiro temia pelo seu único
  35. 35. 35 olho. Cuspia fogo sobre nós ao mesmo tempo em que protegia o olho com as mãos. Ransk não marcou bobeara, assim que pode, grudou os dentes afiados na canela do grandalhão e não largou mais. O ciclope deu pernada, urrou de dor, dançou a dança dos aflitos e Ransk ali, firme na mordida. Foi aí que aproveitamos para agir. O Ciclope teve a infelicidade de abaixar-se para agar- rar meu cão e aí metemos as duas tochas no único olho dele. As tochas grudaram no seu olhão, cegan- do-o para sempre, Foi aí que o grandalhão berrou de dor. Urrou e pulou tão desorientado que fez boa parte do teto da caverna se desprender, cair sobre nós e... Minha mãe em socorro da minha irmã. As duas entram em cena: - Lucas abra esta porta para sua irmã entrar aí. - Eu tou. terminando a redação, mãe. - Isto não é motivo para trancar a porta, Lucas. - Também não era motivo pra senhora desligar o vídeo game. - Era sim. Você tinha que fazer a redação e só estava me enrolando. Abra esta porta. - Não! Não vou abrir - grito decidido. - Vai lá chamar seu pai, Lívia- ele resolve isso.
  36. 36. 36 - Resolve nada, mamãe, papai é puxa-saco do Lucas. - Então vamos lá falar com ele. Já vão tarde! Tou nem aí pra elas, Vou continuar a minha redação: E a perversa Senhora da Guerra e o malvado Dragão Amarelo, ajudadas pelos duendes verdes, tinham le- vado o corpo do Velho Sábio para dentro da Residên- cia do Mal. E o trio dinâmico, eu, Juninho e o feroz cão Ransk saímos atrás delas. Tínhamos corrido até as margens do rio pantanoso que descia para a região subterrânea da terra, para o Mundo dos Mortos. Havia muitos esqueletos nas mar- gens no rio lodoso. Ransk achou uma jangada e se pós a latir para ela. Subimos na jangada de bambu e pegamos duas varas suficientemente compridas para remarmos até a ou- tra margem. Não foi fácil remar naquela água pesada e lodosa. Tenho que substituir o adjetivo lodosa; já usei lodo- so. Outra vez o Dicionário: Lodoso - que tem lodo, lama; lamacento, enlamea- do, lamoso; semelhante à lama. Prefiro lamacenta. É só trocar; vou substituir depois. O fundo do rio também estava cheio de zumbis, que a
  37. 37. 37 cada remada, agarravam as varas e tentavam subir a bordo; muitos deles procuravam nos atirar para fora da jangada. Batíamos fortemente em suas cabeças apodrecidas, que explodiam como abóbora madura. Muitos deles largando sobre nós uma gosma esverdeada e muito fedorenta. Por duas vezes, Ransk arrancou a mão de- les e eu tive que tomar da sua boca e devolver à água. - Sei que você tá fome, mas não pode comer essa nojeira, amigo. Dei graças a Deus quando atingimos a outra margem e pisamos em terra firma. Lá no alto, através da cerração, vimos, no cume do morro, a mansão abandonada: A Residência do Mal. Aceitamos o desafio de invadi-la, tirar o corpo do Velho Sábio das horripilante criaturas. Apareceu mais uma dúvida: Cerração ou serração? Dicionário pra resolver a questão. Cerração - nevoeiro espesso, trevas, escuridão. Serração - ato ou efeito de serrar; serradura, serra- gem. Acertei mais um vez. A té que não estou tão ruim assim em ortografia. Em frente, que atrás vem gente: Subimos o morro, as escadas cheias de mato, e abri-
  38. 38. 38 mos a porta., que gemeu sob as dobradiças. Antes de penetrarmos na fortaleza, eu disse: - Vamos vasculhar em cada canto, Juninho. Nosso sucesso depende de encontrar o corpo do Velho Sábio e libertar a sua alma para a Terra da Paz. - Será que vamos conseguir, Lucas? - Claro que vamos. Pensamento positivo. Ransk entendeu minha certeza, latiu forte para mim. Afaguei a sua cabeça. - Assim mesmo que age, amigam. Não estou gostando desse diálogo; foi mal conduzi- do! Vou ter que refazê-lo. Vamos recapitular a matéria no Manual de Redação: Diálogo - é o intercâmbio verbal entre duas ou mais personagens. No Diálogo Direto - o escritor apenas transcreve a conversa entre as personagens. - Vamos vasculhar em cada canto, Juninho. Nosso sucesso depende de encontrar o corpo do Velho Sábio e libertar sua alma para a Terra da Paz. - Acha mesmo que vamos encontrar o corpo dele, Lucas? - Tem que ter pensamento positivo, Juninho.
  39. 39. 39 Ransk parece que entendeu meu comentário; deu al- guns latidos bem fortes, em total acordo, Afaguei a sua cabeça. - Assim mesmo que age, amigão. No Diálogo indireto - o escritor interpõe entre o leitor e o texto. Exemplo: - Vamos vasculhar em cada canto, Juninho - disse Lucas confiante; e, de voz emocionada, prosseguin- do: - Nosso sucesso depende de encontrarmos o cor- po do Velho Sábio e liberta a sua alma para a Terra da Paz. - Acha mesmo que vamos encontrar o corpo dele, Lucas? - quis saber Juninho, já sem muita esperança. - Temos que ter pensamento positivo, Juninho - retru- cou Lucas sem perder a confiança. Até Ransk entendeu o seu comentário otimista, latiu bem alto, em total acordo com o dono. Afaguei a sua cabeça. - Assim que age, amigo - disse-lhe. No Diálogo indireto livre - é mais complicado de se fazer; há a presença do escritor e da personagem, fundindo o narrador com a personagem, de, modo muito bem dosado. Exemplo:
  40. 40. 40 Tinham que vasculhar cada canto, propusera Lucas, antes de penetrar na fortaleza. Conto com meu amigo Juninho e Ransk, O sucesso depende de nós, temos que encontrar o corpo do Velho Sábio e libertar a sua alma para a Terra da Paz. Juninho não tinha tanta certeza disso, pouco confiante. Mas precisávamos ter pensamento positivo. Até Ransk percebia o otimismo do dono., se pós a latir em pleno acordo. Afaguei a sua cabeça, assim mesmo que age, amigo. No Diálogo interior ou melhor dizendo: no monólogo interior direto - ocorre quando a personagem dirige a si mesma De alguma forma continua sendo um diálo- go uma vez que o em da personagem dirige-se a um provável interlocutor. No caso, não há escritor, apenas peneiramos na mente da personagem; é como se ti- véssemos dentro da sua alma. Sem barreiras e sem respeito ás normas gramáticas da língua. Exemplo: antes de penetrar na fortaleza eu disse que tínhamos que vasculhar cada canto para isso contava com Juninho e meu cão Ransk sabia que o sucesso depen- deria de encontrar o corpo do Velho Sábio e libertar a sua alma em direção a Terra da Paz mas Juninho não estava tão confiante nem tinha tanta certeza do nos- so sucesso eu disse que precisávamos ter pensamen- to positivo até Ransk acreditava e sentia meu otimismo se pós a latir em pleno acordo comigo afaguei a sua cabeça assim mesmo que pensa e age amigo. No Diálogo interior indireto / monólogo interior indireto - ocorre a presença do escritor, que saí e interfere tios pensamentos e ações da personagem.
  41. 41. 41 Transcreve aquilo que lhe convém, respeitando a gra- mática, a lógica do tempo e das coisas. Exemplo: Antes de penetrar na fortaleza, havia decidido vascu- lhar cada canto: ‘é preciso achar o corpo do Velho Sábio e libertar a sua alma para a Terra da Pai. Para isso, ele contava com Juninho e Ransk: ‘o sucesso depende apenas de nós’, Onde estava a confiança de Juninho? Era preciso ter pensamento positivo. Até o Ransk acreditava no meu otimismo. O cão se punha a latir de pleno acordo comigo. Afaga-lhe a cabeça: ‘assim mesmo que age, amigo’. Agora que são elas. Qual o melhor diálogo para mim utilizar na redação? - Lucas, abre a porta para a sua irmã entrar. - Vou só acabar a redação, pai. - Mas a sua irmã não pode esperar, ela tem que ir para a aula de inglês. - Só mais um pouquinho, pai. - Tem que ser agora, Lucas. Abra esta porta que eu te devolvo os controles e os cabos do video-game, quan- do você acabar a composição... - É redação, pai. - Tá bom, a redação, assim que terminá-la pode voltar a jogar. Concorda?
  42. 42. 42 - Concordo. Um minuto só, pai, e já vou abrir a porta, Prosseguindo a redação: E assim vimos no negrume da noite o bater forte de asas de uma pássaro dourado, voando sobre o cadá- ver do Velho Sábio. Deu várias voltas sobre nós, an- tes de pousar sobre a sua cabeça imóvel na pedra de granito. Ficou ali, nos olhando com seus olhos de águia, como se nos estudasse. De súbito, soltou um trinado melodioso para os nos- sos ouvidos, quase sem abrir muito o bico. Nem todos tinham o direito de tocar o corpo morto do Velho Sá- bio, mas este belo pássaro bem que merecia essa honra. Não fizemos nada, ficamos apreciando o seu canto, Vimos quando começou a sair de dentro de seu bico, uma substância transparente, impalpável, como uma fumaça branca, e se dirigiu para dentro da boca do Velho Sábio, sumindo-se. Era alma do Velho Sábio que saía da ave e regressava ao corpo morto. O pás- saro ergueu vôo e se manteve sobrevoando as nossas cabeças. O Velho Sábio ergueu-se lentamente como se desper- tasse de um sono profundo e sentou-se na pedra que lhe servira até aquele momento de sepultura. Sorriu com bondade, era um homem justo que voltava à vida. Ajeitou suas vestimentas escarlate e se pós de pé, sem muita dificuldade.
  43. 43. 43 De dentro da capa, tirou as duas espadas mágicas e as devolveram aos dois guerreiros. Ajoelhamos para recebê-las. - Vocês sabem como usá-las. Depois saiu andando em direção à Floresta das Árvo- res Mortas, seguido de perto pelo estranho e belo pássaro dourado. Os dois guerreiros continuavam ajoelhados com suas espadas mágicas nas mãos. O Velho Sábio sumiu entre as árvores e galhos secos da Floresta, e o cão Ransk , na parte mais elevada da montanha, começou a uivar para a solitária e pratea- da lua cheia. FIM Copyright © 2000, virtualbooks.com.br Todos os direitos reservados a Editora Virtual Books Online M&M Editores Ltda. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Editora.

×