Virgilio

425 visualizações

Publicada em

Virgilio fala sobre a emigração dentro do Brasil e a perspectiva que o emigrante tem sobre melhorar de vida.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
425
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Virgilio

  1. 1. Paulo Francisco dos Santos Pastor, escritor, poeta e Teólogo1
  2. 2. ÍndiceIntrodução...........................03 Parte 01 Lembranças da vida e a dura realidade.....04Parte 02Em busca da vida ...............10 Parte 03 O encontro com a vida (Epílogo)........14 2
  3. 3. Introdução Virgilio é o retrato do típico brasileiro que se aventura fora de sua terra natal. Ele emigra em buscade melhora financeira encontra dificuldades, mas não desiste, ele sabe que tem que viver. Viver para Virgilioé compartilhar, é trabalhar, é estar do lado de Ritinha, é ser simplesmente quem ele é. Não há muito mais adizer sobre nosso protagonista, apenas minha sincera exclamação: “– Boa leitura!” 3
  4. 4. Parte 1— lembranças da vida e a dura realidade. Hoje é mais um dia comum. Estando apenas há alguns minutos acordado, depois de realizar minhahigiene pessoal, posso contemplar o nascimento do Sol... É lindo, às vezes me ponho a pensar que isso vemacontecendo a milhares de anos e ainda assim não deixa de ser estrondosamente magnífico! Desde minhatenra idade tenho me colocado neste telhado a observar esta estonteante paisagem e as horas passam...Gostode meditar... Pensar é uma dádiva que não se pode evitar ou igualar...Que ligação tão intima tem o existir e opensar; penso e existo, existindo penso e no pensar vejo minha existência cada vez mais intensa do que nunca. Ainda que o balbuciar do tempo me chame para a realidade, posso por instantes incorrer no tempo emergulhar em lembranças do passado, que não mais estão disponíveis para se tocar. Quando criança sonhei ser poeta, adolescente em ser ator, jovem em me casar e ao passo que chego amaturidade penso em viver... Doce vida que a cada segundo escapa pelos dedos, seria isto uma utopia? A cadaminuto que vivo é um a menos que viverei, mas que importa? Seria terrível olhar para trás e descobrir quevivi sem viver e nada aproveitei! Ainda conto com o bombear do meu doce amigo, que comigoinseparavelmente tem trabalhado e trabalhado. Tudo que posso dizer que escrevendo me encontro voando entre milhares de milhares que vivemnum amontoado de preocupações justificáveis, porém, eu ainda sim, tomo trilhos que me levam para ondepossa dizer com clareza a viagem não terminou. Quantas colocações são dadas aos pobres que estão no sofrimento? Ainda podemos ver que soluçõesnão estão tão perto, apenas desculpas, ou coisas em si corriqueiras. Um mundo que não para, gira-gira deopiniões que nos enche de situações. Há quem olhar? Com olhos que possam enxergar o que não esta lá, masde ilusões vivem os que assim se apresentam. Não gostaria de fugir do que primeiro pensava, coisas de escritor? Onde estava? Ah! Sim, no Sol quenascia... Era comum pra mim esta visão, ao despertar de um novo dia subir ao ponto mais alto de nossahumilde casa. A visão era que me ia ao lado de meu pai e onze irmãos ao plantio do feijão, milho e algodão. Mãos rudes, pés rachados, sol não tão belo quanto na manhã, mas forte e abrasador. O gosto salgadodas gotas que entram em meus lábios é tão vivo que tenho sede! Vai e volta, vai e volta... jogue o milho quevou tampar o arado. Comida quentinha, quem dera! Depois de algumas horas estava fria, mas a fome dá gostoao paladar que não rejeita nem uma bóia fria. Ruim!? Oh, não! Tempo bons que não voltam...Mas comopode? Coisas de sertanejo, só entende quem lá viveu... Cinco da manhã, na cidade que não para, e parece que não dorme...Apenas isto? Um querido sonho!Ao abrir a janela, não vejo mais o sono que saiu mais cedo hoje, sem dizer se volta, vejo um céu cinzento,sem expressão, diferente deste último encontro com o subconsciente. Ainda assim fico fascinado com a visãounicolorida e contraste com o passado. Ambiente hostil! Toca a primeira sirene, a firma de produtos químicos não para... Milionários ouestressados eis a questão? São Paulo grande teatro onde figuram tantos espetáculos que não se pode numerar...Quantos livros e ainda assim não se poderia escrever... Não devemos estar tão preocupados! Podemos deapenas um nos entreter. Vivia solitário um jovem fleumático, sim um verdadeiro anjo calado... Aguardando ebuscando seu tão esperado prêmio chamado sucesso; as angustias de que a pouco passara como uma bombarelógio em breve o farão explodir em lágrimas de socorro, mas longe de seu habitat, a solução vem com aaspirina e o repouso. Nunca pensei estar descrevendo as senas de um que como eu. Ele e eu nos identificamos. Queriavencer as frustrações do cotidiano lar recém adotado. Seria por demais, apresentar-lhes nosso amigo? Virgílioum herói em meio uma selva de concreto. Olhar triste e sereno, rosto moreno, não alto e nem baixo...Médioligeiro!? Sonhador convicto, vindo de terra distante, percebeu que era um entre milhares que emigraram doNordeste para Sul. Apesar de um grão de Areia entre ondas e terra firme, não teve dúvidas em pelo menoslutar. Seu primeiro emprego foi de garçom, havia feito um curso em Bom Conselho, cidade ilustre, degente Cortez que sabe receber e dar o que tem... Hospitalidade e calor... Humano e solar! Não impressionavapela aparência, mas seus modos conquistaram o gerente que ao notar sua proposta pequena, não pensou duasvezes em dizer: - De Bom Conselho! Que Ótimo! Escute o bom conselho que agora vou te dar, não demores a começar a trabalhar, as roupas estão naquela salinha. Atônito Virgílio se pôs a dizer: - O senhor não vai se arrepender. 4
  5. 5. Sem folga nos primeiros três meses? Sem registro? Doze horas por dia? Que vida dura encontrouVirgílio, não era nenhuma plantação de notas verdinhas que iriam garantir sua sobrevivência, mas o salgadogosto entre seus lábios não o abandonara, apenas mudará de lugar. Para descansar era uma dificuldade... Morava em uma pensão de rapazes, lugar familiar, onde todostentavam se entender. Os colegas de quarto eram grandes preocupações para nosso amigo desterrado. Não sepodia esquecer nada, uma lei ali regia – “o achado não é roubado” – que diferença do respeito em que asrecordações lhe serviam as saudades dos seus patrícios. O sono com facilidade se ia entre as tentativas furtivas de um efeminado colega de quarto de lheabraçar durante as noites que não se sabia que eram frias ou quentes... Hoje se não vê a terra que garoava...Mudanças inesperadas no tempo... Efeito estufa... Poluição... Coisas de poderosos, apenas simples negócios.Ao abrir a janela apenas o cinza e ao passar dos minutos se aproximava à hora da partida, a correria logo sevia, lutar pela sobrevivência não é fácil entre os animais que vivem no concreto! Um certo colega de ponto aovê-lo disse: - Foi-se o segundo e não deu pra subir! Mas este não passa, vou entrar nem que tenha que derrubar uns dez! O que se costuma a ver não impressiona. Lógico! A explicação óbvia é que as conduções de SãoPaulo são assim mesmo. Isso ficou normal ao nosso anfitrião, que sem perceber passara a ser um gladiadorinerente ao limbo de forças que lutam pelo espaço da vida. Poderia fazer-se um suave poema da situação quenão expira coragem aos locutores do rodeio pedregoso e a dar aos seus tais, um boa porção de pizza!?Camaradagem não é a piada do aumento dos vinte reais anuais, mais sim, o respeito de um salário meiodecente (tendo a certeza que falta muito para o meio) que é aguardado há anos pelos tapeados das épocascodenomeadas “CARNAVALESCAS”. Dureza tem passado o Virgilio, aprendido a se comportar como uma sardinha em lata...Coisas decondução paulista, difícil para os de fora entender. Ainda que não estivesse numa lata ambulante, comopoderia chegar a tempo de encarar a rigidez de um novo dia-a-dia de exploração. Quando completava oitomeses de trabalho, passados já os penosos e famosos três de uma experiência bem experimentada, sem vercumpridas as promessas da folga, sua paciência foi abalada pela insensatez de um freguês desajustado. - Hei, garçom! Por favor. - Sim, senhor, pois não? - Você tem coca ou guaraná? - Os dois, senhor. Qual você gostaria? - Eu quero então um refrigerante... Ah! Ah! Ah! Caiu na risada. E como se não bastasse as piadas sem graça do já mencionado desajustado, a custo convencido aescolher um daqueles pratos tipicamente comuns ao bolso escasso - arroz, feijão, salada, bife acebolado -, nãoperdoou a oportunidade recebida de um pedido de tenra feijoada por um tal vizinho recém chegado e maisprontamente atendido; oportunidade de colocar os artelhos a funcionar colocando os pezinhos númeroquarenta e quatro na frente de Virgilio, que voou sem asas sobre aquele tal infeliz que não saboreara aesperada feijoada com o palato, mas com o pasmo de ver-se banhado de temperos e da lesão recebido pelaquentura do prato. - Seu grandississimooooooooo idiota!!!!!!! O homem todo sujo gritou. - Desculpe-me senhor! Virgilio envergonhado balbuciou. Agora como se não bastasse a zombaria dos clientes, o autor do atentado se pôs a provoca-lo compiores palhaças, a ponto de Virgilio ir para cima dele, afinal anjos de carne e osso podem perder a paciência. - Você pensa que eu não vi seus pés de lancha no caminho seu artista de circo. Com os nervos em frangalhos berrou Virgilio. - Pé de chinelo, garçonzinho de uma figa! Replicou o freguês folgado. - Vai querer encarar? Pensa que tenho sangue de barata? Vou te ensinar a não se meter com cabra- macho de Pernambuco! - Estou tremendo de medo... Ah! Ah! Quando ia começar a grande peleja entrou em ação os juizes de mesa para acalmar o torneio deelogios recém começado. Os colegas conseguiram apartar a mera tentativa de briga e Virgilio depois de algumtempo, de cabeça fresca e conformado viu o que nestes meses quisera esconder, “não nascera para serescravo” e logo se dispôs a falar com seu Afrânio, o gerente que nunca mais lhe mostrara o rosto sereno dodia em que lhe colocou os aguilhões, inclinou a cabeça dizendo inconformado: –“hoje em dia não seencontram bons escravos...digo funcionários. Afinal de contas o freguês sempre tem razão, não se pode deixarum garçom tão nervoso em nossos recintos, precisamos comprar tranqüilizantes ou sangue de baratas para 5
  6. 6. estes infelizes trabalharem direito”. Na verdade a preocupação de Afrânio estava no que os muitosfreqüentadores de seu tão bem afeiçoado restaurante poderiam dizer um a outro sobre o tal acontecido e fez oque todo patrão ajuizado faria. Ordenou que Virgilio pedisse a conta, o que este prontamente recusou e logofoi obrigado a retirar-se do tal recinto que a muito havia virado seu lar sem ao menos um obrigado pelosserviços prestados, com promessa de pagamento deste seu último salário depois do quinto dia útil do mêsseguinte. Virgilio pensativo começa a caminhar entre as ruas movimentados deste nosso centro badalado epõe-se a voar nas asas da imaginação à Bom Conselho. - Que cheiro boum de manga. Cidinha vamos buscar umas pra nóis. Os tempos de criança são inesquecíveis, é normal em momentos de dificuldades sermos levados aoprincipio de nossa jornada, ao ponto em que não havia preocupações, ao momento em que elas não existiam.Somente as famosas e formosas peraltices e brincadeiras dos anos que não voltam. Disposto a não voltar à realidade Virgilio se vê forçado a despertar com uma voz que o atordoa. - Mãos pra cabeça moço! Documentos!? - Calma. - Calado, se você se mexer leva chumbo! - Não sou bandido. - É o que todos dizem. Confundido com um certo criminoso Virgilio se depara em uma delegacia prestando depoimento,sobre sua vida em São Paulo. - Você é o Zé Pistoeiro, não é? Grita o Delegado Paixão, depois de Bater com a mão na mesa que quase desmorona pelo impacto. - Não sei do que o senhor está falando, até a alguns minutos atrás o pessoal me chamada de Paraíba no restaurante que trabalhava. - Não quer falar em!? Nós vamos puxar sua capivara 1 e te daremos uma bela hospedagem neste xilindró2. - Que é isso Dr. Sou Virgilio seu criado. Vim de Pernambuco no fim do ano passado e estou tentando ganhar a vida. - Esse é o nosso problema, o jeito de você ganhar a vida. - É proibido trabalhar de garçom? - Não acredito! Estou conversando com um lunático. - Pernambucano doutor e não lunático. - Ponha esse Zé...Paraíba, ou sei lá o que na cela quatro Augusto. Estressado o Del. Paixão continua desabafando: - Até quando tenho que aturar esses loucos ou malandros? Na cela Vigilio encontra mais oito companhias que não são nem notadas na sua entrada marcada pelodesesperado grito: - Não sou culpado, não fiz nada! As lágrimas que sentidas nos lábios apenas o fazem recordar de seu pai a lhe dizer: - Filho cabra-macho não entra em delegacia, com suor se vive, o pouco com Deus é muito! Mas o quê? Não fiz nada para estar aqui, imagine se meu pai me visse desse jeito. O que seria demim? Agora entendo a frase que Jorge de vez em quando dizia: “Hoje não é o meu dia”. Virgilio parece numtranse viajando em pensamentos mil até ser interrompido por um dos detentos, que lhe diz: - A menina tá chorando porque? Quer carinho? Sem saber o que responder fica atônito com a visão de um monstrengo careca e todo tatuado, lhefazendo juras, ainda meio atrapalhado e perplexo com os últimos fatos, não lhe responde palavra. Noite fria,lugar mal cheiroso, ânimos alterados e barriga vazia. Tudo agora contribuía para uma briga logo na entrada dacela fria. Quando Virgilio pensava em dar um golpe no autor da dita cantada, o comandante da cela, deapelido engraçado – Zé Verdiano – fala ao Dom Ruan: - Cai fora e deixa o rapaz em paz oh Negojalo! Como um cão treinado o tal Negojalo sai de perto do Pernambucano que aliviado diz :1 CAPIVARA=Gíria que significa vou pesquisar sua conduta, tirar seu atestado de antecedente criminal quedeve ter muitas ocorrências.2 Xilondró= A cela onde Virgilio iria ficar preso. 6
  7. 7. - Obrigado! - Não se pode chorar aqui. Isto é sinal de homem desajeitado. Comentado o Zé Verdiano - Não sabia. E nem sei por que estou aqui. Retorna Virgilio. - Que é isso? Pra nós não precisa mentir. O meu B.O. é o 123 e o teu? Emudeceu o Virgilio, que escutou mais perguntas do tal esverdeado. - Não sabes? Tráfico de drogas. - Male-male entendo de cabo de enxada! - Você é da terrinha? - De Bom Conselho e tu? - Sou de Codó no Maranhão, lugar que nunca deveria de ter deixado. Virgilio compreendendo que encontrara um conterrâneo, parente de terra próxima, pôs –se a falar doNordeste amado. - As lembranças são tantas... Rapadura... Plantio e gente que gosta da gente. - Moço se pudesse amanhã mesmo voltaria. - Quando saíres daqui corra pra lá. - Não posso, você sabe, sem o maldito não se vive! - Sem o maldito? - Ora, lá não se ganha fácil... Apesar de que viver lá me parece mais fácil! - Mas que raio de maldito!? - Você parece tapado! O Dinheiro, bufunfa, money, cascalho! Tu não és nenhum otário, pra não entender isso? Nesta altura do campeonato um tal azarado como ele não estava entendendo nada mesmo.Despedido, preso e desconsolado. Tudo estava acontecendo numa mesma ordem de acontecimentos que aover de Virgilio era: - Isto tudo é por que de manhã passei debaixo de uma escada! Quem pode adivinhar o que acontecerá daqui a pouco. Continuar lendo ou dormir? Experiência tua enão minha. Ainda que não sabemos o importante é vivermos. Tão depressa foi ele encerrado. Para sair umtanto demorado, há minutos que se eternizam. Mas enfim de lá tirado, recebeu um cafezinho meio gelado eum pedido de desculpas meio que obrigado. - Informação errada. Não queríamos ter te incomodado. O delegado com cara de quem errou, mas não deu o braço a torcer assim falou. O que nos pensamentos não se media, era o inconformado dito: - “Que café sem graça e amargo”. Ainda mal terminara de toma-lo quando ouviu: - Pode ir seu Virgilio, ou queres ficar, ou ainda mudar-se, ou quem sabe morar aqui? Riu-se o chefe do pedaço. - Não, não obrigado. Já estou indo. Tenho certeza que aqui não volto. Nunca mais volto. Convencido de que tudo erra mesmo um simples engano, sem saber que poderia recorrer aos maustratos e a humilhante situação, Virgilio o desinformado foi-se seu caminho cantarolando algo assim: - Vou embora, vou embora e não volto mais aqui. Não sou daqui! Não sou daqui! Alegria de ter saído? Não, estresse acumulado de meses sem folga. Sim, começo de delírio. PobreVirgilio estava correndo para não parar e dar-se conta que estava totalmente cansado. - Bom dia! Disse ele a uma senhora. - Que a virgem te acuda! Respondeu ela olhando firme em seus olhos vermelhos. - A todos nós. E foi-se, ofegante, mas como que teleguiado naquelas tantas horas da noite, em direção a pensão. Chegando, abriu a porta e foi logo deitar. Sumiu aquele dia. Existem dias que não queríamos queexistissem, isto é normal, creio assim ou estou enganado? Como psicólogo não sou atestado, somenteachológo inerente deste nosso contristado desempregado. Eu acho e tu o que achas? Ora, ele acha e eles o queacham? Bom ele achava-se deitado sonhando com sua terrinha amada e num excesso de sonambulia por vezesrepetia: - Não devia ter de deixado, amiga minha! Seus colegas ao ouvi-lo diziam: - Isto só pode ser amor não correspondido, o pobre Paraíba está frustrado.3 O número 12 no código civil significa que a pessoa cometeu o delito de tráfego de drogas. 7
  8. 8. - Rejeitou o meu amor, agora esta recebendo na pele o resultado. Disse o efeminado Rone que sempre quis namora-lo. Mas feliz é o sono do trabalhador, ainda que no dia anterior tenha ficado desempregado. - Ei, ei! Acorde está na hora. Chamava-o a dona Gertrudes, proprietária do pensionato, que sabia a hora que Virgilio tinha que ir ao trabalho. - Não, não hoje estou de folga. Dizia meio atordoado de sono e cansaço o que convenceu-a a sair sem mais insistência. Quinze horas de sono bem dormidas, algo que nestes últimos meses ele não via. Sonhava então, como vento quente e gostoso das noites de verão. Das chuvas de inverno, onde temperatura baixa era só da águada cacimba. Mergulhos e mais mergulhos no açude que ainda lhe dava um almoço reforçado. Um peixeassado, um... Uhmmm! Que delicia, hoje vou fazer um grande ensopado... Depois do galo cantar, entre a brisae o estridente som dos grilos, ia-se andando despreocupadamente e com poucos minutos se chegava à fazendados Covedos. Glum...Glum... – “Leite fresco se toma desse jeito”. Neste sonho ele dizia.; Com os dois litrosna mão e já de volta, mãeinha preparando do milho a merenda para iniciar mais um dia... - Oh, oh, acorda. Moço você está bem? Pergunta Raimundo. - Como? O que foi? Bem? Por que? - Sai e tu estavas dormindo, cheguei e tu ainda estás dormindo. É preocupante, não é? - Não, não estava apenas cansado. Mas já estou melhor. Que horas são? - Oito horas da noite, e o jornal já esta passando. - Nossa! Fazia tempo que não dormia tão bem assim. - Dá pra ver. Você não esqueceu do forrozão que vai acontecer hoje lá no Sertão danças? Daqui a pouco nós temos de ir pegar a Laura e a Ritinha. Seu Zé vê se come alguma coisa e se arruma. - Tá O.K. Raimundo Nonato (porque todo Raimundo é Nonato?) veio juntamente com Virgilio tentar a vidatambém na cidade dos sonhos de papelão. Teve mais sorte, conseguiu um emprego na grande Metalúrgica eagora estava até estudando. Em breve planejava sair da pensão. Amigo de infância de nosso Paraíba, e bomsertanejo, não perdia um forró, pois era uma de suas paixões. Outra paixão era Laura, cearense da gema, dacidade de Independência e tinha ancestrais indígenas, sua aparência não negava. Era recém chegada emPapelão City e já era vendedora de uma loja no paraíso das compras. Formalmente solteira, livre edesimpedida, sua única preocupação era seus três filhos que deixara em cuidados de sua mãe para cria-los.Casada? Não, obra do acaso. Simplesmente desilusões da adolescência. Uma grande lutadora que não pensouduas vezes em mandar a metade do salário ao berço dourado. O seu sonho era o já conhecido... Esperando onovo namorado comentava com Ritinha: - Acho o Raimundo muito ciumento. - Vai vê teve alguma decepção no passado, a insegurança é marca disto. - E ai? Gostou do Virgilio? - Mais ou menos, ele é muito calado. Tenho de usar uma escavadeira para arrancar palavras dele. - É assim mesmo, homens tímidos tem vergonha pra falar. Ganhe a confiança dele e ele vai virar um papagaio tagarela. - Ele tem um ar tão sofrido Laura. - Olha Ritinha, quem veio daquele pedaço de terra que eu vim, têm motivos pra ter esse olhar. Paulista como tu não conhece isto. - Você que pensa. Fernandópolis também é um lugar difícil. - Lá deve ser como aqui. - È um lugar formidável Laura, Bonito, sossegado como toda cidadezinha do interior. Ao terminar as referencias de sua terra natal passou o gel no cabelo e se trocou, colocou a melhorroupa que havia adquirido por um mês de serviço, uma coisa fina, roupa de marca ou grife é assim mesmo,consome o salário dos pobres. Do outro lado o parceiro do tão esperado forrózão colocava o perfume que nãopodia ser diferente, combinando com a loção após barba tinha o toque de incensar o ambiente, outro mês deserviço pra variar. Já estava com aquela vontade louca de se requebrar no som que o levava em direção a suaterra, e o que mais ele precisa? Sua terra e uma linda mulher eram o suficiente. Que pena que sua terra estavatão longe e a Ritinha era simplesmente a Ritinha. Assim que estava pronto sentou na sala da pensão eesperava o Raimundo voltar da casa de seu Agenor, pois soubera que havia ganhado alguns trocados no Bichoe correu para confirmar, afinal de contas uma grana a mais não faz mal. Na sala a televisão estava ligada epassava um daqueles filmes sem pé nem cabeça criados pelos tão soberbos donos do mundo e que ossubalternos dominados admiram. Virgilio, porém achava estes e outros uma verdadeira chatice, não que fosse 8
  9. 9. um pensador ou filosofo que se procurasse com coisas melhores, mas como não estava acostumado com elana sua infância e adolescência e parte de sua recém começada juventude era um dos poucos que não seincluía nos laudos dos maníacos-telespectadores. Raimundo chegou. Eles foram buscar as duas moçoilas epassaram a noite toda no forró, se divertiram muito e pela manhã deixaram-nas em suas casas e se foram paraa pensão. 9
  10. 10. Parte 2 – Em busca da vida. O dinheiro que Virgilio recebeu foi muito pouco e prevendo um possível momento de desesperodecidiu ir atrás de outro emprego antes que o pouco que possuía se acabasse. Ouviu falar que existia um lugarque apoiava os desempregados indicando-os para as empresas e assim decidiu ir ver se isso era verdade.Quando lá chegou concluiu que lá só poderia ser um centro de apoio aos desempregados pela quantidade depessoas que lá estavam. –Hoje em dia os desempregados são muitos –. Depois de ficar horas na filafinalmente foi atendido. A atendente Marta pediu seus documentos, fez seu cadastro e disse: - Infelizmente não temos em nossos terminais vagas para sua profissão. - Que pena. Triste respondeu Virgilio. O desespero nos olhos de Virgilio parece que comoveu tanto a atendente que ela lhe perguntou: - Senhor Virgilio se você quiser temos uma vaga temporária numa empresa que faz entrega de listas telefônicas e de classificados. - Mas não tenho experiência. Retrucou. - Esta empresa não está exigindo experiência. É o melhor que tenho no momento para você. Conclui. Virgilio mais que depressa disse que gostaria muito de tentar essa vaga com um novo brilho em seusolhos, a esperança dele foi renovada. A atendente imprimiu uma carta de apresentação e lhe entregou dizendoque fosse no dia seguinte se apresentar no escritório da tal firma. Virgilio pegou a carta na mão com tal olforiaque os que ainda estavam na fila imaginaram que ele conseguiu um tremendo emprego. No dia seguinte Virgilio foi ao tal emprego. Fez a entrevista e começou a trabalhar na outra semana,pois já era quinta-feira e a empresa tinha por costume colocar os novos funcionários a trabalhar na terça-feira.Imagine só, Virgilio que ganhava tão pouco iria ganhar um pouco mais, no outro serviço de garçom eleganhava quase um salário mínimo e nesse agora iria ganhar um salário e uns quebrados. Ao chegar na pensãofoi logo contando a novidade para Raimundo e no fim de semana festejou que só o emprego que lhe ajudaria amelhor um pouco a vida. Se alguém lhe perguntava qual era seu novo emprego ele dizia: “ – Entregador delistas temporário!”. Para Virgilio temporário era titulo que tornava a palavra entregador mais importante,desconhecia que seu novo emprego era por período determinado e que não passaria de seus míseros noventadias. Chegou o dia tão esperado. Virgilio levantou às quatro horas da manhã e foi para base, o rapaz doRH4 lhe. O lugar onde todos os entregadores se reuniam para receber as comandas (listas de entrega comnomes e endereços dos clientes) se chamava base. Lá ele pode ver que fazia parte de um grupo de mais dequinhentas pessoas. O trabalho era dividido em equipes de mais ou menos trinta pessoas ao comando de umlíder chamado listeiro. Cada um recebeu um jaleco 5, um boné e um crachá provisório. Os listeiros seposicionaram em um local e os entregadores formaram uma fila indiana até a quantidade suficiente pararealizar o serviço. Virgilio ficou na equipe do listeiro Marcus e recebeu sua comanda com o numero de centoe doze listas para entregar, foi lhe dito para escolher um carinho para tal feito. O carrinho de entrega de listaspossuía duas rodas e seu funcionamento era na vertical ficando meio inclinado dando assim condições doentregador empurra-lo pela rua. Às sete horas da manhã os entregadores entraram nas vans e foram até o lugarda desova6. A equipe de Virgilio foi a primeira a chegar e na van apenas uma coisa lhe incomodava, ele haviaestranhado o fato de não terem levado as listas com eles e pensava: “ – Como entregaremos listas se nãoestamos levando nenhuma?”; porém para sua surpresa ao chegarem no local onde iriam realizar seu trabalhoestava parado o caminhão da firma colocando as listas num mesmo lugar, ele nunca havia visto tantas listas navida. Ao saber que era a primeira vez que Virgilio entregaria listas Marcus o listeiro deixou que ele fizesseuma das comandas mais fáceis onde à entrega se realizaria em apenas uma rua. Virgilio se achou o máximo,pois antes das quatro horas da tarde seu trabalho havia sido realizado e ao ver outros que chegaram após asseis dizia consigo mesmo: “ – Que pobres coitados, não sabem trabalhar!” Quando retornaram todos dasentregas já era quase sete horas da noite e Virgilio estava irritado, afinal ele havia terminado seu serviço cedoe os outros lhe estavam lhe impedindo de ir embora. Dentro da van ele pode ver muitos entregadores com o4 RH= Esta sigla significa Recursos Humanos, que é o departamento da empresa que cuida das contratações edemais responsabilidades contábeis e etc. dos funcionários.5 Jaleco= Uniforme padronizado com emblema da empresa que entrega as listas e da que é proprietária daslistas.6 Desova. Para os entregadores de listas é o local em que o caminhão deixa a carga total de listas que serádistribuída naquela região. 10
  11. 11. sorriso estampado e contando muita vantagem. Um diziam: “ – Consegui trinta mangos7!” Outro disse: “ –Consegui vinte e cinco” e assim ele pode ver cada um conquistou entre quinze a cinqüenta Reais pedindocaixinha8. Virgilio perguntou a um dos seus companheiros como havia conseguido que as pessoas lhe dessemtanto reais como caixinha, pois ele não havia ganhado nada. A resposta foi: “– Se você não pedir o máximoque irá ganhar é umas miseras moedas. Então pensou consigo: “ –Se cada um ganha este tanto de caixinhaeles tem razão de pedi-las, mas não sei se também vou fazer assim, pois na entrevista me disseram que éproibido pedir essa tal de caixinha”. Quando Virgilio estava pensando em pedir ou não as tão atraentescaixinhas a porta da van se abriu, eles haviam chegado na base e foram liberados para ir de volta as seus lares.Ao chegar na pensão contou aos colegas de quarto quão bom entregador ele se saiu no seu primeiro dia e queouvira dizer que aqueles que se esforçassem e fossem os melhores entregadores ganharão como prêmio aefetivação na empresa e irão fazer leitura de energia nas casas. Virgilio dizia: “ – Essa boquinha9 já é minha”.Depois de comer um pouco e tagarelar mais alguns minutos nosso herói desmaiou e só acordou com o barulhodo relógio que dizia que já eram quatro horas da manhã, hora de ir trabalhar. Virgilio viu se repetir todos os acontecimentos do dia anterior. Chegou na base, viu os mais dequinhentos entregadores formando filas para pegarem suas comandas com os listeiros. Entraram nas vans eforam para o local da desova. Quase tudo se repetiu, exceto que a equipe de Virgilio foi à última a sair e quesua comanda lhe atribuía a entrega de cento e trinta listas em pelos menos vinte e duas ruas. O local da desovaera no bairro de Vila Moraes. Eram quase nove horas da manhã e o motorista da van que ia levar Virgilio aomelhor ponto entre as ruas que ele havia de fazer suas entregas ainda não havia voltado de levar a penúltimaleva de companheiros. As vans levavam de três ou quatro entregadores com suas listas e carrinhos aos lugaresque lhe dariam melhores condições de entregar as listas e por isso Virgilio esperava sua vez quando chegou omotorista da van e lhe disse: - Porque você ainda está aqui Virgilio a suas ruas são próximas daqui, encha seu carrinho de listas e vá indo, você não terá trabalho nenhum para fazer seu serviço. Estes outros entregadores estão com ruas mais longes e eu devo leva-los para não atrasar nosso serviço. Pobre Virgilio. Acreditou nas palavras do Motorista e logo encheu o carrinho indo em direção as ruasque deveria entregar suas listas. Ao andar três quarteirões e chegar ao local de suas entregas levou umtremendo susto. As ruas em que estava determinadas suas entregas eram todas com declives grandes. Naprimeira rua ele olhou e viu que seria difícil descer com seu carrinho, mas mesmo assim tentou. Que belatentativa foi esta de descer uma rua tão íngreme, seu carrinho desgovernou e foi lista para todo lado. Lá se foiele a ajuntar as listas e tentar subir a rua com seu carrinho cheio, mas não conseguiu. Parece que nem umhalterofilista poderia subir e descer qualquer ladeira com um carrinho daquele cheio, muito menos Virgilioque apenas um moço franzino. Um carrinho daquele de Virgilio cabia cento e dez listas, mas apertando nomáximo cento e trinta que se multiplicarmos por um quilo e novecentas gramas que é o peso de cada listasnós temos duzentos e quarenta e sete quilos. Nosso herói estava numa posição difícil, tentou levar os pacotescom cinco listas cada. Pegou um pacote numa mão e outro noutra e foi até a próxima rua, mas ao levar aquarta viagem disse: “ – Desisto. Mal comecei a carregar e os fitilhos que seguram estas listas estão amachucar minhas mãos e ainda por cima o local para começar minhas entregas ainda esta um pouco distante”.Ainda bem que Virgilio tinha uma dádiva dos céus em sua vida – a perseverança – Ele não desanimou. Aover um carro com carroceria passar lhe fez sinal e este parou. Nosso herói pediu que lhe levasse suas listas atéo cruzamento da rua dez que ficava no ponto chave para ele realizar suas entregas e assim ele fez. Como emcada uma das vinte e duas ruas ele não tinha mais que seis listas para entregar, colocou poucas listas nocarrinho e passou a fazer quatro ruas de cada vez. Mal pode ter tempo para comer. Ao entregar uma lista emum bar recebeu como caixinha um refrigerante e um salgado. Em outra casa uma senhora lhe viu o rostosofrido e lhe deu um copo com suco de maracujá dizendo que deveria se acalmar. O dia se foi, e o homem quese gabava por ter sido mais rápido que seus companheiros se via sendo o último a chegar na desova, quase asoito horas da noite ainda por que o mesmo motorista da van que lhe havia dito que as ruas para ele realizarsuas entregas eram perto e fáceis lhe foi buscar e o encontrou fazendo a última entrega e disse: - O quê aconteceu com você rapaz, todos estavam preocupados. - Nada. Apenas me embaralhei um pouco, mas consegui fazer o serviço.7 Mangos= Significa dinheiro e no texto acima que ele conseguiu trinta Reais.8 Caixinha= A caixinha seria uma contribuição em forma de dinheiro ou um presente dado ao entregador nomomento em que ele entrega a lista.9 Boquinha= É uma gíria que quer dizer emprego, ou seja, Esse emprego já é meu! 11
  12. 12. Marcus não gostou do horário que o ex-super entregador voltou e ainda mais porque não recebeunada de Virgilio. Os outros dias também foram difíceis para Virgilio que não conseguia terminar suasentregas antes das seis horas e pela expressão de Marcus que ao perguntar onde estava o dele ouvia semprecomo resposta: “ –Ainda não entendi esta piada”. Tudo estava tão difícil até que no sexto dia da campanha 10as comandas de entrega vieram reduzidas e por isso dois entregadores tiveram de dividir uma mesmacomanda. Virgilio fez par com um entregador chamado Hugo o qual já era experiente e de longas datasparticipava das campanhas promovidas por essa empresa de logística que os contratará. Hugo incentivouVirgilio entregar as listas e pedir com um jeitinho especial uma colaboração para cada casa que era visitadapor eles. Os dois se saíram bem. Entregaram as listas antes das três horas da tarde e ainda cada um estava comvinte e cinco reais no bolso. Ao voltarem para desova Hugo disse a Virgilio: - Virgilio separe sete reais para entregarmos ao Marcus. - Por quê? Disse Virgilio. - Ele sabe quais são as melhores comandas e amanhã ele pode nos entregar. Replicou Hugo. Agora Virgilio entendeu porque nos outros dias Marcus sempre pedia o dele. Os dois deram paraMarcus quinze reais. Hugo disse que estava entregando a sua parte e a de Virgilio e que no dia seguinte se ascomandas fossem boas o agrado para o café de Marcus poderia ser melhor, este apenas sorriu. Imagine quedos trinta entregadores cada um desse para o listeiro todo dia uns dez reais e isso se somasse ao seu salário.Virgilio pensou nisso, porém ao lembrar que alguns políticos, policiais, juizes fazem coisas parecidasdesanimou (talvez nem em tudo dá pra perseverar!?) de falar algo contra esta prática e se ajuntou aos outros.Começou a pedir caixinha e reservar a parte do seu ganancioso listeiro. Entregar lista não é fácil. Em dia de sol o suor e a fadiga são inimigos terríveis. Nos dias nublados seo serviço não for rápido, pode se voltar para a van todo ensopado. Como era final de ano entre caixinhas e seusalário Virgilio conseguiu ajuntar um tamanho dinheiro que ele mesmo nem acreditava. Do seu empregoanterior iria levar pelo menos um ano para receber o mesmo tanto. Veja só, em apenas um dia em vésperas denatal recebeu quase duzentos reais em caixinhas. Estava tão feliz nosso herói que sua felicidade era quase...talvez me pergunte porque quase? A campanha chegou ao final. Ele não conseguiu ser promovido a leitor derelógio de energia. Ficou novamente desempregado. Lá se foi Virgilio novamente ao centro de apoio ao desempregado tentar novamente arrumar algumemprego. Era época eleitoreira e aquele sujeito que idealizou (na verdade não foi quem inventou o centro deapoio ao desempregado, mas um entre tantos oportunistas) este projeto de apoio ao desempregado tentava sebeneficiar em sua campanha com os votos dos necessitados desempregados. Feita a pesquisa para Virgiliodepois de umas oito horas de fila a resposta a sua ansiedade foi dura, ou seja, “não há vaga” em nossosregistros. Tristonho e desconsolado lá se vai nosso Paraíba retornando a sua tão bela pensão. Como pobre nãopode ver dinheiro aconteceu o inevitável com o nosso protagonista do agreste: gastou e gastou e ainda gastou.Teve de sair da pensão, sabe como é, sem dinheiro, sem condições de pagar aluguel em pensão não se podemorar. Ele foi morar no fundo da casa de um entregador de listas que conheceu na sua primeira campanha.Morou por um período de dois meses e foi-se. Parece que ouvi sua pergunta. Tu perguntaste para onde, né?Como amizade não paga despesa o bom amigo e ex- entregador mandou Virgilio se virar e ir embora, o qualencontrou abrigo na casa de sua querida Ritinha. Ritinha tinha se apropriado de um terreno que ninguém sabiaqual era o proprietário. Você pode dizer isso se chama roubo. Espera ai calúnia e difamação dão cadeia e cadaum de nós e inclusive você caro leitor deve tomar cuidado com palavras mal colocadas. Não, não fique commedo. Eu e os meus caros personagens te perdoamos, pois talvez você nunca esteve a morar em uma cidadecomo São Paulo. Ei, já estava me esquecendo. Nós estávamos falando que Ritinha havia adquirido umterreno, mas não sozinha. Ela e mais umas quinhentas famílias entraram em uma área desocupada e nãoutilizada e demarcaram os terrenos. Cada um pegou a metragem de cinco por vinte cinco e tratou logo deconstruir. Pra correr da pensão ela construiu com a ajuda do Zezão pedreiro um primo bem disposto umcômodo e um banheiro e pulou para dentro. Como todo leitor que se preze você é daqueles indagadores e jádeve ter pensado o por que de Virgilio não ter ajudado. Daremos as devidas explicações. Em uma das famosasfestas do arrasta pé, ou forrozão – “gosto não se discute” – por causa de ciúmes eles brigaram e enquantoaconteceu este incidente (Ritinha e a casa) e o outro incidente (Virgilio mora de favor na casa do amigo ex-entregador) os dois não entraram em contato, porém, quando Virgilio a exemplo de filmes antigos caminhavadesconsolado com suas trouxas nas costas perto da pensão onde morava foi avistado por Ritinha que morandode dó o levou para sua casinha. “Comovente, não é!?”10 Campanha = É denominada campanha o período de dias para a entrega das listas. 12
  13. 13. Na casa de Ritinha os dois fazem as pazes e conversam e conversam até entrar na madrugada edepois... Ops! Eu acredito que você já sabe, não quero detalhar estás cenas, ainda porque este livro está nasmãos de... Como se tu tens ou não idade vou pular para os diálogos. Ha! ha! ha! (risos, meus é lógico) talvez tu me aches um chato, talvez aches alguma coisa que nãosei, mas na verdade eu não quero saber e se continuar a escrever esse parágrafo que não leva a lugar... Espereai, estou me criticando... Não, não e não eu sou um escritor e devo zelar por minhas... Na verdade devo voltara historia. Nós estamos na conversa que adentrou pela madrugada. Ritinha perguntou a Virgilio: - Quando você estava morando estes dois meses na Casa de tal de Leleco você não trabalhou, não fez nada Virgilio? - Claro que sim Ritinha. Depois de ir lá no centro de apoio ao desempregado e não conseguir nada chegou uma carta na casa de Leleco pedindo meu voto e me oferecendo um trabalho. - Mas como sabiam seu endereço, pois não fazia nem uma semana que você estava morando no Leleco? - Acho que foi porque eu falei para a atendente que estava morando na casa de Leleco. - Mas você não ganhou dinheiro para pagar o aluguel que ele queria? - Trabalhei um mês e quinze dias como um camelo e quando achei que ia receber alguma coisa, depois de tanta enrolação quando cheguei num dia bem cedo para trabalhar e cobrar o pagamento o comitê político havia se mudado. - Pra onde, home? - Num sei, muié! Ambos caíram na risada. Ao falarem dessa maneira estavam não somente brincando com o sotaquenordestino, mas fazendo uma terapia para não chorar com as dificuldades e ficar mais e mais irado com certostipos de pessoas que não tem honra nas suas atitudes. - Uma coisa eu te digo. Esse tal de fulaninho não terá meu voto. Disse Virgilio. - Você já transferiu o seu titulo meu amor. Ritinha perguntou. - Não, mas sei que se tivesse transferido não votaria nele. Retrucou Virgilio. - O voto é muito importante Virgilio, pena que eu sempre o desprezei. Eu nem lembro em quem eu votei na penúltima eleição, mas agora, nesta que passou a pouco dias eu anotei e vou ver o desempenho dele e se não fazer nada na próxima o meu voto ele não vai ter, não. - Hora Ritinha, você acha que uma Zé ninguém como você pode impedir que algum político vá para o poder? - Todo o povão pensa como você Virgilio e é por isso que nosso município, estado e país estão do jeito que estão. Uma coisa eu te digo se depender de mim está historia vai mudar e ponto final. Será que este dialogo se identifica com alguém caro leitor? 13
  14. 14. Parte 3 – O encontro com a vida. Virgilio foi um homem afortunado. Não se preocupe com a palavra foi, não quero dizer que elemorreu, pelo menos não agora, apesar de Virgilio ser um homem que figura apenas nestas linhas e em minhamemória e espero que também na tua. Estou decorrendo ao epílogo de nossa história e pedi a ajuda de umamigo critico e fictício para analisar o conteúdo das linhas a seguir. Virgilio se casou com Ritinha (aparentemente não tem nada de especial, apesar que a moda é seamigar e não casar) . Teve dois lindos filhos (demonstra planejamento familiar, ou falta de dinheiro mesmo).Concluiu o ensino fundamental e médio e ainda fez um curso técnico (algo difícil de ver entre os...desiludidos com a vida). Conseguiu um emprego numa grande firma de construção e trabalhou uns três anoscom a carteira fichada e um salário razoável ( por incrível que pareça isto está virando algo difícil). ajuntouuma boa grana nestes três anos e foi passear com a família em sua terra natal. Lá comprou um jornal e viu umedital de abertura de algumas vagas para um emprego público na cidade e logo se escreveu, pagou a taxa e nodia certo fez a prova. Não passou (em semelhança da iniciativa privada existe empregos que só o Q.I.11 bemforte pode fazer o cidadão conquistar). Queria ficar por lá, mas sem emprego decidiu voltar para a terra dosovos quase de ouro (algo aparentemente inteligente, ou melhor, a necessidade é urgente). Em São Paulopassou dois anos desempregado, mas mesmo assim conseguiu fazer uns bicos 12, fez um curso de cabeleireiroporque ouviu dizer que era a profissão do momento e que não iria mais ficar duro, sem dinheiro. Na verdade oque ele ouviu não era uma mentira, porém, ele não foi o único a ouvir está frase e por isso ao terminar seucurso e trabalhar alguns meses nesta profissão compreendeu que era um entre milhares. Com dividas até opescoço e quase a desanimar Virgilio recebeu o convite para trabalhar na área de segurança em uma fundaçãode auxilio ao adolescente infrator. Mesmo sem curso de segurança ele topou o convite. Ele não estavaassistindo ultimamente os programas televisivos, você lembra que ele não gostava muito disto? Sim, o salárionão tão ruim e lá se foi ele. Que dificuldades ele passou, você nem pode imaginar (De medico, psicólogo elouco todos tem um pouco). O engraçado que mesmo sendo por algumas vezes refém desses pobres anjinhosrecebendo medidas sócio-educativas ele, nosso herói (ou louco) fez um concurso público para continuartrabalhando entre ferros afiados e pessoas ajustadas (não acredito). Não precisou de grande Q.I., pois anecessidade de empurrar alguns para dentro foi maior do que o próprio Virgilio pensava. Depois de dois anosafastado da função por problemas neurológicos e psiquiátricos (Eu sabia). Talvez você me perguntes porqueestes dois problemas e antes disso eu lhe respondo que o neurológicos foi por causa de uma fratura no crâniodevido a pancada, entendeu? E psiquiátricos porque ao escutar em um tumulto de pequenas proporçõestelevisivas o balbuciar eufórico de “mata ele” nunca mais foi esquecido em sua memória. Virgilio conseguiu.Está novamente em seu seio materno. Comprou uma casinha e a de São Paulo que era quase sua, vendeu.Agora ele planta e colhe. Comprou também um terreninho que dá pra levar a vida. De manhã bem cedo senteo ar puro e sempre lê as cartas dos filhos que nas férias trabalhistas iram passear no seu apê 13 (isso é de seesperar). Ritinha gosta de estar junto de seu enrugado companheiro, os anos se foram, mas afinal de contas ossonhos não envelhecem. Nesta cidadezinha que respira ares de progresso os dois são comerciantes delegumes. Eles já foram assaltados..E daí isso parece algo como comum você vai me dizer (claro!). Mas estefoi motivo pelo qual se desgostaram daquele lugar que eles adoravam. Na verdade eles se cansaram daquelavidinha e depois de alguns anos eles se foram. Não, não ainda não morreram, apenas voltaram para São Paulonão agüentaram mais aquele vida sossegada de cidade interiorana e no lar doce lar puderam, sim, puderam ir.Passaram ainda alguns anos no meio da correria paulistana, porém eles faleceram e foram sepultados em umdos cemitérios superlotados da cidade que mal se lembra daqueles que lhe foram adotados como filhos eforam esquecidos. A não ser por estas linhas que você acabou de ler.11 Q.I. = Esta sigla Q.I. não está ligado ao termo que indica inteligência, mas é uma abreviação da frase“QUEM INDICA!” que significa que a indicação é fundamental para assumir o cargo.12 Bico = Chama-se bico o trabalho informal sem registro e etc.13 Apê = abreviatura de apartamento, mas que denota o sentido de casa ou lugar onde se mora. 14

×