SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Gênero discursivo: Crônicas Aprofundamento: 2010 Aula 4: 26/04.
[object Object],Crônica
[object Object],Crônica
Isso dá Crônica ,[object Object]
Isso dá Crônica
Características da Crônica ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Características da Crônica
[object Object],[object Object],Crônica
[object Object],Crônica
[object Object],Crônica
Medo da Eternidade   Jamais esquecerei o meu aflitivo e dramático contato com a eternidade. Quando eu era muito pequena ainda não tinha provado chicles e mesmo em Recife falava-se pouco deles. Eu nem sabia bem de que espécie de bala ou bombom se tratava. Mesmo o dinheiro que eu tinha não dava para comprar: com o mesmo dinheiro eu lucraria não sei quantas balas. Afinal minha irmã juntou dinheiro, comprou e ao sairmos de casa para a escola me explicou: - Como não acaba? - Parei um instante na rua, perplexa. - Não acaba nunca, e pronto. - Eu estava boba: parecia-me ter sido transportada para o reino de histórias de príncipes e fadas. Peguei a pequena pastilha cor-de-rosa que representava o elixir do longo prazer. Examinei-a, quase não podia acreditar no milagre. Eu que, como outras crianças, às vezes tirava da boca uma bala ainda inteira, para chupar depois, só para fazê-la durar mais. E eis-me com aquela coisa cor-de-rosa, de aparência tão inocente, tornando possível o mundo impossível do qual já começara a me dar conta. - Com delicadeza, terminei afinal pondo o chicle na boca. - E agora que é que eu faço? - Perguntei para não errar no ritual que certamente deveira haver. - Agora chupe o chicle para ir gostando do docinho dele, e só depois que passar o gosto você começa a mastigar. E aí mastiga a vida inteira. A menos que você perca, eu já perdi vários. - Perder a eternidade? Nunca. O adocicado do chicle era bonzinho, não podia dizer que era ótimo. E, ainda perplexa, encaminhávamo-nos para a escola. - Acabou-se o docinho. E agora? - Agora mastigue para sempre.
Assustei-me, não saberia dizer por quê. Comecei a mastigar e em breve tinha na boca aquele puxa-puxa cinzento de borracha que não tinha gosto de nada. Mastigava, mastigava. Mas me sentia contrafeita. Na verdade eu não estava gostando do gosto. E a vantagem de ser bala eterna me enchia de uma espécie de medo, como se tem diante da idéia de eternidade ou de infinito. Eu não quis confessar que não estava à altura da eternidade. Que só me dava aflição. Enquanto isso, eu mastigava obedientemente, sem parar. Até que não suportei mais, e, atrevessando o portão da escola, dei um jeito de o chicle mastigado cair no chão de areia. - Olha só o que me aconteceu! - Disse eu em fingidos espanto e tristeza. - Agora não posso mastigar mais! A bala acabou! - Já lhe disse - repetiu minha irmã - que ela não acaba nunca. Mas a gente às vezes perde. Até de noite a gente pode ir mastigando, mas para não engolir no sono a gente prega o chicle na cama. Não fique triste, um dia lhe dou outro, e esse você não perderá. Eu estava envergonhada diante da bondade de minha irmã, envergonhada da mentira que pregara dizendo que o chicle caíra na boca por acaso. Mas aliviada. Sem o peso da eternidade sobre mim.
Sentindo em seu sangue o tumultuar ardente dos ginetes impávidos de sua configuração cósmica, estrelas maduras de sua juventude, Chapeuzinho Vermelho tentava atravessar a Floresta agreste onde uma rosa é uma rosa é uma rosa é uma rosa, onde as árvores eram ao mesmo tempo como frutos de amor da terra pelo vento e pelo sol e uma obstinação da natureza contra o homem, quando viu surgir à sua frente a figura contrastante e terrificadora do Lobo Mau, que lhe perguntou aonde se dirigia.  -"Ah"- disse o Lobo - "que maravilha és e que maravilha que fosses minha namorada. Porque o maravilhoso, quando se encontra o Ser que se Ama, a Enamorada distante, é os dois ficarem calados, nada dizendo, ela sabendo que naquele silêncio está sendo mais amada que nunca, tornando-se mais linda em seu quieto silêncio." E, assim, envolvida pelo som dessa voz, Chapeuzinho Vermelho prossegue seu caminho, chega à casa da sua avó e, na surpresa de encontrá-la acordada, pergunta por quê. Ah, o porquê da insônia. Neurastenia Noturna. Agonia do Cérebro. "Minha avó"- pergunta Chapeuzinho - "por que tens orelhas tão grandes?" "Ah, filha, isso é para ouvir o ouvido e o som do teu som. Quando tiveres ido há muito, inda te sentirei junto a mim." "Vó, e por que esses olhos tão grandes?" "Ah, filha, é para a contemplação da Beleza, a Beleza de todos os dias, a luz das estrelas que vivemos perdendo." -"Vó, e para que esses dentes tão grandes?"- "Ah, filha, acredito no Amor, pássaros, ondas, céus, palavras claras e também confusas. Acredito que o amor é um manjar do céu, que a criatura amada é o único alimento do coração, e por isso tenho esses dentes tão grandes: porque és o meu amor." Quando ele e ela se tornaram uma só pessoa, então a vida começou e não haverá mais Fim, pois não pode haver Fim quando duas pessoas estão juntas, uma dentro da outra. (Millôr Fernandes) CHAPEUZINHO VERMELHO À MODA ROMÂNTICA
O caso triste deu-se por estas bandas - ela magrinha e jeitosa ia passando pelo caminho do Quixadá levando no braço a cesta de baba-de-moça e de pudim de coco que a mãe fizera para a vó quando o tipo forte, grosso, simpático, saltou dos matos e interrompeu-a: "Onde é que tu vai com esse chapeuzinho tão vermelhinho na cabeça?" Ela ficou de medo rija, mas ao mesmo tempo achava o moço simpático, disse que ia ali mesmo levar uns negócios pra vó, ele perguntou aonde, disse se não podia acompanhá-la. Ela se fez de rogada, abanou que não. Mas o tipo era sabido, conhecia a redondeza, atravessou a ribeira, pulou o cercado, arrodeou o açude, afastou os porcos na engorda por trás da casa do Chico Vira-Mão e foi desembestar suarento e resfolegante na casa da avó da Cabecinha Encarnada. Só teve mesmo tempo de matar a velha, enterrar embaixo da banheira e se deitar na cama que já as batidas fracas na porta diziam que a mocinha estava ali. Diz que ela entrou, botou os doces em cima do baú e foi dar uma palavra com a vó que há muito não via. Estranhou e perguntou: "Vovó, por que a senhora está com orelhas tão grandes?" A vó respondeu que estava ficando velha, que orelha de gente velha vai mesmo crescendo, depois explicou a ela que seu nariz estava assim porque ela tinha pegado um golpe de ar e, na hora em que a mocinha perguntou por que aqueles dentões tão enormes, o tipão já não deixou nem ela ter tempo de falar mais nada, tapou-lhe a boca, puxou uma peixeira e tome facada. Foi preso, está esperando condenação. Aos jornalistas diz que não se arrepende, que tinha amor, depois teve o amor transformado em ódio e que prefere ver ela morta que com cara de nojo pra ele. Diz que prisão por prisão prefere mesmo essa, que homem foi feito pra sofrer duro mas não para penar de mulher viva. (Millôr Fernandes)
Tenho que Chapeuzinho Vermelho, essa pobre moça vítima das insídias do Lobo Mau, não está sozinha nesta Batalha de Eras. Envolvida no ardil torpe de um ser altamente experimentado nas artimanhas de nosso tempo ela se deixou sucumbir. Não deduzamos, porém, loucamente, que tudo esteja perdido. A floresta em que Chapeuzinho se perdeu é o próprio símbolo dos desvios e perigos a que estamos sujeitos neste mundo sem Fé. E quando ela pergunta e pede informações em sua inocência fundamental, quem a guia e orienta é justamente um ser da pior espécie. Já a própria primariedade do ardil empregado indica a pureza da jovem. Outra, de maiores recursos imorais, experiente na lógica prática da vida, teria compreendido e resistido ou se perdido para todo sempre. Conheci Chapeuzinho Vermelho quando me dirigia para a Missão Livingstoniana, logo depois de terminada a Grande Guerra. Sei por isso que não pensou, dada a pureza que lhe reconheci, nas diferenças primaciais entre sua Avó e o Lobo. Isso a salva e aniquila o valor do Mal. E bastaria que dessa catástrofe sobrasse a glória de sua inocência, para que qualquer homem de Bem pudesse continuar a crer na sobrevivência do amor. Pois está no plano da natureza que a alma é mais importante que o corpo, e, salva a parte mais importante da criatura humana em Chapeuzinho, está salva com ela a humanidade. (Millôr Fernandes)
Era uma vez (admitindo-se aqui o tempo como uma realidade palpável, estranho, portanto, à fantasia da história) uma menina, linda e um pouco tola, que se chamava Chapeuzinho Vermelho. (Esses nomes que se usam em substituição do nome próprio chamam-se alcunha ou vulgo). Chapeuzinho Vermelho costumava passear no bosque, colhendo Sinantias, monstruosidade botânica que consiste na soldadura anômala de duas flores vizinhas pelos invólucros ou pelos pecíolos, Mucambés ou Muçambas, planta medicinal da família das Caparidáceas, e brincando aqui e ali com uma Jurueba, da família dos Psitacídeos, que vivem em regiões justafluviais, ou seja, à margem dos rios. Chapeuzinho Vermelho andava, pois, na Floresta, quando lhe aparece um lobo, animal selvagem carnívoro do gênero cão e... (Um parêntesis para os nossos pequenos leitores — o lobo era, presumivelmente, uma figura inexistente criada pelo cérebro superexcitado de Chapeuzinho Vermelho. Tendo que andar na floresta sozinha, - natural seria que, volta e meia, sentindo-se indefesa, tivesse alucinações semelhantes.) Chapeuzinho Vermelho foi detida pelo lobo que lhe disse: (Outro parêntesis; os animais jamais falaram. Fica explicado aqui que isso é um recurso de fantasia do autor e que o Lobo encarna os sentimentos cruéis do Homem. Esse princípio animista é ascentralíssimo e está em todo o folclore universal.) Disse o Lobo: "Onde vais, linda menina?" Respondeu Chapeuzinho Vermelho: "Vou levar estes doces à minha avozinha que está doente. Atravessarei dunas, montes, cabos, istmos e outros acidentes geográficos e deverei chegar lá às treze e trinta e cinco, ou seja, a uma hora e trinta e cinco minutos da tarde".
Ouvindo isso o Lobo saiu correndo, estimulado por desejos reprimidos (Freud: "Psychopathology Of Everiday Life", The Modern Library Inc. N.Y.). Chegando na casa da avozinha ele engoliu-a de uma vez — o que, segundo o conceito materialista de Marx indica uma intenção crítica do autor, estando oculta aí a idéia do capitalismo devorando o proletariado — e ficou esperando, deitado na cama, fantasiado com a roupa da avó. Passaram-se quinze minutos (diagrama explicando o funcionamento do relógio e seu processo evolutivo através da História). Chapeuzinho Vermelho chegou e não percebeu que o lobo não era sua avó, porque sofria de astigmatismo convergente, que é uma perturbação visual oriunda da curvatura da córnea. Nem percebeu que a voz não era a da avó, porque sofria de Otite, inflamação do ouvido, nem reconheceu nas suas palavras, palavras cheias de má-fé masculina, porque afinal, eis o que ela era mesmo: esquizofrênica, débil mental e paranóica pequenas doenças que dão no cérebro, parte-súpero-anterior do encéfalo. (A tentativa muito comum da mulher ignorar a transformação do Homem é profusamente estudada por Kinsey em "Sexual Behavior in the Human Female". W. B. Saunders Company, Publishers.) Mas, para salvação de Chapeuzinho Vermelho, apareceram os lenhadores, mataram cuidadosamente o Lobo, depois de verificar a localização da avó através da Roentgenfotografia. E Chapeuzinho Vermelho viveu tranqüila 57 anos, que é a média da vida humana segundo Maltus, Thomas Robert, economista inglês nascido em 1766, em Rookew, pequena propriedade de seu pai, que foi grande amigo de Rousseau.
Motel  Mirtes não se agüentou e contou para a Lurdes: - Viram teu marido entrando num motel.  A Lurdes abriu a boca e arregalou os olhos. Ficou assim, uma estátua  de espanto, durante um minuto, um minuto e meio. Depois pediu detalhes.  - Quando? Onde? Com quem?  - Ontem. No Discretissimu's.  - Com quem? Com quem?  - Isso eu não sei.  - Mas como? Era alta? Magra? Loira? Puxava de uma perna?  - Não sei, Lu.  - O Carlos Alberto me paga. Ah, me paga.  Quando o Carlos Alberto chegou em casa e ... Lurdes anunciou que iria deixá-lo. E contou por quê.  - Mas que história é essa, Lurdes? Você sabe quem era a mulher qu e estava comigo no motel. Era você.  - Pois é. Maldita hora em que eu aceitei ir. Discretissimu's! Toda a  cidade ficou sabendo. Ainda bem que não me identificaram.  - Pois então?  - Pois então que eu tenho que deixar você. Não vê? É o que to das as minhas amigas esperam que eu faça. Não sou mulher de ser enganada pelo mar ido e não reagir.  - Mas você não foi enganada. Quem estava comigo era você!  - Mas elas não sabem disso!  - Eu não acredito, Lurdes. Você vai desmanchar nosso casamento por  isso? Por uma convenção?  - Vou.  Mais tarde, quando a Lurdes estava saindo de casa, com as malas, o Carl os Alberto a interceptou. Estava sombrio.  - Acabo de receber um telefonema - disse. - Era o Dico.
- O que ele queria?  - Fez mil rodeios, mas acabou me contando. Disse que, como meu amigo, tinha que contar.  - O quê?  - Você foi vista saindo do motel Discretissimu's ontem, com um homem.  - O homem era você.  - Eu sei, mas eu não fui identificado.  - Você não disse que era você?  - O quê? Para que os meus amigos pensem que eu vou a motel com a min ha própria mulher?  - E então?  - Desculpe, Lurdes, mas...  - O quê?  - Vou ter que te dar um tiro.  Luís Fernando Veríssimo
TIPOS DE CRÔNICA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
TIPOS DE CRÔNICA ,[object Object],[object Object]
TIPOS DE CRÔNICA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
TIPOS DE CRÔNICA ,[object Object],[object Object],[object Object]
TIPOS DE CRÔNICA ,[object Object],[object Object]
TIPOS DE CRÔNICA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
TIPOS DE CRÔNICA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Provérbios e ditos populares ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Provérbios e ditos populares ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Provérbios e ditos populares ,[object Object]
O “Auto da Barca do Inferno”, ao que tudo indica, foi apresentado pela primeira vez em 1517 na câmara da rainha D. Maria de Castela, que estava enferma. Esse Auto, classificado pelo próprio autor como um “auto de moralidade”. Espaço:   Tem como cenário um porto imaginário, onde estão ancoradas duas barcas: uma com destino ao paraíso, tem como comandante um anjo; a outra, com destino ao inferno, tem como comandante o diabo, que traz consigo um companheiro.  Tempo:  Com relação a tempo, pode-se dizer que é psicológico, uma vez que todos os personagens estão mortos, perdendo-se assim a noção do tempo. Linguagem:  Redondilhas maiores  (sete sílabas poéticas), linguagem coloquial para caracterizar a posição social dos personagens. Estrutura:  A peça é composta de apenas um ato dividido pelas falas do anjo e do diabo. Características da obra:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hamlet, ler ou não ler, eis a questão.
Hamlet, ler ou não ler, eis a questão.Hamlet, ler ou não ler, eis a questão.
Hamlet, ler ou não ler, eis a questão.Obed Souza
 
A minha menina, por Ricardo Jorge Graça Barbudo
A minha menina, por Ricardo Jorge Graça BarbudoA minha menina, por Ricardo Jorge Graça Barbudo
A minha menina, por Ricardo Jorge Graça Barbudochogall
 
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 dGraça Matos
 
Um EspaçO, Uma EstóRia
Um EspaçO, Uma EstóRiaUm EspaçO, Uma EstóRia
Um EspaçO, Uma EstóRiaMaria Maló
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoAELPB
 
20120803 caderno poemas ciclo 3
20120803 caderno poemas ciclo 320120803 caderno poemas ciclo 3
20120803 caderno poemas ciclo 3crepalmela
 
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1lousrondon
 
Aquela alice pintada de sangue
Aquela alice pintada de sangueAquela alice pintada de sangue
Aquela alice pintada de sangueMarcella Cristina
 
01 o segredo da amizade
01   o segredo da amizade01   o segredo da amizade
01 o segredo da amizadeDiigoVaz
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 15-16
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 15-16Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 15-16
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 15-16luisprista
 

Mais procurados (18)

Hamlet, ler ou não ler, eis a questão.
Hamlet, ler ou não ler, eis a questão.Hamlet, ler ou não ler, eis a questão.
Hamlet, ler ou não ler, eis a questão.
 
Revist'A Barata - 03
Revist'A Barata - 03Revist'A Barata - 03
Revist'A Barata - 03
 
Zeli pausa
Zeli pausaZeli pausa
Zeli pausa
 
Ok _________florinda ebook
Ok  _________florinda ebookOk  _________florinda ebook
Ok _________florinda ebook
 
A minha menina, por Ricardo Jorge Graça Barbudo
A minha menina, por Ricardo Jorge Graça BarbudoA minha menina, por Ricardo Jorge Graça Barbudo
A minha menina, por Ricardo Jorge Graça Barbudo
 
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d
 
Um EspaçO, Uma EstóRia
Um EspaçO, Uma EstóRiaUm EspaçO, Uma EstóRia
Um EspaçO, Uma EstóRia
 
A loira do banheiro
A loira do banheiroA loira do banheiro
A loira do banheiro
 
Coisas que só eu sei
Coisas que só eu seiCoisas que só eu sei
Coisas que só eu sei
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
 
Meu primeiro-beijo
Meu primeiro-beijoMeu primeiro-beijo
Meu primeiro-beijo
 
20120803 caderno poemas ciclo 3
20120803 caderno poemas ciclo 320120803 caderno poemas ciclo 3
20120803 caderno poemas ciclo 3
 
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
 
Aquela alice pintada de sangue
Aquela alice pintada de sangueAquela alice pintada de sangue
Aquela alice pintada de sangue
 
1 4918339399097254230
1 49183393990972542301 4918339399097254230
1 4918339399097254230
 
01 o segredo da amizade
01   o segredo da amizade01   o segredo da amizade
01 o segredo da amizade
 
Livro de poesia
Livro de poesia Livro de poesia
Livro de poesia
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 15-16
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 15-16Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 15-16
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 15-16
 

Semelhante a Aprofundamento 04

Um romance rui zink - conto
Um romance   rui zink - contoUm romance   rui zink - conto
Um romance rui zink - contoz895911
 
Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptx
Crônicas para jovens,  Clarice Lispector.pptxCrônicas para jovens,  Clarice Lispector.pptx
Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptxCrisBiagio
 
Memórias de um lobo mau
Memórias de um lobo mauMemórias de um lobo mau
Memórias de um lobo mauCarlos Pinheiro
 
A história de Florzinha
A história de FlorzinhaA história de Florzinha
A história de FlorzinhaSylvia Seny
 
Clarice lispector medo da eternidade
Clarice lispector   medo da eternidadeClarice lispector   medo da eternidade
Clarice lispector medo da eternidadeAmadeu Wolff
 
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Julia Nogueira
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeFabi
 
A confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaA confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaArthur Dellarubia
 
Mayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pintoMayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pintogabriellealano
 
www.AulasParticulares.Info - Português - Contos e Crônicas
www.AulasParticulares.Info - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasParticulares.Info - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasParticulares.Info - Português - Contos e CrônicasAulasPartInfo
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e CrônicasAulasEnsinoMedio
 
Carijó e as Esmeraldas
Carijó e as EsmeraldasCarijó e as Esmeraldas
Carijó e as EsmeraldasNevas_Amaral
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggsMariana Correia
 
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresO Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresAssuntos da Intenet
 
Diário de Kassandra: a marca da bruxa
Diário de Kassandra:  a marca da bruxaDiário de Kassandra:  a marca da bruxa
Diário de Kassandra: a marca da bruxaRaquel Alves
 
Chapeuzinho vermelho.pptx RJKGgsGKLlgLLLL
Chapeuzinho vermelho.pptx RJKGgsGKLlgLLLLChapeuzinho vermelho.pptx RJKGgsGKLlgLLLL
Chapeuzinho vermelho.pptx RJKGgsGKLlgLLLLJoyceMantzos1
 
Sem ao menos_um_aceno
Sem ao menos_um_acenoSem ao menos_um_aceno
Sem ao menos_um_acenoHBMenezes
 

Semelhante a Aprofundamento 04 (20)

Aula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdfAula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdf
 
Um romance rui zink - conto
Um romance   rui zink - contoUm romance   rui zink - conto
Um romance rui zink - conto
 
Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptx
Crônicas para jovens,  Clarice Lispector.pptxCrônicas para jovens,  Clarice Lispector.pptx
Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptx
 
Memórias de um lobo mau
Memórias de um lobo mauMemórias de um lobo mau
Memórias de um lobo mau
 
A história de Florzinha
A história de FlorzinhaA história de Florzinha
A história de Florzinha
 
Clarice lispector medo da eternidade
Clarice lispector   medo da eternidadeClarice lispector   medo da eternidade
Clarice lispector medo da eternidade
 
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
A confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaA confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caduca
 
Mayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pintoMayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pinto
 
www.AulasParticulares.Info - Português - Contos e Crônicas
www.AulasParticulares.Info - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasParticulares.Info - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasParticulares.Info - Português - Contos e Crônicas
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
 
Carijó e as Esmeraldas
Carijó e as EsmeraldasCarijó e as Esmeraldas
Carijó e as Esmeraldas
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
 
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresO Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
 
Diário de Kassandra: a marca da bruxa
Diário de Kassandra:  a marca da bruxaDiário de Kassandra:  a marca da bruxa
Diário de Kassandra: a marca da bruxa
 
Pausa - Moacyr Scliar
Pausa  - Moacyr ScliarPausa  - Moacyr Scliar
Pausa - Moacyr Scliar
 
Chapeuzinho vermelho.pptx RJKGgsGKLlgLLLL
Chapeuzinho vermelho.pptx RJKGgsGKLlgLLLLChapeuzinho vermelho.pptx RJKGgsGKLlgLLLL
Chapeuzinho vermelho.pptx RJKGgsGKLlgLLLL
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Sem ao menos_um_aceno
Sem ao menos_um_acenoSem ao menos_um_aceno
Sem ao menos_um_aceno
 

Mais de Zofia Santos

A aprofundamento aula_3_textos_jornalísticos
A aprofundamento aula_3_textos_jornalísticosA aprofundamento aula_3_textos_jornalísticos
A aprofundamento aula_3_textos_jornalísticosZofia Santos
 
Funcoes linguagem definitiva
Funcoes linguagem definitivaFuncoes linguagem definitiva
Funcoes linguagem definitivaZofia Santos
 
Aula definitiva iracema
Aula definitiva iracemaAula definitiva iracema
Aula definitiva iracemaZofia Santos
 
Aula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barcaAula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barcaZofia Santos
 
Literatura Medieval
Literatura MedievalLiteratura Medieval
Literatura MedievalZofia Santos
 
Literatura Medieval
Literatura MedievalLiteratura Medieval
Literatura MedievalZofia Santos
 

Mais de Zofia Santos (8)

A aprofundamento aula_3_textos_jornalísticos
A aprofundamento aula_3_textos_jornalísticosA aprofundamento aula_3_textos_jornalísticos
A aprofundamento aula_3_textos_jornalísticos
 
Funcoes linguagem definitiva
Funcoes linguagem definitivaFuncoes linguagem definitiva
Funcoes linguagem definitiva
 
Aula definitiva iracema
Aula definitiva iracemaAula definitiva iracema
Aula definitiva iracema
 
Aula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barcaAula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barca
 
Literatura Medieval
Literatura MedievalLiteratura Medieval
Literatura Medieval
 
Literatura Medieval
Literatura MedievalLiteratura Medieval
Literatura Medieval
 
Auto Da Barca
Auto Da BarcaAuto Da Barca
Auto Da Barca
 
Auto Da Barca
Auto Da BarcaAuto Da Barca
Auto Da Barca
 

Aprofundamento 04

  • 1. Gênero discursivo: Crônicas Aprofundamento: 2010 Aula 4: 26/04.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Medo da Eternidade Jamais esquecerei o meu aflitivo e dramático contato com a eternidade. Quando eu era muito pequena ainda não tinha provado chicles e mesmo em Recife falava-se pouco deles. Eu nem sabia bem de que espécie de bala ou bombom se tratava. Mesmo o dinheiro que eu tinha não dava para comprar: com o mesmo dinheiro eu lucraria não sei quantas balas. Afinal minha irmã juntou dinheiro, comprou e ao sairmos de casa para a escola me explicou: - Como não acaba? - Parei um instante na rua, perplexa. - Não acaba nunca, e pronto. - Eu estava boba: parecia-me ter sido transportada para o reino de histórias de príncipes e fadas. Peguei a pequena pastilha cor-de-rosa que representava o elixir do longo prazer. Examinei-a, quase não podia acreditar no milagre. Eu que, como outras crianças, às vezes tirava da boca uma bala ainda inteira, para chupar depois, só para fazê-la durar mais. E eis-me com aquela coisa cor-de-rosa, de aparência tão inocente, tornando possível o mundo impossível do qual já começara a me dar conta. - Com delicadeza, terminei afinal pondo o chicle na boca. - E agora que é que eu faço? - Perguntei para não errar no ritual que certamente deveira haver. - Agora chupe o chicle para ir gostando do docinho dele, e só depois que passar o gosto você começa a mastigar. E aí mastiga a vida inteira. A menos que você perca, eu já perdi vários. - Perder a eternidade? Nunca. O adocicado do chicle era bonzinho, não podia dizer que era ótimo. E, ainda perplexa, encaminhávamo-nos para a escola. - Acabou-se o docinho. E agora? - Agora mastigue para sempre.
  • 12. Assustei-me, não saberia dizer por quê. Comecei a mastigar e em breve tinha na boca aquele puxa-puxa cinzento de borracha que não tinha gosto de nada. Mastigava, mastigava. Mas me sentia contrafeita. Na verdade eu não estava gostando do gosto. E a vantagem de ser bala eterna me enchia de uma espécie de medo, como se tem diante da idéia de eternidade ou de infinito. Eu não quis confessar que não estava à altura da eternidade. Que só me dava aflição. Enquanto isso, eu mastigava obedientemente, sem parar. Até que não suportei mais, e, atrevessando o portão da escola, dei um jeito de o chicle mastigado cair no chão de areia. - Olha só o que me aconteceu! - Disse eu em fingidos espanto e tristeza. - Agora não posso mastigar mais! A bala acabou! - Já lhe disse - repetiu minha irmã - que ela não acaba nunca. Mas a gente às vezes perde. Até de noite a gente pode ir mastigando, mas para não engolir no sono a gente prega o chicle na cama. Não fique triste, um dia lhe dou outro, e esse você não perderá. Eu estava envergonhada diante da bondade de minha irmã, envergonhada da mentira que pregara dizendo que o chicle caíra na boca por acaso. Mas aliviada. Sem o peso da eternidade sobre mim.
  • 13. Sentindo em seu sangue o tumultuar ardente dos ginetes impávidos de sua configuração cósmica, estrelas maduras de sua juventude, Chapeuzinho Vermelho tentava atravessar a Floresta agreste onde uma rosa é uma rosa é uma rosa é uma rosa, onde as árvores eram ao mesmo tempo como frutos de amor da terra pelo vento e pelo sol e uma obstinação da natureza contra o homem, quando viu surgir à sua frente a figura contrastante e terrificadora do Lobo Mau, que lhe perguntou aonde se dirigia. -"Ah"- disse o Lobo - "que maravilha és e que maravilha que fosses minha namorada. Porque o maravilhoso, quando se encontra o Ser que se Ama, a Enamorada distante, é os dois ficarem calados, nada dizendo, ela sabendo que naquele silêncio está sendo mais amada que nunca, tornando-se mais linda em seu quieto silêncio." E, assim, envolvida pelo som dessa voz, Chapeuzinho Vermelho prossegue seu caminho, chega à casa da sua avó e, na surpresa de encontrá-la acordada, pergunta por quê. Ah, o porquê da insônia. Neurastenia Noturna. Agonia do Cérebro. "Minha avó"- pergunta Chapeuzinho - "por que tens orelhas tão grandes?" "Ah, filha, isso é para ouvir o ouvido e o som do teu som. Quando tiveres ido há muito, inda te sentirei junto a mim." "Vó, e por que esses olhos tão grandes?" "Ah, filha, é para a contemplação da Beleza, a Beleza de todos os dias, a luz das estrelas que vivemos perdendo." -"Vó, e para que esses dentes tão grandes?"- "Ah, filha, acredito no Amor, pássaros, ondas, céus, palavras claras e também confusas. Acredito que o amor é um manjar do céu, que a criatura amada é o único alimento do coração, e por isso tenho esses dentes tão grandes: porque és o meu amor." Quando ele e ela se tornaram uma só pessoa, então a vida começou e não haverá mais Fim, pois não pode haver Fim quando duas pessoas estão juntas, uma dentro da outra. (Millôr Fernandes) CHAPEUZINHO VERMELHO À MODA ROMÂNTICA
  • 14. O caso triste deu-se por estas bandas - ela magrinha e jeitosa ia passando pelo caminho do Quixadá levando no braço a cesta de baba-de-moça e de pudim de coco que a mãe fizera para a vó quando o tipo forte, grosso, simpático, saltou dos matos e interrompeu-a: "Onde é que tu vai com esse chapeuzinho tão vermelhinho na cabeça?" Ela ficou de medo rija, mas ao mesmo tempo achava o moço simpático, disse que ia ali mesmo levar uns negócios pra vó, ele perguntou aonde, disse se não podia acompanhá-la. Ela se fez de rogada, abanou que não. Mas o tipo era sabido, conhecia a redondeza, atravessou a ribeira, pulou o cercado, arrodeou o açude, afastou os porcos na engorda por trás da casa do Chico Vira-Mão e foi desembestar suarento e resfolegante na casa da avó da Cabecinha Encarnada. Só teve mesmo tempo de matar a velha, enterrar embaixo da banheira e se deitar na cama que já as batidas fracas na porta diziam que a mocinha estava ali. Diz que ela entrou, botou os doces em cima do baú e foi dar uma palavra com a vó que há muito não via. Estranhou e perguntou: "Vovó, por que a senhora está com orelhas tão grandes?" A vó respondeu que estava ficando velha, que orelha de gente velha vai mesmo crescendo, depois explicou a ela que seu nariz estava assim porque ela tinha pegado um golpe de ar e, na hora em que a mocinha perguntou por que aqueles dentões tão enormes, o tipão já não deixou nem ela ter tempo de falar mais nada, tapou-lhe a boca, puxou uma peixeira e tome facada. Foi preso, está esperando condenação. Aos jornalistas diz que não se arrepende, que tinha amor, depois teve o amor transformado em ódio e que prefere ver ela morta que com cara de nojo pra ele. Diz que prisão por prisão prefere mesmo essa, que homem foi feito pra sofrer duro mas não para penar de mulher viva. (Millôr Fernandes)
  • 15. Tenho que Chapeuzinho Vermelho, essa pobre moça vítima das insídias do Lobo Mau, não está sozinha nesta Batalha de Eras. Envolvida no ardil torpe de um ser altamente experimentado nas artimanhas de nosso tempo ela se deixou sucumbir. Não deduzamos, porém, loucamente, que tudo esteja perdido. A floresta em que Chapeuzinho se perdeu é o próprio símbolo dos desvios e perigos a que estamos sujeitos neste mundo sem Fé. E quando ela pergunta e pede informações em sua inocência fundamental, quem a guia e orienta é justamente um ser da pior espécie. Já a própria primariedade do ardil empregado indica a pureza da jovem. Outra, de maiores recursos imorais, experiente na lógica prática da vida, teria compreendido e resistido ou se perdido para todo sempre. Conheci Chapeuzinho Vermelho quando me dirigia para a Missão Livingstoniana, logo depois de terminada a Grande Guerra. Sei por isso que não pensou, dada a pureza que lhe reconheci, nas diferenças primaciais entre sua Avó e o Lobo. Isso a salva e aniquila o valor do Mal. E bastaria que dessa catástrofe sobrasse a glória de sua inocência, para que qualquer homem de Bem pudesse continuar a crer na sobrevivência do amor. Pois está no plano da natureza que a alma é mais importante que o corpo, e, salva a parte mais importante da criatura humana em Chapeuzinho, está salva com ela a humanidade. (Millôr Fernandes)
  • 16. Era uma vez (admitindo-se aqui o tempo como uma realidade palpável, estranho, portanto, à fantasia da história) uma menina, linda e um pouco tola, que se chamava Chapeuzinho Vermelho. (Esses nomes que se usam em substituição do nome próprio chamam-se alcunha ou vulgo). Chapeuzinho Vermelho costumava passear no bosque, colhendo Sinantias, monstruosidade botânica que consiste na soldadura anômala de duas flores vizinhas pelos invólucros ou pelos pecíolos, Mucambés ou Muçambas, planta medicinal da família das Caparidáceas, e brincando aqui e ali com uma Jurueba, da família dos Psitacídeos, que vivem em regiões justafluviais, ou seja, à margem dos rios. Chapeuzinho Vermelho andava, pois, na Floresta, quando lhe aparece um lobo, animal selvagem carnívoro do gênero cão e... (Um parêntesis para os nossos pequenos leitores — o lobo era, presumivelmente, uma figura inexistente criada pelo cérebro superexcitado de Chapeuzinho Vermelho. Tendo que andar na floresta sozinha, - natural seria que, volta e meia, sentindo-se indefesa, tivesse alucinações semelhantes.) Chapeuzinho Vermelho foi detida pelo lobo que lhe disse: (Outro parêntesis; os animais jamais falaram. Fica explicado aqui que isso é um recurso de fantasia do autor e que o Lobo encarna os sentimentos cruéis do Homem. Esse princípio animista é ascentralíssimo e está em todo o folclore universal.) Disse o Lobo: "Onde vais, linda menina?" Respondeu Chapeuzinho Vermelho: "Vou levar estes doces à minha avozinha que está doente. Atravessarei dunas, montes, cabos, istmos e outros acidentes geográficos e deverei chegar lá às treze e trinta e cinco, ou seja, a uma hora e trinta e cinco minutos da tarde".
  • 17. Ouvindo isso o Lobo saiu correndo, estimulado por desejos reprimidos (Freud: "Psychopathology Of Everiday Life", The Modern Library Inc. N.Y.). Chegando na casa da avozinha ele engoliu-a de uma vez — o que, segundo o conceito materialista de Marx indica uma intenção crítica do autor, estando oculta aí a idéia do capitalismo devorando o proletariado — e ficou esperando, deitado na cama, fantasiado com a roupa da avó. Passaram-se quinze minutos (diagrama explicando o funcionamento do relógio e seu processo evolutivo através da História). Chapeuzinho Vermelho chegou e não percebeu que o lobo não era sua avó, porque sofria de astigmatismo convergente, que é uma perturbação visual oriunda da curvatura da córnea. Nem percebeu que a voz não era a da avó, porque sofria de Otite, inflamação do ouvido, nem reconheceu nas suas palavras, palavras cheias de má-fé masculina, porque afinal, eis o que ela era mesmo: esquizofrênica, débil mental e paranóica pequenas doenças que dão no cérebro, parte-súpero-anterior do encéfalo. (A tentativa muito comum da mulher ignorar a transformação do Homem é profusamente estudada por Kinsey em "Sexual Behavior in the Human Female". W. B. Saunders Company, Publishers.) Mas, para salvação de Chapeuzinho Vermelho, apareceram os lenhadores, mataram cuidadosamente o Lobo, depois de verificar a localização da avó através da Roentgenfotografia. E Chapeuzinho Vermelho viveu tranqüila 57 anos, que é a média da vida humana segundo Maltus, Thomas Robert, economista inglês nascido em 1766, em Rookew, pequena propriedade de seu pai, que foi grande amigo de Rousseau.
  • 18. Motel Mirtes não se agüentou e contou para a Lurdes: - Viram teu marido entrando num motel. A Lurdes abriu a boca e arregalou os olhos. Ficou assim, uma estátua de espanto, durante um minuto, um minuto e meio. Depois pediu detalhes. - Quando? Onde? Com quem? - Ontem. No Discretissimu's. - Com quem? Com quem? - Isso eu não sei. - Mas como? Era alta? Magra? Loira? Puxava de uma perna? - Não sei, Lu. - O Carlos Alberto me paga. Ah, me paga. Quando o Carlos Alberto chegou em casa e ... Lurdes anunciou que iria deixá-lo. E contou por quê. - Mas que história é essa, Lurdes? Você sabe quem era a mulher qu e estava comigo no motel. Era você. - Pois é. Maldita hora em que eu aceitei ir. Discretissimu's! Toda a cidade ficou sabendo. Ainda bem que não me identificaram. - Pois então? - Pois então que eu tenho que deixar você. Não vê? É o que to das as minhas amigas esperam que eu faça. Não sou mulher de ser enganada pelo mar ido e não reagir. - Mas você não foi enganada. Quem estava comigo era você! - Mas elas não sabem disso! - Eu não acredito, Lurdes. Você vai desmanchar nosso casamento por isso? Por uma convenção? - Vou. Mais tarde, quando a Lurdes estava saindo de casa, com as malas, o Carl os Alberto a interceptou. Estava sombrio. - Acabo de receber um telefonema - disse. - Era o Dico.
  • 19. - O que ele queria? - Fez mil rodeios, mas acabou me contando. Disse que, como meu amigo, tinha que contar. - O quê? - Você foi vista saindo do motel Discretissimu's ontem, com um homem. - O homem era você. - Eu sei, mas eu não fui identificado. - Você não disse que era você? - O quê? Para que os meus amigos pensem que eu vou a motel com a min ha própria mulher? - E então? - Desculpe, Lurdes, mas... - O quê? - Vou ter que te dar um tiro. Luís Fernando Veríssimo
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. O “Auto da Barca do Inferno”, ao que tudo indica, foi apresentado pela primeira vez em 1517 na câmara da rainha D. Maria de Castela, que estava enferma. Esse Auto, classificado pelo próprio autor como um “auto de moralidade”. Espaço: Tem como cenário um porto imaginário, onde estão ancoradas duas barcas: uma com destino ao paraíso, tem como comandante um anjo; a outra, com destino ao inferno, tem como comandante o diabo, que traz consigo um companheiro. Tempo: Com relação a tempo, pode-se dizer que é psicológico, uma vez que todos os personagens estão mortos, perdendo-se assim a noção do tempo. Linguagem: Redondilhas maiores (sete sílabas poéticas), linguagem coloquial para caracterizar a posição social dos personagens. Estrutura: A peça é composta de apenas um ato dividido pelas falas do anjo e do diabo. Características da obra: