Relatório de estágio

26.342 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.342
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
227
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório de estágio

  1. 1. FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIACURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM RELATÓRIO DAS ATIVIDADES PRÁTICAS UNIDADE DE SAÚDE DOM ANTÔNIO REIS Santa Maria 2012
  2. 2. ROSANE C. GARCIA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES PRÁTICASUNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DOM ANTÔNIO REIS Este trabalho é referente à disciplina Saúde Coletiva I do 3° Semestre da Faculdade Integrada de Santa Maria - FISMA. Supervisor: Prof. Marcos Werle Simon Santa Maria 2012
  3. 3. 1. INTRODUÇÃO Segundo LIMA (2005) a enfermagem é compreendida como arte e ciência,pessoas que convivem e cuidam das outras: uma profissão dinâmica, submetidas atransformações contínuas e que sucessivamente esta incorporando novas reflexões,problemas e ações, porque seu princípio ético é o de conservar ou restabelecer adignidade do corpo em todos os âmbitos da vida. Para realizar uma intervenção deenfermagem, sinônimo de interação humana, além da percepção dessas tensõespermanentes, é preciso que os atos de cuidar sejam articulados com os princípios deconservação de energia integridade pessoais, social, política e estrutural. A Enfermagemé a ciência humana, fundamentações e práticas do cuidar dos seres humanos com amploconhecimento, de experiências e de pessoas que abrangem do estado de saúde aosestados de doença, intervindos por transações pessoais, profissionais, científicas,estéticas, éticas e políticas. O documento BRASIL (1994) revela que a implantação do PSF tem comoobjetivo geral "melhorar o estado de saúde da população, mediante a construção de ummodelo assistencial de atenção baseado na promoção, proteção, diagnóstico precoce,tratamento e recuperação da saúde em conformidade com os princípios e diretrizes doSistema Único de Saúde - SUS e dirigidos aos indivíduos, à família e à comunidade".Trata-se de um mecanismo onde é levada a atenção à saúde e que a construção domodelo assistencial substitui o tradicional onde possa levar a saúde mais perto dafamília e com isso melhorar a qualidade de vida do brasileiro. RODRIGUES (1998) entende que o PSF possa contribuir para odesenvolvimento dos sistemas locais de saúde, promovendo a atenção primária de boaqualidade e a participação da comunidade na construção do setor, indicando um novoparadigma de atenção à saúde. Aqui vejamos que na PSF a atenção à saúde é primária ea participação da comunidade coopera para o crescimento dos sistemas locais de saúde. A estratégia Saúde da Família foi criada pelo ministério da saúde para reorientara atenção básica fortalecendo, dessa forma, o modelo assistencial do SUS (BRASIL,1997). Ela pressupõe o princípio da Vigilância à Saúde, a inter e multidisciplinaridade ea integralidade do cuidado sobre a população que reside na área de abrangência de suasunidades de saúde (BRASIL, 1998). Dessa forma busca ampliar e facilitar o acesso dosusuários ao sistema de saúde, tendo as equipes de saúde da família como eixoestruturante e prestando uma assistência igualitária e humanizada a todos. Tendo como
  4. 4. direcionamento de ação da disciplina Saúde Coletiva I, assim este relato, busca dialogarsobre a experiência vivenciada no sentido de reforçar a importância de aulas práticascomo um objeto de estudo no âmbito dos serviços de saúde, pois contribuisignificativamente para a aprendizagem. O estágio é a oportunidade de treino prático, um período de aprendizado em umaempresa, que permite aplicar conhecimentos teóricos através da vivencia em situaçõesreais do exercício da futura profissão. É obter oportunidade de se familiarizar com oambiente de trabalho, melhorando seu relacionamento humano que contribui para suaformação profissional, e dessa forma propiciando a complementação do ensino e daaprendizagem tornando-se elemento de integração em termos de treinamento prático eaperfeiçoamento técnico, cultural e científico. O presente estágio do Curso de Enfermagem da Faculdade Integrada de SantaMaria tem como intuito oportunizar mais um espaço de aproximação e integração doaluno de Enfermagem com a realidade dos profissionais de saúde estabelecendoconhecimentos amplos das assistências e de todas as atividades propostas alimencionadas. Envolve uma conduta de aprendizagem no contexto das práticas alirealizadas com intuito de presidir seus conhecimentos através da capacidade deinterações observando as necessidades ali encontradas como um mecanismo deempreendimento de novas atividades. As ações e trabalhos diretamente relacionados aoestágio estão divididos em: observação e analise; atendimento em Enfermagem e bemcomo atividades de palestras e discussões de atividades desenvolvidas no período. As atividades desse estágio de Enfermagem foram planejadas durante o períodoinicial do semestre, como parte da disciplina de Saúde Coletiva I. Todas as etapas foramsupervisionadas por um profissional professor Orientador do Curso de Enfermagem daFaculdade Integrada de Santa Maria. O estágio da disciplina Saúde Coletiva I do curso de Enfermagem Bachareladofoi cumprido, levando em conta a duração de mais de um mês, correspondendo aocalendário letivo do 2°semestre do ano de 2012, teve início no dia 17 de setembro até otérmino do mês de outubro. O período de práticas foi realizado somente em dois dias dasemana durante todo o período mencionado anteriormente que cabe todas as segundas-feiras e terças-feiras no período da manhã, tendo uma carga horária de 100hs, contandocom a participação de seis acadêmicos de Enfermagem. Este relatório esta sendo mencionado às atividades práticas realizadas naUnidade de Saúde Dom Antônio Reis onde descreve todas as características baseadas a
  5. 5. um atendimento básico envolvendo ações assistenciais que constitui na forma de coletasde dados, (medidas dos sinais vitais) para o procedimento das consultas, preenchimentodo SIA SUS, orientações de saúde, também como as visitas domiciliares acompanhadaspor uma enfermeira e ou uma agente. Segundo POTTER; PERRY (1998) os sinais vitais são um meio rápido eeficiente para monitoramento das condições de um paciente como para identificação naexistência de problemas. As medidas de sinais vitais fornecem dados que podem serempregados para determinar o estado normal de saúde, assim como uma resposta, tantopara o estresse físico e psicológico, como para o tratamento médico e de enfermagem.Os sinais vitais fornecem dados fisiológicos, estabelecendo forma mais comum decoleta de dados utilizada na avaliação profissional. Para realização de medidasrotineiras de assistência, como posicionamento e decisões na administração deanalgésicos, assim como em relação a intervenções de casos graves o profissional temcomo auxilio as medidas de sinais vitais. Sinais vitais são indicadores do funcionamento fisiológico, ou seja, o estado deequilíbrio térmico, circulatório e respiratório, tais como: temperatura, pulso, respiraçãoe pressão arterial. Os sinais vitais têm como objetivo auxiliar no diagnóstico etratamento bem como acompanhar a evolução da doença. (MUSSI; OHNISHI;UTYAMA; OLIVEIRA, 2003). Dentro do contexto sinais vitais vale destacar um dos problemas encontradosentre os pacientes que geralmente procuram assistência nessa Unidade de Saúde que é apressão arterial sanguínea (hipertensão). Pressão sanguínea é a força exercida pelo sangue na parede de um vaso. Apressão sanguínea esta relacionado a vários fatores hemodinâmicos como o débitocardíaco, resistência vascular periférica, volume e viscosidade sanguínea e elasticidadedas artérias. Hipertensão provoca espessamento e perda da elasticidade das paredes dasartérias. Sempre que a resistência vascular periférica aumentar também aumenta apressão sanguínea e o fluxo sanguíneo para os órgãos vitais como coração, cérebro erins diminuem. Um indivíduo hipertenso pode morrer de insuficiência cardíaca, renal ouacidente vascular cerebral, caso a hipertensão não for controlada. Há varias situaçõesque podem provocar a alterações na pressão sanguínea que são as seguintes: ansiedade,medo, dor e estresse emocional, também drogas, hormônios e cotidiano, essa, porexemplo, havendo variações da pressão sanguínea, sendo mais baixa pela manhã eaumentar durante o dia até a noite e diminuindo a seguir. (POTTER; PERRY, 1998).
  6. 6. O equipamento para medição da pressão sanguínea mais preciso é oesfigmomanômetro contendo um manômetro, um manguito de tecido que faz a oclusãoe que contém um balão de borracha inflamável e um bulbo de pressão, com uma válvulapara a liberação do ar que insufla o manguito e o estetoscópio. (POTTER; PERRY,1998). O curativo é uma denominação específica que se aplica aos procedimentos ecuidados externos com finalidade de dispensar a lesão. A finalidade do tratamento deuma lesão com a utilização do curativo é para proteger de traumatismo mecânico, ascontaminações, absorver secreções e reduzir em proporções mínimas o acúmulo defluídos por compreensão e não agravar mais a contusão imobilizando-a para facilitar aregeneração da pele. Existem diversos tipos de lesões e as mais frequentemente encontradas nosserviços da rede básica de saúde são as úlceras venosas, as artérias, as hipertensivas, asde pressão e as neurotróficas. Dentre estas, destacam-se as neurotróficas, que acometemo sistema nervoso periférico, como a hanseníase, o alcoolismo e o da diabetes Mellitus. Dentro deste contexto vou destacar uma das lesões encontrada nos atendimentosprestados no decorrer das visitas domiciliares da Unidade de Saúde Dom Antônio Reis.Foi a lesão acometida pela diabetes Millitus, uma lesão com processo de cicatrizaçãomuito lento, com prognósticos de perturbações por um longo período. Entre outras atividades desenvolvidas durante o estágio vou citar uma atividadeque compreende o método para medição da glicose no sangue. Esse método é umsistema químico contido em uma tira de testes, onde a amostra do sangue é aplicada, eque depois é inserido no medidor para a leitura. Podem ser feitas facilmente porqualquer pessoa com o uso de aparelhos glicosímetros. Para o controle de pacientesdiabéticos a automonitorização da glicose sanguíneo esta sendo um método dedesenvolvimento de grande ajuda. Isso possibilita a detecção e prevenção dahipoglicemia e hiperglicemia e a normalização dos níveis de glicose sanguínea, queporventura reduzirão as complicações diabéticas em longo prazo. E com os resultadosobtidos da automonitorização, as pessoas com diabetes são capazes de ajustar otratamento para obter o controle necessário.
  7. 7. 2. CARACTERIZAÇÃO DO CENÁRIO DAS PRÁTICAS A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis localiza-se a Rua Isidoro Grassi comDuque de Caxias, S/N , CEP 97060310, Bairro Medianeira, Santa Maria, RS. A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS), Posto de saúde dafamília, Centro de Saúde/Unidade Básica é mantida pela administração direta dasaúde (MS, SES e SMS) - Órgão Público do Poder Executivo Municipal. PrestadorPúblico Municipal. Estabelece o Convenio do SUS. Nível de atenção: Ambulatorial; Atividade: Atenção Básica; Gestão: Municipal.Atividade: média Complexidade; Gestão: Estadual. Atendimento prestado em nível de clientela: Atendimento de demandaespontânea e referenciada. O espaço físico da Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS) éde pouca extensão e se divide em: 2 salas de espera 6 salas de consultas 1 sala triagem 1 sala de farmácia 1 sala para lanche 2 banheiros 3. RECURSOS HUMANOS A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS) possui o seguintequadro de profissionais: 5 médicos 2 dentistas 3 enfermeiros 2 auxiliares de enfermagem. 4. RELATO DAS ATIVIDADES Participei de atividades diversas, atuando na assistência de Enfermagem às
  8. 8. crianças e adolescentes, às mulheres, aos adultos e aos idosos na Unidade de SaúdeDom Antônio Reis. As atividades desenvolvidas foram as seguintes: O primeiro dia de estágio foi realizado o reconhecimento do campo de estágio,observado a estrutura organizacional e averiguado as condições de trabalho, tais como,disponibilidade de recursos físicos, materiais e humanos. Os dias seguintes eu atueirealizando como também observando: Verificação de Pressão Arterial; Preenchimentodo SIA SUS; Nebulização; HGT; curativos; retiradas de pontos; Triagem para aPediatria, através de medidas antropométricas (peso e altura), e a verificação de sinaisvitais, como a temperatura. Também participei das visitas Domiciliares tendooportunidade de estabelecer orientações de saúde. Em acompanhamento às atividadesdo Programa de Saúde da Família (PSF), participei e também colaborei juntamente comenfermeira ou agente de saúde nos procedimentos de enfermagem ao domicilio e nesseacompanhamento ampliei meus conhecimentos e aprimorei minhas habilidades derelacionamento interpessoal. Também foi realizada atividade social na Praça Saturinode Brito, promoção SESC, apoio FISMA (acadêmicos de Enfermagem). Orientações desaúde – promoção de saúde e verificação da pressão arterial. Esse tópico traz comdetalhes a descrição das inúmeras atividades e ações de promoção de saúde, prevenção ede cuidados curativos prestados durante o Estágio.
  9. 9. 5. CONCLUSÃO O presente estágio teve como resultado o aprimoramento da teoria notreinamento prático que busca viabilizar a aprendizagem como busca de conhecimentos,aproximação e integração no âmbito dos serviços de saúde, trazendo a realidade dosprofissionais de saúde, assim como uma vivencia de situações autênticas do exercício dafutura profissão. No período do estágio pude fazer a relação teoria pratica de maneira satisfatória,pois foi possível realizar com êxito todas as atividades ali propostas, estabelecidas eatribuídas ao funcionamento e organização da Unidade de Saúde, onde pude assimilarconhecimentos e habilidades. Por questionamentos e reflexões obtidas devo salientarque o profissional de saúde em geral deve de conhecer seu potencial de modificarcomportamentos pessoais e coletivos no que se refere à saúde. Com acompanhamentode visitas domiciliares pude constatar que muitas doenças não podem sercompreendidas totalmente a não ser que sejam vistas exatamente no contexto pessoal,familiar e social. Vale destacar que há uma grande carência entre as pessoas que procuram aUnidade de saúde. Há pessoas que se dirigem ao posto, muitas vezes somente em buscade conforto e atenção, ou seja, interação humana, e nem sempre são pessoas enfermas,sinto que ali elas encontram fortalecimento de apoio moral que presume no cotidiano.
  10. 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASLIMA, M. J. O que é Enfermagem. 3 ed. São Paulo – SP. Brasiliense; 2005.SANTANA, M. L.; CARMAGNANI. M. I. Programa Saúde da Família do Brasil:Enfoque Sobre Seus Pressupostos Básicos, Operacionalização e Vantagens. Disponívelem< http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v10n1/04.pdf> Acesso em 20 de outubro de 2012.SANTANA, M. L.; CARMAGNANI. M I. Programa saúde da família no brasil: Umenfoque sobre seus pressupostos básicos, operacionalização eVantagens. Disponível em< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902001000100004&script=sci_arttext> Acesso em 20 de outubro de 2012.BRASIL. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília, COSAC,1994.FIGUEREDO, E. N. Estratégia Saúde da Família eNúcleo de Apoio à Saúde da Família: diretrizes e fundamentos. Disponívelem<http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/1/modulo_politico_gestor/Unidade_5.pdf> Acesso em: 20 de Outubro de 2012.LOPES, C. S. G.; OLIVEIRA, L. R. A.; LEHFELD, N. A. S.; TRIMAILOVAS, M. R.O Estágio Curricular no Curso de Engenharia Química da Universidade deRibeirão Preto. Disponível em<http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2006/artigos/1_94_331.pdf> Acesso em21 de Outubro de 2012.POTTER, P. A.; PERRY, A. G. Grande Tratado de Enfermagem Prática – Clínica ePrática Hospitalar. 3 ed. São Paulo.Santos;1998.MUSSI, N. M.; OHNISHI, M; UTYAMA, I. K.; OLIVEIRA, M. M. B. V. TécnicasFundamentais de Enfermagem. 4 ed. São Paulo – SP. Atheneu; 2003.
  11. 11. DATASUS, Secretaria de Atenção a Saúde. Ministério da Saúde. Cadastro Nacional deEstabelecimento de Saúde. CnesNet: 2003. Disponível em<http://cnes.datasus.gov.br/Exibe_Ficha_Estabelecimento.asp?VCo_Unidade=4316902242605> Acesso em 23 de Outubro de 2012.DF. Ministério da Saúde. Manual de Condutas para Ulceras Neurotróficas eTraumáticas. 1 ed. Série J. Cadernos de Reabilitação em Hanseníase; n.2. Brasília;2002.PORTAL. Diabetes. Notícias. 2011. Disponível em<http://www.portaldiabetes.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=10002310>Acesso em 26 de outubro de 2012.

×