Modernismo 3

10.504 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.504
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
688
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modernismo 3

  1. 1. MODERNISMO DA GERAÇÃO DE 45 AO CONCRETISMO
  2. 2. MOMENTOHISTÓRICO O ano de 1945 é um marco na história da humanidade, pois marca o fim da Segunda Guerra Mundial e o início da Era Atômica, com as explosões de Hiroshima e Nagasaki. Começava então uma nova divisão de poder no mundo, uma reestruturação geopolítica, com a crença de uma paz duradoura, refletida na criação da Organização das Nações Unidas e a subseqüente publicação da Declaração dos Direitos do Homem.
  3. 3. MOMENTOHISTÓRICO O mundo se viu dividido em dois blocos: o capitalista, liderado pelos Estados Unidos da América e o socialista, liderado pela antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Essas duas superpotências protagonizaram a disputa de poder no cenário mundial, em um período que se convencionou chamar de Guerra Fria e que teve como símbolo o Muro de Berlim.
  4. 4. MOMENTOHISTÓRICO A permanente tensão vivida na política externa não se reproduziu de imediato no Brasil. O ano de 1945 marca o fim da ditadura Vargas, o início da redemocratização, a convocação de eleições gerais e a subida do General Eurico Gaspar Dutra à presidência.
  5. 5. MOMENTOHISTÓRICO A frágil democracia brasileira tem pouca duração e, na mesma direção dos golpes militares que ocorriam por toda a América Latina com a anuência dos Estados Unidos, em 1964 um golpe de estado estabelece o regime ditatorial dos militares no país. Um período de exceções, ilegalidades, perseguições, torturas, censura e exílio.
  6. 6. A AVENTURA DA LINGUAGEM
  7. 7. ÉSTÉTICADAPOESIADE45 A poesia, contudo, opõe-se às inovações formais do modernismo, motivo pelo qual não se pode falar em uma “terceira geração modernista”, já que esses poetas negam a liberdade formal, as ironias, as sátiras e os arroubos descompromissados modernistas. A proposta é uma poesia equilibrada e séria, distanciando-se do que eles chamaram de “primarismo desabonador” de Mário e Oswald de Andrade.
  8. 8. ÉSTÉTICADAPOESIADE45 Há menor posicionamento político e os poetas são sóbrios e racionais em sua atitude poética. A renovação literária é a renovação da própria linguagem, afirmando os valores estéticos. Essa tendência não significou, contudo, uma restauração da estética parnasiana, pois buscam o universalismo temático, o senso de medida do verso, combinando ritmo e sentido e buscando a verdadeira arte poética.
  9. 9. A ARTE CONCRETA
  10. 10. ESTÉTICACONCRETISTA O concretismo representava um ataque contra os poetas da geração de 1945, acusados de subjetivismo, formalismo e criticados por sua incapacidade de expressar a realidade moderna pós- guerra vivida pelo mundo. A velocidade e a modernidade inspiraram os concretistas a adotar modelos modernistas de vanguarda, especialmente os de estilo oswaldiano, de poesia sintética, veloz, ágil, os “poemas- pílula”.
  11. 11. ESTÉTICACONCRETISTA integrar som, imagem e o sentido das palavras. Assim, a nova proposta é uma arte poética visual, lúdica e interativa, usando aquilo que de mais ousado pudessem usar. A arte é transdisciplinar e a poesia mistura-se ao design, à arquitetura, às artes plásticas, à música e ao movimento.
  12. 12. ESTÉTICACONCRETISTA Seu experimentalismo poético era racional e planejado, propondo a abolição do verso tradicional, eliminação de conectivos e relações sintáticas elaboradas, deixando ao verso sua composição crua e concreta de substantivos e verbos.
  13. 13. ESTÉTICACONCRETISTA Linguagem sintética, dinâmica, ágil, acompanhando a velocidade do desenvolvimento urbano; busca a criação de palavras, exploração morfológica de seus constituintes, como prefixos e sufixos, fragmentação da linguagem, uso ambivalente dos vocábulos, com a exposição de palavras soltas, visualmente integradas ao poema, transformando o todo em um objeto visual, fazendo do poema algo para ser lido, mas sobretudo, visto.
  14. 14. ESTÉTICADAPROSADE45 Literatura intimista, introspectiva, repleta de sondagens do subconsciente das personagens. O próprio regionalismo é reinventado e contado sob nova perspectiva, adquirindo uma nova dimensão, recriando costumes e falas sertanejas, mergulhando rumo ao psicológico do homem do sertão.
  15. 15. ESTÉTICADAPROSADE45 A preocupação com a linguagem, a criação e a precisão das palavras é uma das principais características do período. A escrita aproxima-se da poesia, com grande lirismo, usando recursos típicos, como rimas, preocupação rítmica, uso de aliterações, criação de vocábulos, entre outros.
  16. 16. ESTÉTICADAPROSADE45 As narrativas são interiorizadas, marcadas pelo fluxo de consciência das personagens e sua fusão com o discurso do narrador, em uso contínuo do discurso indireto livre. Outras vezes, encontramos uma narrativa confessional, em primeira pessoa, na qual há praticamente uma relação emotiva com o leitor.

×