SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
A euforia das invenções 1905 – 1960 da exposição dos fauves à viragem dos anos 60
 
O ano de 1905 assinala, para a Europa, o fim de uma era de felicidade e Alienação – a do optimismo que caracterizava a Belle Époque – e o começo De outra, mais céptica e violenta, marcada pela escalada de rivalidades  e violência que resultou na eclosão do primeiro conflito mundial – a guerra De 1914-18.
Travada essencialmente na Europa, a Primeira Grande Guerra abalou profundamente as sociedades e o Estados ocidentais. O pós-guerra foi duro, ocupado com a gigantesca tarefa de reconstrução material e económica dos países envolvidos e com a falta de verbas dos governos para os financiamentos adequados.
A inflação foi galopante e o desemprego dramático, sobretudo entre os desmobilizados ou os que tiveram de reconverter a sua actividade. A agitação social evoluiu, por isso, num crescendo, incentivada pelo movimento operário e pelos partidos de esquerda os quais o êxito da recente Revolução Socialista Soviética (1917), na Rússia, viera dar novo alento.
As democracias ocidentais viram-se então a braços com tremendas dificuldades: enquanto lutavam pela estabilidade política ameaçada pela oposição , eram obrigadas a contrair avultados empréstimos financeiros para poderem resolver os problemas económicos e sociais internos.
O grande credor da Europa foi, nesta época, o Governo dos Estados Unidos da América que, sem guerra no seu território, tinha expandido extraordinariamente a sua economia durante a mesma, abastecendo a Europa e substituindo-a nos mercados dos outros continentes. Estas circunstâncias permitiram aos EUA conhecer uma situação de prosperidade nunca antes vivida, que deu origem  ao mito do  american way of life  que a Europa procurou copiar.
Este facto, associado às consequências das resoluções dos tratados de paz que, entre 1918 e 1920, puseram fim ao conflito bélico, instaurou uma nova ordem política mundial, na qual a Europa perdeu para os EUA a sua posição hegemónica. Contundo, em 1929,o  crash  súbito da Bolsa de Nova Iorque veio mostrar como a prosperidade dos anos 20 era frágil e efémera, iniciando a  Grande Depressão , que proveniente da América, atingiu todos os continentes, comprovando a mundialização da economia.
Na Europa a Grande Depressão veio travar a recuperação económica do pós-guerra quando esta ainda se encontrava no início, agravando drasticamente as condições de vida e, consequentemente, o descontentamento e a agitação social e política. Na procura de soluções, o debate político-ideológico intensificou-se e radicalizou-se, pondo em risco as democracias parlamentares, de feição liberal, vitoriosas após a guerra.
A oposição dividia-se entre os novos partidos de esquerda, marxistas e socialistas, apoiados pelos sindicatos e pelo Komintern (União dos Partidos Comunistas das nações ex-URSS), e os novos partidos de feição autoritária, como o nacional-socialismo alemão e o fascismo italiano. A grande instabilidade política e económica, as frequentes greves e manifestações provocadas pela agitação operária e o medo que os excessos da Revolução Russa, então na era estalinista, provocaram na opinião pública dos países ocidentais explicam a subida de popularidade destes partidos autoritários e a sua chegada ao poder em países como a Itália(1922), Portugal (1926), Alemanha (1933), Espanha (1939) e outros.
Profundamente nacionalistas, estes partidos puseram em marcha uma política ofensiva que rompeu o equilíbrio internacional e provocou a Segunda Grande Guerra (1939-45), antecedida pelo sangrento episódio da guerra civil espanhola (1936-39) e terminada por outro ainda mais terrível – o poder nuclear. O fim da Segunda Guerra Mundial marcou o começo de um novo equilíbrio internacional, pautado pela fiscalização da ONU e bipolarizado no antagonismo entre o mundo capitalista e liberal (EUA) e o comunista (URSS e estados-satélites), entre os quais se gerou a Guerra Fria.
Espaço de guerra e destruição, atravessado por oscilações económicas e grandes mutações sociais em que novos comportamentos se impuseram , este tempo foi também um tempo de renovação cultural e das mentalidades para os qual as artes contribuíram significativamente. No caos político, social e económico que a guerra instaurou, os valores do pensamento racionalista, optimista e positivista do séc. XIX pareciam já não fazer sentido. A ciência a tecnologia, até aí tidas como construtoras do progresso e promotoras do bem-estar da Humanidade, mostraram pela primeira vez o seu lado negativo.
O comportamento humano durante a guerra, com o seu rol de violência, crueldade, violência, sofrimento, abnegação … tornou obsoletas certas convicções arreigadas pela tradição. Instalou-se assim o cepticismo, o relativismo, o sentido do absurdo, a crise de valores e a contestação sistemática e socialmente provocatória, expressa nas criações de muitos intelectuais da época. Essa contestação mais não fazia do que pôr em evidência as mutações silenciosas por que as sociedades ocidentais estavam a passar, pondo em questão a religião, as instituições e os costumes, alterando hábitos e mentalidades e instaurando inconformismos.
Essas mutações ocorreram num novo contexto: o das grandes cidades ocidentais, transformadas, pelo crescimento demográfico e pela modernização dos modos de vida, em grandes amontoados de pessoas vivendo e movimentando-se por ritmos semelhantes, numa cultura de massas, que a publicidade e a propaganda pretendiam manipular no seu interesse e cujos principais veículos de comunicação foram (para além dos jornais) a  rádio  e o  cinema. Assim, entre a massificação crescente e a alienante da cultura e dos modos de vida e a velocidade a que as transformações se operavam, a arte ganhou para si um estatuto cada vez mais individualista e independente, reivindicando autonomia e liberdade em relação à sociedade ou a quaisquer programas ideológicos, temáticos ou técnicos.
Todavia, reservou-se o direito de sobre ela intervir, ao integrar essas mesmas transformações ou ao reflectir sobre elas. Ao questionar a sociedade, a arte questionou também o seu próprio papel no contexto social e as relações entre ela e o seu público. A crítica mordaz dos artistas chegou ao ponto de pôr em causa a própria essência da arte, revendo o conceito e definição dos fenómenos artísticos, cuja delimitação se tornou cada vez mais imprecisa e complexa.
As Invenções Albert Einstein – a teoria da relatividade (1910), na qual se demonstra que o espaço, o tempo e o movimento não são absolutos, mas sim relativos ao observador e aos seus próprios movimentos no espaço – a concepção positivista da ciência entrou em declínio. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
As Invenções ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Surge, no século XX, o Movimento das Vanguardas ou Vanguardismo (revolução plástica)  Os  artistas  vanguardistas  assumem-se  como  os  pioneiros,  os «avant-garde», tendo por missão inventar o futuro e criar um mundo novo.
Década de prosperidade e liberdade, animada pelo som das jazz-bands e pelo charme das melindrosas mulheres modernas da época, que frequentavam os salões e traduziam no seu comportamento e modo de vestir o espírito da também chamada Era do Jazz. LOUCOS anos 20
- As carruagens dão lugar a carros possantes. - Década da ‘liberação’ femina - Década da influência de Hollywood na moda  Jazz  - “American way of life”  - Grandes estilistas (Coco Chanel, Jean Patou Jacques Doucet)   Os loucos anos 20
Os loucos anos 20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardashome
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização históricaCarla Freitas
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ana Barreiros
 
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico ProfissionalCarla Freitas
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoAna Barreiros
 
HCA Módulo 9 - Pintura e Escultura
HCA Módulo 9 - Pintura e EsculturaHCA Módulo 9 - Pintura e Escultura
HCA Módulo 9 - Pintura e EsculturaMafalda Cardeira
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ana Barreiros
 
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoHCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoValeriya Rozhkova
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugalcattonia
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAna Barreiros
 
A cultura da gare contexto
A cultura da gare contextoA cultura da gare contexto
A cultura da gare contextocattonia
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXCarla Freitas
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoCarlos Vieira
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoCarla Freitas
 

Mais procurados (20)

Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
HCA Módulo 9 - Pintura e Escultura
HCA Módulo 9 - Pintura e EsculturaHCA Módulo 9 - Pintura e Escultura
HCA Módulo 9 - Pintura e Escultura
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoHCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
 
Arte romantica
Arte romanticaArte romantica
Arte romantica
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugal
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
A cultura da gare contexto
A cultura da gare contextoA cultura da gare contexto
A cultura da gare contexto
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 

Destaque

História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9Carlos Pinheiro
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavrasluiz0309
 
Invenções antigas e atuais
Invenções antigas e atuaisInvenções antigas e atuais
Invenções antigas e atuaisguest5ec99a
 
Exercícios processos de formação de palavras I
Exercícios processos de formação de palavras IExercícios processos de formação de palavras I
Exercícios processos de formação de palavras IProfFernandaBraga
 
Lista de exercícios mmc e mdc 2
Lista de exercícios mmc e mdc  2Lista de exercícios mmc e mdc  2
Lista de exercícios mmc e mdc 2Olicio Silva
 
Cap 3 E 4 Invencoes E Recursos
Cap 3 E 4 Invencoes E RecursosCap 3 E 4 Invencoes E Recursos
Cap 3 E 4 Invencoes E RecursosLilian Larroca
 
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata AtlânticaApresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata AtlânticaEder Borges
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANALuís Ferreira
 
Arquitectura do Ferro no século XIX
Arquitectura do Ferro no século XIXArquitectura do Ferro no século XIX
Arquitectura do Ferro no século XIXJorge Almeida
 
Primeira metade do século XX
Primeira metade do século XXPrimeira metade do século XX
Primeira metade do século XXCEF16
 
Exercícios processo de formação de palavras
Exercícios processo de formação de palavrasExercícios processo de formação de palavras
Exercícios processo de formação de palavrasProfFernandaBraga
 
Floresta Amazônica
Floresta AmazônicaFloresta Amazônica
Floresta AmazônicaJade
 
Organização e dinâmica das áreas urbanas
Organização e dinâmica das áreas urbanasOrganização e dinâmica das áreas urbanas
Organização e dinâmica das áreas urbanasManuela Praia
 

Destaque (20)

Modulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCAModulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCA
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
 
Mata Atlantica
Mata AtlanticaMata Atlantica
Mata Atlantica
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
 
Mata Atlantica
Mata AtlanticaMata Atlantica
Mata Atlantica
 
Invenções antigas e atuais
Invenções antigas e atuaisInvenções antigas e atuais
Invenções antigas e atuais
 
Os Loucos anos 20
Os Loucos anos 20Os Loucos anos 20
Os Loucos anos 20
 
Exercícios processos de formação de palavras I
Exercícios processos de formação de palavras IExercícios processos de formação de palavras I
Exercícios processos de formação de palavras I
 
Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
 
Lista de exercícios mmc e mdc 2
Lista de exercícios mmc e mdc  2Lista de exercícios mmc e mdc  2
Lista de exercícios mmc e mdc 2
 
Floresta Amazônica
Floresta AmazônicaFloresta Amazônica
Floresta Amazônica
 
Cap 3 E 4 Invencoes E Recursos
Cap 3 E 4 Invencoes E RecursosCap 3 E 4 Invencoes E Recursos
Cap 3 E 4 Invencoes E Recursos
 
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata AtlânticaApresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
 
Arquitectura do Ferro no século XIX
Arquitectura do Ferro no século XIXArquitectura do Ferro no século XIX
Arquitectura do Ferro no século XIX
 
Primeira metade do século XX
Primeira metade do século XXPrimeira metade do século XX
Primeira metade do século XX
 
Exercícios processo de formação de palavras
Exercícios processo de formação de palavrasExercícios processo de formação de palavras
Exercícios processo de formação de palavras
 
Invenções
InvençõesInvenções
Invenções
 
Floresta Amazônica
Floresta AmazônicaFloresta Amazônica
Floresta Amazônica
 
Organização e dinâmica das áreas urbanas
Organização e dinâmica das áreas urbanasOrganização e dinâmica das áreas urbanas
Organização e dinâmica das áreas urbanas
 

Semelhante a Euforia das Invenções

Socialismo, Anarquismo e Revolução Russa 1917
Socialismo, Anarquismo e Revolução Russa 1917Socialismo, Anarquismo e Revolução Russa 1917
Socialismo, Anarquismo e Revolução Russa 1917jose brandaos
 
Proposta de correcção 12º ano
Proposta de correcção 12º anoProposta de correcção 12º ano
Proposta de correcção 12º anoLucília Oliveira
 
Ficha de leitura as vanguardas
Ficha de leitura   as vanguardasFicha de leitura   as vanguardas
Ficha de leitura as vanguardasJoao Papelo
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdfVítor Santos
 
9º hist -_guia_estudos__1º_cl
9º hist -_guia_estudos__1º_cl9º hist -_guia_estudos__1º_cl
9º hist -_guia_estudos__1º_clemalfredocastro
 
Romantismo na filosofia e no positivismo
Romantismo na filosofia e no positivismoRomantismo na filosofia e no positivismo
Romantismo na filosofia e no positivismoAlexandre Misturini
 
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptxssuserb21eb0
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismohome
 
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL Fernando Alcoforado
 
As sociedades europeia e dos EUA no após-guerra. A cultura de massas.pptx
As sociedades europeia e dos EUA no após-guerra. A cultura de massas.pptxAs sociedades europeia e dos EUA no após-guerra. A cultura de massas.pptx
As sociedades europeia e dos EUA no após-guerra. A cultura de massas.pptxCarlosAraujo428034
 

Semelhante a Euforia das Invenções (20)

A cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12ºA cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12º
 
Socialismo, Anarquismo e Revolução Russa 1917
Socialismo, Anarquismo e Revolução Russa 1917Socialismo, Anarquismo e Revolução Russa 1917
Socialismo, Anarquismo e Revolução Russa 1917
 
Proposta de correcção 12º ano
Proposta de correcção 12º anoProposta de correcção 12º ano
Proposta de correcção 12º ano
 
Aula 4 Novo
Aula 4 NovoAula 4 Novo
Aula 4 Novo
 
Ficha de leitura as vanguardas
Ficha de leitura   as vanguardasFicha de leitura   as vanguardas
Ficha de leitura as vanguardas
 
Acordos de paz
Acordos de pazAcordos de paz
Acordos de paz
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
9º hist -_guia_estudos__1º_cl
9º hist -_guia_estudos__1º_cl9º hist -_guia_estudos__1º_cl
9º hist -_guia_estudos__1º_cl
 
Romantismo na filosofia e no positivismo
Romantismo na filosofia e no positivismoRomantismo na filosofia e no positivismo
Romantismo na filosofia e no positivismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
 
Modernismo 2
Modernismo 2Modernismo 2
Modernismo 2
 
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
 
Q15
Q15Q15
Q15
 
Q15
Q15Q15
Q15
 
Q15
Q15Q15
Q15
 
As sociedades europeia e dos EUA no após-guerra. A cultura de massas.pptx
As sociedades europeia e dos EUA no após-guerra. A cultura de massas.pptxAs sociedades europeia e dos EUA no após-guerra. A cultura de massas.pptx
As sociedades europeia e dos EUA no após-guerra. A cultura de massas.pptx
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 

Mais de Michele Pó

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreMichele Pó
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresMichele Pó
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraMichele Pó
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioMichele Pó
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoMichele Pó
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroMichele Pó
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana NascimentoMichele Pó
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaMichele Pó
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMichele Pó
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinMichele Pó
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaMichele Pó
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoMichele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaMichele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Michele Pó
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaMichele Pó
 

Mais de Michele Pó (20)

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia Pires
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana Nascimento
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa Falcão
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
 

Último

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 

Euforia das Invenções

  • 1. A euforia das invenções 1905 – 1960 da exposição dos fauves à viragem dos anos 60
  • 2.  
  • 3. O ano de 1905 assinala, para a Europa, o fim de uma era de felicidade e Alienação – a do optimismo que caracterizava a Belle Époque – e o começo De outra, mais céptica e violenta, marcada pela escalada de rivalidades e violência que resultou na eclosão do primeiro conflito mundial – a guerra De 1914-18.
  • 4. Travada essencialmente na Europa, a Primeira Grande Guerra abalou profundamente as sociedades e o Estados ocidentais. O pós-guerra foi duro, ocupado com a gigantesca tarefa de reconstrução material e económica dos países envolvidos e com a falta de verbas dos governos para os financiamentos adequados.
  • 5. A inflação foi galopante e o desemprego dramático, sobretudo entre os desmobilizados ou os que tiveram de reconverter a sua actividade. A agitação social evoluiu, por isso, num crescendo, incentivada pelo movimento operário e pelos partidos de esquerda os quais o êxito da recente Revolução Socialista Soviética (1917), na Rússia, viera dar novo alento.
  • 6. As democracias ocidentais viram-se então a braços com tremendas dificuldades: enquanto lutavam pela estabilidade política ameaçada pela oposição , eram obrigadas a contrair avultados empréstimos financeiros para poderem resolver os problemas económicos e sociais internos.
  • 7. O grande credor da Europa foi, nesta época, o Governo dos Estados Unidos da América que, sem guerra no seu território, tinha expandido extraordinariamente a sua economia durante a mesma, abastecendo a Europa e substituindo-a nos mercados dos outros continentes. Estas circunstâncias permitiram aos EUA conhecer uma situação de prosperidade nunca antes vivida, que deu origem ao mito do american way of life que a Europa procurou copiar.
  • 8. Este facto, associado às consequências das resoluções dos tratados de paz que, entre 1918 e 1920, puseram fim ao conflito bélico, instaurou uma nova ordem política mundial, na qual a Europa perdeu para os EUA a sua posição hegemónica. Contundo, em 1929,o crash súbito da Bolsa de Nova Iorque veio mostrar como a prosperidade dos anos 20 era frágil e efémera, iniciando a Grande Depressão , que proveniente da América, atingiu todos os continentes, comprovando a mundialização da economia.
  • 9. Na Europa a Grande Depressão veio travar a recuperação económica do pós-guerra quando esta ainda se encontrava no início, agravando drasticamente as condições de vida e, consequentemente, o descontentamento e a agitação social e política. Na procura de soluções, o debate político-ideológico intensificou-se e radicalizou-se, pondo em risco as democracias parlamentares, de feição liberal, vitoriosas após a guerra.
  • 10. A oposição dividia-se entre os novos partidos de esquerda, marxistas e socialistas, apoiados pelos sindicatos e pelo Komintern (União dos Partidos Comunistas das nações ex-URSS), e os novos partidos de feição autoritária, como o nacional-socialismo alemão e o fascismo italiano. A grande instabilidade política e económica, as frequentes greves e manifestações provocadas pela agitação operária e o medo que os excessos da Revolução Russa, então na era estalinista, provocaram na opinião pública dos países ocidentais explicam a subida de popularidade destes partidos autoritários e a sua chegada ao poder em países como a Itália(1922), Portugal (1926), Alemanha (1933), Espanha (1939) e outros.
  • 11. Profundamente nacionalistas, estes partidos puseram em marcha uma política ofensiva que rompeu o equilíbrio internacional e provocou a Segunda Grande Guerra (1939-45), antecedida pelo sangrento episódio da guerra civil espanhola (1936-39) e terminada por outro ainda mais terrível – o poder nuclear. O fim da Segunda Guerra Mundial marcou o começo de um novo equilíbrio internacional, pautado pela fiscalização da ONU e bipolarizado no antagonismo entre o mundo capitalista e liberal (EUA) e o comunista (URSS e estados-satélites), entre os quais se gerou a Guerra Fria.
  • 12. Espaço de guerra e destruição, atravessado por oscilações económicas e grandes mutações sociais em que novos comportamentos se impuseram , este tempo foi também um tempo de renovação cultural e das mentalidades para os qual as artes contribuíram significativamente. No caos político, social e económico que a guerra instaurou, os valores do pensamento racionalista, optimista e positivista do séc. XIX pareciam já não fazer sentido. A ciência a tecnologia, até aí tidas como construtoras do progresso e promotoras do bem-estar da Humanidade, mostraram pela primeira vez o seu lado negativo.
  • 13. O comportamento humano durante a guerra, com o seu rol de violência, crueldade, violência, sofrimento, abnegação … tornou obsoletas certas convicções arreigadas pela tradição. Instalou-se assim o cepticismo, o relativismo, o sentido do absurdo, a crise de valores e a contestação sistemática e socialmente provocatória, expressa nas criações de muitos intelectuais da época. Essa contestação mais não fazia do que pôr em evidência as mutações silenciosas por que as sociedades ocidentais estavam a passar, pondo em questão a religião, as instituições e os costumes, alterando hábitos e mentalidades e instaurando inconformismos.
  • 14. Essas mutações ocorreram num novo contexto: o das grandes cidades ocidentais, transformadas, pelo crescimento demográfico e pela modernização dos modos de vida, em grandes amontoados de pessoas vivendo e movimentando-se por ritmos semelhantes, numa cultura de massas, que a publicidade e a propaganda pretendiam manipular no seu interesse e cujos principais veículos de comunicação foram (para além dos jornais) a rádio e o cinema. Assim, entre a massificação crescente e a alienante da cultura e dos modos de vida e a velocidade a que as transformações se operavam, a arte ganhou para si um estatuto cada vez mais individualista e independente, reivindicando autonomia e liberdade em relação à sociedade ou a quaisquer programas ideológicos, temáticos ou técnicos.
  • 15. Todavia, reservou-se o direito de sobre ela intervir, ao integrar essas mesmas transformações ou ao reflectir sobre elas. Ao questionar a sociedade, a arte questionou também o seu próprio papel no contexto social e as relações entre ela e o seu público. A crítica mordaz dos artistas chegou ao ponto de pôr em causa a própria essência da arte, revendo o conceito e definição dos fenómenos artísticos, cuja delimitação se tornou cada vez mais imprecisa e complexa.
  • 16.
  • 17.
  • 18. Década de prosperidade e liberdade, animada pelo som das jazz-bands e pelo charme das melindrosas mulheres modernas da época, que frequentavam os salões e traduziam no seu comportamento e modo de vestir o espírito da também chamada Era do Jazz. LOUCOS anos 20
  • 19. - As carruagens dão lugar a carros possantes. - Década da ‘liberação’ femina - Década da influência de Hollywood na moda Jazz - “American way of life” - Grandes estilistas (Coco Chanel, Jean Patou Jacques Doucet) Os loucos anos 20