Euforia das Invenções

8.980 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.980
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.459
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
175
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Euforia das Invenções

  1. 1. A euforia das invenções 1905 – 1960 da exposição dos fauves à viragem dos anos 60
  2. 3. O ano de 1905 assinala, para a Europa, o fim de uma era de felicidade e Alienação – a do optimismo que caracterizava a Belle Époque – e o começo De outra, mais céptica e violenta, marcada pela escalada de rivalidades e violência que resultou na eclosão do primeiro conflito mundial – a guerra De 1914-18.
  3. 4. Travada essencialmente na Europa, a Primeira Grande Guerra abalou profundamente as sociedades e o Estados ocidentais. O pós-guerra foi duro, ocupado com a gigantesca tarefa de reconstrução material e económica dos países envolvidos e com a falta de verbas dos governos para os financiamentos adequados.
  4. 5. A inflação foi galopante e o desemprego dramático, sobretudo entre os desmobilizados ou os que tiveram de reconverter a sua actividade. A agitação social evoluiu, por isso, num crescendo, incentivada pelo movimento operário e pelos partidos de esquerda os quais o êxito da recente Revolução Socialista Soviética (1917), na Rússia, viera dar novo alento.
  5. 6. As democracias ocidentais viram-se então a braços com tremendas dificuldades: enquanto lutavam pela estabilidade política ameaçada pela oposição , eram obrigadas a contrair avultados empréstimos financeiros para poderem resolver os problemas económicos e sociais internos.
  6. 7. O grande credor da Europa foi, nesta época, o Governo dos Estados Unidos da América que, sem guerra no seu território, tinha expandido extraordinariamente a sua economia durante a mesma, abastecendo a Europa e substituindo-a nos mercados dos outros continentes. Estas circunstâncias permitiram aos EUA conhecer uma situação de prosperidade nunca antes vivida, que deu origem ao mito do american way of life que a Europa procurou copiar.
  7. 8. Este facto, associado às consequências das resoluções dos tratados de paz que, entre 1918 e 1920, puseram fim ao conflito bélico, instaurou uma nova ordem política mundial, na qual a Europa perdeu para os EUA a sua posição hegemónica. Contundo, em 1929,o crash súbito da Bolsa de Nova Iorque veio mostrar como a prosperidade dos anos 20 era frágil e efémera, iniciando a Grande Depressão , que proveniente da América, atingiu todos os continentes, comprovando a mundialização da economia.
  8. 9. Na Europa a Grande Depressão veio travar a recuperação económica do pós-guerra quando esta ainda se encontrava no início, agravando drasticamente as condições de vida e, consequentemente, o descontentamento e a agitação social e política. Na procura de soluções, o debate político-ideológico intensificou-se e radicalizou-se, pondo em risco as democracias parlamentares, de feição liberal, vitoriosas após a guerra.
  9. 10. A oposição dividia-se entre os novos partidos de esquerda, marxistas e socialistas, apoiados pelos sindicatos e pelo Komintern (União dos Partidos Comunistas das nações ex-URSS), e os novos partidos de feição autoritária, como o nacional-socialismo alemão e o fascismo italiano. A grande instabilidade política e económica, as frequentes greves e manifestações provocadas pela agitação operária e o medo que os excessos da Revolução Russa, então na era estalinista, provocaram na opinião pública dos países ocidentais explicam a subida de popularidade destes partidos autoritários e a sua chegada ao poder em países como a Itália(1922), Portugal (1926), Alemanha (1933), Espanha (1939) e outros.
  10. 11. Profundamente nacionalistas, estes partidos puseram em marcha uma política ofensiva que rompeu o equilíbrio internacional e provocou a Segunda Grande Guerra (1939-45), antecedida pelo sangrento episódio da guerra civil espanhola (1936-39) e terminada por outro ainda mais terrível – o poder nuclear. O fim da Segunda Guerra Mundial marcou o começo de um novo equilíbrio internacional, pautado pela fiscalização da ONU e bipolarizado no antagonismo entre o mundo capitalista e liberal (EUA) e o comunista (URSS e estados-satélites), entre os quais se gerou a Guerra Fria.
  11. 12. Espaço de guerra e destruição, atravessado por oscilações económicas e grandes mutações sociais em que novos comportamentos se impuseram , este tempo foi também um tempo de renovação cultural e das mentalidades para os qual as artes contribuíram significativamente. No caos político, social e económico que a guerra instaurou, os valores do pensamento racionalista, optimista e positivista do séc. XIX pareciam já não fazer sentido. A ciência a tecnologia, até aí tidas como construtoras do progresso e promotoras do bem-estar da Humanidade, mostraram pela primeira vez o seu lado negativo.
  12. 13. O comportamento humano durante a guerra, com o seu rol de violência, crueldade, violência, sofrimento, abnegação … tornou obsoletas certas convicções arreigadas pela tradição. Instalou-se assim o cepticismo, o relativismo, o sentido do absurdo, a crise de valores e a contestação sistemática e socialmente provocatória, expressa nas criações de muitos intelectuais da época. Essa contestação mais não fazia do que pôr em evidência as mutações silenciosas por que as sociedades ocidentais estavam a passar, pondo em questão a religião, as instituições e os costumes, alterando hábitos e mentalidades e instaurando inconformismos.
  13. 14. Essas mutações ocorreram num novo contexto: o das grandes cidades ocidentais, transformadas, pelo crescimento demográfico e pela modernização dos modos de vida, em grandes amontoados de pessoas vivendo e movimentando-se por ritmos semelhantes, numa cultura de massas, que a publicidade e a propaganda pretendiam manipular no seu interesse e cujos principais veículos de comunicação foram (para além dos jornais) a rádio e o cinema. Assim, entre a massificação crescente e a alienante da cultura e dos modos de vida e a velocidade a que as transformações se operavam, a arte ganhou para si um estatuto cada vez mais individualista e independente, reivindicando autonomia e liberdade em relação à sociedade ou a quaisquer programas ideológicos, temáticos ou técnicos.
  14. 15. Todavia, reservou-se o direito de sobre ela intervir, ao integrar essas mesmas transformações ou ao reflectir sobre elas. Ao questionar a sociedade, a arte questionou também o seu próprio papel no contexto social e as relações entre ela e o seu público. A crítica mordaz dos artistas chegou ao ponto de pôr em causa a própria essência da arte, revendo o conceito e definição dos fenómenos artísticos, cuja delimitação se tornou cada vez mais imprecisa e complexa.
  15. 16. As Invenções Albert Einstein – a teoria da relatividade (1910), na qual se demonstra que o espaço, o tempo e o movimento não são absolutos, mas sim relativos ao observador e aos seus próprios movimentos no espaço – a concepção positivista da ciência entrou em declínio. <ul><li>A psicanálise, fundada por Sigmund Freud. </li></ul><ul><li>Freud mostrou a importância do inconsciente no comportamento humano, tendo concluído que o comportamento do Homem era comandado por impulsos inconscientes escondidos na profundidade da mente humana. </li></ul><ul><li>O impacto cultural das concepções psicanalíticas deu-se em muitos campos, nomeadamente na arte, na literatura, na religião e nos comportamentos. </li></ul><ul><li>A nível artístico, motivou os escritores e artistas para a exploração do inconsciente na arte. </li></ul>
  16. 17. As Invenções <ul><li>No início do séc. XX, dão-se profundas transformações na literatura e nas artes contra a tradição e um desafio à sociedade. </li></ul><ul><li>É a época do Modernismo e das experiências de vanguarda que se caracterizaram por: </li></ul><ul><li>a) Rompimento com a arte tradicional </li></ul><ul><li>b) Criação de uma linguagem pictórica própria </li></ul><ul><li>c) concepção da arte como uma investigação permanente (busca de novas técnicas, novos materiais). </li></ul>Surge, no século XX, o Movimento das Vanguardas ou Vanguardismo (revolução plástica) Os artistas vanguardistas assumem-se como os pioneiros, os «avant-garde», tendo por missão inventar o futuro e criar um mundo novo.
  17. 18. Década de prosperidade e liberdade, animada pelo som das jazz-bands e pelo charme das melindrosas mulheres modernas da época, que frequentavam os salões e traduziam no seu comportamento e modo de vestir o espírito da também chamada Era do Jazz. LOUCOS anos 20
  18. 19. - As carruagens dão lugar a carros possantes. - Década da ‘liberação’ femina - Década da influência de Hollywood na moda Jazz - “American way of life” - Grandes estilistas (Coco Chanel, Jean Patou Jacques Doucet) Os loucos anos 20
  19. 20. Os loucos anos 20

×