Gênero lírico

24.615 visualizações

Publicada em

Gêneros literários - gênero lírico. Versificação: rima, métrica, tipos de construção.

Publicada em: Educação
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.615
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
110
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
455
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gênero lírico

  1. 1. Gênero lírico<br />métrica, rima, composição<br />
  2. 2. Características do gênero<br />A palavra lírico vem do nome de um pequeno instrumento musical da antiguidade, a lira.<br />Manifestação de um eu lírico, a expressão de seus sentimentos pessoais, seu mundo interior, suas emoções e impressões.<br />Expressão artística ser estritamente subjetiva, interiorizando o mundo exterior, criando identificações; <br />No plano formal, há predominância de pronomes e verbos em 1ª pessoa.<br />Preocupação com a forma, com destaque para aspectos métricos e melódicos.<br /> Predomínio das funções emotiva e poética. <br />
  3. 3. Eu lírico<br />Também chamado de "eu poético"<br />Enunciador do poema<br />Existência textual, não real<br />
  4. 4. Verso e estrofe<br />Verso é a unidade básica do poema<br />Cada linha de uma composição poética<br />Estrofe é o agrupamento de versos<br />O conjunto de versos (ou, mais raramente, o verso único) que se repete ao final de estrofes tem o nome de estribilho.<br />Versos brancos não possuem rima<br />Versos livres não possuem rima e métrica<br />
  5. 5. Classificação de estrofes<br />
  6. 6. Rima<br />Homofonia externa entre palavras e expressões<br />Coincidência fonêmica entre palavras a partir da vogal tônica<br />
  7. 7. Classificação fonêmica<br />Rimas consoantes (perfeitas)<br />bola/escola, amigas/antigas<br />Rimas assonantes (imperfeitas)<br />bailarinas/raparigas, espelho/zelo, choro/imploro<br />Rima preciosa<br />estrela/ vê-la, gala/ abraçá-la<br />
  8. 8. Classificação categórica<br />Rima rica<br />classes gramaticais diferentes<br />cicatriz/ feliz, cantar/mar<br />Rima pobre<br />mesma classe gramatical<br />coração/ razão, dizer/fazer<br />
  9. 9. Classificação posicional<br />Emparelhadas<br />AABB<br />Alternadas (cruzadas)<br />ABAB<br />Interpoladas (intercaladas)<br />ABBA<br />Encadeadas (internas)<br />AaBbAbB<br />
  10. 10. Métrica<br />Medida do número de sílabas poéticas de um verso<br />Base fonética<br />Escansão é o processo de contagem das sílabas<br />
  11. 11. Quantidade de sílabas<br />
  12. 12. Procedimentos de escansão<br />Contagem até a última sílaba tônica<br />Elisão<br />Junção da vogal átona com vogal inicial<br />Crase<br />Junção de vogal átona final com idêntica inicial<br />Sinérese<br />Transformação do hiato em ditongo<br />Diérese<br />Transformação do ditongo em hiato<br />
  13. 13. Eu, filho do carbono e do amoníaco,<br />Eu,| fi|lho|do| car|bo|no e| do a|mo|ní|aco,<br />Monstro de escuridão e rutilância,<br />Mons|tro|dees|cu|ri|dão|e|ru|ti|lân|cia,<br />Sofro, desde a epigênese da infância,<br />So|fro,| des|de a e|pi|gê|ne|se|dain|fân|cia,<br />A influência má dos signos do zodíaco.<br />A in|flu|ên|cia|má|dos|sig|nos|do|zo|dí|aco<br />Augusto dos Anjos<br />
  14. 14. Cavalgamento<br />Cavalgamento (enjambement) é o desalinhamento entre a estrutura oracional e o final do verso<br />"A vós correndo vou, braços sagrados, Nessa cruz sacrossanta descobertos Que, para receber-me, estais abertos, E, por não castigar-me, estais cravados"<br />Gregório de Matos<br />
  15. 15. Ritmo<br />Sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com intervalos regulares em um verso.<br />
  16. 16. A valsa<br />Tu, ontem,Na dançaQue cansa,VoavasCo'as facesEm rosasFormosasDe vivo,LascivoCarmim;Na valsaTão falsa,Corrias,Fugias,Ardente,Contente,Tranquila,Serena,Sem penaDe mim!<br />Casimiro de Abreu<br />
  17. 17. Formas fixas<br />Haicai<br />Rondó<br />Acróstico<br />Ode<br />Soneto<br />
  18. 18. Haicai<br />Origem japonesa<br />17 sílabas em três versos (5-7-5)<br />Referências à natureza<br />Evento particular no presente<br />Perpetuação de um instante<br />
  19. 19. Um gosto de amora<br />comida com sol. A vida<br />chamava-se: "Agora."<br />Guilherme de Almeida<br />
  20. 20. Rondó<br />Formado por oito quadras ou quatro oitavas. <br />Uma quadra se repete ao fim de oitavas ou de duas quadras. <br />A rima correspondente ao primeiro verso situa-se no interior do segundo, a deste no interior do quarto. <br />O verso de preferência é a redondilha maior. <br />
  21. 21. Rondó dos cavalinhos<br />Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo...Tua beleza, Esmeralda, Acabou me enlouquecendo.Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo...O sol tão claro lá foraE em minhalma — anoitecendo!Os cavalinhos correndo,E nós, cavalões, comendo...Alfonso Reys partindo,E tanta gente ficando...<br />Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo...A Itália falando grosso,A Europa se avacalhando...Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo...O Brasil politicando,Nossa! A poesia morrendo...O sol tão claro lá fora,O sol tão claro, Esmeralda,E em minhalma — anoitecendo!<br />Manuel Bandeira<br />
  22. 22. Acróstico<br />Poema em que as letras iniciais dos versos no sentido vertical formam um nome de pessoa, frase ou palavra intencional.<br />
  23. 23. Acróstico<br />M ais que a minha própria vidaA lém do que eu sonhei pra mimR aio de luzI nspiraçãoA mor você é assimR ima dos versos que eu cantoI menso amor que eu falo tantoT udo pra mimA mo você assim<br />M eu coraçãoE ternamenteU m dia eu te entreguei<br />A mo você M ais do que tudo eu seiO solR aiou pra mim quando eu te encontrei<br />Roberto Carlos<br />
  24. 24. Ode<br />Em grego, significa canto.<br />Forma variável e complexa.<br />Exprime alegria e entusiasmo.<br />Exaltação de personagens.<br />
  25. 25. Ode aos ratos<br />Rato de ruaIrrequieta criaturaTribo em frenética proliferaçãoLúbrico, libidinoso transeunteBoca de estômagoAtrás do seu quinhão<br />Vão aos magotesA dar com um pauLevando o terrorDo parking ao livingDo shopping center ao léuDo cano de esgotoPro topo do arranha-céu<br />Rato de ruaAborígene do lodoFuça geladaCouraça de sabãoQuase risonhoProfanador de tumbaSobreviventeÀ chacina e à lei do cão<br />Saqueador da metrópoleTenaz roedorDe toda esperançaEstuporador da ilusãoÓ meu semelhanteFilho de Deus, meu irmão<br />Chico Buarque<br />
  26. 26. Soneto<br />Composto por quatro estrofes: dois quartetos e dois tercetos.<br />As rimas dos quartetos não se alteram.<br />Tema único por todo o soneto.<br />Último verso é chamado de "chave de ouro" e deve resumir o espírito do soneto.<br />
  27. 27. Soneto da fidelidade<br />De tudo, meu amor serei atentoAntes, e com tal zelo, e sempre, e tantoQue mesmo em face do maior encantoDele se encante mais meu pensamento.<br />Quero vivê-lo em cada vão momentoE em seu louvor hei de espalhar meu cantoE rir meu riso e derramar meu prantoAo seu pesar ou seu contentamento.<br />E assim, quando mais tarde me procureQuem sabe a morte, angústia de quem viveQuem sabe a solidão, fim de quem ama<br />Eu possa me dizer do amor ( que tive ) :Que não seja imortal, posto que é chamaMas que seja infinito enquanto dure.<br />Vinícius de Moraes<br />

×