1
REPÚBLICA DE ANGOLA
MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO
INSTITUTO MÉDIO DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ( I.M.A.G.)
MATERIAL DE APOIO DE LÍ...
2
AULA Nº 1
Distinção entre texto literário e não literário
A literatura é um dos campos mais vasto da nossa língua. Convé...
3
3). É um desvio à norma padrão, onde predomina a função
poética da linguagem.
4). O seu interesse é informar.
Texto não ...
4
Não falaremos deste processo, porque não faz parte do nosso
programa currilar.
AULA Nº 2
OS TIPOS DE GÉNERO LITERÁRIO
O ...
5
 A balada, O vilancete, e o soneto.
 A elegia, A canção,
 A cantata, A cantiga,
 A ode, A endecha,
TAREFA PARA CASA
...
6
A anedota e a lenda.
TAREFA PARA CASA
1. Investigar as definições dos textos acima citados. Manual de
consulta, dicionár...
7
c). Quanto à organização das sequências narrativas.
1.1. Acção quanto ao relevo pode ser:
a) Acção principal ou central-...
8
2.1. Quanto ao relevo pode ser:
a). Personagem principal ou protagonista – à volta
de quem giram os acontecimento.
b). S...
9
c) Social e cultural – é o lugar que caracteriza a situação
social e económica ou meio em que vivem as
personagens. Defi...
10
a). Heterodiegético4
– quando o narrador se limiata a
relatar os acontecimento sem participar neles.
b). Homodiegético5...
11
2.4. SOLILÓQUIO – quando personagem esta completamente
sozinho.
II TRIMESTRE DO ANO EM CURSO
AULA Nº4
OS VERBOS8
São pa...
12
As Subclasses do verbo
O verbo pode ser classificado em: principal ou auxiliar, de acção
ou de ligação, regular, irregu...
13
Intransitivo – que não tem complemento.
AULA Nº5
As Flexões do Verbo
Os verbos apresentam as variações em: número, pess...
14
Ex: eu canto hoje.
- O António leu o livro.
Eles partirão no sábado.
b). Conjuntivo – apresenta o facto como uma
possib...
15
Os tempos na sua forma natural são três: Presente, futuro e passado (
pretérito). O presnte é indivisivel, mas o preter...
16
Modo imperativo.:
O imperativo é o modo que so se conjuga no presente, na 2ª pessoa do
singular e do plural. A 3ª(pl.),...
17
1º Só as frase com complemento directo podem ser escritas na voz passiva.
Ex: O João come o bolo.
2º O complemento dire...
18
2. Conjugação reflexa – obtém-se com os pronomes pessoais reflexos
me, te, se, nos, vos.
Ex: levo-te todos os dias de m...
19
3. Particípio passado – indica uma acção concluída no passado.
Emprega-se na formação dos tempos compostos, na voz pass...
20
Locuções advérbiais – são grupos de palavras que tem o
mesmo valor de advérbios.
Ex: Partiste o copo propositadamente –...
21
AVALIAÇÃO CONTÍNUA.
AULA Nº 9
AS CONJUNÇÕES
São palavras que servem para ligar orações ou elementos com
a mesma função ...
22
Conclusivas Logo, pois,
portanto
Por conseguinte, por consequência
Explicativas Pois porquanto,
que.
CONJUNÇÕES E LOCUÇ...
23
Aula nº 10
Sumário: A Comunicação ou Acto comunicativo
-- Linguagem e Língua
Comunicar é um acto fundamental que os ser...
24
Emissor → Recepto → Mensagem → Código → Canal → Contexto
Emissor27
– quem envia ou transmite a mensagem;
Receptor28
– q...
25
Bilateral32
– a que se faz nos dois sentidos ( quando existe reciprocidade –
ambas as partes funcionam como emissor e c...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.

344 visualizações

Publicada em

MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES DO CURSO DE CONTABILIDADE, ESTATISTÍCA E INFORMÁTICA DA 11ª CLASSE

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
344
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.

  1. 1. 1 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO MÉDIO DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ( I.M.A.G.) MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES DO CURSO DE CONTABILIDADE, ESTATISTÍCA E INFORMÁTICA DA 11ª CLASSE BASEADO NAS AULAS MINISTRADAS E EM ALGUMAS INVESTIGAÇÕES 934423846 Elaborado por: Jurista, Ilidio Muacandala
  2. 2. 2 AULA Nº 1 Distinção entre texto literário e não literário A literatura é um dos campos mais vasto da nossa língua. Convém, então difinirmos o que entende-se por literatura. Literatura- são obras escritas em prosa ou poesia, cuja a finalidade é a beleza artística. Ou pode ser, a arte de expimir os pensamentos e as emoções1 em composicões escritas. Texto literário- é aquele escrito em prosa ou poesia, e se preocupa com a beleza da mensagem utilizando uma linguagem literária ( conotativa) cuja a finalidade é a beleza artística. Ex: Descobrir as tragédias e as farsas dessa multidão diária que cobre de carne humana e de tumulto os rossios, as janelas, as igrejas, os eléctricos, os cafés e as tabernas, eis uma das mais deleitosas ocupacões do meu destino de espectador sui géneris aliás, pois não me limito a assistir à vida do camarote do meu segundo andar, mas a saltar de vez em quando, a pés juntos, para o palco e a representar também «algumas rábulas». José Gomes Ferreira,( O Mundo dos Outros) No texto literário prodomina a linguagem conotativa, que é aquela que o autor constrói o texto utilizando um vocabulário subjectivo, da sua escolha, ao qual ele confer um sentido muito particular. Sentido este que pode ser alterado de leitor para leitor, originando assim múltiplas interpretações. CARACTERÍSTICAS DO TEXTO LITERÁRIO 1). Elaborado, ambiguo e rico em vocabulário, construções expressivas e rucursos estilísticos. 2). Escritos segundo a subjectividade do autor. 1 Claro que são emoções dos autores
  3. 3. 3 3). É um desvio à norma padrão, onde predomina a função poética da linguagem. 4). O seu interesse é informar. Texto não literário- é aquela escrito com simples objectivo de informar o leitor. Ex: Lunda Sul, Namibe, Huambo, Benguela, Cabinda e Luanda acolheram as actividades de maior vulto do Dia da Paz, em que destacaram as feiras e espectáculos musicais.as grande realizações em todas as províncias foran festejadas por milhares de angolanos. Jornal de Angola ( 6 de Abril de 2014) Nestes textos predomina a linguagem denotativa, que é quando o autor escolhe uma linguagem mais objectiva, directa e ausente da possibilidade de iterpretações particulares. É uma linguagem mais correcta e mais transparente. CARACTERÍSTICAS DO TEXTO NÃO LITERÁRIO 1). Simplies, directo, vocabulário limitado e poucas técnicas expressivas. 2). Discurso objectivo 3). Não se verificam desvios significativo e predomina a função informativa da linguagem. 4). O seu interesse é informar. N.B. Um dos outros processos muito utilizado com o intuito de enriquecer e embelezar a mensagem a nível de forma e do conteúdo, aumentando o seu valor expressivo, para além do texto literário, é o processo de figuras de estilos ou retóricas.
  4. 4. 4 Não falaremos deste processo, porque não faz parte do nosso programa currilar. AULA Nº 2 OS TIPOS DE GÉNERO LITERÁRIO O facto de distinguir se uma obra literária está escrito em prosa ou em poesia, não basta como classificação. Devemos integrá-la segundo o seu conteúdo, num dos géneros literários que serve para esse efeito. Este são:  Género Lírico2  Género Narrativo  Género Dramático 1. GÉNERO LÍRICO São expressões subjectivas do mundo interior do “eu” que predomina as funções emotivas e expressivas da linguagem, que fazem transparecer os sentimentos e emoções do autor. Sem acontecimentos, nem narrações e concebido para ser lido. Falar de género lírico é o mesmo falar de composições poéticas ou genero poetico. Saba-se que a poesia é escrita em verso, mas nem todos os textos líricos ou poéticos são escritos em verso. Tem alguns que são escritos em prosa, os chamados de prosa poética. O discurso é na primeira pessoa. ALGUNS TEXTOS LÍRICOS OU POÉTICOS. 2 Ou género poetico.
  5. 5. 5  A balada, O vilancete, e o soneto.  A elegia, A canção,  A cantata, A cantiga,  A ode, A endecha, TAREFA PARA CASA 1. Investigar as definições dos textos acima citados. Manual de consulta, dicionário universal de língua portuguesa, texto editores ( o grande).3 2. GÉNERO NARRATIVO É o género em que um narrador relata a um ouvinte um evento recorrendo à narração, à descrição, ao diálogo e à reflexão. Envolve diferentes personagens que fazem mover o aspecto mais importante de um texto narrativo: a acção. Centra-se na função informativa da linguagem e representa o mundo exterior e objectivo. Predomínio da terceira pessoa. Os principais textos narrativos são: O apólogo, A parábola, A cronica, O conto, O romance A fábula, O poema épico (cantos heróico), 3 Dicionário grande e universal
  6. 6. 6 A anedota e a lenda. TAREFA PARA CASA 1. Investigar as definições dos textos acima citados. Manual de consulta, dicionário universal de língua portuguesa, texto editores ( o grande). AULA Nº 3 CATEGORIA DE UM TEXTO NARRATIVO OU ELEMENTOS DO TEXTO NARRATIVO  ACÇÃO,  PERSONAGEM,  ESPAÇO,  TEMPO,  NARRADOR. 1. Acção- é uma sucessão de pequenos acontecimento que se destacam porque correspondem a uma unidade temática e contribuem para o avanço da história. A acção pode ser classificada: a). Quanto ao relevo, b). Quanto à delimitação
  7. 7. 7 c). Quanto à organização das sequências narrativas. 1.1. Acção quanto ao relevo pode ser: a) Acção principal ou central- correspondem ao acontecimentos mais importantes que as vezes dão o título à história. b) Acção secundária- consiste na narração de sequências de menor relevo na diegese( na história contada). 1.2. Acção quanto à delimitação pode ser: a). Aberta – quando o final da hostória não é revelado. b). Fechada- quando a história é contada até ao desfecho final. 1.3. Acção quanto à organização das sequências narrativas pode ser: a). Encadeamento – uma sequência é contada a seguir da outra, de um modo linear, sucessivamente. b). Alternância – conta-se mais de uma história, alternando, ora uma, ora outra, até que no fim se juntam. c). Encaixe- dentro de uma história, conta-se outra que enriquece a primeira. 2. Personagem – elemento indispensável de uma acção, conduzem a intriga e levam-na ao clímax( ao ponto mais alto). A difinição de uma acção também obedece alguns parâmetro. Estes podem ser: a) Quanto ao relevo b) Quanto à composição e formulação c) Quanto ao processo de caracterização.
  8. 8. 8 2.1. Quanto ao relevo pode ser: a). Personagem principal ou protagonista – à volta de quem giram os acontecimento. b). Secundária – com menor importancia para acção, age à volta da personagem principal e dos acontecimentos centrais. c). Figurante – simples papel decorativo, está presente sem contribuir para o desenrolar dos acontecimentos. 2.2. Quanto à composição e formulação pode ser: a). Planas ou tipos –são personagens estáticas, sem vida interior, sem densidade psicológica, não alteram o seu comportamento ao longo da historia, nem evoluem psicologicamente. b). Modeladas ou redondas. – são personagens dinâmicas e com densidade psicológica, cheias de vida interior, capazes de surpreenderem o leitor pelas sua atitudes e comportamentos. 2.3. Quanto ao processo de caracterização pode ser: a). Directa – através das falas da personagem sobre si própria, das falas de outras personagens e de descrições de narrador. b). Indirecta – deduções do leitor a partir das atitudes de cada personagem. 3. ESPAÇO – onde decorre a acção, onde se movimentam as personagens. Este pode ser classificado em: a) Físico – lugar onde a acção se realiza. b) Psicológico – lugar do pensamento das personagens.
  9. 9. 9 c) Social e cultural – é o lugar que caracteriza a situação social e económica ou meio em que vivem as personagens. Define as classes e grupos sociais com os seus interesses, as suas ideologias e crenças, os seus valores, a sua posição na sociedade. 4. Tempo – quando decorrer a acção. Este pode ser: a). Cronológico – que é o tempo real, com marcas temporais e referencias a hora, dias, semanas, meses e anos. Dentro do tempo cronológico podemos encontrar algumas alterações da ordem dos acontecimento e resumos que podem ser : Analepse – recuo no tempo. Prolepse – avanço no tempo, ou quando se antecipa acontecimentos futuros. Elipse – quando se omitem alguns períodos mais longos da histórias julgados dispensáveis. b). Psicológico – é tempo vivido pelas subjectivamente vivido pelas personagens e de modo como elas sentem o pulsar do tempo, em função do seu próprio estado de espírito. 5. O narrador – que tem o papel de contar a historia. As vezes pode coincidir com o próprio autor ou com uma ads personagens. Pode ser classificado: 5.1. Quanto à presença:
  10. 10. 10 a). Heterodiegético4 – quando o narrador se limiata a relatar os acontecimento sem participar neles. b). Homodiegético5 – surge como mais uma das personagens da acção, relatando os acontecimentos. c). Autodiegético6 – quando o narrador é ao mesmo tempo o protagonista da acção. 5.2. Qunato à ciência: a). Omnisciente – quando o narrador é conhecedor de todos os acontecimentos exteriores ou interiores à vida das personagens. b). Não omnisciente – quando faz transparecer que conhece apenas alguns aspectos da história e das personagens. MODO DE REPRESENTAÇÃO O DISCURSO 1.1. DESCRIÇÃO – sempre que se interrompe a história para fazer o retrato das personagens( físico e psicológico) e descrever o espaço. Momento de pausa. 1.2. NARRAÇÃO – momento em que se conta a história contribuindo para desenrolar da acção. Momento de avanço. MODOS DE EXPRESSÃO DO DISCURSO 2.1. DÍALOGO – duas ou mais personagens conversam e o narrador utiliza o discurso directo para transcrever as suas falas. 2.2. MONÓLOGO7 – uma personagem fala sozinho. 2.3. REFLEXÃO – transcrição dos pensamentos e das opiniões das personagens. 4 Pode ainda ser chamado de não participante 5 Pode ser ainda,chamado de participante 6 Personagem principal ou protagonista 7 Pode ter pessoa e não lhe prestarem atenção.
  11. 11. 11 2.4. SOLILÓQUIO – quando personagem esta completamente sozinho. II TRIMESTRE DO ANO EM CURSO AULA Nº4 OS VERBOS8 São palavras de formas variáveis que exprimi o que se passa, isto é, acontecimento representado no tempo. Na oração exerce a funçaõ obrigatoria de predicado. Ex: O Bruno joga á bola. As Conjugações Verbais Em português, distingui-se três tipos de conjugações verbais que são designadas a partir do tema do verbo que se obtém depois de retirarmos o « r » final ao infinitivo. A vogal final chama-se vogal temática. Temos, então, três conjugações: 1ª Conjugação – verbos de tema em – a ( vogal temática) Ex.: fala(r) Ama(r) 2ª Conjugação - verbos de tema em – e (vogal temática) Ex.: Come(r) Bebe(r) 3ª Conjugação – verbo de tema em – i ( vogal temática) Ex.: Parti(r) Fali(r)9 N.B. O verbo pôr e os seus derivados, pertecem na 2ª conjugação, através da origem do verbo pôr que é latina: poer. 8 O centro de uma oração ou frase. 9 Verbo defectivo.
  12. 12. 12 As Subclasses do verbo O verbo pode ser classificado em: principal ou auxiliar, de acção ou de ligação, regular, irregular ou defectivo, pronominal, transitivo ou intransitivo. Vamos difini-los. Principal – o verbo que tem o significado mais importante da frase. Auxiliar – com menos relevancia para frase, auxilia apenas o verbo principal na formação dos tempos compostos. De acção – o conjunto de verbos que exprimem a acção. Ex.: comer, trabalhar, bater.... De ligação10 – que precisam de outras palvras11 para lhe completar o sentido. Regular – que seguem as regras da conjugação verbal. Irregular – que não segue as regras de conjugação verbal. Defectivo – utiliza-se só para algumas pessoas gramaticais e em alguns tempos. Pronominal – usa-se com umpronome pessoal. Pode ser reflexo ou recíproco. Ex.: Aleijou-se. --- Reflexo. Beijam-se.--- Recíproco. Transitivo – que tem complemento: directo (transitivo directo), indirecto (transitivo indirecto) e duplo complemento (transitivo indirecto). 10 Ou copulativo 11 Verbo predicativo do sujeito.
  13. 13. 13 Intransitivo – que não tem complemento. AULA Nº5 As Flexões do Verbo Os verbos apresentam as variações em: número, pessoa, modo, tempo, aspecto e voz. 1.1. Número: a). Singular – quando se refere a uma só pessoa ou coisa. b). Plural – quando tem por sujeito mais de uma pessoa ou coisa.. Singular Eu- ando Tu - andas Ele –anda Plural Nós – andamos Vós – andais Eles(a) – andam 1.2. Pessoa O verbo tem três pessoas relacionadas directamente com a pessoa gramátical que lhe serve de sujeito. a). 1ª que fala, corresponde aos pronomes pessoais, eu e nós. b). 2ª com quem se fala, corresponde aos pronomes pessoais, tu e vós. c). 3ª de quem se fala, corresponde aos pronomes pessoais, ele, ela e eles, elas. 1.3. Modo – o modo nos verbos indica a atitude do emissor em relação à acção: dúvida, certeza, realidade, suposição, ordem, etc. a). Indicativo – apresenta o facto como real ou certo.
  14. 14. 14 Ex: eu canto hoje. - O António leu o livro. Eles partirão no sábado. b). Conjuntivo – apresenta o facto como uma possibilidade12 , uma dúvida ou um desejo. Ex: espero que saibas o que estás a fazer. - Eu talvez cante hoje. c). Imperativo – apresenta uma ordem, um pedido ou uma súplica. Ex: ouve-me com atenção! - Por favor, acompanha-me. - Compra-me um gelado. d). Condicional – indica que a realização da acção está depender de uma condição. Ex: se fosse domingo, dormiria até ao meio-dia. - Iria contigo se soubesse que não voltavas muito tarde. N.B. muito gramático consideram o condicional não como um modo mas como um tempo do modo indicativo, a que chamam futuro do pretérito. 1.4. Tempo – o tempo exprime o momento que se situa a acção expressa pelo verbo, em relação ao momento em que se fala: presente; a um momento posterior: futuro; ou a um momento anterior: passado. 12 É por este motivo que se utiliza a partícula se e que, que no presente e se noutros tempos.
  15. 15. 15 Os tempos na sua forma natural são três: Presente, futuro e passado ( pretérito). O presnte é indivisivel, mas o preterito e o futuro subdividem-se no modo indicativo e no conjuntivo. Modo indicativo. : Presente- estudo Pretérito pode ser: Pretérito imperfeito – estudava. Pretérito perfeito: simples –estudei, composto – tenho estudado. Pretérito mais-que-perfeito: simples – estudara, composto – tinha estudado. Futuro pode ser: Futuro13 imperfeito- estudarei, perfeito – terei estudado. Modo conjuntivo.: Presente: estude. Pretérito pode ser: Pretérito imperfeito – estudasse. Pretérito perfeito – tenho estudaddo. Pretérito mais-que-perfeito – tivesse estudado. Futuro14 – simples – estudar, composto – tiver estudado. 13 Podemos ainda adoptar a outra divisão que é futuro do presente: simples-estudarei, composto- terei estudado, e do pretérito: simples – estudaria, composto- teria estudado 14 O futuro do conjuntivo conjuga-se do mesmo modo que o infinitivo pessoal.
  16. 16. 16 Modo imperativo.: O imperativo é o modo que so se conjuga no presente, na 2ª pessoa do singular e do plural. A 3ª(pl.), 1ª(pl.) e 3ª(pl.), é so recorrer ao presente do conjuntivo de qualquer verbo que se quer conjugar. Ex: estuda (tu), estude (ele), estudemos (nós), estudai (vós), estudem (eles/elas). 1.5. Aspecto.15 Acerca do aspecto deixarei como um trabalho investigativo para estudantes, qualquer dúvida que surgir por parte dos estudantes não exitem em contactar o professor. REVISAO 1 1.6. A voz Em português, a acção pode ser representada em três vozes: Activa, passiva e reflexiva. a). Voz activa – quando o sujeito pratíca a acção expessa pelo verbo. Ex: O João come o bolo. b). Voz passiva – quando o sujeito sofre ou recebe a acção expressa pelo verbo. Ex: O bolo é comido pelo João. c). Voz reflexiva – quando acção expressa pelo verbo é praticada e sofrida pelo sujeito. Ex: O João feriu-se. - Dei-me com pedra na cabeça. Existem algumas regras por seguir para se passar uma frase na voz activa para passiva: 15 Para investigar por parte dos estudantes.
  17. 17. 17 1º Só as frase com complemento directo podem ser escritas na voz passiva. Ex: O João come o bolo. 2º O complemento directo da voz activa passa para sujeito da voz passiva. 3º A voz passiva é construída com o verbo auxiliar ser que se utiliza no tempo em que estiver o verbo principal da frase na voz activa, passa este para o particípio passado. 4º O sujeito da voz activo passa para agente da passiva, regido pela preposição por. Ex: O João come o bolo. O João- sujeito. Come16 - verbo principal no presente do indicativo. O bolo – complemento directo ( existe uma pergunta que se faz ao verbo para identicar o complemento directo: o quê? E para o complemento indirecto é: a quem?). Sendo assim na voz passiva, fica assim: O bolo é comido pelo João. – voz passiva. O bolo – sujeito. É – forma do verbo ser no presente do indicativo. Comido – partcípio passado do verbo comer. Pelo João – agente da passiva. AULA Nº 6 TIPOS PARTICULARES DE CONJUGAÇÃO VERBAL 1. Conjugação Pronominal – forma-se com a união das formas do pronome pessoal átono: o, a, os, as e as suas variantes ( lo, la, los, las, no, na, nos nas). Ex: Nós vendemo-lo quando fomos a Paris. 16 Na analise sintática ganha a posição de predicado.
  18. 18. 18 2. Conjugação reflexa – obtém-se com os pronomes pessoais reflexos me, te, se, nos, vos. Ex: levo-te todos os dias de manhã e à tarde. 3. Conjugação Perifrástica – forma-se com um verbo auxiliar conjugado mais um verbo principal no infinitivo ou no gerúndio. Ex: Este ano vou passar férias em Lisboa. - Vou lendo o jornal enquanto caminhas. Recomendação Ler mais e conhecer os verbos para melhor emprega-los. Tarefa para casa 1. Investigar os verbos defectivo essencialmente impessoais, ocasionalmente impessoal e defectivos pessoais. AULA Nº 7 FORMAS NOMINAIS DO VERBO 1. Infinitivo – que pode ser: Pessoa17 e Impessoal. a). Pessoa – quando há um sujeito claramente expresso. Ex: é curioso tu não perceberes o sentido deste obra. b). Impessoal – quando não nos referimos a qualquer sujeito. Ex: querer é poder. 2. Gerúndio – pode ser: simples ou imperfeito – a acção não está concluída. Ex: lendo um jornal à esta hora. - Composto ou perfeito – quando a acção está concluída. Forma-se com o verbo auxiliar ter no gerúndio simples mais o particípio passado do verbo principal. Ex: tendo lido o livro, percebeu muita coisa. 17 O infinitivo pessoal em alguns gramático considera-o como forma modal do verbo e não forma nominal do verbo. Ver gramatica do português moderno e dicionário de verbos portugueses.
  19. 19. 19 3. Particípio passado – indica uma acção concluída no passado. Emprega-se na formação dos tempos compostos, na voz passiva e com o valor de adjectivo. Ex: Ela tinha comido os bolos todos. -- Os bolos foram comido pelo João. -- A cana cortada, produz muito açucar. N.B. Na forma compsta do particípio passado existem verbos auxiliares para verbos regulares, que é: ter e haver, e para verbos irregular, que é: ser e estar. Para os verbos com duplo particípio18 , a regra é a mesmo, os que formam nos verbos regulares, os seu auxiliar é ter e haver, e os irregulares é ser e estar. AULA Nº8 OS ADVÉRBIOS São palavras invariáveis que se junta aos verbos para modificar e especificar o sentido deles e dos adjectivos. Ex: Amanhã vou à praia. -- Nunca vou à praia. Os advérbios podem ser classificados em: Lugar Aqui, aí, ali, cá, além, acima, dentro, fora, etc. Tempo Hoje, ontem, amanhã, já, agora, logo, cedo,etc Quantidade Muito, pouco, mais, menos, bastante, etc. Modo19 Bem, mal, assim, devagar, depressa, etc. Afirmação Sim decerto, certamente, efectivamente, etc. Negação Não, nunca, jamais, etc. Dúvida Talvez, porventura, acaso, possivélmente, etc. Inclusão Mesmo, até, também, inclusivamente, etc. Exclusão Só, somente, apenas, salvo, etc. Designação Eis. 18 Ver gramática do português moderno, do José M.C. Pinto e Maria C.V. Lopes, pag. 300. 19 Nos advérbios de modo, englobam aqueles que terminam em mente, como: propositadamente, claramente e outros.
  20. 20. 20 Locuções advérbiais – são grupos de palavras que tem o mesmo valor de advérbios. Ex: Partiste o copo propositadamente – advérbio de modo. --- Partiste o copo de propósito – locução advérbial de modo. ALGUMAS LOCUÇÕES São: ao contrário, à tarde, à noite, à pressa, com certeza, com efeito, de cima debaixo, por acaso, de mod algum, de repente. Sen dúvida, todos os dias. O Grau dos advérbios. Os advérbios são palavras invariáveis quanto ao género e ao número, mas admitem flexões em grau , assim como acontece em adjectivos. O grau dos advérbios pode ser: Comparativo e Superlativo. a). Grau comparativo20 : - De superioridade- mais cedo. - De inferioridade - menos cedo. - De igualidade – tão cedo. b). Grau superlativo21 : - Absoluto sintético – cedissimo. - Absoluto analítico – muito cedo. 20 Neste caso o advérbio em referencia é o cedo. O comprativo de superioridade do advérbio bem é melhor, e do advérbio mal é pior
  21. 21. 21 AVALIAÇÃO CONTÍNUA. AULA Nº 9 AS CONJUNÇÕES São palavras que servem para ligar orações ou elementos com a mesma função sintática dentro da frase. Ex: Não vou à praia porque não tenho fato de banho. - Não vou à praia – primeira oraçõa. - Não tenho fato de banho – segunda oração. -Porque – a palavra de ligação ( conjunção). CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES Podem ser: coordenativa e subordinativas Coordenativas – quando ligam orações independentes, cuja o sentido é perfeitamente compreensível mesmo se permanecer isolados. A sua união é apenas de complementariedade. Ex: vou à escola e tu ao trabalho. Subordinativas – quando liga orações que dependem uma da outra para fazer sentido. Ex: vou ao trabalho, embora22 esteja a chover. CONJUNÇÕES E LOCUÇÕES COORDENATIVAS CONJUNÇÕES LOCUÇÕES Copulativas e, nem, também. Não só... mas também, não só... como também, tanto... como. Adversativas mas, porém, todavia, contudo, entretanto. Apesar disso, no entanto, ainda assim, não obstante, de outra sorte Disjuntivas Ou Ou...ou, ora...ora, nem...nem, quer...quer, seja...seja, seja...ou 22 Não faria sentido dizermos isoladamente, embora esteja a chover.
  22. 22. 22 Conclusivas Logo, pois, portanto Por conseguinte, por consequência Explicativas Pois porquanto, que. CONJUNÇÕES E LOCUÇÕES SOBORDINATIVAS Conjunções Locuções Temporais Quando, enquanto, apenas, mal, como. antes que, depois que, logo que, assim que, até que, desde que, primeiro que, sempre que, todas as vezes que, tanto que, à medida que, ao passo que. Causais Porque, pois, como, porquanto. Visto que, pois que, já que, por isso mesmo. Finais Que, para Para que, afim de que. Condicional Se A não ser que, desde que, excepto se, no caso que, cantanto que, salva se, uma vez que. Comparativas Como, segundo conforme, tanto. Bem como, como... assim, tão... como, mas... do que, menos... do que. Consecutivas Que23 (procedido de tal, tanto, tão, de tal maneira) de maneira que, de forma que. concessivas Embora, conquanto, Ainda que, mesmo que, posto que ainda, se bem que. Completivas ou integrantes Que 23 Ex: era tão rápido que ganhava sempre
  23. 23. 23 Aula nº 10 Sumário: A Comunicação ou Acto comunicativo -- Linguagem e Língua Comunicar é um acto fundamental que os seres humanos dispoem para se entenderem, para trocarem impressões, partilharem idéias e sentimentos. Este acto é feito frenquentemente por meio da palavra, mas pode ser feito ainda por meio de gestos, desenhos, pinturas, sinais opticos, sonoros e danças. Linguagem é a capacidade humana24 de transmitir pensamentos, ideias, opiniões e emoções. Os tipos de linguagem Há dois25 tipos de linguagem: Linguagem Verbal – quando recorremos à palavra, esta pode ser escrita ou oral. (Escrita- através do livro, do jornal, de carta dos computadores, etc. Oral – através do diálogo em presença, do telefone, da rádio, da televisão, etc.) Linguagem não verbal – a que é realizada por outras meios que não a palavra. Por gesto, imagens, sinais, simbólos, músicas, etc. Língua – conjunto de regras organizadas, conhecidas pelos elementos de uma comunidade humana que a utilizam por meio da fala26 e da escrita. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Existem factores ou condições que está presente para que uma comunicação se realize com êxito. São eles: 24 É capacidade humana, porque a linguagem é apenas pertença do homem, e não dos animais irracionais, pois nele resulta de uma actividade consciente e criativa da mente por meio da palavra expessada. 25 Há gramático que classificam três linguagem, verbal, não verbal e mista( esta vai resultar da mistura das duas. 26 A fala é a utilização que cada um faz da língua.
  24. 24. 24 Emissor → Recepto → Mensagem → Código → Canal → Contexto Emissor27 – quem envia ou transmite a mensagem; Receptor28 – quem recebe a mensagem; Mensagem – é a informação transmitida; Código – método utilizado para transmitir a mensagem; ( v.g. língua, gesto, desenho ou sinais); Canal29 – meio físico pelo qual se envia a mensagem ao receptor; Contexto30 – o que se passou antes, e que permite compreender melhor a mensagem. N.B. Na transmissão de uma mensagem o código tem de ser conhecido não só pelo emissor, mas também pelo receptor para que se consigam entender e comunicar. Por exemplo como posso entender um emissor por gesto, se não conheço o codigo dos surdos-mudos? Os Ruidos – é tudo aquilo que dificulta o sucesso da comunicação, isto é, distração, erros ortográficos ou de pronúncia, má calígrafia, interferências exteriores como o clima, barulho, outras mensagens, etc. COMUNICAÇÃO UNILATERAL E BILATERAL Unilateral31 – é aquela que é feita num so sentido ( quando o emissor comunica e não há reciprocidade por parte do receptor). Ex: Emissor → receptor 27 Pode ser uma pessoa, ou um emissor de rádio ou televisão. 28 Também pode ser uma pessoa ou um aparelho receptor. 29 Ex: ar, papel, ondas hertzianas, fios telefonicos. 30 Circunstâncias que envolvem a comunicação da mensagem, e as respectivas referencias, isto é individuos, coisas ou ideias, o tempo (o momento em que a mensagem é transmitida) e o lugar (onde se transmite a mensagem). 31 É o que acontece no jornal e no livro, e nas emissões da rádio e da televisão.
  25. 25. 25 Bilateral32 – a que se faz nos dois sentidos ( quando existe reciprocidade – ambas as partes funcionam como emissor e como receptor). Ex: Emissor → Receptor Receptor ← Emissor 32 Ex: telefone, nos debates e outras formas de comunicação que é feita nos dois sentidos.

×