SlideShare uma empresa Scribd logo
PORTUGUÊS
1 – TEXTOS LITERÁRIOS:
USO DE RECURSOS LINGUISTICOS:
*POLISSEMIA
*CARACTERÍSTICAS FORMAIS
*PRESENÇA DE DIÁLOGO
*FIGURAS DE LINGUAGEM
(CONOTAÇÃO)
*PACTO FICCIONAL
(VEROSSIMILHANÇA)
ORGANIZAÇÃO EM GÊNEROS:
*GÊNERO ÉPICO
*GÊNERO LÍRICO
*GÊNERO DRAMÁTICO
A literatura usa a linguagem verbal com uma finalidade estética. Para isso, reforça efeitos de
sentido de recursos linguísticos que, embora presentes também em textos não literários, nela
ganham especial destaque. São:
 Polissemia.
 Características formais como organizar o texto em versos (poemas, cordéis e letras de
música) ou parágrafos.
 Presença do diálogo (contos, crônicas, romances e textos dramáticos).
 Exploração das figuras de linguagem: metáforas, metonímias, aliterações,
assonâncias, ironia, paradoxos, antíteses, etc.
 Exploração do sentido conotativo da linguagem.
 Suspenção da realidade, por meio da qual se estabelece um pacto ficcional entre o
autor e o leitor.
GÊNEROS LITERÁRIOS
Os gêneros literários são três: O Épico, o Lirico e o Dramático. As raízes dessa divisão se
encontram na ‘Poética’ do filósofo Aristóteles, e foi refinada no renascimento (Sec.XV) e no
neoclassicismo (Sec. XVIII).
GÊNERO ÉPICO – Correspondia a um longo poema narrativo (a epopeia) em que eram
contados fatos protagonizados por heróis. Uma característica das epopeias, era a presença de
ações no plano mitológico (Deuses) e no plano humano. (Ilíada e a Odisseia) de Homero e a
Eneida de Virgílio, e por último o poema épico Os Lusíadas, de Camões.
GÊNERO LIRICO - Na Grécia antiga a poesia em que se manifestavam aspectos da
subjetividade de um ‘eu’, tais como seus comportamentos, pensamentos, sentimentos e
vivências interiores, era acompanhada em geral de musica (Lira). O gênero lírico é
característico do tratamento temático da perspectiva de um ‘eu’, levando com frequência à
‘fusão’ entre mundo subjetivo e objetivo.
GÊNERO DRAMÁTICO - Os textos que são encenados em um palco pertencem ao Gênero
Dramático. Divide-se em TRAGÉDIA e COMÉDIA.
TRAGÉDIA – a tragédia desenrola-se em torno da luta do herói contra seu destino. Uma
visão de mundo pessimista. A tragédia provocaria no espectador os sentimentos de terror e
piedade. Primeiro pelo destino infeliz do herói; e depois pelo reconhecimento do valor humano
de suas ações.
COMÉDIA – Segundo Aristóteles, no passo que a tragédia imitaria ações elevadas de
homens nobres, a comédia representaria ações de homens inferiores. O imprevisto e o ridículo
das ações provocariam o riso e por meio dele a comédia tornaria os homens conscientes de
suas falhas. Assumindo assim uma função pedagógica.
PROSA E POESIA
É possível construir um texto literário de duas formas: Em Prosa e em Poesia.
EM PROSA:
Organização em parágrafos.
Construção da metáfora e exploração de efeitos polissêmicos à medida que o texto se
desenvolve.
Exploração menos acentuada da sonoridade.
Narrador.
Forma preferencial de textos narrativos.
EM POESIA:
Organização em versos e estrofes.
Condensação de sentidos e intenso uso de efeitos metafóricos e polissêmicos da linguagem.
Exploração mais acentuada da sonoridade mediante o rítimo, o metro e a rima.
Eu Lírico.
Forma preferencial de textos líricos.
COMPONENTES DA NARRATIVA – As narrativas tem, como componente central a Ação. Isto
é, a sucessão de acontecimentos, ligados por relação de causa e efeito. O conjunto das ações
constitui o enredo de uma história, que se situa em determinado tempo e espaço. O motor que
faz progredir o conflito, ou a oposição entre dois ou mais personagens. Se o conflito ocorre na
subjetividade ou mente do personagem, a ação é interior; Se o conflito envolve duas
personagens ou uma personagem e um agente externo, a ação é exterior.
POÊMA E SONORIDADE – Os poemas exploram intensamente a sonoridade. Para isso valem-
se do rítimo (sons fracos e fortes), do metro e da rima. O metro é a contagem das sílabas
poéticas de um verso e pode ser fixa ou livre. A rima, é a semelhança de sons entre palavras
que se localizam no início, meio ou final de versos diferentes. Este tipo de organização destaca
o aspecto estético do texto literário.
TEXTOS VERBAIS, NÃO VERBAIS E MISTOS
Tudo que não é texto escrito, é texto não verbal. Os mistos trazem, além de imagem e
símbolos, também a escrita.
2 – RECONHECIMENTO DAS SEQUENCIAS DISCURSIVAS PREDOMINANTES EM CADA
GÊNERO TEXTUAL: O tipo textual é a forma como o texto apresenta-se.
NARRAÇÃO – Sua principal característica é contar uma história, real ou não, geralmente
situada em um tempo e espaço, com personagens, foco narrativo, clímax, desfecho, entre
outros elementos. Os gêneros que se apropriam da estrutura narrativa são: Contos, crônicas,
fábulas, romance, biografias, etc.
DESCRIÇÃO – Tem por objetivo descrever objetiva ou subjetivamente coisas, pessoas ou
situações. Os gêneros que se apropriam da estrutura descritiva são: Laudo, relatório, ata, guia
de viagem, etc.
ARGUMENTAÇÃO – Tipo de texto opnativo em que as idéias são desenvolvidas por meio de
estratégias argumentativas. Sua maior finalidade é conquistar a adesão do leitor aos
argumentos apresentados. Os gêneros que se apropriam da estrutura argumentativa
(dissertação) são: Ensaio, carta argumentativa, dissertação editorial, etc.
EXPOSIÇÃO – O texto expositivo tem por finalidade apresentar informações sobre um objeto
ou fato específico, enumerando suas características por meio de uma linguagem clara e
concisa. Os gêneros que se apropriam da estrutura expositiva são: reportagem, resumo,
fichamento, artigo científico, seminário.
INJUNÇÃO - São textos que apresentam a finalidade de instruir e orientar o leitor, utilizando
verbos no imperativo, no infinitivo, ou presente do indicativo, sempre indeterminando o sujeito.
Os gêneros que se apropriam da estrutura injuntiva são: Manual de instruções, receitas
culinárias, bulas, regulamentos, editais, códigos, leis, etc.
3 – DIFERENÇAS DE SENTIDO NAS PALAVRAS E EXPRESSÕES EM UM TEXTO,
DECORRENTES DO USO DE PONTUAÇÃO, DAS ESCOLHAS LEXICAIS E DOS
ELEMENTOS MORFOSSINTÁTICOS.
O sentido das palavras, bem como das expressões utilizadas em um texto dependem de
diversos aspectos. Uma mesma palavra assumirá um determinado significado em um texto,
mas pode representar um outro significado em outro texto. Isso tem a ver com o contexto em
que está inserida.
A pontuação, como por exemplo, o uso da vírgula, os dois pontos, estes poderão afetar o
significado das palavras. As escolhas lexicais tem a ver com a variação dos termos utilizados
no texto, por exemplo: Evitar repetições da mesma palavra. Ou ainda, escolher os vocábulos
adequados para expressar determinadas idéias.
Os elementos morfossintáticos tem a ver com termos ou conjunções que geram uma estrutura
lógica na apresentação das idéias do texto. Eles determinarão os significados pretendidos no
texto.
4 – TEXTUALIDADE, COERÊNCIA E COESÃO:
TEXTUALIDADE é a definição do tipo de texto envolvido na produção literária; pode ser um
texto jornalístico, uma carta, etc.
COERÊNCIA é a característica encontrada ao longo do texto que garante uma compreensão
adequada do assunto tratado.
COESÃO é a característica do texto que garante a ligação harmoniosa entre as diversas partes
do texto. Garantindo passagens compreensíveis de uma a outra partes do texto.
5 - FUNÇÕES DA LINGUAGEM:
Tendo o ato de selecionar e combinar as palavras em uma linguagem estar ligado a função
intencional do emissor para com sua linguagem. As funções da linguagem pode ser:
 FÁTICA – é o canal aberto com o destinatário, prolongando uma comunicação ou
testando o canal de comunicação com frases do tipo: Veja bem.... , Olha... ,
compreende?...,
 METALINGUISTICA – é o diálogo entre palavras. Nesse caso a preocupação do
emissor está voltada para o próprio código utilizado, ou seja, o código é o tema da
mensagem, ou é utilizado para explicar o próprio código. Ex.: um filme que tem por
tema o próprio cinema; uma poesia que discorre sobre o ato de fazer poesia, etc.
 EMOTIVA - É o texto em primeira pessoa. Quando a intenção do emissor é posicionar-
se em relação ao tema que está abordando, e expressar seus sentimentos e emoções,
sempre resultando em um texto subjetivo, e escrito em 1° pessoa. Ex.: ‘Ah! Se eu te
pudesse fazer entender....’
 CONATIVA – é a mensagem centrada no destinatário. Ocorre quando a intenção do
emissor é influenciar o destinatário e quando a mensagem está centrada no
destinatário na forma de ordem, apelo ou súplica, temos a função apelativa ou conativa
da linguagem. Conativo significa ‘relativo ao processo de ação intencional sobre outra
pessoa’.
 POÉTICA – quando a intenção do emissor está voltada para a própria mensagem, quer
na sua estrutura, quer na seleção e combinação das palavras, ocorre a função poética.
Com seus elementos fundamentais (ritimo, sonoridade, o belo e inusitados das
imagens).
 REFERÊNCIAL – a mais comum das funções da linguagem. Voltada para a
informação, para o próprio contexto. A intenção é transmitir e receber dados da
realidade de uma forma direta e objetiva. Com palavras empregadas no seu sentido
denotativo. Um sentido referencial (denotativo). Informação.
6 – LINGUAGEM DENOTATIVA E CONOTATIVA:
DENOTATIVA OU REFERENCIAL – Usada para expressar a realidade, o fato externo, a
informação. Ela pês em evidência o referente, ou seja, o assunto ao qual a mensagem se
refere. Ex.: o noticiário do jornal da TV.
Quando o emissor busca objetividade de expressão da mensagem, utiliza a linguagem
denotativa, com função referencial. As palavras são empregadas em seu significado (usual,
literal e real); referindo-se a uma realidade concreta ou imaginária.
LINGUAGEM CONOTATIVA – conotação é o emprego de uma palavra tomada em um sentido
incomum, figurado, circunstancial, que depende sempre do contexto. Muitas vezes é um
sentido poético, fazendo comparações. Ex.: ‘A frieza do olhar não se esconde...’, ‘A lua nova é
o sorriso do céu.’
7 – ANÁLISE E DISTINÇÃO ENTRE FIGURAS DE LINGUAGEM, RELACIONANDO O SEU
USO ÀS FUNÇÕES E INTENÇÕES DO TEXTO.
- As figuras de linguagem podem ser: Figuras de palavras ou figuras de pensamento; Figuras
de construção (sintáticas).
- As figuras de linguagem são estratégias que o escritor pode aplicar no texto para conseguir
um efeito determinado na interpretação do leitor. São formas de expressão mais localizadas
em comparação às funções da linguagem que formam características globais do texto.
As figuras de linguagem tem a ver com aspectos semânticos, fonológicos ou sintáticos das
palavras afetadas. É muito usada no dia a dia das pessoas, nas canções e também é um
recurso literário. Ex.: ‘A vida é um palco iluminado (metáfora); ‘Já disse mais de um milhão de
vezes! (hipérbole); ‘ As velas de mucuripe saíram pra pescar (sinédoque); ‘ O único sentido das
coisas é não terem sentido nenhum. (paradoxo); ‘Ouviram do Ipiranga as margens plácidas...
(Hipérbato).
Classificam-se as figuras de linguagem em:
 Figuras de palavra: Ambiguidade, antífrase, antítese, etc.
 Figuras de construção: Anáfora, Clímax, pleonasmo, inversão, etc.
8 – DISTINÇÃO ENTRE TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO
TEXTO LITERÁRIO é um texto construído com ricos recursos e normas da literatura causando
diferentes emoções no leitor e expressando sentimentos de amor, raiva, alegria, dor, etc. A
musicalidade, as funções e os tons poéticos e artísticos, a criatividade, a estética da escrita, a
organização das palavras e a linguagem com muita expressividade são algumas características
em um texto literário. Ex.: poemas, contos, fábulas, romances, peças teatrais, poesias,
crônicas, minicontos, telenovelas, lendas, letras de musica, etc.
TEXTO NÃO LITERÁRIO é um texto construído com uma linguagem informativa, explicativa,
esclarecedora e que tenha alguma utilidade para o leitor. Logo ele é produzido em um tom
claro, objetivo, direto, e que não possa gerar nenhuma dúvida quanto a sua interpretação. As
características de um texto não literário são: objetividade, informação, tutoriais, tangibilidade,
inexpressivos, linguagem denotativa, etc. Ex.: artigos científicos, receitas culinárias, noticiários
em jornais, revistas, anúncios, bulas de remédios, conteúdos educacionais, textos de livros
didáticos, cartas comerciais, manuais de instrução, guias de beleza, etc.
9 – INTERPRETAÇÃO E ANÁLISE DAS PRODUÇÕES ARTÍSTICAS (LITERATURA,
ESCULTURA, PINTURA, MUSICA, MODA, ETC) NOS MOVIMENTOS LITERÁRIOS,
INCLUINDO PRINCIPAIS AUTORES E OBRAS; E ESTABELECENDO COMPARAÇÕES
ENTRE OS DIFERENTES MOMENTOS HISTÓRICOS E AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS.
Movimentos literários: 1189/1198 Trovadorismo. 1418 Humanismo. 1527 Classicismo. 1580
Barroco. 1756 Arcadismo. 1825 Romantismo. 1865 Realismo, Naturalismo. 1890 Simbolismo.
1915 Pré-Modernismo e Modernismo.
Resumo: No Brasil o modernismo (1922/1930) surge com a Semana da Arte Moderna em
1922. Segunda fase de 1930 a 1945, tendo como marco Alguma Poesia, de Drummond e
Vidas Secas de Graciliano. Terceira fase, pós 1945, cujo marco é Perto do Coração, de
Clarice Lispector. O modernismo foi cultuado pela vanguarda artística e engloba todas as artes.
Na pintura teve várias vertentes: Futurismo, Cubismo, Dadaísmo, Surrealismo.
10 – DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS ENTRE TEXTOS LITERÁRIOS EXCRITOS EM
LINGUA PORTUGUESA, RECONHECENDO E VALORIZANDO AS PRODUÇÕES
ARTÍSTICAS EM DIFERENTES CULTURAS E PAÍSES QUE FALAM ESSE IDIOMA.
O português escrito em Portugal, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Angola,
Moçambique, Timor Leste e Macau (chamado português europeu), tem diferenças sensíveis
em relação ao português escrito no Brasil (português brasileiro). Ainda entre cada país, de
português europeu, tem diferenças locais relevantes. No próprio Brasil, entre uma região e
outra há diferenças no modo de escrita e nas gírias locais. São apenas diferentes. Na escrita,
mesmo vários textos escritos em português, possuem grandes diferenças entre sí.
11 – GÊNEROS LITERÁRIOS: ÉPICO, LÍRICO E DRAMÁTICO.
Os gêneros literários reúnem um conjunto de obras que apresentam características análogas
de forma e conteúdo. Eles se dividem em três categorias básicas de gêneros literários: Épicos,
Líricos e Dramáticos.
GÊNERO ÉPICO vem do grego ‘épos’ (verso) + ‘poieô’ (faço), e faz referência a narrativa feita
em forma de versos. Geralmente conta a história de fatos grandiosos e heróis, sobre a história
de um povo. Tem com característica a presença de um narrador que fala do passado, o que faz
com que os verbos apareçam no tempo pretérito. Ex: Épico; fabula, epopeias, novela, conto,
crônica, ensaio e romance.
GÊNERO LÍRICO vem da palavra ‘lira’, o instrumento musical utilizado pelos gregos para
acompanhar seus cânticos. Por muito tempo essas poesias eram cantadas, mas depois passou
a ser declamada, sem o instrumento musical. Usa rima, rítimica, métrica, estrofes e versos e
vários recursos musicais. A poesia moderna abriu mão de tudo isso com construções livres e
versos irregulares. São gênero Lírico: Ode, hino, elegia, idílio, filoga, epitálamo, sátira, etc.
GÊNERO DRAMÁTICO vem da palavra ‘drama’ que, em grego, significa ‘ação’. Compreende
os textos feitos para serem representados (encenados) com atores e público. São do gênero
dramático: Tragédia, comédia, tragicomédia, farsa.
12 – RELAÇÃO ENTRE O TEXTO LITERÁRIO E OS PROBLEMAS DE CONCEPÇÃO
DOMINANTES NA CULTURA DO PERÍODO EM QUE FOI ESCRITO COM OS PROBLEMAS
E CONCEPÇÕES DO PRESENTE.
O texto é produto da sociedade que o fabricou segundo as relações de forças que detinha.
Hoje expressam uma necessidade de uma reflexão sobre as condições históricas dessa
produção. Como bem cultural, a expressão literária que chega até nos, pode ser tomada como
forma de representação social e histórica, testemunha de uma época, do sonho e das questões
diversas que movimentavam e circulavam em cada sociedade e tempo histórico.
13 – ANÁLISE DA LITERATURA NA TRANSMISSÃO DO CONHECIMENTO ENVATIZANDO
O CULTIVO DA ARTE LITERÁRIA EM DIFERENTES TEMPOS E SOCIEDADES.
A literatura como arte da palavra e mãe da ficção é um instrumento de comunicação e de
interação social. Ela cumpre o papel de transmitir conhecimentos e a cultura de uma
comunidade.
A literatura, também, está vinculada a sociedade em que se origina, assim como todo tipo de
arte. Pois o artista não consegue ser indiferente a realidade. Em todas as épocas históricas, as
manifestações literárias e artísticas coexistiam na diversidade das formas de organização
social, das sociedades tradicionais às mais avançadas, com parte da estruturação da vida
coletiva.
14 – CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES DOS MOVIMENTOS LITERÁRIOS DA ERA
MEDIEVAL (TROVADORISMO E HUMANISMO) E DA ERA CLÁSSICA (CLASSICISMO
PORTUGUÊS / QUINHENTISMO BRASILEIRO, BARROCO E ARCADISMO).
A palavra trovadorismo vem de ‘trovador’, ‘trova’, que significava ‘torcer’ e acabou terminando
com o significado de ‘compor uma música’. O trovadorismo foi o primeiro movimento literário da
língua portuguesa. Tem quatro teses sobre sua origem: A arábica, a folclórica, a médio-latinista
e a litúrgica. Vai de 1189 a 1418.
Tinha vários tipos de ‘trovas’: No gênero Lirico tinha as Cantigas de Amor e Cantigas de Amigo;
No gênero satírico tinha as Cantigas de Escárnio e as Cantigas de Mal Dizer.
O humanismo (1418 a 1527) que deriva de ‘Humanitas’ (educação adequada a uma pessoa de
cultura), usado no sentido filosófico. Foi a segunda escola literária medieval também conhecida
como pré-Renacimento ou Quatrocentismo. Transição da idade média para a idade clássica.
Via o homem como o centro do universo..
Como produção literária teve: A Poesia Palaciana.. O teatro de Gil Vicente; As encenações
profanas (arremedo, pantomina, alegoria, farsa, sotiê, momo, entremeze, sermão burlesco,
écloga.
Na era clássica do Quinhentismo a literatura compreende a produção informativa dos cronistas
e os textos catequéticos dos missionários jesuítas. O Quinhentismo abrange todas as
manifestações literárias produzidas no Brasil, à época do descobrimento, durante o século XVI.
É um movimento paralelo ao classicismo português e possui idéias relacionadas ao
renascimento. O tema central do Quinhentismo eram os próprios objetivos da expansão
marítima: a conquista material, na forma de literatura informativa das grandes navegações, e a
conquista espiritual da companhia de Jesus. Tem com primeiro documento a Carta de Pero
Vaz de Caminha.
O Classicismo teve em Camões seu maior representante.
O Barroco: textos ricos com profunda elaboração formal.
Arcadismo: textos bucólicos, valorização do homem, linguagem simples, imitação dos modelos
de literatura da antiguidade clássica e do renascimento.
A era Clássica enfatizava a poesia, a mitologia, os autores clássicos como Homero, Virgílio,
Horácio; a exaltação da vida no campo e o bucolismo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURAINTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURA
Miriam Zelmikaitis
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de língua
Kelly Moraes
 
Oralidade 11º
Oralidade 11ºOralidade 11º
Oralidade 11º
Vera Lourenco
 
Metrificação
MetrificaçãoMetrificação
Verbos transitivos e intransitivos
Verbos transitivos e intransitivosVerbos transitivos e intransitivos
Verbos transitivos e intransitivos
Bia Marques
 
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Kássia Mendes
 
Morfossintaxe
MorfossintaxeMorfossintaxe
Morfossintaxe
SEDF
 
Vulcanologia (resumo)
Vulcanologia (resumo)Vulcanologia (resumo)
Vulcanologia (resumo)
Nome Sobrenome
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
Cassandra Cruz
 
Linguística e Poética
Linguística e PoéticaLinguística e Poética
Linguística e Poética
Taiane Dantas
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
Luci Bonini
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
Paula Oliveira Cruz
 
Condições de produção e circulação
Condições de produção e circulaçãoCondições de produção e circulação
Condições de produção e circulação
Ewerton Gindri
 
AMBIGUIDADE - 2 ANO.ppt
AMBIGUIDADE - 2 ANO.pptAMBIGUIDADE - 2 ANO.ppt
AMBIGUIDADE - 2 ANO.ppt
ANNECAROLINEMORAESDE1
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
Edson Alves
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
Fernanda Monteiro
 
Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
Diego Prezia
 
Tipos textuais
Tipos textuais Tipos textuais
Tipos textuais
Marcus Fraguas
 
Aspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciaçãoAspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciação
Fernanda Câmara
 
Modalidades
ModalidadesModalidades
Modalidades
António Fernandes
 

Mais procurados (20)

INTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURAINTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURA
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de língua
 
Oralidade 11º
Oralidade 11ºOralidade 11º
Oralidade 11º
 
Metrificação
MetrificaçãoMetrificação
Metrificação
 
Verbos transitivos e intransitivos
Verbos transitivos e intransitivosVerbos transitivos e intransitivos
Verbos transitivos e intransitivos
 
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
Texto Dramático 8º ano - Produção Textual.
 
Morfossintaxe
MorfossintaxeMorfossintaxe
Morfossintaxe
 
Vulcanologia (resumo)
Vulcanologia (resumo)Vulcanologia (resumo)
Vulcanologia (resumo)
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Linguística e Poética
Linguística e PoéticaLinguística e Poética
Linguística e Poética
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
 
Condições de produção e circulação
Condições de produção e circulaçãoCondições de produção e circulação
Condições de produção e circulação
 
AMBIGUIDADE - 2 ANO.ppt
AMBIGUIDADE - 2 ANO.pptAMBIGUIDADE - 2 ANO.ppt
AMBIGUIDADE - 2 ANO.ppt
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
 
Tipos textuais
Tipos textuais Tipos textuais
Tipos textuais
 
Aspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciaçãoAspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciação
 
Modalidades
ModalidadesModalidades
Modalidades
 

Semelhante a Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão português

Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Pedro Barros
 
Linguagem e língua 97
Linguagem e língua 97Linguagem e língua 97
Linguagem e língua 97
Federal University of Amazonas
 
Conteúdos de Língua Portuguesa - EM.pdf
Conteúdos de Língua Portuguesa - EM.pdfConteúdos de Língua Portuguesa - EM.pdf
Conteúdos de Língua Portuguesa - EM.pdf
GustavoPaz34
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Bovary16
 
Produção de textos para concursos públicos
Produção de textos para concursos públicosProdução de textos para concursos públicos
Produção de textos para concursos públicos
Renan Silva
 
Textos literarios
Textos literariosTextos literarios
Textos literarios
NivaldoAlfredoJosZan
 
Apostila português-2014-patrícia
Apostila português-2014-patríciaApostila português-2014-patrícia
Apostila português-2014-patrícia
Maria Anunciada Nery Rodrigues
 
Figuras de Linguagem-1.pptx - Língua Portuguesa
Figuras de Linguagem-1.pptx - Língua PortuguesaFiguras de Linguagem-1.pptx - Língua Portuguesa
Figuras de Linguagem-1.pptx - Língua Portuguesa
proffelipevilela
 
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.pptTEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
evandro163685
 
Programas dasmaterias
Programas dasmateriasProgramas dasmaterias
Programas dasmaterias
Josemberg Alves
 
Claudia pre alfa 2
Claudia pre alfa 2Claudia pre alfa 2
Claudia pre alfa 2
Abner Silvio
 
Aguns tipos de texto
Aguns tipos de textoAguns tipos de texto
Aguns tipos de texto
Josete Perdigao
 
Aguns tipos de textos
Aguns tipos de textosAguns tipos de textos
Aguns tipos de textos
Josete Perdigao
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
IFMA
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
VERA OLIVEIRA
 
AULA_3.pptx
AULA_3.pptxAULA_3.pptx
AULA_3.pptx
DeboraCaroline16
 
Introdução a Literatura.pdf
Introdução a Literatura.pdfIntrodução a Literatura.pdf
Introdução a Literatura.pdf
ThaisDeus3
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ruddy's Santos
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Sadrak Silva
 
Gêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.pptGêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.ppt
Natália Moura
 

Semelhante a Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão português (20)

Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Linguagem e língua 97
Linguagem e língua 97Linguagem e língua 97
Linguagem e língua 97
 
Conteúdos de Língua Portuguesa - EM.pdf
Conteúdos de Língua Portuguesa - EM.pdfConteúdos de Língua Portuguesa - EM.pdf
Conteúdos de Língua Portuguesa - EM.pdf
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Produção de textos para concursos públicos
Produção de textos para concursos públicosProdução de textos para concursos públicos
Produção de textos para concursos públicos
 
Textos literarios
Textos literariosTextos literarios
Textos literarios
 
Apostila português-2014-patrícia
Apostila português-2014-patríciaApostila português-2014-patrícia
Apostila português-2014-patrícia
 
Figuras de Linguagem-1.pptx - Língua Portuguesa
Figuras de Linguagem-1.pptx - Língua PortuguesaFiguras de Linguagem-1.pptx - Língua Portuguesa
Figuras de Linguagem-1.pptx - Língua Portuguesa
 
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.pptTEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
 
Programas dasmaterias
Programas dasmateriasProgramas dasmaterias
Programas dasmaterias
 
Claudia pre alfa 2
Claudia pre alfa 2Claudia pre alfa 2
Claudia pre alfa 2
 
Aguns tipos de texto
Aguns tipos de textoAguns tipos de texto
Aguns tipos de texto
 
Aguns tipos de textos
Aguns tipos de textosAguns tipos de textos
Aguns tipos de textos
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
 
AULA_3.pptx
AULA_3.pptxAULA_3.pptx
AULA_3.pptx
 
Introdução a Literatura.pdf
Introdução a Literatura.pdfIntrodução a Literatura.pdf
Introdução a Literatura.pdf
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Gêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.pptGêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.ppt
 

Último

Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 

Último (20)

Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 

Tecnico em edificações senai matéria para prova resumão português

  • 1. PORTUGUÊS 1 – TEXTOS LITERÁRIOS: USO DE RECURSOS LINGUISTICOS: *POLISSEMIA *CARACTERÍSTICAS FORMAIS *PRESENÇA DE DIÁLOGO *FIGURAS DE LINGUAGEM (CONOTAÇÃO) *PACTO FICCIONAL (VEROSSIMILHANÇA) ORGANIZAÇÃO EM GÊNEROS: *GÊNERO ÉPICO *GÊNERO LÍRICO *GÊNERO DRAMÁTICO A literatura usa a linguagem verbal com uma finalidade estética. Para isso, reforça efeitos de sentido de recursos linguísticos que, embora presentes também em textos não literários, nela ganham especial destaque. São:  Polissemia.  Características formais como organizar o texto em versos (poemas, cordéis e letras de música) ou parágrafos.  Presença do diálogo (contos, crônicas, romances e textos dramáticos).  Exploração das figuras de linguagem: metáforas, metonímias, aliterações, assonâncias, ironia, paradoxos, antíteses, etc.  Exploração do sentido conotativo da linguagem.  Suspenção da realidade, por meio da qual se estabelece um pacto ficcional entre o autor e o leitor. GÊNEROS LITERÁRIOS Os gêneros literários são três: O Épico, o Lirico e o Dramático. As raízes dessa divisão se encontram na ‘Poética’ do filósofo Aristóteles, e foi refinada no renascimento (Sec.XV) e no neoclassicismo (Sec. XVIII). GÊNERO ÉPICO – Correspondia a um longo poema narrativo (a epopeia) em que eram contados fatos protagonizados por heróis. Uma característica das epopeias, era a presença de ações no plano mitológico (Deuses) e no plano humano. (Ilíada e a Odisseia) de Homero e a Eneida de Virgílio, e por último o poema épico Os Lusíadas, de Camões. GÊNERO LIRICO - Na Grécia antiga a poesia em que se manifestavam aspectos da subjetividade de um ‘eu’, tais como seus comportamentos, pensamentos, sentimentos e vivências interiores, era acompanhada em geral de musica (Lira). O gênero lírico é característico do tratamento temático da perspectiva de um ‘eu’, levando com frequência à ‘fusão’ entre mundo subjetivo e objetivo. GÊNERO DRAMÁTICO - Os textos que são encenados em um palco pertencem ao Gênero Dramático. Divide-se em TRAGÉDIA e COMÉDIA. TRAGÉDIA – a tragédia desenrola-se em torno da luta do herói contra seu destino. Uma visão de mundo pessimista. A tragédia provocaria no espectador os sentimentos de terror e
  • 2. piedade. Primeiro pelo destino infeliz do herói; e depois pelo reconhecimento do valor humano de suas ações. COMÉDIA – Segundo Aristóteles, no passo que a tragédia imitaria ações elevadas de homens nobres, a comédia representaria ações de homens inferiores. O imprevisto e o ridículo das ações provocariam o riso e por meio dele a comédia tornaria os homens conscientes de suas falhas. Assumindo assim uma função pedagógica. PROSA E POESIA É possível construir um texto literário de duas formas: Em Prosa e em Poesia. EM PROSA: Organização em parágrafos. Construção da metáfora e exploração de efeitos polissêmicos à medida que o texto se desenvolve. Exploração menos acentuada da sonoridade. Narrador. Forma preferencial de textos narrativos. EM POESIA: Organização em versos e estrofes. Condensação de sentidos e intenso uso de efeitos metafóricos e polissêmicos da linguagem. Exploração mais acentuada da sonoridade mediante o rítimo, o metro e a rima. Eu Lírico. Forma preferencial de textos líricos. COMPONENTES DA NARRATIVA – As narrativas tem, como componente central a Ação. Isto é, a sucessão de acontecimentos, ligados por relação de causa e efeito. O conjunto das ações constitui o enredo de uma história, que se situa em determinado tempo e espaço. O motor que faz progredir o conflito, ou a oposição entre dois ou mais personagens. Se o conflito ocorre na subjetividade ou mente do personagem, a ação é interior; Se o conflito envolve duas personagens ou uma personagem e um agente externo, a ação é exterior. POÊMA E SONORIDADE – Os poemas exploram intensamente a sonoridade. Para isso valem- se do rítimo (sons fracos e fortes), do metro e da rima. O metro é a contagem das sílabas poéticas de um verso e pode ser fixa ou livre. A rima, é a semelhança de sons entre palavras que se localizam no início, meio ou final de versos diferentes. Este tipo de organização destaca o aspecto estético do texto literário. TEXTOS VERBAIS, NÃO VERBAIS E MISTOS Tudo que não é texto escrito, é texto não verbal. Os mistos trazem, além de imagem e símbolos, também a escrita. 2 – RECONHECIMENTO DAS SEQUENCIAS DISCURSIVAS PREDOMINANTES EM CADA GÊNERO TEXTUAL: O tipo textual é a forma como o texto apresenta-se. NARRAÇÃO – Sua principal característica é contar uma história, real ou não, geralmente situada em um tempo e espaço, com personagens, foco narrativo, clímax, desfecho, entre outros elementos. Os gêneros que se apropriam da estrutura narrativa são: Contos, crônicas, fábulas, romance, biografias, etc.
  • 3. DESCRIÇÃO – Tem por objetivo descrever objetiva ou subjetivamente coisas, pessoas ou situações. Os gêneros que se apropriam da estrutura descritiva são: Laudo, relatório, ata, guia de viagem, etc. ARGUMENTAÇÃO – Tipo de texto opnativo em que as idéias são desenvolvidas por meio de estratégias argumentativas. Sua maior finalidade é conquistar a adesão do leitor aos argumentos apresentados. Os gêneros que se apropriam da estrutura argumentativa (dissertação) são: Ensaio, carta argumentativa, dissertação editorial, etc. EXPOSIÇÃO – O texto expositivo tem por finalidade apresentar informações sobre um objeto ou fato específico, enumerando suas características por meio de uma linguagem clara e concisa. Os gêneros que se apropriam da estrutura expositiva são: reportagem, resumo, fichamento, artigo científico, seminário. INJUNÇÃO - São textos que apresentam a finalidade de instruir e orientar o leitor, utilizando verbos no imperativo, no infinitivo, ou presente do indicativo, sempre indeterminando o sujeito. Os gêneros que se apropriam da estrutura injuntiva são: Manual de instruções, receitas culinárias, bulas, regulamentos, editais, códigos, leis, etc. 3 – DIFERENÇAS DE SENTIDO NAS PALAVRAS E EXPRESSÕES EM UM TEXTO, DECORRENTES DO USO DE PONTUAÇÃO, DAS ESCOLHAS LEXICAIS E DOS ELEMENTOS MORFOSSINTÁTICOS. O sentido das palavras, bem como das expressões utilizadas em um texto dependem de diversos aspectos. Uma mesma palavra assumirá um determinado significado em um texto, mas pode representar um outro significado em outro texto. Isso tem a ver com o contexto em que está inserida. A pontuação, como por exemplo, o uso da vírgula, os dois pontos, estes poderão afetar o significado das palavras. As escolhas lexicais tem a ver com a variação dos termos utilizados no texto, por exemplo: Evitar repetições da mesma palavra. Ou ainda, escolher os vocábulos adequados para expressar determinadas idéias. Os elementos morfossintáticos tem a ver com termos ou conjunções que geram uma estrutura lógica na apresentação das idéias do texto. Eles determinarão os significados pretendidos no texto. 4 – TEXTUALIDADE, COERÊNCIA E COESÃO: TEXTUALIDADE é a definição do tipo de texto envolvido na produção literária; pode ser um texto jornalístico, uma carta, etc. COERÊNCIA é a característica encontrada ao longo do texto que garante uma compreensão adequada do assunto tratado. COESÃO é a característica do texto que garante a ligação harmoniosa entre as diversas partes do texto. Garantindo passagens compreensíveis de uma a outra partes do texto. 5 - FUNÇÕES DA LINGUAGEM: Tendo o ato de selecionar e combinar as palavras em uma linguagem estar ligado a função intencional do emissor para com sua linguagem. As funções da linguagem pode ser:  FÁTICA – é o canal aberto com o destinatário, prolongando uma comunicação ou testando o canal de comunicação com frases do tipo: Veja bem.... , Olha... , compreende?...,
  • 4.  METALINGUISTICA – é o diálogo entre palavras. Nesse caso a preocupação do emissor está voltada para o próprio código utilizado, ou seja, o código é o tema da mensagem, ou é utilizado para explicar o próprio código. Ex.: um filme que tem por tema o próprio cinema; uma poesia que discorre sobre o ato de fazer poesia, etc.  EMOTIVA - É o texto em primeira pessoa. Quando a intenção do emissor é posicionar- se em relação ao tema que está abordando, e expressar seus sentimentos e emoções, sempre resultando em um texto subjetivo, e escrito em 1° pessoa. Ex.: ‘Ah! Se eu te pudesse fazer entender....’  CONATIVA – é a mensagem centrada no destinatário. Ocorre quando a intenção do emissor é influenciar o destinatário e quando a mensagem está centrada no destinatário na forma de ordem, apelo ou súplica, temos a função apelativa ou conativa da linguagem. Conativo significa ‘relativo ao processo de ação intencional sobre outra pessoa’.  POÉTICA – quando a intenção do emissor está voltada para a própria mensagem, quer na sua estrutura, quer na seleção e combinação das palavras, ocorre a função poética. Com seus elementos fundamentais (ritimo, sonoridade, o belo e inusitados das imagens).  REFERÊNCIAL – a mais comum das funções da linguagem. Voltada para a informação, para o próprio contexto. A intenção é transmitir e receber dados da realidade de uma forma direta e objetiva. Com palavras empregadas no seu sentido denotativo. Um sentido referencial (denotativo). Informação. 6 – LINGUAGEM DENOTATIVA E CONOTATIVA: DENOTATIVA OU REFERENCIAL – Usada para expressar a realidade, o fato externo, a informação. Ela pês em evidência o referente, ou seja, o assunto ao qual a mensagem se refere. Ex.: o noticiário do jornal da TV. Quando o emissor busca objetividade de expressão da mensagem, utiliza a linguagem denotativa, com função referencial. As palavras são empregadas em seu significado (usual, literal e real); referindo-se a uma realidade concreta ou imaginária. LINGUAGEM CONOTATIVA – conotação é o emprego de uma palavra tomada em um sentido incomum, figurado, circunstancial, que depende sempre do contexto. Muitas vezes é um sentido poético, fazendo comparações. Ex.: ‘A frieza do olhar não se esconde...’, ‘A lua nova é o sorriso do céu.’ 7 – ANÁLISE E DISTINÇÃO ENTRE FIGURAS DE LINGUAGEM, RELACIONANDO O SEU USO ÀS FUNÇÕES E INTENÇÕES DO TEXTO. - As figuras de linguagem podem ser: Figuras de palavras ou figuras de pensamento; Figuras de construção (sintáticas). - As figuras de linguagem são estratégias que o escritor pode aplicar no texto para conseguir um efeito determinado na interpretação do leitor. São formas de expressão mais localizadas em comparação às funções da linguagem que formam características globais do texto. As figuras de linguagem tem a ver com aspectos semânticos, fonológicos ou sintáticos das palavras afetadas. É muito usada no dia a dia das pessoas, nas canções e também é um recurso literário. Ex.: ‘A vida é um palco iluminado (metáfora); ‘Já disse mais de um milhão de vezes! (hipérbole); ‘ As velas de mucuripe saíram pra pescar (sinédoque); ‘ O único sentido das coisas é não terem sentido nenhum. (paradoxo); ‘Ouviram do Ipiranga as margens plácidas... (Hipérbato). Classificam-se as figuras de linguagem em:  Figuras de palavra: Ambiguidade, antífrase, antítese, etc.
  • 5.  Figuras de construção: Anáfora, Clímax, pleonasmo, inversão, etc. 8 – DISTINÇÃO ENTRE TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO TEXTO LITERÁRIO é um texto construído com ricos recursos e normas da literatura causando diferentes emoções no leitor e expressando sentimentos de amor, raiva, alegria, dor, etc. A musicalidade, as funções e os tons poéticos e artísticos, a criatividade, a estética da escrita, a organização das palavras e a linguagem com muita expressividade são algumas características em um texto literário. Ex.: poemas, contos, fábulas, romances, peças teatrais, poesias, crônicas, minicontos, telenovelas, lendas, letras de musica, etc. TEXTO NÃO LITERÁRIO é um texto construído com uma linguagem informativa, explicativa, esclarecedora e que tenha alguma utilidade para o leitor. Logo ele é produzido em um tom claro, objetivo, direto, e que não possa gerar nenhuma dúvida quanto a sua interpretação. As características de um texto não literário são: objetividade, informação, tutoriais, tangibilidade, inexpressivos, linguagem denotativa, etc. Ex.: artigos científicos, receitas culinárias, noticiários em jornais, revistas, anúncios, bulas de remédios, conteúdos educacionais, textos de livros didáticos, cartas comerciais, manuais de instrução, guias de beleza, etc. 9 – INTERPRETAÇÃO E ANÁLISE DAS PRODUÇÕES ARTÍSTICAS (LITERATURA, ESCULTURA, PINTURA, MUSICA, MODA, ETC) NOS MOVIMENTOS LITERÁRIOS, INCLUINDO PRINCIPAIS AUTORES E OBRAS; E ESTABELECENDO COMPARAÇÕES ENTRE OS DIFERENTES MOMENTOS HISTÓRICOS E AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Movimentos literários: 1189/1198 Trovadorismo. 1418 Humanismo. 1527 Classicismo. 1580 Barroco. 1756 Arcadismo. 1825 Romantismo. 1865 Realismo, Naturalismo. 1890 Simbolismo. 1915 Pré-Modernismo e Modernismo. Resumo: No Brasil o modernismo (1922/1930) surge com a Semana da Arte Moderna em 1922. Segunda fase de 1930 a 1945, tendo como marco Alguma Poesia, de Drummond e Vidas Secas de Graciliano. Terceira fase, pós 1945, cujo marco é Perto do Coração, de Clarice Lispector. O modernismo foi cultuado pela vanguarda artística e engloba todas as artes. Na pintura teve várias vertentes: Futurismo, Cubismo, Dadaísmo, Surrealismo. 10 – DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS ENTRE TEXTOS LITERÁRIOS EXCRITOS EM LINGUA PORTUGUESA, RECONHECENDO E VALORIZANDO AS PRODUÇÕES ARTÍSTICAS EM DIFERENTES CULTURAS E PAÍSES QUE FALAM ESSE IDIOMA. O português escrito em Portugal, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Angola, Moçambique, Timor Leste e Macau (chamado português europeu), tem diferenças sensíveis em relação ao português escrito no Brasil (português brasileiro). Ainda entre cada país, de português europeu, tem diferenças locais relevantes. No próprio Brasil, entre uma região e outra há diferenças no modo de escrita e nas gírias locais. São apenas diferentes. Na escrita, mesmo vários textos escritos em português, possuem grandes diferenças entre sí. 11 – GÊNEROS LITERÁRIOS: ÉPICO, LÍRICO E DRAMÁTICO. Os gêneros literários reúnem um conjunto de obras que apresentam características análogas de forma e conteúdo. Eles se dividem em três categorias básicas de gêneros literários: Épicos, Líricos e Dramáticos. GÊNERO ÉPICO vem do grego ‘épos’ (verso) + ‘poieô’ (faço), e faz referência a narrativa feita em forma de versos. Geralmente conta a história de fatos grandiosos e heróis, sobre a história
  • 6. de um povo. Tem com característica a presença de um narrador que fala do passado, o que faz com que os verbos apareçam no tempo pretérito. Ex: Épico; fabula, epopeias, novela, conto, crônica, ensaio e romance. GÊNERO LÍRICO vem da palavra ‘lira’, o instrumento musical utilizado pelos gregos para acompanhar seus cânticos. Por muito tempo essas poesias eram cantadas, mas depois passou a ser declamada, sem o instrumento musical. Usa rima, rítimica, métrica, estrofes e versos e vários recursos musicais. A poesia moderna abriu mão de tudo isso com construções livres e versos irregulares. São gênero Lírico: Ode, hino, elegia, idílio, filoga, epitálamo, sátira, etc. GÊNERO DRAMÁTICO vem da palavra ‘drama’ que, em grego, significa ‘ação’. Compreende os textos feitos para serem representados (encenados) com atores e público. São do gênero dramático: Tragédia, comédia, tragicomédia, farsa. 12 – RELAÇÃO ENTRE O TEXTO LITERÁRIO E OS PROBLEMAS DE CONCEPÇÃO DOMINANTES NA CULTURA DO PERÍODO EM QUE FOI ESCRITO COM OS PROBLEMAS E CONCEPÇÕES DO PRESENTE. O texto é produto da sociedade que o fabricou segundo as relações de forças que detinha. Hoje expressam uma necessidade de uma reflexão sobre as condições históricas dessa produção. Como bem cultural, a expressão literária que chega até nos, pode ser tomada como forma de representação social e histórica, testemunha de uma época, do sonho e das questões diversas que movimentavam e circulavam em cada sociedade e tempo histórico. 13 – ANÁLISE DA LITERATURA NA TRANSMISSÃO DO CONHECIMENTO ENVATIZANDO O CULTIVO DA ARTE LITERÁRIA EM DIFERENTES TEMPOS E SOCIEDADES. A literatura como arte da palavra e mãe da ficção é um instrumento de comunicação e de interação social. Ela cumpre o papel de transmitir conhecimentos e a cultura de uma comunidade. A literatura, também, está vinculada a sociedade em que se origina, assim como todo tipo de arte. Pois o artista não consegue ser indiferente a realidade. Em todas as épocas históricas, as manifestações literárias e artísticas coexistiam na diversidade das formas de organização social, das sociedades tradicionais às mais avançadas, com parte da estruturação da vida coletiva. 14 – CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES DOS MOVIMENTOS LITERÁRIOS DA ERA MEDIEVAL (TROVADORISMO E HUMANISMO) E DA ERA CLÁSSICA (CLASSICISMO PORTUGUÊS / QUINHENTISMO BRASILEIRO, BARROCO E ARCADISMO). A palavra trovadorismo vem de ‘trovador’, ‘trova’, que significava ‘torcer’ e acabou terminando com o significado de ‘compor uma música’. O trovadorismo foi o primeiro movimento literário da língua portuguesa. Tem quatro teses sobre sua origem: A arábica, a folclórica, a médio-latinista e a litúrgica. Vai de 1189 a 1418. Tinha vários tipos de ‘trovas’: No gênero Lirico tinha as Cantigas de Amor e Cantigas de Amigo; No gênero satírico tinha as Cantigas de Escárnio e as Cantigas de Mal Dizer. O humanismo (1418 a 1527) que deriva de ‘Humanitas’ (educação adequada a uma pessoa de cultura), usado no sentido filosófico. Foi a segunda escola literária medieval também conhecida como pré-Renacimento ou Quatrocentismo. Transição da idade média para a idade clássica. Via o homem como o centro do universo..
  • 7. Como produção literária teve: A Poesia Palaciana.. O teatro de Gil Vicente; As encenações profanas (arremedo, pantomina, alegoria, farsa, sotiê, momo, entremeze, sermão burlesco, écloga. Na era clássica do Quinhentismo a literatura compreende a produção informativa dos cronistas e os textos catequéticos dos missionários jesuítas. O Quinhentismo abrange todas as manifestações literárias produzidas no Brasil, à época do descobrimento, durante o século XVI. É um movimento paralelo ao classicismo português e possui idéias relacionadas ao renascimento. O tema central do Quinhentismo eram os próprios objetivos da expansão marítima: a conquista material, na forma de literatura informativa das grandes navegações, e a conquista espiritual da companhia de Jesus. Tem com primeiro documento a Carta de Pero Vaz de Caminha. O Classicismo teve em Camões seu maior representante. O Barroco: textos ricos com profunda elaboração formal. Arcadismo: textos bucólicos, valorização do homem, linguagem simples, imitação dos modelos de literatura da antiguidade clássica e do renascimento. A era Clássica enfatizava a poesia, a mitologia, os autores clássicos como Homero, Virgílio, Horácio; a exaltação da vida no campo e o bucolismo.