A crise no impér io e o 15 de novembro

895 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre a crise do Segundo Reinado e a proclamação da reública em 15/11/1889

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
895
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A crise no impér io e o 15 de novembro

  1. 1. A CRISE NO IMPÉRIO E O 15 DENOVEMBRO
  2. 2. AS MUDANÇAS NO BRASIL EM FINS DO SÉCULOXIX Os anos finais do Império foram tempos de grandes transformações. Crescimento das cidades, impulsionadas pela expansão da lavoura do café. As ferrovias substituíram o transporte feito por carros de bois e por barcaças; modernização dos processos de beneficiamento do açúcar e do café. Instaladação indústrias de tecidos, de calçados, de chapéus, de alimentos, demetalurgia e de construção naval. Aumentou o movimento financeiro e comercial, especialmente na Corte, ou seja,na cidade do Rio de Janeiro, cujo porto era, então, o mais movimentado do país. A escravidão fora abolida.
  3. 3. CAUSAS Nesse momento, a ideia de república associa- se à ideia de civilização e progresso, ideia é muito importante para os homens e mulheres do final do século XIX e início do XX. As últimas décadas do império foi também um momento de muitas tensões. Religiosos, militares, profissionais liberais, cafeicultores e muitos outros grupos se opuseram a D. Pedro II. Um dos pontos de conflito foi a questão da abolição da escravidão.
  4. 4. QUESTÃO RELIGIOSA Nos últimos anos de seu governo, D. Pedro foi alvo de severas críticas por parte da Igreja Católica. O papa publicou um decreto contra a participação de membros da Igreja Católica na maçonaria, o que foi prontamente seguido pelos bispos de Olinda e Belém. D.Pedro II não só anula o decreto como prende os bispos, causando um mal estar com a Igreja.
  5. 5. QUESTÃO MILITAR Os militares, principalmente após a Guerra do Paraguai também posicionaram-se contrários ao governo monárquico. Desejosos de maior participação na política do país, eles se opunham ao veto imperador na participação de militares em tais questões
  6. 6. O PARTIDO REPUBLICANO PAULISTA Em 1870, a discussão a respeito da criação de uma república no Brasil ganha contornos mais definidos com a fundação do Partido Republicano Paulista, também conhecido como PRP, e a publicação do Manifesto Republicano. Os republicanos concordavam com uma coisa: todos queriam a República, mas os grupos que defendiam o regime republicano não eram homogêneos nem tinham a mesma visão sobre a organização do novo regime. Grosso modo havia duas visões opostas: a dos militares - e aqui falo do exército - e a dos grandes proprietários, sobretudo dos cafeicultores.
  7. 7. MILITARES Defendiam um modelo republicano baseados nas ideias do positivismo e os outros tinham uma visão mais liberal, próxima da república norte-americana, conhecida como federalismo. A República deveria garantir a ordem e o progresso do Brasil. Eles entendiam como progresso a "modernização da sociedade através da ampliação dos conhecimentos técnicos, do crescimento da indústria, da expansão das comunicações"
  8. 8. OS GRANDES PROPRIETÁRIOS Defendiam descentralização política, dando às províncias a autonomia para contrair empréstimos, criar impostos, criar leis, etc.
  9. 9. O 15 DE NOVEMBRO Em novembro de 1889, um golpe militar dirigido pelo marechal Manuel Deodoro da Fonseca obrigou D. Pedro II a abdicar. Foi assim que, no dia 15 de novembro daquele ano, foi Proclamada a República do Brasil, no Rio de Janeiro. Sem participação popular, a República resulta de um movimento das elites. Num primeiro momento, os militares (em especial os positivistas) vão ser o principal grupo no poder. Mas em um momento posterior, crise econômica e motins militares levaram à retirada deles do poder e a ascensão dos cafeicultores e demais oligarquias regionais.

×