História      EM MEIO A CIDADE, OS      REMANESCENTES DE      UMA HISTÓRIA RURAL                           Texto: Mirza Pe...
História                                                                                                    História      ...
História                                                                                                         História ...
História                                                                                                    História      ...
Território Rural      instalaram uma enfermaria               tiros de canhões, mas também o      provisória nas dependênc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Em meio a cidade, os remanescentes rurais texto revista diagrama

615 visualizações

Publicada em

Texto da Revista Diagrama sobre as relações rural/urbano no território de Campinas

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
615
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Em meio a cidade, os remanescentes rurais texto revista diagrama

  1. 1. História EM MEIO A CIDADE, OS REMANESCENTES DE UMA HISTÓRIA RURAL Texto: Mirza Pellicciotta / fotos: Tomas May com a colaboração do Sr. Toru Iwasaki e equipe da Fazenda Tozan Abanação, 1º processo de limpeza do café, ainda no cafezal. O Município de Campinas conta na atualidade com boa parte de seu território rural preservado. Antigas fazendas e bairros rurais permanecem presentes no entorno da malha urbana, guardando testemunhos, práticas e tradições trazidas por populações que, no curso dos séculos XIX e XX, fixaram-se no município e região procedentes das mais variadas partes do mundo. Um passeio pelos distritos de Sousas e Joaquim Egídio (leste), pelos bairros rurais de Carlos Gomes (norte), Friburgo e Fogueteiro (sudoeste), ou ainda, pelo bairro rural de Pedra Branca (sudeste), é capaz de surpreen- der os viajantes mais exigentes ao revelar a permanência de sabe- res e fazeres centenários que deram forma a uma rica trajetória de produção, circulação e desenvolvimento cultural e tecnológico importante não apenas para o município, mas para o Estado de São Paulo e para o País. Casa Sede da Fazenda Tozan, datada de 1850.104 REVISTADAS CONVENIADAS FGV REVISTADAS CONVENIADAS FGV 105
  2. 2. História História Vila de São Carlos procedente se, então, num período de “grande torrão de anhumas”. Em da Vila de Parnaíba. O “sítio da oscilações produtivas: das 1550 paralelo a trajetória produtiva de Ponte Alta” já contava com uma arrobas obtidas em 1798, a sua fazenda, Floriano de área de lavoura de cana (inicial- produção cairia para 800 arrobas Camargo Penteado também mente “crioula”; posteriormente em 1799, voltando a atingir 1450 desempenharia funções públicas: “caiana branca”) e com a arrobas em 1800, registrar 2500 da condição de sargento–mor produção de 1550 arrobas de arrobas em 1808 e voltar a quando da chegada na Vila de açúcar obtidas com o uso de alcançar o montante de 3000 São Carlos, ele assumira a moenda de cilindro vertical, arrobas em 1813, optando o função de juiz ordinário e, entre movida por dois bois proprietário, por volta em 1803, os anos de 1819 e 1826, o lugar (BRAGA,2006). O sítio localiza- em produzir também a aguarden- de Capitão-Mór agregado, va-se nas proximidades da te como fonte adicional de chegando a obter a honraria de Estrada dos Goiases, eixo de receita (BRITO,1953). No “coletor esmoler” das obras da penetração paulista que fora recenseamento de 1816, a Matriz Nova (reiniciadas em aberto em 1722 (a partir da Vila Fazenda Ponte Alta achava-se 1827) em conjunto com os de São Paulo do Piratininga) presente entre os 45 engenhos capitães Francisco de Paula para alcançar as minas de Goiás da Vila de São Carlos, e três Camargo e Antônio Pompeu de e que no curso do século XVIII anos depois, na ocasião da Camargo (BRAGA, 2006). possibilitara a distribuição e passagem de Saint Hilaire por Em 1838, com seu faleci- fixação das primeiras sesmarias Campinas, ela aparecia mento, a Fazenda Ponte Alta foi na região. identificada como responsável passada ao filho, Francisco José A aquisição das terras pela por cerca de 50% da produção de Camargo Penteado, herdeiro família Camargo Penteado deu- de uma região chamada de de imensa fortuna que, à seme- Fachada do museu da Fazenda Tozan “Casa do Café”. O Município de Campinas circulação e desenvolvimento de maquinarias, contribuindo conta na atualidade com boa cultural e tecnológico importante diretamente para a sedimentação parte de seu território rural não apenas para o município, de uma malha urbana fundamen- preservado. Antigas fazendas e mas para o Estado de São Paulo tada na geração de conhecimen- bairros rurais permanecem e para o País. to e na especialização de servi- presentes no entorno da malha De fato, é na porção rural ços. As demandas agrárias urbana, guardando testemunhos, que Campinas guarda os seus acabaram por se reunir e se práticas e tradições trazidas por mais significativos segredos e articular aos processos urbanos, populações que, no curso dos desvendar este universo é emergindo deles uma complexa séculos XIX e XX, fixaram-se no também perceber que foi das trajetória social, cultural, município e região procedentes demandas agrárias que nasceu tecnológica. Os espaços rurais das mais variadas partes do uma trajetória rica e surpreen- de Campinas nos contam estas mundo. Um passeio pelos dente de desenvolvimento histórias... distritos de Sousas e Joaquim urbano; que delas emergiram os Egídio (leste), pelos bairros rurais subsídios para instalação de ENTRE O AÇÚCAR E O de Carlos Gomes (norte), estradas de ferro (em particular, CAFÉ: A TRAJETÓRIA DA Friburgo e Fogueteiro (sudoeste), da Companhia Mogyiana de FAZENDA PONTE ALTA NO ou ainda, pelo bairro rural de Estradas de Ferro, fundada em SÉCULO XIX Pedra Branca (sudeste), é capaz Campinas); que delas vieram as de surpreender os viajantes mais motivações para a instalação de A antiga Fazenda Ponte exigentes ao revelar a perma- uma Estação Agronômica (hoje, Alta, hoje Fazenda Tozan/Monte nência de saberes e fazeres Instituto Agronômico de Campi- D’Este, foi criada em 1798 por centenários que deram forma a nas), ou ainda, os principais Floriano de Camargo Penteado, uma rica trajetória de produção, estímulos para o aprimoramento senhor de terras que chegara a Antigo Processo de Beneficiamento de Café, exposto no interior museu da Fazenda Tozan.106 REVISTADAS CONVENIADAS FGV REVISTADAS CONVENIADAS FGV 107
  3. 3. História História férteis com clima propício a variedades de café e sua com cereais, com práticas de produção de gêneros diversifica- adaptação no Brasil); a eclosão reflorestamento (iniciada em dos; a proximidade dos centros e desdobramentos da segunda 1929, por recomendação da de pesquisa, por sua vez, tam- guerra mundial (período no qual Escola Superior de Agricultura bém interferiu na escolha desta a fazenda chega a ser desapro- Luiz de Queiroz/ESALQ), com a fazenda. Adquirida as terras, a priada pelo Estado e só posteri- criação de gado de corte (raça atenção do novo proprietário se ormente devolvida a família nelore), ou ainda, com a instala- voltou para a questão da recupe- Iwasaki). ção da fábrica de saquê, shoyo, ração do solo, da melhoria da Neste percurso, a parceria missô e vinagre de arroz (alimen- produtividade e aprimoramento com o Instituto Agronômico de tos essenciais na dieta japonesa), dos conhecimentos necessários Campinas seria de vital impor- atividades, enfim, sempre para o trato de culturas tropicais, tância para a fixação de uma associadas ao uso racional da cabendo ao Dr. Yamamoto a boa linhagem de grãos e para, terra e a busca de recuperação administração do empreendimen- no curso dos anos, permitir a de sua fertilidade. to. Nos anos seguintes, surgiriam Fazenda Monte D’Este produ- Na atualidade, com 830 situações difíceis: a “quebra da zir e distribuir a semente hectares, a porção da antiga bolsa” de Nova York em 1929 certificada como “Novo Fazenda Ponte Alta que deu (momento em que a fazenda Mundo”. Esta parceria, na origem a Fazenda Monte D’Este escapa da crise em função da verdade, remontaria aos anos se mantém produtora de café aposta na sua diversificação 1920 (momentos da abertura da aliando as mais avançadas produtiva e dos subsídios recebi- fazenda) constituindo-se a pesquisas do Instituto Agronômi- dos do Japão); a “broca do café” Fazenda Tozan um dos mais co (instituição parceira, portanto, (que leva o Dr. Yamamoto a antigos parceiros desta institui- há cerca de 80 anos) aos funda- Mirante da Fazenda Tozan, construído em 1928. adotar a “Vespa de Unganda” ção. mentos e propósitos da Tozan; como predador natural e ampliar O café, por sua vez, são aproximadamente 1.500.000 lhança do pai, também seguiria centenariamente estabelecido Alta (bem como das fazendas os esforços para buscar novas dividiria espaço com o algodão, pés de café em 300 hectares de caminho político ao mesmo nas margens da Estrada. A sua São José e Bocayuva, todas tempo em que dava continuidade plena adesão a produção de pertencentes a um grupo de a produção de açúcar e aguar- café, assim como a entrada de herdeiros) em 8/11/1927, ao sr. dente nestas terras; a novidade colonos estrangeiros na fazenda Hisaya Iwasaki, empresário e Fachada da Antiga Senzala, reforamada em 1898 para receber os Imigrantes. surgiria alguns anos depois: além viriam mais tarde....e neste caso, membro da família fundadora do das 1000 arrobasde açúcar, a coube ao neto de Floriano e ao conglomerado Mitsubishi que, fazenda também passava a filho do “Capitão Chico”, o com recursos investidos em figurar, em 1852, como uma das terceiro senhor destas terras e diferentes países, demonstrara 89 propriedades de café do de nome Álvaro Xavier de interesse em instalar uma município.,mantendo o “Capitão Camargo Andrade, a introdução fazenda-modelo no Estado de Chico”, como se tornaria conhe- de trabalhadores livres e estran- São Paulo no propósito de cido, oregime de trabalho escra- geiros dez anos depois da oferecer um ponto de referência vo, ao mesmo tempo em que decretação da lei áurea (1898), aos imigrantes japoneses (que privilegiava a produção de café já num contexto em que a chegavam ao Estado desde (em especial, diante da cobrança fazenda contava com 60 mil 1908) e de constituir um espaço de novos impostos sobre o cafeeiros. de aprendizagem no novo açúcar e a aguardente), sem mundo. aderir plenamente as tendências DA “PONTE ALTA” A “MONTE A opção pelas terras da que se delineavam: a substituição D’ESTE”: A PRODUÇÃO antiga Fazenda Ponte Alta progressiva das lavouras extensi- DE CAFÉ NO SÉCULO XX surgira, por sua vez, das pesqui- vas de cana por lavouras exten- sas realizadas pelo Dr. Kiyoshi sivas de café.A Fazenda Ponte Coube a viúva do major Yamamoto, um agrônomo Alta resistiria ainda algum tempo Álvaro Xavier de Camargo formado pela Universidade de como engenho e engenhoca, Andrade, vender uma área de Tókio que se achava encarrega- prestando-se a atender a um aproximadamente 3.700 hectares do pela família Iwasaki de mercado de abastecimento da centenária Fazenda Ponte identificar uma área de terras108 REVISTADAS CONVENIADAS FGV REVISTADAS CONVENIADAS FGV 109
  4. 4. História História apenas 12 ou 13 km. Finalmen- desfechado o ataque. Neste dia, incumbida de fornecer eletricida- te, passou-se a ouvir os tiros de as tropas paulistas iniciaram a de a Fazenda, e com a recusa de canhão a longa distância. Havia construção de trincheiras que fornecimento, presumiu-se que clima de intranquilidade no atravessavam posições entre a aquela cidade teria sido domina- espírito das pessoas, mas houve Fazenda e a cidade de Campi- da pelas tropas federais. A continuidade nos trabalhos da nas, dando a entender o Fazenda voltou a era de lampiões Fazenda, enquanto se discutiam cronograma de sua retirada. que não iluminava o suficiente. as diversas estratégias. No dia Assim, previu-se momentanea- Não podendo ouvir rádio, tornou- 15, os trabalhadores continuavam mente como certa a transforma- se impossível tomar conhecimen- a labutar no cafezal, quando ção das áreas da Fazenda num to da situação em geral. A apareceu um avião pertencente a campo de batalha, o que resultou semana seguinte parece ter sido tropas federais que sobrevoou o na evacuação de mulheres e importante para fortalecer o local. Abaixou-se de repente e crianças para a cidade de poderio bélico das tropas fede- abriu fogo de metralhadora. Em Campinas. Nomeou-se o rais. Neste intervalo, verificou- seguida, lançou uma bomba e foi funcionário Ieki para acompa- se uma atividade intensa da embora. Eis que os trabalhado- nhar este grupo e ainda, desig- aviação de ambos os lados e res ficaram perturbados com o nou-se o funcionário Álvaro a assistiu-se, por duas vezes, o ocorrido, mas não houve qual- permanecer na cidade de combate aéreo sob o céu da quer dano. Imaginou-se que o Campinas como encarregado de Fazenda. Apesar do temor que piloto teria confundido a boiada comunicação. Com o corte da nos cercava, foram alvos de que se locomovia pela estrada transmissão de energia elétrica nossa atenção. Dentro da área com movimentação de tropas, e da usina situada em Pedreiras da Fazenda, as tropas paulistas Vista do Mirante da Fazenda Tozan. terra, produção que se destina, Outro importante de avanço das tropas federais, e Cafezal, aprox. 1,5 milhões de cafeeiros. em parte, a atender os mais trabalho desenvolvido pela nos alvoroçamos na tomada de exigentes mercados do mundo, Fazenda Tozan, diz respeito a medidas cabíveis. De fato, houve em particular o japonês. A preservação de sua documenta- movimentações no front ociden- fazenda também se encontra ção histórica (80 anos). Sob os tal. Devido a chegada das aberta a visitação, oferecendo cuidados de uma equipe especi- tropas inimigas a Eleutério, em acesso aos espaços centenários alizada japonesa, todo um fins de agosto, o Comando da senzala (adaptada em 1898 universo de documentos e Paulista no front ocidental para receber os primeiros registros relativos a produção, recuou para Jaguariúna e as colonos), as casas de colonos, ao administração, controle de atividades bélicas na retaguarda viveiro, ao cafezal, ao terreiro, pragas, aprimoramentos técnicos tornaram-se intensas, verifican- aos tanques de lavagem e área vem sendo resgatado, restaurado do-se inquietação entre os de torrefação, ao museu, ou e organizado, achando-se trabalhadores da Fazenda e ainda, às construções erguidas presentes documentos inéditos e tensão entre os funcionários. pela família Iwasaki no curso do de grande valor histórico como o Apesar da chegada frequente de tempo, entre elas, a Casa “Relatório do Movimento reforços nas fileiras paulistas, a Japonesa e a Biblioteca (inaugu- Constitucionalista de 1932 visto retirada continuou, e no início de radas no aniversário de 30 anos na FazendaTozan”, datado de setembro, verificou-se o recuo da fundação da Fazenda Monte outubro de 1932 e assinado pelo para Itapira. Houve, em seguida, D’este, em 8 de novembro de Dr. Yamamoto, aqui transcrito o abandono de Mogi-Mirim, e no 1957), a Casa de Recepção (ao parcialmente, com destaque para dia 11, constatou-se a ocupação lado da Casa Japonesa, concluí- a passagem sobre a marca de Amparo. Em meados de da em 1958 para receber o deixada por uma bala perdida no setembro, as tropas federais príncipe e a princesa Mikasa do dia 24 de setembro de 1932, atacaram em duas frentes: Japão, durante as comemorações ainda hoje visível no Mirante. Pedreira e Mogi Mirim. A dos 50 anos da imigração “Verificou-se que a Fazenda distância que separava a Fazen- japonesa) e o mirante. Monte D’Este se situava na rota da da frente de batalha era de110 REVISTADAS CONVENIADAS FGV REVISTADAS CONVENIADAS FGV 111
  5. 5. Território Rural instalaram uma enfermaria tiros de canhões, mas também o provisória nas dependências da pipocar das metralhadoras. A escola, a cavalaria ficou na ponte sobre o rio Atibaia e a capela e a equipe de comunica- estação Carlos Gomes foram ções se instalou no Bourbon, ocupadas até o entardecer. No área de estocagem de adubos. dia seguinte, dia 23, houve trocas Com isso, o ambiente ficou de tiros entre as tropas que propício para experimentar a estavam nos dois lados do rio atmosfera de campo de batalha e Atibaia. Projéteis de canhões nós deveríamos ficar sempre começaram a cair no bairro alertas para tudo o que pudesse Bocaiúva dentro da Fazenda. No vir a acontecer. A maioria dos dia seguinte, dia 24, a frente das trabalhadores já haviam sido tropas paulistas tinha sido evacuados para a direção de São obrigada a recuar do alto do José. Após a evacuação dos bairro Amarelo do cafezal para o familiares, todos os funcionários mirante Isshintei do Morro de e os japoneses que estavam nas Pedra, para o bairro Atibaia, até imediações da sede da Fazenda a direção da estação Tanquinho. foram ali reunidos. Eram ao todo, Naquele momento, as tropas 11 homens, tendo sido nomeados, beligerantes batalhavam dentro inclusive, os encarregados que cuidavam da cozinha. Houve da área da Fazenda, verificando- se a queda de projéteis de Terreiro para secagem do Café, ANÚNCIO quem comandasse a evacuação dos trabalhadores, quem caval- gasse em busca de informações, canhões no cafezal. Um projétil atingiu a coluna de madeira do mirante Isshintei, deixando para ao fundo, a casa Sede da Fazenda Tozan. WETIN WILD quem cozinhasse, quem cuidasse dos contatos com as tropas posteridade, uma marca da beligerância. Veio um reforço exceção da varanda. Os solda- dos eram dóceis e até chegaram (PDF ANEXO) beligerantes. Faziam-se reuniões para as imediações da sede da a ser amáveis. Este contingente esporádicas a fim de discutir as Fazenda, que consistia num se retirou às pressas no meio da estratégias adotadas pelos contingente de soldados de cerca noite em direção a rodovia, beligerantes, o que encorajou o de uma companhia, liderada por assustados com a falsa informa- espírito dos que se encontravam três oficiais. Não lhes foi ção trazida pela cavalaria de sitiados. No dia 22, já não se permitido o uso da sede, até reconhecimento, de que o local já ouviam apenas a trovoada de mesmo para os oficiais, com estaria cercado pelos inimigos”. Criador da Vespa de Uganda usada no Dr. Kiyoshi Yamamoto, primeiro s112 combate a broca do café, tecnologia administrador Japonês da Fazenda Tozan. 113 desenvolvida por Dr. Kiyoshi Yamamoto. REVISTADAS CONVENIADAS FGV REVISTADAS CONVENIADAS FGV

×