CURSO PREPARATÓRIO CONCURSO da PM - DISCIPLINA: GEOGRAFIA
Prof. Vando Félix – rtvando@gmail.com – www.geograficamentecorre...
aliados franceses.
Martim Leitão, sabendo de um problema havido
entre os Potiguara e Tabajara, escolheu o Capitão João
Tav...
Anexo.
Porto de Cabedelo, porta de entrada da Paraíba.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Concurso da PM - Geografia Produção e Organização do Espaço Paraibano

1.156 visualizações

Publicada em

Apostila sobre a produção e organização do Espaço da Paraíba.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Concurso da PM - Geografia Produção e Organização do Espaço Paraibano

  1. 1. CURSO PREPARATÓRIO CONCURSO da PM - DISCIPLINA: GEOGRAFIA Prof. Vando Félix – rtvando@gmail.com – www.geograficamentecorreto.com Geografia Da Paraíba Produção e Organização do Espaço Paraibano. O conhecimento da geo-história da Paraíba é indispensável para se compreender, em sua totalidade, a maneira de viver do homem paraibano, incluindo suas formas de comportamento, ideias, folclore, produção de objetos para suas necessidades. O homem se distingue no reino animal não apenas pelas mutações biológicas, mas, principalmente, por características culturais. Dotado de um potencial de sensibilidade e consciência, conseguiu desenvolver a capacidade de produzir suas ferramentas, utensílios e todo um instrumental de defesa, ataque e proteção, necessários à sobrevivência, iniciando-se, deste modo, o processo de produção e alteração da natureza. Quando o homem trabalha, modifica a natureza e produz bens para viver. E ao trabalhar, estabelece relações com os outros homens, transformando o seu esforço numa atividade social que vai criar vínculos econômicos, sociais, políticos e ideológicos. Assim é que, obedecendo a esta ordenação, o espaço geo-histórico vai se produzindo e se organizando. É necessário recordar um pouco a nossa história, para entendermos a organização política atual e a ocupação do espaço geográfico. Pedro Álvares Cabral chegando ao Brasil, no dia 22 de abril de 1500, encontrou o Continente Americano dividido por uma linha imaginária que passava 370 léguas a oeste de Cabo Verde, resultante do Tratado de Tordesilhas. Segundo esse Tratado, as terras a oeste pertenciam à Espanha e a leste, a Portugal. Em 1534, o Brasil foi dividido em 15 lotes de terra, doados a pessoas da corte que passaram a se chamar Donatários. Os lotes, por herança, iam de pai para filho, daí a denominação de Capitanias Hereditárias. A Capitania de Itamaracá foi entregue a Pero Lopes de Souza e estendia-se desde a foz do rio Santa Cruz (hoje Igarassu) em Pernambuco, até a Baía da Traição, na Paraíba, com trinta léguas de frente. Nas terras da Capitania de Itamaracá, viviam índios de dois grupos: no litoral, os Tupis, formados pelas tribos Tabajara e Potiguara; no interior, os Tapuias, formados por tribos de índios Cariris e Tarairius. Pero Lopes de Souza governou a Capitania de Itamaracá de 1534 a 1539, quando morreu em um naufrágio. Depois veio um português substituí-lo, chamado João Gonçalves. Aqui chegando, ficou amigo dos índios. Construiu em Itamaracá a vila Conceição, tornando-a sede de seu governo. Segundo relato de Frei Vicente Salvador, houve grande crescimento na Capitania, nesse período, em razão da admirável direção de João Gonçalves. Porém, após sua morte, tudo mudou; os índios passaram a ser maltratados e dominou uma grande desorganização. Com a invasão dos franceses, muitos índios tornaram-se seus aliados. O rei de Portugal, preocupado com os sucessivos ataques de indígenas e franceses, resolveu tomar posse efetiva ria terra, criando a Capitania Real da Paraíba em janeiro de 1574. Após várias tentativas de conquistas fracassadas feitas pelos portugueses, partiram da Bahia, em março de 1584, Diogo Valdez, Felipe Moura, Martim Leitão e Frutuoso Barbosa, numa grande expedição com mais ou menos mil homens. Aqui chegando, lutaram contra os franceses e os índios. Após desentendimentos havidos entre eles próprios, foi organizada uma nova expedição chefiada por Martim Leitão, que lutou contra os índios e seus
  2. 2. aliados franceses. Martim Leitão, sabendo de um problema havido entre os Potiguara e Tabajara, escolheu o Capitão João Tavares, homem de espírito conciliador, para propor as pazes ao valente Piragibe, chefe dos Tabajara. Finalmente, no dia 5 de agosto de 1585, celebraram um acordo, na encosta de uma colina em frente ao rio Sanhauá, onde construíram um forte de madeira. E assim, foi oficializada a conquista e fundação da Paraíba. Em virtude de ser o dia 5 de agosto dedicado a Nossa Senhora das Neves, a nova cidade recebeu o nome de Nossa Senhora das Neves, passando depois a chamar- se Filipéia de Nossa Senhora das Neves, em homenagem ao Rei Felipe da Espanha. Naquela época, a riqueza vegetal da Paraíba era a base inicial de sua economia. As madeiras exploradas eram o pau-brasil e outras, como o cedro, o jacarandá, resistentes e duráveis, que se destinavam ao fabrico de barcos e móveis para a nobreza. Logo a cana-de-açúcar, plantada nas várzeas da Capitania Real da Paraíba, foi sendo reconhecida como da melhor qualidade. O florescimento da cultura açucareira deu-se durante todo o século XVI e primeira metade do século XVII, quando veio a crise da produção regional, provocada pela concorrência do açúcar das Antilhas. Ainda no século XVII, a ocupação do sertão foi determinada pela necessidade de pro- ver a área açucareira de animais para o trabalho e alimento para a população. Foi então que a pecuária sertaneja surgiu, revestindo-se de grande importância geoeconômica, à medida que extensa faixa territorial pôde ser ocupada por reduzida população. Nesta área, o grande proprietário 'baseou sua economia em duas atividades: pecuária e cultura do algodão. Entre as grandes regiões que se formavam - Litoral e Sertão - começou o Agreste a se estruturar, com base na agricultura de alimentos (milho, feijão, batata-inglesa, fava e mandioca), em pequenas propriedades, Constantemente, o Agreste era atravessado pelo gado nos seus percursos em direção à zona açucareira, o que provocou o surgimento de pousos para descanso e abastecimento. Deles surgiram "currais" que logo se transformaram em feiras de gado, algumas chegando a originar cidades, a exemplo de Itabaiana e Campina Grande. O Brejo, embora tenha sido, de início, ocupado por culturas de subsistência, somente teve seu povoamento efetivado com a cotonicultura e, posteriormente, com a cana-de-açúcar. Os caminhos definidos anteriormente pelo primitivo processo de ocupação foram reforçados com a implantação das ferrovias que somente facilitaram o escoamento dos produtos. No início do século XX, de forma generalizada, o espaço paraibano estava assim ocupado: LITORAL - cana-de-açúcar AGRESTE - pecuária, algodão e culturas alimentícias BREJO - cana-de-açúcar SERTÃO - pecuária, algodão e culturas de subsistência. O Mapa em Anexo sintetiza esta ocupação. A Paraíba surgiu primeiro como uma Capitania Hereditária. Em seguida passou a Capitania Real, depois a Província e, finalmente, a Estado da República Federativa. Durante a fase imperial brasileira, foi feita a Constituição de 1824, que dividia o Império em províncias, organização esta que se manteve até 1889, quando foi proclamada a República. Hoje, a Paraíba é um dos 26 Estados que compõem a República Federativa do Brasil. É dividido, como todos os outros Estados, em municípios. O município pode ter um ou mais distritos. O distrito-sede de cada município corresponde à sua cidade e as sedes dos demais são vilas. Portanto, o Estado da Paraíba possui 223 municípios e igual número de cidades. A Paraíba obedece, no plano nacional, à Constituição Brasileira, isto é, ao conjunto de leis supremas do país que compreendem os direitos e deveres do governo e do povo. Ao nível estadual, a Paraíba cumpre a sua Constituição, aprovada em 1989. Com base nas Constituições, o Governo deve garantir condições dignas de vida à população. Fonte: Atlas Escolar da Paraíba – Coordenadora: Janete Lins Rodriguez. 2ª edição. p. 17-20. 2000.
  3. 3. Anexo. Porto de Cabedelo, porta de entrada da Paraíba.

×