Uberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do Município

15.952 visualizações

Publicada em

O guia “Uberaba em Dados” é um anuário, idealizado e produzido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, contendo dados socioeconômicocultural do município de Uberaba. É uma riquíssima fonte para análises contendo descrições e dados, abrangendo todos os setores e ilustrado com gráficos e fotos para melhor visualização.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.952
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
581
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
108
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do Município

  1. 1. Edição 2009 Ano Base 2008 Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  2. 2. ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO____________________________________________________________ 3 MENSAGEM DO GOVERNO MUNICIPAL ______________________________________ 4 ORIGENS E TRAJETÓRIA HISTÓRICA DE UBERABA ___________________________ 5 CAPÍTULO 1º ____________________________________________________________ 7 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO _________________________________________ 7 1.1 - Áreas _______________________________________________________________ 7 1.2 - Localização _________________________________________________________ 7 1.3 - Municípios Limítrofes _________________________________________________ 7 1.4 - Altitude _____________________________________________________________ 7 1.5 - Marco Geodésico _____________________________________________________ 7 1.6 - Topografia __________________________________________________________ 7 1.7 - Geologia ____________________________________________________________ 7 1.8 - Solos _______________________________________________________________ 7 1.9 - Reservas Minerais ____________________________________________________ 8 1.10 – Ativos Ecológicos ___________________________________________________ 8 1.11 – Rodovias __________________________________________________________ 8 1.12 - Transporte Rodoviário _______________________________________________ 10 1.13 - Transporte Ferroviário _______________________________________________ 11 1.14 – Transporte Aéreo ___________________________________________________ 13 1.15 - Clima ______________________________________________________________ 14 1.16 - População__________________________________________________________ 16 1.17 - Colégio Eleitoral de Uberaba __________________________________________ 20 1.18 - Núcleos de Desenvolvimento (Bairros Rurais) ___________________________ 21 1.19 - Microrregião ________________________________________________________ 21 Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  3. 3. INTRODUÇÃO 3 INTRODUÇÃO O que é? O guia “Uberaba em Dados” é um anuário, idealizado e produzido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, contendo dados socioeconômico- cultural do município de Uberaba. É uma riquíssima fonte para análises contendo descrições e dados, abrangendo todos os setores e ilustrado com gráficos e fotos para melhor visualização. Qual é o objetivo? Tem por objetivo compartilhar dados e informações, visando estimular os investidores, mostrando as potencialidades de Uberaba; dar subsídios para as pesquisas escolares, do Ensino Fundamental ao Ensino Superior e mostrar os índices da qualidade de vida do Município. Este anuário nos dá uma visão retrospectiva da história e do desenvolvimento das ações implementadas pela Prefeitura Municipal de Uberaba desde a sua criação. Como é elaborado? O guia “Uberaba em Dados” é elaborado através de dados solicitados aos órgãos responsáveis nos diversos setores produtivos da cidade. A cada ano são feitas as atualizações tendo sempre como base o ano anterior. É feito com muita seriedade, pois temos o compromisso de mostrar com a maior exatidão possível os dados fornecidos pelos nossos parceiros nesta iniciativa da Prefeitura Municipal de Uberaba. Está disponível em disquete, numa versão mais compacta e em CD, numa versão mais ampla, contendo muitas fotos e gráficos para melhor visualização. Praça Rui Barbosa Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  4. 4. MENSAGEM DO GOVERNO MUNICIPAL 4 MENSAGEM DO GOVERNO MUNICIPAL A localização estratégica e a estrutura oferecida por Uberaba são os principais motivos para convidá-lo a conhecer a região que pode ser chamada de "a Mesopotâmia Brasileira". Num raio de 500 quilômetros em torno de Uberaba estão cerca de 2.100 municípios, que juntos detém mais de 70% do Produto Interno Bruto (P1B) do Brasil. Estamos interligados com os principais centros consumidores do País por meio de uma estrutura logística privilegiada, tendo inclusive uma estação aduaneira, facilitando a exportação e a importação de produtos. A nossa vocação para o agronegócio nos faz os maiores produtores de grãos do Estado de Minas Gerais e ainda contamos com grande potencial para a diversificação, em setores da economia que utilizam o sistema de integração como método de produção. O Governo Municipal está determinado em garantir o desenvolvimento da cidade e por isso conta com uma rede pública e de organizações não- governamentais na formação de mão-de-obra qualificada para os diversos setores de investimentos. Além disso, Uberaba oferece infraestrutura de alta qualidade, com acesso a educação, saúde, lazer e serviços básicos de água, luz e esgoto que garantem qualidade de vida ao cidadão. Tudo na melhor localização do País e em condições de receber os investimentos de sua empresa. Uberaba está de braços abertos para o desenvolvimento. Vistas de Uberaba Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  5. 5. ORIGENS E TRAJETÓRIA HISTÓRICA DE UBERABA 5 ORIGENS E TRAJETÓRIA HISTÓRICA DE UBERABA Uberaba tem sua origem na ocupação do Triângulo Mineiro, que ficou sob a jurisdição de Goiás até 1816. A região começou a ter importância preciosa, que consistia em uma das metas administrativas da Coroa Portuguesa, o governador da Capitania de São Paulo e Minas Gerais articulou a abertura de uma estrada. Esta missão ficou a cargo de Bartolomeu Bueno da Silva Filho (filho de Anhanguera). A expedição era composta por 152 homens, entre os quais 20 índios carregadores, 3 religiosos e 39 cavalos. Ela partiu de São Paulo pelos rios Atibaia, Camanducaia, Moji-Guaçu, Rio Grande, Rio das Velhas e penetrando em Goiás pelo Corumbá. Segundo alguns relatos da época, a expedição passou por terras de Uberaba. Esta rota ficou conhecida como Estrada Real ou Anhanguera que consistia em um importante caminho para que as autoridades portuguesas implementassem a colonização, a produção e escoamento dos minerais preciosos. Na verdade, a maioria das riquezas minerais do Brasil foi levada para Portugal e utilizada para o pagamento de suas dívidas em relação à Inglaterra. Posteriormente, a expedição do filho de Anhanguera fundou em 1725 o povoado de Vila Boa em Goiás. Igreja de Santa Rita - 1900 Outra estrada mais a Oeste foi aberta em 1736, passando por terras de Araxá em direção à Vila Boa denominada Picada de Goiás. A exploração e o povoamento de todo o Triângulo Mineiro, de modo geral, se fez como em todo o Brasil - Colônia, pelo amansamento e extermínio das populações indígenas e dos negros nos quilombos. As estradas para Goiás tornaram-se palco de batalhas, entre os exploradores dos sertões e os Comércio - 1930 nativos. Diante disso, o governo de Goiás viabilizou a segurança das estradas e por isso nomeou em 1742, o Coronel Antônio Pires de Campos para policiar, amansar e até mesmo exterminar os silvícolas rebeldes, fato constatado com a matança dos Faculdade de Medicina, Mercado e Colégio N. Sra. das Dores - 1960 Caiapós. Igreja de Santa Rita - 1934 Em 1766 foi criado o Julgado de Nossa Senhora do Desterro do Desemboque, sob a administração de Goiás, local rico em minas auríferas e de intensa exploração. A posse desse Arraial por Goiás era vantajosa aos moradores, pois estavam livres do pagamento de imposto sobre minerais, denominado "derrama", cobrado em Minas Gerais. Desemboque teve o seu esplendor até 1781, quando as minas auríferas se esgotaram. Prosseguindo a exploração das terras, o governo de Goiás para dinamizar a administração dos Sertões, nomeou pela Portaria de 1809, Antônio Eustáquio da Silva Oliveira (natural de Ouro Preto) para a função de Comandante Regente dos Sertões da Farinha Podre (Triângulo Mineiro), e em 1811 foi nomeado pelo Ato Governamental, Curador de índios. Em 1810, Major Eustáquio liderou uma Bandeira até o Rio da Prata, passando por terras de Uberaba. Outra expedição chefiada por José Francisco Azevedo, atingiu a cabeceira do Ribeirão Lajeado, fundando o Arraial da Capelinha, aproximadamente a 15 km do Rio Uberaba. Entretanto este local não se desenvolveu por falta de água e terras férteis, conforme constatou Major Eustáquio em visita ao Arraial. Conseqüentemente, o Regente dos Sertões comanda outra Bandeira com 30 homens e procura novas terras para se estabelecerem. Atingem o Rio Uberaba e fixam-se na margem esquerda do Córrego das Lages, onde foi edificada a Chácara da Boa Vista (hoje Fazenda Experimental da Epamig). Junto com Major Eustáquio vieram fazendeiros e aventureiros que passaram a produzir e comercializar com as caravanas que ligavam Goiás a São Paulo. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  6. 6. ORIGENS E TRAJETÓRIA HISTÓRICA DE UBERABA 6 Algum tempo depois, Major Eustáquio construiu sua residência na Praça Rui Barbosa (atual Hotel Chaves). Grande número de pessoas sabendo das condições propícias de Uberaba e do prestígio e segurança que o comandante Major Eustáquio oferecia, imigraram para o novo Arraial. Eram boiadeiros, mascates, comerciantes, criadores de gado, ferreiros, etc... Os moradores logo ergueram uma Capela tendo como oragos Santo Antônio e São Sebastião, benzida em 1818 pelo padre Hermógenes Cassimiro de Araújo Brunswick, do Desemboque. Assim foi estabelecido o reconhecimento do povoado pela Igreja. Esta instituição representava prestígios decisórios junto aos governos. Visto que em 2 de março de 1820, o rei D. João VI decreta a elevação de Uberaba à condição de Freguesia. O Decreto Real constituiu um grande avanço para a comunidade. Significou a emancipação e gerência própria em assuntos de ordem civil, militar e religioso. Foi o reconhecimento oficial tanto pela Igreja como pelo Governo Real. Uberaba foi crescendo e as terras foram ocupadas formando-se extensas propriedades devidas o baixo valor da terra e isenção de impostos sobre elas. Em pouco tempo reuniu-se seleta população de agricultores, pecuaristas e comerciantes e outras profissões, fato que viabilizou o Governo Provincial de Minas Gerais a criar o Município de Santo Antônio de Uberaba em 1836. Uberaba, em 1840 passou a sediar uma Comarca para distribuir a justiça na região. A importância regional da Vila de Santo Antônio de Uberaba era próspera que ela mereceu o título de Cidade em 1856, tornando-se um importante centro comercial que se acentuou com a inauguração da Estrada de Ferro em 1889, que foi um acontecimento facilitador da imigração européia para a cidade e do desenvolvimento da pecuária zebuína. A riqueza econômica refletiu na estrutura urbana onde surgiram requintadas construções no estilo eclético. No século XX, a cidade demonstra um crescimento da agricultura, da pecuária, da indústria e do comércio, atendendo as demandas nos aspectos econômicos, culturais e de serviços essenciais à população. Hoje Uberaba representa um centro comercial dinâmico, uma agricultura produtiva, um parque industrial diversificado e uma planejada estrutura urbana. Dada à importância histórica de 02/03/1820, quando a cidade foi elevada à Freguesia, o Município instituiu oficialmente como a data que se comemora o aniversário de Uberaba. Parabéns para os uberabenses que de maneira harmônica tem cumprido sua cidadania, preservando os valores culturais de nossa terra e valorizando a qualidade de vida da população. Marta Zednik de Casanova Historiadora Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  7. 7. CAPÍTULO 1º 7 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO CAPÍTULO 1º CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 1.1 - Áreas Área total Município (*): 4.540,51 km2 2 Área urbana: 256,00 km 2 Área rural: 4.284,51 km Área de Minas Gerais (¹): 586.852,25 km2 MG / BR (¹): 7% da área do País, dos quais 5.030 km2 constituídos de lagos e rios Fonte: (*) Instituto Geociências Aplicadas – IGA/MG 2002 (¹) site : www.indi.mg.gov.br 1.2 - Localização Latitude sul: 19º 45’ 27” Longitude oeste: 47º 55’ 36” 1.3 - Municípios Limítrofes Norte: Uberlândia e Indianópolis Leste: Nova Ponte e Sacramento Oeste: Conceição das Alagoas e Veríssimo Sul: Conquista, Água Comprida, Delta e Estado de São Paulo 1.4 - Altitude Máxima: 1.031 m (Serra de Ponte Alta) Mínima: 522 m (divisa com São Paulo) Sede: 764 m (média) 1.5 - Marco Geodésico O Datum planimétrico Sul Americano tem, no Município de Uberaba, o Vértice de Triangulação Chuá VT Chuá, estabelecido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 1949, fazendo parte do Sistema Geodésico Brasileiro. 1.6 - Topografia Faz parte do Planalto Arenítico Basáltico da Bacia do Paraná. O relevo varia de plano ligeiramente ondulado na maioria absoluta de área do município, até fortemente ondulado em pequenas manchas de solos podzólicos. 60% de relevo ondulado 40% de relevo plano. 1.7 - Geologia Formado por rochas sedimentares (arenito) do período cretáceo de formação Bauru. 1.8 - Solos São em sua maioria classificados como latossolo roxo distrófico e latossolo vermelho amarelo textura média e LVA – textura argilosa. Além destes tons, pequenas manchas de solos podzólicos. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  8. 8. CAPÍTULO 1º 8 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 1.9 - Reservas Minerais As principais são: água mineral, argila, calcário, caulim, ferro, pedras basálticas e ornamentais. 1.10 – Ativos Ecológicos Hidrografia: Bacia do rio Grande: Um dos principais rios do Brasil margeia o município de Uberaba. Rico em sua fauna, forma com o rio Uberaba a Bacia do rio Grande. Bacia do rio Paranaíba: Destaca-se o rio Tijuco. Possui mais de 200 pequenos riachos e córregos. Principais rios: Araguari, Cabaçal, Claro, Estiva, Grande, Tijuco, Uberaba e Rio Uberaba Uberabinha. Área irrigada: 22 mil ha Flora: A vegetação de origem era constituída por cerrado, cerradão, campo cerrado, floresta, campos e outras. Atualmente as reservas naturais geram cerca de 50.000ha de campo e cerrado e o reflorestamento ocupa uma área de 6.000ha de eucaliptos e pinus. A flora é típica do cerrado, ecossistema brasileiro. Esse tipo de formação abrange aproximadamente 23% da superfície do território nacional. Fauna: A fauna do cerrado se caracteriza por pouca diversidade de espécies, apresentando animais de maior porte que necessitam de áreas mais extensas para sua sobrevivência, citando-se o lobo- guará, tamanduá, ema, gavião, coruja, entre outros. 1.11 – Rodovias Uberaba conta com a assistência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT e com o Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais – DER/MG, responsáveis pela manutenção e implementação de projetos das rodovias de acesso à cidade. Sua localização é privilegiada, pois está na região central, próxima aos grandes centros do país, distando apenas a 490 km da cidade de São Paulo/SP, 569 km do porto de Santos/SP, 494 de Belo Horizonte/MG, 530 km de Brasília/DF e 477 de Goiânia/GO. A Lei n.º10.233 de 05/06/2001, criou o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT, para realizar e efetivar as atribuições e competências do DNER extinto nessa mesma lei. Com isso, o DNIT em Uberaba passou a denominar-se Subunidade Local de Uberaba, conforme organograma provisório em vigor. Esta Subunidade foi criada em 25/08/67, e desde esta data encontra-se instalada em local próximo ao entroncamento das rodovias Tronco - BR-050 e BR- 262 consideradas de integração nacional, pela ligação Norte-Sul do País e Leste-Oeste (Corredor de Exportação – Porto de Tubarão em Vitória/ES à região Centro Oeste Brasileira). Sua área de jurisdição é de 226,40 km, aí incluídas as rodovias BR-050, BR-262 e BR-464. Possui servidores qualificados, que atuam nas áreas administrativas, engenharia rodoviária e operações rodoviárias, viabilizando assim o atendimento da fiscalização de serviços de obras de Duplicação BR-050 arte especiais, manutenção e conservação do trecho jurisdicionado, manutenção da sinalização, Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  9. 9. CAPÍTULO 1º 9 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO operação de Posto de Pesagem de Veículos – PPV/6-3, como também das atividades afins, tais como liberação de cargas indivisíveis e outras mais. Federais: • BR-050 Trecho: Rio Tejuco – Entroncamento BR-464 (B) – Divisa MG/SP km inicial: 133,35; km final: 207,35; Extensão no Município: 74,0 km de pista duplicada; Volume médio diário no perímetro urbano: 15.000 veículos; BR-050 Volume médio diário ao longo do trecho: 12.000 veículos. • BR-262 Trecho: Rotatória Sacramento – Entroncamento MG-190 (A) p/ Sacramento – Entroncamento BR- 153 (A) p/ Pouso Alto km inicial: 749,200 m km final: 901,600 m Extensão no município: 152,40 km Volume médio diário no perímetro urbano: 6.000 veículos Volume médio diário ao longo do trecho: 3.000 veículos • BR-464 Trecho: Entroncamento BR-050 (A) – 262 (Uberaba) – Entroncamento BR-050 (B) - Delta km inicial: 274,00 km final: 207,35 Extensão no município: 33,35 km (coincidente com a BR-050) Volume médio diário: 12.000 veículos A Delegacia 4/15 da Polícia Rodoviária Federal em Uberaba abrange os municípios de Uberaba, Delta, Conquista, Sacramento, Veríssimo, Conceição das Alagoas e Campo Florido. Postos de Fiscalização da Polícia Rodoviária Federal: BR-050 – km 151 e km 195 Segmentos de atuação: BR-050 – km 107 (Divisa de município de Uberaba/Uberlândia) ao km 207,35 (Divisa MG/SP) BR-262 - km 748 ( Sacramento) ao km 878 (entroncamento BR-262 – trevo para Pirajuba) Estaduais: Em Uberaba, encontra-se instalada a 25ª Coordenadoria Regional do DER/MG e abrange 15 municípios: Uberaba, Nova Ponte, Conquista, Delta, Água Comprida, Conceição das Alagoas, Veríssimo, Campo florido, Pirajuba, Planura, Frutal, Fronteira, Comendador Gomes, Itapagipe e São Francisco de Sales. MGT-464 - Sinalização Acesso Veríssimo Trevo Gina Através de convênio firmado entre SETOP e o município de Uberaba, a Avenida Filomena Cartafina passa a pertencer à malha sob responsabilidade do Estado. O Governo do Estado irá contemplar as rodovias estaduais com o ProMG-Pleno, o Programa de Recuperação e Manutenção Rodoviária do Estado de Minas Gerais, através de um novo conceito de gestão de contratos busca atingir e manter padrões de desempenho elevados e previamente definidos, assegurando condições satisfatórias de segurança e trafegabilidade. Por meio do programa estão previstas intervenções nas rodovias estaduais de acesso à Uberaba. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  10. 10. CAPÍTULO 1º 10 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Está sediada também em Uberaba a Coordenação Regional do Projeto Estruturador da Potencialização da Logística do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, órgão criado pelo Governador do Estado para atender o programa de desenvolvimento da infraestrutura de transportes. O objetivo é incrementar o agronegócio, com consequente redução de custos, aumento da capacidade de escoamento da produção e reforço da articulação logística intermodal de transporte. Outras atividades importantes: Expedição de TFI (transporte Fretado Intermunicipal); AET (Autorização Especial de Trânsito); Treinamento e cursos de Direção Veicular; Combate ao transporte clandestino de passageiros intermunicipais; Cursos de Cargas Perigosas (MOPE); Fiscalização de Transporte Coletivo intermunicipal. Total da rede conservada: 690,30 Km de extensão Rodovias pavimentadas: 572,50 km Rodovias não pavimentadas: 67,80 km Extensão das rodovias estaduais no Município: 58,20 km Rodovias de maior tráfego na Rede de Conservação da 25ª CRG: MG-190 - Interliga Uberaba ao norte de Minas e noroeste do País; - Volume médio diário: 5000 veículos; LMG-798 – Inicia no entroncamento da MG-190 em Almeida Campos e termina em Uberaba; - Volume médio diário: 6000 veículos; MG-427 – Interliga Uberaba ao centro-oeste do País; - Volume médio diário: 6000 veículos; MG-255 – Continuidade da interligação ao centro-oeste do País; - Volume médio diário: 3500 veículos. 1.12 - Transporte Rodoviário A empresa Ubercon - Uberaba Concessões Ltda, administra o Terminal Rodoviário de Uberaba “Jurandyr Cordeiro” e oferece os seguintes serviços aos usuários: elevador, rampa e cadeira de rodas para portadores de necessidades especiais, 150 acentos na parte inferior, segurança 24 horas, estacionamento fechado, lojas, lanchonetes, banca de revista, serviços de atendimento ao migrante, guarda volumes de auto-serviço, Rodoviária de Uberaba fraldário, barbearia, serviço de som, moderna rede de relógios, caixas eletrônicos dos seguintes bancos: Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú e 24 horas. O Município é servido por: • 21 linhas intermunicipais; • 33 linhas interestaduais; • 02 linhas internacionais; • Fluxo diário de pessoa: em média 2300 embarques e desembarques/dia; 17 empresas de transportes utilizam o Terminal Rodoviário de Uberaba: São elas: Empresa Gontijo de Transportes Ltda., Nacional Expresso Ltda., Viação Platina Ltda., Viação Santa Rita, Viação São Geraldo, Expresso União Ltda., Emtram Empresa Macaubense Ltda., Itapemirim, Viação Motta Ltda., Empresa de Ônibus Nossa Senhora da Penha S/A, Real Expresso Ltda., Viação São Bento, Viação São Luiz, Transbrasiliana Transp. e Turismo Ltda., Expresso Triangulino, Eucatur Empresa União Cascavel Ltda., Viação Garcia Ltda. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  11. 11. CAPÍTULO 1º 11 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Além dos ônibus com destino-origem e vice-versa, as empresas têm escalas em diversas cidades, oferecendo várias opções ao longo do itinerário de Uberaba até o destino final. 1.13 - Transporte Ferroviário A Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) tornou-se uma concessionária do transporte ferroviário de cargas em setembro de 1996, a partir do processo de desestatização da Rede Ferroviária Federal. Responsável pela operação de uma malha com cerca de 8.000 km de linhas, a FCA hoje abrange sete estados – Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Sergipe, Goiás, Bahia, São Paulo – além do Distrito Federal. A FCA é também o principal eixo de conexão entre as regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. Sua frota atual é composta por mais de 10.000 vagões e cerca de 480 locomotivas, todas monitoradas via satélite (GPS). Desde que assumiu a operação da malha Centro-Leste, a FCA coloca em prática um sólido plano de investimentos em segurança operacional, recuperação e manutenção da via permanente, melhorias tecnológicas e aquisição de vagões e locomotivas. Os principais produtos transportados pela FCA são: álcool e derivados de petróleo, calcário, produtos siderúrgicos, soja, farelo de soja, cimento, bauxita, ferro gusa, clínquer, fosfato, cal e produtos petroquímicos. Logística A FCA é um completo sistema logístico de transporte. Está interligada com as principais ferrovias brasileiras e possui parcerias com outros modais, o que possibilita a conexão com os maiores centros consumidores do Brasil e do Mercosul. Tecnologia A tecnologia utilizada e desenvolvida pela FCA é referência no mercado nacional. Em todas as áreas da ferrovia a tecnologia está presente. Na etapa de planejamento, é realizada a otimização dos ativos para atender a demanda de todos os clientes, bem como pesquisa operacional ligada ao transporte (simulação, inteligência computacional, algoritmos). Na área comercial, além da interação eletrônica de documentos com os clientes, é aplicada ao supply chain management (gerenciamento da cadeia de suprimentos), sistema de gestão que proporciona controle do nível de serviço entregue ao cliente. Na operação, todas as estações e trens são equipados com sistemas de última geração, que garantem transporte seguro, confiável e de alto desempenho. Pioneirismo A FCA é modelo no controle de transporte, sendo pioneira no desenvolvimento de tecnologias como o controle de tráfego baseado em comunicação via satélite. O Controle de Trens possui segurança efetiva através de cerca eletrônica, sistema de detecção de cauda completa (End Of Train) e unidades de detecção de descarrilamento via rádio. O simulador de operação de trens é peça fundamental no treinamento dos novos maquinistas. Além disso, a tração distribuída com locotrol permite a montagem de trens maiores. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  12. 12. CAPÍTULO 1º 12 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Segurança Operacional O bem-estar dos empregados é meta prioritária da FCA. Por isso, a empresa criou uma gerência de segurança operacional que, com o estabelecimento de rígidos padrões de segurança utilizados pelas mais modernas empresas do mundo, tenta diminuir ao máximo os riscos de acidentes. Periodicamente são realizadas auditorias em toda a empresa com a aplicação de testes de eficiência para verificar o cumprimento das normas padrão. Para aumentar ainda mais a segurança, a FCA utiliza modernos sistemas e equipamentos como: • Automação na circulação de trens; • Cerca Eletrônica; • Detectores de descarrilamento na linha; • Sistema "End of Train; • Detectores de descarrilamento de vagões; • Registrador de operação em trens. O meio ambiente A FCA tem uma Política Ambiental e de Segurança voltada para a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental. Desenvolve estratégias preventivas com o objetivo de evitar qualquer risco ao meio ambiente e segue rigorosamente a legislação ambiental. A política ambiental e de segurança tem quatro linhas de atuação: • Gestão de resíduos: Nas oficinas e postos de abastecimento da FCA, o objetivo é separar os resíduos e, posteriormente, fazer o adequado acondicionamento e armazenamento. Em parceria com empresas especializadas, todo o resíduo é destinado a um local próprio para reciclagem. Assim, a FCA busca de forma consciente agregar valor aos resíduos e gerar receitas alternativas. • Gestão de recursos hídricos: A FCA busca garantir o uso racional dos recursos hídricos nas suas áreas de atuação, além de promover o tratamento adequado de todos os efluentes líquidos, respeitando a legislação ambiental de cada região. • Gestão de riscos: A FCA é a única ferrovia no Brasil que possui bases instaladas ao longo de toda a extensão da linha com trens socorro para atendimento a emergências ambientais. Os maquinistas e empregados envolvidos com transporte de carga perigosa passam periodicamente por treinamento e capacitação para atuar em caso de ocorrência ferroviária. Licenciamento A FCA está em processo de elaboração de um completo diagnóstico ambiental de toda a malha ferroviária e áreas de apoio como oficinas e postos de abastecimento, com o objetivo de obter um mapa ambiental da ferrovia, com foco no licenciamento junto ao IBAMA. Tipos de transporte da FCA: Carga Geral e intermodal Soja, Milho, Farelo, Fertilizantes, Enxofre, Álcool, Gasolina, Diesel, Conteiner, Bobinas de Aço, Fosfato, Açúcar. Produtos que a FCA transporta: Expede: Álcool, Recebe: Fertilizante, Enxofre Clientes de Uberaba: Petrobrás, Fosfertil, Mosaic, Yara Brasil, Bunge Média mensal do volume de carga transportado na região de Uberaba. Fertilizante: 15.000 tons/mês Enxofre: 45.000 tons/mês Álcool: 10.000 tons/mês Distâncias Ferroviárias (km) – referentes ao trecho operado pela empresa Cidades Ferroviária Belo Horizonte 739,4 São Paulo 446,7* Brasília 597,3 Goiânia 257,7** Rio de Janeiro 1.795,2*** Santos 720**** Vitória 1.403,3 * Essa distância refere-se até a estação no município de Paulínia. A FCA não opera em São Paulo (capital). ** Essa distância refere-se até a estação no município de Goiandira. Em Goiânia não possuímos estação operacional. *** Essa distância refere-se até a estação no município de Macaé (RJ). A FCA não possuiu operação no Rio de Janeiro (capital). **** A FCA possui direito de passagem até o Porto de Santos. Não está sobre sua concessão. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  13. 13. CAPÍTULO 1º 13 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 1.14 – Transporte Aéreo O Aeroporto de Uberaba “Mário de Almeida Franco” é administrado pela INFRAERO – Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária. Duas empresas aéreas servem Uberaba: Air Minas e a Trip que interligam a cidade com mais cinco destinos, entre eles, duas capitais: Curitiba/PR e Porto Alegre/RS e ainda farão voos regulares direto para o aeroporto de Guarulhos em São Paulo. O aeroporto possui excelente infraestrutura física, funcionando 24 horas, pista medindo 1.759m de comprimento por 45m de largura, totalmente rejuvenescida e com as cabeceiras resseladas, com capacidade de atendimento de aeronaves até A-320, contando ainda com sistema de balizamento noturno para pouso/decolagem de aeronaves, operações VFR Não precisão, serviços contra incêndio também 24 horas, torre de controle, pátio de manobras com capacidade de atendimento de 04 (quatro) aeronaves de grande porte e pátio de aviação geral com capacidade para até 20 (vinte) aeronaves de pequeno porte. Terminal de passageiros, lanchonete com praça de alimentação e mirante, auditório para 80 pessoas, novas instalações para navegação aérea, telefones e banheiros públicos, fraldário, banheiros adaptados para deficientes, inclusive telefone para surdos com cabine exclusiva, banco 24 horas, canal de inspeção operacional para voos acima de 60 assentos, sistemas informativos de voos SIV e sistema de som, sistema de Internet via Rádio, salas de embarque e desembarque climatizadas, sala VIP para recepção de autoridades, check-in de companhias aéreas no terminal, empresas locadoras de veículos, balcão de ouvidoria e informações, estacionamento com 80 (oitenta) vagas para veículos, serviços de táxi, acesso ao terminal de passageiros coberto e ainda uma localização privilegiada, a 05 (cinco) minutos do centro da cidade. Conta com 13 voos diários, diretos para as capitais: São Paulo (Guarulhos), Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e ainda para as cidades de Uberlândia, Araxá e Ribeirão Preto. No ano de 2008 o aeroporto registrou os seguintes números: Total passageiros: 92.458 Total de Aeronaves (pouso e decolagens): 10.096 Total carga em 2008 : 111.173 Kg Evolução do Movimento de Pax do Aeroporto de Uberaba (Embarque + Desembarque) Ano Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total 2004 2.596 3.918 4.976 4.947 8.440 5.749 5.883 6.735 6.565 5.902 4.618 5.128 65.457 2005 3.418 3.677 4.914 4.882 9.646 5.561 5.039 6.131 7.009 5.060 4.904 4.659 64.900 2006 3.785 4.502 4.776 5.569 8.995 5.204 5.744 6.181 8.802 5.836 4.868 5.789 70.051 2007 5.170 4.877 7.088 6.166 11.233 7.224 9.118 8.864 10.213 7.686 6.268 6.164 90.071 2008 6.966 6.236 7.926 9.815 9.648 6653 8400 9645 10426 6053 5538 5152 92.458 Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  14. 14. CAPÍTULO 1º 14 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Evolução do Movimento de Pouso / Decolagem do Aeroporto de Uberaba Ano Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total 2004 441 493 612 626 1.135 822 792 890 974 804 735 788 9.112 2005 556 572 788 742 1.275 790 705 830 938 633 701 688 9.218 2006 540 585 663 757 1.164 793 808 768 1.079 714 644 744 9.259 2007 712 585 869 756 1.211 729 796 819 854 722 710 618 9.381 2008 558 501 704 891 1.182 873 981 1090 1061 781 796 678 10.096 Carga Aérea / Ano 2008 Mês Pouso Decolagem Jan. 4.650 3.225 Fev 3.779 3.947 Mar 5.799 3.511 Abr 5.426 5.148 Mai 5.170 3.170 Jun 4.473 3.751 Jul 6.154 5.098 Ago 4.225 4.980 Set 4.658 4.355 Out 5.831 4.569 Nov 5.535 3.731 Dez 6.338 3.650 Total 62.038 49.135 Principais Distâncias (km): Cidades Rodoviária Ferroviária Aérea Belo Horizonte 481 745 353 São Paulo 487 627 480 Brasília 504 557 340 Goiânia 424 537 360 Rio de Janeiro 860 1.032 558 Santos 559 720 510 Vitória 1.022 1.425 800 Curitiba 839 1.205 650 Porto Alegre 1.500 1.908 1.500 Campo Grande 992 1.736 708 Cuiabá 1.151 1.319 980 Paranaguá 988 1.299 800 Fonte: DNIT - Depto. Nacional de Infraestrutura de Transporte 1.15 - Clima Uberaba está submetida a um clima tropical chuvoso, clima de monção seco com inverno seco e verão úmido, Aw segundo Köppen. As estações são climaticamente definidas, apresentando estação fria e estação quente com características bem marcadas. A Estação Climatológica da EPAMIG se localiza na latitude de 19º 44' 13,3851" S com um erro de mais ou menos 0,009381, longitude de 47º 56" 59,065095" W com um erro de mais ou menos 0,0024146 e altitude de 738,1429 m com um erro de mais ou menos 0,05572. Fonte: EPAMIG 2008 Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  15. 15. CAPÍTULO 1º 15 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Dados Climáticos – 2008 Quantidade Temperatura Média Anual 23,2º C Temperatura Média - das máximas 30,2º C Temperatura Média - das máximas dos meses mais quentes (Jan. Fev. Mar. Abr. 31,4º C Set. Out. Nov. Dez.) Temperatura Média - das mínimas 17,6º C Temperatura Média - das mínimas dos meses mais frios (Maio/Junho/Julho) 13,6º C Temperatura mínima absoluta (ocorrida no dia 02/05/2009) 7,0ºC Precipitação Pluviométrica (Total) 2.181 mm Precipitação Pluviométrica - mês mais seco (Julho) 0 mm Precipitação Pluviométrica - mês mais chuvoso (Dezembro) 468 mm Numero de dias de chuva 118 Quantidade máxima de água/dia (ocorrida no dia 16/12/2008) 75 mm Fonte: SAGRI – junho/2009 Dados Climáticos – 2008 – mês a mês Dias Tm Tx Tx abs. Tn Tn abs P. pluvial Ppx U. R. Meses Chuvas (ºC) (ºC) (ºC) (ºC) (ºC) (mm) (mm) (%) (número) Jan. 23,5 29,5 34,0 19,5 17,6 341,9 48,3 21 78,6 Fev. 23,3 30,2 34,0 19,5 17,6 385,3 128,6 18 80,3 Mar. 23,5 30,5 34,5 18,9 16,2 321,4 73,0 15 76,0 Abr. 23,1 29,5 34,0 19,0 15,0 236,0 47,0 13 76,9 Mai. 19,9 27,7 30,5 14,6 8,0 113,0 4,5 19 71,6 Jun. 20,1 28,4 30,1 15,1 9,4 0,0 0,0 0 66,5 Jul. 19,4 28,5 31,3 12,0 8,4 0,0 0,0 0 52,4 Ago. 22,5 30,9 33,9 16,0 13,8 18,8 9,2 2 48,4 Set. 23,1 32,6 36,9 15,9 7,2 40,2 25,0 3 52,2 Out. 25,4 32,0 38,9 20,2 16,6 68,8 19,2 5 57,8 Nov. 24,4 31,0 35,5 19,9 17,8 110,4 28,8 10 67,0 Dez. 23,5 29,9 33,9 19,4 13,2 444,4 96,0 17 74,5 Média/Total 22,9 30,1 34,0 17,5 13,4 2.080,2 40,0 123 66,9 Dia 17 23 5 Em que: Tm é a temperatura média diária no mês / Tx é a temperatura média das máximas Tx abs é a temperatura máxima no mês / Tn é a temperatura média das mínimas Tn abs é a temperatura mínima no mês / P. pluvial é a precipitação total mensal Ppx é a precipitação pluvial máxima em 24 horas / U.R. é a umidade relativa média diária no mês Fonte: EPAMIG 2008 Precipitação Pluviométrica Mensal (mm) Mês/ Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Total Ano 2001 175 147 174 27,5 28,5 0,4 24 74 30 95 212 243 1.230,4 2002 309 354 126 9 65 0 12 1 97 105 255 290 1.626,0 2003 721,0 250,5 370,0 158,5 85,5 0 4 15,5 71 144,5 208,5 275 2.304,0 2004 306,5 469,0 217,5 207,5 60,5 46,0 36,0 0 15,0 226,5 168,6 562,5 2.315,6 2005 395,2 110,3 258,6 32,7 101,4 0,0 5,5 38,6 73,7 144,2 217,6 297,5 1.675,3 2006 317 359,5 363 87 35,5 4 0 35 74 307,5 201,5 354 2.138,0 2007 467,5 232 100,5 106 25 0 21 0 40 154 266 441 1.853,0 2008 468 362 300 244 67 5 0 21 42 95 146 430 2.180,0 2009 335 338 246 61 44 Fonte: SAGRI – Junho/2009 Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  16. 16. CAPÍTULO 1º 16 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Climatologia N.º Dias Chuva, Chuva (mm) e Umidade Relativa - Médias Mensais - Ultimas Décadas Mês Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. M N.º dias chuva 1961- 19 16 15 8 4 2 2 2 6 11 14 19 É 1994 D Chuvas (mm) 272 228 193 100 50 18 14 11 56 145 198 276 I 1914 - 1994 A (%) Umidade 79 79 78 76 73 70 64 58 60 68 74 79 S Relativa 1931-1994 Fonte: 5º DISME, EPAMIG/MG / SAGRI / SIA Rural Temperaturas Ano Médias Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Mínima 21,0 19,4 24,6 19,1 16,1 15,0 13,3 14,5 17,6 20,2 19,8 19,7 2005 Média 24,5 25,0 24,6 24,5 21,5 20,2 19,3 21,5 22,9 24,5 23,9 23,3 Máxima 30,2 32,4 31,7 32,0 29,1 27,9 27,4 31,1 30,4 33,7 30,5 28,7 Mínima 19,7 20,2 20,4 17,7 11,6 12,9 12,9 14,7 16,6 18,7 19,3 20,5 2006 Média 24,5 24,2 24,2 23,1 19,0 19,0 19,9 22,3 22,7 23,6 23,6 24,3 Máxima 31,1 31,1 31,0 30,7 28,7 27,8 29,8 31,7 30,6 30,3 29,6 30,2 Mínima 20,7 20,0 19,3 18,5 14,1 12,4 12,5 13,4 17,9 19,6 19,4 20,1 2007 Média 23,4 24,7 24,8 23,7 20,2 19,4 19,4 21,6 25,2 25,8 24,1 24,2 Máxima 30,4 31,6 32,5 31,5 28,4 28,6 28,8 31,0 34,1 34,1 30,6 30,6 Mínima 19,5 19,5 18,9 19,0 14,6 15,1 12,0 16,0 15,9 20,2 19,9 19,4 2008 Média 23,5 23,3 23,5 23,1 19,9 20,1 19,4 22,5 23,1 25,4 24,4 23,5 Máxima 34,0 30,2 30,5 29,5 27,7 28,4 28,5 30,9 32,6 38,9 31,0 29,9 Fonte: EPAMIG - 2008 1.16 - População Com base em contagem estimada do IBGE em 01/07/2009 a população de Uberaba é de 296.261 habitantes, com os seguintes dados estratificados: ♦ Por sexo: mulheres: 153.759 – 51,90 % homens: 142.502 – 48,10 % ♦ Por índice de urbanização Urbana: 287.077 habitantes - 96,9% Rural: 9.184 habitantes - 3,1% 2 ♦ Densidade Demográfica: 65,25 habitantes/km . 2 Densidade Urbana: 1.121,39 hab./km Densidade Rural: 2,14 hab./km2 ♦ Taxa de Crescimento: 1,33 % (2009 em relação a 2008) Crescimento Populacional Ano N.º Habitantes Crescimento Populacional 300.000 2000 252.051 (1) 2002 261.457 (*) 296.261 População 290.000 2003 265.823 (*) 292.377 2004 274.988 (*) 287.760 285.094 280.000 2005 280.060 (*) 280.060 2006 285.094 (*) 274.988 270.000 2007 287.760 (*) 2008 292.377 (*) 260.000 2009 296.261 (*) 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: IBGE (1) censo 2000 - (*) estimativa Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  17. 17. CAPÍTULO 1º 17 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Evolução da População Residente Ano Urbana Rural Total 1970 108.259 16.231 124.490 1980 182.519 16.684 199.203 1991 200.705 11.119 211.824 2000 244.238 7.813 252.051 2004 (*) 266.463 8.525 274.988 2005 (*) 271.378 8.682 280.060 2006 (*) 276.256 8.838 285.094 2007 (*) 278.839 8.921 287.760 2008 (*) 283.313 9.064 292.377 2009 (*) 287.077 9.184 296.261 Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - (*) IBGE - estimativa Projeção da População de Uberaba por Bairros – 2009 População Bairro Homens Mulheres total 1. Abadia (***) 31.257 15.035 16.222 2. Alfredo Freire I e II (***) 6.356 3.057 3.299 3. Amoroso Costa ¹ (#) (***) 7.198 3.462 3.736 4. Antônio Sousa (***) 745 359 387 5. Baixa (distrito) (***) 1.199 577 622 6. Boa Vista ² (***) 26.037 12.524 13.513 7. Centro (**) 4.918 2.366 2.553 8. Chica Ferreira (#) (***) 2.534 1.219 1.315 9. Costa Teles (***) 4.725 2.273 2.452 10. DI 1 (Industrial) 1.406 676 730 11. DI 2 (Industrial) 214 103 111 12. Elza Amuí (***) 1.556 748 807 13. Estados Unidos (**) 16.791 8.076 8.714 14. Fabrício (**) 16.157 7.771 8.385 15. Gameleira I (***) 6.171 2.968 3.203 16. Gameleira II (***) 2.628 1.264 1.364 17. Grande Horizonte (**) 1.406 676 730 18. Guanabara/Frei Eugênio/Cássio Resende (**) 6.167 2.966 3.201 19. Jardim Eldorado (#) (***) 75 36 39 20. Jardim Santa Clara (#) (***) 743 358 386 21. Jardim Uberaba (#) (***) 4.327 2.081 2.246 22. Jardim Espírito Santo (**) 3.788 1.822 1.966 23. Jardim Induberaba (**) 3.407 1.639 1.768 24. Jardim São Bento (**) 1.967 946 1.021 25. Jardim Triângulo (#) (***) 2.820 1.356 1.464 26. Jockey Park (**) 214 103 111 27. José Barbosa (***) 979 471 508 28. Leblon (***) 12.572 6.047 6.525 29. Lourdes (***) 9.790 4.709 5.081 30. Manoel Mendes (####) (**) 2.995 1.441 1.554 31. Maracanã (***) 624 300 324 32. Maringá (***) 1.704 820 884 33. Mercês (**) 4.441 2.136 2.305 34. Metrópole (#) (***) 2.035 979 1.056 35. Morada das Torres (***) 1.030 495 534 36. Morumbi (***) 1.137 547 590 37. Olinda (**) 3.800 1.828 1.972 38. Parque das Américas (**) 12.970 6.239 6.732 39. Parque Mirante (**) 1.799 865 933 40. Parque São Geraldo (***) 2.948 1.418 1.530 41. Planalto (#) (***) 1.235 594 641 42. Pontal ³ (***) 2.872 1.382 1.491 Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  18. 18. CAPÍTULO 1º 18 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 43. Ponte Alta (distrito) (***) 3.594 1.729 1.865 44. Recanto das Torres (*) 1.027 494 533 45. Recreio dos Bandeirantes (**) 2.235 1.075 1.160 46. Residencial Mangueiras (#) (***) 2.160 1.039 1.121 47. Residencial Estados Unidos (**) 1.826 879 948 48. Rural (**) 9.185 4.418 4.767 49. Santa Maria (**) 10.911 5.248 5.663 4 50. Santa Marta (**) 5.075 2.441 2.634 51. São Benedito (**) 13.255 6.376 6.880 52. Serra do Sol/ S. Dourada (***) 4.327 2.081 2.246 53. Tutunas (###) (***) 2.337 1.124 1.213 54. Uberaba I e II (***) 3.703 1.781 1.922 55. Valim de Melo (***) 8.791 4.229 4.563 56. Vila Arquelau (#) (***) 2.695 1.296 1.399 57. Vila São Cristóvão (***) 1.717 826 891 58. Volta Grande (***) 5.683 2.734 2.950 Total 296.261 142.502 153.759 (#) Bairros da Periferia, com população mais carente. - (##) Região chamada Coréia. (###) Região da Av. Alfredo de Faria até o Rio Uberaba - (####) Jardim Manhatan – Próximo à linha Férrea. (*) Bairros Classe Alta - (**) Bairros Classe Média e Alta - (***) Bairros Classe B e C ¹ Inclui conjunto Antônia Cândido e Josa Bernardino - ² Inclui os Conjuntos Morada do Sol e Boa Vista ³ Inclui Cidade Ozanan e Umuarama - 4 Inclui Irmãos Soares Fonte: SEDET – projeção da população por bairro baseada nos dados do censo de 2000 do IBGE. Projeção da Distribuição da População por Faixa Etária e Sexo – 2009 Grupos de idade Masc. % Masc. Fem. % Fem. 0 a 9 anos 23.698 16,63 22.803 14,83 10 a 19 anos 27.845 19,54 27.723 18,03 20 a 29 anos 25.408 17,83 25.985 16,9 30 a 39 anos 22.259 15,62 24.955 16,23 40 a 49 anos 18.497 12,98 21.004 13,66 50 a 59 anos 11.742 8,24 13.900 9,04 mais de 60 13.039 9,15 17.375 11,3 100 anos ou + 14 0,01 15 0,01 Total 142.502 100,00 153.759 100,00 % p/ sexo 48,54 51,46 Fonte: SEDET – projeção da população por faixa etária, baseada nos dados do censo de 2000, do IBGE. População por Faixa Etária e Sexo 20,00% 19,54% 17,83% 18,03% 15,00% 16,63% 16,90% 15,62% 16,23% 14,83% 13,65% 12,98% 10,00% 11,30% 9,14% 9,04% 8,24% 5,00% 0,01% 0,01% 0,00% 0/9 10/19 20/29 30/39 40/49 50/59 + de 60 100 ou % Masc. % Fem. + Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  19. 19. CAPÍTULO 1º 19 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Projeção da População por faixa etária para 2009 % de Nº de Faixa Etária pessoas pessoas 0 a 9 anos 15,70% 46.513 10 a 19 anos 18,77% 55.608 20 a 29 anos 17,35% 51.401 30 a 39 anos 15,93% 47.194 40 a 49 anos 13,32% 39.462 50 a 59 anos 8,65% 25.627 mais de 60 10,27% 30.426 100 anos ou + 0,01% 30 Total 100,00% 296.261 Fonte: SEDET – Projeção da população por faixa etária baseada nos dados do censo de 2000 do IBGE. Projeção da população por faixa etária (%) 20,00% 18,77% 17,35% 16,00% 15,93% 15,70% 13,32% 12,00% 10,27% 8,00% 8,65% 0,01% 4,00% 0,00% 0/9 10/19 20/29 30/39 40/49 50/59 + de 100 60 ou + População da microrregião de Uberaba: estimativa 2009 Veríssimo - 3.991 Conquista - 6.992 Delta - 7.210 Conceição das Alagoas - 21.938 Campo Florido - 7.105 Água Comprida - 2.164 Fonte: site www.ibge.gov.br – 11/09/2009 Indicadores demográficos de Minas Gerais Extensão Territorial: 586.528,293 km² População: 19.273.506 habitantes (2007) – Fonte: IBGE - estimativa Urbana: 15.804.275 (2007) - 82% Rural: 3.469.231 (2007) - 18% 2 Densidade Demográfica (2007): 32,86 hab/Km Expectativa de vida ao nascer - 2004 (anos) - 71,2 Taxa de mortalidade infantil (2000): 27,80% Taxa de Alfabetização (2003) acima de 15 anos: 89% (Fonte: site www.ibge.gov.br) Taxa de Analfabetismo (2007): 8,9% (Fonte: site www.ibge.gov.br) ª Minas Gerais ocupa a 2 posição no ranking nacional, concentrando 10,52% da população do País. N.º de municípios/cidades em Minas Gerais (2000): 853 N.º de distritos em Minas Gerais (2000): 1.568 N.º de vilas em Minas Gerais (2000): 715 Fonte: IBGE Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  20. 20. CAPÍTULO 1º 20 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Indicadores demográficos do Brasil: Extensão Territorial: 8.514.876 km² População (2007): 194.227.984 habitantes (Fonte: IBGE – estimativa) Homens (2007): 95.745.758 Mulheres (2007): 98.482.227 Urbana (2005): - 84,2% Rural (2005): - 15,8% Densidade Demográfica (2005): 22 hab/Km2 Taxa média anual do crescimento da população (2006): 1,41% Taxa bruta de natalidade (2005): 20,6 por mil Taxa bruta de mortalidade (2005): 6,3 por mil Indicadores Sociais do Brasil: IDH (2006): 0,807 Esperança de vida ao nascer (2006): 72 anos Domicílios com acesso a água potável (2006): 91% Domicílios com acesso a rede sanitária (2006): 77% Taxa de Alfabetização (2005) acima de 15 anos: 88% (Fonte: site www.ibge.gov.br) Taxa bruta de matrículas para todos os níveis de ensino (2004): 86% Total PIB (2007): 1.314.199 milhões de US$ PIB per capita (2007): US$6.852 1.17 - Colégio Eleitoral de Uberaba Número de Eleitores Zona Eleitoral 276ª 277ª 326ª (*) 347ª (**) Totais Eleitores em 2004 70.060 61.140 62.654 - 193.854 Eleitores em 2005 73.641 61.678 62.560 - 197.879 Eleitores em 2006 71.787 67.348 63.600 - 202.735 Eleitores em 2007 51.666 51.762 50.347 49.676 203.451 Eleitores em 2008 53.747 52.264 47.676 50.469 204.156 N.º Seções em 2008 174 144 163 170 681 N.º locais votação em 2008 23 14 19 20 85 Fonte: Justiça Eleitoral (*) A 326ª ZE foi criada em 05/08/2003, homologada pelo TSE em 07/10/2003 e instalada em 16/02/2004. (**) A 347ª ZE foi criada pelo TSE no dia 29/03/2007 e foi instalada em 01/06/2007 Número de eleitores da microrregião de Uberaba em 02/03/2006 Zona N.º Locais de N.º Cidade Eleitoral Seções votação Eleitores Delta 276ª 14 02 4.468 Água Comprida 347ª 10 01 2.086 Campo Florido 326ª 20 04 3.792 Veríssimo 277ª 10 02 2.120 Conquista 86ª 19 4.409 Conceição das Alagoas 82ª 46 16.060 Fonte: Dados do site www.tre-mg.gov.br (05/05/09) / Justiça Eleitoral Eleitores do Estado de Minas Gerais em 2008: Número de eleitores: 13.772.743 Número de seções: 43.577 Número de zonas: 348 Fonte: Dados do site www.tre-mg.gov.br (10/03/08) Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET
  21. 21. CAPÍTULO 1º 21 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 1.18 - Núcleos de Desenvolvimento (Bairros Rurais) Conforme Lei Complementar n.º59/2006 - Lei do Plano Diretor do Município de Uberaba, publicada em 05/12/06, Núcleos de Desenvolvimento correspondem a bairros e loteamentos rurais e suas respectivas áreas de entorno, para fomento de atividades produtivas e desenvolvimento de serviços e equipamentos voltados ao atendimento da população rural (art. 277). Desta forma, a partir da publicação da Lei do Plano Diretor, a denominação correta é Núcleo de Desenvolvimento e não mais Bairro Rural. Acrescentamos que, a Lei Complementar n.º 374/2007 - Lei do Perímetro Urbano, em vigor desde 30/07/07, relaciona em seu artigo 3º, parágrafo único, 09 (nove) núcleos de desenvolvimento existentes, quais sejam: 1. Capelinha do Barreiro 2. Baixa 3. Peirópolis 4. Santa Rosa 5. Ponte Alta 6. São Basílio 7. Santa Fé 8. Parque do Café 9. Chácaras Praia do Rio Claro Cachoeira de Ponte Alta Fonte: Secretaria de Infraestrutura 2008 1.19 - Microrregião Uberaba é sede da região administrativa do Vale do Rio Grande. Segundo critérios do IBGE, Uberaba é uma cidade-pólo da microrregião composta pelos seguintes Municípios: Uberaba; Veríssimo; Conquista; Delta; Conceição das Alagoas; Campo Florido; Água Comprida. Praça Santa Terezinha Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo - SEDET

×