ARCADISMO NO BRASIL 
Ms. Miquéias Vitorino
Estética Geral 
• Retorno aos 
Clássicos (greco-romanos) 
e à 
mitologia. 
• Valorização da vida 
campestre 
• Uso e valor...
Estética árcade 
• Baseado na arte clássica (neoclássico) 
• Formas clássicas (soneto, lira, versos 
decassílabos (10) ou ...
Estética árcade 
• Aureas Mediocritas (vida simples, sem luxo, 
modesta) 
• Inutilia Truncat (evitar o inútil, o excesso, ...
................ 
Influência 
• Segunda metade do século XVIII 
• Iluminismo 
• Mitologia greco-romana 
• Revoluções e mov...
................ 
Autores 
No Brasil 
• Cláudio Manoel da Costa, autor de Marília de Dirceu e Cartas 
Chilenas 
• Tomás An...
................ 
Obras & 
Temas 
• Poesia Lírico-amorosa, tematizando o amor do “eu´-lírico pastor e 
sua amada, como em ...
Cartas Chilenas 
• Critilo conta ao amigo Doroteu, as peripécias 
e atitudes despóticas do governador chileno 
Fanfarrão M...
Marília de Dirceu 
• Marília é a pastora e amada de Dirceu. Este lhe faz grandes 
discursos sobre a vida no campo, oferece...
................ 
Arcadismo 
Hoje 
Simplicidade 
Pato Fu 
Vai diminuindo a cidade 
Vai aumentando a simpatia 
Quanto menor...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arcadismo no brasil

672 visualizações

Publicada em

Arcadismo no Brasil v.2

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
672
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arcadismo no brasil

  1. 1. ARCADISMO NO BRASIL Ms. Miquéias Vitorino
  2. 2. Estética Geral • Retorno aos Clássicos (greco-romanos) e à mitologia. • Valorização da vida campestre • Uso e valorização da razão ao invés de sentimentalismo • Mito do bom Selvagem (Jean Jaques-Russeau) Imagem ao fundo: “Pastoral de outono”, de François Boucher (1749)
  3. 3. Estética árcade • Baseado na arte clássica (neoclássico) • Formas clássicas (soneto, lira, versos decassílabos (10) ou alexandrinos (12) • Bucolismo (valorização da vida campestre) • Personificação de elementos da natureza, presença dos deuses e figuras mitológicas • Uso de pseudônimos na produção • Racionalidade e objetividade, anulando as emoções e o sentimentalismo.
  4. 4. Estética árcade • Aureas Mediocritas (vida simples, sem luxo, modesta) • Inutilia Truncat (evitar o inútil, o excesso, o rebuscamento vocabular do barroco – uso de linguagem mais simples) • Fugere Urbem e Locus Amoenus(fuga da cidade e valorização da vida no campo) • Carpe Diem (“aproveitar o dia”, o máximo da vida).
  5. 5. ................ Influência • Segunda metade do século XVIII • Iluminismo • Mitologia greco-romana • Revoluções e movimentos de independência
  6. 6. ................ Autores No Brasil • Cláudio Manoel da Costa, autor de Marília de Dirceu e Cartas Chilenas • Tomás Antonio Gonzaga, autor de Obras Poéticas e Vila Rica • Santa Rita Durão, autor de Caramuru • Basílio da Gama, autor de O Uraguai
  7. 7. ................ Obras & Temas • Poesia Lírico-amorosa, tematizando o amor do “eu´-lírico pastor e sua amada, como em Marília de Dirceu. • Poesia épica, usando o indígena e o europeu como personagens centrais, observando sua aproximação e convivência, como em Caramuru e O Uraguai. • Poesia satírica, que tem tons de denúncia e crítica severa, tendo como tema central a política, como em Cartas Chilenas.
  8. 8. Cartas Chilenas • Critilo conta ao amigo Doroteu, as peripécias e atitudes despóticas do governador chileno Fanfarrão Minésio (que correspondia ao Luís da Cunha Meneses, governador de Minas até acontecer a Inconfidência Mineira). "Assim o nosso chefe não descansa De fazer, Doroteu, no seu governo, Asneiras sobre asneiras e, entre as muitas, Que menos violentas nos parecem, Pratica outras que excedem muito e muito As raias dos humanos desconcertos.”
  9. 9. Marília de Dirceu • Marília é a pastora e amada de Dirceu. Este lhe faz grandes discursos sobre a vida no campo, oferecendo-lhe as vantagens de estar ao seu lado, em um casebre que não falta nada, nem comida, nem vestes e nem amor. Lira I Eu, Marília, não sou algum vaqueiro, Que viva de guardar alheio gado; De tosco trato, d’ expressões grosseiro, Dos frios gelos, e dos sóis queimado. Tenho próprio casal, e nele assisto; Dá-me vinho, legume, fruta, azeite; Das brancas ovelhinhas tiro o leite, E mais as finas lãs, de que me visto. Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela!
  10. 10. ................ Arcadismo Hoje Simplicidade Pato Fu Vai diminuindo a cidade Vai aumentando a simpatia Quanto menor a casinha Mais sincero o bom dia Mais mole a cama em que durmo Mais duro o chão que eu piso Tem água limpa na pia Tem dente a mais no sorriso

×