D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            1      ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador“Eis depois vem Dinis, que bem pareceDo bravo Afonso estirpe nobre e dina,Com quem a fama gr...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            3      ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador"Fez primeiro em Coimbra exercitar-seO valeroso ofício de Minerva;E de Helicona as Musas fez...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            5      ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            6      ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador•   DA HISTÓRIA DE PORTUGAL    Quando o rei D. Dinis subiu ao trono, já tinham acabado as lu...
D. Dinis – Lavrador e Trovador• D. Dinis  Na noite escreve um seu Cantar de Amigo  O plantador de naus a haver  E ouve um ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            9      ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador• D. Dinis é o responsável pelo arranque das estruturas,  nomeadamente a nível administrativ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            11     ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador• D.Dinis não só apreciava literatura, como foi  um poeta e um dos trovadores do seu  tempo....
D. Dinis – Lavrador e Trovador          Por deus, amigo, quem cuidaria           que vós nunca ouvéssedes poder           ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            14     ...
D. Dinis – Lavrador e TrovadorQuer eu en maneira de proençalfazer agora un cantar d amore querrei muit i loar mha senhor,a...
D. Dinis – Lavrador e TrovadorCom o rei D. Dinis existiu uma especificidadecultural, o português não é apenas faladomas es...
D. Dinis – Lavrador e Trovador       ***FORAL DE MIRANDELA DADO POR D.DINIS, 7 de Março de 1291                 "Carta de ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            18     ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            19     ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador              De um lado o chão e a raiz           do outro o mar e o seu cântico.          ...
D. Dinis – Lavrador e Trovador          PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                            21     ...
Referências bibliográficas•   Alçada, Isabel; Magalhães, Ana Maria – Uma visita à Corte do rei D. Dinis – Lisboa:    Camin...
Referências bibliográficas•   http://antt.dgarq.gov.pt /•   http://pt.wikipedia.org/wiki/Afonso_X_de_Le%C3%A3o_e_Castela• ...
AgradecimentosAgradece-se a colaboração da aluna MartaAmor (3ºA) e de Dona Lidiya Kovalenko pelosdesenhos gentilmente elab...
Rainha Santa IsabelUma mulher com história e com          estórias         PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                ...
Rainha Santa Isabel     PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                       26                 2011/2012
Rainha Santa Isabel   Santa Isabel era filha de Pedro III, rei de Aragão. A mãe de nomeConstância, era filha de Manfredo, ...
Rainha Santa Isabel     PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                       28                 2011/2012
Rainha Santa Isabel Falecera em Portugal no ano de 1279 D. Afonso III eficou ainda solteiro D. Dinis. A seu lado continuar...
Rainha Santa Isabel     PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                       30                 2011/2012
Rainha SantaIsabelA rainha D. Isabel foi um diaabordada por um velho leprosoque pedia esmola. Assim sendo,deu-lhe a comer ...
Rainha SantaIsabelEm certa noite saiu D. Dinisembuçado do castelo de Leiriarumo à aldeia mais próxima. DonaIsabel não pest...
Rainha Santa Isabel     PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                       33                 2011/2012
Rainha Santa Isabel... teve uma acção de beneficiência das mais notáveisda época. Criou hospitais, confortando os doentes,...
Rainha Santa Isabel     PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                       35                 2011/2012
Rainha Santa IsabelA primeira instituidora de albergarias foi D. Teresa ouTareja que começou a fundá-las nas províncias do...
Rainha Santa Isabel• Santa Isabel teve dois filhos do rei D. Dinis, Afonso e  Constância. Quando adulto o filho revoltou-s...
Rainha Santa Isabel     PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                       38                 2011/2012
Rainha Santa Isabel Após quarenta e cinco anos de reinado o rei D.Dinis adoeceu e Dona Isabel deu provas do seuamor por el...
Rainha Santa Isabel     PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                       40                 2011/2012
Rainha Santa Isabel     PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD -                                       41                 2011/2012
Rainha Santa IsabelAlçada, Isabel; Magalhães, Ana Maria – Uma viagem à Corte do rei D. Dinis – Lisboa:    Caminho,Camões, ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

D.Dinis - Rei Trovador

6.840 visualizações

Publicada em

Lembrando D. Dinis, o Rei Trovador e Lavrador.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.840
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
340
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

D.Dinis - Rei Trovador

  1. 1. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 1 2011/2012
  2. 2. D. Dinis – Lavrador e Trovador“Eis depois vem Dinis, que bem pareceDo bravo Afonso estirpe nobre e dina,Com quem a fama grande se escureceDa liberalidade Alexandrina.Com este o Reino próspero florece(Alcançada já a paz áurea divina)Em constituições, leis e costumes,Na terra já tranquila claros lumes.” in ‘Os Lusíadas’ PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 2 2011/2012
  3. 3. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 3 2011/2012
  4. 4. D. Dinis – Lavrador e Trovador"Fez primeiro em Coimbra exercitar-seO valeroso ofício de Minerva;E de Helicona as Musas fez passar-seA pisar do Monde-o a fértil erva.Quanto pode de Atenas desejar-se,Tudo o soberbo Apolo aqui reserva.Aqui as capelas dá tecidas de ouro,Do bácaro e do sempre verde louro.” in ‘Os Lusíadas’ PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 4 2011/2012
  5. 5. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 5 2011/2012
  6. 6. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 6 2011/2012
  7. 7. D. Dinis – Lavrador e Trovador• DA HISTÓRIA DE PORTUGAL Quando o rei D. Dinis subiu ao trono, já tinham acabado as lutas com os mouros. No reinado de seu pai, D. Afonso III, os portugueses conquistaram definitivamente o Algarve, que era a região mais a sul. Assim, D. Dinis pôde reinar em paz. Ficou até conhecido como O Lavrador, porque tomou medidas para desenvolver a agricultura. Preocupou- se também com o desenvolvimento do comércio dentro do país, criando feiras, e desenvolveu o comércio entre Portugal e outros países da Europa, protegendo muito os mercadores. D. Dinis era um homem muito evoluído para o seu tempo, porque recebeu uma educação bastante completa. Veio até de frança um mestre chamado Emerico D’Erbard, de propósito, para o ensinar quando ele era ainda um príncipe. Talvez por isso tomou o gosto pela cultura e pela língua portuguesas. Foi ele quem ordenou que todos os documentos oficiais passassem a ser escritos em português e não em latim como era costume. Fundou a primeira universidade portuguesa. E na sua corte havia grande animação, pois o rei gostava de se ver rodeado de poetas e músicos que nessa época se chamavam jograis e trovadores. O próprio rei fazia versos muito bonitos, por isso alguns lhe camam «O Rei Poeta». Sua mulher, a rainha Santa Isabel, tornou-se célebre pela sua imensa bondade. Ocupava o tempo a fazer bem a quantos a rodeavam, visitando e tratando doentes, distribuindo esmolas pelos pobres. Foi ela quem teve a ideia de criar um «Hospital de Meninos» em Santarém. Conta a lenda que o rei, já irritado por ela andar sempre misturada com mendigos, a proibiu de dar mais esmolas. Mas certo dia, vendo-a sair furtivamente do palácio, foi atrás dela e prguntou o que levava escondido por baixo do manto. Era pão. Mas ela aflita por ter desobedecido ao rei, exclamou: - São rosas, senhor! - Rosas, em Janeiro? – duvidou ele. De olhos baixos, a rainha Santa Isabel abriu o regaço e o pão se tinha transformado em rosas, tão lindas como jamais se viram. in Uma visita à corte do rei D. Dinis PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 7 2011/2012
  8. 8. D. Dinis – Lavrador e Trovador• D. Dinis Na noite escreve um seu Cantar de Amigo O plantador de naus a haver E ouve um silêncio múrmuro consigo: É o rumor dos pinhais que, como um trigo De Império, ondulam sem se poder ver Arroio, esse cantar, jovem e puro, Busca o Oceano por achar; E a fala dos pinhais, marulho obscuro, É o som presente desse mar futuro, É a voz da terra ansiando pelo mar. - Fernando Pessoa – PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 8 2011/2012
  9. 9. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 9 2011/2012
  10. 10. D. Dinis – Lavrador e Trovador• D. Dinis é o responsável pelo arranque das estruturas, nomeadamente a nível administrativo e da própria identidade portuguesa. Assiste-se ao Portugal em definição de fronteiras: económicas, geográficas e culturais. Verifica-se uma política de povoamento do território que apresenta um sentido organizado, há um surto de povoamento nos intervalos das grandes propriedades senhoriais. Este rei teve um interesse especial pela terra, encorajando a plantação de florestas e um completo desenvolvimento dos recursos agrícolas, ficando-lhe associado o cognome do ‘Lavrador’ ou ‘Agricultor’. in ‘D.Dinis:actas dos encontros sobre D.Dinis em Odivelas’ PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 10 2011/2012
  11. 11. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 11 2011/2012
  12. 12. D. Dinis – Lavrador e Trovador• D.Dinis não só apreciava literatura, como foi um poeta e um dos trovadores do seu tempo. Aos nossos dias chegaram inúmeras cantigas da sua autoria, distribuídas por todos os géneros: cantigas de amor, cantigas de amigo e cantigas de escárnio e maldizer, bem como a música original de sete dessas cantigas (...). in ‘D.Dinis:actas dos encontros sobre D.Dinis em Odivelas’ PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 12 2011/2012
  13. 13. D. Dinis – Lavrador e Trovador Por deus, amigo, quem cuidaria que vós nunca ouvéssedes poder de tan longo tempo sem mi viver! E dês oimais, par Santa Maria, nunca molher deve, bem vos digo, muit’a creer per juras d’amigo Dissestes-mi, u vos de min quitastes: «Log’aqui serei con vosco, senhor», e juraste-mi pólo meu amor, e dês oimais, pois vos perjurastes, nunca molher deve, bem vos digo, muit’a creer per juras d’amigo. Jurastes-m’ enton muit’aficado que logo logo, sem outro tardar, vos queríades pêra mi tornar, e dês oimais, ai meu perjurado, nunca molher deve, bem vos digo, muit’a creer per juras d’amigo. E assim farei eu, bem vos digo, por quanto vós passastes comigo. - D. Dinis – PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 13 2011/2012
  14. 14. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 14 2011/2012
  15. 15. D. Dinis – Lavrador e TrovadorQuer eu en maneira de proençalfazer agora un cantar d amore querrei muit i loar mha senhor,a que prez nen fremusura non fal,nen bondade, e mais vos direi en:tanto a fez Deus comprida de benque mais que todas las do mundo val,Ca mha senhor quiso Deus fazer talquando a fez, que a fez sabedorde todo o ben e de mui gran valore con todo est é mui comunal,ali u deve; er deu-lhi bon sene des i non lhi fez pouco de ben,quando non quis que lh outra foss igual.Ca en mha senhor nunca Deus pôs mal,mais pôs i prez e beldad e loore falar mui ben e rir melhorque outra molher; de i é lealmuit, e por esto non sei oj eu quenpossa compridamente no seu ben - D. Dinis PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 15 2011/2012
  16. 16. D. Dinis – Lavrador e TrovadorCom o rei D. Dinis existiu uma especificidadecultural, o português não é apenas faladomas escrito, passando a documentação daschancelarias a ser escrita em português (...) in ‘D.Dinis:actas dos encontros sobre D.Dinis em Odivelas’ PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 16 2011/2012
  17. 17. D. Dinis – Lavrador e Trovador ***FORAL DE MIRANDELA DADO POR D.DINIS, 7 de Março de 1291 "Carta de foro de Mirandela. Em nome de Deos Amem. Conoscam todos quantos esta carta vyrem e leer Ouuyrem Que Eu dom Denis pela graça de deos Rey de Portugal, e do Algarve em sembra cona Raynha dona Isabel mha molher et com meos filhos Infantes dõnaffonso e dõna Constança faço carta de foro aos Joyzes e o Concelho de Mirandela tambem aos que ora som como os que am de vjr. Conuem a ssaber que todolos moradores dessa vila e de seus termhos dem A mjm cada huum deles en cada huu ano e a todos meus sucessores xx soldos por dia de sam Migueel de setenbro. E mando e outorgo que aiam os vezinhos dessa vila seus termhos Assy como ora partem com Bragança e com Nozelhos e conna Torre da donna Chamoa e com vinhaes e com monte negro e connas lamas desy com Ançiães e da outra parte com vilariça aqueles que ende deuem auer de dereyto emquanto e em coomhas e en liços e nas outras cousas mando e outorgo que seiam reiudos e manteudos ouso e foro e custume de Bragança e querendilhys fazer graça e merecee mando que assy os da vila come os dos termhos que teuerem Caualos e armas com que sse bem possam defender se mester for. seiam escusados do dito foro dos xx soldos E quanto é dos caualos e das armas façasse sem engano. En testemonyo da qual cousa dey lhys ende esta carta seelada do meu selo do Chumbo. Dante em Coymbra vij dias de Março El Rey o mandou francisco eanes a fez E.ª M.ª CCC.ª xxix." • "Livro 2º, fols. 8 "Doações dEI-Rei D. Dinis" (Documento existente no Arquivo Nacional da Torre do Tombo) PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 17 2011/2012
  18. 18. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 18 2011/2012
  19. 19. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 19 2011/2012
  20. 20. D. Dinis – Lavrador e Trovador De um lado o chão e a raiz do outro o mar e o seu cântico. Era uma vez um país entre a Espanha e o Atlântico. Tinha por rei D. Dinis que gostava de cantar. Mas o reino era tão pouco que se pôs a perguntar: -- E se o mar fosse um caminho deste lado para o outro? E da flor de verde pinho das trovas do seu trovar mandou plantar um pinhal. Depois a flor foi navio. E lá se foi Portugal caravela a navegar. (...) ‘As naus de verde pinho’ (Manuel Alegre) PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 20 2011/2012
  21. 21. D. Dinis – Lavrador e Trovador PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 21 2011/2012
  22. 22. Referências bibliográficas• Alçada, Isabel; Magalhães, Ana Maria – Uma visita à Corte do rei D. Dinis – Lisboa: Caminho• Camões, Luís Vaz de – 7ª ed. - Os Lusíadas – Porto: Porto Editora, [s.d.]• Correia, Raul – Quadros da História de Portugal: os Lusitanos ... Batalha do Salado. [S.L.] : [s.n.], [1985]• ‘D.Dinis’ in Jornal de Letras, Artes e Ideias, nº 1067, p.7-10• D. Dinis: Actas dos encontros sobre D.Dinis em Odivelas – Edições Colibri / Câmara Municipal de Odivelas: Outubro 2011• Oliveira, Correa de; Machado, Saavedra – 2ªed. – Textos Portugueses Medievais: 3º ciclo dos liceus – Coimbra: Coimbra Editora, 1967• Programa oficial das festas da Rainha Santa,1958 [Tipografia Atlântida – Coimbra]• Revista ‘Pública’, 16 de Outubro 2011, p. 20-29 PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 22 2011/2012
  23. 23. Referências bibliográficas• http://antt.dgarq.gov.pt /• http://pt.wikipedia.org/wiki/Afonso_X_de_Le%C3%A3o_e_Castela• http://arquivomunicipalmirandela.blogspot.com/2010/05/mirandela-e-o-seu-• http://pt.wikipedia.org/wiki/Castelo_de_Leiria• http://pt.wikipedia.org/wiki/Dinis_de_Portugal• http://pt.wikipedia.org/wiki/Pinhal_de_Leiria• http://www.asbeiras.pt/2011/10/evocacao-de-d-dinis-fundador-da-universida /• osemprefixe.blogspot.com/2011/03/um-dia-na-mi... PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 23 2011/2012
  24. 24. AgradecimentosAgradece-se a colaboração da aluna MartaAmor (3ºA) e de Dona Lidiya Kovalenko pelosdesenhos gentilmente elaborados, queserviram de suporte visual ao título daexposição e se encontram incluídos nestaapresentação. PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 24 2011/2012
  25. 25. Rainha Santa IsabelUma mulher com história e com estórias PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 25 2011/2012
  26. 26. Rainha Santa Isabel PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 26 2011/2012
  27. 27. Rainha Santa Isabel Santa Isabel era filha de Pedro III, rei de Aragão. A mãe de nomeConstância, era filha de Manfredo, rei da Sicília. Santa Isabel nasceu em 1271. Tinha um carácter muito amável e logocedo começou a impor-se grandes recusas a si própria. Não suportavaouvir outras canções que não fossem os hinos e os salmos sagrados. Aternura e compaixão pelos pobres levou-a a ser cognominada de mãedeles, mesmo sendo ainda de tão tenra idade. Aos doze anos foi prometida em casamento a D. Dinis, rei de Portugal;este deu-lhe toda a liberdade para se entregar às suas devoções e SantaIsabel planeava uma distribuição regular do seu tempo, que nuncainterrompia a não ser que ocasiões de dever a obrigassem a alterar assuas práticas diárias. PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 27 2011/2012
  28. 28. Rainha Santa Isabel PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 28 2011/2012
  29. 29. Rainha Santa Isabel Falecera em Portugal no ano de 1279 D. Afonso III eficou ainda solteiro D. Dinis. A seu lado continuaramos dignitários e grandes homens, como o poderosoD. João Aboim, que tinham rodeado o rei defunto.(...) Foram e vieram procuradores de Portugal e deAragão. Em 1281 passou D. Dinis carta de dote earras. Em 11 de Fevereiro de 1282 realizaram-se osesponsais em Barcelona. PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 29 2011/2012
  30. 30. Rainha Santa Isabel PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 30 2011/2012
  31. 31. Rainha SantaIsabelA rainha D. Isabel foi um diaabordada por um velho leprosoque pedia esmola. Assim sendo,deu-lhe a comer um punhado deamoras que ela própria colheranum silvado próximo. O velho,cabisbaixo, ia constatanto que aschagas em suas mãos iamdesaparecendo. Emocionado,encarou a benfeitora eperguntou-lhe quem era, ao queela limitou-se a responder: ‘Souapenas uma mulher de fé quepratica caridade.’Mas a dívida de gratidão do velhopara com a rainha levou-o a avisá-la das indiscrições conjugais de D.Dinis, seu marido. PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 31 2011/2012
  32. 32. Rainha SantaIsabelEm certa noite saiu D. Dinisembuçado do castelo de Leiriarumo à aldeia mais próxima. DonaIsabel não pestanejou e mandoujuntar muitos homens para quepartissem no encalço do rei comarchotes. Tudo foi feito conformeas ordens da rainha. Quando D.Dinis regressava para o palácio,sonolento, viu repentinamentetanta luz a iluminar o seucaminho que gritou. Do mato,onde estava escondida, saiu-lhe asua própria mulher, empunhandotambém um archote. ‘Por Deus,meu Senhor. Não vos zangueis,viemos apenas iluminar-vos ocaminho. Cego vindes donegrume da noite!’... PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 32 2011/2012
  33. 33. Rainha Santa Isabel PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 33 2011/2012
  34. 34. Rainha Santa Isabel... teve uma acção de beneficiência das mais notáveisda época. Criou hospitais, confortando os doentes,servindo-os, tratando-os e provendo-os de remédios,visitava enfermos inválidos nas suas próprias casas eacudia às fomes que assolavam o reino. Os paços darainha Santa Isabel eram um verdadeiro asilo dapobreza onde necessitados vinham de toda a parte eaté de fora do reino, atraídos pela sua fama,encontrando sempre nela desvelado carinho eauxílio. PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 34 2011/2012
  35. 35. Rainha Santa Isabel PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 35 2011/2012
  36. 36. Rainha Santa IsabelA primeira instituidora de albergarias foi D. Teresa ouTareja que começou a fundá-las nas províncias doNorte. (...) Outras princesas sucessoras (...) continuaram eampliaram a instituição das albergarias.A Rainha Santa fundou, entre outras, a albergaria deAlenquer, nos antigos paços reais, em 1320. Estaalbergaria era simultaneamente hospital onde aprópria Rainha Santa tratava e curava os enfermos. PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 36 2011/2012
  37. 37. Rainha Santa Isabel• Santa Isabel teve dois filhos do rei D. Dinis, Afonso e Constância. Quando adulto o filho revoltou-se contra o pai, mas a intervenção de sua mãe, conseguiu que Afonso voltasse aos seus deveres e que o pai lhe perdoasse tal atitude. Mas os aduladores da corte confidenciaram ao rei que ela era suspeita de favorecer o filho. D.Dinis baniu-a para Alenquer e D. Isabel recebeu esta afronta com muita paz de espírito. Passado pouco tempo o rei chamou-a de novo para a corte, onde foi capaz de reconciliar D. Dinis com o filho e também reconciliar outros familiares. PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 37 2011/2012
  38. 38. Rainha Santa Isabel PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 38 2011/2012
  39. 39. Rainha Santa Isabel Após quarenta e cinco anos de reinado o rei D.Dinis adoeceu e Dona Isabel deu provas do seuamor por ele, raramente abandonando o seuleito durante a sua doença. Com a morte do reie após uma peregrinação à Compostela, retirou-se para um convento das Claras. Faleceu em 4 de Julho de 1336 vitimada poruma febre violenta. PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 39 2011/2012
  40. 40. Rainha Santa Isabel PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 40 2011/2012
  41. 41. Rainha Santa Isabel PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 41 2011/2012
  42. 42. Rainha Santa IsabelAlçada, Isabel; Magalhães, Ana Maria – Uma viagem à Corte do rei D. Dinis – Lisboa: Caminho,Camões, Luís Vaz de – 7ª ed. - Os Lusíadas – Porto: Porto Editora, [s.d.]Correia, Raul – Quadros da História de Portugal: os Lusitanos ... Batalha do Salado. [S.L.] : [s.n.], [1985]‘D.Dinis’ in Jornal de Letras, Artes e Ideias, nº 1067, p.7-10D. Dinis: Actas dos encontros sobre D.Dinis em Odivelas – Edições Colibri / Câmara Municipal de Odivelas: Outubro 2011Magalhães, Ana Maria; Alçada, Isabel – Portugal: história e lendas – Lisboa: Caminho, 2001Oliveira, Correa de; Machado, Saavedra – 2ªed. – Textos Portugueses Medievais: 3º ciclo dos liceus – Coimbra: Coimbra Editora, 1967Pereira, Nuno Moniz – A Assistência em Portugal na Idade Média – [Lisboa]: CTT, 2005Programa oficial das festas da Rainha Santa,1958 [Tipografia Atlântida – Coimbra] PB / BIBLIOTECA ESCOLAR EPADD - 42 2011/2012

×