História de África - parte 2

3.008 visualizações

Publicada em

A áfrica negra na antiguidade (parte 2)

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.008
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História de África - parte 2

  1. 1. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo 2. Kush (Cuxe) e Méroe 3. A Civilização Egípcia 4. Os Negros do Vale do Nilo
  2. 2. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo (as origens)No decorrer do 4º milénio AC, o Vale do Nilo foi cenário de umdesenvolvimento multiforme e prodigioso das populações queelaboraram a primeira civilização histórica:- O Egipto dos Faraós.Os homens do neolítico, como bons agricultores, tinham umapredilecção pelos pontos de água permanentes. A partir de3.500 AC, por razões meteorológicas e outras, o clima de Áfricacomeça a alterar-se. O Sahara, até aí uma vasta zona semi-húmida, vai começando a transformar-se num deserto.
  3. 3. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo (as origens)
  4. 4. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo (as origens)
  5. 5. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo (as origens)O Nilo, que num Sahara verdejante, oferecia pouco interesse,tomou uma enorme importância económica e social.Com o aumento da aridez circundante e o abaixamento do seunível, aparecem terraços cobertos de aluviões extremamenteférteis.Ao longo dos séculos esta zona recebe, em vagas sucessivas,milhares de emigrantes em busca de zonas passíveis de cultivar.A reputação desta área espalha-se e, em breve, a sua densidadepopulacional leva à necessidade dessas mesma populações seorganizarem: os clãs delimitam, entre si, vários sectores do vale.
  6. 6. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo (as origens)As colheitas superabundantes aumentam, ainda mais, adensidade demográfica, mas permite o armazenamento deexcedentes que eram utilizados para “pagar” os serviçosdaqueles que ocupavam determinadas tarefas (chefes,sacerdotes, demarcadores de terras, etc.).Estas tarefas especializadas, nomeadamente a demarcação deterras, deram origem à agrimensura, ao aparecimento da escritae ao cálculo.Estavam criadas as condições para que no Vale do Niloaparecessem as primeiras formas de organização socialdiversificada, hierarquizada e complexa.
  7. 7. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo (as origens)Os berços agrícolas africanos Mapa geo-agrícola da África
  8. 8. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo (as origens)As populações do Vale do Nilo passaram por várias fases deorganização. Desde cidades-estado, a proto-estados e depoisdois grandes estados: o Reino do Norte e o Reino do Sul.Para além das lutas entre eles houve sempre um fluxo contínuode trocas culturais e biológicas.Com o aparecimento dos metais (cobre ± 5000 AC, ferro, prata echumbo ± a partir de 3500 AC), a organização social, política emilitar, vai-se aperfeiçoando. Aqueles que mais cedo aprendem alidar com os metais são aqueles que maior superioridadeapresentam face ao exército inimigo.
  9. 9. A África Negra na Antiguidade 1. O Egipto Antigo (as origens)Por volta de 3200 AC o rei Narmer, do Sul, consegue unificartodo o vale, até à primeira catarata.Foi todo um povo amadurecido e original que sai das “trevas” dapré-história, tendo à sua frente um rei-deus, detentor da duplacoroa vermelha (do Sul) e branca (do Norte).A história do Egipto ressente-se da sua situação geográfica (entrea Ásia, o Mediterrâneo e a massa africana do Sul). Invasõesrecíprocas marcam os seus reinados e a sua história. Destasetapas distinguem-se em geral três grandes fases:• O Império Antigo – da 1ª à 12ª dinastia (-3500 a -2000)• O Império Médio – da 12ª à 18ª dinastia (-2000 a -1580)• O Império Novo – da 18ª à 24ª dinastia (-1580 a -1100)
  10. 10. A África Negra na Antiguidade
  11. 11. A África Negra na Antiguidade O Império Antigo – da 1ª à 12ª dinastia (-3500 a -2000)As duas primeiras dinastias, poucoconhecidas, estabelecidas em Mênfis,consolidaram os fundamentos sociopolíticose artísticos já existentes.Isto foi possível devido à unificação de todasas forças económicas e espirituais do Vale.Esta situação faz com que as 3ª e 4ªdinastias floresçam e se distingam (aconstrução das grandes pirâmides de Keops,Kéfren e Mikerinos.
  12. 12. A África Negra na Antiguidade O Império Antigo – da 1ª à 12ª dinastia (-3500 a -2000)A partir da 5ª dinastia surgem desordens (invasões vindas doNorte), mas também sublevações populares. A população, emgeral, queria aceder ao privilégio do “julgamento de Osíris”,reservado, até aí, aos faraós. Ao fim e ao cabo o povo reclamavaa “igualdade democrática no Além”.De acordo com o chamado “Papiro de Leide” (Papiro de Ipuwer):“As gentes do deserto substituem os Egípcios em todos oslugares. Chegam estrangeiros. Os corações dos homens sãoviolentos. A peste corre pelo país; há sangue por toda a parte; amorte não tem um momento de descanso…”. E acrescenta: “Osnobres estão de luto, os plebeus exultam. Não se trabalha mais aterra. Os segredos dos templos são divulgados; os textossagrados lançados à rua. (…) Um salvador virá do Sul”
  13. 13. A África Negra na Antiguidade O Império Antigo – da 1ª à 12ª dinastia (-3500 a -2000)Papiro de Leide ou Papiro de Ipuwer Papiro Diferentes formas de cortar o Papiro
  14. 14. A África Negra na Antiguidade O Império Antigo – da 1ª à 12ª dinastia (-3500 a -2000) Keops
  15. 15. A África Negra na Antiguidade O Império Antigo – da 1ª à 12ª dinastia (-3500 a -2000) Kéfren
  16. 16. A África Negra na Antiguidade O Império Antigo – da 1ª à 12ª dinastia (-3500 a -2000) Mikerinos
  17. 17. A África Negra na Antiguidade O Império Antigo – da 1ª à 12ª dinastia (-3500 a -2000)Mastabas
  18. 18. A África Negra na Antiguidade O Império Médio – da 12ª à 18ª dinastia (-2000 a -1580)O restaurador da glória do Egipto veio do Sul, sob o signo dodeus Ámon – Amenhemat I. Este derrota os Khetos (Hicsos) edepois restaura a ordem, em particular a dos Templos, dos cultose do Livro dos Mortos.A partir da 13ª dinastia recomeçam as invasões. A 17ª dinastia éfundada pelos Hicsos, invasores asiáticos que se se dizem reis-pastores, mas que não passam de nómadas sem grandeprestígio.É nesta época que o José da Bíblia é chamado por um destes reispara seu ministro, o que aumentou consideravelmente a colóniajudaica (no Egipto).Esta dinastia não deixa qualquer vestígio aparente de civilização.
  19. 19. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100)Amenófis I, vindo do Sul, repele os Hicsos, fixa-se em Tebas einstaura a paz e a prosperidade por dois séculos. Com Ramsésproduz-se um progressos surpreendente da civilização, como otestemunham Karnak, Lúxor, o Vale dos Reis e o Santuário deDeir el Bahari.Nesta época e através de alianças diplomáticas e militares, osEgípcios e os Núbios (por um lado) e os Cretenses, Hititas eAssírios, por outro, juntam-se contra os chamados “povos domar” (Aqueus). Através de casamentos com princesas asiáticas ecom base no sistema matrilinear, os filhos dos faraós são sempreestrangeiros, que trazem consigo mentalidades novas.
  20. 20. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100)É desta época Amenófis IV (casado com Nefertiti), que tentasubstituir o culto do Sol (Ámon) por Rá (Áton), mudou de nome(Akhenaton) e de capital, refugiando-se em El Amarna. O seusucessor, o grande Tutankhamon restabelece os costumestradicionais.A partir da 18ª dinastia e durante as invasões do Norte, edurante as invasões que se sucedem da 19ª à 24ª dinastias, oreino núbio de Kush intervirá cada vez mais na vida interna doEgipto, até à imposição da dinastia Saíta, pelos Assírios.
  21. 21. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100) Karnak
  22. 22. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100) Lúxor
  23. 23. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100) Lúxor
  24. 24. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100) Vale dos Reis
  25. 25. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100) Vale dos Reis
  26. 26. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100) Deir el Bahari
  27. 27. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100)Amenófis IV Nefertiti
  28. 28. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100) Amenófis IV e Nefertiti iluminados por Áton
  29. 29. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100) Pintura mural no túmulo de Tutankhamon
  30. 30. A África Negra na Antiguidade O Império Novo – da 18ª à 20ª dinastia (-1580 a -1100)Tutankhamon e Ankhesenamun Máscara funerária de Tutankhamon
  31. 31. A África Negra na Antiguidade 2. Kush e Méroe
  32. 32. A África Negra na Antiguidade FIM

×